A Marinha Portuguesa e o Zero Naval !

  • 2382 Respostas
  • 196171 Visualizações
*

LM

  • Investigador
  • *****
  • 1841
  • Recebeu: 515 vez(es)
  • Enviou: 1647 vez(es)
  • +303/-16
Re: A Marinha Portuguesa e o Zero Naval !
« Responder #2370 em: Novembro 22, 2021, 04:19:08 pm »
Citar
Portugal  ::)

In December 2019, the Portuguese Government approved the armed forces’ procurement plan for the current decade, including for six OPVs recently authorised and logistics support ships, in addition to the upgrade for the VASCO DA GAMA class frigates. In the meantime, the two BARTOLOMEU DIAS (M) class frigates are currently undergoing mid-life upgrades in the Netherlands carried out by the Dutch Defence Materiel Organisation. The programme sees the modernisation of the weapon package centred on new Raytheon Evolved SeaSparrow Missile Block II, Thales Nederland sensors and national communications systems and some of the equipment related to propulsion, ship maneuvering and power distribution. The first of class is to return into service by the end of 2021 while the second will return to Portugal in 2022.


Spain

With the Spanish MoD’s contract award to Navantia shipbuilding group in April 2019, followed by Parliament approval of initial funding release in November 2020, the Spanish Navy’s F110 frigate programme for the design and construction of five new multipurpose combatant platforms, has successfully reached the Critical Design Review (CDR) last May. This will lead to the first steel cut for the leading platform in the first half of 2022 and a planned launching around the end of 2024, for a commissioning into service at the beginning of 2027. The remaining frigates will follow by 2031. Capable of operating in high-to-low intensity warfare scenarios in blue and littoral waters, the 6,170 tonnes displacement and 145 meters long frigate is characterised by a multi-mission, flexible bay alongside the hangar, the latter able to accommodate one SH-60B/NH90 helicopter in addition to unmanned VTOL platforms.

Being developed by Indra as prime contractor and main provider, the F-110 combat system is based on an evolved SCOMBA CMS, with integration between AAW weapons and sensors suite through the so-called US International Aegis Fire Control Loop. The integrated mast includes:

    a new 4FF AESA radar being developed by Indra with Lockheed Martin
    Indra’s PRISMA 25X AESA multi-function surface radar
    Indra/Tecnobit panoramic IRST
    new generation communications
    data link and identification package
    EW suite with RESM/CESM/RECM
    a new DORNA FCS, all developed by Indra, in addition to two illuminators for Raytheon STANDARD 2 AAW missiles.

The Thales ASW package includes the BlueMaster (UMS 4110) bow-mounted sonar and CAPTAS 4 Compact VDS, in addition to the BlueScan digital acoustic suite. The weapon package includes Raytheon STANDARD and ESSM Block 2 missiles, finding accommodation in a 16 cell Mk41 VLS, while ASuW armament include launchers for eight anti-ship missiles. The gun package features a Leonardo 127/64 mm LW VULCANO main gun, two 30 mm and four 12.7 mm RCWSs, in addition to lightweight torpedo launchers and provisions for DEW.

Turkey

Last January, the first I-class (ISTIF class) frigate was launched at Istanbul Naval Shipyard. Under a contract awarded in September 2019, the Turkish industrial team led by STM as prime contractor will delivery four frigates between 2023 and 2027. Based on ADA class corvette design which has found export success in Pakistan, the new class of frigates has a larger national systems content.

With a 3,000 t displacement and 113.2 metre length, the I-class platform features a more efficient propulsion system and combat suite based on the Havelsan ADVENT CMS. The latter manages a national sensor suite including:

    Aselsan HAZAR 3D AESA radar
    Aselsan ARES-2N/AREAS-2N RESM/RECM
    AKREP fire control radar
    PIRI IRST
    Aselsan FERSAH hull-mounted and HIZIR torpedo defence system

The armament package includes locally-developed 16-cell VLS and air-defence missiles, 35 mm GÖKDENIZ inner-layer defence system, Roketsan ATMACA Block 1 anti-ship missiles in addition to a Leonardo or MKEK 76/62 mm gun and Aselsan 25 mm RCWSs.

In parallel, the Turkish MoD launched the Mid-Life Upgrade programme for the BARBAROS (MEKO 200TN) class frigates in 2018. It regards the integration by Aselsan/Havelsan of latest generation nationally-developed systems, with the four frigates upgrade to be completed in the 2022-2024 period.

UK 

With a contract awarded to BAE Systems in June 2017 for the first batch of three frigates, the UK MoD’s Type 26 programme is today AT an advanced shipbuilding stage with all three ships under construction. Designed to meet requirements for a globally deployable and multi-mission warship, the Type 26 class includes eight ASW-oriented frigates, of which the first-of-class is planned to enter in service in 2026, twelve months sooner than forecast at the contract award time. The BAE Systems’ Type 26 Global Combat Ship (GCS) digital design found worldwide success among the ‘five eyes’ countries, having been contracted in customised versions by Australia and Canada. With an 8,000 tonnes full load displacement and a length of 149.9 metres, the Type 26 design features an amidship flexible mission bay, a large flight deck and hangar for two Leonardo WILDCAT helicopters. The BAE Systems CMS with shared network infrastructure and environment manages a sensors and weapons suite including BAE Systems Artisan 997 medium range radar, Thales UK UAT MOD 2 family RESM, and an ASW suite with Ultra Electronics Type 2150 bow-mounted and Thales Sonar 2087 variable depth sonars.

The missile package features two 24-cell VLSs for the MBDA SEA CEPTOR air-defence missiles and 24-cell strike-length Lockheed Martin Mk41 VLS to accommodate the MBDA Future Cruise/Anti-Ship Weapon (FCASW) from 2028. Also featured are the BAE Systems Mk45 Mod 4 5-inch/127 mm main gun, two Raytheon PHALANX 1B, two MSI-Defence Systems SEAHAWK DS30M Mark2 30 mm and provision for DEW growth.

Balance of the Fleet

The balance of the Royal Navy’s frigate component is satisfied by the Type 31 programme for a fleet of five lighter, cheaper and readily exportable general purpose frigates, for which a contract was awarded in November 2019 to the Babcock International-led industrial team including Thales, OMT, BMT and Frazer-Nash. The UK Government announced in late 2020 the future procurement of a new class of more flexible Type 32 frigates. Based on Danish Navy’s IVER HUITFELDT class proven platform, the Type 31/ARROWHEAD 140 design passed the Whole Ship Critical Design Review (WSCDR) last April, for a first-of-class platform entering into service in 2027.

With a 6,000+ tonnes displacement and a 138.7 meters length, the INSPIRATION class frigate combat system is centred around the Thales TACTICOS CMS with communication suite and a sensors package including:

    Thales NS100 AESA radar
    Thales GATEKEEPER non-rotating EO cameras
    two Thales MIRADOR MK2 EO FCSs
    Thales VIGILE-D RESM and decoy launchers.

The armament includes a BAE Systems BOFORS 57 mm Mk3 main gun, a 12-cell VLS for MBDA SEA CEPTOR SAMs, two BAE Systems BOFORS 40 mm Mk4 guns, machine guns, space and provisions for anti-ship missiles and additional air-defence missiles VLSs.
[/quote]
« Última modificação: Novembro 22, 2021, 04:20:07 pm por LM »
Quidquid latine dictum sit, altum videtur
 

*

Pescador

  • Analista
  • ***
  • 726
  • Recebeu: 559 vez(es)
  • Enviou: 260 vez(es)
  • +355/-1085
Re: A Marinha Portuguesa e o Zero Naval !
« Responder #2371 em: Novembro 22, 2021, 04:21:05 pm »
Há link para esse artigo? Thx

o que interessa desse artigo está aqui :

https://www.marinha.pt/pt/a-marinha/estudos-e-reflexoes/cadernos-navais/Documents/cadernos%20navais_53_af.pdf

6.1.1 Oceânica de Superfície
Deverá ser composta por patrulhas oceânicos, fragatas, reabastecedores, navios logísticos/anfíbios, navios de pesquisa oceanográfica e veleiros de treino
.

6.1.1.1 Patrulhas Oceânicos
Vocacionados de raiz para atividades de segurança marítima, de fiscalização, de vigilância de área e de recolha de informações, garantindo desse modo a presença do Estado nas áreas de interesse nacional. Apesar de serem navios de baixo custo (relativo) de aquisição e operação, podem contudo ser modificados de forma modular para:
(i) funções anti-submarinas;
(ii) transporte de pessoal (até 50 elementos);
(iii) base operativa para drones de superfície, submarinos e aéreos;
(iv) navios auxiliares de combate à poluição marítima.
Nas funções anti-submarinas estes navios modificados com sistemas passivos (cauda rebocada) e ativos (de baixa frequência) passarão a desempenhar uma função estratégica no seio da OTAN, num espaço relevante para a organização: o triângulo estratégico português.
Na sua capacidade de transporte de pessoas podem revelar-se muito úteis e flexíveis em ações de apoio humanitário, assim como plataformas para lançar raides anfíbios com fuzileiros em costa aberta.
O desenho modular e adaptativo permitirá transformar um navio tipicamente de fiscalização numa unidade combatente, útil no inventário da OTAN, reforçando o valor militar da Marinha Portuguesa.

6.1.1.2 Fragatas, ou seu sucedâneo

Desenhadas originalmente para as funções de proteção das linhas/corredores de navegação mercante e de forças expedicionárias/anfíbias, devem estar aptas a combater ameaças de superfície, aéreas e, em particular, submarinas (aquelas com maior probabilidade de ocorrer no triângulo estratégico português).
Estes navios, pela quantidade e diversidade de armamento (peças de artilharia, rockets, mísseis, torpedos) que integram, podem ainda ser utilizados como instrumentos de flagelação/aniquilação de posições em terra, quer na orla costeira, quer em profundidade para o interior do território inimigo.
Também podem, em casos especiais, ser adaptadas para conduzir operações anfíbias isoladas de pequena dimensão, tipicamente raides e incursões, explorando o efeito-surpresa, utilizando o armamento próprio para suporte dessas operações.
São a componente de superfície que, pela sua dimensão, capacidade, presença e visibilidade, mais contribui para a perceção do poder do Estado no mar. Os submarinos, sendo um instrumento de negação dos espaços marítimos, atuando de forma encoberta, têm nas fragatas o seu oposto. Estas constituem-se pela sua visibilidade como elementos fundamentais para a perceção de controlo e ocupação desses mesmos espaços.
A simples presença, associada a uma elevada persistência na área de operações, à liberdade e espaço de manobra que o mar proporciona e a uma panóplia muito diversificada de ações que podem realizar, fazem das fragatas um instrumento essencial da diplomacia naval. A realização de exercícios em determinadas áreas selecionadas, a visita a portos estrangeiros, as operações de segurança marítima, estabilização, ou em sentido inverso, de perturbação, provocação, interdição ou bloqueio marítimo, entre outras, são exemplos de ações que poderão ser doseadas de acordo com o nível de tensão político-militar e com os objetivos pretendidos.
A recente evolução tecnológica rumo à robotização da guerra e o avanço significativo das armas anti-navio (misseis de alta velocidade e torpedos de longo alcance) vieram alterar substancialmente o quadro vigente dos conflitos marítimos.
As fragatas, tal como hoje as conhecemos e concebemos, são navios datados, ou seja, “fora de época”. No futuro, não muito longínquo, serão navios mistos, com alguma capacidade anfíbia, com uma robusta defesa próxima, portadores/transportadores de armas de longo alcance e de um núcleo variado de drones. Continuarão a ser dotadas de helicópteros orgânicos para missões de transporte de pessoal e armamento pesado.
Os drones permitirão criar uma bolha de deteção multidimensional alargada, que contribuirá substancialmente para o aviso antecipado e a defesa em profundidade dos futuros navios. Os mesmos drones servirão também para guiar as armas orgânicas das fragatas, aumentando o seu alcance, a precisão e a descriminação sobre os alvos a atingir.
Estes navios pela sua capacidade constituem, a par dos submarinos, o cerne do contributo da Marinha para os compromissos resultantes da defesa coletiva
das alianças que Portugal integra.
Similarmente ao Porta-Aviões que apareceu na I Grande Guerra do século XX, estes novos navios irão permitir a operação de drones aéreos, mas ainda também, no que é uma extensão do conceito, de drones de sub-superfície e de superfície.

6.1.1.3 Navios logísticos/reabastecedores e de transporte

Navios com capacidade para transportar combustível, material e pessoal, tendo a possibilidade de operar helicópteros pesados, médios e ligeiros. Devem ter capacidade orgânica para desembarcar (barcaças) cargas pesadas em zonas onde não exista, ou não esteja disponível, uma infraestrutura portuária. É possível, num futuro muito próximo, vir a dispor de navios designados na gíria anglo-saxónica por crossover: revolucionários, com uma elevada autonomia, que realizem simultaneamente as funções dos sucedâneos das fragatas atuais e dos navios logísticos e de transporte. A grande vantagem desta opção residiria na economia de escala, na simplificação logística da Esquadra, bem como numa maior flexibilidade e resiliência de emprego.

6.1.1.4 Navios oceanográficos
Vocacionados para a exploração científica dos espaços marítimos, contribuindo para o conhecimento do ambiente operacional da Marinha através da cartografia, hidrografia e oceanografia. Não faz sentido o Estado adquirir mais navios destes e entrega-los a instituições que não detêm o ethos, nem as infraestruturas, nem capacidade financeira para os sustentar. Invariavelmente, passado algum tempo, acabam por ser entregues à Marinha para os operar e manter. A irracionalidade de todo o processo tem óbvias consequências negativas, mormente na aplicação dos fundos existentes.
Faria, sim, sentido investir na capacidade de navios hidrográficos a cargo da Marinha e apetrechá-los o melhor possível para operarem, não só no interesse da Marinha, mas de todas as instituições do Estado que conduzem campanhas científicas no mar.

6.1.2 Submarina
Constituída por submarinos capazes de realizar a negação da utilização dos espaços marítimos, em situação de tensão ou conflito, a forças opositoras de superfície (dissuasão) muito mais poderosas. Para um país com a dimensão de Portugal e com as responsabilidades inerentes à posição e ao espaço marítimo nacional, os submarinos proporcionam in extremis a última opção militar. Em tempo de conflito, atuam essencialmente isolados, na modalidade de guerra de corso, podendo, no entanto, ser empregues em suporte avançado de forças de superfície, quer em ações de disrupção e/ou atrição de forças opositoras, quer na proteção das forças próprias. Ainda, em situações de crise e conflito, podem desferir ataques cirúrgicos de surpresa, à “queima-roupa”, nas zonas costeiras adversárias, assim como infiltrar/apoiar agentes sabotadores de forma totalmente secreta. Em tempo de paz, estes meios constituir-se-ão como a única capacidade apta a recolher informação de forma discreta, mesmo em zonas sob forte disputa, que sejam relevantes para o sistema de decisão nacional. Ou seja, podem estar onde supostamente o Estado não pode estar. As capacidades destes meios permitem ainda, sem se denunciarem, exercer a vigilância por largos períodos de tempo sobre atividades ilícitas. Esta capacidade é também crítica na luta anti-submarina, seja ela de vigilância e seguimento em tempo de paz, seja de contenção e destruição em tempo de tensão ou conflito. Pode ainda realizar ações percursores de operações anfíbias. É a capacidade militar da Marinha verdadeiramente diferenciadora, conferindo um poder desproporcional, quer no seio das alianças, quer contra opositores.



Abraços


Neste caso, houvesse coerência, o assunto da substituição da VG por Crossover que já foi aqui falado diversas vezes e com com beneficio para navio de apoio estava resolvido e, a barbaridade de conversa de uma suposta venda de submarinos nem se punha.
Já os NPO nem credibilidade têm para combater pirataria ou tráfico no caso de meios um pouco mais agressivos que um bote com uma AK ou vigiar alguma coisa que não seja à vista de cansativos binóculos.

Falta o quê mais esclarecer?
Nada, está tudo aí no papel, é só seguir
« Última modificação: Novembro 22, 2021, 05:57:25 pm por Pescador »
 
Os seguintes utilizadores agradeceram esta mensagem: HSMW

*

Red Baron

  • Investigador
  • *****
  • 1843
  • Recebeu: 283 vez(es)
  • Enviou: 234 vez(es)
  • +104/-197
Re: A Marinha Portuguesa e o Zero Naval !
« Responder #2372 em: Novembro 22, 2021, 09:12:28 pm »
Adiar? Mas já estamos no zero naval.

mas que blasfémia.........
Então não foi o Ministro que disse que a marinha estava bem e ia ficar muito melhor com a super fragata BD ??
Estamos quase, quase a bater no fundo se não fossem os dois 214 ainda, quer dizer, um deles, pois ainda tem algum poder de dissuasão.
Esta gente não aprende que a Arma submarina, como tem um custo de operação de 1/5 de uma fragata, deveria ser a primeira escolha em termos de unidades navais de combate, para um País com a extensão maritima que temos, e com as limitações financeiras que possuimos, mas enfim é o que temos.

Abraços

afinal o Arpão saiu hoje da doca seca.......

O submarino arpão saiu hoje do alfeite.

Vamos ver quem é que vai entrar agora na doca seca.
Vai dizer muito do que vão ser os próximos dois anos a nível de meios disponíveis.

NRP Bartolomeu Dias..... :bang:

E a VdG?
É que :
Citar
Está já agendada para 2022 a entrada do outro submarino da classe, o Tridente, para uma intervenção intercalar
onde vai ficar durante um ano e meio.
 

*

Stalker79

  • Investigador
  • *****
  • 1841
  • Recebeu: 404 vez(es)
  • Enviou: 1879 vez(es)
  • +145/-21
Re: A Marinha Portuguesa e o Zero Naval !
« Responder #2373 em: Novembro 22, 2021, 09:15:17 pm »
E é por causa de manutenções de ano e meio que deveriamos ter um terceiro submarino, pago ou por pagar. Para não termos apenas um a patrulhar enquanto outro está inop tempos infinitos.
 >:(
 

*

dc

  • Investigador
  • *****
  • 5274
  • Recebeu: 1638 vez(es)
  • Enviou: 412 vez(es)
  • +342/-244
Re: A Marinha Portuguesa e o Zero Naval !
« Responder #2374 em: Novembro 23, 2021, 12:19:20 am »
E é por causa de manutenções de ano e meio que deveriamos ter um terceiro submarino, pago ou por pagar. Para não termos apenas um a patrulhar enquanto outro está inop tempos infinitos.
 >:(

Isso teria todo o sentido, ter 3, ou idealmente 4, submarinos. Aliás, era o plano original, 3 com opção de mais 1. Mas foram cortando e cortando.

Citar
Portugal  ::)

In December 2019, the Portuguese Government approved the armed forces’ procurement plan for the current decade, including for six OPVs recently authorised and logistics support ships, in addition to the upgrade for the VASCO DA GAMA class frigates. In the meantime, the two BARTOLOMEU DIAS (M) class frigates are currently undergoing mid-life upgrades in the Netherlands carried out by the Dutch Defence Materiel Organisation. The programme sees the modernisation of the weapon package centred on new Raytheon Evolved SeaSparrow Missile Block II, Thales Nederland sensors and national communications systems and some of the equipment related to propulsion, ship maneuvering and power distribution. The first of class is to return into service by the end of 2021 while the second will return to Portugal in 2022.


Um gajo até fica deprimido a ver o nosso comparativamente aos outros. Mas depois teremos futuros MDNs e companhia a dizer que estamos ao nível dos nossos alíados.  ::)
 

*

Get_It

  • Investigador
  • *****
  • 1914
  • Recebeu: 299 vez(es)
  • Enviou: 454 vez(es)
  • +23/-29
Re: A Marinha Portuguesa e o Zero Naval !
« Responder #2375 em: Novembro 23, 2021, 06:10:36 pm »
Estas notícias já têm umas semanas (11 de Novembro) mas, juntamente com o facto dos russos terem andado a espiar cabos submarinos ao largo da Irlanda, serve para reflectir de como será Portugal capaz de garantir a soberania das suas águas e proteger os actuais e futuros cabos submarinos que por elas passarão.



Norwegian Undersea Surveillance Network Had Its Cables Mysteriously Cut
https://nationalpost.com/news/world/norways-strategic-underwater-research-observatory-has-cables-cut-removed-in-suspicious-act

Cumprimentos,
:snip: :snip: :Tanque:
 
Os seguintes utilizadores agradeceram esta mensagem: HSMW

*

P44

  • Investigador
  • *****
  • 12405
  • Recebeu: 2246 vez(es)
  • Enviou: 2906 vez(es)
  • +1788/-3821
Re: A Marinha Portuguesa e o Zero Naval !
« Responder #2376 em: Novembro 23, 2021, 07:21:21 pm »
Os outros que se ralem com isso
"[Os portugueses são]um povo tão dócil e tão bem amestrado que até merecia estar no Jardim Zoológico"
-Dom Januário Torgal Ferreira, Bispo das Forças Armadas
 
Os seguintes utilizadores agradeceram esta mensagem: NVF, nelson38899

*

Pescador

  • Analista
  • ***
  • 726
  • Recebeu: 559 vez(es)
  • Enviou: 260 vez(es)
  • +355/-1085
Re: A Marinha Portuguesa e o Zero Naval !
« Responder #2377 em: Novembro 23, 2021, 08:26:47 pm »
Estas notícias já têm umas semanas (11 de Novembro) mas, juntamente com o facto dos russos terem andado a espiar cabos submarinos ao largo da Irlanda, serve para reflectir de como será Portugal capaz de garantir a soberania das suas águas e proteger os actuais e futuros cabos submarinos que por elas passarão.



Norwegian Undersea Surveillance Network Had Its Cables Mysteriously Cut
https://nationalpost.com/news/world/norways-strategic-underwater-research-observatory-has-cables-cut-removed-in-suspicious-act

Cumprimentos,

Quando chegar a altura embarcam 5 Comodoros/ Almirantes num navio de forças amigas com uma caixas daquele tinto bom e vem o ministro dizer que é cooperação de Paises Nato
 
Os seguintes utilizadores agradeceram esta mensagem: tenente, HSMW

*

Luso

  • Investigador
  • *****
  • 7811
  • Recebeu: 852 vez(es)
  • Enviou: 273 vez(es)
  • +393/-2074
Re: A Marinha Portuguesa e o Zero Naval !
« Responder #2378 em: Novembro 23, 2021, 10:31:31 pm »
Portugal vai importar a maior parte da energia eléctrica - deliberadamente - e ainda acham que são uns barquitos que garantem a nossa soberania?
Ai de ti Lusitânia, que dominarás em todas as nações...
 
Os seguintes utilizadores agradeceram esta mensagem: tenente, HSMW, Kalil

*

HSMW

  • Moderador Global
  • *****
  • 10844
  • Recebeu: 1721 vez(es)
  • Enviou: 4696 vez(es)
  • +278/-136
    • http://youtube.com/HSMW
Re: A Marinha Portuguesa e o Zero Naval !
« Responder #2379 em: Novembro 23, 2021, 10:57:10 pm »
Não podia estar mais de acordo!!

Não temos independência energética, alimentar, industrial, económica ou tecnológica!

Uns barquitos e uma dúzia de F-35 para manter a soberania do quê?!

Não temos inimigos directos porque já somos um estado vassalo dominado por outros interesses.

O ter inimigos é quando os políticos sentem os co**** apertados ou as vidas ameaçadas e aí investe-se a séria na defesa.

E é na politica que deve começar a mudança.

https://www.youtube.com/user/HSMW/videos

"Tudo pela Nação, nada contra a Nação."
 

*

P44

  • Investigador
  • *****
  • 12405
  • Recebeu: 2246 vez(es)
  • Enviou: 2906 vez(es)
  • +1788/-3821
Re: A Marinha Portuguesa e o Zero Naval !
« Responder #2380 em: Novembro 25, 2021, 12:33:28 pm »
https://mobile.twitter.com/NavyLookout/status/1463841813639352321

Maricas. Com uma fragata dessas também eu.

Queria era ver com um NPO desarmado , isso é que eram machos (latinos!)
"[Os portugueses são]um povo tão dócil e tão bem amestrado que até merecia estar no Jardim Zoológico"
-Dom Januário Torgal Ferreira, Bispo das Forças Armadas
 
Os seguintes utilizadores agradeceram esta mensagem: LM, NVF, Charlie Jaguar, Stalker79

*

Charlie Jaguar

  • Investigador
  • *****
  • 3766
  • Recebeu: 2898 vez(es)
  • Enviou: 1736 vez(es)
  • +4098/-1962
Re: A Marinha Portuguesa e o Zero Naval !
« Responder #2381 em: Novembro 26, 2021, 09:00:23 am »
https://mobile.twitter.com/NavyLookout/status/1463841813639352321

Maricas. Com uma fragata dessas também eu.

Queria era ver com um NPO desarmado , isso é que eram machos (latinos!)

Nós só estamos agora a hidrografar, o resto não nos interessa para nada. Fragatas armadas até aos dentes em áreas de pirataria, pffff, exagero de países riquinhos.  ::)
Saudações Aeronáuticas,
Charlie Jaguar

"I'll miss the sea, but a person needs new experiences. They jar something deep inside, allowing him to grow. Without change something sleeps inside us, and seldom awakens. The sleeper must awaken."
Duke Leto Atreides (Dune, Frank Herbert)
 
Os seguintes utilizadores agradeceram esta mensagem: P44

*

Pescador

  • Analista
  • ***
  • 726
  • Recebeu: 559 vez(es)
  • Enviou: 260 vez(es)
  • +355/-1085
Re: A Marinha Portuguesa e o Zero Naval !
« Responder #2382 em: Novembro 26, 2021, 11:03:55 am »
https://mobile.twitter.com/NavyLookout/status/1463841813639352321

Maricas. Com uma fragata dessas também eu.

Queria era ver com um NPO desarmado , isso é que eram machos (latinos!)

Nós só estamos agora a hidrografar, o resto não nos interessa para nada. Fragatas armadas até aos dentes em áreas de pirataria, pffff, exagero de países riquinhos.  ::)


Com o processo de estigmatização do colonialismo que tem sido feito por uns e tolerado por outros acobardados, não admira tanta dificuldade em equipar um NPO, quando mais uma Fragata.
Figuras patéticas que devem a sua posição ao dia "de ontem", ficam agora caladas para não se comprometerem. Da mesma maneira que a sua eterna dedicação aos palop, não passa de interesses pessoais, de tiques e interesses económicos de relacionados.
Então que papel andamos a fazer lá se de cá não tratamos nós?
Gente que em casa são pelintras e andam a querer fazer figura fora. Mas só se for figura de saloios
 
Os seguintes utilizadores agradeceram esta mensagem: P44