Novos Sistemas de Defesa Aérea

  • 511 Respostas
  • 64708 Visualizações
*

dc

  • Investigador
  • *****
  • 5274
  • Recebeu: 1638 vez(es)
  • Enviou: 412 vez(es)
  • +342/-244
Re: Novos Sistemas de Defesa Aérea
« Responder #45 em: Junho 02, 2019, 05:09:32 pm »
Apenas postei isto como uma possível solução mais barata para defesa de ponto das unidades terrestres. De canhões a solução ideal seria como o Mantis, ou semelhante.

 

*

typhonman

  • Investigador
  • *****
  • 4856
  • Recebeu: 606 vez(es)
  • Enviou: 1143 vez(es)
  • +2136/-2334
Re: Novos Sistemas de Defesa Aérea
« Responder #46 em: Junho 02, 2019, 07:44:52 pm »
Apenas postei isto como uma possível solução mais barata para defesa de ponto das unidades terrestres. De canhões a solução ideal seria como o Mantis, ou semelhante.



É para esquecer.

Se não me engano, devemos ser dos países da NATO com menor capacidade AAA/SAM.

Cumprimentos,
 

*

Stalker79

  • Investigador
  • *****
  • 1841
  • Recebeu: 404 vez(es)
  • Enviou: 1878 vez(es)
  • +145/-21
Re: Novos Sistemas de Defesa Aérea
« Responder #47 em: Junho 02, 2019, 07:46:42 pm »
Menor!? Se tudo o que temos são Stingers porque os Chapparal já foram reformados a bem dizer é NULA!!!

 :(
 

*

dc

  • Investigador
  • *****
  • 5274
  • Recebeu: 1638 vez(es)
  • Enviou: 412 vez(es)
  • +342/-244
Re: Novos Sistemas de Defesa Aérea
« Responder #48 em: Junho 02, 2019, 11:33:48 pm »
Tirando países de Leste e micro-países como o Luxemburgo, devemos ser mesmo os piores neste aspecto. há mais de 15 anos que se fala em adquirir novos sistemas. Provavelmente há 20 anos atrás já se falava nos Avenger para substituir os Chaparral. Depois surgiu também o interesse pelos Nasams, mas até hoje, nada. Aliás, supostamente algures nos últimos dois anos ia-se comprar algo para a defesa aérea... mas até hoje, não se vê nada. Por enquanto é rezar que os F-16 continuem a controlar o espaço aéreo nacional, o que num conflito convencional, duraria muito pouco tempo.

O facto de este aspecto nem sequer fazer parte da LPM até 2030, entristece-me. Mas claramente demonstra que não se leva a sério a defesa do país.
 

*

LM

  • Investigador
  • *****
  • 1840
  • Recebeu: 515 vez(es)
  • Enviou: 1646 vez(es)
  • +303/-16
Re: Novos Sistemas de Defesa Aérea
« Responder #49 em: Junho 03, 2019, 12:30:58 pm »
Até compreendo que os recursos - sempre escassos e mal geridos - sejam canalizados para outros sistemas, pois não é das vulnerabilidades com maior possibilidade de trazer problemas a curto prazo...

Mas - à semelhança de manter capacidade tipo Leopard 2A6 - temos de ter alguma coisa! Nem que seja para "escola e doutrina"... talvez o processo de aquisição que está (estava?) a correr na NSPA seja concluído e venha algo, mesmo que insuficiente em quantidade e alcance, mas é um 1º passo.     
Quidquid latine dictum sit, altum videtur
 
Os seguintes utilizadores agradeceram esta mensagem: NVF, jorgeshot1, Stalker79

*

dc

  • Investigador
  • *****
  • 5274
  • Recebeu: 1638 vez(es)
  • Enviou: 412 vez(es)
  • +342/-244
Re: Novos Sistemas de Defesa Aérea
« Responder #50 em: Junho 03, 2019, 03:47:31 pm »
Eu penso que a nível da defesa anti-aérea, há 3 aspectos importantes. Mesmo não adquirindo sistemas na quantidade necessária, pelo menos deviam ser adquiridos sistemas que permitam:
1. manter/criar doutrinas, e isto inclui sistema de muito curto, curto e médio alcance;
2. ter capacidade de resposta imediata no caso de um ataque "surpresa" ou aumento de hostilidades súbitas;
3. ter capacidade de proteger pontos e áreas de elevado valor, especialmente de valor militar.

Ora, para isto, seriam necessários pelo menos pequenas baterias estilo NASAMS (1 radar, estação de controlo e 2 lançadores), para equipar pelo menos as bases mais importantes (Alfeite, Monte Real, Beja, Santa Margarida,...). Porquê baterias tão pequenas? Por uma questão de custos, trazendo alguma capacidade de resposta. Permitiria ainda que mais tarde, se fosse necessário, o tamanho destas baterias pudesse ser aumentado sem grandes problemas.

Adquirir sistemas de curto alcance em veículos para substituir os Chaparral, como o MPCV, que equiparia todo o tipo de unidades mecanizadas/blindadas. Novamente, mesmo que a quantidade não fosse muita, uma quantidade inicial de 10 veículos lançadores para BrigMec e outros tantos para a BrigInt, com alguns radares 3D para aviso antecipado, e já seria muito melhor do que o que temos agora.

Por fim, sistemas de canhões fixos e auto-propulsados, que oferecem capacidade de defesa de ponto a um custo baixo e com alguma imunidade a ambientes saturados em ECM.

Além disto, adquirir mais Stingers para equipar mais unidades.
 
Os seguintes utilizadores agradeceram esta mensagem: Stalker79

*

Stalker79

  • Investigador
  • *****
  • 1841
  • Recebeu: 404 vez(es)
  • Enviou: 1878 vez(es)
  • +145/-21
Re: Novos Sistemas de Defesa Aérea
« Responder #51 em: Junho 03, 2019, 04:05:18 pm »
Já baterias como a Spyder MR eu já lhe chamava um figo. Ao menos sempre eram 50 km de proteção anti aerea....
 :(
 

*

asalves

  • Analista
  • ***
  • 723
  • Recebeu: 261 vez(es)
  • Enviou: 87 vez(es)
  • +51/-13
Re: Novos Sistemas de Defesa Aérea
« Responder #52 em: Junho 03, 2019, 04:28:12 pm »
Eu penso que a nível da defesa anti-aérea, há 3 aspectos importantes. Mesmo não adquirindo sistemas na quantidade necessária, pelo menos deviam ser adquiridos sistemas que permitam:
1. manter/criar doutrinas, e isto inclui sistema de muito curto, curto e médio alcance;
2. ter capacidade de resposta imediata no caso de um ataque "surpresa" ou aumento de hostilidades súbitas;
3. ter capacidade de proteger pontos e áreas de elevado valor, especialmente de valor militar.

Ora, para isto, seriam necessários pelo menos pequenas baterias estilo NASAMS (1 radar, estação de controlo e 2 lançadores), para equipar pelo menos as bases mais importantes (Alfeite, Monte Real, Beja, Santa Margarida,...). Porquê baterias tão pequenas? Por uma questão de custos, trazendo alguma capacidade de resposta. Permitiria ainda que mais tarde, se fosse necessário, o tamanho destas baterias pudesse ser aumentado sem grandes problemas.

Adquirir sistemas de curto alcance em veículos para substituir os Chaparral, como o MPCV, que equiparia todo o tipo de unidades mecanizadas/blindadas. Novamente, mesmo que a quantidade não fosse muita, uma quantidade inicial de 10 veículos lançadores para BrigMec e outros tantos para a BrigInt, com alguns radares 3D para aviso antecipado, e já seria muito melhor do que o que temos agora.

Por fim, sistemas de canhões fixos e auto-propulsados, que oferecem capacidade de defesa de ponto a um custo baixo e com alguma imunidade a ambientes saturados em ECM.

Além disto, adquirir mais Stingers para equipar mais unidades.

Isto já deve ser cansaço e resignação mas o ponto 2 e 3, não são prioritários, a população civil não nota isso mas no caso da NATO muito antes de qualquer ataque "surpresa" já existe escalada de intensidade, ataques surpresa já pouco existem ou apenas servirão para justificar incompetência aos midia. Com os serviços de inteligência e todo o jogo político é possível prever um piorar da situação e equipar esses pontos sensíveis quando for preciso. veja-se o caso de Israel ou Coreia do Sul.

Dai com as tretas todas de falta de guito e incompetência da nossa classe política não seria útil gastar guito nesses sistemas num momento em que não faz falta.

PS: Se nos preocuparmos em ter uma marinha forte e Força aerea minimamente capaz de apoiar a marinha, se for necessário os nossos aliados mandam para cá os sistemas AA que precisarmos.
 

*

dc

  • Investigador
  • *****
  • 5274
  • Recebeu: 1638 vez(es)
  • Enviou: 412 vez(es)
  • +342/-244
Re: Novos Sistemas de Defesa Aérea
« Responder #53 em: Junho 03, 2019, 05:13:00 pm »
Isto já deve ser cansaço e resignação mas o ponto 2 e 3, não são prioritários, a população civil não nota isso mas no caso da NATO muito antes de qualquer ataque "surpresa" já existe escalada de intensidade, ataques surpresa já pouco existem ou apenas servirão para justificar incompetência aos midia. Com os serviços de inteligência e todo o jogo político é possível prever um piorar da situação e equipar esses pontos sensíveis quando for preciso. veja-se o caso de Israel ou Coreia do Sul.

Dai com as tretas todas de falta de guito e incompetência da nossa classe política não seria útil gastar guito nesses sistemas num momento em que não faz falta.

PS: Se nos preocuparmos em ter uma marinha forte e Força aerea minimamente capaz de apoiar a marinha, se for necessário os nossos aliados mandam para cá os sistemas AA que precisarmos.

Comparar Portugal com Israel e Coreia do Sul é um absurdo. Não só o orçamento de defesa deles é muito superior ao nosso, como com ou sem aumento de hostilidades, estão sempre muitíssimo bem equipados, e sabem que a qualquer momento podem ser atacados por um vizinho. Quando falo em ataques surpresa, falo em mísseis de cruzeiro por exemplo, e um eventual inimigo/governo hostil do Norte de África, não vai avisar os media que vão "atacar Portugal para conquistar a Madeira e as suas águas territoriais". A ideia é garantir a soberania garantindo que os locais onde estão concentrados os nossos meios de resposta rápida, se encontram protegidos.

Deixar a defesa aérea somente aos F-16 é suicídio. Até porque um sistema AA pode estar em alerta 24h por dia, já um caça não pode voar por este período de tempo, e mesmo contando com rotações de aeronaves, é muito dispendioso. As fragatas, no estado actual e mesmo com um MLU com ESSM não conseguem cobrir as ditas bases aéreas.

O erro de pensamento é esse "num momento em que não faz falta". Se todos os países da Europa possuem sistemas AA decentes, nós somos menos que eles? Mas querem LPDs, e desembarques e coisas todas xpto... mas depois e para proteger a força desembarcada? Protege-se com Stingers?  ???

Outro erro, é depender dos aliados. Se os aliados não levarem a sério uma ameaça feita por um país próximo de nós, e este país resolver atacar com uma saturação de mísseis de cruzeiro, pontos importantes no nosso território, como é que vai ser?
 

*

Stalker79

  • Investigador
  • *****
  • 1841
  • Recebeu: 404 vez(es)
  • Enviou: 1878 vez(es)
  • +145/-21
Re: Novos Sistemas de Defesa Aérea
« Responder #54 em: Junho 03, 2019, 05:17:39 pm »
Essa de depender de "amigos" e "aliados" é que não sei é boa estratégia....
 :-\
 
Os seguintes utilizadores agradeceram esta mensagem: NVF

*

dc

  • Investigador
  • *****
  • 5274
  • Recebeu: 1638 vez(es)
  • Enviou: 412 vez(es)
  • +342/-244
Re: Novos Sistemas de Defesa Aérea
« Responder #55 em: Junho 03, 2019, 11:09:50 pm »
Também acho que seja péssima ideia. Mesmo que nos emprestem e forneçam algum tipo de apoio, não vão conseguir "pagar" os estragos já feitos num ataque inicial. Mas lá está, a melhor forma de defender o país é demonstrar que não somos um alvo fácil, o que infelizmente é exactamente o oposto nos tempos que correm (salvam os submarinos).
 
Os seguintes utilizadores agradeceram esta mensagem: Stalker79

*

perdadetempo

  • Perito
  • **
  • 595
  • Recebeu: 216 vez(es)
  • Enviou: 428 vez(es)
  • +55/-2
Re: Novos Sistemas de Defesa Aérea
« Responder #56 em: Junho 03, 2019, 11:36:29 pm »
Alguém sabe dizer em que fase está este concurso na NSPA ou se "morreu" de vez? Obrigado!

Se se partir do principio que é este que aparece no site da NSPA

https://eportal.nspa.nato.int/eProcurement/FBO/eProcurementFBODetails.aspx?OpportunityId=18LDS015

Só a partir de 28 de Junho é que poderão haver novidades, pois é a data provisória para lançamento do pedido de propostas segundo a ultima actualização. Nada mau para algo que apareceu pela primeira vez em 2018 e que se consultarem o ficheiro Word tinha previsto data de lançamento inicial do processo a 6 de Abril de 2018  ::)

Cumprimentos,
 

*

Crypter

  • Especialista
  • ****
  • 1195
  • Recebeu: 199 vez(es)
  • Enviou: 230 vez(es)
  • +28/-6
Re: Novos Sistemas de Defesa Aérea
« Responder #57 em: Junho 03, 2019, 11:56:30 pm »
Alguém sabe dizer em que fase está este concurso na NSPA ou se "morreu" de vez? Obrigado!

Se se partir do principio que é este que aparece no site da NSPA

https://eportal.nspa.nato.int/eProcurement/FBO/eProcurementFBODetails.aspx?OpportunityId=18LDS015

Só a partir de 28 de Junho é que poderão haver novidades, pois é a data provisória para lançamento do pedido de propostas segundo a ultima actualização. Nada mau para algo que apareceu pela primeira vez em 2018 e que se consultarem o ficheiro Word tinha previsto data de lançamento inicial do processo a 6 de Abril de 2018  ::)

Cumprimentos,

Não sei se será pois esse engloba veículos e tudo..

Citar
The project consists of the provision of:
-   8 weapon terminals for the integration of legacy MANPADS;
-   2 short range radars;
-   8 vehicle-mounted new AAA launchers (Very short range - VSHORAD), including vehicles and ammunition;
 

*

Stalker79

  • Investigador
  • *****
  • 1841
  • Recebeu: 404 vez(es)
  • Enviou: 1878 vez(es)
  • +145/-21
Re: Novos Sistemas de Defesa Aérea
« Responder #58 em: Junho 04, 2019, 12:00:37 am »
"2 short range radars", só por ai dá para ver a quantidade de unidades em termos praticos que se vai dispor de AA, 2 pelotões, 4 viaturas cada.
"Legacy MANPADS", ou seja o Stinger de preferencia.
Sinceramente....

 :bang:
 

*

NVF

  • Investigador
  • *****
  • 4367
  • Recebeu: 2743 vez(es)
  • Enviou: 4853 vez(es)
  • +3957/-146
Re: Novos Sistemas de Defesa Aérea
« Responder #59 em: Junho 04, 2019, 12:04:36 am »
Ou vai ser Stinger ou Mistral. Com as verbas previstas não dá para mais. Esta aquisição vai servir para proteger FND em cenários onde o IN opere helicópteros e UAVs pequenos; qualquer coisa que voe acima dos 5.000 ou 6.000 metros é para os aliados.  :mrgreen:
Talent de ne rien faire