Brigada de Intervenção

  • 106 Respostas
  • 26165 Visualizações
*

tenente

  • Investigador
  • *****
  • 10432
  • Recebeu: 5762 vez(es)
  • Enviou: 4442 vez(es)
  • +8486/-1852
Re: Brigada de Intervenção
« Responder #90 em: Fevereiro 17, 2023, 08:20:28 am »
substitutos para os M114. :mrgreen:

https://morana.excaliburarmy.cz/

Abraços
Quando um Povo/Governo não Respeita as Suas FFAA, Não Respeita a Sua História nem se Respeita a Si Próprio  !!
 

*

Drecas

  • Investigador
  • *****
  • 1661
  • Recebeu: 545 vez(es)
  • Enviou: 180 vez(es)
  • +322/-192
Re: Brigada de Intervenção
« Responder #91 em: Setembro 10, 2023, 07:14:12 pm »
Umas questões

Alguém tem noção da organização mais ou menos direitinha do Grupo de Reconhecimento?

Segundo, um pelotão de reconhecimento no GRec é igual aos PelRec dos Batalhões de Infantaria?

Terceiro, estarei correto em assumir que a composição do comando das companhia de Infantaria é igual ao comando do Batalhão? (1 Pandur e 2 VTL)

Acho que é tudo por agora, obrigado pela ajuda
 

*

Raptor1234

  • Membro
  • *
  • 10
  • Enviou: 1 vez(es)
  • +0/-0
Re: Brigada de Intervenção
« Responder #92 em: Setembro 11, 2023, 09:26:09 pm »
Olá boa noite,
Alguém me sabe dizer a diferença operacional entre o RI14(2BIMecRodas) e o RI13(1BIMecRodas) em termos de atividade operacional? (não sei se uns são destacados para uma missão e outros para outra ou se vão trocando um como outro nas FNDs, e se ambos possuem exatamente o mesmo equipamento e investimento)
 

*

Cabeça de Martelo

  • Investigador
  • *****
  • 20717
  • Recebeu: 3152 vez(es)
  • Enviou: 2326 vez(es)
  • +1551/-3495
Re: Brigada de Intervenção
« Responder #93 em: Setembro 12, 2023, 02:26:55 pm »
Olá boa noite,
Alguém me sabe dizer a diferença operacional entre o RI14(2BIMecRodas) e o RI13(1BIMecRodas) em termos de atividade operacional? (não sei se uns são destacados para uma missão e outros para outra ou se vão trocando um como outro nas FNDs, e se ambos possuem exatamente o mesmo equipamento e investimento)

São exactamente iguais.
7. Todos os animais são iguais mas alguns são mais iguais que os outros.

 

*

Raptor1234

  • Membro
  • *
  • 10
  • Enviou: 1 vez(es)
  • +0/-0
Re: Brigada de Intervenção
« Responder #94 em: Setembro 12, 2023, 11:41:49 pm »
Olá boa noite,
Alguém me sabe dizer a diferença operacional entre o RI14(2BIMecRodas) e o RI13(1BIMecRodas) em termos de atividade operacional? (não sei se uns são destacados para uma missão e outros para outra ou se vão trocando um como outro nas FNDs, e se ambos possuem exatamente o mesmo equipamento e investimento)

São exactamente iguais.

Obrigado meu caro
 

*

Drecas

  • Investigador
  • *****
  • 1661
  • Recebeu: 545 vez(es)
  • Enviou: 180 vez(es)
  • +322/-192
Re: Brigada de Intervenção
« Responder #95 em: Setembro 18, 2023, 11:35:29 pm »
Entretanto noutras andanças
Vamos lá ver até quando dura o M114, porque começo a acreditar que vamos chegar a 2030 e lá vai ele estar  :mrgreen:

Sweden has signed a contract for 48 Archer SPG’s with BAE for a cost of 450 million dollars or 5 billion Swedish Krona.
Not much more is known including the chassis, Sweden has however shown interest in possibly in mounting the system on Rheinmetall’s new line of truck chassis, the HX
https://www.di.se/live/forsvaret-koper-archerpjaser-fran-bofors-for-5-miljarder-kronor/


 

*

papatango

  • Investigador
  • *****
  • 7596
  • Recebeu: 1018 vez(es)
  • +4726/-923
Re: Brigada de Intervenção
« Responder #96 em: Setembro 20, 2023, 10:17:31 pm »
Na Europa, que eu saiba, apenas a França possui sistemas de artilharia autoproulsada em veiculos de lagartas (AuF-1, baseado no AMX-30) e os sistemas CAESAR.

De resto, os restantes países, ou possuem artilharia autopropulsada sobre rodas ou sobre lagartas. Claro que a Ucrânia tem, mas as razões estão à vista.

O que se deve considerar é para que serve a unidade e qual é, ou a que tipo de doutrina se deverá adequar, o que -  acredito eu - implicaria a necessidade de peças de artilharia tão leves quanto possível e aerotransportadas.

Logo, uma unidade que substituisse os M114 por peças autopropulsadas de grandes dimensões, serviria automaticamente para outra função distinta.
Os M114 foram retirados de deposito para formar uma unidade de artilharia que serviria de apoio a uma brigada de intervenção, ou seja com capacidade para ser projetada com alguma facilidade.

Portanto, sistemas autopropulsados de artilharia, só se for para substituir o M109A5.
Já para substituir as peças de museu de 155mm do modelo M114, o mais adequado seria algo como o M777. ainda que como já aqui vimos existam outras opções. A opção pelos americanos normalmente decorre de eles terem sempre peças de reposição para tudo o que está ao serviço e pouco mais.

« Última modificação: Setembro 20, 2023, 10:18:59 pm por papatango »
É muito mais fácil enganar uma pessoa, que explicar-lhe que foi enganada ...
 

*

dc

  • Investigador
  • *****
  • 9012
  • Recebeu: 4316 vez(es)
  • Enviou: 775 vez(es)
  • +5100/-823
Re: Brigada de Intervenção
« Responder #97 em: Setembro 20, 2023, 11:02:10 pm »
A verdadeira questão é se, para umas FA pequenas como as nossas, faz sentido ter dois tipos de sistemas AP de 155mm, sabendo que as brigadas que é suposto apoiarem respectivamente, são pequenas, mal equipadas e incapazes de operar de forma verdadeiramente independente.

-Sabendo que a probabilidade de se ter um destacamento de M-109 é mais baixa do que um destacamento dos hipotéticos sistemas AP de rodas (Caesar, Archer ou ATMOS).
-Sabendo que mais depressa se usa a BrigInt do que a BrigMec numa operação militar ou de manutenção de paz.
-Sabendo que a BrigMec está bastante desfalcada, com falta de quantidade e qualidade a todos os níveis, portanto sistemas AP de lagartas serão forçosamente subaproveitados.
-Sabendo que modernizar toda a BrigMec, custaria bem perto de uns 1000 milhões ou mais.
-Sabendo que a nossa BrigMec nunca terá números suficientes de meios e pessoal para conseguir ser verdadeiramente independente, sendo portanto necessário recorrer às restantes unidades e brigadas para a apoiarem.

Com base nisto, faz sentido ter um sistema de lagartas? Não faz mais sentido ter um sistema de rodas (em maior número) que, em operações de armas combinadas, sirva para apoiar ambas as brigadas? Não faz mais sentido então, em vez de ter que se investir em dois modelos de 155mm AP, ter-se apenas um modelo, e depois investir num MLRS (HIMARS ou PULS)?

Eu acho que, dado ser irrealista termos uma BrigMec verdadeiramente bem equipada ao ponto de ser independente, mais valia fazer como os dinamarqueses, e comprar ATMOS e PULS (se possível no mesmo chassis), e ganhamos muito mais capacidade.

Já o M-777, faz sentido ou como complemento do sistema AP de rodas na BrigInt, ou como complemento/substituto das LG da BRR.
 
Os seguintes utilizadores agradeceram esta mensagem: Pescador

*

PereiraMarques

  • Moderador Global
  • *****
  • 7953
  • Recebeu: 1289 vez(es)
  • Enviou: 348 vez(es)
  • +5189/-237
Re: Brigada de Intervenção
« Responder #98 em: Setembro 21, 2023, 10:42:46 am »
Já se percebeu que a médio prazo é para fundir a BrigMec com a BrigInt podendo, eventualmente, subsistir um Agrupamento Mecanizado de Lagartas.
 

*

dc

  • Investigador
  • *****
  • 9012
  • Recebeu: 4316 vez(es)
  • Enviou: 775 vez(es)
  • +5100/-823
Re: Brigada de Intervenção
« Responder #99 em: Setembro 21, 2023, 01:44:46 pm »
E era uma alternativa viável, em que se mantinham os CCs, mais uns IFVs também de lagartas, e veículos de engenharia baseados nos Leopard. O resto das capacidades teriam que ser asseguradas pelos meios de rodas da BrigInt.

É que não estou a ver gastarem tanto dinheiro a reconstruir a BrigMec, com mais Leos, IFVs e novo APC, porta-morteiros, veículos de engenharia, SPH de lagartas, sistemas AA montados em lagartas, etc.
 

*

tenente

  • Investigador
  • *****
  • 10432
  • Recebeu: 5762 vez(es)
  • Enviou: 4442 vez(es)
  • +8486/-1852
Quando um Povo/Governo não Respeita as Suas FFAA, Não Respeita a Sua História nem se Respeita a Si Próprio  !!
 

*

Red Baron

  • Investigador
  • *****
  • 2888
  • Recebeu: 586 vez(es)
  • Enviou: 358 vez(es)
  • +157/-470
Re: Brigada de Intervenção
« Responder #101 em: Fevereiro 02, 2024, 07:51:29 pm »
Um Excelente sistema de artilharia para substituir o M114 do GAC da Brigada.

https://www.forces.net/services/army/flame-and-snow-royal-artillery-fires-new-archer-howitzer-first-time-swedish-lapland?fbclid=IwAR3K_dEleSik-Gw02ZpPiWn25IfWkzwoev8_48BLDUATk__9B62_Wwpvvas

Abraços

Parece que a versão britânica em 8x8 resolve alguns problemas de manutenção  que tinha o sistema ARCHER.
Mas o problema do autoloader ainda se mantém.
 

*

Drecas

  • Investigador
  • *****
  • 1661
  • Recebeu: 545 vez(es)
  • Enviou: 180 vez(es)
  • +322/-192
Re: Brigada de Intervenção
« Responder #102 em: Junho 03, 2024, 01:30:58 pm »
A BrigInt opera morteiros de 81mm?

Se sim, onde?

E fontes são apreciadas :)
 

*

Duarte

  • Investigador
  • *****
  • 2466
  • Recebeu: 218 vez(es)
  • Enviou: 648 vez(es)
  • +777/-336
Re: Brigada de Intervenção
« Responder #103 em: Junho 03, 2024, 03:00:08 pm »
A BrigInt opera morteiros de 81mm?

Se sim, onde?

E fontes são apreciadas :)

Parece que não..

https://comum.rcaap.pt/bitstream/10400.26/6941/1/TIA%20Final.doc

Citar
UNIDADES DE ESCALÃO BATALHÃO


Actualmente Portugal está organizado em três Brigadas, que são as seguintes: Brigada de Intervenção, Brigada Mecanizada e Brigada de Reacção Rápida.
Estas Brigadas são constituídas por Unidades de várias armas, serviços e com diferentes escalões. Os Quadros Orgânicos Número 24.0.11, aprovados a 15-Fev-06 determinam a articulação dos Batalhões de Infantaria das três Brigadas. Mas é necessário ter presente que estas orgânicas não são as mesmas que os Batalhões têm nas Missões (Exemplos de QO das FND – ANEXO C). No entanto é importante verificar que nas Orgânicas “base”, todos os Batalhões de Infantaria possuem Pelotão de Morteiros Pesados.
Quando se fala em Quadros Orgânicos, deve-se sempre pensar nestes, como estruturas flexíveis e variáveis. Pois vários factores podem condicioná-los, como a Missão e sua natureza, o terreno, as dificuldades de projecção, entre outros.
As Unidades de Escalão Batalhão são forças militares de escalão Batalhão (Infantaria), Grupo (Cavalaria e Artilharia) ou Agrupamento (unidades de Infantaria com unidades de Cavalaria), estes podem ser fortes em Infantaria, fortes em Cavalaria ou equilibrados, quando o número de unidades de Infantaria é igual ao número de unidades de Cavalaria.

1.   BI/ BrigInt

1.1. Orgânica
O Batalhão de Infantaria  da Brigada de Intervenção tem a Companhia de Comando e Serviços, três Companhias de Atiradores e uma Companhia de Apoio de Combate. Para o estudo em causa, importa verificar onde se encontram as Unidades de Morteiros. Assim, nas Companhias de Atiradores temos o Comando e Secção de Comando, uma Secção de Manutenção, três Pelotões de Atiradores e o Pelotão de Apoio. Neste Pelotão encontra-se uma Secção de Morteiros Pesados, a duas Esquadras e uma Secção Canhão, também a duas Esquadras.
Na Companhia de Apoio de Combate temos o Pelotão de Morteiros Pesados a três Secções


1.1. Armamento (Morteiros)
No Pelotão de Apoio das Companhias de Atiradores a Secção de Morteiros Pesados, a duas Esquadras, equipadas com o Morteiro Pesado 120mm . O Pelotão de Morteiros Pesados da Companhia de Apoio de Combate tem as 3 Secções, equipada cada uma também com o Morteiro Pesado 120mm.

2.   BIMec/ Brig Mec

2.1.1. Orgânica
O Batalhão de Infantaria Mecanizada  da Brigada Mecanizada tem a Companhia de Comando e Serviços, três Companhias de Atiradores e uma Companhia de Apoio de Combate, de um modo geral igual ao da Brigada de Intervenção.
As Companhias de Atiradores (3), articulam-se da mesma forma que as do Batalhão de Infantaria da Brigada de Intervenção, tendo o Pelotão de Apoio uma Secção de Morteiros Médios a 3 Esquadras, tal como 3 Secções Anti-Carro a 2 Esquadras.
Na Companhia de Apoio de Combate encontra-se o Pelotão de Morteiros Pesados, a quatro Secções.

2.1.2. Armamento (Morteiros)
Existem 4 Morteiros Pesados 107mm , no Pelotão de Morteiros Pesados da Companhia de Apoio ao Combate. Nas Companhias de Atiradores, o Pelotão de Apoio tem 3 Morteiros Médios 81mm.

3.   BIPQ/ BRR

3.1. Batalhão de Infantaria Pára-Quedista

3.1.1. Orgânica
No Batalhão de Infantaria Pára-Quedista , temos uma Companhia de Comando e Apoio e três Companhias de Atiradores Pára-quedistas. Os Morteiros encontram-se na Companhia de Comando e Apoio, na qual se encontra o Pelotão de Morteiros Médios , a 2 Secções.
O apoio de combate por parte de Morteiros, pode ser dado pelo Pelotão de Morteiros Pesados  que se encontra na Companhia de Apoio de Combate, do Batalhão de Apoio e Aeroterrestre . Este Pelotão é constituído por quatro Secções.

3.1.2. Armamento (Morteiros)
Nos Batalhões de Infantaria Pára-Quedista, os Morteiros Tampela 60mm C-06 equipam os Pelotões de Apoio (2 Morteiros por Pelotão) das Companhias de Atiradores Aerotransportadas. No Pelotão de Morteiros da Companhia de Apoio ao Combate encontram-se 4 Morteiros 81mm L16A2  (1 Morteiro por Secção).
 

слава Україна!
“Putin’s failing Ukraine invasion proves Russia is no superpower"
The Only Good Fascist Is a Dead Fascist
 

*

Pescador

  • Investigador
  • *****
  • 4502
  • Recebeu: 2926 vez(es)
  • Enviou: 2489 vez(es)
  • +5748/-2886
Re: Brigada de Intervenção
« Responder #104 em: Junho 03, 2024, 03:12:36 pm »
Se calhar ofereciam os M109 todos a Ucrânia, até porque nem vão ser actualizados como se chegou a pensar e outros mais antigos estão de reserva(supostamente) e em troca facilidade de aquisição de um sistema em rodas
 
Os seguintes utilizadores agradeceram esta mensagem: Duarte