França

  • 43 Respostas
  • 8087 Visualizações
*

Lusitano89

  • Investigador
  • *****
  • 13684
  • Recebeu: 874 vez(es)
  • Enviou: 242 vez(es)
  • +603/-535
Re: França
« Responder #30 em: Julho 26, 2019, 11:28:04 am »
França investe em comando militar espacial



 

*

zocuni

  • Especialista
  • ****
  • 1055
  • Recebeu: 22 vez(es)
  • Enviou: 46 vez(es)
  • +29/-4
Re: França
« Responder #31 em: Novembro 07, 2019, 08:55:19 pm »
Polémico ou não depende do ponto de vista mas há que refletir no mínimo.


zocuni
 

*

HSMW

  • Moderador Global
  • *****
  • 12007
  • Recebeu: 2563 vez(es)
  • Enviou: 6858 vez(es)
  • +415/-363
    • http://youtube.com/HSMW
Re: França
« Responder #32 em: Abril 06, 2020, 04:14:14 am »
Dois mortos em ataque com arma branca em França

Desta vez foi um sudanês.


Nem durante o isolamento...
« Última modificação: Abril 06, 2020, 04:14:29 am por HSMW »
https://www.youtube.com/user/HSMW/videos

"Tudo pela Nação, nada contra a Nação."
 

*

ocastilho

  • Membro
  • *
  • 292
  • Recebeu: 145 vez(es)
  • Enviou: 229 vez(es)
  • +5564/-5
Re: França
« Responder #33 em: Abril 06, 2020, 02:24:58 pm »
Mais meia dúzia de votos para a Le Pen....
"Se servistes à pátria, que vos foi ingrata, vós fizestes o que devíeis, ela o que costuma."
 

*

Viajante

  • Investigador
  • *****
  • 3291
  • Recebeu: 1885 vez(es)
  • Enviou: 1000 vez(es)
  • +3568/-3156
Re: França
« Responder #34 em: Maio 13, 2020, 10:55:17 am »
França ignora críticas da China sobre acordo de armamento com Taiwan

Na terça-feira, a China pediu à França que "cancelasse" um acordo de armas com Taiwan, observando que uma transação com os taiwaneses poderia "prejudicar as relações sino-francesas".



A França ignorou esta quarta-feira as críticas da China a um antigo acordo para compra de armamento realizado pelos franceses com Taiwan e aconselhou aos chineses concentrarem-se mais na pandemia de Covid-19 do que numa antiga controvérsia.

“Perante a crise da Covid-19, toda a nossa atenção e todos os nossos esforços devem concentrar-se na luta contra a pandemia”, referiu o Ministério dos Negócios Estrangeiros da França após um aviso de Pequim a Paris.


Na terça-feira, a China pediu à França que “cancelasse” um acordo de armas com Taiwan, observando que uma transação com os taiwaneses poderia “prejudicar as relações sino-francesas”.

"No âmbito da declaração franco-chinesa de 1994, a França implementa a política de uma única China e continua a apelar ao diálogo entre as duas margens do estreito”, declarou o Ministério dos Negócios Estrangeiros francês. “A França respeita estritamente neste contexto os compromissos contratuais que estabeleceu com Taiwan e de forma alguma mudou de posição desde 1994”, afirmou o Ministério francês."

O acordo entre a França e Taiwan refere-se a uma venda de equipamentos de fragatas francesas, compradas pela marinha de Taipé na década de 1990, num caso que resultou numa grave crise diplomática entre Paris e Pequim.

“A China expressou a sua profunda preocupação ao lado francês”, disse na terça-feira o ministério chinês dos Negócios Estrangeiros, num comunicado enviado à agência France-Presse. “Opomo-nos a qualquer venda de armas ou trocas militares ou de segurança com a região de Taiwan”, advertiu. “Instamos a França (…) a cancelar o seu plano de venda de armas a Taiwan, a fim de evitar danos sobre as relações sino-francesas”, acrescentou.

China e Taiwan vivem como dois territórios autónomos desde 1949, altura em que o antigo governo nacionalista chinês se refugiou na ilha, após a derrota na guerra civil frente aos comunistas. Taiwan, que se auto designa uma República da China, tornou-se, entretanto, numa democracia com uma forte sociedade civil, mas Pequim considera a ilha parte do seu território e ameaça a reunificação pela força.

Pequim critica qualquer relação oficial entre países estrangeiros e Taipé, trocas que considera um apoio ao separatismo de Taiwan.

Em 1991, a França assinou a venda de seis fragatas a Taiwan no valor total de 2,8 mil milhões de dólares (2,6 mil milhões de euros), causando o congelamento das relações diplomáticas com Pequim.

A Marinha de Taiwan indicou, em 7 de abril deste ano, num breve comunicado de imprensa, que pretende modernizar as fragatas Lafayette de fabrico francês.

Uma fonte familiarizada com o assunto citada pela AFP confirmou que foi assinado um contrato com o Ministério da Defesa de Taiwan para a modernização do sistema de lançador de chamariz, que equipa seis fragatas. Um lançador de chamariz é um sistema usado para contornar um míssil inimigo.

Segundo a imprensa Taiwan, o custo da transação é superior a 800 milhões de dólares de Taiwan (24,6 milhões de euros) e a empresa francesa encarregue do negócio é a DCI-Desco, unidade do grupo Défense Conseil International (DCI).

https://observador.pt/2020/05/13/franca-ignora-criticas-da-china-sobre-acordo-de-armamento-com-taiwan/
 

*

Lusitano89

  • Investigador
  • *****
  • 13684
  • Recebeu: 874 vez(es)
  • Enviou: 242 vez(es)
  • +603/-535
Re: França
« Responder #35 em: Julho 28, 2021, 01:35:38 pm »
Emmanuel Macron assume erros de testes nucleares na Polinésia Francesa


 

*

Lusitano89

  • Investigador
  • *****
  • 13684
  • Recebeu: 874 vez(es)
  • Enviou: 242 vez(es)
  • +603/-535
Re: França
« Responder #36 em: Abril 10, 2022, 07:00:11 pm »
Participação nas Presidenciais francesas é mais baixa às 17 horas do que em 2017


 

*

Lusitano89

  • Investigador
  • *****
  • 13684
  • Recebeu: 874 vez(es)
  • Enviou: 242 vez(es)
  • +603/-535
Re: França
« Responder #37 em: Abril 11, 2022, 10:23:20 am »
Emmanuel Macron e Marine Le Pen disputam a presidência francesa


 

*

Lusitano89

  • Investigador
  • *****
  • 13684
  • Recebeu: 874 vez(es)
  • Enviou: 242 vez(es)
  • +603/-535
Re: França
« Responder #38 em: Abril 25, 2022, 10:11:16 am »
Macron vence Le Pen e promete unir os franceses


 

*

PTWolf

  • Perito
  • **
  • 328
  • Recebeu: 137 vez(es)
  • Enviou: 432 vez(es)
  • +199/-137
Re: França
« Responder #39 em: Abril 25, 2022, 11:35:55 am »
Macron vence Le Pen e promete unir os franceses



O Macron anda a ouvir com atenção os discursos do Marcelo Rebelo de Sousa   :mrgreen:
Mais a sério, penso que são boas noticias para a França e para a Europa
 

*

P44

  • Investigador
  • *****
  • 14736
  • Recebeu: 3739 vez(es)
  • Enviou: 4120 vez(es)
  • +2948/-6617
Re: França
« Responder #40 em: Abril 25, 2022, 12:36:51 pm »
"[Os portugueses são]um povo tão dócil e tão bem amestrado que até merecia estar no Jardim Zoológico"
-Dom Januário Torgal Ferreira, Bispo das Forças Armadas
 

*

Cabeça de Martelo

  • Investigador
  • *****
  • 17689
  • Recebeu: 2088 vez(es)
  • Enviou: 1729 vez(es)
  • +531/-1994
7. Todos os animais são iguais mas alguns são mais iguais que os outros.

 

*

Viajante

  • Investigador
  • *****
  • 3291
  • Recebeu: 1885 vez(es)
  • Enviou: 1000 vez(es)
  • +3568/-3156
Re: França
« Responder #42 em: Janeiro 22, 2023, 07:42:35 pm »
Macron propõe aumento das despesas militares da França para enfrentar ameaças

O presidente francês, Emmanuel Macron, anunciou hoje um aumento substancial do orçamento das forças armadas até 2030, para enfrentar ameaças e ter em conta o impacto da guerra na Ucrânia.



Macron disse que vai propor um orçamento de 413 mil milhões de euros na nova Lei de Programação Militar (LPM) para o período 2024-2030, mais um terço do que os cerca de 295 mil milhões de euros no plano para 2019-2025.

O aumento visa assegurar “a liberdade, a segurança, a prosperidade, o lugar no mundo” de França, disse Macron, citado pela agência norte-americana AP.

O anúncio foi feito na base aérea de Mont-de-Marsan, situada na região de Nouvelle-Aquitaine, no sudoeste da França.

Coincidiu com a reunião de hoje na base aérea norte-americana de Rammstein, na Alemanha, dos aliados da Ucrânia para decidir novos apoios em equipamento militar às forças ucranianas.

A Ucrânia tem pedido o fornecimento de tanques de combate para fazer frente às tropas russas, que invadiram o país em 24 de fevereiro do ano passado.

Macron disse que a proposta da nova LPM “reflete os esforços do país a favor dos seus exércitos”, que serão “proporcionais aos perigos”.

“Ou seja, consideráveis”, afirmou, segundo a agência francesa AFP.

Referiu ameaças de guerra híbrida, ataques cibernéticos crescentes a infraestruturas críticas e ameaças contínuas do terrorismo.

A proposta da LPM, que será apresentada ao parlamento em março, duplica o orçamento da Direção de Inteligência Militar (DRM) e da Direção de Inteligência e Segurança da Defesa (DRSD), segundo a AFP.

O plano pretende ter em conta as consequências da guerra na Ucrânia, e aumentar os gastos da defesa nos próximos anos para reforçar a segurança interna da França e a sua capacidade para operar no estrangeiro.

Macron também defendeu a modernização do arsenal nuclear francês para reforçar o papel do país como potência global independente.

A França é o único Estado-membro da União Europeia (UE) com armas nucleares, depois de o Reino Unido ter abandonado o bloco.

A apresentação da futura LPM era aguardada com expectativa em França, uma vez que a guerra na Ucrânia pôs em evidência as fraquezas do sistema militar francês, de acordo com a AFP.

O Governo pretende continuar o esforço financeiro na defesa, depois de a LPM de 2019-2025 ter posto fim a anos de cortes orçamentais nas forças armadas.

https://24.sapo.pt/atualidade/artigos/macron-propoe-aumento-das-despesas-militares-da-franca-para-enfrentar-ameacas

Um ex-socialista inteligente, ao contrário dos nossos cromos!

Mas agora estou curioso e de certo a Liga de Amigos de Putin, a França vai investir mais na sua defesa e no arsenal nuclear contra quem? Alemanha não que nunca mais se decidem a rearmar! Será a Ucrãnia? Também não que ingénuamente cedeu o 3º maior arsenal nuclear! Será para mostrar os dentes aos americanos? Também não me parece. A Portugal também não, porque nós (xuxalistas), acreditamos que com falinhas mansas amansamos o mundo inteiro!

Então este maior investimento é para mostrar os dentes e rosnar a quem? Os maus da fita não são o ocidente e a NATO!?

Modo irónico off!

É que estes 413 mil milhões de euros que o Macron quer investir na Defesa, a 7 anos, dá uma média anual de 59 mil milhões de euros. São 50% a mais em relação aos 40 mil milhões de 2022!!!!!!

Só Portugal com estes nabos no poder, não saímos da cepa torta!!!!!
« Última modificação: Janeiro 22, 2023, 07:45:33 pm por Viajante »
 

*

P44

  • Investigador
  • *****
  • 14736
  • Recebeu: 3739 vez(es)
  • Enviou: 4120 vez(es)
  • +2948/-6617
Re: França
« Responder #43 em: Janeiro 24, 2023, 08:14:35 am »
LPM 2024-2030: 413 Billion Euros to "Transform" the Armed Forces

Jan. 23, 2023
(Source: French Armed Forces Ministry; issued Jan 22, 2023)

Speaking to senior military commanders on Mont de Marsan air base on Friday, French President Emmanuel Macron said France will spend €413 billion between 2024 and 2026 to transform its armed forces, and identified four main says of doing it. (French MoD photo)
PARIS --- Deterrence, partnerships, high intensity… Presenting his New Year’s greetings to the armed forces, the President of the Republic on Friday (January 20) unveiled the main lines of the future military programming law (LPM) 2024-2030. With a budget of 413 billion euros, it aims to "transform" the armed forces through four pivots.

This year, the President’s New Year greetings to the armed forces took on a particular dimension, placed under the sign of their "transformation". During his speech, delivered at Air Base 118 in Mont-de-Marsan, Emmanuel Macron presented the main lines of the new LPM 2024-2030, which will replace the current LPM 2019-2025 which had already been marked by a significant “repair” effort.

"The military programming law reflects the country's efforts in favor of its armed forces" and "these efforts will be proportionate to the dangers, that is to say considerable," the President said. The services will therefore have a total budget of 413 billion euros between 2024 and 2030, i.e. a third more than the previous LPM (295 billion euros). This massive financial effort must allow us "to be one war in advance" and to "be ready for more brutal, more numerous and more ambiguous wars at the same time."

"After having repaired the armies, we are going to transform them" because "we must do better and differently", the President emphasized, insisting on the term "transformation".

Four pivots

For President Emmanuel Macron, this transformation must be organized around four pivots.

Pivot 1: strengthening our deterrence

In order to ensure our sovereignty, the Head of State is counting on the strengthening of our deterrence. “Deterrence is an element that makes France a different country in Europe. We measure again, by analyzing the war in Ukraine, its vital importance. It deserves the considerable efforts that we devote to it,” he says.

This sovereignty notably involves the strengthening of permanent postures. "This presupposes increased intelligence capabilities which enable us to anticipate crises or threats", said the Head of State, announcing the massive increase" of intelligence budgets by nearly 60% in total, with, between others, the doubling of the budget of the DRM2 and the DRSD3”.

In order to ensure our capacity for resilience and more particularly in the field of cyber, Emmanuel Macron intends to "double our capacity to deal with major cyber attacks". To achieve a more general resilience of the country, he also wishes to eventually double "the operational reserve (note: approximately 100,000 people), which will strengthen our active army and the rise of new reservist units" .

Pivot 2: preparation for high intensity

For Emmanuel Macron, the pivot towards high intensity is illustrated by our ability to "go from a model made to ensure operations in environments where our freedom of action was strong, to an ability to evolve in contested environments. (…) We must be able to act faster, to be more reactive, by strengthening the national emergency level and thus have the means necessary for an intervention on short notice, even far from mainland France."

To fill our gaps, it is necessary, according to the president, to "resolutely enhance operational preparation, strengthen the availability of equipment" or even adapt to the intensity of the threat in order to "think and build up accordingly our ammunition stocks, our logistics, our support" Another axis: "Combining military effects, thanks to the digitization of the battlefield", which notably involves collaborative combat, like the Scorpion land system or the future combat aircraft (SCAF in French).

Pivot 3: protecting our interests in common areas

Here, the Head of State intends to strengthen "our ability to monitor and react, but also to take the initiative, to pass on clear strategic messages" in several spaces: exo-atmospheric space, cyber space and maritime areas. For the latter, Emmanuel Macron, recalling that France has the world’s second-largest Exclusive Economic Zone thanks to its Overseas Territories, said that this "represents an immense asset" but also "an immense responsibility, including at the scale of the environmental and climate issues, the protection of certain infrastructures and our territories.”

The president thus wants to "acquire a capacity to control the seabed up to a depth of 6,000 meters, for military reasons but also for the protection of our underwater infrastructures.

Pivot 4: strengthening international partnerships

In this desire to transform the services, the president said that our international partnerships "can only be considered, first within the framework of Europe" because our security depends on that of our neighbours. He thus intends to emphasize the "interoperability and of course the common strategic culture," a priority of the Strategic Compass adopted in March 2022.

Emmanuel Macron notably mentioned certain partnerships set up in recent years, "from the constitution from a European Defense Fund, to structured cooperation, to the European Intervention Initiative, to unprecedented operations such as Takuba, also including bilateral partnerships such as the CaMo [agreement] with Belgium.”

More broadly, according to Emmanuel Macron, France must be able to "assume all its responsibilities in Europe and beyond", while remaining a "reliable ally" of NATO. "We must be able to act with the Europeans, inside NATO or outside the Alliance, and if necessary ensure the command capabilities that will allow us to carry out a large-scale operation together." For the Head of State, this implies being able to deploy, within a European framework, with or without NATO, a joint capability representing up to 20,000 men.

Notes:
1. On this base are deployed two Rafale squadrons whose personnel has been called upon since last year to preserve European airspace in the context of the conflict in Ukraine.
2. Directorate of Military Intelligence
3. Directorate of Defense Intelligence and Security

-ends-

 

 https://www.defense-aerospace.com/macron-promises-e413-billion-for-2024-2026-to-transform-french-military/
"[Os portugueses são]um povo tão dócil e tão bem amestrado que até merecia estar no Jardim Zoológico"
-Dom Januário Torgal Ferreira, Bispo das Forças Armadas