Conflitos em Africa

  • 288 Respostas
  • 60852 Visualizações
*

LM

  • Investigador
  • *****
  • 2218
  • Recebeu: 763 vez(es)
  • Enviou: 2453 vez(es)
  • +431/-53
Re: Conflitos em Africa
« Responder #285 em: Janeiro 22, 2023, 12:10:25 pm »
O "Ocidente" anda a perder influência para os Russos em África... e Chineses. Tem que voltar às velhas "táticas".

https://lignesdedefense.blogs.ouest-france.fr/archive/2023/01/22/sans-surprise-le-burkina-faso-denonce-l-accord-de-defense-avec-la-france.html

Citar
Sans surprise, le Burkina Faso dénonce l'accord de défense avec la France

La récente visite de la secrétaire d'Etat française, Chrysoula Zacharopoulou, à Ouagadougou pour tenter de décrisper les relations avec la junte tentée par un rapprochement avec la Russie, n'aura servi à rien. Elle a eu beau jouer l’apaisement, assurant que la France était « capable de faire différemment, dans l’écoute, le respect, l’humilité » ​et reconnaissant que « c’est une attente qui est exprimée, avec force ici », le Burkina Faso a demandé le départ des troupes françaises de son sol dans un délai d'un mois.

"Le gouvernement burkinabè a dénoncé mercredi dernier l’accord qui régit depuis 2018 la présence des forces armées françaises sur son territoire", a indiqué samedi l'Agence d'information burkinabè (AIB).

"Cette dénonciation faite le 18 janvier 2023 donne selon les termes de l’accord du 17 décembre 2018 un mois aux Forces armées françaises pour quitter le territoire burkinabè", poursuit l'agence nationale.

Selon une source proche du gouvernement burkinabé, "ce n'est pas la rupture des relations avec la France. La notification concerne uniquement les accords de coopération militaire", a-t-elle précisé.

Quelque 400 soldats des forces spéciales de l’opération Sabre stationnent près de la capitale.
Quidquid latine dictum sit, altum videtur
 

*

Subsea7

  • Especialista
  • ****
  • 1049
  • Recebeu: 858 vez(es)
  • Enviou: 1420 vez(es)
  • +1990/-1709
Re: Conflitos em Africa
« Responder #286 em: Janeiro 22, 2023, 05:14:46 pm »
Portugal irá enviar os ST e KC-390 em força, para reverter a situação.  :mrgreen:
 
Os seguintes utilizadores agradeceram esta mensagem: NVF, Hammerhead

*

papatango

  • Investigador
  • *****
  • 6309
  • Recebeu: 477 vez(es)
  • +3066/-529
Re: Conflitos em Africa
« Responder #287 em: Janeiro 23, 2023, 09:47:13 am »
Todos estes regimes africanos vão acabar por implodir, como já aconteceu no passado e depois, vão outra vez de mão estendida pedir apoio, ou então abrem as fronteiras e esperam que vagas de imigrantes invadam a Europa, se a Europa não lhes pagar.

Os grupos paramilitares são eles mesmos organizações terroristas, e acabam por criar mais problemas que os que em teoria ajudariam a resolver.
Se grupos de criminosos russos ou organizados pelos russos controlarem o estado em alguns desses países, o que se vai verificar é uma ajuda a todos os movimentos contra o governo, o que resultará em guerras civis (outra vez)

E não há forma de resolver o problema, que em muitos casos tem a sua origem nas fronteiras coloniais impostas em Berlim no século XIX.
Se em África se criassem estados para os povos, haveria uns 300 ou 400 países.

E no fim... Na maioria dos casoso aqueles que insitiram em resolver um problema pelas armas, acabaram por morrer por elas e não resolver problema nenhum.

Na África sub sahariana, vai-se perder mais uma geração, e quando os atuais regimes tiverem governado, roubado e fugido, a população vai também fugir, e já se sabe para onde.
É muito mais fácil enganar uma pessoa, que explicar-lhe que foi enganada ...
 
Os seguintes utilizadores agradeceram esta mensagem: nelson38899, LuisPolis

*

papatango

  • Investigador
  • *****
  • 6309
  • Recebeu: 477 vez(es)
  • +3066/-529
Re: Conflitos em Africa
« Responder #288 em: Janeiro 24, 2023, 03:54:11 pm »
Entretanto, uma adenda a uma entrevista que vi feita por uma televisão britânica, aparentemente os regimes africanos estão a mandar os franceses embora e ficam à espera que as empresas privadas de segurança russas lhes resolvam o problema ...

Mas ...

As empresas de segurança ficam apenas nas capitais e a única coisa que garantem é a segurança do chefe de estado, sendo na prática uma guarda pretoriana.

Na RCA é já o que se passa. Os russos roubam os diamantes, recebem o pagamento, protegem os governantes, e os outros que trabalhem.

As forças portuguesas em África, pura e simplesmente deviam vir-se embora, tão depressa quanto possível.
Continuar na RCA é colaborar com o presidente Faustin-Archange Touadéra, que é protegido pelo que agora é um grupo para-militar terrorista, e não tem qualquer futuro.

É tragico, mas o Salazar tinha razão quando dizia que os países africanos não estavam preparados para a independencia como estados modernos...
É muito mais fácil enganar uma pessoa, que explicar-lhe que foi enganada ...
 
Os seguintes utilizadores agradeceram esta mensagem: nelson38899