Notícias do Exército Português

  • 2301 Respostas
  • 690109 Visualizações
*

nelson38899

  • Investigador
  • *****
  • 5412
  • Recebeu: 789 vez(es)
  • Enviou: 774 vez(es)
  • +552/-2617
Re: Exército Português
« Responder #630 em: Maio 29, 2010, 10:59:52 am »
Citar
Defesa. EUA e os principais países europeus da NATO pediram para discutir nova estrutura de comandos em Lisboa. Portugal discorda

O quartel-general da NATO em Oeiras, que esteve para desaparecer no início da década, "muito dificilmente" conseguirá manter-se na nova estrutura de comandos da Aliança Atlântica, admitiram diferentes fontes ouvidas pelo DN.

O impacto - em prestígio, visibilidade, relevância e ganhos financeiros para o país de acolhimento - dessa decisão é suficiente para os diferentes Estados membros lutarem afincadamente por acolher ou manter um comando NATO no seu território. Portugal já passou por isso na segunda metade dos anos 1990 e no início desta década quando Oeiras chegou a desaparecer do mapa na fase inicial da reforma concluída em Praga (2002).

Os esforços político-diplomáticos - envolvendo o apoio incondicional ao aliado norte-americano na guerra do Iraque - e militares permitiram então o volte-face. Mas agora, com as enormes dificuldades financeiras da Aliança, "há um grande risco" de Oeiras acabar mesmo, admitiu o vice-almirante Reis Rodrigues ao DN. "É cada vez mais difícil, mas Portugal tem alguns argumentos a seu favor", acrescentou o ex-comandante do agora chamado Comando de Forças Conjuntas de Lisboa (JFCL, sigla em inglês) e vice-presidente da Comissão Portuguesa do Atlântico. Porém, a generalidade das outras fontes, ouvidas sob anonimato, é mais pessimista.

A pressão é tal que uma dezena de países - EUA, França, Alemanha, Grã-Bretanha, Holanda, entre outros - escreveu ao secretário- -geral da Aliança "a dizer que queriam avançar já" com essa reestruturação na Cimeira de Lisboa, a 19 e 20 de Novembro deste ano.

Portugal discorda e por uma razão lógica: o debate só pode ser feito depois de conhecidas as orientações do conceito estratégico (a aprovar em Lisboa) e o subsequente nível de ambição. O Ministério da Defesa é taxativo: "Qualquer decisão sobre a revisão da actual estrutura de comandos só deverá ser tomada depois de aprovado o novo conceito estratégico."

Acresce que "o Comando de Oeiras é um dos menos pesados financeiramente para a Aliança e um dos mais flexíveis em termos operacionais, sendo também muito importante para a ligação da NATO com África", frisou o gabinete de Augusto Santos Silva ao DN, acrescentando: "O Comando de Oeiras enquadra-se plenamente na valorização da deployability [projecção das forças], tão importante na NATO actual."

Portugal colocou igualmente na mesa uma exigência, segundo duas das fontes: "Vamos rever tudo" - leia-se o comando estratégico nos EUA, dedicado à Transformação (ACT), sob comando do general francês Stephane Abrial.

A França também chefia o JFCL (com o general Philippe Stoltz) e" quer um comando [de nível regional, como o JFCL] no seu território", observou uma das fontes.

Há dias, uma responsável política da Aliança, Stefanie Babst, declarou em Lisboa que a "discussão [sobre os comandos] se realizará precisamente quando a cimeira estiver a decorrer". Mais, manter Oeiras implicará uma "luta muito dura" para Portugal, alertou.

Mas essa reestruturação só produz "benefícios financeiros a médio, longo prazo", lembrou uma fonte. Já "a redução de comités" políticos e militares - "ainda do tempo da Guerra Fria" - em Bruxelas "é que permite cortes já".

Outra fonte declarou: "A NATO vai reduzir de certeza absoluta. Mas ainda não se sabe como." A nível do pessoal, prevê-se passar dos actuais 13 500 efectivos para 7500.
posting.php?mode=reply&f=4&t=6486
"Que todo o mundo seja «Portugal», isto é, que no mundo toda a gente se comporte como têm comportado os portugueses na história"
Agostinho da Silva
 

*

Cabeça de Martelo

  • Investigador
  • *****
  • 20717
  • Recebeu: 3152 vez(es)
  • Enviou: 2326 vez(es)
  • +1551/-3495
Re: Exército Português
« Responder #631 em: Maio 31, 2010, 04:42:58 pm »
7. Todos os animais são iguais mas alguns são mais iguais que os outros.

 

*

Ranger Rebelde

  • Perito
  • **
  • 413
  • Recebeu: 2 vez(es)
  • +0/-0
Re: Exército Português
« Responder #632 em: Maio 31, 2010, 05:49:40 pm »
E entregar a defesa aos privados? :lol: :lol:


P.S.- Activação da notificação deste tópico que se "perdeu" neste período em que o Fórum desapareceu da Internet
 

*

lazaro

  • 473
  • +0/-0
Re: Exército Português
« Responder #633 em: Maio 31, 2010, 10:30:37 pm »
Citação de: "Ranger Rebelde"
E entregar a defesa aos privados? :lol: :lol:

A porta é boa ... dá é para um túnel sem luz ao fundo ...
 

*

FoxTroop

  • Investigador
  • *****
  • 1851
  • Recebeu: 675 vez(es)
  • Enviou: 390 vez(es)
  • +343/-6402
Re: Exército Português
« Responder #634 em: Maio 31, 2010, 11:32:04 pm »
Citar
A porta é boa ... dá é para um túnel sem luz ao fundo ...

 :lol:  :lol:  Ou então a luz não é o fim do túnel, mas sim o comboio que aí vem  :lol:  :lol:
 

*

pchunter

  • 368
  • Recebeu: 2 vez(es)
  • Enviou: 16 vez(es)
  • +2/-0
Re: Exército Português
« Responder #635 em: Maio 31, 2010, 11:48:33 pm »
Em boa verdade no estado em esta o exercito só vai para praça quem não sabe fazer nada fora da tropa. Era necessário uma formação profissional aliciante tanto para os praças como para as empresas os quererem nos seus quadros depois da vida militar.
Quem saiba montar e desmontar uma G3 não é propriamente o que o mercado de trabalho anda à procura.
 

*

pxcastro

  • 276
  • +0/-0
Re: Exército Português
« Responder #636 em: Junho 01, 2010, 12:02:53 am »
Pelo que vi, a vida profissional da maioria dos praças é assim:
Cerveja;
Fumar;
Jogar às cartas;
Sentar quando doi as pernas;
Levantar quando doi o traseiro;
Sombra quando está calor;
Sol quando está frio.
E anda o Estado a pagar salários a milhares de praças.
 :shock:
 

*

Crypter

  • Investigador
  • *****
  • 1207
  • Recebeu: 204 vez(es)
  • Enviou: 233 vez(es)
  • +29/-7
Re: Exército Português
« Responder #637 em: Junho 01, 2010, 12:23:24 am »
Citação de: "pxcastro"
Pelo que vi, a vida profissional da maioria dos praças é assim:
Cerveja;
Fumar;
Jogar às cartas;
Sentar quando doi as pernas;
Levantar quando doi o traseiro;
Sombra quando está calor;
Sol quando está frio.
E anda o Estado a pagar salários a milhares de praças.
 :mrgreen:

Há tanto dinheiro desperdiçado neste país! TANTO!!! Não creio que sejam as FA a fonte do desperdicio.. Mas isto sou só eu!
 

*

Miguel Silva Machado

  • Perito
  • **
  • 485
  • +1/-0
    • http://www.operacional.pt/
Re: Exército Português
« Responder #638 em: Junho 01, 2010, 08:26:07 am »
O 23 de Maio, em Tancos, é uma cerimónia castrense mas é também, e até nos parece que cada vez mais, um momento de autêntica festa popular, um reencontro entre muitos milhares de antigos pára-quedistas militares portugueses. Neste dia, além das memórias, todos também querem ver como está aquilo que consideram seu, aquilo que ajudaram a construir e a consolidar. Como está a sua “Casa-Mãe”?


http://www.operacional.pt/23-de-maio-de ... em-tancos/


Miguel Silva Machado
http://www.operacional.pt/
 

*

Cabeça de Martelo

  • Investigador
  • *****
  • 20717
  • Recebeu: 3152 vez(es)
  • Enviou: 2326 vez(es)
  • +1551/-3495
Re: Exército Português
« Responder #639 em: Junho 01, 2010, 10:12:14 am »
Não é para ser má lingua, mas estes aqui foram os que marcharam com mais cangança... :roll:  :evil:
7. Todos os animais são iguais mas alguns são mais iguais que os outros.

 

*

Cabeça de Martelo

  • Investigador
  • *****
  • 20717
  • Recebeu: 3152 vez(es)
  • Enviou: 2326 vez(es)
  • +1551/-3495
Re: Exército Português
« Responder #640 em: Junho 01, 2010, 04:29:56 pm »
Para não dizerem que eu sou apenas má lingua deixo aqui um video da rapaziada em questão:


Não devem esquecer que esta rapaziada não sabe o que é a tropa às vezes à décadas e mesmo assim estão ali a marchar melhor do que muito menino que ainda está a envergar o uniforme do Exército Português. c34x






PS: Devia-se levantar uma força de reservistas para ontem! Já tinham aqui um voluntário... c34x
7. Todos os animais são iguais mas alguns são mais iguais que os outros.

 

*

pxcastro

  • 276
  • +0/-0
Re: Exército Português
« Responder #641 em: Junho 01, 2010, 05:38:08 pm »
Este pessoal não tem ervas para arrancar no jardim?
 :lol:
 

*

Cabeça de Martelo

  • Investigador
  • *****
  • 20717
  • Recebeu: 3152 vez(es)
  • Enviou: 2326 vez(es)
  • +1551/-3495
Re: Exército Português
« Responder #642 em: Junho 01, 2010, 06:18:10 pm »
Quem te dra a ti... :twisted:
7. Todos os animais são iguais mas alguns são mais iguais que os outros.

 

*

lazaro

  • 473
  • +0/-0
Re: Exército Português
« Responder #643 em: Junho 01, 2010, 10:17:34 pm »
Citação de: "pchunter"
Em boa verdade no estado em esta o exercito só vai para praça quem não sabe fazer nada fora da tropa. Era necessário uma formação profissional aliciante tanto para os praças como para as empresas os quererem nos seus quadros depois da vida militar.
Quem saiba montar e desmontar uma G3 não é propriamente o que o mercado de trabalho anda à procura.

Vai para caixa do MODELO quem domina essa antiga e prestimosa arte de carregar nos botoezinhos da maquina registadora.
 

*

nelson38899

  • Investigador
  • *****
  • 5412
  • Recebeu: 789 vez(es)
  • Enviou: 774 vez(es)
  • +552/-2617
Re: Exército Português
« Responder #644 em: Junho 02, 2010, 12:10:01 am »
Citar
Item:     CHAPARRAL MISSILE      Model:     MIM-G      National Stock Number:     1410012057186
Congressional Notification Sent:    3/29/2004    Quantity Allocated:    96    Unit Acquisition Value:    129924
Congressional Expiration:    4/28/2004    Quantity Accepted:    96    Total Acquisition Value:    12472704
Authorized to Supply:    5/6/2004    Quantity Rejected:    0    Unit Current Value:    26194.8
EDA Accepted:    6/26/2005    Total Quantity Delivered:    96    Total Current Value:    2514700.8


http://www.dsca.osd.mil/programs/eda/results.asp
"Que todo o mundo seja «Portugal», isto é, que no mundo toda a gente se comporte como têm comportado os portugueses na história"
Agostinho da Silva