FAP SEGUNDO MINHA VISÃO

  • 96 Respostas
  • 25499 Visualizações
*

luis simoes

  • Analista
  • ***
  • 613
  • Recebeu: 26 vez(es)
  • Enviou: 75 vez(es)
  • +25/-659
FAP SEGUNDO MINHA VISÃO
« em: Abril 08, 2006, 02:57:50 am »
PATRULHAMENTO MARITIMO/FISCALIZAÇÃO/SALVAMENTO/APOIO/TRANSP./AJ.RÁDIO

C-130J  QTD  12.........
C-295M ........12.........
P-3 0RION.....06.........**
EH 101..........12.........
NH-90...........08.........
FALCON 50....06.........OS LINCES

GUERRA ELECTRONICA/ATAQUE SOLO/RECON/INTERCEPÇÃO/BOMBER

E3 AWACS....01.........**
F-16MLU------20.........OS FALCOES
F-16MLU.......20.........  "      "       "
EF-18---------20......... OS JAGUARES

TREINO BÁSICO/TREINO AVANÇADO

TUCANO......20..........
ALPHAJET....20..........OS CARACOIS

ALLOUETTE III......ABATE  OU   PREVENÇÃO DE INCENDIOS
CESSNA...............ABATE
AVIOCAR.............ABATE
PUMA...................ABATE   OU  ATAQUE A INCENDIOS
EPSILON..............ABATE
FALCON 20...........ABATE
C-130 H...............ABATE   OU  ATAQUE A INCENDIOS

PODEM COMENTAR SE QUISEREM
 

*

Get_It

  • Investigador
  • *****
  • 2048
  • Recebeu: 398 vez(es)
  • Enviou: 456 vez(es)
  • +41/-54
Re: FAP SEGUNDO MINHA VISÃO
« Responder #1 em: Abril 08, 2006, 03:38:00 am »
Citação de: "luis simoes"
C-130J  QTD  12.........
C-295M ........12.........
Visto que fomos pelos C-295 penso que seria mais barato para Portugal optar pelo Airbus A400M que é parente do C-295, e no qual Portugal poderia participar no seu desenvolvimento e na sua produção. Além do A-400M ter a funcionalidade de servir como reabastecedor aéreo. c34x Embora muitos possam dizer que Portugal não tem necessidade de um destes aparelhos (?), penso que o E-3 Sentry daria muito jeito, principalmente na Madeira e nas Ilhas Selvagens onde tem se visto existir problemas em arranjar um local onde construir um radar.

Citação de: "luis simoes"
TUCANO......20..........
Penso que seja um exagero o Tucano. Simplesmente não se aplica às necessidades portuguesas, ficariamos melhor servidos simplesmente com o Pilatus PC-21. No caso da escolha pelo PC-21 podia-se também substituir o Chipmunk MK 20 pelo Pilatus PC-9, ou pelo próprio Pilatus PC-21, acabando com a necessidade de mais uma linha de manutenção diferente.

Citação de: "luis simoes"
ALPHAJET....20..........OS CARACOIS
Alpha Jet... mas modernizados ou novos? Penso que temos opções mais modernas de aviões de treino avançado e de apoio facilmente disponíveis (desde que tínhamos o dinheiro claro :P) para Portugal.

Citação de: "luis simoes"
ALLOUETTE III......ABATE  OU   PREVENÇÃO DE INCENDIOS
Não tem nenhum opinião quanto aos substitutos dos ALLOUETTE III ?

Citação de: "luis simoes"
EPSILON..............ABATE
Seria substituido pelo Pilatus PC-21, conforme referido na minha opinião mais acima.

Citação de: "luis simoes"
C-130 H...............ABATE   OU  ATAQUE A INCENDIOS

Penso que saíria mais caro converter os actuais aparelhos para combate a incêndios do que estar a comprar novos aviões mais apropriados para esta tarefa. Além de novos aviões aguentarem mais tempo em serviço, quando os C-130 iriam precisar de ser modernizados para aguentar mais alguns anos ao serviço, mesmo até por causa da sua estrutura já com uns bons anos.

Cumprimentos,
2a. Edição, 2006-04-08, 23:55 (UTC+1): Corrigida ortografia, completado.
3a. Edição, 2006-04-09, 00:02 (UTC+1): Adicionadas hiperligações nos nomes dos aviões.
4a. Edição, 2006-05-25, 16:57 (UTC+1): Corrigida ortografia, fechados alguns parênteses esquecidos.
« Última modificação: Maio 25, 2006, 04:49:58 pm por Get_It »
:snip: :snip: :Tanque:
 

*

Lightning

  • Moderador Global
  • *****
  • 10067
  • Recebeu: 1905 vez(es)
  • Enviou: 2487 vez(es)
  • +460/-484
Re: FAP SEGUNDO MINHA VISÃO
« Responder #2 em: Abril 08, 2006, 11:01:18 am »
Citação de: "luis simoes"
GUERRA ELECTRONICA/ATAQUE SOLO/RECON/INTERCEPÇÃO/BOMBER

E3 AWACS....01.........**
F-16MLU------20.........OS FALCOES
F-16MLU.......20.........  "      "       "
EF-18---------20......... OS JAGUARES


2 tipos de caças para que?
 

*

Marauder

  • Investigador
  • *****
  • 2093
  • +2/-0
(sem assunto)
« Responder #3 em: Abril 08, 2006, 11:27:32 am »
Não era na Base do Montijo que estavam uns "pods" para meter os C-130 a combater os incêndios? Parece-me ter lido essa informação de alguns foristas daqui à uns 6 meses atrás, qualquer coisa.

  Se é verdade, então penso que essa conversão dos C-130H não será cara...pior é chegar à altura dos substituir..ainda devem faltar alguns valentes anos para isso.
 

*

Charlie Jaguar

  • Investigador
  • *****
  • 4556
  • Recebeu: 4173 vez(es)
  • Enviou: 2681 vez(es)
  • +6138/-2495
(sem assunto)
« Responder #4 em: Abril 08, 2006, 11:52:13 am »
Citação de: "Marauder"
Não era na Base do Montijo que estavam uns "pods" para meter os C-130 a combater os incêndios? Parece-me ter lido essa informação de alguns foristas daqui à uns 6 meses atrás, qualquer coisa.

  Se é verdade, então penso que essa conversão dos C-130H não será cara...pior é chegar à altura dos substituir..ainda devem faltar alguns valentes anos para isso.

Colega Marauder, é verdade que na Base Aérea do Montijo se encontram armazenados os kits MAFFS (Modular Airborne Fire-Fighting System) destinados aos C-130H. Mas, após largos anos de armazenamento, esses mesmos kits encontram-se em deficiente condição, senão mesmo totalmente inoperacionais.

O primeiro governo socialista do Eng. António Guterres achou por bem acabar com essa capacidade dados os custos associados à operação da aeronave da Força Aérea na missão de combate a incêndios, preferindo o aluguer de meios aéreos privados. Hoje, para além de dificilmente se poder contar com os referidos módulos de combate a incêndios, há também a questão de que as actuais tripulações dos Hércules não se encontrarem treinadas para os operar, isto é, nem para a montagem e desmontagem a bordo do avião, nem para a sua utilização a nível operacional.  :roll:
Saudações Aeronáuticas,
Charlie Jaguar

"(...) Que, havendo por verdade o que dizia,
DE NADA A FORTE GENTE SE TEMIA
"

Luís Vaz de Camões (Os Lusíadas, Canto I - Estrofe 97)
 

*

Rui Elias

  • Investigador
  • *****
  • 1696
  • +2/-1
(sem assunto)
« Responder #5 em: Abril 11, 2006, 05:16:14 pm »
12 C-130J?

Não há dúvidas de que eu estou a fazer "escola"   :lol:

Agora a sério:

Acho que o nº ideal para já seriam 8 C-130H, futuramete substituidos pelo J.

Ou manter uma força de 6 C-130J + 3 a 4 A-400M.
 

*

Miguel

  • Investigador
  • *****
  • 2471
  • Recebeu: 36 vez(es)
  • Enviou: 8 vez(es)
  • +38/-384
(sem assunto)
« Responder #6 em: Abril 11, 2006, 05:48:51 pm »
pelos andares em 2020 a FAP, vai ter este tamanho:

20 F16 MLU nas esquadras 201 e 301

12 C295 Transporte/Patmar nas esquadras 501 e 601

12 EH101 Merlin na 751

12 Helis Ligeiros

12 Aeronaves tipo "chipmunk ou epsilon"

a formação dos pilotos com o abate dos Alphajet vai ser feita, em qualquer escola na Europa ou EUA...

Se nada for feito, creio que vai ser este o cenario mais provavel da FAP no futuro.

E creio mesmo que é provavel que o F16 sera a ultima aeronave de combate da FAP.
 

*

Lightning

  • Moderador Global
  • *****
  • 10067
  • Recebeu: 1905 vez(es)
  • Enviou: 2487 vez(es)
  • +460/-484
(sem assunto)
« Responder #7 em: Abril 11, 2006, 06:53:21 pm »
Citação de: "Miguel"
pelos andares em 2020 a FAP, vai ter este tamanho:

20 F16 MLU nas esquadras 201 e 301

12 C295 Transporte/Patmar nas esquadras 501 e 601

12 EH101 Merlin na 751

12 Helis Ligeiros

12 Aeronaves tipo "chipmunk ou epsilon"

a formação dos pilotos com o abate dos Alphajet vai ser feita, em qualquer escola na Europa ou EUA...

Se nada for feito, creio que vai ser este o cenario mais provavel da FAP no futuro.

E creio mesmo que é provavel que o F16 sera a ultima aeronave de combate da FAP.


Os C295 vão substituir os Aviocar na esquadra 502.

A esquadra 501 opera C-130H e a esquadra 601 opera P-3.

A manter só 20 F-16 continuaremos a possuir só uma esquadra de caças é desnecessário ter duas agora se é 201 ou 301 não sei.
 

*

Rui Elias

  • Investigador
  • *****
  • 1696
  • +2/-1
(sem assunto)
« Responder #8 em: Abril 26, 2006, 10:10:42 am »
Citar
creio mesmo que é provavel que o F16 sera a ultima aeronave de combate da FAP.


Ou seja:

O melhor é fechar a loja, e passar os C-130 e os helis para a Marinha e Exército, ou para uma instituição civil, pública que os opere.

Será o fim da FAP em Portugal.

Oxalá que te enganes, Miguel, embora eu veja núvens muito negras no horizonte.    :shock:
 

*

Lightning

  • Moderador Global
  • *****
  • 10067
  • Recebeu: 1905 vez(es)
  • Enviou: 2487 vez(es)
  • +460/-484
(sem assunto)
« Responder #9 em: Abril 26, 2006, 08:32:42 pm »
Citação de: "Rui Elias"
Citar
creio mesmo que é provavel que o F16 sera a ultima aeronave de combate da FAP.

Ou seja:

O melhor é fechar a loja, e passar os C-130 e os helis para a Marinha e Exército, ou para uma instituição civil, pública que os opere.

Será o fim da FAP em Portugal.

Oxalá que te enganes, Miguel, embora eu veja núvens muito negras no horizonte.    :shock:


Acho que nesse aspecto está enganado, a FAP deve ser o ramo das Forças Armadas mais operacional em Portugal visto que a Armada além das 3 Fragatas e dos Fuzileiros é na práctica uma Guarda Costeira e o Exército possui as 3 brigadas como verdadeiras unidades operacionais e mesmo a BMI é duvidosa devido ao actual carro de combate em uso, enquanto todos os restantes regimentos são obsoletos em termos operacionais.
A FAP tem os 20 F-16 AB em defesa aérea
os 6 C-130H no transporte
os 5 ou 6 P-3 em guerra anti-submarina e patrulha maritima.
Pelo menos os F-16 e os P-3 estão todos os dias no ar em missões de patrulha.
Falo referente a meios que já cumpriram ou podem cumprir missões NATO ou semelhantes e não que sirvam para o desenrasque lusitano.
 

*

Rui Elias

  • Investigador
  • *****
  • 1696
  • +2/-1
(sem assunto)
« Responder #10 em: Abril 27, 2006, 01:40:08 pm »
Sim, Hélder:

Mas eu julgo que as nossas FA's e cada um dos 3 ramos não devem servir apenas e só para comparticipar em missões internacionais, ao nível da NATO, ou de outras missões enquadradas pela ONU.

Julgo que a função principal das FA's deve ser a capacidade intrínseca de poder ter a capacidade necessária para dissuadir e defender o território continental e insular de uma eventual ameaça, simétrica ou assimétrica.

As missões internacionais são apenas e só uma das outras missões das FA's, a par de outras, como de Protecção Civil, etc.

Ora uma Força Aérea com apenas 40 F-16, ou mesmo 20, como já se andar a dar a entender, não serve para mais que dizer aos outros que temos uma Força Aérea, que na realidade e para efeitos prácticos para nada serve, no que concerne à missão primordial de uma FA's.
 

*

José Matos

  • 36
  • +0/-0
    • http://para-quedas.blogspot.com/
(sem assunto)
« Responder #11 em: Abril 27, 2006, 02:13:19 pm »
Olá Rui

É muito difícil um país sozinho da nossa dimensão defender-se de uma ameaça ao seu território. E no caso português não se vislumbra qualquer tipo de ameaça significativa que exiga um dispositivo com a dimensão daquele que a FAP possui.

A nível nacional, o que a FAP deve obviamente fazer é garantir as suas missões que passam pelo SAR, pela vigilância dos diversos tipos de espaço de forma a garantir as funções de soberania do estado português.

E depois como já foi dito há a questão das missões internacionais importantes como instrumento da política externa do estado.

É obvio que a FAP com 20 ou 30 F-16 MLU tem menos poder aéreo que uma FAP com 40 F-16 MLU. Mas mesmo que um dia a nossa FAP seja reduzida a uma esquadra de combate (por exemplo com 24 aparelhos), o seu poder aéreo será mesmo assim suficiente para vigiar e patrulhar os diversos tipos de espaço como também para participar em missões internacionais. É claro que não será capaz de o fazer de uma forma tão eficiente como agora, nem terá a sustentabilidade que tem agora, mas continuaremos a ter mesmo assim capacidade de intervenção nesse espaço.

Um abraço

 

*

Rui Elias

  • Investigador
  • *****
  • 1696
  • +2/-1
(sem assunto)
« Responder #12 em: Abril 27, 2006, 02:47:34 pm »
José Matos:

Mas nesse caso, se a questão que se coloca é a da falta de ameaças visíveis a médio prazo, que tipo de ameças militares pairam sobre outros parceiros da Aliança e da Europa que se armam, que investem nas FA's, quer na Marinha, forças aéreas ou Exércitos?

O que leva a Espanha a querer ter o que já tem, e a querer mais ainda?
 

*

Menacho

  • Investigador
  • *****
  • 2815
  • Recebeu: 298 vez(es)
  • Enviou: 60 vez(es)
  • +6/-50
(sem assunto)
« Responder #13 em: Abril 27, 2006, 05:34:28 pm »
Citação de: "Rui Elias"
José Matos:

Mas nesse caso, se a questão que se coloca é a da falta de ameaças visíveis a médio prazo, que tipo de ameças militares pairam sobre outros parceiros da Aliança e da Europa que se armam, que investem nas FA's, quer na Marinha, forças aéreas ou Exércitos?

O que leva a Espanha a querer ter o que já tem, e a querer mais ainda?


En caso concreto del rearme espanhol es las amenazas portuguesas de reconquistar Olivenca..... :lol:

Ya en serio Espanha te las amenazas de Marruecos, quien esta continuamente amenazando con ocupar Ceuta y Melilla, mira lo que ocurrio con la isla de Perejil en el 2002.
 

*

José Matos

  • 36
  • +0/-0
    • http://para-quedas.blogspot.com/
(sem assunto)
« Responder #14 em: Abril 27, 2006, 09:20:09 pm »
Rui

Todos os países europeus da NATO nossos aliados têm diminuido os seus custos com a defesa. É uma tendência geral.

Um abraço