A Marinha Portuguesa e o Zero Naval !

  • 2382 Respostas
  • 196760 Visualizações
*

Stalker79

  • Investigador
  • *****
  • 1841
  • Recebeu: 404 vez(es)
  • Enviou: 1880 vez(es)
  • +145/-21
Re: A Marinha Portuguesa e o Zero Naval !
« Responder #90 em: Junho 03, 2019, 03:15:55 pm »
Reparei foi mas é que as Anzac não estão equipadas com o Phalanx CIWS. Mas sendo do mesmo projecto que as nossas (basicamente) não deverá ser dificil a instalação dos mesmos, ou será!?

 :-\
 

*

dc

  • Investigador
  • *****
  • 5274
  • Recebeu: 1638 vez(es)
  • Enviou: 412 vez(es)
  • +342/-244
Re: A Marinha Portuguesa e o Zero Naval !
« Responder #91 em: Junho 03, 2019, 03:24:20 pm »
Quanto à colocação dos Harpoon na posição à frente da ponte por causa da distribuição do peso... não seria o mesmo se fosse colocado naquela posição um lançador vertical Mk-41 ou um Phalanx/RAM ou SeaRAM? Em termos do espaço que ocupam, parece-me um desperdício de espaço para sistemas anti-míssil.

No entanto, se de facto tivermos os 2 Phalanx armazenados, e retirando os 3 das VdG antes de as vendermos, já dava para equipar as Anzac com os ditos.  ::)

Já agora... com a instalação dos ESSM Block 2 nas BD, não se torna redundante o segundo STIR atrás do mastro? Já que estes mísseis têm guiamento activo ao contrário dos Sea Sparrow...
 

*

NVF

  • Investigador
  • *****
  • 4373
  • Recebeu: 2747 vez(es)
  • Enviou: 4863 vez(es)
  • +3979/-146
Re: A Marinha Portuguesa e o Zero Naval !
« Responder #92 em: Junho 03, 2019, 05:16:49 pm »
O ESSM Block I e o Sea Sparrow são ambos passivos. O ESSM Block II é misto: tem o seeker activo do AMRAAM, mas também aceita guiamento passivo como os seus antecessores, pelo que o STIR ainda tem alguma utilidade (os seekers dos mísseis têm, devido às limitações de tamanho inerentes a um míssil, um ângulo de 'visão' limitado, pelo que a ajuda que o iluminador pode dar ao míssil no caso de um alvo rápido a distâncias elevadas não é de descurar). O STIR serve também para a OTO 76.
Talent de ne rien faire
 
Os seguintes utilizadores agradeceram esta mensagem: dc, Stalker79

*

dc

  • Investigador
  • *****
  • 5274
  • Recebeu: 1638 vez(es)
  • Enviou: 412 vez(es)
  • +342/-244
Re: A Marinha Portuguesa e o Zero Naval !
« Responder #93 em: Junho 03, 2019, 06:17:19 pm »
Sim era exactamente essa a minha questão, se o 2º STIR teria utilidade ou se se tornaria redundante após a integração dos ESSM Block 2.

Já agora, como funciona o guiamento dos mísseis do sistema RAM? É preciso algum "director" de tiro ou a informação dos radares do navio é suficiente?
 

*

NVF

  • Investigador
  • *****
  • 4373
  • Recebeu: 2747 vez(es)
  • Enviou: 4863 vez(es)
  • +3979/-146
Re: A Marinha Portuguesa e o Zero Naval !
« Responder #94 em: Junho 03, 2019, 07:10:55 pm »
Tanto quanto sei o RAM é autónomo. O RAM é um míssil peculiar porque utiliza o seeker IR do Stinger, mais um sensor passivo anti-radiação que segue as emissões radar do míssil, ou aeronave, atacante.  Em teoria, com algumas modificações, podia ser adaptado a míssil anti-radar para aeronaves de pequeno porte como helicópteros.
Talent de ne rien faire
 

*

mafets

  • Investigador
  • *****
  • 6917
  • Recebeu: 1813 vez(es)
  • Enviou: 810 vez(es)
  • +3461/-2518
Re: A Marinha Portuguesa e o Zero Naval !
« Responder #95 em: Junho 03, 2019, 08:00:15 pm »
Reparei foi mas é que as Anzac não estão equipadas com o Phalanx CIWS. Mas sendo do mesmo projecto que as nossas (basicamente) não deverá ser dificil a instalação dos mesmos, ou será!?

 :-\

Ou venderam aos Neozelandeses ou estão armazenados à espera do LPD, como um certo pais..  :mrgreen: :mrgreen:



Ah, espera... ;D ;D



Saudações  ;) :-P
"Nunca, no campo dos conflitos humanos, tantos deveram tanto a tão poucos." W.Churchil

http://mimilitary.blogspot.pt/
 

*

Stalker79

  • Investigador
  • *****
  • 1841
  • Recebeu: 404 vez(es)
  • Enviou: 1880 vez(es)
  • +145/-21
Re: A Marinha Portuguesa e o Zero Naval !
« Responder #96 em: Junho 03, 2019, 09:36:00 pm »
Tanto quanto sei o RAM é autónomo. O RAM é um míssil peculiar porque utiliza o seeker IR do Stinger, mais um sensor passivo anti-radiação que segue as emissões radar do míssil, ou aeronave, atacante.  Em teoria, com algumas modificações, podia ser adaptado a míssil anti-radar para aeronaves de pequeno porte como helicópteros.

O SEA RAM é independente como o Phalanx até porque usam os mesmos sensores, mas o RAM depende dos sensores do navio para saber de onde vem a ameaça.
 :-P




 

*

dc

  • Investigador
  • *****
  • 5274
  • Recebeu: 1638 vez(es)
  • Enviou: 412 vez(es)
  • +342/-244
Re: A Marinha Portuguesa e o Zero Naval !
« Responder #97 em: Junho 03, 2019, 10:18:10 pm »
45 milhões por cada um? É literalmente o valor do MLU para cada uma das fragatas ::)
 

*

Stalker79

  • Investigador
  • *****
  • 1841
  • Recebeu: 404 vez(es)
  • Enviou: 1880 vez(es)
  • +145/-21
Re: A Marinha Portuguesa e o Zero Naval !
« Responder #98 em: Junho 03, 2019, 10:37:20 pm »
45 milhões por cada um? É literalmente o valor do MLU para cada uma das fragatas ::)

Bem, o SEA-RAM custa 25 milhões, mais 11 missies a um milhão cada....
Mas isto são numeros da internet, não sei ao certo.
Por outo lado o RAM custa cerca de 12/15 milhões, mas leva 21 misseis....
 :-P
 

*

NVF

  • Investigador
  • *****
  • 4373
  • Recebeu: 2747 vez(es)
  • Enviou: 4863 vez(es)
  • +3979/-146
Re: A Marinha Portuguesa e o Zero Naval !
« Responder #99 em: Junho 03, 2019, 11:51:29 pm »
O SEA RAM é independente como o Phalanx até porque usam os mesmos sensores, mas o RAM depende dos sensores do navio para saber de onde vem a ameaça.
 :-P

Stalker -- a resposta era a esta questão:

Já agora, como funciona o guiamento dos mísseis do sistema RAM? É preciso algum "director" de tiro ou a informação dos radares do navio é suficiente?

A pergunta não era orientada para os sistemas de aquisição, mas para os de 'direcção' e guiamento. O SeaRAM e o RAM utilizam ambos o míssil... RAM, pois então. As ilustrações são muito bonitas, mas o RAM continua a ser um míssil completamente autónomo após o lançamento.

Nota: quer o Phalanx quer o SeaRAM podem ser disparados manualmente.
Talent de ne rien faire
 

*

Stalker79

  • Investigador
  • *****
  • 1841
  • Recebeu: 404 vez(es)
  • Enviou: 1880 vez(es)
  • +145/-21
Re: A Marinha Portuguesa e o Zero Naval !
« Responder #100 em: Junho 03, 2019, 11:56:52 pm »
Sorry, pensava que era para o sistema de deteção e aquisição dos alvos!
Lendo bem estava enganado! O missil em si é "fire & forget".
Olhei, mas não vi a pergunta correctamente. Retiro a afirmação!
 
Os seguintes utilizadores agradeceram esta mensagem: NVF

*

NVF

  • Investigador
  • *****
  • 4373
  • Recebeu: 2747 vez(es)
  • Enviou: 4863 vez(es)
  • +3979/-146
Re: A Marinha Portuguesa e o Zero Naval !
« Responder #101 em: Junho 03, 2019, 11:59:51 pm »
Desta vez passa, mas que isto não se repita.  ;D
Talent de ne rien faire
 
Os seguintes utilizadores agradeceram esta mensagem: Stalker79

*

dc

  • Investigador
  • *****
  • 5274
  • Recebeu: 1638 vez(es)
  • Enviou: 412 vez(es)
  • +342/-244
Re: A Marinha Portuguesa e o Zero Naval !
« Responder #102 em: Junho 04, 2019, 01:17:16 pm »
Nos últimos dias têm-se falado muito por aqui de navios em segunda-mão para substituir as VdG. No seio da Marinha, é uma hipótese equacionada sequer? Como vê a Marinha a possibilidade das Anzac caso os australianos as vendessem em 2024/25?
 

*

Stalker79

  • Investigador
  • *****
  • 1841
  • Recebeu: 404 vez(es)
  • Enviou: 1880 vez(es)
  • +145/-21
Re: A Marinha Portuguesa e o Zero Naval !
« Responder #103 em: Junho 04, 2019, 04:07:06 pm »
Nos últimos dias têm-se falado muito por aqui de navios em segunda-mão para substituir as VdG. No seio da Marinha, é uma hipótese equacionada sequer? Como vê a Marinha a possibilidade das Anzac caso os australianos as vendessem em 2024/25?


Acho que depende muito de quem estiver a governar na altura e de como andarem as finanças.
A substituição das VDG é um facto inevitável. Mas se formos pelo economico vai-se ás Anzac para mais 15/20 anos, se houver disponibilidade e dinheiro eram três novas.
 :P
 

*

dc

  • Investigador
  • *****
  • 5274
  • Recebeu: 1638 vez(es)
  • Enviou: 412 vez(es)
  • +342/-244
Re: A Marinha Portuguesa e o Zero Naval !
« Responder #104 em: Junho 04, 2019, 04:41:56 pm »
Nos últimos dias têm-se falado muito por aqui de navios em segunda-mão para substituir as VdG. No seio da Marinha, é uma hipótese equacionada sequer? Como vê a Marinha a possibilidade das Anzac caso os australianos as vendessem em 2024/25?


Acho que depende muito de quem estiver a governar na altura e de como andarem as finanças.
A substituição das VDG é um facto inevitável. Mas se formos pelo economico vai-se ás Anzac para mais 15/20 anos, se houver disponibilidade e dinheiro eram três novas.
 :P

A minha questão tem mais a ver com o facto de se falar que as VdG com o micro-MLU é suposto durarem até 2030, e a minha questão entra num contexto de, surgindo a oportunidade de compra das Anzac antes de 2030 (2024/2025), se existiria interesse da Marinha nelas. É verdade que, por 5 anos junta-se o dinheiro e depois manda-se construir navios novos... mas mesmo em 2030 não estou a ver isso acontecer, ainda para mais quando teríamos que substituir as BD ao mesmo tempo...

Metemo-nos numa alhada agora...