Economia nacional

  • 397 Respostas
  • 36534 Visualizações
*

P44

  • Investigador
  • *****
  • 11884
  • Recebeu: 2003 vez(es)
  • Enviou: 2693 vez(es)
  • +1650/-3427
Re: Economia nacional
« Responder #390 em: Setembro 03, 2021, 03:35:20 pm »
Também, só vamos ter a quarta bancarrota patrocinada pelo PS...
"[Os portugueses são]um povo tão dócil e tão bem amestrado que até merecia estar no Jardim Zoológico"
-Dom Januário Torgal Ferreira, Bispo das Forças Armadas
 

*

CruzSilva

  • Membro
  • *
  • 81
  • Recebeu: 39 vez(es)
  • Enviou: 97 vez(es)
  • +21/-0
Re: Economia nacional
« Responder #391 em: Setembro 10, 2021, 09:48:04 am »
Também, só vamos ter a quarta bancarrota patrocinada pelo PS...

E a culpa vai ser da pandemia...
 
Os seguintes utilizadores agradeceram esta mensagem: Luso, P44

*

P44

  • Investigador
  • *****
  • 11884
  • Recebeu: 2003 vez(es)
  • Enviou: 2693 vez(es)
  • +1650/-3427
"[Os portugueses são]um povo tão dócil e tão bem amestrado que até merecia estar no Jardim Zoológico"
-Dom Januário Torgal Ferreira, Bispo das Forças Armadas
 

*

LM

  • Investigador
  • *****
  • 1763
  • Recebeu: 478 vez(es)
  • Enviou: 1566 vez(es)
  • +258/-15
Re: Economia nacional
« Responder #393 em: Setembro 13, 2021, 11:54:00 am »
O meu Pai, reformado há quase 20 anos, trabalhou lá praticamente toda a vida...  :(

Após a auditoria feita pelos candidatos à compra, a empresa é economicamente inviável e diria que até se encontra novamente numa situação financeira muito difícil que, imporá, brevemente novo financiamento ou garantia estatal.

Citar
Ou Empresa Financeiramente Apoiada Continuamente (pelo) Estado Central

Primeiramente, como se impõe, uma declaração de interesses: fui membro do conselho de administração de uma empresa do mesmo sector do da Efacec, tendo sido concorrente, cliente, fornecedor e parceiros em consórcios. Tal declaração não me impede de dar a minha opinião isenta sobre o enorme erro estratégico, motivado, por falta de outra razão válida, por puro preconceito ideológico, e que foi a nacionalização da Efacec.

Escapou à comunicação social e, mais grave, à oposição, a recente notícia sobre o processo de reprivatização da participação social do Estado na Efacec.  To make a long story short, nos documentos de venda a Efacec terá reportado no exercício de 2020 um Ebtida de 20 milhões de euros negativos. Ou seja, a Efacec custaria ao Estado, maior acionista da Efacec, a módica quantia de 20 milhões de euros por ano. E para quem não sabe, o resultado negativo da empresa é muitíssimo superior ao Ebitda se adicionarmos os encargos financeiros e as amortizações.

Acontece que, após a auditoria levada a cabo pelos concorrentes à compra, o Ebitda terá sido ajustado para 60 milhões de euros negativos, e com a expectativa de, nos anos seguintes, o ebitda regressar aos tais 20 milhões de euros anuais negativos.

Por tal facto, e tendo em conta a dívida financeira líquida da Efacec rondar os 170 milhões de euros, os dois concorrentes (nacionais, porque os estrangeiros, do sector, desinteressaram-se), em lugar de pedirem dinheiro para ficarem com a empresa, limitaram-se a pedir uma garantia do estado para esta dívida. Se tivermos em conta o múltiplo do benchmark para este tipo de empresa (4x) o Estado teria de pagar ao comprador, pelo menos, 80 milhões de euros (4x ebitda negativo reportado) para este ficar com a Efacec, sem contar com a dívida que o Estado deveria assumir…

Até aqui tudo normal nesta república das bananas, não fosse dar-se o caso de após a nacionalização, o Estado ter garantido um empréstimo de 70 milhões de euros, já integralmente consumido, ter nacionalizado a empresa sem uma prévia auditoria, ter mantido a equipa de gestão responsável por estas contas, e ter concluído publicamente que a Efacec, ao contrário da TAP, era uma empresa economicamente viável.

O ministro da Economia é um advogado experimentado neste tipo de transacções de empresas e sabia, ou devia saber, que quando adquiriu o controlo de uma empresa em situação financeira difícil, pelo menos devia ter garantido que a mesma era economicamente viável ou, mínimo, olhar para as contas… E, mais grave, atirou poeira para os olhos para quem o lia e ouvia, por diversas vezes, pois sempre manifestou publicamente que a empresa estava muito bem, que era economicamente viável e que estava a fazer o seu turn around.

Pois bem, após a auditoria feita pelos candidatos à compra, a empresa, para quem quiser ver, é economicamente inviável e diria que até se encontra novamente numa situação financeira muito difícil que, imporá, brevemente novo financiamento ou garantia estatal.

A empresa tem cerca de 2.500 trabalhadores, sindicatos muito fortes e coesos, localizada no norte industrial e é uma empresa de referência no sector onde actua. O que não é, é uma empresa economicamente viável e isso ficou muito claro no processo de reprivatização, onde se descobre que o Ebitda afinal não é de 20 milhões de euros, mas três vezes mais. E ninguém se demite? Os membros do Conselho de Administração, os auditores, o ministro?

Nacionaliza-se uma empresa sem se saber se as contas evidenciam a verdadeira situação económico-financeira da empresa? Nacionaliza-se uma empresa por razões alegadamente ligadas a uma acionista e mantém-se a anterior equipa de gestão indicada por aquela? E quando se sabe que as contas não reflectem integralmente a performance da empresa não há consequências jurídicas ou políticas?

Isto acontece porque a nacionalização se deveu a um mero preconceito ideológico, porventura, triste país, gerado numa das negociações de aprovação do OE pelo PCP. E agora? Como dizem alguns empresários neste tipo de situações: stop losses! Mas não é o Estado empresário que pode fazer isso. Mais capital, mais garantias públicas a novo endividamento da empresa, mais auxílios do Estado que só encontram limite, como vimos na TAP, na Comissão Europeia, é a triste realidade que nos espera.

Tanta preocupação deste Governo em somente apoiar as empresas economicamente viáveis, apesar da pandemia e dos constrangimentos de tesouraria que esta provocou, e agora não hesita em apoiar uma empresa, que actua num mercado concorrencial, e que não é manifestamente viável?!

E uma nota final: o sector onde a Efacec actua não sofreu, como outros sectores, com a pandemia. Alguém se demita, porque depois do Novo Banco e da TAP, este é o novo monstro despesista. O acrónimo EFACEC será doravante “Empresa Financeiramente Apoiada Continuamente (pelo) Estado Central”. E a conta final será, como sempre, o contribuinte que a pagará.
Quidquid latine dictum sit, altum videtur
 
Os seguintes utilizadores agradeceram esta mensagem: Luso, Viajante

*

Viajante

  • Investigador
  • *****
  • 2458
  • Recebeu: 1192 vez(es)
  • Enviou: 553 vez(es)
  • +1551/-169
Re: Economia nacional
« Responder #394 em: Setembro 14, 2021, 10:16:50 am »
Também fiquei surpreendido da situação financeira da EFACEC.
A empresa era e ainda é uma empresa de referência e reconhecida lá fora, mas desde que teimou em criar uma mega-fábrica nos EUA que a saúde financeira da empresa piora a cada ano que passa!!!!!
Estive ontem a ver o relatório de contas e...... factura 1/3 da empresa de à 7 anos atrás!
A empresa dividiu a sua actividade em 8 áreas de negócios e só 1, a dos transportes, dá lucro!!!!!!

O relatório de gestão refere que a degradação da actividade em 2020 deveu-se ao luandaleaks que paralisou a actividade da empresa (é verdade que durante meses, os tribunais nacionais decidiram arrestar e bloquear todos os bens da Isabelinha e em arrasto bloquearam as contas bancárias da EFACEC.......

O capital próprio da empresa está reduzido a metade do capital social (significa muitos prejuízos acumulados).....

Pelo que dizem os auditores externos, o Estado se quiser desfazer-se da EFACEC (privatização), vai ter de pagar 80 milhões de euros!!!!!!
E não esquecer que os donos originais ainda têem 25% da empresa, se calhar chegou a hora de ajustar o capital, ou o Estado só mete dinheiro na empresa e os restantes sócios assistem e abanam que sim com a cabeça?
 
Os seguintes utilizadores agradeceram esta mensagem: tenente

*

asalves

  • Analista
  • ***
  • 694
  • Recebeu: 255 vez(es)
  • Enviou: 86 vez(es)
  • +48/-13
Re: Economia nacional
« Responder #395 em: Setembro 14, 2021, 11:47:58 am »
Do que conheço e admito que não é muito mas acho estranho a EFACEC estar no vermelho, provavelmente mais umas negociatas dos amiguinhos, tanto quanto sei não existe muitas empresas a produzir os transformadores e produtos que a EFACEC produz, sei que houve tempo o principal cliente era os EUA, os "transformadores" tinha de ir de transporte especial até ao Porto e depois de barco, algo que devia aumentar bastante os custos, dai a fabrica nos EUA.

Outra situação, é que a EFACEC foi das primeiras empresas a meter no mercado carregadores rápidos de veículos elétricos. Por isso não entendo como é que uma empresa com teoricamente bons produtos está no vermelho.
 

*

HSMW

  • Moderador Global
  • *****
  • 10664
  • Recebeu: 1636 vez(es)
  • Enviou: 4361 vez(es)
  • +260/-130
    • http://youtube.com/HSMW
Re: Economia nacional
« Responder #396 em: Setembro 15, 2021, 12:20:28 am »


Na época em que tinha maior esperança neste País.
E agora...
https://www.youtube.com/user/HSMW/videos

"Tudo pela Nação, nada contra a Nação."
 

*

HSMW

  • Moderador Global
  • *****
  • 10664
  • Recebeu: 1636 vez(es)
  • Enviou: 4361 vez(es)
  • +260/-130
    • http://youtube.com/HSMW
Re: Economia nacional
« Responder #397 em: Setembro 15, 2021, 11:24:58 pm »
https://twitter.com/i/status/1437449208576028682

2 minutos que explicam a insustentabilidade da economia nacional.

O jornalista da TVI 24 devia estar mortinho por sair dali.  ;D
« Última modificação: Setembro 15, 2021, 11:25:16 pm por HSMW »
https://www.youtube.com/user/HSMW/videos

"Tudo pela Nação, nada contra a Nação."