União Europeia

  • 41 Respostas
  • 3028 Visualizações
*

Viajante

  • Investigador
  • *****
  • 2515
  • Recebeu: 1242 vez(es)
  • Enviou: 585 vez(es)
  • +2189/-828
Re: União Europeia
« Responder #30 em: Julho 17, 2021, 11:09:56 am »
Isso é grave, quando me licenciei, durante um ano, fui professor numa pequena escola no interior, e fazia pena as dificuldades que haviam para aqueles miúdos terem as coisas mais básicas, que nas escolas dos grandes centros urbanos eram dadas como adquiridas.

sexta9@rtp.pt  com isso!

Já me manifestei (eu particularmente e a instituição a título oficial), à CIM, aos amigos xuxalistas já lhes esfreguei na cara mais esta afronta. Para além de nunca termos sido ajudados directamente em qualquer despesa que incorremos nesta pandemia, sabemos pelo próprio Presidente das Escolas Profissionais (socialista), que o governo nem sequer queria apoiar as Escolas Profissionais, porque não dependem directamente do Governo Central e somos "entidades privadas", apesar da larga maioria ter como accionistas Município!!!!!

Aqui à minha volta só há Escolas Públicas (que dependem directamente do Estado Central) com cursos profissionais e há as Escolas "Privadas" que têem como accionistas Municípios, sofremos os mesmos cortes da função pública, temos de prestar contas ao Município e por sua vez essa informação tem de ser submetida ao Tribunal de Contas, DGAL e Inspecção Geral de Finanças, mas como somos sociedades comerciais somos capitalistas privados (sofremos o mal dos 2 mundos, para o IAPMEI que atribuí grande parte dos apoios às empresas, não nos considera privados, porque temos accionistas públicos e para o Estado e principalmente este governo, somos privados neo-capitalistas)!!!!! Aliás neste momento estou a fazer o "trabalho de casa de fim-de-semana" o preenchimento do Grupo Autárquico para entregar ao Município (dados financeiros e contabilísticos). Aqui há uma conjugação perversa de ideologia tacanha com a soberba para ficar com a bazuca toda para os amigos!!!!!!

Mas a realidade por agora, é que só as grandes escolas deste país (grandes centros urbanos e escolas com pólos) é que vão ter acesso aos fundos, o resto (a larga maioria) vai ficar a olhar!!!!!
« Última modificação: Julho 17, 2021, 11:13:51 am por Viajante »
 

*

Lusitano89

  • Investigador
  • *****
  • 12470
  • Recebeu: 622 vez(es)
  • Enviou: 237 vez(es)
  • +342/-231
Re: União Europeia
« Responder #31 em: Julho 20, 2021, 07:30:03 pm »
Bruxelas reforça combate à lavagem de dinheiro


 

*

HSMW

  • Moderador Global
  • *****
  • 10864
  • Recebeu: 1728 vez(es)
  • Enviou: 4732 vez(es)
  • +279/-136
    • http://youtube.com/HSMW
Re: União Europeia
« Responder #32 em: Julho 25, 2021, 11:04:22 pm »

Citar
Após décadas de deslocalizações com vista à produção a baixo custo, leis europeias protecionistas estão a fazer empresas voltar a produzir na União Europeia.
No entanto, a dependência da Ásia ainda é, muitas vezes, um obstáculo.
https://www.youtube.com/user/HSMW/videos

"Tudo pela Nação, nada contra a Nação."
 

*

Viajante

  • Investigador
  • *****
  • 2515
  • Recebeu: 1242 vez(es)
  • Enviou: 585 vez(es)
  • +2189/-828
Re: União Europeia
« Responder #33 em: Agosto 12, 2021, 05:53:10 pm »
https://ibb.co/Yk8Lq5F
https://pt.countryeconomy.com/paises/grupos/uniao-europeia

Uma análise rápida sobre o quadro, deixa antever preocupações imediatas nas economias, se não recuperarem rapidamente da pandemia.
Salta à vista o disparo das dívidas dos países e desta vez não é só os 3 crónicos, Espanha e França estão a apanhar Portugal na taxa de endividamento (redução da actividade económica, manutenção dos orçamentos de estado altos e incentivos à economia fazem estragos no endividamento).

Também salta à vista que a Grécia com 3 resgates e perdão de dívida soberana, de nada adiantaram, já que a dívida que sobrou já ultrapassa os 200% do PIB, ainda pior do que no início da crise de dívidas soberanas!!!!!!!

Países mais endividados (% do PIB):
1º Grécia: 205,60%
2º Itália: 155,80%
3º Portugal: 133,60%
4º Espanha: 119,90%
5º Chipre: 118,20%
6º França: 115,70%
7º Bélgica: 114,10%

Já no déficite e como seria de esperar, o enorme déficite espanhol repercute-se na dívida total!

Déficit (% do PIB) em 2020:
1º Espanha: -10,97%
2º Malta: -10,10%
3º Grécia: -9,70%
4º Itália: -9,50%
5º Bélgica: -9,40%
.....
17º Portugal: -5,70%

Será que depois desta pandemia vamos ter nova crise de dívidas soberanas?
Mas desta vez a lista de endividados é muito maior. Com mais de 100% do PIB já há 7 países e 3 deles são economias grandes!!!!!!
« Última modificação: Agosto 12, 2021, 05:54:44 pm por Viajante »
 
Os seguintes utilizadores agradeceram esta mensagem: LM

*

Lusitano89

  • Investigador
  • *****
  • 12470
  • Recebeu: 622 vez(es)
  • Enviou: 237 vez(es)
  • +342/-231
Re: União Europeia
« Responder #34 em: Setembro 13, 2021, 06:44:34 pm »
Croácia no caminho para o euro


 

*

P44

  • Investigador
  • *****
  • 12421
  • Recebeu: 2256 vez(es)
  • Enviou: 2914 vez(es)
  • +1800/-3841
Re: União Europeia
« Responder #35 em: Setembro 14, 2021, 08:43:21 am »
Coitados...
"[Os portugueses são]um povo tão dócil e tão bem amestrado que até merecia estar no Jardim Zoológico"
-Dom Januário Torgal Ferreira, Bispo das Forças Armadas
 

*

Daniel

  • Investigador
  • *****
  • 2245
  • Recebeu: 235 vez(es)
  • Enviou: 51 vez(es)
  • +289/-4193
Re: União Europeia
« Responder #36 em: Setembro 17, 2021, 07:13:24 pm »
Inflation in Eurozone steigt auf höchsten Stand seit fast 10 Jahren
https://www.msn.com/de-ch/finanzen/nachrichten/inflation-in-eurozone-steigt-auf-h%C3%B6chsten-stand-seit-fast-10-jahren/ar-AAOxC1l?ocid=msedgdhp&pc=U531
Citar
Die Inflation im Euroraum ist so hoch wie seit rund zehn Jahren nicht mehr. Die Verbraucherpreise kletterten im August binnen Jahresfrist um 3,0 Prozent, wie die europäische Statistikbehörde Eurostat am Freitag mitteilte und damit eine frühere Schätzung bestätigte.Es ist die höchste Inflationsrate seit November 2011. Im Juli hatte die Rate noch bei 2,2 Prozent gelegen.

Besonders stark verteuerte sich im August erneut Energie, die 15,4 Prozent teurer war als ein Jahr zuvor. Preise für Industriegüter stiegen um 2,6 Prozent. Lebens- und Genussmittel kosteten 2,0 Prozent mehr als vor einem Jahr. Dienstleistungen waren 1,1 Prozent teurer.Die Kernteuerungsrate ohne Energie und Lebensmittel stieg ebenfalls deutlich. Sie erhöhte sich von 0,7 Prozent auf 1,6 Prozent. Die Kerninflation gilt vielen Ökonomen als zuverlässigere Messgrösse für die Teuerung, da sie in der Regel weniger stark schwankt.

Die Europäische Zentralbank (EZB) strebt mittelfristig eine Teuerung von 2,0 Prozent an. Schon im Juli hatte die Inflation mit 2,2 Prozent über dem EZB-Ziel gelegen. Vor allem die Energiepreise sorgen für Auftrieb, die im Vorjahr wegen den Folgen der Corona-Pandemie in die Tiefe gerauscht waren.

Die hochschnellenden Teuerungsraten werden aus Sicht von EZB-Chefin Christine Lagarde jedoch ein vorübergehendes Phänomen bleiben. Die EZB geht zwar davon aus, dass der Preisauftrieb im Herbst noch steigen, aber schon nächstes Jahr nachlassen wird. Für 2022 erwarten die Volkswirte der Zentralbank eine Teuerung von 1,7 Prozent und für 2023 von 1,5 Prozent.

Die niedrigsten Teuerungsraten wurden im August in Malta (0,4 Prozent), Griechenland (1,2 Prozent) and Portugal (1,3 Prozent) gemessen. Am stärksten war der Preisauftrieb in Estland und Litauen mit jeweils 5,0 Prozent. In Deutschland lag die Inflationsrate nach der für den europäischen Vergleich herangezogenen Rate (HVPI) bei 3,4 Prozent.

A inflação na área do euro é mais elevada do que há cerca de dez anos. Os preços ao consumidor subiram 3,0 por cento em um ano em agosto, conforme a agência de estatísticas europeia Eurostat anunciou na sexta-feira, confirmando uma estimativa anterior. É a maior taxa de inflação desde novembro de 2011. Em julho, a taxa foi de 2,2 por cento.
A energia subiu de forma particularmente acentuada novamente em agosto, que foi 15,4% mais cara do que no ano anterior. Os preços dos bens industriais aumentaram 2,6 por cento.

Alimentos e bebidas custam 2,0 por cento a mais do que há um ano. Os serviços ficaram 1,1 por cento mais caros, e a taxa de inflação básica excluindo energia e alimentos também aumentou significativamente. Aumentou de 0,7 por cento para 1,6 por cento. O núcleo da inflação é considerado por muitos economistas como uma medida mais confiável da inflação porque geralmente flutua menos.

O Banco Central Europeu (BCE) visa uma taxa de inflação de 2,0 por cento no médio prazo. Em julho, a inflação estava 2,2 por cento acima da meta do BCE. Acima de tudo, os preços da energia estão dando um impulso, que despencou no ano anterior devido às consequências da pandemia corona.
No entanto, do ponto de vista da chefe do BCE, Christine Lagarde, o aumento das taxas de inflação permanecerá um fenômeno temporário. O BCE presume que a inflação continuará a aumentar no outono, mas diminuirá no próximo ano. Os economistas do banco central esperam uma inflação de 1,7 por cento em 2022 e 1,5 por cento em 2023.

As taxas de inflação mais baixas em agosto foram registradas em Malta (0,4%), Grécia (1,2%) e Portugal (1,3%). O aumento de preço mais forte ocorreu na Estônia e na Lituânia, com 5,0% cada. Na Alemanha, a taxa de inflação com base na taxa utilizada para a comparação europeia (IHPC) foi de 3,4 por cento.
 

*

Viajante

  • Investigador
  • *****
  • 2515
  • Recebeu: 1242 vez(es)
  • Enviou: 585 vez(es)
  • +2189/-828
Re: União Europeia
« Responder #37 em: Outubro 19, 2021, 02:24:34 pm »
BCE vai fazer primeiro teste de "stress" climático em 2022

Os principais bancos da zona euro devem indicar, em particular, "a que ponto dependem de rendimentos" provenientes de indústrias com elevadas emissões de CO2.



O Banco Central Europeu (BCE) vai realizar entre março e julho de 2022 o primeiro teste de resistência bancária para avaliar a exposição do setor financeiro da zona euro a catástrofes naturais e a uma transição ecológica mais rápida.

O supervisor bancário europeu conta “identificar as vulnerabilidades, as melhores práticas e os desafios” do setor bancário, de acordo com um texto publicado esta segunda-feira pelo BCE.

Vai ser analisada a “vulnerabilidade” dos bancos a um cenário de “aumento rápido” do preço do dióxido de carbono (CO2) a partir de 2022, no quadro de uma transição acelerada para uma indústria livre de carbono e da adoção “abrupta” de medidas de regulação ambiental.

Os principais bancos da zona euro devem indicar, em particular, “a que ponto dependem de rendimentos” provenientes de indústrias com elevadas emissões de CO2. O questionário do BCE também analisará a quantidade de emissões de gases com efeito estufa que os bancos “financiam”, por exemplo, através de empréstimos.

O teste de “stress” avaliará igualmente a vulnerabilidade das instituições em caso de inundações ou de episódios de seca ou de calor intensos.

Segundo um estudo do BCE publicado no fim de setembro, sobre o conjunto da economia, a inação de governos e de empresas no domínio do clima pode causar uma perda significativa do produto interno bruto no longo prazo na zona do euro.

A presidente do BCE, Christine Lagarde, tem considerado as alterações climáticas como um dos principais riscos para a economia e para o setor bancários nos próximos anos.

No verão, quando ocorreu a revisão da sua estratégia, o BCE decidiu integrar novos critérios relativos ao clima na sua política, nomeadamente no que se refere à compra de ativos.

https://observador.pt/2021/10/18/bce-vai-fazer-primeiro-teste-de-stress-climatico-em-2022/

Mais um prego na desindustrialização da Europa. Tentar ser a Madre Greta do Clima dá nisto!
O que é que os teólogos do clima estão a sinalizar? Estão no fundo a avisar os bancos de que se continuarem a emprestar dinheiro a indústrias poluentes, vão levar tau tau e não há cá dinheiro barato do BCE! Na prática, o que vai acontecer é que os bancos vão ser quase que obrigados a fechar a torneira da indústria, que por acaso é a que mais polui (e a que mais enriquece um país) e também a que precisa de mais capital intensivo! Uma indústria de ponta, seja de chips, automóvel, uma siderurgia, uma central de energia...... precisam de rios de capitais, das empresas e dos financiadores, obviamente!

Portanto, mais uma medida para empobrecermos!
É mais prático comprar tudo chinês, já que eles estão a borrifar-se para o clima: https://time.com/6090732/china-coal-power-plants-emissions/
Não interessa empobrecermos, mas assim ficamos com a Europa limpinha de poluição....... quando fecharmos toda a indústria!!!! Depois ganhamos a vida na agricultura e a abrir lojas do chinês a vendermos aqueles produtos sujos que os asiáticos produzem!!!!!!!
 

*

goldfinger

  • Investigador
  • *****
  • 1624
  • Recebeu: 684 vez(es)
  • Enviou: 143 vez(es)
  • +252/-108
Re: União Europeia
« Responder #38 em: Outubro 28, 2021, 01:36:50 pm »
A España servir hasta morir
 

*

P44

  • Investigador
  • *****
  • 12421
  • Recebeu: 2256 vez(es)
  • Enviou: 2914 vez(es)
  • +1800/-3841
Re: União Europeia
« Responder #39 em: Novembro 11, 2021, 03:54:19 pm »
Hungria fixa preço do litro de gasolina 95 e de diesel em 1,33€ durante pelo menos 3 meses
"[Os portugueses são]um povo tão dócil e tão bem amestrado que até merecia estar no Jardim Zoológico"
-Dom Januário Torgal Ferreira, Bispo das Forças Armadas
 

*

Lusitano89

  • Investigador
  • *****
  • 12470
  • Recebeu: 622 vez(es)
  • Enviou: 237 vez(es)
  • +342/-231
Re: União Europeia
« Responder #40 em: Novembro 18, 2021, 05:42:23 pm »
Bruxelas abre porta a ajudas estatais contra a crise de semicondutores



 

*

Lusitano89

  • Investigador
  • *****
  • 12470
  • Recebeu: 622 vez(es)
  • Enviou: 237 vez(es)
  • +342/-231
Re: União Europeia
« Responder #41 em: Dezembro 01, 2021, 07:37:37 pm »
"Global Gateway": a resposta europeia aos planos de expansão da China