Actividade Operacional/Exercícios

  • 427 Respostas
  • 82710 Visualizações
*

Lusitano89

  • Investigador
  • *****
  • 22123
  • Recebeu: 2798 vez(es)
  • Enviou: 257 vez(es)
  • +1206/-1516
Re: Actividade Operacional/Exercícios
« Responder #420 em: Maio 05, 2024, 06:55:07 pm »
 

*

MMaria

  • Perito
  • **
  • 352
  • Recebeu: 47 vez(es)
  • Enviou: 153 vez(es)
  • +22/-328
Toda unanimidade é burra.
Quem pensa com a unanimidade não precisa pensar.

Nelson Rodrigues
 

*

Vitor Santos

  • Moderador Global
  • *****
  • 6946
  • Recebeu: 1054 vez(es)
  • Enviou: 494 vez(es)
  • +9030/-10222
Re: Actividade Operacional/Exercícios
« Responder #422 em: Junho 14, 2024, 12:48:14 pm »
Brigada Aeromóvel realiza Operação Aratu IX


Citar
Caçapava (SP) – A Brigada de Infantaria Aeromóvel realizou, entre os dias 02 e 08 de junho, a Operação Aratu IX com a Força-Tarefa (FT) Itororó, nas cidades paulistas de Lorena, Cruzeiro e Cachoeira Paulista. O exercício manteve dos padrões da Força de Prontidão (FORPRON) da Grande Unidade Aeromóvel do Exército Brasileiro, certificada no ano de 2023.


O exercício começou no dia 2 de junho, com a concentração dos meios no aquartelamento do 5º Batalhão de Infantaria Aeromóvel, em Lorena. No dia 3 de junho, foi realizado o aprestamento de toda Força-Tarefa, constituída por 769 militares. Antecedendo ao Assalto Aeromóvel, a equipe de precursores do núcleo da 2ª Companhia de Precursores infiltrou na área de operações, a fim de operar a zona de pouso de helicópteros.


Nos dias 4, 5 e 6 de junho, os militares realizaram o Assalto Aeromóvel, atacando posteriormente o aeródromo da cidade de Cruzeiro, onde estabeleceu uma cabeça de ponte aeromóvel. Na sequência das ações, houve a junção com elementos da 11ª Brigada de Infantaria Mecanizada e uma marcha forçada até o ponto de exfiltração.


A Operação Aratu IX foi acompanhada pelo General de Divisão Montenegro, Comandante da 2ª Divisão de Exército, e pelo General de Brigada Pasinato, Comandante da Brigada de Infantaria Aeromóvel.

Ao final da Operação, todos os objetivos de adestramento, previstos para o exercício, foram atingidos, ratificando a capacidade de pronta resposta da Força de Prontidão da Brigada de Infantaria Aeromóvel.

FONTE E FOTOS: 12ª Brigada de Infantaria Leve Aeromóvel

 
Os seguintes utilizadores agradeceram esta mensagem: MMaria

*

Vitor Santos

  • Moderador Global
  • *****
  • 6946
  • Recebeu: 1054 vez(es)
  • Enviou: 494 vez(es)
  • +9030/-10222
Re: Actividade Operacional/Exercícios
« Responder #423 em: Junho 25, 2024, 02:10:26 pm »
Aviação do Exército realiza exercício de combate simulado



Citar
Taubaté (SP) – Entre os dias 3 e 21 de junho, o Comando de Aviação do Exército (CAvEx) realizou a Operação Três Luas. O exercício de combate simulado reforçou os procedimentos, técnicas e táticas das tropas de Aviação do Exército, e foi realizado na região do Vale do Paraíba e Resende (RJ).

Entre os dias 3 e 13 de junho, ocorreram duas fases. A primeira, envolveu uma simulação construtiva, seguida por uma simulação virtual na divisão de simulação do Centro de Instrução da Aviação do Exército (CIAvEx). Durante essa fase, as unidades receberam ordens de operações, fizeram o planejamento e emitiram suas ordens, iniciando o 'Jogo de Guerra'. Na segunda fase, as tripulações dos Batalhões de Aviação executaram missões táticas nos simuladores de voo.

No dia 13 de junho, foi realizado o Apronto Operacional, marcando o início da fase viva da Operação Três Luas. O Apronto Operacional é a condição de preparo em que uma organização militar está pronta para ser empregada em missões de combate, com todos os equipamentos, armamentos, viaturas, munições e suprimentos necessários. Após o apronto, a tropa seguiu para atividades de combate simulado.

Nessa fase, cerca de 350 militares e 15 aeronaves dos modelos Jaguar, Cougar, Pantera K2 e Fennec AvEx participaram em uma simulação de confronto. As manobras incluíram tiro lateral por fração e pelotão de aeronaves, pista de navegação, navegação tática, tiro axial de foguetes, maneabilidade de fração de helicóptero e incursão aeromóvel tanto diurno quanto noturno com uso dos Óculos de Visão Noturna (OVN).

O objetivo da atividade foi realizar a certificação do 1º BAvEx (Batalhão de Aviação do Exército), no módulo especializado da Força de Prontidão da Força Terrestre, e o adestramento da Brigada Ricardo Kirk, com a presença das organizações militares AvEx de Taubaté. A Força de Prontidão é composta por tropas que passam por rigoroso treinamento e são certificadas como unidade de pronta resposta para o cumprimento das missões do Exército. Em casos de necessidade, a FORPRON pode ser empregada em operações de defesa externa e de salvaguarda de interesses brasileiros no exterior.

O Comandante do 1º BAvEx, Tenente-Coronel Castro, explicou a certificação. "O Comando de Operações Terrestres (COTER) seleciona as unidades de Força de Prontidão do Exército, que, em caso de emprego, serão acionadas e devem estar em condições de serem empregadas no prazo máximo de 72 horas. Em 2024, o 1º BAvEx foi a unidade selecionada para esta certificação. Estamos passando, então, por todas as fases para que a Força de Helicópteros do 1º BAvEx possa ser certificada, demonstrando que está em condições de combater com todas as suas capacidades."

Além da Aviação, participaram do exercício militares da 12ª Brigada de Infantaria Leve (Aeromóvel) e do Comando de Defesa Antiaérea.

FONTE: EB








 

*

Vitor Santos

  • Moderador Global
  • *****
  • 6946
  • Recebeu: 1054 vez(es)
  • Enviou: 494 vez(es)
  • +9030/-10222
Re: Actividade Operacional/Exercícios
« Responder #424 em: Julho 03, 2024, 12:35:51 pm »
Tiro real com helicópteros na Amazônia Oriental


Citar
O Destacamento de Aviação do Exército do Comando Militar do Norte (Dst Av Ex/CMN) realizou no final de junho o adestramento de tiro com armamento lateral, pela primeira vez, na região da Amazônia Oriental.

O exercício foi praticado em uma área isolada do município de Marabá (PA), empregando aeronaves HM-1A Pantera e HM-4 Jaguar e também contou com a participação de 12 mecânicos de voo. O objetivo foi manter as capacidades operativas no cumprimento das tarefas de apoio de fogo,  além da prontidão para emprego nas missões.




“Esta é uma capacidade técnica prevista em todos os batalhões da Aviação do Exército. Para atingirmos essa capacidade, realizamos o exercício em ambiente controlado, garantindo toda a segurança necessária. O adestramento eleva o nosso nível operacional e possibilita o melhor apoio ao Comando Militar do Norte”, destacou o coronel Everaldo Ribeiro Ramos, comandante do destacamento.

O Dst Av Ex/CMN completou dois anos de existência  em 30 de junho e durante este período, já atuou em diversas operações nos Estados do Pará, Amapá, Maranhão e ainda em outras áreas do território nacional, em apoio operacional e/ou de calamidade pública, como nas recentes enchentes no Rio Grande do Sul.




Atualmente, está sediado em Belém (PA), junto ao Comando Militar do Norte (CMN), e possui quatro aeronaves, sendo duas do modelo HM-4 Jaguar (H225M Caracal), helicóptero de grande aeromobilidade de tropa, e dois HM-1A Pantera (AS365 K2), que se destaca por ser leve e facilitar o deslocamento em áreas restritas, sem quebrar o sigilo da missão. Há previsão de uma quinta aeronave chegar no segundo semestre deste ano.

Fonte: Comando Militar do Norte
 :arrow: https://tecnodefesa.com.br/tiro-real-com-helicopteros-na-amazonia-oriental/
 

*

Vitor Santos

  • Moderador Global
  • *****
  • 6946
  • Recebeu: 1054 vez(es)
  • Enviou: 494 vez(es)
  • +9030/-10222
Re: Actividade Operacional/Exercícios
« Responder #425 em: Julho 10, 2024, 05:54:19 pm »
CORE 2024: 23 Bda Infl Sl realiza Exercício de Tiro Real na Amazônia


Citar
A 23ª Brigada de Infantaria de Selva (23 Bda Infl Sl) realizou na última semana o Exercício de Tiro Real (ETR), destinado aos militares que compõem a Subunidade CORE, com a participação de mais de 300 militares. Essa foi a última etapa do adestramento da tropa, que segue no mês de agosto para representar o Brasil no Exercício CORE 24, nos Estados Unidos.

O exercício foi realizado no terreno da Fazenda Limeira, a 70 km de Marabá. Foram realizados tiros das Metralhadora FN Mag e MINIMI, dos Fuzis IA2 e Daniel Defense DD5 7.62mm e do Canhão Sem Recuo 84mm Carl Gustaf.

Durante a atividade foi possível observar não somente o adestramento da subunidade, realizada ao longo dos dois últimos anos, mas a integração de todas as funções de combate, a exemplo do fogo com a manobra.

Todo o adestramento da tropa foi acompanhando por uma comitiva do Comando de Operações Terrestres (COTER), como parte da visita operacional ao Comando Militar do Norte (CMN).

A programação incluiu ainda uma demonstração do 1º Grupo de Artilharia de Campanha de Selva (1º GAC Sl), com apoio de uma aeronave do Destacamento de Aviação do Exército (Dst Avx Ex) e da Seção Fluvial da 23º Bda Inf Sl, foi montada uma bateria de obuses e apresentado o resultado do treinamento constante dos militares que cumprem sua missão no ambiente de selva.

A atividade contou com as presenças do General de Exército Novaes, Comandante de Operações Terrestres e do General de Exército Guilherme, Comandante Militar do Norte, além de diversas autoridades militares, que puderam acompanhar o exercício.

CORE 2024 (Combined Operation And Rotation Exercise)

​​​​​​O Exercício CORE é resultado de um programa de cooperação, assinado entre Brasil e Estados Unidos, que estipula exercícios bilaterais anuais até o ano de 2028. A primeira edição aconteceu no Brasil em 2021, a segunda, em 2022, na cidade de Luisiana nos EUA. Já em 2023, a terceira edição aconteceu na região norte do Brasil.

Em 2024, no mês de agosto, o Exercício CORE reunirá militares do Exército Brasileiro e do Exército dos Estados Unidos da América (EUA) para um adestramento combinado em Fort Johnson. As tropas dos dois países irão compartilhar experiências e trocar conhecimentos sobre doutrina e técnicas, táticas e procedimentos de defesa, visando manter os laços históricos entre os países e incrementar a integração e a cooperação entre os dois exércitos.

FONTE: EB




 
Os seguintes utilizadores agradeceram esta mensagem: MMaria

*

Vitor Santos

  • Moderador Global
  • *****
  • 6946
  • Recebeu: 1054 vez(es)
  • Enviou: 494 vez(es)
  • +9030/-10222
Re: Actividade Operacional/Exercícios
« Responder #426 em: Julho 17, 2024, 01:08:15 pm »
2ª Divisão de Exército - Tiro das Armas Coletivas 2024


Citar
Resende (RJ) – Entre os dias 08 e 11 de julho aconteceu o Exercício de Tiro das Armas Coletivas, no Campo de Instrução da Academia Militar das Agulhas Negras (AMAN), com a participação das Grandes Unidades (GU) subordinadas à 2ª Divisão de Exército (2ª DE).

A atividade teve por objetivo aprimorar a prontidão operacional da 2ª DE e de suas GU, e preparar os militares que participarão da Operação Perseu, adestramento avançado a ser desenvolvido no mês de novembro de 2024.

O exercício foi organizado em oficinas teóricas e práticas dos armamentos coletivos empregados pelas tropas da 2ª DE, incluindo a Metralhadora leve MAG, Metralhadora .50, Canhão 90 mm da viatura Cascavel, metralhadora .50 REMAX da viatura Guarani, Lança Rojão AT-4 e Canhão sem recuo Carl Gustaf 84mm.

 :arrow:  https://2de.eb.mil.br/index.php/component/content/article?id=2370





 

*

Vitor Santos

  • Moderador Global
  • *****
  • 6946
  • Recebeu: 1054 vez(es)
  • Enviou: 494 vez(es)
  • +9030/-10222
Re: Actividade Operacional/Exercícios
« Responder #427 em: Julho 17, 2024, 01:14:54 pm »
Tropas do Rio de Janeiro participam da Operação Punho de Aço


Citar
Rio de Janeiro (RJ) – Garantir o preparo da tropa para atuar com alto nível de prontidão diante de em qualquer cenário é o objetivo da Operação Punho de Aço. O exercício, realizado na Academia Militar das Agulhas Negras no início do mês de julho, reuniu cerca de mil militares, que enfrentaram uma série de situações de combate simulado, com foco no adestramento operacional e na superação de desafios logísticos. A Operação também é parte importante da preparação da Força de Prontidão da unidade.

Durante a Operação, militares da Brigada atuaram na simulação de uma operação defensiva, cuja missão era deter o inimigo agressor e, em seguida, evoluir para o emprego de manobras ofensivas. Após a emissão de ordens, a tropa se deslocou para posições de defesa, preparando o terreno e fortificando suas posições. A coordenação entre as diversas capacidades da Brigada foi essencial para o sucesso da missão, o que pôde ser verificado na resolução dos problemas militares simulados. Essas atividades são projetadas para testar e melhorar habilidades individuais e coletivas das tropas, assegurando uma preparação robusta para o enfrentamento de qualquer ameaça.

Além de ser parte importante do processo de certificação da Força-Tarefa Encouraçada como Força de Prontidão, a Operação Punho de Aço representa o esforço contínuo do Exército para manter-se atualizado com novas tecnologias e táticas de combate essenciais à defesa da soberania nacional. Durante o exercício, a tropa empregou equipamentos modernos de fabricação nacional, como a viatura blindada Guarani e o Fuzil IA2.

A 9ª Brigada de Infantaria Motorizada é parte importante da Força de Prontidão da Força Terrestre e mantém o maior contingente do Exército Brasileiro, totalizando aproximadamente 6 mil homens e mulheres divididos em 11 organizações militares.

 :arrow: EB