Rangers, Comandos, Paras, etc

  • 4198 Respostas
  • 822340 Visualizações
*

JM1906

  • Membro
  • *
  • 23
  • Recebeu: 8 vez(es)
  • +2/-0
Re: Rangers, Comandos, Paras, etc
« Responder #4005 em: Outubro 22, 2020, 09:11:05 pm »
Caros companheiros de fórum esclareçam me que eu acho que não entendi...
As boinas dos Comandos (por ex) vão deixar de ser vermelhas e passar a ser pretas?
 

*

HSMW

  • Moderador Global
  • *****
  • 10852
  • Recebeu: 1722 vez(es)
  • Enviou: 4710 vez(es)
  • +278/-136
    • http://youtube.com/HSMW
Re: Rangers, Comandos, Paras, etc
« Responder #4006 em: Outubro 22, 2020, 09:14:44 pm »
Tudo igual aí.

Por exemplo, se fores Comando mas colocado em outra unidade que não o Centro de Tropas Comando andas de boina preta.

A mesma coisas com aqueles Aspirantes que iam fazer o curso de para-quedismo a Tancos na férias de Verão e andavam o resto da tropa de boina verde sem nunca terem estado colocados numa unidade para-quedista.
« Última modificação: Outubro 22, 2020, 09:15:13 pm por HSMW »
https://www.youtube.com/user/HSMW/videos

"Tudo pela Nação, nada contra a Nação."
 

*

tenente

  • Investigador
  • *****
  • 8676
  • Recebeu: 4016 vez(es)
  • Enviou: 2819 vez(es)
  • +3979/-539
Re: Rangers, Comandos, Paras, etc
« Responder #4007 em: Outubro 22, 2020, 10:42:19 pm »
Em tempos idos até havia pessoal a comprar fardas Holandesas...


Em Lamego, durante a década de 80, o DPM Holandês, era o padrão que o pessoal usava.

Abraços
« Última modificação: Outubro 22, 2020, 10:45:20 pm por tenente »


Quando um Povo não Respeita as Suas FFAA, Não Respeita a Sua História nem se Respeita a Si Próprio  !!
 
Os seguintes utilizadores agradeceram esta mensagem: HSMW

*

Lightning

  • Moderador Global
  • *****
  • 9022
  • Recebeu: 1315 vez(es)
  • Enviou: 1454 vez(es)
  • +185/-61
Re: Rangers, Comandos, Paras, etc
« Responder #4008 em: Outubro 24, 2020, 11:16:22 am »
Uma coisa concordo, em formatura gosto de uniformização, não fica bem ver boinas diferentes na mesma força (pelotão, etc), mas para isso, basta decretar, exemplo: "a força de engenharia da BrigRR vai marchar no 10 de Junho todos de boina preta".

Agora nas unidades, no dia a dia, não concordo.

Então a bem da uniformização que os PA deixem de envergar a sua Boina Azul, ou os Fuzos a sua Boina Azul Ferrete nos desfiles... :gren: :Soldado:

Esses desfilam sempre em pelotões ou companhias próprias...portanto nem se coloca a questão  :mrgreen:

Pois, há só um punhado nos cursos de sargentos e oficiais misturados com os outros.
 

*

PereiraMarques

  • Moderador Global
  • *****
  • 7375
  • Recebeu: 740 vez(es)
  • Enviou: 269 vez(es)
  • +821/-11
Re: Rangers, Comandos, Paras, etc
« Responder #4009 em: Outubro 26, 2020, 02:51:21 pm »
Acho estranho é ser ainda com G3...  :-P

Citar
Para efeitos de averbamento nos documentos de matrícula, nos termos do Despacho de 26 de maio de 2020 do Exmo. Tenente-General AGE, e de acordo com o mapa CI1 (final) validado em 26 de junho de 2020 pela DF, concluíram com aproveitamento o “1.º Curso de Atirador Especial – Espingarda Automática G3” que decorreu no RCmds, no período de 01 a 24 de junho de 2020, os militares do RCmds em Regime de Contrato, abaixo indicados:
Posto NIM Nome
2Cb (03819316) Vadym Ivashchenko
2Cb (10024517) Pedro Gutierres Caldeira
2Cb (04169318) Ricardo Jorge de Jesus Pereira
Sold (02859014) Oleksandr Ihorovych Nesterov
Sold (13836520) Tiago Rafael Cardoso Ribeiro
Sold (19930918) Ricardo Silva Domingues
Sold (03134619) Leandro Miguel de Jesus Nunes
Sold (19766718) Diogo Filipe Rosa Silva
Sold (17163519) Pedro Vito Tavares
Sold (03365418) Pedro Daniel Martins Lima
Sold (15955418) Arison Fortunato Fernandes Pinto
Sold (01333318) Diogo Filipe Sereno Jorge
Sold (01777917) João Filipe Maduro Gomes
Sold (10705114) Herdeir Lopes Fernandes
Sold (10996617) Pedro Manuel Gonçalves Pereira
 

*

PereiraMarques

  • Moderador Global
  • *****
  • 7375
  • Recebeu: 740 vez(es)
  • Enviou: 269 vez(es)
  • +821/-11
Re: Rangers, Comandos, Paras, etc
« Responder #4010 em: Outubro 26, 2020, 02:54:57 pm »
Este ainda mais estranho porque não faz menção a "atirador especial"  :o

Citar
Para efeitos de averbamento nos documentos de matrícula, nos termos do Despacho de 12 de julho de 2019 do Exmo. Tenente-General AGE, e de acordo com o mapa CI1 (final) validado em 21 de julho de 2020 pela DF, concluíram com aproveitamento o “1.º Curso Paraquedista - Praças - Espingarda Automática G3” que decorreu no RPara, no período de 10 de fevereiro a 19 de junho de 2020, os militares em Regime de Contrato, abaixo indicados, com a classificação que a cada um se indica:
Posto NIM Nome UEO Class.
Sold (18544620) Carlos Rafael Cruz Ferreira RI10 13,40
Sold (03382318) Daniel dos Santos Cardoso RI10 13,20
Sold (16459418) Diego Ribeiro Azevedo RI10 13,10
Sold (18641216) João Pedro Moreira Esteves EA 12,80
Sold (11961321) Fábio André Ferreira Mendes RI10 12,70
Sold (14264416) Luís Miguel de Freitas Queiroz RI10 12,50
Sold (18905416) Pedro Filipe Silva Oliveira RI10 12,50
Sold (09573720) Leonardo Santos do Céu RI15 12,30
Sold (07370621) Pedro Alexandre Bessa Brito RI10 11,80
Sold (09683120) Rodrigo Filipe Marques Maleiro RI10 11,80
Sold (04033717) Tiago Rafael Goncalves Falcato RI15 11,60
Sold (12791119) Rodrigo Lopes Pereira RI15 11,60
Sold (18214120) João Duarte Conceição Constantino RI15 11,60
Sold (00888516) Pedro Xavier Nunes Gonçalves RI10 11,50
Sold (00140318) Gonçalo Coutinho Figueiredo RI10 11,20
Sold (10810420) Carlos Manuel Ramos dos Santos RPara 11,10
Sold (14813819) Eduard Levinta RPara 10,80
Sold (00120218) Miguel Alexandre Monteiro de Barros RI15 10,80
Sold (00666518) Jorge Miguel Martins Guerreiro RPara 10,70
Sold (19000920) Pedro Manuel Pinto Barbosa RI10 10,60
Sold (17352821) Hugo Rafael Alves Simões RI10 10,50
Sold (19115220) Hugo Daniel Fernandes Pereira RI10 10,30
Sold (16922016) Anton Titov RPara 10,10
Sold (05683221) Bruno José Coimbra Costa Novo RI10 10,00
Sold (03386219) Miguel Ângelo Carvalho dos Santos RI10 10,00
 

*

Cabeça de Martelo

  • Investigador
  • *****
  • 17094
  • Recebeu: 1772 vez(es)
  • Enviou: 1625 vez(es)
  • +296/-1202
Re: Rangers, Comandos, Paras, etc
« Responder #4011 em: Outubro 27, 2020, 11:33:44 am »
Posso estar errado, mas presumo que isso seja chapa 5, ou seja se é curso nos Comandos ou Paraquedistas leva com um "G-3" em cima. Posso garantir que nos cursos de Paraquedistas (Curso de Combate e o Curso de Paraquismo Militar) o armamento usado ainda são:

Galil, MG-3, Carl Gustav e Walther 9mm.

No caso do curso de Atiradores Especiais dos Comandos é ainda mais ridículo, já que o mesmo foi feito com SCAR H.



Fonte: https://warriors.pt/galerias/comandos-curso-de-atirador-especial/
« Última modificação: Outubro 27, 2020, 11:36:46 am por Cabeça de Martelo »
7. Todos os animais são iguais mas alguns são mais iguais que os outros.

 

*

Cabeça de Martelo

  • Investigador
  • *****
  • 17094
  • Recebeu: 1772 vez(es)
  • Enviou: 1625 vez(es)
  • +296/-1202
Re: Rangers, Comandos, Paras, etc
« Responder #4012 em: Outubro 27, 2020, 02:00:56 pm »
OS PARAQUEDISTAS NO DIA DO EXÉRCITO 2020


O problema não é “o Exército” instituição, mas sim quem transitoriamente ali exerce o poder e pode, no limite, causar danos irreparáveis nos Paraquedistas que servem Portugal como poucos, na guerra e na paz desde 1955. Foto Alfredo Serrano Rosa

Os paraquedistas militares portugueses sentem-se por estes dias com um sentimento entre o perplexo e o revoltado! Não só os que estão no activo, mas também os que um dia conquistaram o direito de usar a boina verde.

Ver o Comando do Exército impor o uso de uma boina que não a verde a quem se mantém qualificado, aos que continuam a efectuar saltos em paraquedas, é daquelas coisas que nunca se julgou possível acontecer! Era mais fácil adivinhar que vinha aí uma Pandemia!

A desmotivação que estas ordens causaram – e outras ligadas às boinas – é notória, militares no activo até já vêm para as redes sociais manifestar isso e muitos outros em conversas e mensagens particulares também o fazem. E aqui sem meias medidas, dizendo o que pensam da situação, forte e feio. Mas a disciplina militar ainda tem as suas armas e é necessário manter as aparências para evitar represálias, a verdade inconveniente não é apreciada pela hierarquia. Nunca foi, isso não é de agora.

Com muita frequência todas as culpas são atiradas “para o Exército”, ou para “os Generais”, especialmente por quem nunca conheceu ou o conheceu mal o ramo terreste. São acusações simplistas, talvez seja melhor olhar determinados factos que me proponho lembrar.

Fique claro, fui voluntário para os paraquedistas em 1980, entre outras coisas porque não queria ir para o Exército. Em 1993 quando fomos compulsivamente transferidos em bloco da Força Aérea para o Exército, fui um dos poucos que tentamos evitar isso pelas vias legais. Foi-nos negado pela Força Aérea a permanência no ramo em cumprimento da decisão política irreversível.

Servi no Exército durante 12 anos com momentos bons e maus, como sempre acontece, e desde então, além do que conheci, tenho tentado interpretar muitas das atitudes e decisões que ora são (do ponto de vista de um paraquedista da Força Aérea) lógicas, aceitáveis ou mesmo boas e as que ao contrário são inadmissíveis, aparentemente até vingativas.

Não pretendo fazer uma avaliação global do ramo terrestre, antes dar alguns exemplos por vezes esquecidos para provar que o problema não é “o Exército” instituição mas sim quem transitoriamente ali exerce o poder e pode, no limite, causar danos irreparáveis nos Paraquedistas que servem Portugal como poucos, na guerra e na paz desde 1955.

O momento presente ilustra bem o que um oficial general do Exército identificava mais tarde, sobre o que viveu nos anos 50 do século XX, “o dilema das massas indiferenciadas e as elites apuradas”. Ou seja, os que no Exército de então defendiam que este devia ser um corpo único com formação e recompensas semelhantes e os que diziam que devia haver núcleos com melhor formação que a generalidade e recompensas adequadas. E nestas recompensas também se incluíam uma simbologia diferente, que distinguisse, e assim nasceu a primeira boina nas Forças Armadas Portuguesas, a verde. Sempre houve defensores das duas teses no Exército. Mais tarde a guerra obrigou o Exército a criar e manter forças especiais.

E quem assim reflectia? Kaúlza de Arriaga. Oficial da Arma de Engenharia do Exército, como o actual Chefe de Estado-Maior do Exército, José Nunes da Fonseca que está a tomar estas medidas gravosas.

Kaúlza subiu todos os degraus da hierarquia até chegar ao que agora se chamaria Tenente-General e teve comando de tropas como hoje seria impossível. Comandou as Forças Armadas Portuguesa em Moçambique, em tempo de guerra, um efectivo de cerca de 50.000 militares dos três ramos e várias unidades de recrutamento local (qualquer coisa como 4 vezes o Exército Português actual e quase o 2 vezes as Forças Armadas Portuguesas de hoje). Foi o grande impulsionador da Força Aérea e das Tropas Paraquedistas nos finais dos anos 50 e início dos 60 do século XX.

Desempenhou cargos de confiança política desde cedo – no fundo hoje isso também acontece e é muito criticado, a maioria dos oficiais generais da actualidade serviram nos gabinetes ministeriais ou dos chefes militares – e cumpriu com distinção entre os seus pares para integrar o corpo de oficiais generais.

Mas também outro oficial general do Exército, este oriundo da Arma de Infantaria, nome menos falado mas – na minha opinião – o decisivo para a integração das Tropas Paraquedistas na Força Aérea em 1955, Fernando dos Santos Costa.

Fez a sua carreira no Exército até desempenhar funções governativas de Capitão a Coronel, sempre ligado ao Exército e às Forças Armadas. Mais ainda do que Kaúlza foi um verdadeiro “militar político” (o que hoje muitos criticam!), da confiança do Presidente do Conselho de Ministros, António de Oliveira Salazar. Como general também desempenhou cargos militares, por exemplo Director do Instituto de Altos Estudos Militares. Santos Costa distinguiu-se sobretudo pela sua capacidade para reorganizar as Forças Armadas, quer no período da 2.ª Guerra Mundial quer depois para as adaptar aos padrões NATO. Era Ministro da Defesa acumulando com Ministro do Exército, com posto de Brigadeiro (Major-General), quando o Batalhão de Caçadores Paraquedistas (BCP) foi criado e inserido na Força Aérea por sua vontade.

O BCP foi criado por oficiais, sargentos e praças do Exército na sua quase totalidade. Os oficiais que o comandaram foram sempre oficiais do Exército, bem assim como os das unidades que se seguiram. A esmagadora maioria dos “nomes sonantes” das Tropas Paraquedistas foram formados no Exército e só depois rumaram a Tancos, voltando ao ramo para fazer os cursos que lhes permitia progredir na carreira.

Na Guerra do Ultramar a inserção na Força Aérea aprofundou-se, as unidades paraquedistas eram muitas vezes empregues em operações autónomas do ramo, o uso dos meios aéreos facilitava esta interacção, mas não raras vezes também actuavam com forças terrestres, ou mesmo sob o seu comando, e também com as unidades de intervenção da Marinha, os Fuzileiros Especiais. Nos locais onde a guerra contra-subversiva esteve mais aperfeiçoada, lá estavam os paraquedistas e os meios aéreos como uma “unidade”.

O soldado paraquedista, combatente, atingiu em África o seu ponto mais alto. Era legitimamente olhado por todos como um combatente excepcional. Vem sobretudo daqui, desta guerra e do que era necessário fazer para o formar, o valor do soldado paraquedista português.

Em Tancos tinha-se criado uma mística própria, indestrutível, mas que ia ser posta à prova até ao limite no período político-militar decorrente do 25 de Abril de 1974.

Ultrapassado o PREC (1974/75) “em estado de coma”, os paraquedistas com o apoio da Força Aérea conseguiram reerguer-se. Sempre comandados por oficiais formados no Exército, com os restantes paraquedistas já com origem na “Casa-Mãe”, oficias, sargentos e praças.

Foi o tempo do Corpo de Tropas Paraquedistas (1976-1993), sem dúvida uma das organizações militares mais aperfeiçoadas que Portugal conheceu. No início deste período aos quadros do CTP e da Brigada de Paraquedistas Ligeira, sobrava experiência da guerra mas faltaram depois as missões expedicionárias. A cooperação internacional desenvolveu-se como nunca, foi possível encetar alguma modernização do armamento e equipamento, mas o Portugal político-partidário continuava traumatizado pela Guerra do Ultramar e evitava empenhar-nos nas missões expedicionárias que os nossos congéneres realizavam.

Pode-se hoje constatar, foi um tempo em que os paraquedistas ficaram sub-aproveitados por ausência de decisões políticas, e mesmo sem paralelo em Portugal, atrasaram-se em relação a forças congéneres na Europa, por ausência de empenhamento operacional.

Ainda assim foi graças ao CTP – e para muitos esse foi o principal motivo da mudança de ramo – que Portugal conseguiu garantir o efectivo necessário à sua ambição, para se empenhar nas missões de apoio à paz e humanitárias com unidades de combate.

Em 1996 os paraquedistas, no Exército, iniciaram a participação nas missões expedicionárias nas quais já milhares de boinas verdes participaram. Da Bósnia a Timor, do Iraque ao Afeganistão, do Kosovo ao Mali e à República Centro Africana, estando entre os primeiros a partir ou os que suportaram o maior esforço, garantindo em quantidade e qualidade o factor humano nestes teatros de operações.  Nos últimos anos na RCA, as sucessivas acções de combate vieram mostrar sem a mínima dúvida o seu valor, a sua competência operacional. Havia quem maldosamente ou por mera ignorância teimasse em desvalorizar os paraquedistas de hoje. Enganaram-se redondamente. Mesmo que inicialmente dotados com equipamento e armamento longe do ideal, enfrentaram sempre o inimigo com sucesso.

Hoje, aproximando-se o 25.º aniversário da triste cerimónia de 30 de Dezembro de 1993, a quase totalidade dos efectivos paraquedistas – menos uns 20 oficiais e sargentos – só serviram já no Exército.

Então será indiferente o Ramo a que pertencem? Podia ser…

A grande diferença entre estarem inseridos num ou no outro tem um nome: autonomia.

Enquanto na Força Aérea os oficiais do Exército que comandavam os paraquedistas tinham uma enorme autonomia, até direi mais, tinham liberdade, no Exército isso perdeu-se em parte logo em 1994 e agravou-se exponencialmente em 2006 com a chamada “transformação do Exército” e a criação da Brigada de Reacção Rápida pela mão de um outro General CEME, também oriundo da Arma de Engenharia, Luís Valença Pinto.

A natureza da Força Aérea, naturalmente virada para a actividade aérea, atribuía recursos, sempre escassos diga-se, mas criou o ambiente adequado porque interferia pouco na sua actividade, permitindo o desenvolvimento deste corpo de tropas como nenhum outro em Portugal. Por isso o Exército o desejou sempre integrar – recordo o General Cerqueira Rocha, CEME, oriundo da Arma de Infantaria, em 30DEZ1993, sobre os paraquedistas da Força Aérea: “eram há muito desejados no Exército.”

Note-se que alguns no ramo terrestre (ou muitos, nunca saberemos) esperavam e acreditavam genuinamente que os Paraquedistas e a Aviação Ligeira seriam o “gatilho” para tirar o Exército do atraso e imobilismo em que se encontrava desde o final da Guerra do Ultramar. Os helicópteros nunca chegaram, era preciso levantar de raiz a unidade, mas os paraquedistas chegaram, foram logo empenhados na Bósnia e isso sim iniciaram uma nova época no Exército. Outras unidades se seguiram, o Exército alcançou assim gradualmente novas competências, alguma modernidade que lhe vinha escapando.

No Exército o que se tem visto desde 1994 – ao contrário do que politicamente foi garantido para justificar a transferência – é uma gradual, persistente e nefasta limitação da autonomia dos paraquedistas. No Exército por vezes parece mesmo que toda a gente sabe “como devem ser” os paraquedistas…menos os paraquedistas! Da gestão do pessoal ao emprego operacional passando pelas aquisições de novos armamentos e equipamentos.

O episódio das boinas pretas é o culminar da aplicação desta vontade uniformizadora, o chamado “nivelar por baixo”, mentalidade que Kaúlza de Arriaga tão bem definiu e que em 1955 levou Santos Costa a evitar colocar a recém-nascida unidade no Exército.

Para os paraquedistas é dramático que o Exército esteja em 2020 dominado por esta mentalidade “niveladora”. O Exército terá que mudar para melhor!

Igualmente dramático, e aqui não é só para os paraquedistas, a ausência no patamar político de governantes conhecedores da “coisa militar” para perceberem o que está em causa, como nos anos 50!

Como em outras horas negras da sua história, e numa altura em que os efectivos dos pára-quedistas caminham rapidamente para números “regimentais” só posso desejar que aos oficiais do Exército que comandam e venham a comandar os paraquedistas nestes tempos ingratos não falte o sangue-frio e a inteligência. Portugal precisa dos paraquedistas, o seu empenhamento em todo o espectro de missões reais que têm sido acometidas pelos sucessivos governos ao Exército, isso provam.

Para o “chão sagrado” de Tancos continuar a gerar paraquedistas, o Exército tem que permitir que se mantenham os elementos essenciais da sua identidade.  A boina verde é um dos principais.

 Miguel Silva Machado, 24OUT2020

https://infooperacional.blogspot.com/2020/10/os-paraquedistas-no-dia-do-exercito-2020.html?fbclid=IwAR1KskmTwqh5jYmtMI3WCLcliw-LYTUL1yahV3NsvJ8SreJmDF3fxqotqVM
7. Todos os animais são iguais mas alguns são mais iguais que os outros.

 
Os seguintes utilizadores agradeceram esta mensagem: tenente

*

Cabeça de Martelo

  • Investigador
  • *****
  • 17094
  • Recebeu: 1772 vez(es)
  • Enviou: 1625 vez(es)
  • +296/-1202
Re: Rangers, Comandos, Paras, etc
« Responder #4013 em: Novembro 11, 2020, 09:53:36 am »
Comandos - Treino de Combate - Nov 2020
Ficam aqui algumas imagens de uma sessão de treino de combate que os Comandos Portugueses executaram no Mês de Novembro de 2020.

https://www.facebook.com/TWOTWarriors/videos/449372009383271
7. Todos os animais são iguais mas alguns são mais iguais que os outros.

 
Os seguintes utilizadores agradeceram esta mensagem: tenente

*

tenente

  • Investigador
  • *****
  • 8676
  • Recebeu: 4016 vez(es)
  • Enviou: 2819 vez(es)
  • +3979/-539
Re: Rangers, Comandos, Paras, etc
« Responder #4014 em: Novembro 11, 2020, 10:04:40 am »
Comandos - Treino de Combate - Nov 2020
Ficam aqui algumas imagens de uma sessão de treino de combate que os Comandos Portugueses executaram no Mês de Novembro de 2020.

https://www.facebook.com/TWOTWarriors/videos/449372009383271

Mas que puta de música, porque não usar uns excertos de uma sinfonia de chopin, por exemplo ??? ::)
IDCF !!

Abraços


Quando um Povo não Respeita as Suas FFAA, Não Respeita a Sua História nem se Respeita a Si Próprio  !!
 

*

Cabeça de Martelo

  • Investigador
  • *****
  • 17094
  • Recebeu: 1772 vez(es)
  • Enviou: 1625 vez(es)
  • +296/-1202
Re: Rangers, Comandos, Paras, etc
« Responder #4015 em: Novembro 11, 2020, 10:15:05 am »
A música está boa e recomenda-se, [clubice pegada]dito isto para os Comandos devia ser Kuduro ou Pimba...[/clubice pegada]

 :rir:

« Última modificação: Novembro 11, 2020, 10:16:33 am por Cabeça de Martelo »
7. Todos os animais são iguais mas alguns são mais iguais que os outros.

 

*

Cabeça de Martelo

  • Investigador
  • *****
  • 17094
  • Recebeu: 1772 vez(es)
  • Enviou: 1625 vez(es)
  • +296/-1202
Re: Rangers, Comandos, Paras, etc
« Responder #4016 em: Novembro 11, 2020, 05:27:12 pm »
7. Todos os animais são iguais mas alguns são mais iguais que os outros.

 

*

LM

  • Investigador
  • *****
  • 1841
  • Recebeu: 515 vez(es)
  • Enviou: 1649 vez(es)
  • +306/-16
Re: Rangers, Comandos, Paras, etc
« Responder #4017 em: Novembro 11, 2020, 05:45:42 pm »
Para os que têm olho para as armas... pelo vídeo conseguimos verificar como a "Equipa de Comandos" está equipada? Porque era:

Citar
Companhia de Comandos, estão organizadas em Secção de Comando, Secção de Transmissões, Secção de Manutenção e 4 Grupos de Combate. Cada Grupo de Combate tem 30 militares e está dividido Equipas de Comandos. Estas são compostas por 1 sargento e 4 praças, tendo cada um deles uma especialização (pisteiro, sapador, socorrista, apontador metralhadora-ligeira).


E agora, que até há FN Minimi Mk3 5.56? E SCAR H 7,62x51mm, é usada? Onde? E, já agora, onde estão as FN Minimi Mk3 7.62 na CompCmds?
Quidquid latine dictum sit, altum videtur
 

*

Cabeça de Martelo

  • Investigador
  • *****
  • 17094
  • Recebeu: 1772 vez(es)
  • Enviou: 1625 vez(es)
  • +296/-1202
Re: Rangers, Comandos, Paras, etc
« Responder #4018 em: Novembro 11, 2020, 05:52:51 pm »
Para os que têm olho para as armas... pelo vídeo conseguimos verificar como a "Equipa de Comandos" está equipada? Porque era:

Citar
Companhia de Comandos, estão organizadas em Secção de Comando, Secção de Transmissões, Secção de Manutenção e 4 Grupos de Combate. Cada Grupo de Combate tem 30 militares e está dividido Equipas de Comandos. Estas são compostas por 1 sargento e 4 praças, tendo cada um deles uma especialização (pisteiro, sapador, socorrista, apontador metralhadora-ligeira).


E agora, que até há FN Minimi Mk3 5.56? E SCAR H 7,62x51mm, é usada? Onde? E, já agora, onde estão as FN Minimi Mk3 7.62 na CompCmds?

Scar H? Atiradores Especiais ( https://warriors.pt/galerias/comandos-curso-de-atirador-especial/ )

FN Minimi Mk3 7.62? Deve haver um por Grupo (imagino).
7. Todos os animais são iguais mas alguns são mais iguais que os outros.

 

*

LM

  • Investigador
  • *****
  • 1841
  • Recebeu: 515 vez(es)
  • Enviou: 1649 vez(es)
  • +306/-16
Re: Rangers, Comandos, Paras, etc
« Responder #4019 em: Novembro 12, 2020, 10:55:35 am »
Já agora, alguma ideia onde os Atiradores Especiais (com as Scar H) ficam? Também na "equipa de apoio / comando" que presumo exista em cada Grupo de Combate? 
Quidquid latine dictum sit, altum videtur