Pandur II

  • 2464 Respostas
  • 614144 Visualizações
*

Pescador

  • Investigador
  • *****
  • 1258
  • Recebeu: 919 vez(es)
  • Enviou: 515 vez(es)
  • +1185/-1226
Re: Pandur II
« Responder #2460 em: Abril 30, 2022, 11:09:57 am »
;)

Citar
The @kongsbergasa RS6 remote weapon station with M230LF 30x113 mm chain gun and Javelin is a big step-up in lethality versus standard RS4 with 12.7x99 mm HMG. New proximity airburst ammo and Thales sensors / FCS very effective to engage aerial targets. This really matters



https://twitter.com/nicholadrummond/status/1520318981533581312?t=bxg2UB9N-gsWXu8hqbL0UA&s=19

Não é desvalorizar, até porque tem o seu espectro de utilização, mas dado a blindagem actualmente em helicópteros, o 12,7mm só se abater drones. Um 30mm com sistema de capacidade antiaérea seria já outra coisa. Combinado até com os misseis falados   
« Última modificação: Abril 30, 2022, 11:41:50 am por Pescador »
 

*

Pescador

  • Investigador
  • *****
  • 1258
  • Recebeu: 919 vez(es)
  • Enviou: 515 vez(es)
  • +1185/-1226
Re: Pandur II
« Responder #2461 em: Abril 30, 2022, 11:22:39 am »
O problema nunca serão os Pandur, mas sim o conceito de emprego. Neste conflito tem sido destruído todo o tipo de equipamento. Desde carros de combate, a helicópteros de ataque, a caças, a baterias anti-aéreas... quer dizer que tudo isto é inadequado para o conflito? Se os Pandur não servem, também não servirão os Patria AMV, os Piranha, os LAV, os Boxer, VBCI, Griffon...

" O atirador é que faz a arma e não a arma que faz o atirador "

Qualquer VB seja ela de rodas ou lagartas em conflito urbano e ou em campo aberto sem a cobertura devida da infantaria de acompanhamento, será uma presa fácil, principalmente quando o IN possui pessoal devidamente treinado, motivado, bem instalado no terreno, e com armamento capaz de destruir esses veículos !!


esta é uma foto para a pose nada mais, porque os elementos embarcados deverão posicionar-se a alguma distância da VBR de modo que com os seus campos de tiro a protejam minimamente do Fogo mais pesado do IN, e o desembarque quando efectuado depois do contacto, significa EMBOSCADA,  e, como tal podem dizer adeus a muitas viaturas e sofrer baixas significativas.

Como exemplo dou os recentes combates entre colunas blindadas e infantaria na Ucrânia:
Convirá não esquecer que as Unidades Ucranianas estão a defender a sua Pátria, as suas cidades, aldeias, bairros, casas e principalmente as suas FAMÍLIAS, contra as forças invasoras !
Se a razão da existência do conflito é deles ou dos Russos isso deixo para as conclusões dos inumeros, especialistas na matéria, o que eu apenas relevo é a força, e a motivação que impele as acções de combate dos Ucranianos, que com a vantagem de estarem mais familiarizados com o terreno e em posições previamente preparadas, na grande maioria dos combates e escaramuças levam a bom porto as suas acções defensivas !

Poderia estar aqui a esmiuçar o porquê do elevado numero de VBTP destruídas mas deixo apenas dois pontos de reflexão:
Será que quando as colunas são formadas o primeiro escalão, ou o escalão de exploração existe e é eficiente na progressão? 
Foram destacados elementos, para cobrir/proteger os flancos das colunas durante a progressão, quando em terreno mais suceptível á execução de emboscadas ?

Ambas as situações não me parece que tenham sido, em muitos casos acauteladas, digo eu, mas desculpa o desabafo/comentário são pormenores e procedimentos operacionais, coisas de gajo que aprendeu qq coisa durante o tempo de MILITAR !!

Abraços

" O atirador é que faz a arma e não a arma que faz o atirador "
 tal e qual.
Por vezes observa-se alguma sobrevalorização das armas, como se fosse uma discussão técnica sobre telemoveis ou consolas de jogos da moda e esquece-se o resto.

Mas esta foto, como é bem dito aqui, só pode ser para selfi. Até nos meios civis policiais de elevada preparação e doutrina, e particularmente em zonas de forte conflito armado, os atiradores tomam posições afastados dos veículos. Só num caso de espaço muito limitado se mantem junto e para fuga imediata da zona de fogo


Agora sobre os Pandur fica a questão, e a blindagem complementar, foi também para a Roménia? Ou foram com roupa de domingo

Por cá é tudo muito minimalista, não admira o "desequipamento" de tanta coisa
 

*

Pescador

  • Investigador
  • *****
  • 1258
  • Recebeu: 919 vez(es)
  • Enviou: 515 vez(es)
  • +1185/-1226
Re: Pandur II
« Responder #2462 em: Abril 30, 2022, 11:27:38 am »
https://pt.topwar.ru/125960-chehi-vooruzhayutsya-mobilnymi-minometami.html

Esta foto de Pandur com morteiro em anexo é supostamente de um Checo, será isto ou semelhante?
 

*

tenente

  • Investigador
  • *****
  • 9303
  • Recebeu: 4542 vez(es)
  • Enviou: 3279 vez(es)
  • +4391/-940
Re: Pandur II
« Responder #2463 em: Abril 30, 2022, 07:03:45 pm »
Pescador, os nossos EX PM eram estes,  os que estão a ser modificados ficarão muito parecidos senão iguais. :bang:

Para os que não sabem e ou sabiam, mostro um dos nossos 31 PM120, construido para ser entregue ao ExPort mas que devido ás disputas sobre os prazos de entrega e outros motivos legais ou não, não chegaram a ser recepcionados pelo Exército.
A cor do PM 120 não deixa mesmo margem para dúvidas de que era um dos nossos.



The Pandur II 8x8 (VBR PMort), the Protected landscape area of Brdy, Silt 2016, June 2016. It is one of the 31 self-propelled mortars VBR PMort ordered in 2005 under a contract for the supply of 260 from the original II 8x8 for the needs of the Portuguese army (240 units in eleven versions) and marine corps (20 units in four versions). The contact was due to technical problems and the subsequent long legal disputes closed up to 3. June 2016, when it was delivered the last 14 from the original II 8x8. Total scope of supply was but in the meantime, reduced to 188 vehicles intended only for the Portuguese army. From all ordered from the original II 8x8 so in the end were not at all delivered cars in variations of the junction, sapper, mortar (on the photo), anti-tank and all the amphibious version for the navy..


https://www.armedconflicts.com/Pandur-II-8x8-t29796

Abraços
Quando um Povo/Governo não Respeita as Suas FFAA, Não Respeita a Sua História nem se Respeita a Si Próprio  !!
 
Os seguintes utilizadores agradeceram esta mensagem: Pescador

*

Pescador

  • Investigador
  • *****
  • 1258
  • Recebeu: 919 vez(es)
  • Enviou: 515 vez(es)
  • +1185/-1226
Re: Pandur II Novo
« Responder #2464 em: Abril 30, 2022, 09:36:32 pm »
Pescador, os nossos EX PM eram estes,  os que estão a ser modificados ficarão muito parecidos senão iguais. :bang:

Para os que não sabem e ou sabiam, mostro um dos nossos 31 PM120, construido para ser entregue ao ExPort mas que devido ás disputas sobre os prazos de entrega e outros motivos legais ou não, não chegaram a ser recepcionados pelo Exército.
A cor do PM 120 não deixa mesmo margem para dúvidas de que era um dos nossos.



The Pandur II 8x8 (VBR PMort), the Protected landscape area of Brdy, Silt 2016, June 2016. It is one of the 31 self-propelled mortars VBR PMort ordered in 2005 under a contract for the supply of 260 from the original II 8x8 for the needs of the Portuguese army (240 units in eleven versions) and marine corps (20 units in four versions). The contact was due to technical problems and the subsequent long legal disputes closed up to 3. June 2016, when it was delivered the last 14 from the original II 8x8. Total scope of supply was but in the meantime, reduced to 188 vehicles intended only for the Portuguese army. From all ordered from the original II 8x8 so in the end were not at all delivered cars in variations of the junction, sapper, mortar (on the photo), anti-tank and all the amphibious version for the navy..


https://www.armedconflicts.com/Pandur-II-8x8-t29796

Abraços

Pois a novela Pandur do que vinha mas não chegou. Agora transformam alguns dos poucos existentes para conseguir que se tenha modelos com morteiros.

Politica sebosa portuga.

O titi vai já resolver

Entretanto a componente anti aérea é uma visão no nevoeiro. Se calhar tem um GT como na Marinha para decidir, até porque é muito difícil.   
Afinal nem se está a ver como até as ameaças de drones são eficazes em ataque ao solo. Esperam abate-los com a Scar ou outra fisga, que é a receita nacional

Nem a ida de um contingente para um cenário destes e a probabilidade de maior numero, levou as mentes a acelerar o processo.

rodeados de coninas
« Última modificação: Abril 30, 2022, 09:51:06 pm por Pescador »