Notícias da Marinha

  • 2604 Respostas
  • 643552 Visualizações
*

dc

  • Investigador
  • *****
  • 5993
  • Recebeu: 2225 vez(es)
  • Enviou: 531 vez(es)
  • +587/-407
Re: Notícias da Marinha
« Responder #2595 em: Maio 13, 2022, 04:06:42 pm »
Nada contra o navio, dado que é para desempenhar uma carrada de missões. Sempre é melhor navios de investigação cientifica serem nossos, do que chineses. Não pode é ser visto como um navio militar.

Pergunto-me é se este navio visa substituir 1 ou mais dos navios hidrográficos e oceanográficos que temos (o que faz sentido e mais tarde ou mais cedo terá de ser feito) e quem o vai guarnecer?
 

*

MATRA

  • Analista
  • ***
  • 845
  • Recebeu: 578 vez(es)
  • Enviou: 832 vez(es)
  • +64/-15
Re: Notícias da Marinha
« Responder #2596 em: Maio 13, 2022, 04:36:08 pm »
Nada contra o navio, dado que é para desempenhar uma carrada de missões. Sempre é melhor navios de investigação cientifica serem nossos, do que chineses. Não pode é ser visto como um navio militar.

Pergunto-me é se este navio visa substituir 1 ou mais dos navios hidrográficos e oceanográficos que temos (o que faz sentido e mais tarde ou mais cedo terá de ser feito) e quem o vai guarnecer?

Vejo muitas das funções sobrepostas ao NI Mário Ruivo e claro aos 2 mencionados, logo, penso que haverá uma tripulação da Marinha para Operação/Navegação fiscalização/Segurança do navio, junto com investigadores do IPMA e Universidades para os laboratórios e investigação.

Quando este estiver a navegar, duvido que a Marinha venha a ter navios hidrográficos e oceanográficos num futuro próximo.

https://www.ipma.pt/export/sites/ipma/bin/docs/publicacoes/pescas.mar/navios/RV_MarioRuivo_Infographic.pdf
“Hard times create strong men. Strong men create good times. Good times create weak men. And, weak men create hard times.”
G. Michael Hopf, Those Who Remain
 

*

asalves

  • Especialista
  • ****
  • 1020
  • Recebeu: 406 vez(es)
  • Enviou: 117 vez(es)
  • +227/-100
Re: Notícias da Marinha
« Responder #2597 em: Maio 13, 2022, 05:41:51 pm »
Nada contra o navio, dado que é para desempenhar uma carrada de missões. Sempre é melhor navios de investigação cientifica serem nossos, do que chineses. Não pode é ser visto como um navio militar.

Pergunto-me é se este navio visa substituir 1 ou mais dos navios hidrográficos e oceanográficos que temos (o que faz sentido e mais tarde ou mais cedo terá de ser feito) e quem o vai guarnecer?

Vejo muitas das funções sobrepostas ao NI Mário Ruivo e claro aos 2 mencionados, logo, penso que haverá uma tripulação da Marinha para Operação/Navegação fiscalização/Segurança do navio, junto com investigadores do IPMA e Universidades para os laboratórios e investigação.

Quando este estiver a navegar, duvido que a Marinha venha a ter navios hidrográficos e oceanográficos num futuro próximo.

https://www.ipma.pt/export/sites/ipma/bin/docs/publicacoes/pescas.mar/navios/RV_MarioRuivo_Infographic.pdf

Sim este juntamente com o Mário Ruivo e as outras pequenas embarcações do Ipma deve permitir reformar os navios hidrográficos, pelo menos na vertente de investigação, contudo já acho pouco para manutenção de boias e outro material que precisa de manutenção (pode ser que um dos NPO a serem construidos possa ter essa capacidade).

2 questões:

150 Milhões dá para aqueles requisitos todos?

Estou a achar um projeto demasiado bom e bem capacitado para o que estamos habituados, veremos se chega a sair alguma coisa e nos moldes que sai.
 

*

Pescador

  • Investigador
  • *****
  • 1254
  • Recebeu: 916 vez(es)
  • Enviou: 513 vez(es)
  • +1164/-1226
Re: Notícias da Marinha
« Responder #2598 em: Maio 13, 2022, 06:59:03 pm »
A pedido de muitas famílias:

Especificação da Plataforma Naval Multifuncional

Sistema 1 - Sistema Naval de Base
Como uma plataforma multifunções, deve estar equipada não só com o conjunto de sensores adequados às
suas tarefas de monitorização e trabalho de oceanografia, mas também com todos os equipamentos de suporte
à operação conjunta com meios avançados e suporte a trabalhos de investigação, desenvolvimento e
“deployment” de meios inovadores e de interesse para o futuro.
Como plataforma base para a monitorização oceânica, e investigação oceanográfica, deve possuir:
• Sistema de comando e controlo da plataforma com uma rede digital redundante e resiliente (sempre
que possível encriptado e seguro), de alto débito, ligada a sistemas de comunicação para o exterior, o
que inclui sistemas de ancoragem satélite, comunicações em HF/VHF/UHF/SHF. Nestes sistemas
inclui-se o comando e gestão centralizada da plataforma, comando e controlo de Drones – permitirá o
desenvolvimento das tecnologias de comunicações, redes e aplicações de gestão e armazenamento da
35 / 83
informação, assim como de sensores e equipamentos inteligentes na gestão de plataformas complexas,
úteis e transversais a muitas necessidades industriais e operacionais;
• Posicionamento dinâmico (DP1);
• Capacidade de propulsão com ruído reduzido (propulsão complementar elétrica) para trabalhos de
acústica;
• Sistema de posicionamento acústico de meios submarinos (quer na coluna de água quer até
profundidade de oceano total, 6.000m, por exemplo com pelo menos 2 máquinas de “deployment” de
sensores acústicos SBL/USBL;
• Baía para lançamento de meios submarinos (abertura na ordem dos 20x10m e capacidade de
lançamento até 30 toneladas). Este acesso à água permitirá operar em conjunto com outros meios dos
quais o navio será estação base. É de salientar a operação com USVs (Veículos de Superfície não
Tripulados) especificamente desenvolvidos para recolher lixo oceânico e plástico;
• Alternativamente ou complementarmente deve possuir uma baía de desembarque para sistemas
autónomos de superfície para meios navais de médio porte;
• Possibilidade de instalação de patilhão / com sensores fixos – similar a outra “deployment machines”
usadas em DP e acústica, mas para sensores teste – potencialmente usando moonpool;
• Sistema de lançamento de cargas A-frame com compensação de ondulação, permitindo não só
lançamento e suporte à operação de meios tradicionais como o um Work Class ROV, o lançamento de
boias oceânicas, etc;
• Guindaste a bordo com capacidade de carga até 50 toneladas;
• Capacidade de espaço no Convés ou tombadilho para transporte de diferentes meios, destacando-se a
possibilidade de transportar laboratórios contentorizados particulares, um ROV DRILL, um Work
Class ROV, observatórios, submarinos, veículos robóticos submarinos e de superfície de dimensão
considerável (2-4 toneladas);
• Capacidade de suportar o lançamento / aterragem e descolagem de meios robóticos aéreos, quer de asa
fixa quer de asa rotativa (de preferência vertical “take-off and landing”, mas eventualmente recorrendo
a “launch pads”, redes de captura, catapulta);
Possuir um helideck à proa compatível com helicópteros operados pela Marinha Portuguesa;
Complementarmente deve possuir capacidades logísticas, laboratoriais e de operação:
Laboratórios de Geofísica, Biologia, Geologia;
Oficinas (apoio técnico a sistemas avançados anteriormente listados);
“Garagem” para subsistemas e robóticos anteriormente identificados.
Acresce a possibilidade de operar e gerir fisicamente módulos contentorizados, quer do ponto de vista espacial,
quer do ponto de vista lógico, mecânico e elétrico.
Para além da ponte de Comando do Navio, deverá possuir uma ponte de operação para as missões em curso,
pontes para operação dos sistemas robóticos e sistemas de fundo, uma sala de operações multifuncional para
operar estes sistemas avançados, uma ponte científica, diversas salas de reuniões e gabinetes de trabalho e
auditório de acompanhamento de missões – para visitantes e acompanhamento externo de missões.
Será particularmente relevante a implementação uma solução de energia baseada na combustão de amónia
verde por via de motores dual-fuel, quer seja para o sistema de propulsão quer seja para a geração de energia
elétrica para todos os demais sistemas.

Sistema 2 - Duas lanchas rápidas para proteção da plataforma e estender a ação direta da plataforma,
quer na verificação/interceção de agentes em atividades potencialmente irregulares, quer no auxílio à
coordenação de operações de monitorização e vigilância.

• Sistema 3 - ROV Drill - Um veículo robótico com capacidade de operação até aos 6.000 metros de
profundidade e de perfuração superficial para a recolha de amostras biológicas e minerais no subsolo
marinho. Este sistema permitirá quer, por um lado, um conhecimento mais extensivo da nossa
plataforma continental quer, por outro, dotar o país de uma ferramenta essencial para enfrentar os
futuros desafios de exploração do fundo marinho, bem como da sua proteção nomeadamente em
termos ambientais. Insere-se num conjunto de meios que permitem perspetivar novas utilizações do
mar com sistemas de produção no fundo do mar, sistemas de construção subaquática, observatórios de
profundidade. Note-se que a área portuguesa (e em particular a crista atlântica) tem importantes
recursos geológicos e biológicos que tem de ser afirmados, que temos de conhecer.
• Sistema 4 - Esquadra de veículos de superfície autónomos oceânico (ASVs) para recolha de plásticos,
lixo marinho, “blooms” de algas ou “jellyfish”. Estes sistemas permitem utilizar o navio como base
de operações para recolha de plástico ou outro lixo marinho, complementados com a capacidade de
monitorização de lixo e poluição marinha, estendendo o raio de ação da plataforma principal. Por outro
lado, permitem ser desenvolvidos tendo em vista a tarefa particular de recolha de plástico, não tendo
o navio base de comprometer as suas características para cumprir esta tarefa em particular.
• Sistema 5 - Esquadra de veículos de superfície autónomos oceânicos (ASVs) para a monitorização e
vigilância avançada.
• Sistema 6 - Uma rede de landers robóticos para dotar o navio da capacidade de suportar operações
subaquáticas em que o posicionamento, geo-localização dos veículos submarinos são fundamentais.
• Sistema 7 - Esquadra de AUV para a monitorização ambiental e proteção territorial de baixa
profundidade.
• Sistema 8 - Um AUV de supervisão de operações submarinas para estender a operação da plataforma
até aos 6.000m de profundidade.
• Sistema 9 - Esquadra de AUV para a monitorização ambiental e proteção territorial para o mar
profundo.
• Sistema 10 - Duas esquadras aéreas de Drones de asa fixa e rotativa.
• Sistema 11 - Conjunto de sensores de monitorização atmosférica, qualidade da água e geofísicos,
como Multibeans, Sidescan e Sub-bottom profilers.
• Sistema 12 - Um Digital Twin sincronizado com o centro de operações naval, ancorado num sistema
HPC e num sistema de “awareness” recorrendo a técnicas de AI, entre outras, através da fusão de
dados provenientes quer da recolha direta da plataforma quer de sistemas externos ou remotos.
• Sistema 13 - Um centro de comunicação multi-modo (desde comunicação satélite, WiFi entre outras)
que mantém a plataforma conectada operacionalmente ao centro de Operações

Algo do género portanto  :mrgreen::


•" Possuir um helideck à proa compatível com helicópteros operados pela Marinha Portuguesa;"

Se calhar é melhor rever este item, porque fica limitada aos actuais lynx. E daqui a 15 anos podem ser maiores
 

*

P44

  • Investigador
  • *****
  • 13450
  • Recebeu: 2933 vez(es)
  • Enviou: 3454 vez(es)
  • +2205/-5396
Re: Notícias da Marinha
« Responder #2599 em: Maio 13, 2022, 07:41:06 pm »
Daqui a 15 anos não deve é haver nenhum
"[Os portugueses são]um povo tão dócil e tão bem amestrado que até merecia estar no Jardim Zoológico"
-Dom Januário Torgal Ferreira, Bispo das Forças Armadas
 
Os seguintes utilizadores agradeceram esta mensagem: Pescador

*

dc

  • Investigador
  • *****
  • 5993
  • Recebeu: 2225 vez(es)
  • Enviou: 531 vez(es)
  • +587/-407
Re: Notícias da Marinha
« Responder #2600 em: Maio 14, 2022, 12:44:05 am »
2 questões:

150 Milhões dá para aqueles requisitos todos?

Estou a achar um projeto demasiado bom e bem capacitado para o que estamos habituados, veremos se chega a sair alguma coisa e nos moldes que sai.

50 milhões custa cada NPO, 150 milhões parece bem para um navio essencialmente civil. Presumo também que muito daquele equipamento na lista, como os UAV, USV e afins, seja à parte.
 

*

Pescador

  • Investigador
  • *****
  • 1254
  • Recebeu: 916 vez(es)
  • Enviou: 513 vez(es)
  • +1164/-1226
Re: Notícias da Marinha
« Responder #2601 em: Maio 14, 2022, 09:12:13 am »
2 questões:

150 Milhões dá para aqueles requisitos todos?

Estou a achar um projeto demasiado bom e bem capacitado para o que estamos habituados, veremos se chega a sair alguma coisa e nos moldes que sai.

50 milhões custa cada NPO, 150 milhões parece bem para um navio essencialmente civil. Presumo também que muito daquele equipamento na lista, como os UAV, USV e afins, seja à parte.


Mais um exercício técnico de planeamento de algo que fica no papel como todos os outros.
E o GT das fragatas já decidiu que fragata se pretende ou está muito calor agora?
Depois é preciso avisar o construtor e pagar. Essa parte vai ser ainda mais demorada
 
Os seguintes utilizadores agradeceram esta mensagem: Subsea7

*

Subsea7

  • Perito
  • **
  • 501
  • Recebeu: 337 vez(es)
  • Enviou: 556 vez(es)
  • +812/-1006
Re: Notícias da Marinha
« Responder #2602 em: Maio 14, 2022, 11:15:53 am »
2 questões:

150 Milhões dá para aqueles requisitos todos?

Estou a achar um projeto demasiado bom e bem capacitado para o que estamos habituados, veremos se chega a sair alguma coisa e nos moldes que sai.

50 milhões custa cada NPO, 150 milhões parece bem para um navio essencialmente civil. Presumo também que muito daquele equipamento na lista, como os UAV, USV e afins, seja à parte.


Mais um exercício técnico de planeamento de algo que fica no papel como todos os outros.
E o GT das fragatas já decidiu que fragata se pretende ou está muito calor agora?
Depois é preciso avisar o construtor e pagar. Essa parte vai ser ainda mais demorada

Continua a produzir relatórios.... Quem passa o cheque?
Cps,
 

*

Pescador

  • Investigador
  • *****
  • 1254
  • Recebeu: 916 vez(es)
  • Enviou: 513 vez(es)
  • +1164/-1226
Re: Notícias da Marinha
« Responder #2603 em: Maio 14, 2022, 04:15:46 pm »
2 questões:

150 Milhões dá para aqueles requisitos todos?

Estou a achar um projeto demasiado bom e bem capacitado para o que estamos habituados, veremos se chega a sair alguma coisa e nos moldes que sai.

50 milhões custa cada NPO, 150 milhões parece bem para um navio essencialmente civil. Presumo também que muito daquele equipamento na lista, como os UAV, USV e afins, seja à parte.


Mais um exercício técnico de planeamento de algo que fica no papel como todos os outros.
E o GT das fragatas já decidiu que fragata se pretende ou está muito calor agora?
Depois é preciso avisar o construtor e pagar. Essa parte vai ser ainda mais demorada

Continua a produzir relatórios.... Quem passa o cheque?
Cps,


Podíamos deixar de pagar IMI e canalizar isso para a Marinha. Mas Marinha de Militares não de empregados
 
Os seguintes utilizadores agradeceram esta mensagem: P44

*

Major Alvega

  • Analista
  • ***
  • 779
  • Recebeu: 816 vez(es)
  • Enviou: 517 vez(es)
  • +5278/-126