Novos Sistemas de Defesa Aérea

  • 935 Respostas
  • 153421 Visualizações
*

P44

  • Investigador
  • *****
  • 17781
  • Recebeu: 5282 vez(es)
  • Enviou: 5600 vez(es)
  • +6971/-9136
Re: Novos Sistemas de Defesa Aérea
« Responder #930 em: Fevereiro 20, 2024, 12:08:18 pm »


E novidades?
"[Os portugueses são]um povo tão dócil e tão bem amestrado que até merecia estar no Jardim Zoológico"
-Dom Januário Torgal Ferreira, Bispo das Forças Armadas
 

*

papatango

  • Investigador
  • *****
  • 7283
  • Recebeu: 909 vez(es)
  • +4180/-828
Re: Novos Sistemas de Defesa Aérea
« Responder #931 em: Fevereiro 20, 2024, 07:23:28 pm »
Neste caso específico, noto que não fazem parte deste grupo, Portugal, Espanha, França e Itália.

Considerando o alcance dos mísseis russos lançados de terra, eles não podem atingir Portugal. Logo, não faz sentido estarmos a gastar recursos para nos defendermos dos mísseis que os russos não podem enviar contra nós.

É tecnicamente possível atacar Portugal, mas isso só pode ser feito a partir de navios ou então de aeronaves, que em caso de guerra dificilmente passariam pela cortina defensiva na Europa oriental.

A nossa posição estratégicamente longinqua face aos russos, é no entanto uma faca de dois gumes.
Leva os portugueses a achar que a nós não nos acontece nada porque estamos muito longe...


Mais uns pozes de História ...

Isto parece uma tradição portuguesa. Durante a década de 1920, Portugal deixou de ter exército, e marinha. A expressão Zero Naval vem daí.

Quando o Salazar começa a tentar reorganizar a defesa, evidentemente não tem meios para responder a tudo.
Fazem-se os já por mim referidos planos navais que incluem até cruzadores, mas que não dão em nada por óbvias razões financeiras.

Uma das coisas que saiu da reorganização feita à pressa foi a defesa anti-aéra de Lisboa, com peças pesadas fornecidas pelos ingleses.
Na realidade, Lisboa era das cidades mais bem defendidas da Europa, com (estou a falar de memória e posso estar errado) quase vinte canhões anti-aéreos pesados.

Problema na altura, como hoje, é que segundo o prof. António José Tello, só havia munições para  um dia de guerra.


Isto é trágico.
Parece que os nossos governantes escutam o hino nacional que só pede que corramos às armas sobre a terra e sobre o mar.
Fiéis ao hino nacional, esquecemos que não havia guerra no ar quando o hino foi composto.
É muito mais fácil enganar uma pessoa, que explicar-lhe que foi enganada ...
 

*

CruzSilva

  • Especialista
  • ****
  • 1139
  • Recebeu: 443 vez(es)
  • Enviou: 2038 vez(es)
  • +617/-106
Re: Novos Sistemas de Defesa Aérea
« Responder #932 em: Fevereiro 20, 2024, 07:34:57 pm »
(...)

Isto parece uma tradição portuguesa. Durante a década de 1920, Portugal deixou de ter exército, e marinha. A expressão Zero Naval vem daí.

(...)
Pode clarificar?
 

*

Visitante123

  • Analista
  • ***
  • 888
  • Recebeu: 308 vez(es)
  • Enviou: 177 vez(es)
  • +31/-136
Re: Novos Sistemas de Defesa Aérea
« Responder #933 em: Fevereiro 20, 2024, 07:40:31 pm »
Não faz sentido gastar um tostão que seja no armamento que seja sem tratar da defesa AA primeiro. A situação de Portugal é ridícula. E perigosa. Ninguém aqui neste santo país pensa que as armas nbq são para ser usadas o mais longe possível do território de quem as lança e não à porta do seu território?

Nunca nenhum iluminado nas FAs pensou nisso?
 

*

saabGripen

  • Perito
  • **
  • 408
  • Recebeu: 74 vez(es)
  • Enviou: 24 vez(es)
  • +216/-264
Re: Novos Sistemas de Defesa Aérea
« Responder #934 em: Fevereiro 20, 2024, 08:33:39 pm »

Mais pergunta e respostas do nosso concurso favorito:

Pergunta:
Nota: (devem ser os Turcos)

    Is it possible to extend the deadline for a week (4th of March 2024)? We will appreciate if you can also consider this request like the previous extension request? Thank you very much in advance

Resposta:
NSPA will not consider further bid extensions without adequate justification provided along with the request.

Uns dias mais tarde:

Pergunta:
    Within the scope of the answers received to the questions we asked, we have to evaluate changes in our project structure. Therefore, we are not yet at a sufficient preparation stage. In this context, we request an extension.

Resposta:
Thank you for providing more details but after careful consideration, we will not consider further bid extensions, as previously advised. Thank you for your understanding.


O fim do concurso está para 26 deste mês.

O Exercito e a NSPA parece que pensam que está tudo controlado.   :G-beer2:



 
Os seguintes utilizadores agradeceram esta mensagem: LM

*

papatango

  • Investigador
  • *****
  • 7283
  • Recebeu: 909 vez(es)
  • +4180/-828
Re: Novos Sistemas de Defesa Aérea
« Responder #935 em: Hoje às 07:54:35 am »
(...)

Isto parece uma tradição portuguesa. Durante a década de 1920, Portugal deixou de ter exército, e marinha. A expressão Zero Naval vem daí.

(...)
Pode clarificar?
A expressão "deixou de ter exército" refere-se ao fato de as forças armadas se terem tornado inuteis, não que tenham desaparecido.
Depois da I guerra mundial, a desmobilização e a crise continua em que o país entrou, levou a que tudo quanto fosse projeto de rearmamento fosse ou cancelado ou suspenso. Os navios da marinha estavam todos a virar ferro velho e não serviam para nada.
O exemplo mais conhecido, é a corveta-couraçada Vasco da Gama lançada em 1876 que estava ao serviço ainda na década de 1930.
Os primeiros veículos blindados portugueses, estudados na década de 1920 eram FIAT da Guarda Nacional Republicana.

O completo abandono a que as forças armadas foram votadas, nomeadamente o exército, também esteve por detrás do golpe de 28 de Maio de 1926.
Rapidamente os militares perceberam que não havia dinheiro e por isso convidam um dos mais proeminentes economistas do país para o ministério das finanças. Salazar andou a tapar buracos durante e década de 1930, mas quando chegámos a 1939, com uma ou duas excepções, continuavamos absolutamente atrasados relativamente a toda a Europa.
É muito mais fácil enganar uma pessoa, que explicar-lhe que foi enganada ...