A SCAR da FN Herstal no Exército

  • 270 Respostas
  • 78208 Visualizações
*

CruzSilva

  • Investigador
  • *****
  • 1521
  • Recebeu: 598 vez(es)
  • Enviou: 2348 vez(es)
  • +722/-132
Re: A SCAR da FN Herstal no Exército
« Responder #255 em: Março 28, 2024, 04:15:40 pm »
Mas qual Manel e José, estamos na escola? Na tropa usa-se os sobrenomes.

Esses são o Silva e o Antunes.
Deixa lá o Silva em paz!  :mrgreen:
"Homens fortes criam tempos fáceis e tempos fáceis criam homens fracos - homens fracos criam tempos difíceis e tempos difíceis criam homens fortes."
 

*

Lightning

  • Moderador Global
  • *****
  • 11184
  • Recebeu: 2404 vez(es)
  • Enviou: 3383 vez(es)
  • +764/-1037
Re: A SCAR da FN Herstal no Exército
« Responder #256 em: Março 28, 2024, 05:33:29 pm »
Mas qual Manel e José, estamos na escola? Na tropa usa-se os sobrenomes.

Esses são o Silva e o Antunes.

Lightning, Nome de GUERRA, queres tú dizer, não??

Abraço

Nomes de guerra só sei os callsigns dos PILAV na Força Aérea :mrgreen:.

E acho que mais ou menos recentemente os militares que vão para FNDs até andam sem o nome no camuflado.
« Última modificação: Março 28, 2024, 05:34:16 pm por Lightning »
 

*

CruzSilva

  • Investigador
  • *****
  • 1521
  • Recebeu: 598 vez(es)
  • Enviou: 2348 vez(es)
  • +722/-132
Re: A SCAR da FN Herstal no Exército
« Responder #257 em: Março 28, 2024, 05:59:02 pm »
Dificilmente estarei errado. Eu pura e simplesmente não estou a imaginar arranjarem armamento novo para forças reservistas/mobilizadas para tempo de guerra (e até certas unidades de apoio), numa situação de conflito real. Principalmente no país dos "mínimos para missões NATO", não acredito que fossem disponibilizadas Minimi 7.62 para "ninhos de metralhadora" a proteger Lisboa ou algo do género, ou para o Zé Manél da tropa normal se meter à janela de um edifício.

E claro que me estou a referir a um cenário de conflito convencional, em que seria usado todo o Exército (e não só). Não uma missão internacional onde se destaca algumas centenas de militares.
Se calhar o cenário não é assim tão negro. Se a necessidade chegar a existir, creio que o armamento ligeiro será um dos menores problemas.
"Homens fortes criam tempos fáceis e tempos fáceis criam homens fracos - homens fracos criam tempos difíceis e tempos difíceis criam homens fortes."
 
Os seguintes utilizadores agradeceram esta mensagem: Pedro Monteiro, raphael

*

Pedro Monteiro

  • Analista
  • ***
  • 888
  • Recebeu: 146 vez(es)
  • Enviou: 17 vez(es)
  • +25/-20
    • http://www.pedro-monteiro.com
Re: A SCAR da FN Herstal no Exército
« Responder #258 em: Março 29, 2024, 09:51:14 am »
Para todos os interessados em armamento ligeiro das Forças Armadas, nomeadamente a FN SCAR e a HK G3, temos grandes novidades!...

Depois do nosso livro de 2018 sobre os grandes veículos militares nacionais, chegou a hora dum novo livro sobre a "G3: A Grande Arma Nacional" - e que vamos lançar este ano.

São muitas das fotos e histórias que fazem parte do nosso livro sobre a história do fabrico e uso da mítica G3. Pode garantir já, com desconto, o seu exemplar desta edição e numerada através da campanha de crowdfuding, que tem aliás várias formas de pagamento incluindo multibanco: https://ppl.pt/g3

Ajudem-nos a partilhar este projeto! Um grande bem haja!
« Última modificação: Março 29, 2024, 09:52:00 am por Pedro Monteiro »
 
Os seguintes utilizadores agradeceram esta mensagem: LM, Cabeça de Martelo, HSMW, Pescador

*

Pescador

  • Investigador
  • *****
  • 4870
  • Recebeu: 3171 vez(es)
  • Enviou: 2678 vez(es)
  • +5818/-2950
Re: A SCAR da FN Herstal no Exército
« Responder #259 em: Março 29, 2024, 12:16:24 pm »
Alguma coisa essa arma (G3) tem de especial, pois apesar de várias outras mais modernas que disparei, era sempre um gosto disparar a G3. Para mim é sem dúvida um ícone e um sentimento de poder de fogo que oferecia essa arma se bem usada.
Houve versões posteriores dessa arma, como a HK41 e a SG1 que fizeram a diferença em zonas de combate urbano mais pesado como na américa do sul. A capacidade de ultrapassar certos obstáculos, como viaturas e outros urbanos de densidade mais resistente para as armas menos potentes.
 

*

dc

  • Investigador
  • *****
  • 9144
  • Recebeu: 4457 vez(es)
  • Enviou: 793 vez(es)
  • +5131/-852
Re: A SCAR da FN Herstal no Exército
« Responder #260 em: Março 29, 2024, 03:22:23 pm »
Se calhar o cenário não é assim tão negro. Se a necessidade chegar a existir, creio que o armamento ligeiro será um dos menores problemas.

Claro que a questão do armamento ligeiro não se compara com as necessidades de outro equipamento mais complexo (caças e fragatas por exemplo) que não dá para ir comprar mais à pressa em caso de conflito.

Ainda assim, num cenário onde houvesse necessidade de uma mobilização geral a rondar os 100 mil militares, muitas destas armas ligeiras são das mais antiga, porque é o que há.
 

*

CruzSilva

  • Investigador
  • *****
  • 1521
  • Recebeu: 598 vez(es)
  • Enviou: 2348 vez(es)
  • +722/-132
Re: A SCAR da FN Herstal no Exército
« Responder #261 em: Março 29, 2024, 04:08:59 pm »
Se calhar o cenário não é assim tão negro. Se a necessidade chegar a existir, creio que o armamento ligeiro será um dos menores problemas.

Claro que a questão do armamento ligeiro não se compara com as necessidades de outro equipamento mais complexo (caças e fragatas por exemplo) que não dá para ir comprar mais à pressa em caso de conflito.

Ainda assim, num cenário onde houvesse necessidade de uma mobilização geral a rondar os 100 mil militares, muitas destas armas ligeiras são das mais antiga, porque é o que há.
Ou não - pelo menos o EP está a livrar-se do armamento antigo.
"Homens fortes criam tempos fáceis e tempos fáceis criam homens fracos - homens fracos criam tempos difíceis e tempos difíceis criam homens fortes."
 

*

PereiraMarques

  • Moderador Global
  • *****
  • 7970
  • Recebeu: 1305 vez(es)
  • Enviou: 349 vez(es)
  • +5212/-238
Re: A SCAR da FN Herstal no Exército
« Responder #262 em: Março 29, 2024, 04:19:17 pm »
3.000 Galil, 1.000 SIG SG543 e algumas dezenas de milhar de G3 ainda se devem arranjar... agora se essas dezenas de milhar estão mais próximas de 10.000 ou de 100.000...
 

*

CruzSilva

  • Investigador
  • *****
  • 1521
  • Recebeu: 598 vez(es)
  • Enviou: 2348 vez(es)
  • +722/-132
Re: A SCAR da FN Herstal no Exército
« Responder #263 em: Março 29, 2024, 04:22:48 pm »
3.000 Galil, 1.000 SIG SG543 e algumas dezenas de milhar de G3 ainda se devem arranjar... agora se essas dezenas de milhar estão mais próximas de 10.000 ou de 100.000...
Eu creio que isso vai tudo pelo cano abaixo a curto-prazo - baseio a minha opinião naquilo que aconteceu com dezenas de milhares de G3.
"Homens fortes criam tempos fáceis e tempos fáceis criam homens fracos - homens fracos criam tempos difíceis e tempos difíceis criam homens fortes."
 

*

Pescador

  • Investigador
  • *****
  • 4870
  • Recebeu: 3171 vez(es)
  • Enviou: 2678 vez(es)
  • +5818/-2950
Re: A SCAR da FN Herstal no Exército
« Responder #264 em: Março 29, 2024, 04:53:07 pm »
Ainda vai ser preciso desenterrar algumas num Monte alentejano
 

*

dc

  • Investigador
  • *****
  • 9144
  • Recebeu: 4457 vez(es)
  • Enviou: 793 vez(es)
  • +5131/-852
Re: A SCAR da FN Herstal no Exército
« Responder #265 em: Março 29, 2024, 05:48:58 pm »
Se calhar o cenário não é assim tão negro. Se a necessidade chegar a existir, creio que o armamento ligeiro será um dos menores problemas.

Claro que a questão do armamento ligeiro não se compara com as necessidades de outro equipamento mais complexo (caças e fragatas por exemplo) que não dá para ir comprar mais à pressa em caso de conflito.

Ainda assim, num cenário onde houvesse necessidade de uma mobilização geral a rondar os 100 mil militares, muitas destas armas ligeiras são das mais antiga, porque é o que há.
Ou não - pelo menos o EP está a livrar-se do armamento antigo.

O EP livrar-se da maioria do armamento antigo (que ainda esteja em boas condições) seria um erro tremendo, dado que não se vão adquirir armas ligeiras modernas em quantidades suficientes tão depressa (ainda por cima MGs capazes de substituir as MG3). Em princípio manter-se-á um stock das armas que possam ser minimamente relevantes, e não se vai "queimar" tudo. Suponho que receba o mesmo tratamento que uma Browning .50, que mesmo não sendo "moderna" continua aí para as curvas enquanto arma "fixa".
 

*

CruzSilva

  • Investigador
  • *****
  • 1521
  • Recebeu: 598 vez(es)
  • Enviou: 2348 vez(es)
  • +722/-132
Re: A SCAR da FN Herstal no Exército
« Responder #266 em: Março 29, 2024, 05:58:55 pm »
Se calhar o cenário não é assim tão negro. Se a necessidade chegar a existir, creio que o armamento ligeiro será um dos menores problemas.

Claro que a questão do armamento ligeiro não se compara com as necessidades de outro equipamento mais complexo (caças e fragatas por exemplo) que não dá para ir comprar mais à pressa em caso de conflito.

Ainda assim, num cenário onde houvesse necessidade de uma mobilização geral a rondar os 100 mil militares, muitas destas armas ligeiras são das mais antiga, porque é o que há.
Ou não - pelo menos o EP está a livrar-se do armamento antigo.

O EP livrar-se da maioria do armamento antigo (que ainda esteja em boas condições) seria um erro tremendo, dado que não se vão adquirir armas ligeiras modernas em quantidades suficientes tão depressa (ainda por cima MGs capazes de substituir as MG3). Em princípio manter-se-á um stock das armas que possam ser minimamente relevantes, e não se vai "queimar" tudo. Suponho que receba o mesmo tratamento que uma Browning .50, que mesmo não sendo "moderna" continua aí para as curvas enquanto arma "fixa".
Mas é isso que está a fazer.
"Homens fortes criam tempos fáceis e tempos fáceis criam homens fracos - homens fracos criam tempos difíceis e tempos difíceis criam homens fortes."
 

*

raphael

  • Investigador
  • *****
  • 1724
  • Recebeu: 416 vez(es)
  • Enviou: 361 vez(es)
  • +113/-45
Re: A SCAR da FN Herstal no Exército
« Responder #267 em: Março 29, 2024, 09:50:42 pm »
A Browning .50 precisava daquele sistema em que não é necessário fazer a afinação manual do head space e timming gage cada vez que se muda de cano... existe mas não em quantidade suficiente..

Até nisso uma limitação.

MG-3 estão ai para as curvas e tendo em conta a nega da Ucrânia em receber G-3...munições é o que não falta para aí.
Um abraço
Raphael
__________________
 

*

CruzSilva

  • Investigador
  • *****
  • 1521
  • Recebeu: 598 vez(es)
  • Enviou: 2348 vez(es)
  • +722/-132
Re: A SCAR da FN Herstal no Exército
« Responder #268 em: Março 29, 2024, 10:00:37 pm »
A Browning .50 precisava daquele sistema em que não é necessário fazer a afinação manual do head space e timming gage cada vez que se muda de cano... existe mas não em quantidade suficiente..

Até nisso uma limitação.

MG-3 estão ai para as curvas e tendo em conta a nega da Ucrânia em receber G-3...munições é o que não falta para aí.
Os americanos ficaram com elas...
"Homens fortes criam tempos fáceis e tempos fáceis criam homens fracos - homens fracos criam tempos difíceis e tempos difíceis criam homens fortes."
 

*

raphael

  • Investigador
  • *****
  • 1724
  • Recebeu: 416 vez(es)
  • Enviou: 361 vez(es)
  • +113/-45
Re: A SCAR da FN Herstal no Exército
« Responder #269 em: Março 29, 2024, 10:03:41 pm »
Inteligentes, para a CIA e outras agencias fornecerem a paises sul-americanos e sul-africanos...bem jogado.
Um abraço
Raphael
__________________