Substituição dos Allouette III

  • 800 Respostas
  • 201045 Visualizações
*

Major Alvega

  • Analista
  • ***
  • 784
  • Recebeu: 837 vez(es)
  • Enviou: 527 vez(es)
  • +5622/-128
Re: Substituição dos Allouette III
« Responder #660 em: Novembro 23, 2018, 05:50:45 pm »
 O AW119Kx no âmbito militar, no limite só serve para instrução. Quem o adquiriu até hoje foi a Argélia e o Bangladesh (dois grandes exemplos) e foi com esse único propósito. Hoje em 2018 helis para uso geral militar são biturbina, o resto é inventar e não ter nenhuma noção do que está a dizer.

 Se não tivesse sido estupidamente cancelados os 2 concursos de helis, a esta hora estávamos muito bem servidos. O NH90 para transporte de tropas, Medevac, Apoio Aéreo e o H135M (biturbina) para instrução, SAR costeiro, Medevac, Ops Especiais e ISTAR.
« Última modificação: Novembro 23, 2018, 05:51:25 pm por Major Alvega »
 

*

Red Baron

  • Investigador
  • *****
  • 2188
  • Recebeu: 379 vez(es)
  • Enviou: 274 vez(es)
  • +121/-270
Re: Substituição dos Allouette III
« Responder #661 em: Novembro 23, 2018, 06:09:01 pm »
O Correio da Manhã diz que vamos ter 6 helis de ataque, título à Correio da Manhã, à que dar o desconto.

www.cmjornal.pt/portugal/amp/portugal--vai-ter-seis-helis-de-ataque

Ficaríamos assim com 11 helis na esquadra 552, mais ou menos o que tínhamos de Alouettes à uns anos.

Conseguir 6  AH-1W SuperCobra que os americanos andam a querer despachar é que vinha a calhar.

Como eles obrigam a um plano de modernização feito nos EUA, era só acrescentar um sistema de controle de balde para poderem participar  no combate aos incêndios.

Era matar 3 coelhos com uma cajadada. Helicóptero de ataque preparado para operar a partir de navios, Helicóptero de ataque para o exercito e Helicóptero preparado para o combate a incêndios.
 

*

tenente

  • Investigador
  • *****
  • 9413
  • Recebeu: 4640 vez(es)
  • Enviou: 3346 vez(es)
  • +4400/-1004
Re: Substituição dos Allouette III
« Responder #662 em: Novembro 23, 2018, 06:09:58 pm »
O AW119Kx no âmbito militar, no limite só serve para instrução. Quem o adquiriu até hoje foi a Argélia e o Bangladesh (dois grandes exemplos) e foi com esse único propósito. Hoje em 2018 helis para uso geral militar são biturbina, o resto é inventar e não ter nenhuma noção do que está a dizer.

 Se não tivesse sido estupidamente cancelados os 2 concursos de helis, a esta hora estávamos muito bem servidos. O NH90 para transporte de tropas, Medevac, Apoio Aéreo e o H135M (biturbina) para instrução, SAR costeiro, Medevac, Ops Especiais e ISTAR.

Não leste bem a minha pergunta.
Eu perguntei se alguém sabia qual a principal limitação operacional que os helis monomotores tem/sofrem em relação aos helis bi/trimotores e a limitação está relacionada com o voo...

Abraços
Quando um Povo/Governo não Respeita as Suas FFAA, Não Respeita a Sua História nem se Respeita a Si Próprio  !!
 

*

tenente

  • Investigador
  • *****
  • 9413
  • Recebeu: 4640 vez(es)
  • Enviou: 3346 vez(es)
  • +4400/-1004
Re: Substituição dos Allouette III
« Responder #663 em: Novembro 23, 2018, 06:11:56 pm »
O Correio da Manhã diz que vamos ter 6 helis de ataque, título à Correio da Manhã, à que dar o desconto.

www.cmjornal.pt/portugal/amp/portugal--vai-ter-seis-helis-de-ataque

Ficaríamos assim com 11 helis na esquadra 552, mais ou menos o que tínhamos de Alouettes à uns anos.

Conseguir 6  AH-1W SuperCobra que os americanos andam a querer despachar é que vinha a calhar.

Como eles obrigam a um plano de modernização feito nos EUA, era só acrescentar um sistema de controle de balde para poderem participar  no combate aos incêndios.

Era matar 3 coelhos com uma cajadada. Helicóptero de ataque preparado para operar a partir de navios, Helicóptero de ataque para o exercito e Helicóptero preparado para o combate a incêndios.

Bem podes esquecer os supercobra e afins, pelo preço que indicam para adquirir os seis helis, o que vamos ter vão ser os aw169 e já é um pau.



Abraços
« Última modificação: Novembro 23, 2018, 06:52:33 pm por tenente »
Quando um Povo/Governo não Respeita as Suas FFAA, Não Respeita a Sua História nem se Respeita a Si Próprio  !!
 

*

Igor

  • Membro
  • *
  • 50
  • Recebeu: 24 vez(es)
  • +5/-1
Re: Substituição dos Allouette III
« Responder #664 em: Novembro 23, 2018, 07:07:54 pm »
Infelizmente acredito que o modelo escolhido será o A109 power,
 

*

Charlie Jaguar

  • Investigador
  • *****
  • 4249
  • Recebeu: 3648 vez(es)
  • Enviou: 2237 vez(es)
  • +4877/-2434
Re: Substituição dos Allouette III
« Responder #665 em: Novembro 23, 2018, 08:43:52 pm »
O Correio da Manhã diz que vamos ter 6 helis de ataque, título à Correio da Manhã, à que dar o desconto.

www.cmjornal.pt/portugal/amp/portugal--vai-ter-seis-helis-de-ataque

Ficaríamos assim com 11 helis na esquadra 552, mais ou menos o que tínhamos de Alouettes à uns anos.

Atenção que quem escreve o artigo no CM por norma costuma estar muito bem informado, e as fontes que menciona apontam a hipótese que também já aqui ainda hoje falei dos Koalas a "esteróides".  ;)

Parece haver uma certa confusão relativamente ao número final: se aos 5 aparelhos já contratados juntarmos 6, serão 11; se se activarem os 2 de opção, serão 13. O que muito provavelmente poderá acontecer será a aquisição de um segundo lote de AW119 armados, com blindagem, sensores ópticos, etc, e depois instalar os mesmos equipamentos nos helis do lote inicial. É pena se assim for pois o AW169M, e naturalmente o AW139M, seriam muito mais adequados a essa missão. 
Saudações Aeronáuticas,
Charlie Jaguar

"I'll miss the sea, but a person needs new experiences. They jar something deep inside, allowing him to grow. Without change something sleeps inside us, and seldom awakens. The sleeper must awaken."
Duke Leto Atreides (Dune, Frank Herbert)
 

*

Major Alvega

  • Analista
  • ***
  • 784
  • Recebeu: 837 vez(es)
  • Enviou: 527 vez(es)
  • +5622/-128
Re: Substituição dos Allouette III
« Responder #666 em: Novembro 23, 2018, 08:54:48 pm »
O AW119Kx no âmbito militar, no limite só serve para instrução. Quem o adquiriu até hoje foi a Argélia e o Bangladesh (dois grandes exemplos) e foi com esse único propósito. Hoje em 2018 helis para uso geral militar são biturbina, o resto é inventar e não ter nenhuma noção do que está a dizer.

 Se não tivesse sido estupidamente cancelados os 2 concursos de helis, a esta hora estávamos muito bem servidos. O NH90 para transporte de tropas, Medevac, Apoio Aéreo e o H135M (biturbina) para instrução, SAR costeiro, Medevac, Ops Especiais e ISTAR.

Não leste bem a minha pergunta.
Eu perguntei se alguém sabia qual a principal limitação operacional que os helis monomotores tem/sofrem em relação aos helis bi/trimotores e a limitação está relacionada com o voo...

Abraços

Ah OK! Mas não estava a referir-me a ti.
A solução do biturbina é obvia: redundância/segurança e operacionalidade mais efectiva quando submetido a condições exigentes como é o uso militar.

A Austrália tem um requerimento a decorrer para 15 helicópteros, transportáveis em C-17 para uso de forças especiais em qualquer parte do mundo. O candidato mais destacado e que é apontado como favorito é o AW109 Trekker, que é no final de contas um AW119 biturbina.
« Última modificação: Novembro 23, 2018, 09:00:16 pm por Major Alvega »
 

*

NVF

  • Investigador
  • *****
  • 4808
  • Recebeu: 3280 vez(es)
  • Enviou: 5836 vez(es)
  • +4400/-168
Re: Substituição dos Allouette III
« Responder #667 em: Novembro 23, 2018, 09:05:03 pm »
Não leste bem a minha pergunta.
Eu perguntei se alguém sabia qual a principal limitação operacional que os helis monomotores tem/sofrem em relação aos helis bi/trimotores e a limitação está relacionada com o voo...

Abraços

Voo noturno? Voar sobre o oceano? No Canadá, helis monomotores não podem voar a mais de 25 nm da costa; em Portugal não sei.
Talent de ne rien faire
 

*

PMFM

  • Membro
  • *
  • 99
  • Recebeu: 79 vez(es)
  • Enviou: 9 vez(es)
  • +12/-4
Re: Substituição dos Allouette III
« Responder #668 em: Novembro 23, 2018, 09:10:55 pm »
O que se falava há uns tempos era que desses novos helicópteros "pelo menos alguns" iam ser o AW119. Mas como num dia dizem uma coisa e no outro fazem o oposto, já não sei nada...
Citar
O que também está assente é que pelo menos alguns dos novos helicópteros equipados e armados para missões terrestres vão ser do modelo que a Força Aérea vai adquirir - o Koala - ao fabricante italiano Leonardo para formação e treino, informaram várias fontes.
https://www.dn.pt/edicao-do-dia/22-set-2018/interior/exercito-sempre-quis-ter-helicopteros-mas-nao-os-vai-ter-9886811.html

Mas realmente seria ridículo comprar este modelo para estas funções, mas pelo montante disponível não deve dar pra muito.
Por isso ou são todos AW119 e então, para além de não serem adequados às funções, são caros demais, ou são alguns AW119 e os restantes de outro modelo (no máximo 2 ou 3, na melhor das hipóteses).

Como já foi aqui falado no forum pra se ter uma ideia do preço do AW169M, a Guardia di Finanza encomendou 22 por 280 milhões € (com support and training incluídos). Dá cerca de 12,7 milhões € por helicóptero. O AW139M será ainda mais caro, logicamente.

https://www.flightglobal.com/news/articles/first-sales-success-for-military-variant-of-aw169-he-453545/
« Última modificação: Novembro 23, 2018, 09:13:40 pm por PMFM »
 

*

Major Alvega

  • Analista
  • ***
  • 784
  • Recebeu: 837 vez(es)
  • Enviou: 527 vez(es)
  • +5622/-128
Re: Substituição dos Allouette III
« Responder #669 em: Novembro 23, 2018, 09:32:38 pm »
Não leste bem a minha pergunta.
Eu perguntei se alguém sabia qual a principal limitação operacional que os helis monomotores tem/sofrem em relação aos helis bi/trimotores e a limitação está relacionada com o voo...

Abraços


Voo noturno? Voar sobre o oceano? No Canadá, helis monomotores não podem voar a mais de 25 nm da costa; em Portugal não sei.

Em Portugal os helis civis monoturbina não podem voar depois da hora oficial do pôr-do-sol. E só podem voar numa faixa costeira muito estreita que que não tenho presente o nº de milhas. Mas na aviação as normas são universais, por isso julgo que não deve diferir das normas canadianas..
E tem a ver com o voar de noite e sobre o mar que está intimamente relacionado com a redundância e a segurança extra que um helicóptero biturbina proporciona em relação a um monoturbina.
 

*

Lightning

  • Moderador Global
  • *****
  • 9698
  • Recebeu: 1694 vez(es)
  • Enviou: 2061 vez(es)
  • +319/-278
Re: Substituição dos Allouette III
« Responder #670 em: Novembro 23, 2018, 09:35:24 pm »
O alerta SAR do Alouette no AM1 é do nascer ao pôr do sol, mas desconheço se é apenas por ser monoturbina ou se tem a ver com equipmentos.
 

*

tenente

  • Investigador
  • *****
  • 9413
  • Recebeu: 4640 vez(es)
  • Enviou: 3346 vez(es)
  • +4400/-1004
Re: Substituição dos Allouette III
« Responder #671 em: Novembro 23, 2018, 09:42:29 pm »
Infelizmente acredito que o modelo escolhido será o A109 power,

se fosse esse o escolhido era muito superior ao 119...... já podia voar de noite !!!!!!! :G-beer2:

Abraços
« Última modificação: Novembro 23, 2018, 09:54:53 pm por tenente »
Quando um Povo/Governo não Respeita as Suas FFAA, Não Respeita a Sua História nem se Respeita a Si Próprio  !!
 

*

tenente

  • Investigador
  • *****
  • 9413
  • Recebeu: 4640 vez(es)
  • Enviou: 3346 vez(es)
  • +4400/-1004
Re: Substituição dos Allouette III
« Responder #672 em: Novembro 23, 2018, 09:46:05 pm »
Não leste bem a minha pergunta.
Eu perguntei se alguém sabia qual a principal limitação operacional que os helis monomotores tem/sofrem em relação aos helis bi/trimotores e a limitação está relacionada com o voo...

Abraços

Voo noturno? Voar sobre o oceano? No Canadá, helis monomotores não podem voar a mais de 25 nm da costa; em Portugal não sei.

CERTO !!!!!
os helis monomotores não podem voar depois do pôr do sol e até este nascer !!!!!

O 119 não pode efectuar voos nocturnos, simplesmente por ser monomotor......e então se não pode voar de noite como poderá ser o escolhido para operar na versão de heli armado, para efectuar o apoio terrestre ??
Simplesmente não pode, a não ser  que as cabecinhas pensadoras limitem as operações de combate ao período diurno, tipo Raul Solnado e a ida á guerra !!!! c56x1 :mrgreen:

Abraços
« Última modificação: Novembro 23, 2018, 09:56:53 pm por tenente »
Quando um Povo/Governo não Respeita as Suas FFAA, Não Respeita a Sua História nem se Respeita a Si Próprio  !!
 
Os seguintes utilizadores agradeceram esta mensagem: NVF

*

tenente

  • Investigador
  • *****
  • 9413
  • Recebeu: 4640 vez(es)
  • Enviou: 3346 vez(es)
  • +4400/-1004
Re: Substituição dos Allouette III
« Responder #673 em: Novembro 23, 2018, 09:49:53 pm »
O alerta SAR do Alouette no AM1 é do nascer ao pôr do sol, mas desconheço se é apenas por ser monoturbina ou se tem a ver com equipmentos.

Correcto, é simplesmente por ser um heli monomotor, Lightning, só isso !
E cinquenta anos depois vamos comprar outro heli monomotor, muito bom !!!!

Abraços
Quando um Povo/Governo não Respeita as Suas FFAA, Não Respeita a Sua História nem se Respeita a Si Próprio  !!
 

*

tenente

  • Investigador
  • *****
  • 9413
  • Recebeu: 4640 vez(es)
  • Enviou: 3346 vez(es)
  • +4400/-1004
Re: Substituição dos Allouette III
« Responder #674 em: Novembro 23, 2018, 09:53:33 pm »
O Correio da Manhã diz que vamos ter 6 helis de ataque, título à Correio da Manhã, à que dar o desconto.

www.cmjornal.pt/portugal/amp/portugal--vai-ter-seis-helis-de-ataque

Ficaríamos assim com 11 helis na esquadra 552, mais ou menos o que tínhamos de Alouettes à uns anos.

Atenção que quem escreve o artigo no CM por norma costuma estar muito bem informado, e as fontes que menciona apontam a hipótese que também já aqui ainda hoje falei dos Koalas a "esteróides".  ;)

Parece haver uma certa confusão relativamente ao número final: se aos 5 aparelhos já contratados juntarmos 6, serão 11; se se activarem os 2 de opção, serão 13. O que muito provavelmente poderá acontecer será a aquisição de um segundo lote de AW119 armados, com blindagem, sensores ópticos, etc, e depois instalar os mesmos equipamentos nos helis do lote inicial. É pena se assim for pois o AW169M, e naturalmente o AW139M, seriam muito mais adequados a essa missão.

SE optarem pelo  " Asteroidekualito ", é erro sobre erro, se a aquisição do aw119 já foi um erro, a segunda aquisição da versão " armada " , vai ser um erro ainda maior !
Será que  estão a transformar as FFAA em funcionários públicos 09/16 ?????

Abraços
Quando um Povo/Governo não Respeita as Suas FFAA, Não Respeita a Sua História nem se Respeita a Si Próprio  !!