Guerra na Síria

  • 4226 Respostas
  • 802816 Visualizações
*

papatango

  • Investigador
  • *****
  • 7321
  • Recebeu: 919 vez(es)
  • +4286/-835
Re: Guerra na Síria
« Responder #105 em: Setembro 16, 2013, 09:16:15 pm »
Impressionante !

O relatório afirma que foram utilizados todos os procedimentos de forma a garantir que as amostras foram recolhidas segundo os métodos a que estão obrigados. OS técnicos não pertenciam a nenhum país do conselho de segurança das nações unidas, para não levantar problemas.
A origem dos disparos foi referenciada a noroeste do local, ou seja na direção de onde se sabia terem sido feitos os disparos, porque foi ali que foram referenciados os flashes dos foguetes detetados pelos satélites americanos.

É claro que os malucos conspirativos são conhecidos pela sua feroz capacidade para inventar factos e distorcer a realidade, como no texto acima, que aparenta indicar que as provas foram trazidas pelos opositores, quando o que indica é exactamente o contrário. Os cuidados para elaborar o relatório vão ao ponto de identificar mesmo quais poderão ser os problemas por ele levantados.

Mas tudo serve, quando o problema é pretendermos à força que a realidade seja outra.
Felizmente, a propaganda dos mesmos, pode cair por terra quando se utiliza o cérebro.

Mas as teorias da conspiração apresentam sempre uma vantagem:
Mesmo depois de provadas falsas, há sempre quem esqueça que já foram desmentidas, para as por novamente a circular. E uma mentira repetida muitas vezes acaba por se transformar em verdade, como dizia Goebels, o homem que dirigiu os serviços de propaganda do III reich.

O III reich. Para alguns aqui, um modelo de virtudes, conforme afirmam aqueles que dizem que nem sequer existiram campos de concentração e que são os mesmos que culpam os rebeldes sírios de se terem atacado a eles próprios, lançando dezenas de mísseis a partir de terreno que não controlavam, utilizando meios técnicos que não tinham, foguetes que não possuiam e por aí fora...

Afinal a putina russa ordenou que pensassem de uma determinada forma, e portanto tudo serve para justificar o que o mafioso disse.



A VERDADE, É QUE AS TEORIAS CONSPIRATIVAS CAIRAM POR TERRA, COMO DEJETOS REPUGNANTES QUE TODOS SABIAMOS QUE ERAM.
Agora, é necessário até descredibilizar o relatório das Nações Unidas, porque o que disse não foi conveniente.

Só me ocorre um adjectivo:

ABJECTO.
É muito mais fácil enganar uma pessoa, que explicar-lhe que foi enganada ...
 

*

mafarrico

  • Investigador
  • *****
  • 1274
  • Recebeu: 20 vez(es)
  • Enviou: 74 vez(es)
  • +0/-0
Re: Guerra na Síria
« Responder #106 em: Setembro 17, 2013, 12:22:56 am »
"All the world's a stage" William Shakespeare

 

*

mafets

  • Investigador
  • *****
  • 8535
  • Recebeu: 3176 vez(es)
  • Enviou: 990 vez(es)
  • +4054/-6362
Re: Guerra na Síria
« Responder #107 em: Setembro 17, 2013, 01:17:50 am »
Tentando perceber os inspectores da UN

Sistema de lançamento e diagrama dos rockets com ogiva quimica.


https://www.youtube.com/watch?feature=player_embedded&v=y6CZtF6pGvQ






Munição M-14 e respectivo Lançador




Citar
Two munitions have been linked to the attack, the M14 140mm artillery rocket, and a munition I've previously referred to as the UMLACA (Unidentified Munition Linked to Alleged Chemical Attacks).

Citar
The UN inspectors have now confirmed both munitions carried a chemical payload, so the question is, who used them?  In the 18 months I've been studying the arms and munitions in the conflict I have never seen either type of munition used by the opposition. The opposition has rocket artillery, for example the 107mm Type-63 multiple rocket launcher and the Croatian 128mm RAK-12, but I've never seen any sign of the 140mm systems (such as the BM-14) that would be used to launch the M14 artillery rocket.
Não precisam de lançador. Podem ser usados e lançados de forma improvisada é so preciso captura-los.


E os rebeldes capturam muitas armas:


E contrabandeiam outras tantas.


Armas provenientes da líbia no conflito Sirio (desde belgas a austriacas).





 

http://damspleet.com/

E improvisam.




Citar
One thing that must be stressed, is that the UMLACA is a munition that's never been seen in any other conflict, and it's origins are somewhat of a mystery.
Não é um mistério. Aliás a fonte é bem conhecida. O M-130 Slufae 345 mm norte-americano.



http://www.designation-systems.net/dusrm/app4/slufae.html

O mesmo se passa com o lançador


Assim, e face a todo este embrolio (já para não referir o manuseamento dos projecteis por pessoas estranhas ao processo) não restava aos inspectores da UN senão esta conclusão. Deixando em aberto a proveniência das armas bem como a possibilidade de uso de ambas as partes no conflito mas sem o referir abertamente de modo a não melindrar qualquer um dos intervenientes e consequentemente a possibilidade de uma maior escalada da violência.

http://www.designation-systems.net/dusrm/app4/slufae.html

http://counterjihadreport.com/tag/syrian-weapons-flow/

http://brown-moses.blogspot.pt/

http://rogueadventurer.com/2013/08/29/alleged-cw-munitions-in-syria-fired-from-iranian-falaq-2-type-launchers/

Saudações
"Nunca, no campo dos conflitos humanos, tantos deveram tanto a tão poucos." W.Churchil

http://mimilitary.blogspot.pt/
 

*

mafarrico

  • Investigador
  • *****
  • 1274
  • Recebeu: 20 vez(es)
  • Enviou: 74 vez(es)
  • +0/-0
Re: Guerra na Síria
« Responder #108 em: Setembro 17, 2013, 03:51:19 am »
Perdoem-me ser honestos convosco. Ainda não li o relatório. Do apanhado que fiz lendo um par de noticias consta que o relatório não aponta responsáveis, mas dá a entender que foi o regime. Como disseram os russos agora é preciso estudar o relatório  :mrgreen: . A credibilidade das palavras do Papatango quando toca a assuntos norte-americanos para mim valem zero. Ele tem vindo a revelar-se. O FoxTroop tirou-lhe bem a pinta há uns dias. Infelizmente o Papatango continua numa retórica estúpida a falar de holocaustos e a manipular palavras. Eu não confio no Papatango e sinceramente cada vez que ele escreve por aqui fico ainda mais preocupado pois supostamente ele é uma pessoa bem informada. Alguém neste forum parece ser mais sensato e honesto, escreveu isto:

Citação de: "Nuno Miguel"
Um tema delicado, e que gere emoções.

Uma guerra, é sempre uma guerra, onde há vítimas inocentes. E nota-se que a guerra na Síria, já acontece ao tempo, com a participação internacional, não directamente como quer o Governo Americano, mas indirectamente, especialmente com o envio de material de guerra.

De um lado, o Governo Americano e os seus normais aliados ( Inglaterra e Israel), de outro lado, os grandes "rivais", para não dizer outra palavra dos Americanos, ou seja, a China, Rússia, o Irão, a Venezuela e a Coreia do Norte.

Quem ganhará este braço de ferro, o poderia do Ocidente, ou os dispersos inimigos da América?

Não refiro à ONU, porque como toda a opinião pública saberá, o maior financiamento da ONU vem dos Estados Unidos, logo, a opinião do Conselho de Segurança da ONU, para quem o financia é irrelevante.

Veremos, o que acontecerá nos próximos dias, especialmente ao nível da diplomacia.

O sublinhado foi da minha responsabilidade.

O Papatango tão bem como eu saberá do que se trata nesta guerra . Os E.U.A. continuam na sua avalanche pelo Médio-Oriente. A Rússia por sua vez defendendo os seus interesses achou que devia ter uma palavra a dizer, quer voltar a ser uma potência, quer voltar ao Jogo. Trata-se de contestar a perigosa hegemonia americana.

Eis o que alguém esclarecido escreveu num comentário da CNN:

"Russia is protecting the Assad regime because Assad is blocking the flow of natural gas out of the Persian Gulf into Europe, thus ensuring higher profits for Gazprom, a Russian government-owned natural gas company providing Europe with lots of energy.

If the US is successful in removing Assad, the Saudis and Qatar benefit since the Syrian obstacle for their pipeline would be eliminated; it will be really bad for Russia and Gazprom.

This is a strategic geopolitical conflict about natural resources, religion and money, and it really has nothing to do with chemical weapons at all, now you know."

Quanto ao ataque químico de 21 de Agosto que foi o que despoletou a reacção americana com a informação que disponho e que venho a divulgar por aqui acredito que os rebeldes foram os responsáveis.

Só Deus sabe a verdade ou quem esteve lá para ver.

Entretanto vou ler o relatório.Sim eu estou interessado na verdade.

Contra os manipuladores (individuos altamente perigosos) nada como os irritar um bocadinho com este belo exemplo de propaganda. Qualquer dia as Nações Unidas lembram-se e começam a investigar estas coisas.  
http://www.policymic.com/articles/62023/10-chemical-weapons-attacks-washington-doesn-t-want-you-to-talk-about

E já agora divulguem o relatório que os russos entregaram sobre o ataque quimico que ocorreu em Março em Aleppo.
"All the world's a stage" William Shakespeare

 

*

papatango

  • Investigador
  • *****
  • 7321
  • Recebeu: 919 vez(es)
  • +4286/-835
Re: Guerra na Síria
« Responder #109 em: Setembro 17, 2013, 10:05:18 am »
Mafarrico : Não entendo onde é que você foi buscar a ideia de que o puto imberbe a que se refere "marcou pontos no jogo". O tontito há muito que para mim se afundou no esterco que vomitou.


Quanto ao relatório ele não aponta culpados, o que aliás já se sabia. Um relatório deste tipo não pode apontar nada especificamente.

O que o relatório fez foi mostrar que muitas das mentiras que foram postas a circular pelos sites dos teoricos da conspiração, eram afinal aquilo que todos nós tinhamos a obrigação de saber: MENTIRAS.

Ao explicar, através da posição dos foguetes e da destruição que provocaram (por exemplo perfurando uma parede antes de chegar ao chão) que onde foi possível identificar a origem dos disparos, eles apontam para uma determinada área de lançamento, o relatório deitou por terra a tese de que os rebeldes tinham disparado sobre eles próprios, porque os disparos vieram de uma zona que sempre foi controlada pelo governo e onde se encontram instalações químicas.

Ao mostrar o tipo de sistema entrega, demonstrou que era virtualmente impossível à oposição colocar no terreno os sistemas de armas e de lançamento necessários para permitir o disparo de uma sequência de foguetes de consideráveis dimensões, ainda mais quando se sabe quais são e de onde vêm as armas utilizadas pelos rebeldes.

Ao dar conta da questão das condições atmosféricas ( que o triste tonto que você refere pôs a circular ), explica-se porque o ataque ocorreu naquela altura e não noutra.

Ao explicar as condições atmosféricas que se viviam, o relatório explica porque houve tantas crianças mortas (elas estavam nas áreas mais protegidas, caves etc) onde o gás Sarin se concentrou.

Ao mostrar que os foguetes lançados eram de produção russa, mostrou-se a origem do material, que não era artesanal como as fontes que você mesmo providenciou tentaram provar.

Ao determinar a quantidade de gás utilizado (350 l), comprovou-se que o ataque ocorreu com grande número de foguetes, num ataque combinado, o que exclui os rebeldes, porque mesmo que eles tivessem dois ou três foguetes roubados, não poderiam ter montado um ataque daquela dimensão, porque se pudessem eles já teriam derrubado Assad.

Ao determinar que o gás era de uma qualidade refinada e mais potente que o gás que foi utilizado por Saddam para atacar a população de Halabja prova-se que não se tratou de material roubado no Iraque (o que de qualquer maneira acabava por ser a prova de que afinal havia armas químicas no Iraque, o que não deixa de ser patético) e demonstra-se acima de tudo, que não poderia ter sido produzido pelos rebeldes, como os conspirativos também tentaram afirmar.


Acima de tudo o relatório apresentado pelas Nações Unidas, elaborado por pessoas que propositadamente não são nacionais de nenhum dos países do Conselho de Segurança, não vem dizer nada que já não tivesse sido dito.
O relatório apenas confirma o que todas as provas circunstânciais já afirmavam de forma clara e sem espinhas.

Quem quisesse ser honesto, sabia que  Assad tinha lançado o ataque, estando apenas neste momento em dúvida, se poderá ter havido um ataque ordenado pelos militares sírios, contra a vontade do ditador (o que dadas as características brutais e crueis de Assad, é dificil de conceber).


O problema, é que os teoricos da conspiração nunca se convencem.
Pura e simplesmente não vale a pena.
Argumentos para eles de nada valem

Mas para alguns conspirativos isto é um jogo de computador, em que ganhamos pontos conforme  os disparates que publicamos, porque sabemos que a maioria das pessoas não se dá ao trabalho de verificar as fontes.

A culpa é minha, que deveria saber que não se deve perder tempo com malucos

Cumprimentos
É muito mais fácil enganar uma pessoa, que explicar-lhe que foi enganada ...
 

*

papatango

  • Investigador
  • *****
  • 7321
  • Recebeu: 919 vez(es)
  • +4286/-835
Re: Guerra na Síria
« Responder #110 em: Setembro 17, 2013, 10:18:01 am »
Num registo aparte, embora seja óbvio para quem queira utilizar a cabeça, que foi o regime do Partido Socialista Bahas, o mesmo Partido Socialista do líder iraquiano que bombardeou Halabja que atacou a sua própria população em Damasco, eu continuo a achar que é justificada uma ação internacional contra a fação do Partido Socialista Bahas.

Não por causa do ataque químico, mas por causa do genocidio que continua na Síria. Ainda ninguém fez contas a quantos sírios morreram desde o ataque de 21 de Agosto, mas considerando a média, já morreram quase 2500 pessoas desde esse dia.

Quando Obama cancelou um ataque, as ratazanas socialistas correram aos esconderijos e foram buscar a artilharia pesada que estava escondida, para continuar a massacrar a população.

O incrivel, é que eles não lêm livros de história militar e não percebem que quanto mais se bombardeia uma cidade, mais cresce a raiva da população e mais abrigos se criam com os destroços.
Numa cidade destroçada os tanques são inuteis e chega a um ponto em que a artilharia já não tem alvos.
No entanto as pessoas conseguem viver nesses lugares, escavam tuneis e passagens entre as caves das casas.
Reforçam blocos caídos e escavam ninhos para metralhadoras e atiradores especiais.

Foi assim em Estalinegrado.

Mas nem os alemães utilizaram armas químicas para resolver o problema.
É muito mais fácil enganar uma pessoa, que explicar-lhe que foi enganada ...
 

*

FoxTroop

  • Investigador
  • *****
  • 1807
  • Recebeu: 655 vez(es)
  • Enviou: 378 vez(es)
  • +321/-5979
Re: Guerra na Síria
« Responder #111 em: Setembro 18, 2013, 03:58:59 pm »
Citação de: "papatango"
Quanto ao relatório ele não aponta culpados, o que aliás já se sabia. Um relatório deste tipo não pode apontar nada especificamente

Não?!!!  :lol:  :lol:  :lol:  :lol:  :lol:

Citação de: "papatango"
Ao explicar, através da posição dos foguetes e da destruição que provocaram (por exemplo perfurando uma parede antes de chegar ao chão) que onde foi possível identificar a origem dos disparos, eles apontam para uma determinada área de lançamento, o relatório deitou por terra a tese de que os rebeldes tinham disparado sobre eles próprios, porque os disparos vieram de uma zona que sempre foi controlada pelo governo e onde se encontram instalações químicas.

Ao mostrar o tipo de sistema entrega, demonstrou que era virtualmente impossível à oposição colocar no terreno os sistemas de armas e de lançamento necessários para permitir o disparo de uma sequência de foguetes de consideráveis dimensões, ainda mais quando se sabe quais são e de onde vêm as armas utilizadas pelos rebeldes.

Ao dar conta da questão das condições atmosféricas ( que o triste tonto que você refere pôs a circular ), explica-se porque o ataque ocorreu naquela altura e não noutra.

Justamente ao explicar a posição dos foguetes, identificando a origem em dois pontos de impacto dos 5 estudados e mostrando que numa zona veio de uma direcção e na outra zona veio de outra direcção, (nos outros três locais não foi possível calcular as trajectórias) e justamente ao explicar as condições atmosféricas (meteorologia, sabes?) é que cai por terra qualquer lógica de ataque por parte de Assad.
Afinal o objectivo de um ataque não era matar os "rebeldes" e ocupar o terreno. O objectivo do ataque era matar as crianças e mulheres, deixando que os rebeldes se suicidassem porque, sem mulheres com quem "flirtar" e criancinhas com quem jogar ao berlinde, quando não estão ocupados a decapitar quem não é da cor deles, a solidão fariam com que os "rebeldes" colocassem fim à própria vida, podendo de caminho, aproveitar o facto dos inspectores da ONU terem acabado de chegar a Damasco para fomentar uns bombardeamentos desses camaradas americanos para alegrar os dias, que isto de bater só em "rebeldes" começa a ser aborrecido.


Citação de: "papatango"
Ao determinar a quantidade de gás utilizado (350 l), comprovou-se que o ataque ocorreu com grande número de foguetes, num ataque combinado, o que exclui os rebeldes, porque mesmo que eles tivessem dois ou três foguetes roubados, não poderiam ter montado um ataque daquela dimensão, porque se pudessem eles já teriam derrubado Assad.

Ao determinar que o gás era de uma qualidade refinada e mais potente que o gás que foi utilizado por Saddam para atacar a população de Halabja prova-se que não se tratou de material roubado no Iraque (o que de qualquer maneira acabava por ser a prova de que afinal havia armas químicas no Iraque, o que não deixa de ser patético) e demonstra-se acima de tudo, que não poderia ter sido produzido pelos rebeldes, como os conspirativos também tentaram afirmar.


Acima de tudo o relatório apresentado pelas Nações Unidas, elaborado por pessoas que propositadamente não são nacionais de nenhum dos países do Conselho de Segurança, não vem dizer nada que já não tivesse sido dito.
O relatório apenas confirma o que todas as provas circunstânciais já afirmavam de forma clara e sem espinhas.

Quem quisesse ser honesto, sabia que Assad tinha lançado o ataque, estando apenas neste momento em dúvida, se poderá ter havido um ataque ordenado pelos militares sírios, contra a vontade do ditador (o que dadas as características brutais e crueis de Assad, é dificil de conceber).


O problema, é que os teoricos da conspiração nunca se convencem.
Pura e simplesmente não vale a pena.
Argumentos para eles de nada valem

Mas para alguns conspirativos isto é um jogo de computador, em que ganhamos pontos conforme os disparates que publicamos, porque sabemos que a maioria das pessoas não se dá ao trabalho de verificar as fontes.

A culpa é minha, que deveria saber que não se deve perder tempo com malucos


Grande numero de foguetes?!!! 350 litros?!!! Gás refinado?!!! Tu leste o relatório ou está a amandar mais uma "petas&tangas"?!!!! Material do Iraque, pois claro que não era, quanto muito apontaria mais para a Líbia e queres fotos ou vídeos dos tais armamentos que os "rebeldes" não têm? E sim, os inspectores não vêm dizer nada que não se soubesse, aliás disseram muita coisa lá, tanta coisa que dificilmente voltarão à Síria, isto apesar de deixarem bem claro as limitações e pressões a que foram sujeitos e mostrarem a intenção de voltar  ao local.

Tens razão numa coisa, não se deve perder tempo, não com malucos, mas com fanáticos, para mais quando são pagos para o ser. (espero bem que sejas pago, porque senão não és apenas fanático, és também um toninho imberbe que vomita esterco sem saber porque, e a quem, está a servir.
 

*

mafarrico

  • Investigador
  • *****
  • 1274
  • Recebeu: 20 vez(es)
  • Enviou: 74 vez(es)
  • +0/-0
Re: Guerra na Síria
« Responder #112 em: Setembro 19, 2013, 12:08:22 am »
O relatório aos meus olhos é bastante inconclusivo quanto à autoria do ataque.
Destaco estas duas passagens:

sobre os achados em Moadamiyah, página 18

Limitations:The time necessary to conduct a detailed survey of both locations as well as take samples was very limited. The sites have been well travelled by other individuals both before and during the investigation. Fragments and other possible evidence have clearly been handled/moved prior to the arrival of the investigation team.

Grave e revelador

sobre os achados em Zamalka/Ein Tarma, página 22

Limitations: As with other sites, the locations have been well travelled by other individuals prior to the arrival of the Mission. Time spent on the sites was well used but limited. During the time spent at these locations, individuals arrived carrying other suspected munitions indicating that such potential evidence is being moved and possibly manipulated.

Grave e revelador


Citação de: "papatango"
Mafarrico : Não entendo onde é que você foi buscar a ideia de que o puto imberbe a que se refere "marcou pontos no jogo".

É apenas um palpite à boa maneira americana. :lol:  :shock:  :lol: :lol: :lol: [/quote]

Sim. As imagens de satélite existem. Os russos também as têm e provam o contrário. Mas só as vão mostrar na altura certa.  :lol:  :lol:  :lol:  :lol:  :lol:


Politiquices à parte gostava de fazer ao Papatango duas perguntas (que mais uma vez na avaliação que fez do relatório voltou a manipular informação)

Sabe se os rebeldes envolvidos no conflito sírio têm ou tiveram à sua disposição gás Sarin?
Como é que os americanos chegaram aquele número de fatalidades? 1429


Diga-me: Como estão os seus amigos americanos? Qual é o plano deles para a Síria? Conte-nos tudo está entre portugueses.
"All the world's a stage" William Shakespeare

 

*

papatango

  • Investigador
  • *****
  • 7321
  • Recebeu: 919 vez(es)
  • +4286/-835
Re: Guerra na Síria
« Responder #113 em: Setembro 19, 2013, 01:08:23 am »
Citar
Claro, os americanos bonzinhos não queriam entalar os russos malvadões e deixaram passar a oportunidade única de enxovalhar a posição russa aos olhos do mundo, deixando-os sem capital diplomático para nada
Este trecho de palha quer dizer o quê ?

O governo da máfia moscovita, apresentou hoje novas provas que demonstram que o glorioso regime do santo vivo Bashar, nada tem a ver com as armas químicas russas que mataram 1400 rebeldes criminosos, entre as quais 300 crianças terroristas.

Alguém entende porque razão os russos, (se tinham provas e achavam que o relatório seria mal feito), não apresentaram essas provas ?

Lavrov saiu à pressa, profundamente incomodado de uma reunião com o ministro francês, e a única coisa que conseguiu balbuciar foi que faltava entrevistar uma freira que disse que tinha visto quem disse que viu um terrorista com uma bomba...
Toda a imprensa internacional referiu que os russos estava pura e simplesmente a recorrer às teorias da conspiração para tentar comprometer o relatório.

Em 2003 durante o governo Bush, as Nações Unidas disseram que não viram nada e desse ponto de vista enfrentaram o governo americano.
Hoje, com Obama, fizeram o que a América queria que fizessem.

Mas alguém compra esta tontice ?
A América de Obama conseguiu manipular as Nações Unidas depois de ter desistido de um ataque, quando a América de Bush, que precisava de um relatório favorável para justificar um ataque não o conseguiu ?

Citar
Justamente ao explicar a posição dos foguetes, identificando a origem em dois pontos de impacto dos 5 estudados e mostrando que numa zona veio de uma direcção e na outra zona veio de outra direcção, (nos outros três locais não foi possível calcular as trajectórias)
E nos dois casos que foi possível determinar, em ambos os casos a rota leva a áreas onde se encontravam as forças de Bashar Al Assad (coincidência naturalmente)


Citar
Grande numero de foguetes?!!! 350 litros?!!! Gás refinado?!!! Tu leste o relatório ou está a amandar mais uma
Obviamente não lhe vou responder na mesma moeda.

Mas posso responder com factos.
O ataque com gás Sarin em Tokio, foi feito com cerca de 10 litros (dez) litros de gás Sarin.
Os dez litros de gas Sarin, lançados num ambiente fechado (metropolitano) mataram 13 pessoas.

O seu camarada Assad, lançou 350 litros e conseguiu matar 1400 pessoas e não foi no metro.

O Sarin dos seus camaradas matou 4 pessoas por litro em ceu aberto
O Sarin dos japoneses matou 1.3 pessoas por litro, num ambiente fechado.
Desde logo e não considerando o facto de em ceu aberto o gás ser até 10 vezes menos eficiente, temos que o glorioso Sarin socialista matou três vezes mais.
Mas se considerarmos que a eficiência em ambiente fechado é de cinco vezes a dez vezes  maior, então temos que o Sarin de Bashar Al Assad é pelo menos 15 a 30 vezes vezes mais mortífero que o Sarin artesanal dos japoneses.

Portanto, neste último caso temos que o Sarin socialista foi numa quantidade 35 vezes maior (350/10), o que multiplicando pelo fator 15 obtido acima, considerando o patamar inferior (Gás em ambiente fechado 5 vezes mais eficiente), temos que  o ataque de Sarin de Assad, que os camaradas dizem que foi feito por terroristas com meios artesanais, teve uma potência relativa pelo menos 525 (quinhentas e vinte e cinco) vezes maior que o Sarin dos japoneses.

É a diferença entre um produto artesanal e um produto militar e é a resposta a quem pergunta se foi assim tanto.

Mas poderiamos fazer outras contas:
Em Halabja, o outro ataque feito pelo mesmo partido Socialista Bahas, decorreu de 14 bombardeamentos efectuados por helicoptero. Se cada helicóptero Mi-8 lançar um dispositivo de cada um dos seus dois suportes laterais (45 litros cada um) então teriamos 14 x 2 x 45 = 1260 litros
Em Halabja Saddam matou 5.000 pessoas. A média seria de 3.97 pessoas por litro de gás.
A mesma do ataque com gas realizado em 14 de Agosto, por um regime idêntico e com o mesmo fornecedor.

É claro que não havia vento (o que é comum nesta altura do ano e pode ser verificado pelas explosões e pelo fumo, que normalmente sobe na vertical) e que os russos dão formação sobre como maximizar os danos. A alta pressão atmosférica, levou o gás para baixo numa área onde as caves são o último refugio.
Os rebeldes, por razões táticas não se escondem nas caves. Quando a morte de Assad veio, matou as crianças fascistas e imperialistas que se refugiavam nas caves.
É muito mais fácil enganar uma pessoa, que explicar-lhe que foi enganada ...
 

*

papatango

  • Investigador
  • *****
  • 7321
  • Recebeu: 919 vez(es)
  • +4286/-835
Re: Guerra na Síria
« Responder #114 em: Setembro 19, 2013, 01:59:33 am »
Citar
Isto, é óbvio, porque as provas que têm do envolvimento do Assad, como as tais imagens de satélite com os disparos dos foguetes, são tão secretas, mas tão secretas que ninguém, a começar no membros do Congresso, passando pelo Senado e etc, as viu. Mas existem...

A ignorância é atrevida, porque desconhece o que ignora.

As provas e os dados fazem sentido quando conhecemos quais são os sistemas que estão no terreno.

Em Setembro de 2008, para aplacar Israel, os Estados Unidos começaram a instalar radares AN/TPY-2 no país.
http://www.areamilitar.net/noticias/not ... ?nrnot=650

O sistema era na altura tão moderno, que nem sequer os militares de Israel tiveram acesso a ele.
Aliás, os israelitas demonstraram irritação porque ao contrário do que pensavam, o sistema ficou sob controlo dos americanos.
Poucos dias depois isso tornava-se público:
http://www.areamilitar.net/noticias/not ... ?nrnot=658

Dos oito radares já entregues, apenas sete estão em operação. Destes sete, um está em Israel, outro está na Turquia e outro está no Qatar.

Os radares AN/TPY-2, estão por sua vez ligados ao sistema de vigilância por satélite da USMDA. Os americanos chamam-lhe SBIS (Space BAsed Infrared System).

O sistema é basicamente um sensor de calor extremamente sensivel, que deteta variações na superficie terrestre. O lançamento de mísseis e foguetes naturalmente produz uma assinatura facilmente identificável.

Os dados dos satélites são enviados automaticamente para os radares AESA AN/TPY-2, que em frações de segundo dirigem os seus emissores para a área onde foi detetado o aumento de calor.

Quem tem conhecimento de que desde 2008 estes sistemas estão em volta da Síria e quem sabe para que servem e quem sabe como funcionam, percebe que facilmente os americanos sabiam de onde vieram os mísseis/foguetes.

O engraçado, é que um sistema que é tão secreto que nem Israel teve acesso a ele, agora deveria ser revelado e mostrado ...

Como somos todos tontos, isto deve ser normalíssimo.
É muito mais fácil enganar uma pessoa, que explicar-lhe que foi enganada ...
 

*

FoxTroop

  • Investigador
  • *****
  • 1807
  • Recebeu: 655 vez(es)
  • Enviou: 378 vez(es)
  • +321/-5979
Re: Guerra na Síria
« Responder #115 em: Setembro 19, 2013, 02:18:11 pm »
Com as tuas duas prosas acima acabaste de reforçar ainda mais o que eu disse e, assim sendo, só te posso agradecer. Como prova de agradecimento, enquanto torras mais uns neurónizitos a pensar como é que reforçaste ainda mais a minha argumentação, reforço eu a uma frase tua do meio da "palha"

Citação de: "papatango"
A ignorância é atrevida, porque desconhece o que ignora.

"Tudo que o homem não conhece não existe para ele. Por isso o mundo tem, para cada um, o tamanho que abrange o seu conhecimento."

Bolas pá, não sofres de claustrofobia nesse teu mundo  :lol:  :lol:
 

*

mafarrico

  • Investigador
  • *****
  • 1274
  • Recebeu: 20 vez(es)
  • Enviou: 74 vez(es)
  • +0/-0
Re: Guerra na Síria
« Responder #116 em: Setembro 19, 2013, 03:58:11 pm »
Papatango

a sua fé move montanhas

 :lol:
"All the world's a stage" William Shakespeare

 

*

mafarrico

  • Investigador
  • *****
  • 1274
  • Recebeu: 20 vez(es)
  • Enviou: 74 vez(es)
  • +0/-0
Re: Guerra na Síria
« Responder #117 em: Setembro 19, 2013, 04:07:37 pm »
http://rt.com/news/putin-syria-rebels-provocation-080/

Grounds to believe Syria chemical attack was smart provocation – Putin
Published time: September 19, 2013 14:00
Edited time: September 19, 2013 15:00

Russia has every reason to believe that the use of chemical weapons in a Damascus suburb in August was an adroit and smart provocation, President Vladimir Putin has said.

 “We have every grounds to believe that it was a provocation. Of course, it was adroit and smart, but, at the same time, primitive in terms of technical performance. They took an old Soviet-made missile, which was taken out of service in the Syrian army long ago. It was most important to have ‘made in the USSR’ written [on the missile],” Putin said at the Valdai discussion forum on Thursday.

The Russian president pointed out that the August 21st attack in Damascus was not the first time chemical weapons had been used in Syria.

“But why haven’t other cases been investigated?” he asked.

 The chemical weapon attack must be thoroughly investigated and those behind it must be identified, Putin told the Valdai Club meeting in Russia’s Novgorod Region.

“No matter how difficult it might be, but if in the end we manage to answer the question… as to who committed that crime – and that was certainly a crime – the next step will follow. Then, together with our colleagues from the United Nations Security Council we will have to define the level of responsibility of those who committed the crime,” Putin said.

He stressed that measures like military strikes cannot solve every international issue, while should also be brought to the UNSC rather than discussed in the US Congress.

“This would be a strike on the world order, not Syria,” the Russian leader said.
‘No 100% guarantees, but Syria makes practical steps’

Putin also said that he cannot be 100 percent certain that the Syrian government will completely fulfill earlier reached agreements on dismantling the republic’s chemical weapons. However, the latest developments have given signs for hope.

“Will it be possible to accomplish it all? I cannot be 100 percent sure about it. But everything we have seen so far gives us confidence that this will be done,” he told journalists and experts.

Earlier this month, Russia and the United States reached a deal on a framework that will see the destruction or removal of Syria’s chemical weapons by mid- 2014. That came after Moscow suggested that Damascus should put its chemical weapons arsenal under international control and the Syrian government accepted the proposal. The republic also agreed to join the Chemical Weapons Convention which bans the production and the use of such arms.

Speaking at the Valdai gathering, Putin noted that Syria not only agreed to sign the international convention, but announced it already considers itself a party to the treaty.

“These are practical steps that the Syrian government has already made,” Putin said.

The United Nations confirmed last Saturday that it had received all the necessary documents from Syria for joining the chemical weapons convention and that Syria would become a member from October 14.
"All the world's a stage" William Shakespeare

 

*

mafets

  • Investigador
  • *****
  • 8535
  • Recebeu: 3176 vez(es)
  • Enviou: 990 vez(es)
  • +4054/-6362
Re: Guerra na Síria
« Responder #118 em: Setembro 19, 2013, 04:22:33 pm »
Duas questões técnicas sobre o debate:

1-  O sistema AN/TPY-2, tendo em conta a própria informação fornecida pela Raytheon, detecta misseis balísticos tanto no lançamento, como em voo e fase terminal. Fala de capacidade de detecção e rastreio inclusive de misseis de curto alcance (como o scud) mas não revela se o sistema tem capacidade para detectar e seguir foguetes, mais pequenos e com uma assinatura totalmente diferente. Aliás neste aspecto é Israel, que com o sistema Iron Dome, possui meios mais efectivos contra pequenos foguetes e projecteis de artilharia. (http://www.raytheon.com/ourcompany/rtnwcm/groups/public/documents/datasheet/rtn_bus_ids_an_tpy2_pdf.pdf)

http://www.defesanet.com.br/laad2013/noticia/10177/RAFAEL---Iron-Dome/

2- Segundo consta, parte das informações a propósito dos ataques químicos vêm do navio espião alemão da classe Oste(http://en.wikipedia.org/wiki/Oste-class_fleet_service_ship) que tem sido uma presença habitual desde 2012. Visto em Malta no dia 07/08/2103 é claro que já estaria na área o A-53 Oker (possivelmente a render um dos 3 navios da classe). Teriam sido as comunicações militares interceptadas (embora estes navios também tenham capacidade para detectar lançamento de misseis) a fornecer dados vitais para perceber o que se passou, quer no ataque de dia 21 de Agosto, mas também possivelmente em outras utilizações de armas químicas (que praticamente têm surgido em várias áreas desde o inicio de 2013). Refira-se que os Russos desde no mínimo Junho de 2013 possuem um navio com características similares ao largo da Síria (http://en.wikipedia.org/wiki/Vishnya-class_intelligence_ship).    



Cumprimentos

P.S. Relativamente à morte de crianças não deixa de ser uma tragédia e um atentado aos direitos do homem, seja em que circunstância for. Agora e infelizmente, não nos podemos esquecer dos milhares de crianças soldado que pelo mundo fora estão na linha da frente dos combates, bem como do uso indiscriminado de civis como escudo humano, por parte sobretudo dos movimentos radicais islâmicos (que inclusive usam escolas e hospitais como base de operação e paióis). E a Síria não é excepção.



"Nunca, no campo dos conflitos humanos, tantos deveram tanto a tão poucos." W.Churchil

http://mimilitary.blogspot.pt/
 

*

papatango

  • Investigador
  • *****
  • 7321
  • Recebeu: 919 vez(es)
  • +4286/-835
Re: Guerra na Síria
« Responder #119 em: Setembro 20, 2013, 12:07:52 am »
Citar
Com as tuas duas prosas acima acabaste de reforçar ainda mais o que eu disse e, assim sendo, só te posso agradecer. Como prova de agradecimento, enquanto torras mais uns neurónizitos a pensar como é que reforçaste ainda mais a minha argumentação, reforço eu a uma frase tua do meio da "palha"
Muito obrigado pelo seu texto, que é como todos os outros elucidativo do ponto de vista técnico. Creio que já todos percebemos quais são as suas fundamentações, e qual o teor da sua argumentação, quando as teorias conspirativas são desmascaradas.



Prosseguindo para assuntos sérios...


mafets -> O radar AN/TPY-2 está instalado em Israel desde 2008. Eu referi o radar, apenas por causa do sistema de alerta antecipado que lhe está associado.
O que foi decisivo para determinar a fonte dos ataques não foram os radares AN/TPY-2 mas sim os sensores de infravermelhos dos sistemas de alerta antecipado por satélite.

A única coisa que os americanos têm, é a certeza de onde a determinadas horas, foram lançados projéteis, porque «viram» a assinatura calorifera. Neste caso os radares não são importantes, o que é importante mesmo é o registo das fontes de calor, a que se sucederam poucos minutos depois os primeiros relatos de pessoas com nauseas e mortes por asfixia.

Como é evidente, o AN/TPY-2 não se destina a seguir o voo de mísseis ou foguetes de curto alcance.
O que é importante aqui, é o sistema de aviso antecipado.

Ou seja: Os americanos não fazem a minima ideia do que vai dentro dos mísseis ou foguetes lançados, o que eles sabem é que alguma coisa provocou um foco elevado de calor. Depois é tudo uma questão de cruzamento de dados. Como é evidente, esse cruzamento de dados é normal em termos militares, mas não é uma prova de tribunal.

Além disso há o problema da divulgação de informações sobre esse sistema, pois permitiria mostrar aos potênciais adversários qual é a qualidade da informação que os americanos obtêm dos seus sistemas de infravermelhos instalados nos satélites. Como é evidente, se nem os Israelitas tinham acesso ao sistema em 2008 (hoje aparentemente têm) não poderiamos esperar que os russos fossem autorizados a tal.
O sistema de defesa anti-míssil, do qual o sistema de satélites de vigilância por infra-vermelhos é um elemento chave, é das coisas mais bem guardadas.
Para lá disso, o AN/TPY-2 que já chegou a ser chamado de Radar THAAD, serve como componente de um sistema anti-míssil de médio alcance.
Os radares dão um aviso de alguns minutos perante a possibilidade de um ataque iraniano contra Israel.

Cumprimentos
É muito mais fácil enganar uma pessoa, que explicar-lhe que foi enganada ...