ForumDefesa.com

Conflitos => Conflitos do Presente => Tópico iniciado por: Marauder em Agosto 02, 2006, 10:48:02 am

Título: Guerra Fria II
Enviado por: Marauder em Agosto 02, 2006, 10:48:02 am
Citar
Cold War II started in 1999 with NATO's expansion into Eastern Europe
 
In 2004 7 more countries: Bulgaria, Estonia, Latvia, Lithuania, Romania, Slovakia and Slovenia joined NATO. NATO was now at the borders of the Russian Federation. As the new members were being welcomed into NATO, other countries were being "encouraged" to apply. This encouragement usually takes the form of encouraging civil unrest and if possible revolution in the target country, with the aim of installing a pro-American leadership. According to Guardian these colour revolutions are directly supported by the Western governments.

Georgia was thus encouraged and got its revolution. Then Ukraine which houses the Russian Black Sea fleet at Crimea was encouraged. The same encouragement is being given to various countries bordering Russia. There are talks of Georgia and even Azerbaijan joining NATO. All this expansion has required Russia to reassess its relationship with the West in general and NATO in particular.

To start with Russia has started to strengthen its army by increasing its defence budget. For example in 2005 Russia's defense budget increased by 27,6% and again this year by 22% (taking inflation into account, these numbers will be lower). The share of the Russian defence budget that goes to purchase of new equipment this year is around - 70% (164 billion Rubles), up from 60% in 2005. Russia is modernising its armed forces in a hurry. In 2004 only 14.2% of its defence budget went for procurement of equipment. In 2006 that share went up to 70%. New and better equipment, along with a smaller and more professional army is going to give Russia better ability to protect its interest in the region and internationally.

On the international arena, Russia has tried to strengthen its position by joining forces with China through the Shanghai five. This grouping was created in 1996 to address the "deepening military trust at the border regions" and included Russia, China, Kazakhstan, Kyrgyzstan and Tajikistan. In 2001 the group admitted Uzbekistan as the new member and then signed the Declaration of Shanghai Cooperation Organization (SCO).In the same year Russia and China signed the Treaty of Good-Neighbourliness and Friendly Cooperation. In 2002 the official charter of SCO was signed by all members. In 2004 Mongolia was admitted as an observer and in 2005 Iran, India and Pakistan received their observer status.

SCO is evolving from a regional economic and security cooperation to something else. If the observer states were to actually join the SCO, it could become one of the most powerful organisations in the world. Russia and Iran combined would have more energy reserve and production capacity than any other nations on Earth. Population wise, the organisation would represent the over 2 billion people. Economically they would have the energy resources of Russia, Iran and caucuses plus the manufacturing might of the Chinese and burgeoning service industries of India. With the Russian space/military industrial complex behind them they would become a formidable world power.

To counter this US has tried to bring India into its camp. The US , despite all its declared goal of stopping the spread of nuclear weapons, welcomed India into the nuclear club. US even offered to help India with its "civilian" nuclear technology. But Indians have taken a wait and see attitude. They are very concerned with their future energy supplies, and being close to both Russia and China, don't want to side with a group unless they are absolutely sure that that group will win. Another problem is the Indian internal politics. Will the majority of Indians accept the US lead in international affairs?

This week, the US House International Relations Committee (HIRC) added a markup (i.e., amendment) to the Bush administration's proposal – HR 4794, which is supposed to allow India to receive US nuclear technology. This amendment requires India's "full and active participation in United States efforts to dissuade, isolate, and, if necessary, sanction and contain Iran for its efforts to acquire weapons of mass destruction, including a nuclear weapons capability (including the capability to enrich or process nuclear materials), and the means to deliver weapons of mass destruction. "This is the beginning of US pressure on India to follow US foreign policy. How much is India willing to oblige is something that only Indian parliament can answer. Eventually India has three choices: stay neutral, join SCO, or join the American camp.

Conclusion

The cold war II started in 1999 by expansion of NATO into the Eastern Europe. The George Bush's actions since then have pushed Russia and China together. America's invasion of Iraq, placing of troops in Caucasus, expansion of NATO into the Baltic area and now the Iranian crises have convinced both China and Russia that America's grand strategy is to contain both nations and ultimately (if possible) to create another colour revolution in their countries as well.

America having reached the Baltic border of Russia is trying to reach its central border through Ukraine. Ukraine is and will be the main focus of attention for some time to come. The Russia 's only warm water naval base is in Crimea ( Ukraine ). Losing that base will deal a heavy blow to the Russian navy's ability to operate in the region.

Another area of contention is the Caucasus. US having successfully brought Georgia into its camp is focusing on other small nations in the region. Control of oil in this region and the pipelines going through it, is of vital importance to the US . Kazakhstan and Azerbaijan, having substantial reserves of oil, are going to be the battle grounds for the opposing sides. Kazakhstan is particularly important since it borders both China and Russia and is the main launching pad for nearly all of the Russian space vehicles.

Iran is yet another major concern. An unfriendly Iran can assist the Americans in creating tremendous problems for the Russians in their southern republics. Iran is the key to the Persian Gulf and can act as a buffer against the American advance from Iraq and Afghanistan towards the Russian southern borders. Iran and Russia combined sit on 42% of the world's natural gas reserves. Together they can create a very powerful energy cartel. It is doubtful then, to assume that Russia will in future go along with US plans for a regime change in Iran.

What will happen in the future is determined by the new American President, and not President Bush. The current administration has turned a friendly Russia into a strategic threat. The Neocons by looking hard for perceived threats have created an environment in which many nations, Russia included, do not feel safe. The continued American advance into the Russian backyard and its attempt in reducing Russian power has triggered a resurgence of nationalism in Russia. Russia will strive to strengthen its military. By all likelihood, Russia and China will create the world second centre of power opposing US hegemony. If Iran and a few other nations join in, we will see a powerful alliance in the East that will not be so easy to contain.

Abbas Bakhtiar

Dr. Abbas Bakhtiar lives in Norway. He is a consultant and a contributing writer for many online journals. He's a former associate professor of Nordland University, Norway.
http://english.pravda.ru/opinion/column ... cold_war-0 (http://english.pravda.ru/opinion/columnists/07-07-2006/83050-cold_war-0)
Título: 2ª Guerra Fria?
Enviado por: ricardonunes em Fevereiro 11, 2007, 03:00:39 pm
Presidente russo critica política externa dos EUA

Citar
O Presidente da Rússia, Vladimir Putin, criticou ontem, em termos inequívocos, a política externa dos Estados Unidos, responsabilizando estes "por acções unilaterais e ilegítimas, que não resolveram um único problema internacional".

O Presidente russo falava na 43.ª Conferência sobre Políticas de Segurança, em Munique, este ano consagrada às "Crises globais - responsabilidades globais", onde pronunciou a principal intervenção do dia. Putin dedicou a maior parte da sua alocução a desmontar a política externa americana, criticando também o alargamento da Aliança Atlântica e o recurso à força - "o que só deve suceder em último recurso, e sob os auspícios das Nações Unidas".

Exprimindo-se em russo, Putin afirmou viver-se hoje "num mundo unipolar". Esta realidade, disse, "não significa senão uma coisa: um centro de poder, um centro de decisão agindo como senhor absoluto, um soberano incontestável, que acabará por desabar de dentro para fora. Isto nada tem a ver com democracia". "Um Estado, os EUA" - acusou o dirigente russo - "ultrapassa, de todas as formas, as suas fronteiras", o que origina uma situação de insegurança e incerteza "em que o direito internacional deixou de ter utilidade".

No diagnóstico de Putin, a actual conjuntura favorece "a corrida aos armamentos" e a proliferação nuclear. Não referindo expressamente os conflitos do Iraque e do Afeganistão, onde os EUA estão envolvidos, Putin teve palavras de apreço directo para George W. Bush. "O Presidente dos EUA, que é meu amigo, tem sido criticado por tudo e por nada, mas é uma pessoa honesta. Ele diz que Rússia e EUA nunca voltarão a ser inimigos, e eu concordo com ele", sublinhou o líder russo.

Putin falava perante cerca de 250 participantes na conferência, entre os quais se incluíam o alto representante europeu para a Política Externa e Segurança Comum, Javier Solana, o secretário-geral da NATO, Jaap de Hoop Scheffer, o secretário da Defesa americano, Robert Gates, e mais de 40 ministros da Defesa e dos Negócios Estrangeiros, além de especialistas em questões de segurança e política internacional.

O líder do Kremlin pronunciou-se ainda contra a instalação de um sistema de mísseis americanos na Europa Central, contra uma solução para o Kosovo que não contemple, em paralelo, interesses sérvios e albaneses (ver também pág. 13), e o que classificou, sem mais detalhes, como a instrumentalização da OSCE.

A intervenção do Presidente russo, que participou pela primeira vez na conferência, foi considerada "provocadora", pelo senador americano Joseph Lieberman, e "errada" e até "intimidatória" pelo senador e possível candidato presidencial John McCain, presentes em Munique. Já o secretário da Defesa, Robert Gates, limitou-se a considerá-las "muito francas e interessantes". Hoop Scheffer, secretário-geral da NATO, também visada nas palavras de Putin, classificou como "decepcionantes", "pouco produtivas" e "desligadas da realidade" as considerações do estadista russo.

A conferência foi inaugurada pela chanceler Angela Merkel que, na presença do principal negociador iraniano para o nuclear, Ali Larijani, avisou que este país deve renunciar à vertente militar do seu programa nuclear ou enfrentar a "determinação" da comunidade internacional. Merkel pronunciou-se sobre as questões da actualidade, realçando, entre outros, as alterações climáticas.

A conferência surgiu em 1962 por iniciativa de um editor alemão, Ewald von Kleist, sendo actualmente organizada por Horst Teltschik, antigo conselheiro de política externa e de segurança do chanceler Helmut Kohl.
 DN (http://http)


«Uma Guerra Fria já foi suficiente», responde Gates a Putin

Citar
O secretário norte-americano de Defesa, Robert Gates, disse este domingo na Alemanha que «uma Guerra Fria já foi suficiente», em resposta aos ataques do presidente russo Vladimir Putin no sábado contra o papel dos EUA no mundo.
A afirmação do sucessor de Donald Rumsfeld foi feita durante a 43ª Conferência sobre Segurança em Munique, quando anunciou que Putin e o seu colega russo Serguei Ivanov, com quem se reuniu na quinta-feira em Sevilha (Espanha), o convidaram esta semana para viajar a Moscovo, na Rússia.

Putin fez no sábado um duro discurso contra os EUA, criticando a sua vontade de dominação durante a Conferência de Segurança, ao qual a Casa Branca reagiu expressando «surpresa e decepção».

O líder russo considerou que a intervenção norte-americana foi pior para o Iraque que a ditadura de Saddam Hussein, em uma entrevista à al-Jazeera, cujo texto foi publicado no sábado pela página oficial do Kremlin (http://http) na Internet.

Diario Digital (http://http)
Título:
Enviado por: ricardonunes em Fevereiro 11, 2007, 03:07:54 pm
Discurso de VLADIMIR PUTIN (http://http) em Munique.
Título:
Enviado por: p_shadow em Fevereiro 12, 2007, 04:38:10 am
Não acredito que esta "pressão" não tenha a ver com a questão energética, uma tentativa de criar "fricção" nas relações EUA-Europa e certamente na relação entre antigos e novos/futuros estados da UE.


Cumptos
Título:
Enviado por: Lancero em Fevereiro 12, 2007, 02:47:14 pm
Guerra Fria? Na Rússia parece tudo bem quentinho  :shock:

Citar
Rússia: Soldados obrigados a prostituir-se por oficiais

Moscovo, 12 Fev (Lusa) - Os oficiais russos obrigam os recrutas a prostituir-se, contando-se entre os clientes generais do ministério do Interior e do Serviço Federal de Segurança (FSB, ex- KGB), denunciou hoje uma organização de defesa dos interesses dos soldados russos.

      A co-presidente da organização "Mães dos Soldados de Petersburgo", Ella Poliakova, anunciou ter recebido uma carta de um soldado a denunciar os maus-tratos e torturas a que são sujeitos no quartel.

      "Além de choques eléctricos e espancamentos com bancos metálicos, os soldados mais velhos extorquiam dinheiro aos novatos. Se não tivessem dinheiro, tinham de ir pedir esmola para a cidade. Se trouxessem pouco dinheiro, era-lhes proposto um meio mais simples: a prostituição masculina", escreve o soldado de um dos quartéis de São Petersburgo.

      "O comando das tropas do Ministério do Interior e a Procuradoria Militar estavam ao corrente do que se passava nesse quartel", comentou a propósito Ruslan Linkov, defensor dos direitos humanos que luta contra a "praxe" nas forças armadas.

      Entre os clientes dos soldados-prostitutos havia altos comandos desse quartel e até generais das tropas do Ministério do Interior e funcionários do FSB. "Trata-se de um verdadeiro negócio, organizado durante muitos anos", disse.

      Ella Poliakova confirmou as denúncias: "tudo está muito bem organizado. Há clientes especiais, coronéis do FSB, generais na reserva".

      "Alguns soldados desse quartel regressam à vida civil com doenças como a SIDA e a hepatite C", concluiu Poliakova.

      Os defensores dos direitos humanos chamaram a atenção para o facto de alguns soldados deste quartel de São Petersburgo terem desaparecido.

      Um deles, Roman Zaitsev, desapareceu no Verão passado, depois de ter sido obrigado a prostituir-se.

      Valentina Melnikova, presidente do Comité das Mães dos Soldados da Rússia, denunciou a envergadura da prostituição nas forças armadas, sublinhando que isso não só tem lugar em São Petersburgo, mas noutras cidades russas.

      "Vão ao quartel Nº 83420, que fica na Rua Liussinovskaia em Moscovo. Há muito que tem uma fama muito má. Principalmente depois das nove da noite. Verão como estacionam carros para levar soldados", declarou Melnikova.

      Victor Ozerov, presidente do Comité para a Defesa e a Segurança do Conselho da Federação (Senado) da Rússia, considerou que "a publicação de semelhantes factos chocantes nas forças armadas contribui para a solução do problema", acrescentando "não conseguir compreender como é que os oficiais podem tirar lucros de semelhantes situações".

      Raras foram as situações de violação de soldados que chegaram ao conhecimento da opinião pública.

      Em 2005, um oficial de um quartel de Tcheliabinski foi condenado a pena suspensa por ter violado um recruta. Em Krasnoiarsk, um capitão das tropas especiais foi condenado a seis anos de prisão por "abuso de poder" e "homossexualismo com emprego de violência".

      Porém, não houve nenhum processo judicial sobre prostituição dos soldados.

      Há dois anos atrás, o Ministério da Defesa da Rússia anunciou oficialmente que "nas Forças Armadas da Rússia praticamente não existem relações sexuais".

      Maksim Parchin, principal especialista desse ministério para os problemas da SIDA, afirmou que "os comandantes impedem a manifestação de violência sexual sobre os soldados".
Título:
Enviado por: papatango em Fevereiro 20, 2007, 01:12:33 am
Citar
Rússia ameaça abandonar tratado INF
Militares afirmam ter capacidade para reactivar fabrico de mísseis
19.02.2007

Segundo a agência noticiosa russa (RIA Novosti) as forças nucleares estratégicas da Rússia estão prontas para abandonar o tratado INF de limitação de mísseis de curto e médio alcance, que a antiga União Soviética negociou com os Estados Unidos no final dos anos 80 e que foi assinado em 1991. [1]

Segundo um general russo, a Rússia poderá abandonar unilateralmente aquele tratado, se achar que tal abandono é vantajoso para o país, ou que é necessário.

As afirmações russas, são o maior aviso até hoje, relativamente às intenções americanas de instalar nos países da Europa de Leste, sistemas de radar de aviso aéreo antecipado, que dão aos Estados Unidos uma considerável vantagem táctica, perante qualquer ataque, ao poderem determinar o lançamento de vários tipos de mísseis com maior antecedência.

Entre os países onde poderão vir a ser instalados os mísseis, estão a República Checa e a Polónia, sendo o argumento utilizado, o da defesa contra eventuais ameaças por parte do Irão e da Coreia do Norte.

Os russos, estão especialmente irritados com o facto de os americanos estarem a instalar os seus sistemas de defesa em países que à pouco tempo eram considerados como fazendo parte do anel defensivo da antiga União Soviética.
«Este tipo de sistema, pode colocar em causa a segurança nacional da Rússia, e se a República Checa e a Polónia insistirem em instalar aqueles sistemas, isso fará deles alvos directos dos mísseis russos» adiantaram as mesmas fontes.

Foi também afirmado que a Rússia dispõe da capacidade necessária para, no caso de ser julgado necessário, voltar a produzir os mísseis nucleares de médio e curto alcance.

Na Europa de Leste, as tradicionais inimizades entre Rússia e Polónia, que têm raízes históricas que vão até à Idade Média, levam inevitavelmente a que quer a Polónia quer a República Checa tenham já confirmado que estão na disposição de autorizar a instalação dos radares se os Estados Unidos estiverem interessados.

Na passada semana, o presidente russo, Vladimir Putin, produziu declarações fortemente criticas da política externa americana, o que fez com que o Secretário da Defesa americano fizesse comentários humorísticos, sobre a Guerra Fria.


[1] O tratado INF eliminou mísseis balísticos lançados do solo, com um alcance entre 500 e 5500 Km. O tratado eliminou 846 mísseis americanos e 1846 mísseis soviéticos.
Título:
Enviado por: Jorge Pereira em Fevereiro 21, 2007, 06:18:30 am
A raiz destas recentes posturas e declarações por parte da Rússia está num relatório publicado há relativamente pouco tempo pelos investigadores Keir Lieber e Daryl Press no «Foreign Affairs» que fez soar os alarmes em Moscovo.

Estes investigadores usaram um programa informático que permite simular um ataque nuclear dos Estados Unidos à Rússia, extrapolando a situação dos arsenais para o fim da década.

As conclusões desse modelo levaram à conclusão de que um ataque de surpresa teria uma boa probabilidade de destruir todas as bases de bombardeiros, de submarinos e de mísseis balísticos intercontinentais.

Os mesmos autores sublinharam que esse estudo não significa que esse tal primeiro ataque seja provável, mas a Rússia já não vai poder contar com a dissuasão nuclear.

E afirmam mesmo que a não ser que alguma coisa se inverta rapidamente a vulnerabilidade russa não vai parar e aumentar.

Tendo a Rússia novamente aspirações de ser um centro global de poder, mas não tendo o seu PIB acompanhado essa aspiração, ao contrário do que acontece com a China ou os EUA, aquilo que lhe resta é o seu potencial nuclear, que só é comparável ao dos EUA.

É precisamente por isto que a Rússia reage desta forma. Esse estudo pôs em causa o seu último reduto de afirmação global. A partir desse momento tudo aquilo que os norte-americanos fizerem em relação ao nuclear, será visto à luz desse mesmo relatório.
Título:
Enviado por: Yosy em Fevereiro 21, 2007, 08:19:31 pm
Citação de: "Jorge Pereira"


Estes investigadores usaram um programa informático que permite simular um ataque nuclear dos Estados Unidos à Rússia, extrapolando a situação dos arsenais para o fim da década.


Esse tipo de simulações são muito giras mas valem o que valem - o que é muito pouco. Não se fiem nessas coisas!
Título:
Enviado por: Spectral em Fevereiro 21, 2007, 09:21:03 pm
Citar
A raiz destas recentes posturas e declarações por parte da Rússia está num relatório publicado há relativamente pouco tempo pelos investigadores Keir Lieber e Daryl Press no «Foreign Affairs» que fez soar os alarmes em Moscovo.

Estes investigadores usaram um programa informático que permite simular um ataque nuclear dos Estados Unidos à Rússia, extrapolando a situação dos arsenais para o fim da década.

As conclusões desse modelo levaram à conclusão de que um ataque de surpresa teria uma boa probabilidade de destruir todas as bases de bombardeiros, de submarinos e de mísseis balísticos intercontinentais.


Basta um SSBN a operar no alto mar que consiga escapar da detecção e destruição para o ataque retaliatório ser lançado ... Ou um dos lançadores móveis ... Existem tantas possibilidades que nem vale a pena ir pelo caminho de a dimensão actual ( e vocação!) da USAF ser claramente insuficiente para tal missão.

Scare tactics..
Título:
Enviado por: ricardonunes em Março 12, 2007, 11:46:12 pm
NATO alerta que mísseis dos EUA podem dividir aliados
Citar
O secretário-geral da NATO, Jaap de Hoop Scheffer, advertiu que o sistema anti-míssil projectado pelos Estados Unidos pode dividir a aliança entre os que seriam protegidos pelo programa e os que ficariam de fora, noticia hoje o jornal Financial Times.
«Quando se trata de defesa anti-míssil, não deve existir uma primeira divisão e uma segunda divisão dentro da NATO», afirmou De Hoop Scheffer ao jornal. «Para mim, a indivisibilidade da segurança é o princípio norteador», disse.

Muitos aliados da NATO receiam o sistema dos EUA, previsto para ser instalado na Polónia e na República Checa para abater mísseis eventualmente disparados por países que Washington trata como «nocivos», como o Irão e a Coreia do Norte.

Fontes da NATO disseram ao Financial Times que o programa dos EUA iria proteger quase toda a Europa, mas não o sudeste, que precisaria de uma defesa extra contra mísseis de curto alcance, devido à sua proximidade com o Irão.

O secretário-geral da NATO disse ainda ao jornal que o programa norte-americano poderia ser complementado com os planos já existentes da NATO de colocar em operação até 2010 um sistema de defesa contra mísseis em campos de batalha.

«Já estamos a avançar no desenvolvimento de sistemas para proteger forças enviadas, ao contrário de centros populacionais e territórios», disse De Hoop Scheffer.

O holandês deixou claro que, na sua opinião, a Europa está realmente ameaçada por mísseis de determinados países.

«Há todas as razões para crer nisso, devido aos testes norte-coreanos de mísseis, à capacidade iraniana e às coisas que os iranianos andam a dizer», declarou ao FT.

Em conferência de imprensa sexta-feira, durante a cimeira da União Europeia em Bruxelas, o presidente francês, Jacques Chirac, alertou que o sistema dos EUA poderia reabrir divisões na Europa.

A República Checa rejeitou na semana passada críticas relativas à sua possível parceria com os EUA no projecto, depois de o Luxemburgo ter alertado para a possibilidade de tal provocar tensões com a Rússia.

O Reino Unido já manifestou interesse em participar no sistema norte-americano.

12-03-2007 14:43:09


DD (http://http)
Título:
Enviado por: TOMKAT em Maio 11, 2007, 03:06:03 am
Citar
Reino Unido: Força Aérea britânica interceptou dois aviões miltares russos

Londres, 10 Mai (Lusa) - A Real Força Aérea britânica (RAF) revelou ter interceptado dois aviões militares russos que observavam exercícios da Marinha Real, comparando este incidente a uma reminiscência da Guerra Fria.

Um porta-voz da RAF não precisou quando ocorreu o incidente e indicou que não tinha havido contacto entre os aparelhos russos e britânicos.

Dois Tornados F-3 britânicos descolaram da base de Leuchars perto de Fife (Leste da Escócia) depois de aparecerem nos ecrãs de radar britânicos os aparelhos russos, dois Bers Foxtrot.

Os aparelhos russos encontravam-se então por cima das Hébridas, no Atlântico, na zona marítima internacional.

Manobras marítimas que envolvem 14 países tiveram lugar nesta zona do Atlântico entre 22 de Abril e 03 de Maio.

"Aparentemente os russos acharam que valia a pena vir ver o que nós estaríamos a preparar e provavelmente tirar fotos", observou um porta-voz da RAF.

"Isto lembra a Guerra Fria, quando eles tinham o hábito de voar regularmente e deitar uma visita de olhos ao limite do espaço aéreo britânico para testar os nossos tempos de reacção", acrescentou.

"Normalmente damos a conhecer a nossa presença acompanhando o seu voo e eles partem tranquilamente. O incidente durou provavelmente 15 a 20 minutos", explicou.

TM.

Lusa/Fim


Citar
Rússia: Chefe de estado-maior russo acha que tratado FCE está em grande perigo

 Bruxelas, 11 Mai (Lusa) - O chefe de estado-maior do Exército russo declarou quinta-feira, em Bruxelas, que o Tratado sobre as Forças Convencionais na Europa (FCE), suspenso no final de Abril pelo seu país, está, de facto, ameaçado de morte.

"Hoje, posso dizer que o tratado está à beira de sucumbir", disse à imprensa no final de uma reunião com os seus colegas dos 26 países da NATO, disse o general Iouri Balouievski, acrescentando: "Mas não é o que a Rússia queria".

A 03 de Maio, o vice-primeiro ministro russo Sergue´ Ivanov disse que a Rússia ia deixar de informar os Aliados sobre os movimentos das suas tropas depois de o presidente russo, Vladimir Putin, ter posto em causa o tratado a 26 de Abril, por considerar que a NATO não o respeita.

Segundo o coronel Brett Boudreau, porta-voz da Comissão Militar da Aliança, o oficial russo "não especificou" as medidas que poderão traduzir, no concreto, a intenção russa de suspender a aplicação do Tratado, e depois, caso não haja progressos, de abandoná-lo.

Por seu lado, os chefes de estado-maior dos países da Aliança, reafirmaram que o Tratado continua a ser "uma pedra angular" do desanuviamento na Europa.

O general Balouievski assacou a responsabilidade desta situação aos ocidentais, que, "contrariamente à Rússia" não ratificaram a versão revista do Tratado.

O Tratado FCE, assinado em 1990, entrou em vigor em 1992.

Marcando o fim da Guerra Fria, enquadrou a redução e um limite das forças armadas e dos equipamentos clássicos dos dois Blocos, prevendo medidas de confiança (anúncio de grandes manobras) e de transparência (inspecções recíprocas).

Devido ao desaparecimento da URSS e do Pacto de Varsóvia, foi "adaptado" em Istambul em 1999. A Rússia ratificou esta nova versão mas não os países da NATO, determinados a que antes as tropas russas se retirem totalmente da Geórgia e da Moldávia, duas antigas repúblicas soviéticas.

Balouievski reiterou ainda quinta-feira, em Bruxelas, a incompreensão de Moscovo pelo projecto norte-americano de instalar um escudo antimíssil na Europa de Leste para fazer face a uma ameaça balística do Irão considerada exagerada pela Rússia.

"Estamos em presença de uma sobre-avaliação pelos americanos do potencial iraniano e das suas perspectivas", declarou o general à imprensa, qualificando de "inflamadas" as discussões que acabara de ter com os seus colegas da NATO na sede da Aliança Atlântica em Bruxelas.

De acordo com o oficial russo, o Irão dispõe actualmente apenas de um míssil, testado em Janeiro de 2001, com um alcance máximo de 1.700 quilómetros o que reduz a carga militar útil de 500 quilogramas para cerca de 200.

Este género de engenho, afirmou, constitui uma ameaça para Israel mas não para a Europa e menos ainda para os Estados Unidos.

"Mesmo a China, levou mais de duas décadas para se dotar de um míssil intercontinental (mais de 5.000 quilómetros de alcance)", notou, remetendo para o horizonte de 2030 a eventual ameaça de o Irão possuir no seu arsenal um míssil balístico de longo alcance.

Em Moscovo, o chefe da Força Aérea russa, Vladimir Mikhailov, foi destituído quinta-feira do cargo, no meio de uma profunda campanha de renovação do Exército lançada pelo novo ministro da Defesa, o civil Anatoli Serdiukov.

O general Mikhailov, de 63 anos, exercia o cargo desde Janeiro de 2002 e era o mais antigo das altas patentes do Exército russo, informaram fontes militares às agências russas.

TM.

Lusa/Fim


Os russos estão lentamente a retomar os seus naturais tiques de superpotência.
Fartos de serem relegados para segundo plano na cena internacional, e em risco de serem definitivamente ultrapassados por alguma potência emergente, para além do evidente renascer do nacionalismo russo, definitivamente passaram á fase do confronto ... de estratégias.

Acabaram-se as concordatas russo-americanas, segundo a lei de sua "santidade" tio Sam.
Título:
Enviado por: MERLIN em Maio 11, 2007, 11:18:40 am
De facto o incindente com os Bear's russos relembra os velhos tempos da guerra fria. Mas falando a verdade, acho que talvez nos meios militares, de um lado como do outro, deve haver alguma saudade destas picardias.
Cumptos
Título:
Enviado por: Yosy em Maio 11, 2007, 07:42:18 pm
Citação de: "MERLIN"
De facto o incindente com os Bear's russos relembra os velhos tempos da guerra fria. Mas falando a verdade, acho que talvez nos meios militares, de um lado como do outro, deve haver alguma saudade destas picardias.
Cumptos


Deve haver não, há! Muito boa gente que a Guerra Fria de volta, quer os grandes contratos de armamento de volta; os generais querem outra vez os velhos exercícios NATO de promoção, etc.

A vida na Guerra Fria era mais "fácil" para certas pessoas. Agora se querem mesmo avançar têm que trabalhar para isso.
Título:
Enviado por: typhonman em Maio 12, 2007, 12:41:22 am
c34x
Título:
Enviado por: p_shadow em Maio 12, 2007, 06:00:52 am
Citação de: "Yosy"
Muito boa gente que a Guerra Fria de volta, quer os grandes contratos de armamento de volta; os generais querem outra vez os velhos exercícios NATO de promoção, etc.

A vida na Guerra Fria era mais "fácil" para certas pessoas. Agora se querem mesmo avançar têm que trabalhar para isso.


Onde é que o Yosy tem andado nos ultimos 20 anos?!  :D


Cumptos
Título:
Enviado por: Yosy em Maio 12, 2007, 01:29:47 pm
Citação de: "p_shadow"
Citação de: "Yosy"
Muito boa gente que a Guerra Fria de volta, quer os grandes contratos de armamento de volta; os generais querem outra vez os velhos exercícios NATO de promoção, etc.

A vida na Guerra Fria era mais "fácil" para certas pessoas. Agora se querem mesmo avançar têm que trabalhar para isso.

Onde é que o Yosy tem andado nos ultimos 20 anos?!  :?

Não precebi... :oops:
Título:
Enviado por: p_shadow em Maio 14, 2007, 02:23:29 am
Quis dizer que as certas pessoas que menciona já andam a trabalhar nisso desde que lhes cheirou o fim da guerra fria.


Cumptos
Título:
Enviado por: Yosy em Maio 14, 2007, 07:14:46 pm
Citação de: "p_shadow"
Quis dizer que as certas pessoas que menciona já andam a trabalhar nisso desde que lhes cheirou o fim da guerra fria.


Cumptos


Algumas sim, outras não  :wink:
Título:
Enviado por: ricardonunes em Junho 03, 2007, 06:21:33 pm
Rússia ameaça voltar a apontar mísseis contra alvos na Europa

Citar
O Presidente da Rússia, Vladimir Putin, ameaçou hoje voltar a apontar mísseis para alvos na Europa se os Estados Unidos não desistirem do seu plano de instalar dez mísseis interceptores na Polónia e um radar de detecção na República Checa.

Numa entrevista publicada no jornal italiano "Corriere della Sera", Putin admite que a resposta russa ao plano norte-americano poderia fazer renascer a corrida ao armamento, mas afirma que o seu país nunca poderá ser responsabilizado porque o primeiro passo está a ser dado pelos Estados Unidos.

Questionado sobre se a Rússia admite voltar a apontar mísseis contra alvos na Europa se os Estados Unidos não abandonarem o seu projecto de defesa no continente, Putin respondeu: "Sim, naturalmente. Se a capacidade nuclear norte-americana se estender pelo território europeu, teremos que arranjar novos alvos na Europa".

Os Estados Unidos afirmam que a construção de um escudo de protecção na Europa não tem como objectivo ameaçar a Rússia mas sim responder a um possível ataque lançado por um dos países que designa como Estados párias, como o Irão e a Coreia do Norte.

Na opinião de Putin, esta justificação não tem credibilidade, já que o Irão não tem mísseis com capacidade para atingir os Estados Unidos. "Por isso, é óbvio que esta inovação é dirigida aos russos", afirmou Putin.

Ontem, o Presidente russo já deixara claro que o escudo norte-americano pode transformar a Europa num "barril de pólvora".

Rússia testou novo míssil balístico intercontinental

O discurso da Rússia em relação aos Estados Unidos subiu de tom na semana passada, depois de Valdimir Putin ter afirmado que a política externa norte-americana tem um cariz imperialista.

Mas a Rússia não se deixou ficar apenas pela retórica. Um novo míssil balístico intercontinental testado na terça-feira passada com sucesso pelo país é capaz de "passar qualquer escudo de defesa que exista agora ou no futuro", asseverou o primeiro-ministro adjunto russo, Sergei Ivanov, à agência noticiosa Itar-Tass.

Confiante nas capacidades da nova arma, com múltiplas cargas explosivas, Ivanov — um dos dois antecipados sucessores do Presidente Vladimir Putin — defendeu que, "sob o ponto de vista da defesa e da segurança, os russos podem sentir-se a salvo". "O míssil RS-24 vai fortalecer o poder nuclear dissuasor da Rússia", avançou ainda o comando das Forças Estratégicas russas, em comunicado.

Este míssil está integrado na proclamada "resposta altamente eficaz" que Putin prometera dar, no início do ano, aos planos dos Estados Unidos de instalar parte do seu Sistema de Defesa Antimíssil (MDI) na Europa Central — um plano a que Moscovo se tem oposto ferozmente com o argumento de que o mesmo ameaça a sua segurança e que irá alterar o balanço estratégico em todo o continente.

Publico (http://http)
Título:
Enviado por: Miguel em Junho 03, 2007, 07:13:48 pm
Podemos dizer

Obrigado Mister Bush

pela desordem mundial instalado por esse pior presidente dos EUA.

A historia julgara.
Título:
Enviado por: typhonman em Junho 03, 2007, 10:00:42 pm
Miguel tenha juizo :lol:
Título:
Enviado por: Aponez em Junho 03, 2007, 10:45:00 pm
Citação de: "Miguel"
Podemos dizer

Obrigado Mister Bush

pela desordem mundial instalado por esse pior presidente dos EUA.

A historia julgara.


Se a alguem hai que botar a culpa de que os missiles rusos voltem a apontar a Europa Occidental sería a polacos e checos que son os que permitiron ós USA instalar parte do escudo anti-missiles USA nos seus territorios
Título:
Enviado por: oultimoespiao em Junho 04, 2007, 12:29:46 am
Citação de: "Aponez"
Citação de: "Miguel"
Podemos dizer

Obrigado Mister Bush

pela desordem mundial instalado por esse pior presidente dos EUA.

A historia julgara.

Se a alguem hai que botar a culpa de que os missiles rusos voltem a apontar a Europa Occidental sería a polacos e checos que son os que permitiron ós USA instalar parte do escudo anti-missiles USA nos seus territorios


E vou mais longe quanto a polonia, a polonia considera muito mais os EUA do que a UE, porque esta entalada entre a russia e a alemanha 2 historicos inimigos... Se a polonia tivesse que escolher escolheria os EUA sobre a UE a qualquer hora. Entao e claro que escolhem fazer estas jogadas bilaterais para ganhar pontos perante a america.
Título:
Enviado por: SSK em Junho 18, 2007, 02:34:09 pm
Citar
Russia Hits the Accelerator
June 17, 2007: Russia will now be replacing RS-18 (SS-19) and RS-20 (SS-18) ICBMs with the newer RS-24 (SS-27 Topol M), more rapidly than earlier planned. This is the result of more money being allocated to buying ICBMs, and more reliable new ICBMs becoming available.
 
Russia continues to test launch RS-18 and RS-20 ICBMs. Russia still has 140 (out of a 1980s peak of 360) RS-18s in service, and expects to keep some of them active until 2010. The test firings for the last two years have been successful, and other quality-control tests have come back positive. The 106 ton, 76 foot long missile uses storable liquid fuel, meaning that the missile is inherently more complex than a solid fuel missile.

Russia was late to perfecting solid fuel rocket technology. The RS-18 entered service in 1975, and it wasn't until the 1980s that  Russia began producing reliable solid fuel rocket motors, large enough for ICBMs. The last RS-18s were manufactured in 1990, and Russia expects each of them to have a useful life of 30 years. Annual  test launches insure reliability. The RS-18 was developed as a "light" ICBM, in effect, a competitor for the U.S. Minuteman series. The RS-18 was the first Russian ICBM to carry MIRV (Multiple, Independent Reentry Vehicles). That means each warhead had its own guidance system. The SS-19 carries six warheads, and has a range of 10,000 kilometers.

The current plan is to take some, or all, of the retired RS-18s and convert them (by adding a third stage) to satellite launchers. This has already been done with a few missiles, and the converted missile can lift 1.8 tons into orbit. Current technology enables small satellites (as small as 200 pounds or less) to do useful work. The civilianized SS-19s are perfect for launching these military states.

Russia is also extending the life of its heavier (217 ton) RS-20 ICBMs to 30 years. This missile carries ten warheads, and is also being converted to launch satellites. Max satellite payload for the RS-20 is nearly three tons.

The SS-27 entered service in 1998, and is based on the lighter, mobile, Topol (SS-25) ICBM. This was the first successful Russian solid fuel ICBM. It is comparable to the 1960s era U.S. Minuteman ICBMs. Solid fuel is tricky to manufacture, and after many failed attempts to develop it, the Russians stuck with liquid fuel until the 1980s. They finally perfected their solid fuel technology, with the successful test launch of the 45 ton Topol in 1985. The 52 ton Topol-M followed ten years later. Both missiles have a range of 10,500 kilometers. The Topol-M is more reliable, especially compared to the mobile Topol, which often developed reliability problems when it was moved by truck or train, and then fired. The Topol-M also had reliability problems, but these appear to have been fixed, so the replacement of the older RS18 and RS20 missiles will occur sooner. Topol-Ms cost $52 million each.
Título:
Enviado por: SSK em Junho 29, 2007, 01:46:25 pm
Citar
Lituânia adere ao Sistema de Defesa Anti-míssil
A Lituânia está pronta a acolher o sistema de defesa anti-míssil que a NATO quer implementar na Europa, tal como a Polónia e a República Checa, afirmou recentemente o ministro da Defesa lituano, Juozas Olekas. De acordo com Olekas, a Lituânia precisa das instalações do sistema de defesa anti-míssil, uma vez que o país pode ser alvo de ameaças por parte de alguns países considerados instáveis.


http://www.kommersant.com/p-10809/Lithuania_defense_missile/
Título:
Enviado por: SSK em Julho 05, 2007, 06:33:16 pm
Citar
Moscovo admite instalar mísseis em Kaliningrado

O vice-primeiro-ministro russo, Serguei Ivanov, admitiu ontem que o seu país poderia vir a instalar mísseis no enclave de Kaliningrado, junto às fronteiras da Polónia e da Lituânia, se os Estados Unidos da América (EUA) avançarem com os seus planos de instalação de bases do sistema de defesa contra mísseis balísticos (NMD), nos países do leste da Europa. Referindo-se às recentes propostas apresentadas por Vladimir Putin a George W. Bush, na cimeira de Kennebunkport, Ivanov afirmou que "as propostas russas são realizáveis só no caso dos parceiros americanos considerarem que vale a pena estudá-las e aceitá-las", sublinhando que "se os planos de instalação de elementos do sistema NMD na Polónia e na República Checa se mantiverem em vigor, uma coisa não encaixa com a outra, ou encaixa mal, ou não encaixa de forma nenhuma".

"Não sei o que é que a estação de radares na República Checa consegue ver do Irão, mas sei que da Rússia consegue ver tudo até aos montes Urais", justificou-se Ivanov, que se queixa da ausência de explicações adequadas da parte norte-americana.

Segundo o vice-primeiro-ministro, se as propostas russas fossem aceites o seu país deixaria de sentir "a necessidade de instalar novos mísseis na parte europeia do país, incluindo a região de Kaliningrado, para fazer frente às ameaças que se irão criar no caso da instalação de elementos do NMD na República Checa e na Polónia."Nós podemos criar um grupo de estados que combate em conjunto a proliferação das ameaças de mísseis", declarou Ivanov, segundo o qual a estação de radares de que a Rússia dispõe em Gabala, no Azerbaijão, está nas condições ideais para "descobrir lançamentos não só de mísseis balísticos, mas também de mísseis alados, efectuados a sul do Azerbaijão, incluindo do Irão".

Na opinião do governante russo, que é visto como um dos potenciais sucessores de Putin no Kremlin, se os EUA concordassem com a proposta de Moscovo, de criar um sistema de defesa conjunto, criar-se-ia "um novo campo de confiança, e as relações passariam para um carácter de parceria estratégica". "Depois disso, os jornalistas esquecer-se-iam da expressão 'guerra fria', esta simplesmente desapareceria", adiantou Ivanov.
 
in  Jornal de Notícias
 
5 de Julho de 2007
 
Título:
Enviado por: SSK em Julho 15, 2007, 08:08:09 pm
Citar
Cold War Redux: China Responds to the Russo-American BMD Dispute

By Joseph E. Lin, Christopher Griffin

 
As Chinese commentators criticize U.S. defense officials for their “Cold War mentality,” one need merely read the headlines to feel trapped in a bad rerun of the 1960s. Washington's attempts to meet asymmetric challenges at both ends of the conflict spectrum have kept its hands full. At the “low intensity” end, the U.S. military is enmeshed in a long, bloody insurgency in Iraq. Meanwhile, Washington and Moscow are engaged in a heated row over U.S. attempts to deploy a ballistic missile defense (BMD) system in Europe as each side demonstrates its prowess at “high intensity” warfare. China's growing fears that such a feat, if successfully accomplished in Europe, might be replicated in the Asia-Pacific, have resulted in a crescendo of criticism from Beijing. While certainly not the first time that China has condemned the deployment of a U.S. BMD system—as seen during the dispute prior to Washington's withdrawal from the Anti-Ballistic Missile (ABM) Treaty in 2002—China is now backing its words with deeds. Indeed, the January anti-satellite (ASAT) test and the expected deployment of the DF-31 road-mobile intercontinental ballistic missile (ICBM) are indicative of a Chinese strategy to develop capabilities that would permit it to negate any military advantage the U.S. might obtain by deploying a similar BMD system in the Asia-Pacific.

Watching from the Sidelines

Since January, the United States and Russia have engaged in a verbal tit-for-tat over plans to expand the U.S. ballistic missile defense system into Europe by constructing a radar base in the Czech Republic and stationing mid-course interceptor missiles in Poland. This plan was always likely to earn Russian ire, as Moscow had long viewed the incorporation of former Warsaw Pact members into NATO as a direct affront to its dignity and security and only relented in the 1990s when it was implicitly guaranteed that U.S. and NATO troops would not be stationed on former Pact countries.

At a February conference on international security in Munich, Russian President Vladimir Putin condemned the missile defense plan, stating that it would lead to an “inevitable arms race.” Since then, Russia has suspended its participation in the treaty on Conventional Forces in Europe and threatened to abrogate the Intermediate-range Nuclear Forces Treaty that helped prevent a nuclear arms race in Europe at the height of the Cold War in the 1980s.

Chinese media have followed the Russo-American spat over the missile defense system closely, focusing on Washington’s supposedly anti-Russian strategy and the destabilizing effects of missile defense. While the Chinese Foreign Ministry initially refrained, for the most part, from taking an explicit position on the Russo-American disagreement on missile defense, Beijing expressed its views by proxy; Chinese academics and state-owned media have adopted positions generally favorable to Moscow, thereby allowing Beijing to express its views without becoming directly involved.

Indeed, when discussing the missile defense program in isolation, Chinese media reports in this earlier period tended to be matter-of-fact. For example, Ren Xiangqun, a researcher at the Chinese Military Science Academy, noted in a People's Daily editorial in late May that if “the United States can smoothly set up interception bases and radar bases in Poland and the Czech Republic, its missile defense system will basically create a global deployment structure with the U.S. homeland at the center and East Asia and Europe as its two flanks” (People’s Daily, May 23).

When discussing the missile defense shield in light of Russia’s interests, however, Chinese media have championed the Russian position and criticized American justifications for the program. One characteristic report in this vein is an early May People’s Daily article that claims U.S. policy toward Russia is to “contain the nation to prevent it from rising again.” The article continues to observe that “Washington is no doubt targeting Russia” with the deployment of the missile defense system in Poland and the Czech Republic, and that the “world is perhaps on the brink of a new Cold War” (People’s Daily, May 11).

An earlier People’s Daily piece attempts to place the broader set of Russo-American disputes over such issues as human rights, the rule of law and nuclear proliferation in Iran in context by summarizing the two sides’ respective strategies: “The paramount objective of the Putin administration is a Russian renaissance, which is the last thing Washington wants to see and will tolerate, since U.S. hegemony cannot be challenged. To prevent such a scenario, the U.S. has been trying every means possible to weaken and contain Russia since the end of the Cold War” (People’s Daily, May 3).

Another article that attempted to explain Washington’s strategic logic toward Russia likewise points to the overall pattern of U.S. efforts on NATO expansion, democracy promotion in the Commonwealth of Independent States, and missile defense efforts as proof of Washington’s vindictive goals. The article concludes that the United States is “punishing the loser” of the Cold War by attempting to impose upon it “the reality that the U.S. will expand in a range as large as possible in a hope to build a permanent U.S.-led international pattern.” (People’s Daily, March 24).

Such a supporting role was easy (and not costly) for China to play, expressing concerns about U.S. missile defense capabilities by criticizing developments in Europe without having to directly lead the charge in public. This approach was only possible, however, so long as Moscow kept up the pressure on Washington.

Leading the Cheering Section

At the early June Group of 8 meeting in Germany, Putin changed tack, offering to cooperate with the United States on missile defense by changing the location of the planned radar site to Azerbaijan, where a Soviet-era X-band radar facility is already established. When President George W. Bush and Putin met at the Bush family compound in Maine a month later, Putin expanded upon his earlier offer, stating that the Russians would be willing to either update the existing radar facility in Azerbaijan or replace it completely, provided that the Polish and Czech facilities were disbanded.

As Putin cast aside the standard of opposition to missile defense at the G8 summit, Beijing—concerned that Russia might once again capitulate to Washington's will as it did regarding the ABM Treaty—has taken a more assertive course in the debate by releasing a series of press commentaries and public statements criticizing the U.S. missile defense effort. The first official Chinese Foreign Ministry statement on the issue of missile defense in Europe was released at the dawn of the summit, when Foreign Ministry spokesman Jiang Yu told the media that the U.S. plan for Europe has attracted “some concern” and that “missile defense systems negatively impact strategic balance and stability and are detrimental to mutual trust among major powers and regional security [and] will also probably trigger new proliferation issues” (Xinhua, June 5). A pair of articles since the G8 summit indicates the degree to which the Chinese media position has swung in support of the government’s openly critical line.

First, on June 18, the People’s Liberation Army Daily published a scathing critique of the proposed U.S. system, stating that “vigorous U.S. development of antimissile defense systems is aimed at changing the ‘mutually assured destruction’ nuclear deterrent concept left over from the Cold War…by weakening the enemy’s nuclear missile deterrent, thus achieving ‘attack through defense.’” The article concludes that because U.S. efforts are pushing Russia to develop new offensive missile capabilities “that can pierce through any antimissile defense system,” U.S. efforts will ultimately be frustrated and “Europeans will become ‘hostages’ to the U.S. antimissile system.” The article concludes by predicting that the “summer breezes” at the then-upcoming Kennebunkport summit “will probably still be mixed with some whiffs of the Cold War” (Jiefangjun Bao, June 18).

The source of China’s increasingly critical pronouncements on the missile defense system in Europe is the perceived threat from U.S. missile defense ambitions in the Asia-Pacific and the risk that Russia will no longer lead the international campaign against the BMD system if the Azerbaijan plan happens to go through.

On June 21, the People’s Daily clearly laid out these concerns with an editorial headlined as “The Untimely Anti-Ballistic Missile System.” Observing that Washington’s plan in Europe has been matched by similar efforts in cooperation with Japan and Australia in Asia, the article observes that the ballistic missile defense also has “offensive” uses such as “accurately intercepting high-speed missiles attacking aircraft in flight and satellites in orbit.” The article argues that U.S. and allied efforts to build a missile defense system “simply reflects the U.S. mindset of intensifying the Cold War mentality” and “can neither help maintain regional security and stability nor enhance the mutual trust and cooperation between Asian-Pacific countries.” The article concludes on an ominous note, stating that missile defense “will intensify the distrust and feelings of alienation among countries and even pose a new issue of proliferation” (People’s Daily, June 21).

Playing Ball

The fairly sudden intensification in China’s rhetoric toward missile defense is explained in part by the understated decision that Beijing will be committed to space warfare and developing missile capabilities to leverage against U.S. and Taiwanese forces in the region for the foreseeable future.

The decision to commit itself to bolstering its missile forces is implicit in China’s official statements and media commentaries on missile defense, where the warning that U.S. efforts will result in instability and proliferation may be read as a threat. Indeed, in the one instance where proliferation has arguably been tied to missile defense, Chinese commentators have been exuberant over the challenge posed to U.S. missile defense capabilities. After Russia test-fired the RS-24 intercontinental ballistic missile (ICBM) in June—a weapon capable of carrying up to ten independently targetable warheads and was designed to replace a missile that Cold War planners code-named “Satan”—the People’s Daily reported that the most dangerous nuclear missile had “destroyed the myth” of U.S. missile defense and restored “strategic balance” between the two powers (People’s Daily, June 12).

Moreover, as Beijing has become vehemently critical of U.S. attempts to erect a missile defense system in Europe, it seems that China has also begun to make secondary, hardware preparations, should the United States either remain unconvinced about halting the deployment of the BMD system or decide to replicate a similar system in the Asia-Pacific. Western observers have noted that the technical parameters of China's January 11 ASAT missile test—the use of a phased array radar to guide a kinetic-kill vehicle toward a target traveling faster than an ICBM warhead during reentry—are similar to those of a ballistic missile intercept [1]. While surprising, China's attainment of such a sophisticated technological capability was first hinted at in November 2006 by the China Aerospace Science and Industry Corp.'s display of a conceptual ballistic missile defense system at the Zhuhai Air Show (Wen Wei Po, November 10, 2006).

Ashley Tellis, a scholar at the Carnegie Endowment for International Peace, notes that Beijing has determined that a robust missile and anti-satellite capability is essential to “counter the overall military capability of the United States” and to disable the “complex, exposed network of command, control, communications, and computer-based systems that provide intelligence [and] reconnaissance” to U.S. forces [2]. Tellis writes that because Chinese defense planners see the networked nature of American forces as their principle vulnerability, they are not likely to surrender their efforts to build stronger missile forces no matter what offers Washington makes to halt the weaponization of space. This logic has a corollary in the area of missile defense, where the ability to intercept Chinese missiles and protect critical U.S. and allied satellites and nodes is one of the greatest threats to China’s emerging military strategy.

Having recently dissected a series of doctrinal textbooks on campaign strategy published by China's National Defense University and distributed to its military academies and war colleges, defense analyst and former U.S. defense attaché in Beijing Larry Wortzel finds that, much like Russia, China is taking steps to overwhelm any U.S. missile defense system. Wortzel cites a group of Chinese military officers from the Second Artillery Command Academy who recently wrote that “guided missile forces are the trump card (sa shou jian) in achieving victory in limited high technology war” [3]. Another Chinese officer argues that in order for a guided missile attack to successfully destroy U.S. military capabilities, it is necessary to “neutralize enemy anti-missile systems and missile sensor systems,” leaving such critical assets as naval vessels and airfields vulnerable to attack [4].

Conclusion

While the Russo-American spat over missile defense has attracted the most attention in recent months, China has played a critical role in observing and attempting to undermine U.S. efforts in this field. Beijing’s effort to rapidly develop a broad range of theater missile strike capabilities that it will likely employ in a potential conflict—unlike Russia’s RS-24 Armageddon missile—certainly carries a tremendous risk of unintentionally escalating a Sino-American armed conflict to the level of nuclear war. As China develops its capabilities to blind U.S. surveillance, reconnaissance and intelligence assets with missile attacks, the temptation for the United States to respond in kind will increase, raising a new specter of conflict that is indeed reminiscent of the Cold War.

Notes

1. For an additional discussion of the technical aspects of the ASAT test and its similarities with a BMD system, see Ashley Tellis, “Punching the U.S. Military’s ‘Soft Ribs’: China’s Antisatellite Weapon Test in Strategic Perspective,” Carnegie Endowment for International Peace Policy Brief 51 (June 2007), 2-3 or Richard Fisher, Jr., "Two Cheers for the 2007 PLA Report," International Assessment and Strategy Center, June 20, 2007.
2. Tellis, "Punching the U.S. Military’s ‘Soft Ribs'" 2-3.
3. Ge Xinliu, Mao Guanghong, and Yu Bo, “Problems Faced by Guided Missile Forces in Information Warfare Conditions and Their Countermeasures,” (Xinxi zhan zhong daodan budui mianlin de wenti yu duici), in Military Science Editorial Group, Wo Jun Xixi Zhan Wenti Yanjiu, pp. 188-189 in
Larry Wortzel, “China’s Nuclear Forces: Operations, Training Doctrine, Command, Control, and Campaign Planning,” Strategic Studies Institute (May 2007), 13.
4. Nie Yubao, “Combat Methods for Electronic Warfare Attacks on Heavily Fortified Enemy Naval Formations” (Daji haishang di da jian jianting biandui de dianzi zhan zhanfa), in Military Science Editorial Group, Research on Questions about Information Warfare in the PLA (Wo Jun Xixi Zhan Wenti Yanjiu), Beijing: National Defense University Press, 1999, pp. 183-187 in Ibid., 12.
Título:
Enviado por: SSK em Agosto 07, 2007, 06:50:33 pm
Citar
Rússia e EUA em exercícios militares na Alemanha
A Rússia e os EUA vão realizar exercícios militares conjuntos na Alemanha, ainda este ano, apesar das fricções existentes entre os dois governos, em relação à instalação do escudo anti-míssil na Europa de Leste pelos norte-americanos, anunciou recentemente o chefe do departamento de acordos internacionais do Ministério de Defesa da Rússia. “Os exercícios Torgau 2007 vão realizar-se mas numa versão simplificada”, afirmou Yevgeny Buzhinsky.

Estes exercícios foram adiados o ano passado devido a desentendimentos entre os dois países quanto à organização do evento. Os últimos exercícios militares conjuntos tiveram lugar em 2005 e envolveram cerca de 160 militares.
2007/07/31
Título:
Enviado por: SSK em Agosto 28, 2007, 01:51:07 pm
Citar
Putin's Muscle Flexing: Bluff or Cold War Challenge?

By David Eshel

No matter what experts may say, Russia's growing assertiveness is already causing jitters in the West. The Shanghai Cooperation Organization (SCO), consisting of Russia, China and four Central Asian republics (Kazakhstan, Kyrgyzstan, Tajikistan and Uzbekistan), held its "Peace Mission 2007" joint war exercises in August, starting in the Chinese western province of Xinjiang and continuing it in Russia’s Ural region of Chelyabinsk. The military exercise, which followed the SCO’s annual summit in Kyrgyzstan earlier this month, represents a clear demonstration of the rising power tensions over the energy-rich Central Asian region.

 
If not enough to poke a finger in US President George Walker Bush's eye, Russian president Vladimir Putin took the opportunity to formally announce that Russia was restoring the ancient Cold War practice of long-range patrolling by nuclear-capable strategic bombers around the world. In fact, with Russia's nuclear bombers are now permanently airborne again and President Vladimir Putin loses no opportunity to strut the world stage and flex his country's military muscles. While the bombers did not pose any acute danger, Russian planes are old and perhaps not sufficiently maintained for prolonged operational sorties. Their crews, both pilots and ground crews are not as well trained and professionally proficient as in Soviet times. This creates a distinct possibility that before long there will be dangerous accidents.

Yet all the sound and fury can hardly disguise an essential fact: that far from being a rising power like China or India, Russia is already locked in a long-term decline. While at present, the high global oil prices give Russia's economy a temporary upsurge, with which Mr Putin can afford the necessary cash to display his military prowess- this may rapidly change, once oil prices decline again.

The age-old Achilles Heel is in Russia's national economy. Its near total dependence on oil and natural gas, is both dangerous and prone to political adventurism. To illustrate this, Russia's official GDP is approximately a mere$1.723 trillion compared to the huge US- $13 trillion! ( 2006 estimates). Moreover, While Mr Putin's sabre rattling raises new memories of the Cold War, today's overall strategic military situation does not even compare in the slightest with the Iron Curtain era.
In those days, until the late Eighties, Central Europe was a Russian fiefdom with Kremlin deploying no less than 18 armored divisions in the East Germany, projecting its military power toward the geographical centre of Europe. But today, by contrast, the former Soviet satellite states are fully independent and far from friendly to their former Kremlin mentors. Latvia, Estonia and Lithuania, once republics of the Soviet Union, are members of both the EU and NATO, which eastern border is now only a short drive from St Petersburg, one of Russia's most prestigious strongholds. These fundamental realities vividly betray Russia's essential strategic weakness.

Thus, Kremlin is trying to create a new strategic entity in Central Asia, where it believes that the United States, still embroiled in its Iraqi quagmire, is losing its former influence. The August military exercises are primarily meant to establish this image, but does it really impress those at which it is intended? It seems logical that the powers at be in Beijing will hardly throw in their lot with Putin's dangerous ambitions, which will certainly place them at loggerheads with Bush's strategic interests in South East Asia, before China becomes a real strategic regional power by itself.

But meanwhile the Russian military are not losing time to announce their new toys. Admiral Vladimir Masorin commander of the Russian Navy since 2005, said recently that Russia would resume building aircraft carriers in order to become a first-class naval power with a powerful ocean-going navy. But even Russian military analysts are refuting this kind of swaggering talk. Russian admirals have been pointing to a renewal of Moscow's naval presence in the Mediterranean Sea, dominated by the US Sixth Fleet and NATO (CINCUSNAVEUR) since the cold war era. Unofficial Russian sourced estimates speak of one carrier, five cruisers (two nuclear-powered), nine destroyers, and 12 ocean-going frigates which are considered to be operational, but naval experts estimate even these figures over optimistic. With such a small force already dispersed among four different naval commands, (Black, North, Baltic Sea and the Pacific Ocean fleets), it will be far from easy "to restore" a combat effective task force in the Mediterranean on "a permanent basis."

In the communist era Russia had built five aircraft carriers, all constructed at a shipyard in Nikolayev, Ukraine This shipyard is today politically unavailable to Russia and another option seems not in sight at the moment for the monumental task, which Admiral Masorin insinuates. According to naval experts, Russia simply cannot build a carrier, since it does not have a shipyard with a dock that can construct ships of such size. Moreover, of the five carriers in Soviet era arsenals, three of them have already been sold abroad as scrap. The only one retained by the Russian Navy, the Admiral Kuznetsov, which has turned out to be an inoperable wreck. Another embarrassing story concerns the fate of Russia's attempt to modernize the Class (Type 1143.5) Heavy Aircraft Carrying Cruiser Gorshkov. The $1.5 billion contract to modernize the Class (Type 1143.5) Heavy Aircraft Carrying Cruiser Gorshkov was signed in 2004, and the Indian Navy was hoping to get a fully operational carrier in 2008, complete with an air wing of MiG-29K jet fighters. In August this year, it was reported that the Sevmash Shipyards at Severodvinsk, in northern Russia, was unable to complete the Gorshkov on time and construction will not conclude before 2011! Sevmash Director General Vladimir Pastukhov was fired by the Kremlin for this debacle.

New and powerful missiles are part of a significant plan beefing up most of Russia's decadent weapons systems. The Bulava missile system will become a flagship project that Russian President Vladimir Putin has claimed piercing any Western missile shield. The decision to go ahead with production despite several test failures comes in the wake of a US-Russia concern over American plans to base 10 missile interceptors in Poland and radar installations in the Czech Republic, which the Russian president regards as a personal affront.

But that is not all. Russia's former pride in its fleet of missile submarines, has been reduced to a mere nine vessels. Although the first Russian fourth-generation strategic nuclear submarine the Project 955 or Borey -class Yury Dolgoruky, was launched during a special ceremony at a shipbuilding yard in northern Russia last April, the Navy has still not quite overcome the highly publicized and painful loss of the K-141 Kursk in August 2000.

According to Alexander Buturin, a presidential advisor on military-technical policy, Russia will invest about 170 billion rubles ($6,5bln) in the next eight to 10 years, in modernization of its shipyards. But while quite impressive, under present Russian economic conditions, this somewhat meager funding in global comparisons, would be totally insufficient to create a naval force of size and power, capable in confronting modern western naval forces already in service. In fact, with the bulk of the money, some 13 billion rubles, already earmarked for the construction of three Project 955 submarines would leave little or nothing for the Russian Navy's urgent technical equipment program modernization.

According to intelligence reports, the Russian strategic bomber fleet currently has operational aircraft stationed only at two major airbases, and the absence of an effective modern early warning system leaves the Russian aircraft almost completely vulnerable to a surprise attack. The same applies to the mobile launchers for Topol-M intercontinental ballistic missiles, which now hardly ever leave their hangars -- hangars which the Americans have constantly in their sights. In comparison, as of the beginning of the year, Russia had only 79 strategic bombers, according to data exchanged with the United States under the START I arms control treaty. At the peak of the Cold War, the Soviet long-range bomber fleet numbered several hundred. Even under the most optimistic conditions, money being no object, it might well take years until such a level of operational bomber fleet will become a real threat to western strategic air domination.

As for Russia's defense industry, the situation is not much better, if one glimpses behind the bombastic public relations stunts in air-and defense shows. None other than Lieutenant General Sergey Chemezov, head of Rosoboronexport, the Russian state defense export agency, recently painted a dramatic picture of the dismal state of his country's weapons industry. The majority of weapons manufacturers, says Chemezov, a close confidante of President Putin, are in a "difficult situation," with 75 percent of their production facilities obsolete. According to one study, one-third of Russia's arms manufacturers are "virtually bankrupt."

According to analysts in the know, although the Russian defense budget has almost quadrupled to its current level of $31 billion in the last six years, Kremlin uses its military spending "very ineffectively" when it comes to upgrading its equipment, says arms expert Ruslan Puchov. And, based on a study by GRU, the Russian military intelligence agency, about one-third of the country's military budget ends up lining the pockets of high-ranking officers and party bosses.

In comparison, US military spending is in a different league altogether. Since taking office in January 2001, US President George W. Bush has almost doubled the Pentagon budget. Russian Defense Minister Sergey Ivanov complained that the US defense budget is "25 times as large as Russia's." Just to name a single item, the US Navy plans to commission its 13th aircraft carrier very shortly! And even for a limited and still highly controversial ad-hoc project like MRAP, the Pentagon received immediate funding for over $ 20 billion, without a blink of the eye from Congress. Under such circumstances it seems highly unlikely that Moscow could, in the foreseen future, catch up with the United States technologically. Instead, the purpose of the planned modernization effort is probably aimed to polish the image of the Russian state and its decrepit military, not just domestically but mainly among allies and potential clients in the Middle East.

Moscow simply lacks the financial means to effectively challenge the Americans. "Russia's gross domestic product is only one-thirteenth of that of the United States," says Vladimir Ryzhkov, a member of the opposition in Russia's parliament, who regards Putin's aggressive rhetoric as an effort to impress Russian voters leading up to oncoming December parliamentary elections. The latest publicity stunt by Moscow in its dramatic submarine dive to plant the Russian flag on the seabed at the North Pole last week may have rattled Canadian politics and underscored the growing stakes as the ice cap melts in the oil-rich Arctic, but was primarily intended for local consumption. Sending some of its strategic bomber fleet flying above the North Pole only enhanced Putin's display of Russia's military muscle to the media.

Taking at its facts, there is no doubt Putin’s Russia has come a long way from the remnants of a crumbling empire that Yeltsin inherited and ran into the ground. And the timing of the renaissance – when superpower concerns are drowning in self-created war-against-terrorism quagmires – has been near perfect. Indeed, Putin’s Cold War reminiscent response to America’s missile defence system in Europe exposes the West’s growing limits and frustration at a come-again Russia.

oscow's decision to resume Cold War-style strategic bomber patrols confirms it has revived the political will and economic means to challenge US global dominance and NATO expansion with more than just rhetoric. Wether this strategy succeeds remains highly doubtful, however.

Indeed, Putin's gambit may well backfire on his strategic ambitions. With next year's US presidential elections looming near, the Republicans, based on present lack of public support, may lose, which will enter a Democratic president into the White House. But if Putin's provocations persist and emerge into a real cold war scenario arms race, it will not only jeopardize the democrat chances, but most probably retain a hard-line republican like John McCain, to "save America" from the "Bad Russian Bear". Vladimir Putin has already been regarded as Washington's "bad guy". Secretary of State Condoleezza Rice has never trusted Putin, being a former KGB agent, and influential Senator McCain has been persistently calling for a tougher stance on Moscow for years. Moreover, the US economy will surely benefit and flourish further, when its heavy industry once again receives top national priorities to win another inter-global arms race. This can hardly be Putin's aim, but perhaps the clocks in Moscow go different than in Washington?

 
Título:
Enviado por: SSK em Agosto 31, 2007, 08:02:32 pm
Citar
Azerbaijão, EUA e Rússia discutirão uso do radar de Gabalá
31/08 - 11:26 - EFE

Baku, 31 ago (EFE) - Analistas de Azerbaijão, Rússia e Estados Unidos se reunirão no dia 15, em Baku, para discutir a utilização conjunta da estação de radar de Gabalá, situada perto da fronteira do Irã, anunciou hoje o vice-primeiro-ministro russo, Serguei Naryshkin.

"Especialistas dos três países se reunirão em 15 de setembro, em Baku, e este trabalho comum deverá esclarecer as perspectivas do uso conjunto da estação de Gabalá, e, em geral, do desenvolvimento da defesa antimísseis", afirmou Naryshkin na capital azerbaijana.

Naryshkin disse à imprensa que havia discutido o assunto com o presidente do Azerbaijão, Ilham Aliyev, e agradeceu a posição de Baku, que aluga o radar para a Rússia e que aceitou seu uso conjunto com os Estados Unidos.

Em junho, o presidente russo, Vladimir Putin, propôs aos EUA usar de forma conjunta o radar de Gabalá, para superar as divergências surgidas entre os dois países devido aos planos americanos de instalar componentes do sistema de Defesa Nacional contra Mísseis americano no Leste Europeu, perto das fronteiras russas.

Os Estados Unidos ainda não responderam à proposta russa de usar de maneira conjunta o radar de Gabalá e outro que está sendo construído pela Rússia em Arzamas, ao lado do Mar Negro, mas as duas partes conversaram em julho, em Washington, e realizarão outra rodada de discussões em setembro, em Moscou.

Washington não descarta o uso conjunto de Gabalá, mas nega que esta seja uma alternativa a seu plano de instalar um radar em Praga e foguetes interceptores no território polonês para se defender de possíveis ataques com mísseis de países como o Irã.

O radar permite detectar e calcular a trajetória e os alvos de mísseis provenientes do Irã ou do Iraque, assim como mísseis balísticos e de cruzeiro lançados de bombardeiros, navios e submarinos americanos.

A estação de radares de Gabalá foi colocada em serviço em 1985, e suas capacidades técnicas permitem controlar praticamente todo o hemisfério sul, já que seu alcance é de 6 mil quilômetros, mas não serve para guiar foguetes interceptores. EFE fg-si db/dgr
Título:
Enviado por: André em Outubro 31, 2007, 03:49:15 pm
Gorbachov exorta Washington e Moscovo a não «jogarem» com armas nucleares

Citar
O ex-presidente soviético Mikhail Gorbachov criticou hoje os Estados Unidos e a Rússia por terem parado com o processo de desarmamento nuclear e por retomarem os «jogos» com as armas atómicas.

«O desarmamento foi parado, começaram novos jogos com as armas nucleares, que voltam a converter-se em armamento de primeiro ataque» , disse Gorbachov ao receber na residência do embaixador de Itália em Moscovo um prémio da Federação Mundial de Cientistas.

O último líder soviético, um dos promotores do processo de desarmamento atómico e do fim da Guerra Fria, disse que «os primeiros a mudar a sua estratégia foram os americanos, e depois também a Rússia se juntou a essa política».

Gorbachov aludiu assim aos planos de Washington de instalar interceptores na Polónia e um radar na República Checa, perto das fronteiras russas, para fazer frente a um eventual ataque de países como o Irão, e à ameaça de Moscovo de responder com a sua saída do tratado que proíbe os mísseis de curto e médio alcance e outros acordos de desarmamento.

«Tudo o que sei, toda a minha experiência de vida, - e estou quase a completar 77 anos - permite-me insistir que não devemos deixar-nos provocar mas antes ser um exemplo de uma política de paz» , salientou.

Simultaneamente, qualificou de «responsável» a posição do presidente russo, Vladimir Putin, pela sua promessa de não envolver a Rússia numa «nova corrida aos armamentos», segundo a Agência Interfax.

«Também nos Estados Unidos há muitas pessoas, desde políticos a cientistas passando pelos cidadãos, que estão muito preocupados com a situação actual e que partilham a opinião de que devemos desfazer-nos das armas nucleares» , salientou.

Lusa / SOL
Título:
Enviado por: Doctor Z em Novembro 02, 2007, 09:45:56 pm
Pobre tontos, querem ter tudo mas um dia vai mesmo correr mal e quem
vai pagar somos nós que estamos no meio. Que podemos fazer? Seria a
UE de proibir de instalar mais armamento americano no seu território.
É como se a França concentra-se misseis em Estrasburgo para proteger o
seu território... Como veria isso a Alemanha? Não será uma provocação
disfarçada?

Quanto mais o tempo passa e mais o governo americano anoja-me porque
não tem limites a usar para por a mão em tudo... Pobre de nós... :roll:
Título:
Enviado por: Lancero em Fevereiro 08, 2008, 10:34:58 pm
Citar
Rússia: Putin denuncia nova corrida aos armamentos provocada por NATO e EUA

Moscovo, 08 Fev (Lusa) - O Presidente da Rússia, Vladimir Putin, declarou hoje que se está a desenvolver no mundo uma nova espiral da corrida aos armamentos, acusando a NATO e os Estados Unidos de estarem na origem do processo.  

     

    "Isso não depende de nós, não fomos nós que a iniciámos. Nós cumprimos tudo o que foi acordado. Liquidámos as bases em Cuba e no Vietname, e o que recebemos? Novas bases americanas na Roménia e Bulgária. Alguns parceiros da NATO nem sequer ratificam alguns documentos, não os cumprem, exigindo de nós o cumprimento unilateral", disse Putin, numa sessão alargada do Conselho de Estado da Rússia.  

     

    Trata-se da primeira sessão do Conselho de Estado da Rússia transmitida em directo pelos dois canais públicos de televisão, o que é visto por alguns analistas como mais uma acção da campanha eleitoral para as eleições presidenciais de 02 de Março.  

     

    "Os países desenvolvidos, apoiando-se na supremacia tecnológica, canalizam enormes meios, muito superiores às nossas despesas, para a criação de novos armamentos defensivos e ofensivos", assinalou perante mais de 700 pessoas no Kremlin.  

     

    O dirigente russo defendeu a necessidade do seu país elaborar uma nova estratégia de segurança tendo em conta as ameaças existentes.  

     

    "Para reforçar a segurança nacional é necessário uma nova estratégia de organização das forças armadas até 2020", sublinhou e acrescentou ser "preciso fabricar novos tipos de armamentos com o emprego de tecnologias de ponta, mas as despesas devem ser adequadas".  

     

    Porém, Vladimir Putin defendeu que a Rússia não se deve deixar envolver numa nova corrida aos armamentos, que esgote economia e recursos.  

     

    "Deus deu-nos riquezas naturais. Como resultado, temos de enfrentar cada vez mais novas manifestações da política de contenção, mas por detrás de tudo isso está, frequentemente, o desejo de nos impor concorrência desonesta e garantir o acesso aos nossos recursos", considerou.  

     

    Nestas condições "é importante conservar firmeza nas avaliações e sangue frio, não nos deixar envolver num confronto dispendioso", disse.  

     

    Putin sublinhou que não vê da parte dos parceiros ocidentais vontade de encontrar um compromisso quanto ao Tratado sobre Forças Convencionais na Europa.  

     

    No plano da política interna, o chefe de Estado russo fez um balanço dos oito anos na presidência, no qual sublinhou ter conseguido travar o separatismo, dominar os "grupos oligárquicos" e alcançado êxitos económicos consideráveis.  

     

    "Nos últimos oito anos, a economia russa registou taxas de crescimento muito acima das alcançadas nos finais dos anos 1990 e entrou no grupo das sete principais economias mundiais" (G-7, Alemanha, França, Itália, Reino Unido, Canadá, Estados Unidos e Japão), declarou.  

     

    Segundo Putin, "nos oito anos multiplicaram-se por sete os investimentos estrangeiros na economia russa. No período anterior, a saída líquida de capitais foi entre dez e 20 mil milhões de dólares, chegando, em alguns anos, a 25 mil milhões" de dólares (17,3 mil milhões de euros).  

     

    "Em 2007, a entrada líquida de capitais alcançou o seu máximo histórico e totalizou 82,3 mil milhões de dólares. A capitalização do mercado russo cresceu 22 vezes em relação a 1999. Em 2007, o PIB (Produto Interno Bruto) russo chegou aos 1.330 milhões de rublos. Quanto a este indicador, a Rússia deixou para trás o México, Brasil e Coreia do Sul", sublinhou.  

     

    A menos de um mês das eleições presidenciais, Vladimir Putin traçou um programa ambicioso de reformas até 2020, o que é visto por alguns analistas como um sinal dado pelo actual Presidente russo de que irá continuar nas esferas do poder.  

     

    Durante a campanha eleitoral, Putin anunciou que iria dirigir o Governo russo se Dmitri Medvedev for eleito seu sucessor no Kremlin.  

     

    "O desenvolvimento do homem será o objectivo fundamental e a condição indispensável do progresso da sociedade moderna", declarou Putin, sublinhando que "em 2002, pelo menos de 60 a 70 por cento da população deverá pertencer à classe média e a diferenciação de rendimentos deverá diminuir".  

     

    O Presidente Putin anunciou as três tarefas fundamentais para colocar a Rússia entre as principais potências económicas mundiais: "a economia das possibilidades iguais para todos", "a formação de motivação para o desenvolvimento inovador" e "a garantia do crescimento económico à custa do aumento da produtividade do trabalho".  

     

    "No fim de contas, a Rússia deve transformar-se num dos centros financeiros mundiais. As reservas de ouro do país atingiram os 484 mil milhões de dólares", afirmou Putin.  

     

 
Título:
Enviado por: André em Fevereiro 08, 2008, 10:51:12 pm
Citação de: "Lancero"
Rússia: Putin denuncia nova corrida aos armamentos provocada por NATO e EUA

Liquidámos as bases em Cuba e no Vietnam, e o que recebemos? Novas bases americanas na Roménia e Bulgária.


Sairam de Cuba e do Vietnam porque quiseram, o senhor Putin que culpe o Gorbachev ou o Yeltsin e não o Ocidente por isso ...   :roll:
Título: Re: 2ª Guerra Fria?
Enviado por: Edu em Setembro 19, 2012, 04:05:52 pm
Rússia expulsa agência americana acusada de interferir com a política interna do país

19.09.2012 - 11:25 Por PÚBLICO, com agências

Citar
A Rússia acusou a agência norte-americana para o desenvolvimento internacional (USAID, na sigla em inglês) de utilizar a sua missão em Moscovo para interferir com a política interna do país, nomeadamente junto de políticos críticos ao Governo. A USAID tem até 1 de Outubro para cessar as suas actividades no país.


“A decisão foi tomada, em primeiro lugar, porque o trabalho dos responsáveis da agência no nosso país esteve longe de corresponder aos objectivos declarados para facilitar o desenvolvimento da cooperação humanitária bilateral”, afirma o Ministério russo dos Negócios Estrangeiros num comunicado tornado público esta quarta-feira.

O gabinete do chefe da diplomacia de Moscovo acusa a USAID de “tentar influenciar os processos políticos, incluindo eleições de vários tipos e instituições da sociedade civil, através da distribuição de subsídios”, sublinhando que o país não necessita de “direcções externas”. Nesse sentido, a missão dos Estados Unidos deve cessar as suas actividades no país a 1 de Outubro.

A Rússia torna assim pública e oficial uma decisão que já tinha sido comunicada a Washington. O Departamento de Estado norte-americano, que tutela a agência norte-americana para o desenvolvimento internacional, informou esta terça-feira que foi “recentemente informado” por Moscovo de que a USAID deve cessar todas as suas actividades no país.

Após a queda da União Soviética em 1991, a USAID disponibilizou 2,7 mil milhões de dólares (cerca de 2 mil milhões de euros) à Rússia para que fossem aplicados em projectos como a luta contra a sida ou a protecção do ambiente, tendo ainda avançado com apoio financeiro a associações políticas e de defesa dos direitos humanos.

Entre as estruturas que receberam o apoio da agência destaca-se a organização não-governamental Golos, que em 2011 denunciou irregularidades nas eleições legislativas russas. Este escrutínio suscitou uma troca acesa de palavras entre Moscovo e Washington, com os Estados Unidos a criticarem a organização das eleições e o Presidente Vladimir Putin a acusar a diplomacia norte-americana de encorajar as contestações ao processo eleitoral através de meios associativos.
 
Título: Nova Guerra Fria
Enviado por: nelson38899 em Fevereiro 21, 2015, 02:04:17 pm
(https://www.forumdefesa.com/forum/proxy.php?request=http%3A%2F%2Fi.dailymail.co.uk%2Fi%2Fpix%2F2015%2F02%2F20%2F25E2F7EE00000578-2961643-image-a-18_1424473117355.jpg&hash=d04d1016a31d4f05f138411512e73583)

(https://www.forumdefesa.com/forum/proxy.php?request=http%3A%2F%2Fi.dailymail.co.uk%2Fi%2Fpix%2F2015%2F02%2F19%2F25D8BA4C00000578-0-image-a-31_1424385767087.jpg&hash=ab5420a9c24f59a9520a142e99ce4c60)

http://www.dailymail.co.uk/news/article-2961643/Russia-tensions-trigger-war-Britain-s-NATO-commander-warns-Soviet-style-tactics-pose-existential-threat-being.html?ito=social-facebook
Título: Re: 2ª Guerra Fria?
Enviado por: RicardoL em Fevereiro 22, 2015, 03:57:32 pm
Isso porque os ingleses são a segundo (ou terceira) força mais poderosa da OTAN. Se eles não tem chance contra Rússia imaginem o resto. Viva a austeridade alemã! :lol:  :lol:
Título: Re: 2ª Guerra Fria?
Enviado por: HSMW em Fevereiro 22, 2015, 04:19:26 pm
Isso depende de muita coisa.
E se os britânicos também contassem  para os números com toda a sucata de Centurion, Chieftain, Challanger I, Harrier e Tornados a disparidade podia já não ser tanta em alguns campos...
Título: Re: 2ª Guerra Fria?
Enviado por: Toni87 em Fevereiro 26, 2015, 05:14:51 pm
http://www.rtp.pt/noticias/index.php?ar ... &visual=61 (http://www.rtp.pt/noticias/index.php?article=807814&tm=7&layout=122&visual=61)
Título: Re: 2ª Guerra Fria?
Enviado por: olisipo em Abril 11, 2015, 12:18:01 am
Ministros nórdicos anuncian cooperação contra a ameaça russa


Citar
Os ministros da Defesa de quatro paises nórdicos -Dinamarca, Suécia, Noruega e Finlândia- e o ministro do Exterior da Islândia *  publicaram hoje (10) um artigo conjunto anunciando a ampliaćão da cooperação militar entre as cinco nações. O artigo é uma reação à crescente atividade russa na região. (...) O texto menciona a anexação da Crimeia como uma violação à lei e a otros acordos internacionais e enfatiza que a conduta da Rússia representa atualmente "o maior desafio à segurança da Europa". Continua: Exame (http://http)

* Suécia, Finlândia e  Islândia não são membros da NATO.
Título: Re: 2ª Guerra Fria?
Enviado por: olisipo em Abril 11, 2015, 10:50:27 am
Nordics-Russia tit-for-tat escalates


http://theforeigner.no/pages/news/nordi ... escalates/ (http://theforeigner.no/pages/news/nordics-russia-tit-for-tat-escalates/)
Título: Re: 2ª Guerra Fria?
Enviado por: FranciscoDuarte em Abril 30, 2015, 08:26:57 pm
Segundo a Marinha Finlandesa, um submarino não-identificado teria entrado nas suas águas. As suspeitas recaem sobre a Rússia, e deve-se recordar que Helsínquia e Moscovo possuem um passado conturbado e um presente cheio de suspeitas.


http://pt.blastingnews.com/internaciona ... 72527.html (http://pt.blastingnews.com/internacional/2015/04/finlandia-abriu-fogo-sobre-um-submarino-nao-identificado-00372527.html)
Título: Re: 2ª Guerra Fria?
Enviado por: FranciscoDuarte em Maio 04, 2015, 09:08:15 pm
Com as tensões no Leste da Europa a aumentarem novamente, a NATO prossegue com as mobilizações e os exercícios, esperando dissuadir novos avanços russos. A Finlândia também toma novas iniciativas de defesa, e é credível que as forças armadas desse país estejam a aproveitar toda a situação para justificar aumentos no orçamento.


http://pt.blastingnews.com/internaciona ... 78495.html (http://pt.blastingnews.com/internacional/2015/05/nato-exercicio-anti-submarino-iniciado-dias-apos-incidente-na-finlandia-00378495.html)
Título: Re: 2ª Guerra Fria?
Enviado por: HSMW em Junho 14, 2015, 09:57:45 pm
Título: Re: 2ª Guerra Fria?
Enviado por: olisipo em Junho 15, 2015, 01:14:15 pm
Poland is Negotiating with US to Station American Weaponry on its Soil

(https://www.forumdefesa.com/forum/proxy.php?request=http%3A%2F%2Fasecforum.org%2Fwp-content%2Fuploads%2F2014%2F10%2FRTR3MCTS.jpg&hash=d82320769edaa0a56dde63c70be6726f)

A Polish soldier stands on US, Polish and NATO flags ahead of military exercises in Swidwin, northwestern Poland

http://www.voanews.com/content/us-russia/2821140.html (http://www.voanews.com/content/us-russia/2821140.html)

Citar
Poland said Sunday it is negotiating with the United States to permanently station heavy American military weaponry inside its borders, part of a US plan under consideration to bolster its presence in Eastern Europe and the Baltic states to deter possible Russian aggression (...)

Meanwhile, US marines have been deployed for the first time with Boeing MV-22B Osprey tiltrotors to Romania in support of multilateral exercises.

Título: Re: 2ª Guerra Fria?
Enviado por: olisipo em Junho 15, 2015, 04:48:43 pm


Sweden denounces Russia's 'Very Dangerous' Airspace Provocation

http://www.defensenews.com/story/defens ... n/71219618 (http://www.defensenews.com/story/defense/show-daily/paris-air-show/2015/06/14/swedish-air-chief-denounces-russian-provocation/71219618)

Citar
Sweden Air Force's chief denounced yesterday provocative tactics used by Russian pilots in the Baltic region as  "very dangerous" and said Swedish Air Force countermeasures, including scrambles and sensor use, are up 50 percent in the last two years. (...) "After Crimea and Ukraine, the million dollar question is 'What next'?", said Maj. Gen. Micael Byden (...) "I grew up with it, but it is unpredictable and I don't like the development, he said. (...)
Título: Re: 2ª Guerra Fria?
Enviado por: olisipo em Junho 15, 2015, 06:31:25 pm
(https://www.forumdefesa.com/forum/proxy.php?request=http%3A%2F%2Fcdn1.img.mundo.sputniknews.com%2Fimages%2F103836%2F01%2F1038360184.jpg&hash=4bfd5b95994eb2dad48ebb616184f7b3)

Rusia previene oficialmente a Estados Unidos de emplazar armas junto a sus fronteras

http://mundo.sputniknews.com/seguridad/ ... 58731.html (http://mundo.sputniknews.com/seguridad/20150615/1038358731.html)

http://mundo.sputniknews.com/prensa/201 ... 21888.html (http://mundo.sputniknews.com/prensa/20150615/1038321888.html)

Citar
El Ministerio ruso de Exteriores ha alertado hoy a Washington de emplazar armas pesadas en Europa del Este para no torpedear el fundamento de las relaciones entre Rusia y la OTAN.

La nota dice que aumenta el riesgo de que la estrategia militar de Estados Unidos adquiera una inercia difícil de controlar e insta a "frenar la deriva de Europa hacia un nuevo antagonismo bélico, que podría tener graves consecuencias".

En una nota publicada esta tarde se afirma que Washington "caldea la atmósfera  y fomenta fobias anti-rusas con el objetivo de utilizar el momento complejo para aumentar su presencia militar -y como resultado su presencia en Europa".

Previamente, el Ministerio de Defensa de Rusia anunció el despliegue de misiles tácticos Iskander M en la provincia de Kaliningrado, lo que parece ser una respuesta ante los planes del Pentágono de enviar armamento pesado a Europa del Este, escribe este lunes Nevazisimaya Gazeta.

El despliegue de los Iskander M en Kaliningrado, enclave ruso en la región báltica, deberá finalizar antes de 2018, según el general mayor Mijáil Matvéyevski, comandante de las Tropas de Misiles y Artillería del Ejército de Tierra de Rusia, al que cita el diario.(...)

 [En septiembre próximo] en la provincia rusa de Pskov, en el noroeste del país, tendrá lugar el simulacro conjunto Cooperación 2015 de los países del Tratado de Seguridad Colectiva, integrado por Armenia, Bielorrusia, Kazajistán, Kirguistán, Rusia y Tayikistán, indica Nevazisimaya . (...)
Título: Re: 2ª Guerra Fria?
Enviado por: olisipo em Junho 16, 2015, 06:27:43 pm
.
Ameaça de Putin.

 :arrow: http://rt.com/news/267514-putin-ballist ... iles-army/ (http://rt.com/news/267514-putin-ballistic-missiles-army/)
Título: Re: 2ª Guerra Fria?
Enviado por: olisipo em Junho 17, 2015, 10:44:21 am

 :arrow:   As Vladimir Putin Talks More Missiles and Might, Costs Tell Another Story

http://www.nytimes.com/2015/06/17/world ... .html?_r=0 (http://www.nytimes.com/2015/06/17/world/europe/putin-40-new-missiles-russian-nuclear-arsenal.html?_r=0)
Título: Re: 2ª Guerra Fria?
Enviado por: olisipo em Junho 17, 2015, 10:01:28 pm
(https://www.forumdefesa.com/forum/proxy.php?request=http%3A%2F%2Fsgcunionradio.infotech-corp.com%2FMultimedia%2FImagen%2F2013%2F02%2FYuriUshakov12102349.jpg&hash=14f643bcd979042c2e67db6cb7c4988f)

O Kremlin não quer entrar em uma corrida armamentista, segundo um assessor de Putin

Yuri Ushakov, assessor do presidente russo, disse hoje que a Rússia não quer entrar em uma corrida armamentista. "Rússia quer com determinados meios reagir a determinadas ameaças, mas sem ir além" acrescentou. "Nós somos contrários a qualquer corrida armamentista, pois isto fragilizaria nossa capacidade económica", completou.

De acordo com analistas,  a corrida armamentista durante a Guerra Fria, que provocou investimentos gigantescos dos Estados Unidos e da União Soviética, foi uma das causas da asfixia da URSS e do seu fim. Nos últimos cinco anos, a Rússia dobrou o orçamento militar, que hoje representa 21% do orçamento total, segundo o Instituto Gaidar (http://http), um centro de estudos independente.

http://rt.com/politics/267796-russia-ushakov-arms-race/ (http://rt.com/politics/267796-russia-ushakov-arms-race/)
Título: Re: 2ª Guerra Fria?
Enviado por: olisipo em Junho 19, 2015, 10:18:14 am
Título: Re: 2ª Guerra Fria?
Enviado por: olisipo em Junho 20, 2015, 12:02:15 am
(https://pbs.twimg.com/media/CHTzab5WcAAlcX2.jpg)

Russia warns Sweden it will face military action if it joins Nato

http://www.independent.co.uk/news/world ... 31397.html (http://www.independent.co.uk/news/world/europe/russia-warns-sweden-it-will-face-military-action-if-it-joins-nato-10331397.html)

Citar
Russia would take "military countermeasures" if Sweden were to join Nato, according to the Russian ambassador.

 In an interview with Swedish newspaper Dagens Nyheter, Viktor Tatarinsev warned against joining the Nato alluiance, saying it would be "consequences"

Decrying what he called "aggressive ppropaganda campaign", by the media,  Tatarintsev stressed that "Sweden was not a target for our armed forces".

But with a recent surge of Swedish support for joining  Nato, the ambassador said: "If it it happens it  will have consequences, that Russia will have to resort to a response of the military kind, and reorienate our troops and missiles" (...)
Título: Re: 2ª Guerra Fria?
Enviado por: olisipo em Junho 24, 2015, 07:31:04 pm
(https://www.forumdefesa.com/forum/proxy.php?request=http%3A%2F%2Fcdn.itar-tass.com%2Fwidth%2F744_b12f2926%2Ftass%2Fm2%2Fen%2Fuploads%2Fi%2F20150622%2F1097378.jpg&hash=ff2a88598cdbddad066ba3b3c4593c57)

NATO approves military upgrades to aid alliance members
● It orders an increase of the Alliance Response force from 13,000 to 40,000
● It rejects charges that it is engaging in a arms race with Moscow

http://www.nato.int/cps/en/natohq/news_120993.htm (http://www.nato.int/cps/en/natohq/news_120993.htm)
Citar
[Nato] Defence Ministers on Wednesday (24 june 2015) took key decisions on strengthening the Alliance's collective defence, including by increasing the strength and capability of the Nato Response Force. (...)

Nato Defence ministers decided on air, maritime and special forces components of the enhanced Nato Response Force (NRF). The NRF will now consist of up to 40,000 personnel - a major increase of the previous level of 13,000.(...)

Allies finalized details on the six small headquarters being set up in Bulgaria, Estonia, Latvia, Lithuania, Poland and Romania. (...)

"We are carefully assessing the implications of what Russia is doing, including its nuclear activities", the Secretary General said. (...) "We do not seek confrontation, and we do not want a new arms race", Mr. Stoltenberg said. (...)

He further welcomed the announcement by US Secretary of Defense, Ash Carter, on the pre-positioning of equipment and enablers in Europe, calling it proof of a "truly transatlantic effort to reinforce our collective defence" (...)
Título: Re: 2ª Guerra Fria?
Enviado por: olisipo em Junho 25, 2015, 03:03:47 pm
(https://www.forumdefesa.com/forum/proxy.php?request=http%3A%2F%2Fphotocdn1.itar-tass.com%2Fwidth%2F744_b12f2926%2Ftass%2Fm2%2Fen%2Fuploads%2Fi%2F20150625%2F1097709.jpg&hash=17836222bb98e8bfbd4a9560554b503f)

Russia has no aggressive plans but Army's consistent development will continue - Putin

http://tass.ru/en/russia/803871 (http://tass.ru/en/russia/803871)
Citar
Russian President Vladimir Putin has said that Russia has not aggressive plans and poses no threat to anyone in the international scene, adding that Moscow is trying to resolve all disputable issues exclusively by political means.  (...)

Putin  said at the solemn ceremony in honor of graduates of higher military educational institutions (that) on the other hand  Russia will continue to develop its Armed Forces, because the strong Army guarantees the country's sovereignty in the conditions of current risks, including at Russia's borders.(...)

Putin added that Russia's strategic nuclear forces and aerospace defence units were being actively reinforced, and the combat potential of practically all types of troops had grown significantly. In accordance with the State Armaments Program, the military arsenals are replenished with state-of-art weapons and equipment,  aircraft, submarines and surface vessels.

 Supplies of high-precision weapons, combat robots and unmanned aerial vehicles, which were displayed at the Army 2015 forum, have grown.
Título: Re: 2ª Guerra Fria?
Enviado por: olisipo em Junho 27, 2015, 08:48:56 am
(https://www.forumdefesa.com/forum/proxy.php?request=http%3A%2F%2Fcdn1.img.mundo.sputniknews.com%2Fimages%2F103874%2F17%2F1038741762.jpg&hash=5dac635519bae872f9a66b966ef4766b)

Gobierno de Moscú: acciones de la OTAN cerca de "punto de no retorno"

http://mundo.sputniknews.com/rusia/2015 ... 40588.html (http://mundo.sputniknews.com/rusia/20150627/1038740588.html)
Citar
La expansión de la OTAN en el Este de Europa bajo el pretexto de un comportamiento agresivo de Rusia pone en peligro las relaciones entre la Alianza y Moscú, se desprende de un comunicado del Ministerio ruso de Exteriores.

"La retórica hostil e hipócrita (de la OTAN) va acompañada cada vez más de argumentos militares, que evidencian la intención de hacer irreversibles los pasos de la Alianza", dice la nota al comentar los resultados de la reunión de los ministros de Defensa de la OTAN, celebrada el 24 y el 25 de junio.

 Moscú considera inadecuado el rumbo al dominio militar en Europa, que los aliados reafirmaron en la cumbre de Gales del pasado septiembre.

"Una vuelta tan obvia de Estados Unidos y sus aliados a la lógica de la Guerra Fría, susceptible de provocar una escalada de tensiones y una carrera armamentista, puede envenenar por mucho tiempo el ambiente en el continente europeo", alerta la Cancillería. (...)
Título: Re: 2ª Guerra Fria?
Enviado por: olisipo em Junho 28, 2015, 07:16:57 pm
(https://www.forumdefesa.com/forum/proxy.php?request=http%3A%2F%2Fimg.rt.com%2Ffiles%2Fnews%2F1f%2F9c%2F60%2F00%2Frian_01441135.hr.en.si.jpg&hash=1bdc897ce5895c6258c804a119ad9a8c)

La OTAN no invade Rusia por temor a sus armas nucleares, dice legislador ruso

http://mundo.sputniknews.com/seguridad/ ... 64678.html (http://mundo.sputniknews.com/seguridad/20150628/1038764678.html)

Citar
La OTAN no atacará a Rusia no por su "espíritu pacífico", sino porque el país eslavo dispone de armas nucleares, opina el jefe del Comité para Asuntos Internacionales de la Duma de Estado (Cámara Baja del Parlamento ruso), Alexéi Pushkov. (...)

"En los últimos 16 años Estados Unidos y los países de la OTAN libraron guerras en Yugoslavia, Afganistán y Libia y estaban a punto de empezar (una guerra) en Síria y ¿eso se llama amor por la paz?", preguntó el legislador ruso.

Anteriormente, se comunicó que el Distrito Militar Oeste recibirá hasta finales del año en curso sistemas de defensa antiaérea Pantsir-S y las lanzaderas de misiles antiaéreos S-400 Triumf.
Título: Re: 2ª Guerra Fria?
Enviado por: HSMW em Julho 07, 2015, 02:15:54 am
NATO’s Readiness Action Plan
3:07 - don't mess with NATO
 :roll:
Título: Re: 2ª Guerra Fria?
Enviado por: olisipo em Julho 16, 2015, 03:30:45 pm
(https://www.forumdefesa.com/forum/proxy.php?request=http%3A%2F%2Fphotocdn1.itar-tass.com%2Fwidth%2F744_b12f2926%2Ftass%2Fm2%2Fen%2Fuploads%2Fi%2F20150716%2F1099751.jpg&hash=ca8f3d45f8c2c54b3fda289b4be6d405)

In the second quarter of 2015 Russia's Land Forces and Airborne Forces have
received more than 4,500 main weapons and military equipment pieces

http://tass.ru/en/russia/809092 (http://tass.ru/en/russia/809092)
 
Citar
Russian President Vladimir Putin has held on Thursday the single day of acceptance of military products. The country's Land Forces and Airborne Forces have received 4,500 pieces of military equipment.

According to the Defense Ministry, the overall share of modern equipment and weapons systems in the Russian Armed Forces has increased. "At the moment, this figure ranges from 30,5% to 70,7%. Thus, the advanced equipment supply criterion of 30% for 2015 defined by the 'May Decrees' of the Supreme Commander-in-Chief has been complied with",  the ministry materials say.

 "In the second quarter of 2015, the Land Forces and Airborne Forces have received more than 4,500 main weapons and military equipment pieces", according to the documents  (...)
Título: Re: 2ª Guerra Fria?
Enviado por: HSMW em Julho 25, 2015, 02:06:45 pm
Os polacos até já estão a preparar as suas equipas de airsoft para enfrentarem os russos.  :roll:
Título: Re: Guerra Fria II
Enviado por: NVF em Fevereiro 08, 2016, 07:03:53 pm
Russia Announces Surprise Military Drills in South

http://www.nytimes.com/2016/02/09/world/europe/russia-announces-surprise-military-drills-in-south.html (http://www.nytimes.com/2016/02/09/world/europe/russia-announces-surprise-military-drills-in-south.html)

Citar
MOSCOW — Russia’s Defense Ministry announced a surprise military exercise on Monday that ordered troops garrisoned throughout the nation’s southern region to full combat readiness, a move that appeared intended to unnerve neighbors.

State television showed pilots clambering into their airplanes in snowy airfields and officers unfurling maps and speaking on telephones. The exercise began at 5 a.m.

“From that moment, we began our surprise check of the military preparedness in the southwest strategic direction,” Sergei K. Shoigu, the defense minister, said in comments carried on state television.

The military said the training was needed to test the military’s readiness to rebuff a foreign attack or help in a natural disaster in southern Russia.

The training put on alert troops in Russia’s southern military district, an area that includes the stretch of border with separatist regions in eastern Ukraine.

Military transport pilots and airborne troops elsewhere would also take part, as would sailors in the Black Sea Fleet and Caspian Sea flotilla, the Defense Ministry announcement said.

The ministry has ordered surprise maneuvers over the last three years as tensions between the East and West have worsened. The maneuvers have at times come as combat escalated in Ukraine and Syria.

The latest exercises came at the start of a week of planned talks with Russia, Ukraine, France and Germany on carrying out a peace accord in eastern Ukraine, and could strengthen Russia’s hand in those negotiations.

Also in the prelude to the talks, skirmishing along the line of control separating Russian-backed rebels and Ukrainian government forces has escalated in recent days. Ukraine’s military, for example, reported 61 artillery or sniper attacks on its positions on Sunday.

The exercises were ordered a week after Obama administration officials disclosed plans to substantially increase deployment of heavy weapons, armed vehicles and other equipment to NATO countries in Central and Eastern Europe, in what was clearly a message to Russia.

The southern district’s armored vehicles include about 400 tanks, many of a type also commonly seen on both sides in the conflict in Ukraine, the T-72, the Gazeta.ru news portal reported.

With Russia now at odds with Turkey over the downing of a Russian warplane near the Syrian border on Nov. 24, Gazeta.ru cited a military analyst saying the air and naval maneuvers were intended to send “a little signal” to the Turks.

The air force in the southern military district, the report said, flies a range of fighter and bomber jets also flown in Syria — suggesting that they might easily be deployed there. These include the Sukhoi Su-30M Flanker, a dogfighter, and the Su-25 Frogfoot, a ground-attack jet.

In the war in Syria, where a government offensive with backing from Russia’s air force has nearly encircled the opposition-controlled districts of Aleppo, Russia has deployed forces under the designation of training.

Last summer, the Defense Ministry announced an exercise of its military air transport fleet that coincided with the airlift of about 2,000 troops to a base outside Latakia, Syria.

Russia’s military maneuvers are ramping up to levels unseen since the end of the Cold War, according to a report released last week by Jens Stoltenberg, the secretary general of NATO. Russia has held 18 major military exercises in the last three years.
Título: Re: Guerra Fria II
Enviado por: olisipo em Fevereiro 09, 2016, 08:48:15 am
Título: Re: Guerra Fria II
Enviado por: olisipo em Fevereiro 09, 2016, 09:17:32 am
(https://www.forumdefesa.com/forum/proxy.php?request=http%3A%2F%2Fs1.ibtimes.com%2Fsites%2Fwww.ibtimes.com%2Ffiles%2Fstyles%2Flg%2Fpublic%2F2014%2F11%2F26%2Fsukhoi-su-27.jpg&hash=dd8991329a2515a169a4e26e678ecf00)

Russia - Sweden conflict? Military attack possible amid Arctic Circle Su-27 drills, Stockholm warns

http://www.ibtimes.com/russia-sweden-conflict-military-attack-possible-amid-arctic-circle-su-27-drills-2297915
Título: Re: Guerra Fria II
Enviado por: olisipo em Fevereiro 14, 2016, 09:58:56 am


Conferência de Munique: fala-se do regresso à guerra fria
Título: Re: Guerra Fria II
Enviado por: olisipo em Fevereiro 14, 2016, 10:12:09 am


Medvevev: "Se Kerry quer uma guerra longa, pode começar"
Título: Re: Guerra Fria II
Enviado por: Crypter em Fevereiro 14, 2016, 10:36:14 am
A marioneta nº1 do Puttin!
Título: Re: Guerra Fria II
Enviado por: Lightning em Fevereiro 16, 2016, 02:09:14 pm
Citar
Rússia conquistaria países do Báltico em 60 horas

Think tank norte-americano diz que tropas russas chegariam às capitais de dois dos três Estados da região em menos de três dias

http://www.dn.pt/mundo/interior/russia-conquistaria-paises-do-baltico-em-60-horas-5017901.html
Título: Re: Guerra Fria II
Enviado por: olisipo em Fevereiro 18, 2016, 09:33:46 am
 

Russia: Paratroopers and vehicles participate in massive military drills
Título: Re: Guerra Fria II
Enviado por: Lightning em Outubro 27, 2016, 07:24:06 pm
Citar
Doze países vão contribuir para missão da NATO nos países bálticos e Polónia

Doze países comprometeram-se esta quarta-feira a contribuir para a operação da NATO nos países bálticos e na Polónia, anunciou o secretário-geral da Aliança Atlântica, Jens Stoltenberg, em conferência de imprensa, em Bruxelas.

http://sicnoticias.sapo.pt/mundo/2016-10-26-Doze-paises-vao-contribuir-para-missao-da-NATO-nos-paises-balticos-e-Polonia

PS: Até o Luxemburgo... :o
Título: Re: Guerra Fria II
Enviado por: olisipo em Outubro 27, 2016, 08:47:25 pm

Putin reage e classifica ameaça militar russa como "imaginária"
Título: Re: Guerra Fria II
Enviado por: Cabeça de Martelo em Outubro 28, 2016, 04:42:33 pm
http://www.nato.int//multi/2016/pdf/20161027-enhanced-forward-presence.pdf
Título: Re: Guerra Fria II
Enviado por: mafets em Abril 21, 2017, 11:22:33 am
http://www.dailymail.co.uk/news/article-4428384/Putin-sends-troops-Russia-s-border-North-Korea.html?ito=social-facebook (http://www.dailymail.co.uk/news/article-4428384/Putin-sends-troops-Russia-s-border-North-Korea.html?ito=social-facebook)
Citar
Putin sends troops to Russia's border with North Korea after China also sends soldiers to its boundary over fears Trump will attack Kim Jong-un, sparking a tidal wave of refugees
The Russian President has sent troops and equipment to his North Korea border
Footage shows trains carrying tanks to 11-mile frontier in Russia's south east
Comes after China sent 150,000 troops to its own frontier with North Korea
There are fears of a mass exodus of North Korean refugees if war breaks out

(https://www.forumdefesa.com/forum/proxy.php?request=http%3A%2F%2Fi.dailymail.co.uk%2Fi%2Fpix%2F2017%2F04%2F20%2F07%2F3F68526F00000578-4427812-image-m-19_1492670894282.jpg&hash=c6047f821c6eaadc1b6f50564861a483)
(https://www.forumdefesa.com/forum/proxy.php?request=http%3A%2F%2Fi.dailymail.co.uk%2Fi%2Fpix%2F2017%2F04%2F20%2F09%2F3F6936B100000578-4427812-image-a-27_1492676114801.jpg&hash=ca98df259c21c090c439ad63d7576497)

Saudações
Título: Re: Guerra Fria II
Enviado por: Lusitano89 em Março 06, 2019, 07:40:11 pm
Título: Re: Guerra Fria II
Enviado por: Lusitano89 em Março 11, 2019, 07:08:19 pm
Título: Re: Guerra Fria II
Enviado por: Lusitano89 em Abril 18, 2019, 04:56:12 pm
Título: Re: Guerra Fria II
Enviado por: Lusitano89 em Maio 14, 2019, 10:44:00 pm
Mike Pompeo reuniu-se com Sergei Lavrov em Sochi


Título: Re: Guerra Fria II
Enviado por: Lusitano89 em Maio 23, 2019, 10:43:18 pm
Título: Re: Guerra Fria II
Enviado por: Lusitano89 em Junho 12, 2019, 11:30:03 pm
Mais militares dos EUA na Polónia


Título: Re: Guerra Fria II
Enviado por: Lusitano89 em Junho 23, 2019, 07:18:30 pm
Título: Re: Guerra Fria II
Enviado por: Lusitano89 em Junho 25, 2019, 12:38:29 pm
Rússia regressa ao Conselho da Europa



Título: Re: Guerra Fria II
Enviado por: Lusitano89 em Outubro 23, 2019, 11:11:37 am
EUA de armas e bagagens na Lituânia


Título: Re: Guerra Fria II
Enviado por: Lusitano89 em Abril 22, 2020, 04:35:47 pm
Título: Re: Guerra Fria II
Enviado por: Lusitano89 em Maio 21, 2020, 09:08:02 pm
EUA abandonam Tratado dos Céus Abertos e apontam dedo à Rússia


Título: Re: Guerra Fria II
Enviado por: Lightning em Agosto 04, 2020, 09:33:46 pm
https://www.publico.pt/2020/07/30/mundo/noticia/bielorrussia-acusa-mercenarios-russos-estarem-servico-candidato-oposicao-1926432

Será que temos o risco de se repetir na Bielorrússia o que aconteceu com a Ucrânia?
Título: Re: Guerra Fria II
Enviado por: HSMW em Agosto 04, 2020, 11:16:18 pm
https://belarus.liveuamap.com/

A coisa está a ganhar forma...
Título: Re: Guerra Fria II
Enviado por: Lusitano89 em Setembro 06, 2020, 05:22:25 pm
Título: Re: Guerra Fria II
Enviado por: Lusitano89 em Janeiro 15, 2021, 09:30:14 pm
Rússia sai do tratado internacional Céus Abertos


Título: Re: Guerra Fria II
Enviado por: Lusitano89 em Fevereiro 04, 2021, 03:20:03 pm
Título: Re: Guerra Fria II
Enviado por: Lusitano89 em Março 17, 2021, 07:45:11 pm
Putin "vai pagar" pela interferência nas eleições diz Joe Biden


Título: Re: Guerra Fria II
Enviado por: Lusitano89 em Novembro 24, 2021, 03:05:13 pm
Título: Re: Guerra Fria II
Enviado por: Viajante em Dezembro 08, 2021, 02:57:39 pm
Putin pede garantias a Biden sobre o não alargamento da NATO a leste

O Presidente russo Vladimir Putin denunciou hoje perante o seu homólogo norte-americano Joe Biden o crescente potencial militar da NATO juntos às fronteiras da Rússia e pediu "garantias" sobre o não alargamento da Aliança para leste.

(https://thumbs.web.sapo.io/?W=1550&H=0&delay_optim=1&webp=1&epic=ZGU2FbGrN7YODkBSjyDawOeK7AWFbAMqaFCEGFxhWeX8Hvyj25lgjhSMMSDokArsp8+epVt/3vK0tnbfaJTHo0HM6UHdfs/F+VTIYdNW1Pl3UFk=)

“A NATO efetua perigosas tentativas de utilizar o território ucraniano e reforça o seu potencial militar junto às nossas fronteiras, e por isso a Rússia mantém um sério interesse em seguras garantias jurídicas que excluam um alargamento da NATO a leste”, indicou o Kremlin em comunicado, após um encontro virtual “franco e profissional” entre os Presidentes russo e norte-americano.

O Kremlin tem desmentido qualquer projeto de invasão e tem acusado Washington de negligenciar as suas preocupações: crescente atividade de países da NATO no mar Negro, intenção ucraniana em aderir à Aliança Atlântica e ambição de Kiev de continuar a receber armamento do ocidente.

“A Rússia nunca teve a intenção de atacar quem quer que seja, mas temos linhas vermelhas”, tinha assegurado antes da cimeira virtual Dmitri Peskov, o porta-voz do Kremlin.

Diversos observadores, na Europa e nos EUA, consideram que Vladimir Putin faz “bluff” com a deslocação de forças para as fronteiras da Ucrânia, mas não excluem uma eventual ação militar. Para Moscovo, está excluída a possibilidade e a Ucrânia e a Geórgia, situadas junto à sua “zona de segurança” serem membros da NATO.

Na cimeira virtual que hoje decorreu entre os dois líderes, Joe Biden, “fez saber” a Vladimir Putin, em conferência virtual entre os dois líderes, que a Rússia arrisca “fortes sanções, incluindo económicas” em caso de escalada militar na Ucrânia, indicou hoje a Casa Branca.

Tratou-se da segunda reunião entre os dois líderes, depois de um encontro presencial realizado em junho passado em Genebra (Suíça).

Na sequência da sua conversa telefónica com Putin, que segundo as agências noticiosas russas durou cerca de duas horas e terminou próximo das 17:00 de Lisboa, Biden vai telefonar para o Presidente francês, Emmanuel Macron, para a chanceler alemã, Angela Merkel, para o primeiros-ministro italiano, Mario Draghi, e para o primeiro-ministro britânico, Boris Johnson.

https://24.sapo.pt/atualidade/artigos/putin-pede-garantias-a-biden-sobre-o-nao-alargamento-da-nato-a-leste

Água na fervura?
Duvido que Moscovo abra mão do leste da Ucrânia e que os americanos permitam uma invasão da mesma!!!!!!
Aguardam-se cenas dos próximos episódios!!!!!
Título: Re: Guerra Fria II
Enviado por: Subsea7 em Dezembro 08, 2021, 05:32:09 pm
Putin pede garantias a Biden sobre o não alargamento da NATO a leste

O Presidente russo Vladimir Putin denunciou hoje perante o seu homólogo norte-americano Joe Biden o crescente potencial militar da NATO juntos às fronteiras da Rússia e pediu "garantias" sobre o não alargamento da Aliança para leste.

(https://thumbs.web.sapo.io/?W=1550&H=0&delay_optim=1&webp=1&epic=ZGU2FbGrN7YODkBSjyDawOeK7AWFbAMqaFCEGFxhWeX8Hvyj25lgjhSMMSDokArsp8+epVt/3vK0tnbfaJTHo0HM6UHdfs/F+VTIYdNW1Pl3UFk=)

“A NATO efetua perigosas tentativas de utilizar o território ucraniano e reforça o seu potencial militar junto às nossas fronteiras, e por isso a Rússia mantém um sério interesse em seguras garantias jurídicas que excluam um alargamento da NATO a leste”, indicou o Kremlin em comunicado, após um encontro virtual “franco e profissional” entre os Presidentes russo e norte-americano.

O Kremlin tem desmentido qualquer projeto de invasão e tem acusado Washington de negligenciar as suas preocupações: crescente atividade de países da NATO no mar Negro, intenção ucraniana em aderir à Aliança Atlântica e ambição de Kiev de continuar a receber armamento do ocidente.

“A Rússia nunca teve a intenção de atacar quem quer que seja, mas temos linhas vermelhas”, tinha assegurado antes da cimeira virtual Dmitri Peskov, o porta-voz do Kremlin.

Diversos observadores, na Europa e nos EUA, consideram que Vladimir Putin faz “bluff” com a deslocação de forças para as fronteiras da Ucrânia, mas não excluem uma eventual ação militar. Para Moscovo, está excluída a possibilidade e a Ucrânia e a Geórgia, situadas junto à sua “zona de segurança” serem membros da NATO.

Na cimeira virtual que hoje decorreu entre os dois líderes, Joe Biden, “fez saber” a Vladimir Putin, em conferência virtual entre os dois líderes, que a Rússia arrisca “fortes sanções, incluindo económicas” em caso de escalada militar na Ucrânia, indicou hoje a Casa Branca.

Tratou-se da segunda reunião entre os dois líderes, depois de um encontro presencial realizado em junho passado em Genebra (Suíça).

Na sequência da sua conversa telefónica com Putin, que segundo as agências noticiosas russas durou cerca de duas horas e terminou próximo das 17:00 de Lisboa, Biden vai telefonar para o Presidente francês, Emmanuel Macron, para a chanceler alemã, Angela Merkel, para o primeiros-ministro italiano, Mario Draghi, e para o primeiro-ministro britânico, Boris Johnson.

https://24.sapo.pt/atualidade/artigos/putin-pede-garantias-a-biden-sobre-o-nao-alargamento-da-nato-a-leste

Água na fervura?
Duvido que Moscovo abra mão do leste da Ucrânia e que os americanos permitam uma invasão da mesma!!!!!!
Aguardam-se cenas dos próximos episódios!!!!!

Por cá continuam os GT, a pensar o que enviar se a NATO chamar.
Já chegaram á conclusão que somente os F-16.
 ::)
Cps.
Título: Re: Guerra Fria II
Enviado por: P44 em Janeiro 06, 2022, 10:35:16 am
Russia sends troops to put down deadly Kazakh uprising

https://www.reuters.com/world/asia-pacific/troops-protesters-clash-almaty-main-square-kazakhstan-shots-heard-2022-01-06/

ALMATY, Jan 6 (Reuters) - Russia sent paratroopers into Kazakhstan on Thursday to quell a countrywide uprising after deadly violence spread across the tightly controlled former Soviet state.

Police said they had killed dozens of rioters in the main city Almaty. State television said 13 members of the security forces had died, including two who had been decapitated.


Reuters journalists in Almaty said a presidential residence and the mayor's office were both ablaze. By Thursday afternoon, the city's airport, seized earlier by protesters, was under the firm control of military personnel. Burnt out cars littered the streets.
Título: Re: Guerra Fria II
Enviado por: Lusitano89 em Janeiro 14, 2022, 03:07:12 pm
Título: Re: Guerra Fria II
Enviado por: Lightning em Janeiro 15, 2022, 01:10:19 am
Suécia coloca militares na rua em Gotland.

https://expresso.pt/internacional/suecia-envia-tanques-e-militares-armados-para-ilha-do-baltico-face-a-ameaca-russa/
Título: Re: Guerra Fria II
Enviado por: Lusitano89 em Janeiro 15, 2022, 03:09:55 pm
Título: Re: Guerra Fria II
Enviado por: Lusitano89 em Janeiro 23, 2022, 05:15:10 pm
Título: Re: Guerra Fria II
Enviado por: Lusitano89 em Fevereiro 02, 2022, 04:25:25 pm
Título: Re: Guerra Fria II
Enviado por: Lusitano89 em Março 03, 2022, 06:37:19 pm
Título: Re: Guerra Fria II
Enviado por: Lusitano89 em Março 04, 2022, 05:02:22 pm
Corrida aos comprimidos de iodo na Bélgica por medo a guerra nuclear


Título: Re: Guerra Fria II
Enviado por: papatango em Março 05, 2022, 05:38:11 pm
Do tópico sobre a Ucrânia, dado se tratar de um tema acessório
Citar
Não me parece que as coisas sejam assim tão simples. Uma grande parte dos países europeus, têm os seus programas a decorrer, já investiram milhões nos seus projectos (holandeses e belgas nas ASWF, espanhóis nas F110, por exemplo), outros ao contrário de nós, já escolheram um caça novo para as próximas décadas. Além de que isso pode complicar muito politicamente, se estaleiros como a Damen, com experiência a construir de quase tudo um pouco (OPVs, fragatas, LPDs, AORs, etc), deixarem de o fazer em prol de outros.

E dificilmente haverá dinheiro para uniformizar tudo, num prazo decente, pois cada país até agora escolhia o que queria, desde veículos, a navios, a aviões.

Num prazo decente ninguém faz nada, sobre isso estamos de acordo

A uniformização é uma necessidade, pois uma das vantagens dos americanos é exatamente essa... imaginem que havia tropas americanas com diferentes tipos de tanques aviões etc...
Já com a miriade de viaturas táticas eles têm dores de cabeça, por causa das exigências dos marines etc...

Os estaleiros de cada país não têm necessariamente que deixar de existir. Terão é provavelmente que cooperar mais, na construção de projetos modulares.
O exemplo mais obvio já existe e tem um enorme sucesso, a Airbus.
O modelo é só um, mas há fábricas em toda a Europa a produzi-lo.

E neste aspecto especifico, a compra por Portugal do avião de transporte brasileiro, apresenta-se como um erro. Compreendem-se as razões, mas não deixa de ser um erro.

De qualquer forma, toda esta trapalhada criada pelo Putin, vai inevitavelmente levar a que os países europeus sejam obrigados a cooperar.
A uniformização tem outra vantagem ... Tentar reduzir por causa das economias de escala, os preços exorbitantes a que chegam muitos dos equipamentos militares.
Título: Re: Guerra Fria II
Enviado por: Miguel em Março 05, 2022, 08:20:41 pm
Papatango,

Claro que foi um erro gravo os KeCes
Acho que ainda pode ser cancelado ?
Os Nh90 e EC635 tambem ja tinham as peintures com a Cruz de cristo.
E preferivel ter 6 C130J ou 3 A 400M
Título: Re: Guerra Fria II
Enviado por: LM em Março 05, 2022, 09:24:32 pm
Papatango,

Claro que foi um erro gravo os KeCes
Acho que ainda pode ser cancelado ?
Os Nh90 e EC635 tambem ja tinham as peintures com a Cruz de cristo.
E preferivel ter 6 C130J ou 3 A 400M

Cancelado?! Além do processo já estar bastante adiantado... o governo que tomou a decisão, grande entusiasta, ganhou com maioria absoluta as eleições.
Título: Re: Guerra Fria II
Enviado por: dc em Março 05, 2022, 11:44:29 pm
Do tópico sobre a Ucrânia, dado se tratar de um tema acessório
Citar
Não me parece que as coisas sejam assim tão simples. Uma grande parte dos países europeus, têm os seus programas a decorrer, já investiram milhões nos seus projectos (holandeses e belgas nas ASWF, espanhóis nas F110, por exemplo), outros ao contrário de nós, já escolheram um caça novo para as próximas décadas. Além de que isso pode complicar muito politicamente, se estaleiros como a Damen, com experiência a construir de quase tudo um pouco (OPVs, fragatas, LPDs, AORs, etc), deixarem de o fazer em prol de outros.

E dificilmente haverá dinheiro para uniformizar tudo, num prazo decente, pois cada país até agora escolhia o que queria, desde veículos, a navios, a aviões.

Num prazo decente ninguém faz nada, sobre isso estamos de acordo

A uniformização é uma necessidade, pois uma das vantagens dos americanos é exatamente essa... imaginem que havia tropas americanas com diferentes tipos de tanques aviões etc...
Já com a miriade de viaturas táticas eles têm dores de cabeça, por causa das exigências dos marines etc...

Os estaleiros de cada país não têm necessariamente que deixar de existir. Terão é provavelmente que cooperar mais, na construção de projetos modulares.
O exemplo mais obvio já existe e tem um enorme sucesso, a Airbus.
O modelo é só um, mas há fábricas em toda a Europa a produzi-lo.

E neste aspecto especifico, a compra por Portugal do avião de transporte brasileiro, apresenta-se como um erro. Compreendem-se as razões, mas não deixa de ser um erro.

De qualquer forma, toda esta trapalhada criada pelo Putin, vai inevitavelmente levar a que os países europeus sejam obrigados a cooperar.
A uniformização tem outra vantagem ... Tentar reduzir por causa das economias de escala, os preços exorbitantes a que chegam muitos dos equipamentos militares.

Não tinha reparado que tinha sido respondido aqui.

No que diz respeito aos navios, serem iguais mas construídos em estaleiros diferentes, não faz assim tanta diferença. Onde importa uniformizar, nos navios, é no seu equipamento. No fim de contas, chapa é chapa. A não ser que houvesse interesse em algum tipo de intercâmbio de guarnições, e que os navios tivessem que poder ser mantidos em qualquer um dos estaleiros da Europa.

Mesmo dentro das próprias marinhas, tende a haver mais do que uma classe de navios combatentes, mesmo que seja mais prático ter uma classe apenas. Nas Forças Aéreas mais que um modelo de caça. A USAF tem 4 modelos de caça, 5 se contarmos com o A-10. Não estou a ver na Europa contentarem-se com 1 modelo para todos. O futuro da Marinha Francesa vai assentar em 3 classes de combatentes de superfície, mais 1 classe de "corvetas de patrulha" que serão as EPC. Os italianos também terão mais ou menos parecido. Se nem internamente conseguem uniformizar...

Devia-se sim uniformizar radares, mísseis, canhões, CIWS, motores, etc. Não parece é haver razão para muitos dos países abdicarem dos ESSM e do VLS Mk-41, tal como não estou a ver os franceses abdicarem da sua "independência" em termos de armamento. Outra coisa que se devia uniformizar, era em aeronaves de treino, e até mesmo criando uma escola comum.

Continuo a achar que, para já, a prioridade deveria ser aumentar o investimento individual de cada país. Não dá para continuar com uns bem preparados (ou quase), e outros (como Portugal) a servirem de contra-peso. Ora começar por ter baterias anti-aéreas modernas, como o NASAMS, que possam ser interligadas com as baterias de muitos dos aliados que já o usam, já era um começo. Isto dos outros andarem de NASAMS e Patriot, e nós de Chaparral e Bitubo não dá com nada.
Título: Re: Guerra Fria II
Enviado por: Lusitano89 em Março 06, 2022, 02:38:36 pm
ARSENAL NUCLEAR DA RÚSSIA: entenda o poder de destruição de Putin


Título: Re: Guerra Fria II
Enviado por: papatango em Março 06, 2022, 03:09:31 pm
Citar
Continuo a achar que, para já, a prioridade deveria ser aumentar o investimento individual de cada país. Não dá para continuar com uns bem preparados (ou quase), e outros (como Portugal) a servirem de contra-peso.
Investimento já feito, seria sempre caro reverte-lo, evidentemente.
Mas a cooperação a  um certo nível, implica sempre a necessidade de uniformização.

A uniformização e uma visão integrada das forças armadas dos vários países poderia ser organizada de forma a que todos pudessem dar o seu contributo.

Nós temos uma certa tendência para olhar para a galinha da vizinha e achar que é melhor que a nossa. Toda a gente faz isso. Há uns tempos atrás, dos seis submarinos U212 alemães, cinco estava inoperacionais.
Dos submarinos da Espanha, é melhor nem falar.
O nível de operacionalidade das forças armadas da Alemanha é para alguns impressionante de mau.

Mesmo o exército de Putin, em estado de prontidão máxima, saido de exercicios militares, tropeça e manca enquanto avança, muito mais com base na força bruta e nos números que na tecnologia.
É enorme o número de T90 russos destruidos (e já não dá para esconder isso).
Pior, os russos estão já a utilizar camiões ligeiros civis para transportar material para as tropas (há imagens de camiões GAZ civis)

Toda a gente anda aos papeis e quanto mais projetos separados e independentes existirem, maior é a possiblidade de problemas.

A questão naval assume agora uma importância muito menor.

Durante a primeira guerra fria, temia-se que os russos conseguissem chegar a Berlim em pouco tempo, antes de os reforços americanos chegarem. Para impedir isso, a Russia poderia fazer tudo para impedir os americanos de controlar o Atlantico.

Mas agora, a Rússia sabe que já não é tão importante impedir o reabastecimento da Europa, porque sabe que, no seu conjunto a Europa é mais forte que a Rússia em praticamente tudo.
As fraquezas europeias são: Descoordenação, equipamentos dispares e ausencia de capacidade para uma resposta nuclear táctica, que leve Putin a pensar duas vezes antes de fazer ameaças.
Título: Re: Guerra Fria II
Enviado por: Daniel em Março 06, 2022, 03:42:48 pm
ARSENAL NUCLEAR DA RÚSSIA: entenda o poder de destruição de Putin



Então e o arsenal nuclear da NATO, lol mais do mesmo.
Título: Re: Guerra Fria II
Enviado por: HSMW em Março 06, 2022, 11:27:42 pm

Citar
As Russian activity intensifies in Ukraine and eastern Europe, Special Airborne Warning and Control System (Awacs) planes police Nato’s borders from where they can monitor events.

The flights are known as Nato’s ”eyes in the sky” as they scan the surrounding airspace and ground activity.

The BBC has been given rare access to a surveillance flight on the Polish border with Ukraine and Belarus.

Com que então queriam encostar os E-3...  ::)
Título: Re: Guerra Fria II
Enviado por: dc em Março 07, 2022, 12:34:29 am
Ontem estavam 3 no ar em simultâneo (1 acabado de levantar voo, e outro a terminar a sua missão para voltar para casa, sendo rendido pelo primeiro). Já os RC-135 britânicos e americanos, não têm parado, há quase sempre 1 no ar visível aos radares online, a certa altura chegam a ser 2, um sobre a Roménia e outro a sobrevoar a Polónia.
Título: Re: Guerra Fria II
Enviado por: NVF em Março 07, 2022, 12:59:58 am
Além de monitorizar os movimentos dos russos, trata-se de uma ocasião única para a "intelligence gathering" ocidental: gravar todos os sinais electromagnéticos dos radares e sistemas de comunicação durante uma operação de larga escala, em que se utilizam equipamentos e frequências que não são normalmente utilizados em tempos de paz. É um verdadeiro maná para a NSA, GCHQ e afins.
Título: Re: Guerra Fria II
Enviado por: dc em Março 07, 2022, 12:42:22 pm
Também tem andado perto de Kaliningrado um Gulfstream IV sueco, possivelmente na versão de SIGINT (neste momento em que escrevo, está um a voar perto de Kaliningrado). Também tem aparecido no radar um avião americano como sendo o "Super King Air", não especifica versão, mas também poderá ser um RC-12 ou um MC-12.
Título: Re: Guerra Fria II
Enviado por: Lightning em Março 07, 2022, 01:56:37 pm
Já descobri os planos russos :mrgreen:.

(https://www.foi.se/images/18.3bc3d52171a18400b1115/1589359854402/Russias-assessed-fighting-power-in-the-European-war-theatre-in-2019.png)

(https://www.foi.se/images/18.3bc3d52171a18400b1121/1589360021020/The-fighting-power-of-Russias-Armed-Forces-in-2019.png)

https://www.foi.se/en/foi/research/security-policy/russia-and-eurasia/maps-russia-and-eurasia.html

Este site tem muita informação sobre as forças russas, a sua organização, mapas, não só da europa, mas toda a area de interesse russo, o ártico, o Caúcaso, a Ásia.
Título: Re: Guerra Fria II
Enviado por: typhonman em Março 07, 2022, 09:10:10 pm
Já descobri os planos russos :mrgreen:.

(https://www.foi.se/images/18.3bc3d52171a18400b1115/1589359854402/Russias-assessed-fighting-power-in-the-European-war-theatre-in-2019.png)

(https://www.foi.se/images/18.3bc3d52171a18400b1121/1589360021020/The-fighting-power-of-Russias-Armed-Forces-in-2019.png)

https://www.foi.se/en/foi/research/security-policy/russia-and-eurasia/maps-russia-and-eurasia.html

Este site tem muita informação sobre as forças russas, a sua organização, mapas, não só da europa, mas toda a area de interesse russo, o ártico, o Caúcaso, a Ásia.

Monte Real e Tancos?
Título: Re: Guerra Fria II
Enviado por: Lightning em Março 07, 2022, 09:49:43 pm
Monte Real e Tancos?

As bases portuguesas que aparecem na primeira imagem?
São três, eu diria que são Monte Real, Alfeite e Beja.
Título: Re: Guerra Fria II
Enviado por: NVF em Março 07, 2022, 10:25:06 pm
Na legenda, diz claramente que os pontos vermelhos são bases aéreas. Portanto, MR, Montijo e Beja.
Título: Re: Guerra Fria II
Enviado por: typhonman em Março 07, 2022, 10:28:26 pm
Na legenda, diz claramente que os pontos vermelhos são bases aéreas. Portanto, MR, Montijo e Beja.

Ovar não está na lista, assim como o depósito NATO de Sesimbra... Consta que em OVAR, nos bunkers de armamento (com terra por cima, e não debaixo de terra, como diz o mito urbano), estão valentes stocks de bombas e mísseis.
Nada que não se veja do Google Maps, analisando com atenção.
Título: Re: Guerra Fria II
Enviado por: dc em Março 07, 2022, 10:53:24 pm
Caros espiões russos que estejam a ver isto, fiquem descansados, que nesses paióis, não está lá nada, apenas bolas de golfe.  :mrgreen:
Título: Re: Guerra Fria II
Enviado por: papatango em Março 09, 2022, 06:47:55 pm
Não deixa de ser uma tática brilhante, manter tanto depósito com material ferrugento e cheio de teias de aranha quanto possível... talvez os russos desperdicem mísseis lá, quando nos vierem desnazificar.
Título: Re: Guerra Fria II
Enviado por: asalves em Março 09, 2022, 07:15:36 pm
Na legenda, diz claramente que os pontos vermelhos são bases aéreas. Portanto, MR, Montijo e Beja.

Ovar não está na lista, assim como o depósito NATO de Sesimbra... Consta que em OVAR, nos bunkers de armamento (com terra por cima, e não debaixo de terra, como diz o mito urbano), estão valentes stocks de bombas e mísseis.
Nada que não se veja do Google Maps, analisando com atenção.

Os EUA tem a Área 51, nós temos o Talhão 51
Título: Re: Guerra Fria II
Enviado por: Luso em Março 09, 2022, 08:54:46 pm
Vocês são mesmo ignorantes...

Os maiores arsenais da NATO não estão em Maceda (e ao contrário do que se diz não tem túneis até aos EUA mas só até à Pildrinha e aquilo está abandonado) localizam-se nas caves destes complexos deliberadamente inseridos no meio das populações para servirem de escudos humanos:

(https://meusroteiros.com/wp-content/uploads/2019/04/Palacio-S%C3%A3o-Bento-Palace-Portugal-42.jpg)

(https://www.forumdefesa.com/forum/proxy.php?request=http%3A%2F%2Fphotos.wikimapia.org%2Fp%2F00%2F05%2F69%2F20%2F48_1280.jpg&hash=bf237bf9187b616825079dd1afdb60ac)

(https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/thumb/0/0d/Palacete_de_S%C3%A3o_Bento_1.JPG/1200px-Palacete_de_S%C3%A3o_Bento_1.JPG)

(https://static.globalnoticias.pt/dn/image.jpg?brand=DN&type=generate&name=dn2015_detalhe_topo&id=5073407&source=ng6190480.jpg&w=800&h=450&t=20160312013600)

(https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/thumb/a/ab/Estadio_Benfica_April_2013-1.jpg/1200px-Estadio_Benfica_April_2013-1.jpg)

- É que ninguém suspeita do n.º de armas mas sobretudo de canhões que por lá há!

Espero bem que ninguém diga nada ao Vladimir...


Título: Re: Guerra Fria II
Enviado por: papatango em Março 10, 2022, 12:34:15 am
Dentro de horas, nesta quinta-feira, vai-se discutir o que poderá ser o embrião de um sistema europeu de aquisição de equipamentos militares, focado para a defesa da Europa face à ameaça russa.

Fala-se num orçamento de 200.000 milhões de Euros.
Como vai funcionar não sabemos, mas as coisas deverão passar-se como no caso das vacinas. A União Europeia negociará com os fabricantes de armamentos com base nas necessidades e disponibilidades dos estados membros.

A ser assim, teremos que escolher o que comprar, com base no que está aprovado pela UE e que é negociado por Bruxelas.
Isto está a levar uma volta tal que até parecem duas.


Título: Re: Guerra Fria II
Enviado por: Lightning em Março 10, 2022, 01:07:49 am
Vocês são mesmo ignorantes...

Os maiores arsenais da NATO não estão em Maceda (e ao contrário do que se diz não tem túneis até aos EUA mas só até à Pildrinha e aquilo está abandonado).

Esses sitios se estiverem vazios são bons é para guardar a vinhaça para a messe de oficiais, só essa ideia já merecia um louvor. :mrgreen:
Título: Re: Guerra Fria II
Enviado por: LM em Março 10, 2022, 10:28:07 am
Isto de compras através da UE é capaz de ser mau... será que vão considerar equipamento de golfe, viaturas para Oficiais Generais, etc?  :mrgreen:
Título: Re: Guerra Fria II
Enviado por: dc em Março 10, 2022, 09:02:27 pm
Dentro de horas, nesta quinta-feira, vai-se discutir o que poderá ser o embrião de um sistema europeu de aquisição de equipamentos militares, focado para a defesa da Europa face à ameaça russa.

Fala-se num orçamento de 200.000 milhões de Euros.
Como vai funcionar não sabemos, mas as coisas deverão passar-se como no caso das vacinas. A União Europeia negociará com os fabricantes de armamentos com base nas necessidades e disponibilidades dos estados membros.

A ser assim, teremos que escolher o que comprar, com base no que está aprovado pela UE e que é negociado por Bruxelas.
Isto está a levar uma volta tal que até parecem duas.

Como se tende a comprar o "standard NATO", não deverá ser grande problema. O principal problema que temos, será mesmo o desfasamento tecnológico de uma boa parte dos equipamentos mais antigos. De resto, desde que se compre o mesmo que os restantes aliados usem, seja a Espanha, a Holanda, França, Alemanha, não deverá haver problema.
Título: Re: Guerra Fria II
Enviado por: typhonman em Março 10, 2022, 11:53:59 pm
Dentro de horas, nesta quinta-feira, vai-se discutir o que poderá ser o embrião de um sistema europeu de aquisição de equipamentos militares, focado para a defesa da Europa face à ameaça russa.

Fala-se num orçamento de 200.000 milhões de Euros.
Como vai funcionar não sabemos, mas as coisas deverão passar-se como no caso das vacinas. A União Europeia negociará com os fabricantes de armamentos com base nas necessidades e disponibilidades dos estados membros.

A ser assim, teremos que escolher o que comprar, com base no que está aprovado pela UE e que é negociado por Bruxelas.
Isto está a levar uma volta tal que até parecem duas.

Como se tende a comprar o "standard NATO", não deverá ser grande problema. O principal problema que temos, será mesmo o desfasamento tecnológico de uma boa parte dos equipamentos mais antigos. De resto, desde que se compre o mesmo que os restantes aliados usem, seja a Espanha, a Holanda, França, Alemanha, não deverá haver problema.

Pena não ter acontecido antes do KC-390....
Título: Re: Guerra Fria II
Enviado por: HSMW em Março 12, 2022, 02:03:25 am
(https://pbs.twimg.com/media/FNlE0wqXMAEk8zs?format=jpg&name=large)

É que nem dos cortadores de cabeças do estado islâmico se podia dizer tal coisa!!

Há aqui qualquer coisa....
Título: Re: Guerra Fria II
Enviado por: papatango em Março 12, 2022, 09:11:50 am
Citar
É que nem dos cortadores de cabeças do estado islâmico se podia dizer tal coisa!!

Há aqui qualquer coisa....

Claro que há.

Chama-se raiva...

No caso do Estado Islâmico, a opinião pública podia pedir aos governos que pulverizassem os terroristas.
Neste caso não pode.
Tem que haver válvulas de escape.
Esta é apenas uma.
Título: Re: Guerra Fria II
Enviado por: CruzSilva em Março 13, 2022, 05:28:31 pm
FORÇAS MILITARES DA ESTÓNIA, LITUANIA E DINAMARCA EXECUTAM EXERCÍCIO CONJUNTO

Título: Re: Guerra Fria II
Enviado por: tenente em Março 13, 2022, 06:42:12 pm
FORÇAS MILITARES DA ESTÓNIA, LITUANIA E DINAMARCA EXECUTAM EXERCÍSIO CONJUNTO


Esses CV9035 da Estónia, que aparecem no video bem podiam ter sido comprados por nós tivesse havido vontade em substituir umas dezenas de M113 do BiMec(L).

Abraços
Título: Re: Guerra Fria II
Enviado por: legionario em Março 13, 2022, 11:23:16 pm
Ataque de misseis iranianos contra base americana, consulado americano atingido.  In imprensa francesa de hoje

Disparos de mísseis alvejaram, na madrugada deste domingo, 13 de março, Erbil, a capital do Curdistão, no norte curdo do Iraque. O ataque foi realizado com "doze mísseis balísticos disparados contra o distrito de Erbil e que atingiram o consulado americano", disse inicialmente um comunicado da Unidade de Contra-Terrorismo do Curdistão. “Os mísseis foram disparados fora das fronteiras do Iraque e do Curdistão, mais precisamente do leste. »

A Guarda Revolucionária, o exército ideológico da República Islâmica do Irão, assumiu a responsabilidade pelo disparo destes mísseis e alegou ter como alvo um “centro estratégico” israelita e ameaçando o Estado judeu com novas operações “destrutivas”.
Título: Re: Guerra Fria II
Enviado por: Lusitano89 em Março 15, 2022, 08:55:23 pm
Título: Re: Guerra Fria II
Enviado por: CruzSilva em Março 16, 2022, 07:34:51 pm
HUNGRIA ACIONA CAÇAS DEVIDO A SINAIS DE RADAR

Título: Re: Guerra Fria II
Enviado por: CruzSilva em Março 17, 2022, 10:10:57 pm
OS CAÇAS DA NATO QUE DEFENDEM A FRONTEIRA COM A RÚSSIA

Título: Re: Guerra Fria II
Enviado por: Lightning em Março 18, 2022, 12:25:11 am
En alguns países europeus estamos a ver mudanças em capacidades militares.
A Polónia vai aumentar o PIB para a defesa de 2 para 3%, e em 5 anos quer duplicar a dimensão das suas Forças Armadas, de 143 para 300 mil.

A Alemanha também não anda a empalear, 15 dias após o anúncio do grande aumento de verba para a defesa já decidiu comprar F-35 e mais Eurofighters, como substituto dos Tornados.

A nivel energético, a Alemanha retomou a pesquisa por campos petrolíferos no mar do Norte e está a negociar com a Noruega a compra de mais gás a este país, existem facções políticas na Alemanha a favor de fechar o Nord Stream 1 caso Kiev caia, mas a Alemanha fica em situação delicada pois ainda não possui alternativas a esse fornecimento.

Do "outro lado" também as peças se movem.

A China vai comprar petróleo e trigo à Rússia, mas vão pagar em moeda chinesa,
mas curiosamente a Russia bloqueou as exportações de cereais para os seus aliados ex-URSS, (talvez uma baixa nas reservas?)
Como as empresas ocidentais que estavam a colaborar com as petrolíferas russas foram embora, as chinesas substituem e vão comprar activos das empresas russas.
A Rússia como tem poder de veto na ONU não está a autorizar o acordo nuclear com o Irão que permitiria o levantamento das sanções e a entrada do Irão no mercado mundial, a Rússia quer um compromisso escrito que os negócios Rússia-Irão não irão sofrer sanções, para os europeus o petróleo do Irão é importante pois eles tem quantidade suficiente para fazer descer os preços de mercado.

Algumas dificuldades do lado chinês em apoiar a Rússia são:

alguns bancos cancelaram fazer empréstimos à Russia pois tem muitas transações com o ocidente e não querem sofrer sanções (alguns bancos não são todos, suponho que outros bancos possam).
As empresas russas foram suspensas do sistema SWIFT, mas podem usar o sistema chinês CIPS, têm a desvantagem de ser cerca de 10x mais pequeno que o SWIFT em entidades participantes e valores transaccionados, (mas é melhor que nada).
Uma das exportações mais importantes para a Rússia é material militar, mas eles não produzem os chips necessários aos meios mais tecnológicos, a China já produz mas ainda pouco avançados (acho que quem produz muitos é Taiwan).
A economia também tem sofrido tendo as suas bolsas sofrido grandes quedas, Xangai para valores de 2008 e Hong Kong para valores de 2012, pode ser incerteza dos mercados por causa da guerra, mas também da quebra industrial devido aos muitos fechos de cidades inteiras e até províncias quando aparecem casos Covid.

Nos "não-alinhados", parece que a India também já acordou com a Rússia comprar petróleo com desconto.

Economicamente a Rússia está num situação perigosa, tinha que pagar uma divida bancária mas como têm os bens no estrangeiro congelados, primeiro propôs pagar em rublos, depois pagar com esses bens congelados, se a dívida não for paga a Rússia pode entrar em default...
https://observador.pt/2022/03/16/russia-tenta-evitar-default-e-da-ordem-para-pagar-juros-da-divida-em-dolares/amp/
Título: Re: Guerra Fria II
Enviado por: Viajante em Março 18, 2022, 02:16:13 pm
Economicamente a Rússia está num situação perigosa, tinha que pagar uma divida bancária mas como têm os bens no estrangeiro congelados, primeiro propôs pagar em rublos, depois pagar com esses bens congelados, se a dívida não for paga a Rússia pode entrar em default...
https://observador.pt/2022/03/16/russia-tenta-evitar-default-e-da-ordem-para-pagar-juros-da-divida-em-dolares/amp/

O governo americano acabou por desbloquear o pagamento da dívida, caso contrário entravam já em default:

https://www.jornaldenegocios.pt/mercados/detalhe/jpmorgan-confirma-pagamento-de-juros-da-divida-da-russia

Mas é uma lenta agonia para a Rússia!
E se o Nord Stream 1 for encerrado........
Título: Re: Guerra Fria II
Enviado por: Lusitano89 em Março 23, 2022, 04:24:48 pm
Título: Re: Guerra Fria II
Enviado por: Lightning em Março 24, 2022, 11:27:16 pm
NATO decide criar mais 4 Battlegroups na Europa de leste.

https://www.pbs.org/newshour/world/nato-setting-up-battlegroups-in-eastern-europe-to-deter-russia-from-attacking-members
Título: Re: Guerra Fria II
Enviado por: Lightning em Abril 01, 2022, 11:26:16 pm
As acções tem sempre reacções.

Parece que as monarquias do Golfo não ficaram agradadas com a recente aproximação dos EUA e paises ocidentais ao Irão.

Na política energética os acontecimentos foram os seguintes.

Os EUA (Biden) para agradar aos seus eleitores (penso que há eleições para uma das câmaras), decidiu injectar no mercado um milhão de barris por dia das reservas estratégicas dos EUA durante 180 dias (180 milhões barris de um total de quase 600 milhões), também conseguiu o compromisso de injectar entre 30 a 50 milhões de barris de paises aliados, (os europeus também querem que os preços baixem).

A OPEP (onde estão as monarquias do Golfo), decide aumentar a produção de petróleo mas não chegando sequer a meio milhão de barris por dia (metade do que os EUA sozinhos vão injectar por dia nos próximos meses), eles tem um acordo com a Russia para não inundar o mercado e assim controlar o preço do petróleo.
https://mercado.co.ao/economia/opep-e-aliados-decidem-manutencao-da-producao-BF1135704
Título: Re: Guerra Fria II
Enviado por: Lightning em Abril 04, 2022, 12:00:50 am
Hoje no comentário do Paulo Portas na tvi, sondagens na Finlândia e Suécia já dão valores de 62% e 59% favoráveis à adesão à NATO, nos proximos meses estes paises devem definir acções futuras como por exemplo referendos formais.

E a Alemanha não perde tempo, depois do grande aumento na defesa e da compra de F-35, já anda no mercado para a aquisição de mais um sistema militar de topo, agora querem um "escudo anti-missil", andam em conversações com os EUA sobre o THAAD e com Israel sobre o Arrow, mas os alemães já admitem publicamente que preferem o sistema israelita "É o melhor", dizem os alemães.

PS: A Alemanha comprar armamento a judeus, as partículas do Hitler deve andar às cambalhotas no cosmos :mrgreen:.
Título: Re: Guerra Fria II
Enviado por: dc em Abril 04, 2022, 12:11:26 am
PS: A Alemanha comprar armamento a judeus, as partículas do Hitler deve andar às cambalhotas no cosmos :mrgreen:.

:mrgreen:
Título: Re: Guerra Fria II
Enviado por: Lusitano89 em Abril 05, 2022, 07:55:02 pm
Título: Re: Guerra Fria II
Enviado por: Lightning em Abril 05, 2022, 11:23:05 pm

https://sicnoticias.pt/mundo/conflito-russia-ucrania/da-ponta-leste-da-russia-ate-lisboa-a-criacao-da-euroasia-estara-nos-planos-do-kremlin/
Título: Re: Guerra Fria II
Enviado por: Subsea7 em Abril 05, 2022, 11:34:39 pm

https://sicnoticias.pt/mundo/conflito-russia-ucrania/da-ponta-leste-da-russia-ate-lisboa-a-criacao-da-euroasia-estara-nos-planos-do-kremlin/

Vamos continuar a brincar por aqui, com o duplo-uso, civil e militar...
CPS
Título: Re: Guerra Fria II
Enviado por: asalves em Abril 06, 2022, 01:34:04 pm
Mas alguém leva isto a sério da EurAsia?
Título: Re: Guerra Fria II
Enviado por: Lightning em Abril 06, 2022, 02:18:24 pm
Mas alguém leva isto a sério da EurAsia?

Eu não, mas o meu receio é que estes maluquinhos sim.

É que a União Europeia que eles sonham não é a que existe hoje e que nós imagiamos um dia a possibilidade da Russia aderir, lado a lado com as restantes nações europeias.

De certeza que para eles seria uma Europa à "Pacto de Varsóvia" de paises submissos com o centro de poder em Moscovo.
Título: Re: Guerra Fria II
Enviado por: CruzSilva em Abril 06, 2022, 09:07:04 pm
A GEOPOLÍTICA QUE LEVOU À GUERRA RUSSO-UCRANIANA

Título: Re: Guerra Fria II
Enviado por: dc em Abril 07, 2022, 04:04:49 pm
Mas alguém leva isto a sério da EurAsia?

Eu não, mas o meu receio é que estes maluquinhos sim.

É que a União Europeia que eles sonham não é a que existe hoje e que nós imagiamos um dia a possibilidade da Russia aderir, lado a lado com as restantes nações europeias.

De certeza que para eles seria uma Europa à "Pacto de Varsóvia" de paises submissos com o centro de poder em Moscovo.

Diria até que, uma coisa é a Rússia sozinha, outra é a Rússia apoiada pela China (muito dinheiro e muita carne para canhão). E será de todo o interesse da China, manter a Europa ocupada com a Rússia, enquanto tentam controlar tudo o que podem no Pacífico. E esta conversa da NOM, pode ser a propaganda que precisam para, internamente, manipularem mais uma vez a população contra o Ocidente e seus aliados.
Título: Re: Guerra Fria II
Enviado por: asalves em Abril 07, 2022, 04:57:45 pm
Mas alguém leva isto a sério da EurAsia?

Eu não, mas o meu receio é que estes maluquinhos sim.

É que a União Europeia que eles sonham não é a que existe hoje e que nós imagiamos um dia a possibilidade da Russia aderir, lado a lado com as restantes nações europeias.

De certeza que para eles seria uma Europa à "Pacto de Varsóvia" de paises submissos com o centro de poder em Moscovo.

Diria até que, uma coisa é a Rússia sozinha, outra é a Rússia apoiada pela China (muito dinheiro e muita carne para canhão). E será de todo o interesse da China, manter a Europa ocupada com a Rússia, enquanto tentam controlar tudo o que podem no Pacífico. E esta conversa da NOM, pode ser a propaganda que precisam para, internamente, manipularem mais uma vez a população contra o Ocidente e seus aliados.

Pessoalmente acho que felizmente não vamos chegar a esse ponto, graças ao Trump/Covid e agora a Rússia o chamado Ocidente acordou, e tanto a Europa como os EUA estão a investir milhões para trazer certa tecnologia (fabricação) de volta para os seus territórios, paralelamente há muitas empresas a desviar as suas fabricas da China para outras regiões mais "amigáveis" aos Americanos. Isso vai fazer com que se perca alguma dependência da China, dependência essa que nos próximos anos a China ainda precisa, pois apesar de tudo a sua economia ainda depende dos mercados Ocidentais.

A guerra da Rússia veio trazer mais urgência na independência de tecnologias e industria da Europa e EUA, a própria Europa já avisou a China para que esta repare bem e tire lições das consequências que as sanções económicas estão a ter na Rússia.

O crescimento da China para este ano está previsto para os 5% (+/- o mesmo estimado para Portugal), cada vez mais a China está a ter crescimentos mais pequenos, e fracos crescimentos podem significar a miséria para milhares e milhares de chineses, alguns analista dizem inclusive que o nível e Corrupção é tão grande que a China vai começar a sentir dificuldades mais cedo que o normal dado o seu alto nível de ineficiente do sistema.
Título: Re: Guerra Fria II
Enviado por: legionario em Abril 07, 2022, 06:08:15 pm
A visão russa sobre a NOM (nova ordem mundial) foi finalmente e de uma forma clara, anunciada. O seu anuncio foi brutal, sem pudor, sem meias-palavras, ...à maneira russa. A Europa faz parte do menu,  é o principal prémio para o vencedor da luta entre os dois blocos que competem pela liderança da NOM : de um lado, o mundo anglo-saxão (com os EUA à frente)... do outro lado, o eixo russo-chinês.

Podemos pôr de parte a ideia de uma Rússia aliada da Europa, no mais que certo conflito , em que os nossos adversários principais serão os chineses e a ideologia que professam. 
Perversa e ambiciosa, ultrapassada pelos acontecimentos, diabolizada, ostracizada, a Rússia escolheu mal, escolheu aliar-se aos chineses para dominar a Eurásia. Esta aliança Rússia/China é, como já escrevi antes, completamente contranatura, é uma aliança de ocasião cujo fim seria ou será um conflito entre os dois, ... tantas são as diferenças a nível ideológico, cultural, demográfico e económico. 

Um bloco "Eurásia" é um pesadelo para o poder mundial dos anglo-saxões, já que este continente simplesmente tem tudo. Das matérias-primas à matéria cinzenta,  a “Eurásia”  é autossuficiente em tudo, dominá-la é dominar o mundo, os anglo-saxões sabem-no.
A Eurásia foi uma ideia gaullista,  foi Charles de Gaulle quem esteve na origem da ideia de uma "Grande Europa" do Atlântico aos Urais, uma Europa em paz, sem linha de partilha ou confronto entre blocos... belo projeto mas uma Eurásia dominada pela Rússia e pela China ? definitivamente não !!
 
A nova rota da seda idealizada pela China, para além do aspeto prático, o de facilitar o transito das mercadoria, tem sobretudo um alcance ideológico, é a primeira grande etapa para a concretização de um plano elaborado meticulosa e pacientemente  e cujo objetivo é a liderança da NOM .  A Rússia... por acaso, ou de uma forma premeditada,  tornou-se numa das pontas de lança do objetivo chinês. Ao perder a Rússia, a Europa perdeu o seu melhor potencial aliado contra a China, perdeu também a mais rica fonte de recursos do planeta.

A Europa não tem matérias-primas, não tem fábricas, não tem exército, ... o que temos é uma oligarquia composta de altos-funcionários não eleitos e incapazes ou mesmo impossibilitados de tomar as decisões mais adequadas ; de qualquer das maneiras já não temos tempo para reagir : não se consegue relocalizar as nossas fábricas em meia dúzia de meses, muito menos formar e equipar um exército europeu.
Um antigo governante português afirmou que Portugal sem o Ultramar era um país inviável, perderia a sua independência ; podemos ir mais longe e afirmar a mesma coisa em relação à Europa Ocidental : sem o acesso privilegiado às matérias primas, a Europa perderá a sua independência, será para sempre dependente dos EUA, quer na sua economia quer na sua defesa.

Como sobreviver a isto ? será a Europa capaz de pôr na gaveta os grandes princípios filosóficos , privar de influência os seus agentes e adotar uma politica pragmática , mesmo que isso signifique atropelar alguns "nobres" princípios ? Será capaz de reconquistar a sua zona de influência e os acessos às fontes de recursos que precisamos para manter o nosso nível de vida ? Para isto é preciso força, muita força. O desespero leva as pessoas a optar por regimes de força, leva a que pacatos burgueses que tradicionalmente votam em partidos "civilizados" passem a votar nos extremos, naqueles que preconizam politicas radicais.
Espero com ansiedade os resultados das presidenciais em França.
Título: Re: Guerra Fria II
Enviado por: FoxTroop em Abril 07, 2022, 08:25:18 pm
A Rússia escolheu. Escolheu a Europa. Serviria como o escudo avançado para travar o gigante chinês e ao mesmo tempo garantia à Europa o acesso às matérias-primas e energia necessárias para que a Europa se afirmasse como polo no NOM.

Corremos com ela e, de forma pragmática, ela fez o que qualquer outra nação faria, para mais quando percebeu que o objectivo do "patrão" americano era o cerco e posterior desmembramento da Federação.

No preciso momento em que, no fim da cimeira Xi-Putin, os dois foram fotografados, nessa foto podia-se ler tudo. um simples "acabou, a vossa era acabou".
Não há volta a dar, para uma Europa com uma Rússia o comboio já passou. Duvido muito que a UE se mantenha e, no pior cenário, pelo final do ano, andaremos a usar dólares porque o Euro estará numa de marco alemão durante Weimar. E não que o dólar vá durar muito mais, vejam em que moedas andam a ser celebrados contractos por todo o mundo. A queda do grande esquema que começou em 2007/2008 está nos seus capítulos finais e mais convulsivos. Em 2025 estará estabelecida a nova relação de poderes e nó estaremos no estádio global como estávamos no ano 1022.
Título: Re: Guerra Fria II
Enviado por: Lightning em Abril 07, 2022, 10:02:26 pm
A Europa não tem matérias-primas, não tem fábricas, não tem exército, ... o que temos é uma oligarquia composta de altos-funcionários não eleitos e incapazes ou mesmo impossibilitados de tomar as decisões mais adequadas ; de qualquer das maneiras já não temos tempo para reagir : não se consegue relocalizar as nossas fábricas em meia dúzia de meses, muito menos formar e equipar um exército europeu em 2 ou 3 anos.
Um antigo governante português afirmou que Portugal sem o Ultramar era um país inviável, perderia a sua independência ; podemos ir mais longe e afirmar a mesma coisa para a Europa ocidental : sem o acesso privilegiado às matérias primas (que não existem na Europa), a Europa perderá a sua independência.

Não é só na Russia que há matérias primas, então a África, o médio-oriente, as américas, os paises asiaticos alinhados com o ocidente, e até a China, é um pais que para já ainda exporta para a Europa, futuramente vamos ver.

Citar
Espero com ansiedade os resultados das presidenciais em França.

Eu com ansiedade não, mas expectativa, ver para onde o lado francês do eixo franco-alemão vai querer levar a europa, a Alemanha e a França de Macron já sabemos.
Título: Re: Guerra Fria II
Enviado por: dc em Abril 07, 2022, 10:06:31 pm
Pois, a narrativa da "Rússia coitadinha" continua. Ora pois, invadem um país vizinho a seu bel-prazer, e como não gostam da reacção do resto do Ocidente, viram-se para a China, que só por acaso, tem intenções semelhantes relativamente à sua vizinhança. E mesmo a narrativa de que a Rússia queria ter uma ligação amigável com a Europa, começa a não colar. A Rússia queria uma Europa cada vez mais dependente de si, e dessa forma ter-nos na mão. E a Europa agora vê que isso é um risco.

Depois, falar do "patrão" do outro lado do Atlântico, como que a dizer que preferiam que o patrão fosse a Rússia de Putin, é no mínimo cómico. Mas cada um com a sua agenda.

O gigante chinês continua dependente do Ocidente para os seus produtos, e consequentemente, para a sua economia. O Ocidente tem é que começar a deslocalizar as suas fábricas de lá, e ao mesmo tempo depender muito menos dos produtos vendidos pelos chineses. É um processo moroso, mas que a médio/longo prazo terá benefícios.

Para terminar, a Rússia, estaria muito melhor, se tivesse um regime muito mais "amigável". Só têm que se culpar a eles próprios pelos delírios imperialistas que têm. A Rússia podia, e devia, ser um daqueles aliados especiais da NATO. Agora, se andam a querer mandar em tudo o que é país vizinho, apoiam governos pró-Rússia ou criam governos fantoche, e quando não obedecem, toca a invadir, ainda se admiram que os vizinhos queiram juntar-se à NATO? Pois, já sabemos, a NATO alicia-os... com a segurança que oferece a esses países, face à clara ameaça russa... Malvada NATO! Também deve ter aliciado a cada vez maior percentagem da população sueca e finlandesa, que pende a favor da entrada na NATO.

Bom, mas voltando ao tópico, estou mais de olho nas movimentações, e possíveis conflitos por esse mundo fora. A situação nas Coreias, no Norte de África, no MO, no Leste da Europa, entre a China-Índia, China-Taiwan, Arménia-Azerbaijão, possíveis disputas territoriais entre o Japão e Rússia, o acordo entre as Ilhas Salomão e a China... a ver vamos se entretanto não surgem mais problemas algures no globo, como na América do Sul. A realidade é que, as coisas vão-se pôr negras, e não vejo grande preocupação com isso por cá (somos dos poucos na Europa que ainda não apresentou medidas a nível da Defesa, nem sequer por alto), e parece que nos últimos tempos, tem sido um tema evitado a nível político. Parece-me imprudente.
Título: Re: Guerra Fria II
Enviado por: legionario em Abril 07, 2022, 10:18:17 pm
Lightning : a Europa tem que recuperar a sua zona de influência, em Africa sobretudo. Neste continente, temos uma concorrência rude da parte da China, da Rússia e até de países como a Arabia Saudita que quer assegurar a sua segurança alimentar uma vez acabadas as rendas provenientes do petróleo. Estes países compram ou alugam extensos territórios e multiplicam os projetos de produção agrícola, não só em Africa como na América do Sul.
Países com tradição de presença em Africa, como Portugal, não deve nem pode, descurar a Africa.

Dc : No campeonato da geopolítica, o meu clube é Portugal e a Europa.
Partilho claro está, a sua preocupação com a falta de medidas em Portugal em matéria de defesa, acrescento também em matéria de Proteção Civil e de segurança alimentar.
Título: Re: Guerra Fria II
Enviado por: Viajante em Abril 07, 2022, 10:45:48 pm
Lightning : a Europa tem que recuperar a sua zona de influência, em Africa sobretudo. Neste continente, temos uma concorrência rude da parte da China, da Rússia e até de países como a Arabia Saudita que quer assegurar a sua segurança alimentar uma vez acabadas as rendas provenientes do petróleo. Estes países compram ou alugam extensos territórios e multiplicam os projetos de produção agrícola, não só em Africa como na América do Sul.
Países com tradição de presença em Africa, como Portugal, não deve nem pode, descurar a Africa.

Dc : No campeonato da geopolítica, o meu clube é Portugal e a Europa.
Partilho claro está, a sua preocupação com a falta de medidas em Portugal em matéria de defesa, acrescento também em matéria de Proteção Civil e de segurança alimentar.

Até concordo consigo caro Legionário. Mas sabe muito bem, por exemplo no caso português, os governos lusos bajulam os antigos territórios ultramarinos e sabe bem como somos tratados por aqueles corruptos, não sabe?
Como é da área, sabe também o martírio que os empresários portugueses passam para que lhes paguem o que devem! E se não pagarem, lá vai o estado português salvar a empresa nacional para que não vá à falência!!!!
Conheço pelo menos um empresário nacional que diz que para ele negócios com África acabaram!!!!! Antes que os negócios acabem com ele!!!!!!

Sobre a absoluta falta de visão nacional deste governo...... sem comentários e ainda lhe deram maioria absoluta! Sem falta de visão para a independência energética, alimentar, de defesa.......

Eu também defendo uma UE plural, mas..... com um jeitinho ainda temos o Costa a substituir a Von Der Leyen daqui a 2 anos!!!!!
A boa notícia é que vamos novamente a eleições!!!!!

O Costa está à espera de outro PRR para investir na defesa  ::)
Ele é tão estratega que voltou a entregar o mesmo orçamento com alguns remendos como se não houvesse inflação, subida da energia e combustíveis e não houvesse uma guerra na Europa!!!!

Ele, o Borell e o Mitchel vão fazer uma tripla que mete o Putin, o Xi e o Biden a tremerem...... de tanto rir!!!!
Título: Re: Guerra Fria II
Enviado por: Subsea7 em Abril 07, 2022, 10:48:40 pm
Pois, a narrativa da "Rússia coitadinha" continua. Ora pois, invadem um país vizinho a seu bel-prazer, e como não gostam da reacção do resto do Ocidente, viram-se para a China, que só por acaso, tem intenções semelhantes relativamente à sua vizinhança. E mesmo a narrativa de que a Rússia queria ter uma ligação amigável com a Europa, começa a não colar. A Rússia queria uma Europa cada vez mais dependente de si, e dessa forma ter-nos na mão. E a Europa agora vê que isso é um risco.

Depois, falar do "patrão" do outro lado do Atlântico, como que a dizer que preferiam que o patrão fosse a Rússia de Putin, é no mínimo cómico. Mas cada um com a sua agenda.

O gigante chinês continua dependente do Ocidente para os seus produtos, e consequentemente, para a sua economia. O Ocidente tem é que começar a deslocalizar as suas fábricas de lá, e ao mesmo tempo depender muito menos dos produtos vendidos pelos chineses. É um processo moroso, mas que a médio/longo prazo terá benefícios.

Para terminar, a Rússia, estaria muito melhor, se tivesse um regime muito mais "amigável". Só têm que se culpar a eles próprios pelos delírios imperialistas que têm. A Rússia podia, e devia, ser um daqueles aliados especiais da NATO. Agora, se andam a querer mandar em tudo o que é país vizinho, apoiam governos pró-Rússia ou criam governos fantoche, e quando não obedecem, toca a invadir, ainda se admiram que os vizinhos queiram juntar-se à NATO? Pois, já sabemos, a NATO alicia-os... com a segurança que oferece a esses países, face à clara ameaça russa... Malvada NATO! Também deve ter aliciado a cada vez maior percentagem da população sueca e finlandesa, que pende a favor da entrada na NATO.

Bom, mas voltando ao tópico, estou mais de olho nas movimentações, e possíveis conflitos por esse mundo fora. A situação nas Coreias, no Norte de África, no MO, no Leste da Europa, entre a China-Índia, China-Taiwan, Arménia-Azerbaijão, possíveis disputas territoriais entre o Japão e Rússia, o acordo entre as Ilhas Salomão e a China... a ver vamos se entretanto não surgem mais problemas algures no globo, como na América do Sul. A realidade é que, as coisas vão-se pôr negras, e não vejo grande preocupação com isso por cá (somos dos poucos na Europa que ainda não apresentou medidas a nível da Defesa, nem sequer por alto), e parece que nos últimos tempos, tem sido um tema evitado a nível político. Parece-me imprudente.

É um tema melindroso, como anunciar gastar 2500 milhões em F-35 por exemplo? Muita gente que não dorme a pensar, como fugir destas despesas.
Cps,
Título: Re: Guerra Fria II
Enviado por: Viajante em Abril 07, 2022, 11:50:02 pm
É um tema melindroso, como anunciar gastar 2500 milhões em F-35 por exemplo? Muita gente que não dorme a pensar, como fugir destas despesas.
Cps,

Está a referir-se aos políticos?
Viu com que facilidade enterraram 3,5 mil milhões de euros na TAP falida? E ainda não acabou!
Só neste milénio, o estado já injectou 9 mil milhões na CGD (e nunca ouvi ninguém sequer responsabilizar os gestores maravilha da CGD, chamados Carlos Santos Ferreira e Armando Vara, amigos do Sócrates e socialistas, quando emprestaram dinheiro do nosso banco sem garantias!!!!!). Apesar da justiça finalmente estar em cima dos gestores maravilha: https://expresso.pt/sociedade/2021-06-29-Carlos-Santos-Ferreira-ex-presidente-da-CGD-e-do-BCP-constituido-arguido-no-caso-de-Berardo-3577c34b

E depois Sócrates (quando tiver tempo, conto a história como o Sócrates avançou com um plano secreto para dominar a banca, comunicação social!!!! Depois com o maravilhoso negócio do empréstimo de dinheiro sem garantias para comprarem acções do BCP e com isso dominarem mais um banco que quase foi à bancarrota (BCP) e com, novamente mais 2 gestores maravilha o Carlos Santos Silva e o Armando Vara para o domínio e quase destruição do BCP........ (neste caso os milhares de milhões de euros para salvar o banco, foram os accionistas que se tramaram!!!!!

Mas adiante, só na banca e neste milénio, já estamos a arder quase 30 mil milhões de euros!!!!!!

Estivemos quase a enterrar mais de 12 mil milhões no TGV (estivesse mais algum tempo o Sócrates no poder........)
Queremos investir 8 a 9 mil milhões no hidrogénio!!!!

E os nossos políticos estão preocupados com 2,5 mil milhões de euros?!?!?!?!
Então no caso da Marinha ainda é mais grave de tão fácil que é indirectamente financiar a construção em estaleiros nacionais com fundos comunitários!!!!!!

O caro subsea7 sabe que a CIM gastam 11 mil milhões de euros por ano em investimentos? (festas, rotundas, pavilhões multi-mega.......

Que pena tenho eu das insónias destes palermas!!!!!!

Bem, agora vou ver a SIC notícias que a Nelminha está quase a chegar  :mrgreen:
Título: Re: Guerra Fria II
Enviado por: legionario em Abril 08, 2022, 12:02:16 am
Lightning : a Europa tem que recuperar a sua zona de influência, em Africa sobretudo. Neste continente, temos uma concorrência rude da parte da China, da Rússia e até de países como a Arabia Saudita que quer assegurar a sua segurança alimentar uma vez acabadas as rendas provenientes do petróleo. Estes países compram ou alugam extensos territórios e multiplicam os projetos de produção agrícola, não só em Africa como na América do Sul.
Países com tradição de presença em Africa, como Portugal, não deve nem pode, descurar a Africa.

Dc : No campeonato da geopolítica, o meu clube é Portugal e a Europa.
Partilho claro está, a sua preocupação com a falta de medidas em Portugal em matéria de defesa, acrescento também em matéria de Proteção Civil e de segurança alimentar.

Até concordo consigo caro Legionário. Mas sabe muito bem, por exemplo no caso português, os governos lusos bajulam os antigos territórios ultramarinos e sabe bem como somos tratados por aqueles corruptos, não sabe?
Como é da área, sabe também o martírio que os empresários portugueses passam para que lhes paguem o que devem! E se não pagarem, lá vai o estado português salvar a empresa nacional para que não vá à falência!!!!
Conheço pelo menos um empresário nacional que diz que para ele negócios com África acabaram!!!!! Antes que os negócios acabem com ele!!!!!!

Sobre a absoluta falta de visão nacional deste governo...... sem comentários e ainda lhe deram maioria absoluta! Sem falta de visão para a independência energética, alimentar, de defesa.......

Eu também defendo uma UE plural, mas..... com um jeitinho ainda temos o Costa a substituir a Von Der Leyen daqui a 2 anos!!!!!
A boa notícia é que vamos novamente a eleições!!!!!

O Costa está à espera de outro PRR para investir na defesa  ::)
Ele é tão estratega que voltou a entregar o mesmo orçamento com alguns remendos como se não houvesse inflação, subida da energia e combustíveis e não houvesse uma guerra na Europa!!!!

Ele, o Borell e o Mitchel vão fazer uma tripla que mete o Putin, o Xi e o Biden a tremerem...... de tanto rir!!!!

O ex-território que conheço melhor é a Guiné-Bissau. Se for nos moldes habituais...nada a fazer.
Portugal teria que estudar uma maneira de cimentar as instituições locais, em particular o aparelho judiciário, tribunais e policias.
Portugal beneficia de um grande capital-simpatia por parte da generalidade dos guineenses, devido sobretudo às missões portuguesas na área da saúde, educação, entre outras. O principal problema reside no facto que os nossos amigos africanos conhecem bem alguns verbos mas desconhecem outros... :D
A abordagem tem que ser feita de uma forma completamente diferente da habitual. Pode ser feito mas eu não sei como, não me vou pôr para aqui a especular , tipo... teria que ser assim ou assado. Cinismo à parte, a Guiné também não tem grande coisa, em matéria de recursos, que nos "dê jeito", mas Angola e Moçambique poderiam ser objeto de uma maior atenção mas mesmo aqui, eu também não saberia explicar a maneira de o fazer. O que sabemos é que o risco de investir em Africa é enorme... apesar disso, os chineses e os turcos (p.ex) parece que apreenderam bem o modus operandi local.
Título: Re: Guerra Fria II
Enviado por: asalves em Abril 08, 2022, 09:29:45 am
Para ter influencia externa é preciso dinheiro para investir/gastar lá. Se nós nem dinheiro temos para gastar cá quando mais em África.

Nova Embaixada dos EUA custa mais de metade do Orçamento de Cabo Verde
https://www.noticiasaominuto.com/mundo/1788879/nova-embaixada-dos-eua-na-praia-custa-mais-de-metade-do-pib-de-cabo-verde

O que temos andado a fazer em África não tem resultado pois é risível ao nível dos valores.
Título: Re: Guerra Fria II
Enviado por: FoxTroop em Abril 08, 2022, 10:11:21 am
Podia lá estar o maior democrata plasmado neste planeta que a Rússia iria sempre reagir a uma situação como a da Ucrânia, aliás, como qualquer país, independentemente do governo ou líder que lá esteja. Por isso é que australianos estão a ir ao arames com a situação das Ilhas Salomão ou os ingleses estão a ficar nervosos com uma aproximação da Argentina à Rússia e um possível acordo de fornecimento de equipamentos militares, que podem virar a balança na questão das Malvinas.

A UE fez merda da grande, simplesmente imolou-se. A guerra da Ucrânia é apenas um pano a esconder um jogo bem maior em que Rússia, China, Índia, entre outros, juntaram-se para quebrar a base do domínio Ocidental. Foi conseguido e agora é apenas uma questão de tempo. A UE está acabada e os anglo-saxões, que pensam que com a Europa destruída, podem ficar na mó de cima, vão ter um choque de realidade.

Quando, aliada a uma inflação real que já vai acima de 15% e é apenas o inicio, começarem a chegar às nossas fronteiras dezenas de milhões vindo do ME e da África subsariana, sem nada a perder e nós metidos em graves tumultos sociais pois a malta em França, Alemanha, Espanha ou Itália não vai ficar sentada em cima das mãos a ver o nível de vida a ir pelo esgoto por uns burocratas quaisquer em Bruxelas a mando de Washington, talvez aqui se deixem de conversa de treta sobre brinquedos!!

Tal como na mitologia, e parafraseando o "tangas mor" ressuscitado no fórum,  "todos aqui sabemos" como Europa acabou.
Título: Re: Guerra Fria II
Enviado por: PTWolf em Abril 08, 2022, 12:02:56 pm
Pois, a narrativa da "Rússia coitadinha" continua. Ora pois, invadem um país vizinho a seu bel-prazer, e como não gostam da reacção do resto do Ocidente, viram-se para a China, que só por acaso, tem intenções semelhantes relativamente à sua vizinhança. E mesmo a narrativa de que a Rússia queria ter uma ligação amigável com a Europa, começa a não colar. A Rússia queria uma Europa cada vez mais dependente de si, e dessa forma ter-nos na mão. E a Europa agora vê que isso é um risco.

Depois, falar do "patrão" do outro lado do Atlântico, como que a dizer que preferiam que o patrão fosse a Rússia de Putin, é no mínimo cómico. Mas cada um com a sua agenda.

O gigante chinês continua dependente do Ocidente para os seus produtos, e consequentemente, para a sua economia. O Ocidente tem é que começar a deslocalizar as suas fábricas de lá, e ao mesmo tempo depender muito menos dos produtos vendidos pelos chineses. É um processo moroso, mas que a médio/longo prazo terá benefícios.

Para terminar, a Rússia, estaria muito melhor, se tivesse um regime muito mais "amigável". Só têm que se culpar a eles próprios pelos delírios imperialistas que têm. A Rússia podia, e devia, ser um daqueles aliados especiais da NATO. Agora, se andam a querer mandar em tudo o que é país vizinho, apoiam governos pró-Rússia ou criam governos fantoche, e quando não obedecem, toca a invadir, ainda se admiram que os vizinhos queiram juntar-se à NATO? Pois, já sabemos, a NATO alicia-os... com a segurança que oferece a esses países, face à clara ameaça russa... Malvada NATO! Também deve ter aliciado a cada vez maior percentagem da população sueca e finlandesa, que pende a favor da entrada na NATO.

Bom, mas voltando ao tópico, estou mais de olho nas movimentações, e possíveis conflitos por esse mundo fora. A situação nas Coreias, no Norte de África, no MO, no Leste da Europa, entre a China-Índia, China-Taiwan, Arménia-Azerbaijão, possíveis disputas territoriais entre o Japão e Rússia, o acordo entre as Ilhas Salomão e a China... a ver vamos se entretanto não surgem mais problemas algures no globo, como na América do Sul. A realidade é que, as coisas vão-se pôr negras, e não vejo grande preocupação com isso por cá (somos dos poucos na Europa que ainda não apresentou medidas a nível da Defesa, nem sequer por alto), e parece que nos últimos tempos, tem sido um tema evitado a nível político. Parece-me imprudente.

É um tema melindroso, como anunciar gastar 2500 milhões em F-35 por exemplo? Muita gente que não dorme a pensar, como fugir destas despesas.
Cps,

Politicamente esta é a melhor altura para anunciar investimentos na defesa, senão for agora é quando?

Título: Re: Guerra Fria II
Enviado por: asalves em Abril 08, 2022, 04:39:49 pm
Apesar das ameaças russas, a Finlândia vai candidatar-se à NATO na primeira semana de maio
https://multinews.sapo.pt/noticias/apesar-das-ameacas-russas-a-finlandia-vai-candidatar-se-a-nato-na-primeira-semana-de-maio/
Citar
Apesar das ameaças da Rússia, a Finlândia planeia candidatar-se à adesão à Organização do Tratado do Atlântico Norte (NATO) na primeira semana de maio, segundo revelou esta sexta-feira a agência de notícias finlandesa ‘Iltalehti’ – Helsínquia vai iniciar os preparativos para ingressar na aliança militar a 14 de abril e o pedido de adesão será apresentado no arranque de maio.

Também o antigo primeiro-ministro do país nórdico, Alexander Stubb, frisou que a Finlândia “será candidata dentro de semanas”, o mais tardar em maio. “No início da guerra disse que a agressão de Putin levaria a Finlândia e a Suécia a candidatarem-se à adesão à NATO. Não disse que era uma questão de dias ou semanas, mas meses. Maio. Suécia a seguir, ou ao mesmo tempo”, revelou num ‘tweet’.

O ministro dos Negócios Estrangeiros da Finlândia, Pekka Haavisto, garantiu que “mantemos a opção da NATO” e, de acordo com diversas sondagens, “a maioria dos cidadãos finlandeses é a favor da parceria com a NATO”, em entrevista à agência ‘Anadolu’

Uma sondagem, realizada a meados de março da emissora pública finlandesa YLE, apontou pela primeira vez que a maioria dos finlandeses quer a adesão à NATO, com 62% – antes da invasão russa à Ucrânia, as sondagens apontavam que a maioria se opunha à aliança atlântica. Outra pesquisa recente da YLE revelou que 112 deputados do Parlamento finlandês apoiam a adesão à NATO, enquanto 71 se opõem e 17 deles estão indecisos.

O porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, em declarações à ‘Sky News’ na passada quinta-feira que se a Finlândia e a Suécia se juntassem à NATO, a Rússia vai procurar “reequilibrar a situação” para “garantir a nossa própria segurança”, garantindo que a NATO é uma “máquina de confronto, não é uma aliança pacífica”.

Velhaca da NATO e da Europa, estão mesmo a provocar os Russos.  :mrgreen: :mrgreen:

(https://pbs.twimg.com/media/FP0EhSOWYAEMFvM?format=jpg&name=small)
Título: Re: Guerra Fria II
Enviado por: dc em Abril 09, 2022, 04:03:22 pm
Apesar das ameaças russas, a Finlândia vai candidatar-se à NATO na primeira semana de maio
https://multinews.sapo.pt/noticias/apesar-das-ameacas-russas-a-finlandia-vai-candidatar-se-a-nato-na-primeira-semana-de-maio/
Citar
Apesar das ameaças da Rússia, a Finlândia planeia candidatar-se à adesão à Organização do Tratado do Atlântico Norte (NATO) na primeira semana de maio, segundo revelou esta sexta-feira a agência de notícias finlandesa ‘Iltalehti’ – Helsínquia vai iniciar os preparativos para ingressar na aliança militar a 14 de abril e o pedido de adesão será apresentado no arranque de maio.

Também o antigo primeiro-ministro do país nórdico, Alexander Stubb, frisou que a Finlândia “será candidata dentro de semanas”, o mais tardar em maio. “No início da guerra disse que a agressão de Putin levaria a Finlândia e a Suécia a candidatarem-se à adesão à NATO. Não disse que era uma questão de dias ou semanas, mas meses. Maio. Suécia a seguir, ou ao mesmo tempo”, revelou num ‘tweet’.

O ministro dos Negócios Estrangeiros da Finlândia, Pekka Haavisto, garantiu que “mantemos a opção da NATO” e, de acordo com diversas sondagens, “a maioria dos cidadãos finlandeses é a favor da parceria com a NATO”, em entrevista à agência ‘Anadolu’

Uma sondagem, realizada a meados de março da emissora pública finlandesa YLE, apontou pela primeira vez que a maioria dos finlandeses quer a adesão à NATO, com 62% – antes da invasão russa à Ucrânia, as sondagens apontavam que a maioria se opunha à aliança atlântica. Outra pesquisa recente da YLE revelou que 112 deputados do Parlamento finlandês apoiam a adesão à NATO, enquanto 71 se opõem e 17 deles estão indecisos.

O porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, em declarações à ‘Sky News’ na passada quinta-feira que se a Finlândia e a Suécia se juntassem à NATO, a Rússia vai procurar “reequilibrar a situação” para “garantir a nossa própria segurança”, garantindo que a NATO é uma “máquina de confronto, não é uma aliança pacífica”.

Velhaca da NATO e da Europa, estão mesmo a provocar os Russos.  :mrgreen: :mrgreen:

(https://pbs.twimg.com/media/FP0EhSOWYAEMFvM?format=jpg&name=small)

Resumindo, o plano russo de invadir a Ucrânia para "travar a expansão da malvada NATO" apenas fez com que acontecesse exactamente o oposto. E esta?  ::)

Podia lá estar o maior democrata plasmado neste planeta que a Rússia iria sempre reagir a uma situação como a da Ucrânia, aliás, como qualquer país, independentemente do governo ou líder que lá esteja. Por isso é que australianos estão a ir ao arames com a situação das Ilhas Salomão ou os ingleses estão a ficar nervosos com uma aproximação da Argentina à Rússia e um possível acordo de fornecimento de equipamentos militares, que podem virar a balança na questão das Malvinas.

Isso é uma tremenda suposição. Ao nível de "os homens são todos iguais". Com uma Rússia muito menos "tóxica" a nível da política externa, os países vizinhos não se quereriam juntar à NATO. Só têm que se culpar a eles próprios pelo sentimento de instabilidade vivido nos países vizinhos. A reacção, foi a típica reacção de quem não teve poder de manipular o governo ucraniano a aceitar as suas condições ilegítimas.

Dizer que qualquer país fazia o mesmo, também é mentira. Que eu saiba, a primeira reacção a determinada acção, não é logo o conflito, existem processos bem antes disso, inclusive o diálogo. Os próprios russos sabem bem que a narrativa da "ameaça da Ucrânia" não tinha ponta por onde pegar, portanto toca a inventar a desnazificação.

Quanto às Ilhas Salomão, convém notar que enquanto a Rússia era uma ameaça real à Ucrânia (como aliás acabou por se revelar), a Austrália não é uma ameaça àquele país. O pretexto chinês para o acordo para defender as Ilhas Salomão, não tem sequer razão de ser. Seja como for, a Austrália não vai invadir as Ilhas, por causa disso, apenas reforça o seu armamento para fazer face à ameaça chinesa.

Quanto às Malvinas, o fornecimento de algum equipamento militar não vai fazer a diferença, apenas servirá de pretexto para os ingleses reforçarem lá a sua presença, e dado ser um território disputado, faz todo o sentido.

E estes casos, nada têm a ver com a situação na Ucrânia.
Título: Re: Guerra Fria II
Enviado por: legionario em Abril 10, 2022, 03:30:45 am
Em 2004 o presidente Clinton concordou com a proposta do Putine para a entrada da Rússia na OTAN, ideia que foi depois rejeitada pelo presidente Bush-pai. A entrada da Rússia na UE também esteve em cima da mesa. Ambas as ideias foram rejeitadas pelos americanos ; a serem aceites, teríamos a tal Europa idealizada por Charles de Gaulle, do Atlântico aos Urais. Esta grande Europa não foi concretizada devido à oposição dos EUA , porquê ?
O que está feito, está feito. Agora temos que lidar e preparar-nos para fazer face ao eixo Rússia-China.

Não é só nas Salomão que a China mete a colher, temos também o Montenegro, a Guiné Equatorial e uma série de países africanos que aceitam a presença (e o diktat) chinês.
Os chineses têm invariavelmente a mesma abordagem nos países africanos ;  o capital : financiam grandes projetos e fazem reféns da dívida os países que os aceitam  e a ideologia : "os europeus são "maus" ...no passado colonizaram-vos e agora são neocolonialistas...corram com eles ! 
Até o Mali, que sempre foi um dos protegidos da França, agora que tem as costas quentes, fez (tentou fazer) um ultimatum à França para que esta retire imediatamente as suas forças.
Em Africa, para além da China, temos a Rússia que através da Wagner que faz oficio de guarda pretoriana nos países onde se implanta e que garante ou tenta garantir a conivência e a estabilidade dos regimes africanos visados.
A coisa está a ficar preta para nós europeus.
Título: Re: Guerra Fria II
Enviado por: FoxTroop em Abril 10, 2022, 07:44:07 am
The Dollar Devours the Euro

By Michael Hudson and posted with the author’s permission

It is now clear that today’s escalation of the New Cold War was planned over a year ago, with serious strategy associated with America’s plan to block Nord Stream 2 as part of its aim of blocking Western Europe (“NATO”) from seeking prosperity by mutual trade and investment with China and Russia.

As President Biden and U.S. national-security reports announced, China was seen as the major enemy. Despite China’s helpful role in enabling corporate America to drive down labor’s wage rates by de-industrializing the U.S. economy in favor of Chinese industrialization, China’s growth was recognized as posing the Ultimate Terror: prosperity through socialism. Socialist industrialization always has been perceived to be the great enemy of the rentier economy that has taken over most nations in the century since World War I ended, and especially since the 1980s. The result today is a clash of economic systems – socialist industrialization vs. neoliberal finance capitalism.

That makes the New Cold War against China an implicit opening act of what threatens to be a long-drawn-out World War III. The U.S. strategy is to pry away China’s most likely economic allies, especially Russia, Central Asia, South Asia and East Asia. The question was, where to start the carve-up and isolation.

Russia was seen as presenting the greatest opportunity to begin isolating, both from China and from the NATO Eurozone. A sequence of increasingly severe – and hopefully fatal – sanctions against Russia was drawn up to block NATO from trading with it. All that was needed to ignite the geopolitical earthquake was a casus belli.

That was arranged easily enough. The escalating New Cold War could have been launched in the Near East – over resistance to America’s grabbing of Iraqi oil fields, or against Iran and countries helping it survive economically, or in East Africa. Plans for coups, color revolutions and regime change have been drawn up for all these areas, and America’s African army has been built up especially fast over the past year or two. But Ukraine has been subjected to a U.S.-backed civil war for eight years, since the 2014 Maidan coup, and offered the chance for the greatest first victory in this confrontation against China, Russia and their allies.

So the Russian-speaking Donetsk and Luhansk regions were shelled with increasing intensity, and when Russia still refrained from responding, plans reportedly were drawn up for a great showdown to commence in late February – beginning with a blitzkrieg Western Ukrainian attack organized by U.S. advisors and armed by NATO.

Russia’s preemptive defense of the two Eastern Ukrainian provinces and its subsequent military destruction of the Ukrainian army, navy and air force over the past two months has been used as the excuse to start imposing the U.S.-designed sanctions program that we are seeing unfolding today. Western Europe has dutifully gone along whole-hog. Instead of buying Russian gas, oil and food grains, it will buy these from the United States, along with sharply increased arms imports.

The prospective fall in the Euro/Dollar exchange rate

It therefore is appropriate to look at how this is likely to affect Western Europe’s balance of payments and hence the euro’s exchange rate against the dollar.

European trade and investment prior to the War to Impose Sanctions had promised a rising mutual prosperity between Germany, France and other NATO countries vis-à-vis Russia and China. Russia was providing abundant energy at a competitive price, and this energy was to make a quantum leap with Nord Stream 2. Europe was to earn the foreign exchange to pay for this rising import trade by a combination of exporting more industrial manufactures to Russia and capital investment in developing the Russian economy, e.g. by German auto companies and financial investment. This bilateral trade and investment is now stopped – and will remain stopped for many, many years, given NATO’s confiscation of Russia’s foreign reserves kept in euros and British sterling, and the European Russophobia being fanned by U.S. propaganda media.

In its place, NATO countries will purchase U.S. LNG – but they will need to spend billions of dollars building sufficient port capacity, which may take until perhaps 2024. (Good luck until then.) The energy shortage will sharply raise the world price of gas and oil. NATO countries also will step up their purchases of arms from the U.S. military-industrial complex. The near-panic buying will also raise the price for arms. And food prices also will rise as a result of the desperate grain shortfalls resulting from a cessation of imports from Russia and Ukraine on the one hand, and the shortage of ammonia fertilizer made from gas.

All three of these trade dynamics will strengthen the dollar vis-à-vis the euro. The question is, how will Europe balance its international payments with the United States? What does it have to export that the U.S. economy will accept as its own protectionist interests gain influence, now that global free trade is dying quickly?

The answer is, not much. So what will Europe do?

I could make a modest proposal. Now that Europe has pretty much ceased to be a politically independent state, it is beginning to look more like Panama and Liberia – “flag of convenience” offshore banking centers that are not real “states” because they don’t issue their own currency, but use the U.S. dollar. Since the eurozone has been created with monetary handcuffs limiting its ability to create money to spend into the economy beyond the limit of 3 percent of GDP, why not simply throw in the financial towel and adopt the U.S. dollar, like Ecuador, Somalia and the Turks and Caicos Islands? That would give foreign investors security against currency depreciation in their rising trade with Europe and its export financing.

For Europe, the alternative is that the dollar-cost of its foreign debt taken on to finance its widening trade deficit with the United States for oil, arms and food will explode. The cost in euros will be even greater as the currency falls against the dollar. Interest rates will rise, slowing investment and making Europe even more dependent on imports. The eurozone will turn into an economic dead zone.

For the United States, this is Dollar Hegemony on steroids – at least vis-à-vis Europe. The continent would become a somewhat larger version of Puerto Rico.

The dollar vis-à-vis Global South currencies

The full-blown version of the New Cold War triggered by the “Ukraine War” risks turning into the opening salvo of World War III, and is likely to last at least a decade, perhaps two, as the U.S. extends the fight between neoliberalism and socialism to encompass a worldwide conflict. Apart from the U.S. economic conquest of Europe, its strategists are seeking to lock in African, South American and Asian countries along similar lines to what has been planned for Europe.

The sharp rise in energy and food prices will hit food-deficit and oil-deficit economies hard – at the same time that their foreign dollar-denominated debts to bondholders and banks are falling due and the dollar’s exchange rate is rising against their own currency. Many African and Latin American countries – especially North Africa – face a choice between going hungry, cutting back their gasoline and electricity use, or borrowing the dollars to cover their dependency on U.S.-shaped trade.

There has been talk of IMF issues of new SDRs to finance the rising trade and payments deficits. But such credit always comes with strings attached. The IMF has its own policy of sanctioning countries that do not obey U.S. policy. The first U.S. demand will be that these countries boycott Russia, China and their emerging trade and currency self-help alliance. “Why should we give you SDRs or extend new dollar loans to you, if you are simply going to spend these in Russia, China and other countries that we have declared to be enemies,” the U.S. officials will ask.

At least, this is the plan. I would not be surprised to see some African country become the “next Ukraine,” with U.S. proxy troops (there are still plenty of Wahabi advocates and mercenaries) fighting against the armies and populations of countries seeking to feed themselves with grain from Russian farms, and power their economies with oil or gas from Russian wells – not to speak of participating in China’s Belt and Road Initiative that was, after all, the trigger to America’s launching of its new war for global neoliberal hegemony.

The world economy is being enflamed, and the United States has prepared for a military response and weaponization of its own oil and agricultural export trade, arms trade and demands for countries to choose which side of the New Iron Curtain they wish to join.

But what is in this for Europe? Greek labor unions already are demonstrating against the sanctions being imposed. And in Hungary, Prime Minister Viktor Orban has just won an election on what is basically an anti-EU and anti-U.S. worldview, starting with paying for Russian gas in roubles. How many other countries will break ranks – and how long will it take?

What is in this for the Global South countries being squeezed – not merely as “collateral damage” to the deep shortages and soaring prices for energy and food, but as the very objective of U.S. strategy as it inaugurates the great splitting of the world economy in two? India has already told U.S. diplomats that its economy is naturally connected with those of Russia and China. Pakistan finds the same calculus at work.

From the U.S. vantage point, all that needs to be answered is, “What’s in it for the local politicians and client oligarchies that we reward for delivering their countries?”

From its planning stages, U.S. diplomatic strategists viewed the looming World War III as a war of economic systems. What side will countries choose: their own economic interest and social cohesion, or submission to local political leaders installed by U.S. meddling like the $5 billion that Assistant Secretary of State Victoria Nuland bragged of having invested in Ukraine’s neo-Nazi parties eight years ago to initiate the fighting that has erupted into today’s war?

In the face of all this political meddling and media propaganda, how long will it take the rest of the world to realize that there’s a global war underway, with World War III on the horizon? The real problem is that by the time the world understands what is going on, the global fracture will already have enabled Russia, China and Eurasia to create a real non-neoliberal New World Order that does not need NATO countries and which has lost trust and hope for mutual economic gains with them. The military battlefield will be littered with economic corpses.
Título: Re: Guerra Fria II
Enviado por: Lightning em Abril 10, 2022, 01:00:32 pm
Em 2004 o presidente Clinton concordou com a proposta do Putine para a entrada da Rússia na OTAN, ideia que foi depois rejeitada pelo presidente Bush-pai.

O Bush "pai" foi Presidente antes do Clinton (89 a 93), apanhou a 1a guerra do Golfo, o Clinton foi Presidente depois do Bush, entre 93 a 2001.
Título: Re: Guerra Fria II
Enviado por: legionario em Abril 10, 2022, 03:20:32 pm
Em 2004 o presidente Clinton concordou com a proposta do Putine para a entrada da Rússia na OTAN, ideia que foi depois rejeitada pelo presidente Bush-pai.

O Bush "pai" foi Presidente antes do Clinton (89 a 93), apanhou a 1a guerra do Golfo, o Clinton foi Presidente depois do Bush, entre 93 a 2001.

Obrigado pela correção Lightning, fiz confusão com os presidentes, mas houve realmente essa proposta de entrada da Rússia na UE e na OTAN, está bem documentado em várias publicações na WEB que qualquer um pode confirmar.
Ontem estive a ver (distraidamente pois estava a ver duas coisas ao mesmo tempo) o documentário que passou na RTP3  sobre o Putine e penso que isso foi falado.
Título: Re: Guerra Fria II
Enviado por: Hammerhead em Abril 10, 2022, 07:27:32 pm
Os EUA forçaram os europeus a impor sanções contra a Rússia, enquanto eles próprios não apenas continuam a importar petróleo da Rússia, mas também aumentaram o volume de suprimentos de ouro negro em 43% na semana passada.

https://www.telesurenglish.net/news/US-Increases-Imports-of-Russian-Oil-by-43-In-the-Last-Week-20220403-0005.html
Título: Re: Guerra Fria II
Enviado por: Lightning em Abril 10, 2022, 07:50:56 pm
Esse site tem credibilidade?

Supostamente os EUA fizeram embargo ao petroleo russo quase desde o inicio da guerra.

Alguém anda a mentir.

https://www.dn.pt/internacional/eua-faz-embargo-ao-gas-russo-um-golpe-na-maquina-de-guerra-de-putin-diz-biden-14660871.html
Título: Re: Guerra Fria II
Enviado por: NVF em Abril 11, 2022, 05:16:33 am
Não foi uma proposta, mas sim uma sugestão do Putin aos ingleses, que o Clinton rejeitou, tal como já tinha referido anteriormente. Mas foi uma sugestão feita com a arrogância típica do Putin –– quando lhe disseram que a Rússia teria que se candidatar, como qualquer outro país, a sua resposta foi que a Rússia não era um país como os outros e não deveria ter que esperar.
Título: Re: Guerra Fria II
Enviado por: asalves em Abril 11, 2022, 09:21:15 am
Os EUA forçaram os europeus a impor sanções contra a Rússia, enquanto eles próprios não apenas continuam a importar petróleo da Rússia, mas também aumentaram o volume de suprimentos de ouro negro em 43% na semana passada.

https://www.telesurenglish.net/news/US-Increases-Imports-of-Russian-Oil-by-43-In-the-Last-Week-20220403-0005.html

Pessoalmente não foi os EUA a forçarem sanções, considero que tenha sido a possição da sociedade civil a dar força à Europa para que esta aplique mais sanções, ou está-se a esquecer que as primeiras medidas de sanções contra a Rússia eram muito ligeiras?
Título: Re: Guerra Fria II
Enviado por: Hammerhead em Abril 11, 2022, 09:47:04 am
Quem compra petrolio a Russia...

https://economictimes.indiatimes.com/news/international/business/who-is-buying-russian-crude-oil-and-who-has-stopped/articleshow/90679550.cms
Título: Re: Guerra Fria II
Enviado por: Johnnie em Abril 11, 2022, 09:47:33 am
Voçês ainda perdem tempo a responder ás provocações desse verme?
Título: Re: Guerra Fria II
Enviado por: Hammerhead em Abril 11, 2022, 10:02:33 am
USA continua a comprar oleo aos Russos para depois o vender a Europa a preço dublo...

https://www.latribune.fr/economie/international/malgre-l-embargo-les-etats-unis-continuent-d-importer-du-petrole-russe-913014.html
Título: Re: Guerra Fria II
Enviado por: papatango em Abril 11, 2022, 11:02:37 pm
Citar
USA continua a comprar oleo aos Russos para depois o vender a Europa a preço dublo...
Obviamente a notícia é falsa, já que não foi comprado petróleo,
O petróleo já comprado e em transito tem que ser recebido, isso qualquer pessoa compreende. Há medida que navios maiores ou menores chegam isso nota-se nas médias.

Em Portugal também tivemos uma situação destas com um navio russo a descarregar em Sines, combustíveis que estavam comprados...

Além deste desmentido, não se encontra nada a concluir que os americanos estão a vender o petróleo que compraram aos russos, ao dobro do preço ...
Título: Re: Guerra Fria II
Enviado por: CruzSilva em Abril 16, 2022, 06:28:32 pm
CAÇA RUSSO ESCOLTA AERONAVE DE RECONHECIMENTO AMERICANA

Título: Re: Guerra Fria II
Enviado por: legionario em Abril 18, 2022, 02:11:39 am
"A natureza tem horror do vazio",  (la nature a horreur du vide) traduzi literalmente uma expressão de Dominique de Villepin, ex-primeiro-ministro francês que ele utilizou para comentar a saída da França da RCA  e a "entrada" da Rússia, via a Wagner.

A historia da Wagner na RCA é um dos episódios que ilustra e explica a perda de influência da França em Africa.

A 30 de março de 2016, logo a seguir à cerimonia de investidura do novo presidente centro-africano, (Faustin Touadéra), o ministro francês dos negócios estrangeiros,  Jean-Yves Le Drian, que estava presente, anuncia na conferencia de imprensa que a França, no final desse mesmo anos, poria um termo à operação "SANGARIS".

O presidente centro-africano, siderado, pois estava consciente que sem o apoio francês ele não conseguiria controlar os diversos grupos armados que, a soldo de diferentes interesses, controlavam uma parte deste país riquíssimo em minerais, deslocou-se a Paris no mês seguinte, em Abril de 2016, para pedir ao presidente Hollande que mantenha a operação SANGARIS. François Hollande aceita e compromete-se publicamente em manter a presença da forças francesas na RCA.

Coisa estranha : algumas semanas depois, em 13 de maio de 2016, o presidente francês no decurso de uma visita relâmpago ao contingente francês presente na RCA  , dá o dito por não dito e anuncia a retirada dos franceses no final do ano. O motivo invocado : a França tem demasiadas missões exteriores (Sahel, Síria, Líbia, etc).

O presidente da RCA solicita à França que ao menos, forneça armas e equipamento ao seu exército. François Hollande promete entregar 1500 armas que a França tinha apreendido ao grupo terrorista Al-Shabbab. A demora na entrega  levou o presidente centro-africano a pedir uma audiência ao recém nomeado presidente Macron, em Setembro de 2017 ... onde o pedido de entrega de armas é reiterado. Note-se que estamos a falar de umas miseráveis 1500 armas usadas, AK-47 e possivelmente alguns vetustos RPG 7.

O problema da não entrega destas armas tem a ver com a sua proveniência : segundo as leis internacionais, as armas apreendidas numa zona de conflitos, têm que ser destruídas, ou seja, não podem voltar a ser utilizadas.

Finalmente, é a Rússia que decide ajudar a RCA e oferece a este país 3000 armas novas . Problema : Paris emite um veto no Conselho de Segurança da ONU ao fornecimento destas armas, invocando mais uma vez a lei internacional ; esta condiciona a entrega de armas : um exército que recebe armamento deve ser formado ao seu manuseamento antes da entrega ; é aqui que a Rússia propõe enviar instrutores russos para formar os soldados centro-africanos ; é assim que a Rússia põe pé na RCA.

No terreno, os resultados são espetaculares. Em 4 anos, a Wagner e os soldados da RCA por eles formados, assim como os soldados do Ruanda vindos em apoio, fizeram o que os 16 000 homens da MINUSCA e os 1600 da SANGARIS, não conseguiram fazer em 8 anos.

Se há uma palavra que pode definir a atuação da Wagner, essa palavra é a brutalidade... brutalidade como norma, não estamos a falar de casos isolados. Os soldados da MIINUSCA foram igualmente acusados de crimes contra os civis ; alguns casos de violação e de abusos vieram a publico e foram julgados em tribunal, sendo que as infames acusações contra alguns militares franceses não foram provadas.

Cada país africano onde a Wagner se implantou tem a sua história. Na RCA, foi assim que a Rússia ocupou o lugar que dantes era ocupado pela França.

Nota - para construir este texto baseei-me nos escritos, entre outros, de Alain Foka, conhecido jornalista africano.
Título: Re: Guerra Fria II
Enviado por: dc em Abril 19, 2022, 02:58:50 pm
(https://www.gtplanet.net/forum/proxy.php?image=https%3A%2F%2Fimg-9gag-fun.9cache.com%2Fphoto%2Fa412qQQ_460s.jpg&hash=b74c16e9a4d7d3cdbf107b991c727737)

Ia postar no tópico da Guerra na Ucrânia, mas já não fui a tempo.
Título: Re: Guerra Fria II
Enviado por: Lightning em Abril 19, 2022, 08:52:05 pm
Shuuuu, os verdadeiros estão em bases subterraneas à espera da guerra contra a NATO.
Título: Re: Guerra Fria II
Enviado por: Hammerhead em Abril 20, 2022, 05:13:24 pm
Esse site tem credibilidade?

Supostamente os EUA fizeram embargo ao petroleo russo quase desde o inicio da guerra.

Alguém anda a mentir.

https://www.dn.pt/internacional/eua-faz-embargo-ao-gas-russo-um-golpe-na-maquina-de-guerra-de-putin-diz-biden-14660871.html

Segundo a reuters, os 9 ultimos navios Russos descaregaram hoje as ultimas encomendas feitas pelos USA...

https://www.reuters.com/business/energy/us-refiners-receiving-last-russian-oil-cargoes-before-wind-down-2022-04-20/

Agora que vao parar de comprar petroleo a Russia, as rafinarias norte americanas têm um dilema, pois elas sao feitas para rafinar um tipo de petroleo, vamos dizer "mais fino/ligeiro" e quem vende esse tipo de crude sao os Iranianos, Venezuela e Russia... ô entao o petroleo de xisto americano, mas este tem limites, ja o petroleo arabe é diferente e tem que ser rafinado na Arábia Saudita por ser mais denso...
Título: Re: Guerra Fria II
Enviado por: Lightning em Abril 20, 2022, 09:03:41 pm
O governo americano disse que ia inserir 1000 milhões de barris de petróleo por mês das suas reservas estratégicas, esse petróleo também têm que ser refinado, não sei que tipo de petróleo é, mas para ser uma "reserva estratégica" deve ser algo que eles tem capacidade de fazer sozinhos...

Além disso também andam em negociações para por no activo a produção de petróleo do Irão e Venezuela.
Título: Re: Guerra Fria II
Enviado por: Hammerhead em Abril 20, 2022, 11:32:27 pm
O governo americano disse que ia inserir 1000 milhões de barris de petróleo por mês das suas reservas estratégicas, esse petróleo também têm que ser refinado, não sei que tipo de petróleo é, mas para ser uma "reserva estratégica" deve ser algo que eles tem capacidade de fazer sozinhos...

Além disso também andam em negociações para por no activo a produção de petróleo do Irão e Venezuela.

Sim esta correcto, e o que eles têm em reservas é petroleo de tipo "light crude" ... agora resta saber se o Irão e Venezuela vão aceitar de fazer negocios com os Estados-Unidos enquanto sobre sanções americanas...
Título: Re: Guerra Fria II
Enviado por: Duarte em Abril 21, 2022, 06:30:41 pm
Não há nenhuma dúvida de que a Rússia financia a extrema direita na Europa, mas também manipula os antigos partidos comunistas, pois esta rede já existia há décadas e é muito útil ainda ao Kremlin.. tudo serve para alcançar os objectivos. Estranhos companheiros nesta Guerra Fria 2.0..

Eles aqui acusam outros de panfleteiros, etc.. mas são eles que andam a espalhar propaganda russa sem fim, de fontes sem qualquer indício de isenção ou ética jornalística, e tentam causar divisão entre os países da NATO e do ocidente. Chamam-se de patriotas, pro-europeus, nacionalistas, batem no peito, etc.. mas na realidade são uma 5a coluna, paga, voluntária ou simplesmente idiotas úteis.. não se sabe, mas como repetem a cartilha do Kremlin sem perder um passo, não deve ser difícil deduzir. Teoristas de conspiracias, extremistas e outros tantos fracassados, anti-semitas velados e abertos (a culpa dos seus fracassos é sempre doutro, aquele grupo étnico do costume).., bajuladores do Putler, adeptos do Tucker Carlson, Alex Jones o e outros tantos tó-tós, há de tudo por aqui a querer passar-se por patriota e iluminado.  Sempre serve de comédia.. :mrgreen:







Título: Re: Guerra Fria II
Enviado por: Camuflage em Abril 21, 2022, 07:50:23 pm
Atendendo que o tópico da Ucrânia está bloqueado, aproveito para perguntar neste o seguinte:

A Rússia como é sabido está a fazer bombardeamento em massa recorrendo tanto artilharia, como aviação e misseis cruzeiro. A minha questão é: como se defende um território de peças de artilharia?
Título: Re: Guerra Fria II
Enviado por: Icterio em Abril 21, 2022, 08:15:44 pm
Talvez com fogo "counter-battery" (não sei bem o termo em português), ataques de interdição ãs munições e abastecimentos e, em último caso, também existem sistemas CIWS baseados em terra que conseguem detectar e abater projécteis de artilharia em voo.  Os americanos usaram sistemas assim no afeganistão com muito sucesso (até conseguiam atingir projecteis de morteiro) julgo, se a memória não me falha, com uma versão do Phalanx naval.
Título: Re: Guerra Fria II
Enviado por: Camuflage em Abril 21, 2022, 10:35:33 pm
No caso da Ucrânia vs Rússia o que poderia funcionar contra a artilharia russa que consiste em canhões, canhões autopropulsados e lançadores de rockets? Como parar uma salva de obuses no ar?
Título: Re: Guerra Fria II
Enviado por: asalves em Abril 22, 2022, 12:48:38 am
No caso da Ucrânia vs Rússia o que poderia funcionar contra a artilharia russa que consiste em canhões, canhões autopropulsados e lançadores de rockets? Como parar uma salva de obuses no ar?

Ter artilharia com mais alcance prevenindo e diminuído a capacidade Russa
Título: Re: Guerra Fria II
Enviado por: tenente em Abril 22, 2022, 08:00:35 am
No caso da Ucrânia vs Rússia o que poderia funcionar contra a artilharia russa que consiste em canhões, canhões autopropulsados e lançadores de rockets?

Primeiro, ter mais e melhor Aviação pois é só o maior perigo para a artilharia e restantes forças terrestres.
Segundo, possuir no material de artilharia, mais peças, pois tem maior alcance logo, maior capacidade e eficácia no tiro de contra bataria, que os obuzes.

Citar
Como parar uma salva de obuses no ar?

Granadas de artilharia já em voo, não paras, pois não consegues !

Abraços
Título: Re: Guerra Fria II
Enviado por: tenente em Abril 22, 2022, 08:05:50 am
Talvez com fogo "counter-battery" (não sei bem o termo em português), ataques de interdição ãs munições e abastecimentos e, em último caso, também existem sistemas CIWS baseados em terra que conseguem detectar e abater projécteis de artilharia em voo.  Os americanos usaram sistemas assim no afeganistão com muito sucesso (até conseguiam atingir projecteis de morteiro) julgo, se a memória não me falha, com uma versão do Phalanx naval.

não queiras comparar as velocidades em voo de granadas de morteiro com as granadas de obuses e pior ainda, se comparares com as das peças.

Título: Re: Guerra Fria II
Enviado por: Johnnie em Abril 22, 2022, 11:01:23 am
como se defende um território de peças de artilharia?

Drones armados para localizar e neutralizar as peças?
Título: Re: Guerra Fria II
Enviado por: Lusitano89 em Abril 22, 2022, 12:17:39 pm
Título: Re: Guerra Fria II
Enviado por: Icterio em Abril 22, 2022, 12:54:39 pm
Granadas de artilharia já em voo, não paras, pois não consegues !

Eu não consigo mas os sistemas CIWS modernos (inseridos num complexo com radar com essa capacidade) conseguem como o C-RAM ou o Iron Dome.
A questão é estarem no sítio certo porque o alcance é limitado.  Outro problema é a saturação de um ataque de artilharia. 
Geralmente são usados para defender uma base ou instalação específica.
Título: Re: Guerra Fria II
Enviado por: dc em Abril 22, 2022, 12:58:25 pm
Superioridade Aérea costuma ser a resposta para quase tudo, conseguindo-a, a artilharia não tem hipótese. Portanto, para um país que se queira preparar para a guerra, deve investir em caças em número suficiente e com armamento moderno e AWACS, baterias AA para defender as bases aéreas de onde operam, depois, investir em meios e armamento que tirem partido desta superioridade aérea.

C-RAM, em teoria, consegue abater munições de artilharia (até está no nome). Agora a eficácia que têm, é que é mais difícil de saber.
De qualquer das formas, são pouco relevantes, pois são caros, e apenas conseguem proteger uma área muito limitada. Uma coisa é usar para defender uma base no Afeganistão ou Iraque, contra o ocasional ataque de morteiros ou artilharia de uma força insurgente, outra é ter que defender o que quer que seja numa guerra convencional. Esse tipo de sistemas, anti-míssil/C-RAM, seriam no máximo instalados em bases aéreas, juntamente com baterias AA de curto e médio alcance, para defender as bases de onde viria a nossa capacidade de contestar o espaço aéreo.

Excluindo a superioridade aérea, supondo que ambas as forças estão em igualdade (espaço aéreo contestado), existem N formas de contrariar a artilharia, desde que se tenha os meios para isso. Pode-se usar muita coisa, como UAVs, UCAVs, loitering munition (Harop ou Switchblade por exemplo), contra-bateria com recurso a artilharia (e radar dedicado), MLRS... é preciso é ter.
Título: Re: Guerra Fria II
Enviado por: Lightning em Abril 24, 2022, 03:17:32 pm
Turquia fecha espaço aéreo a voos russos para a Siria.
https://sicnoticias.pt/mundo/conflito-russia-ucrania/turquia-fecha-espaco-aereo-a-voos-civis-e-militares-russos-com-destino-a-siria/
Título: Re: Guerra Fria II
Enviado por: Lusitano89 em Abril 24, 2022, 03:32:18 pm
INDÚSTRIA DE GUERRA DA RÚSSIA: quais os efeitos das sanções?


Título: Re: Guerra Fria II
Enviado por: ricardonunes em Abril 24, 2022, 06:38:31 pm
Título: Re: Guerra Fria II
Enviado por: Hammerhead em Abril 25, 2022, 03:04:22 pm
Australian security experts have backed Defence Minister Peter Dutton’s warning to “prepare for war”...

https://www.dailymail.co.uk/news/article-10749427/Australia-prepare-war-Peter-Dutton-gives-Anzac-Day-warning.html

Título: Re: Guerra Fria II
Enviado por: nelson38899 em Abril 25, 2022, 04:54:13 pm

Foda-se, se o hammerhead era mau este nem se fala é só debitar mentiras e medos

Citar
A inflação homóloga na Alemanha subiu para 7,3% em março, o nível mais alto em mais de quarenta anos, devido à guerra na Ucrânia, segundo dados provisórios publicados pelo Destatis.
https://eco.sapo.pt/2022/03/30/inflacao-na-alemanha-sobe-para-73-em-marco-um-maximo-em-40-anos/

Ainda bem que este tipo de info tem o apoio da moderação deste forúm.
Título: Re: Guerra Fria II
Enviado por: Hammerhead em Abril 26, 2022, 03:37:11 pm
Citar
USA continua a comprar oleo aos Russos para depois o vender a Europa a preço dublo...
Obviamente a notícia é falsa, já que não foi comprado petróleo,
O petróleo já comprado e em transito tem que ser recebido, isso qualquer pessoa compreende. Há medida que navios maiores ou menores chegam isso nota-se nas médias.

Em Portugal também tivemos uma situação destas com um navio russo a descarregar em Sines, combustíveis que estavam comprados...

Além deste desmentido, não se encontra nada a concluir que os americanos estão a vender o petróleo que compraram aos russos, ao dobro do preço ...

Ocidente continua a comprar petroleo a Russia!

https://www.wsj.com/articles/russian-oil-flows-but-increasingly-under-the-radar-11650541684

https://www.marketwatch.com/story/the-west-is-still-buying-russian-oil-but-it-s-now-harder-to-track-commodities-roundup-271650626976#:~:text=Dow%20Jones%20Newswires-,The%20West%20Is%20Still%20Buying%20Russian%20Oil%2C%20But%20It's%20Now,to%20Track%20%2D%2D%20Commodities%20Roundup&text=MARKET%20MOVEMENTS%3A,15%20a%20mega%20watt%20hour.

Querem enfraquecer a Rússia mas continuam a pagar-lhes mais de mil milhões de dollars por dia so para o petroleo... nem vou falar de aluminio, titanio, palladium, ouro, diamantes etc...
Título: Re: Guerra Fria II
Enviado por: ricardonunes em Abril 26, 2022, 11:53:21 pm

Foda-se, se o hammerhead era mau este nem se fala é só debitar mentiras e medos

Citar
A inflação homóloga na Alemanha subiu para 7,3% em março, o nível mais alto em mais de quarenta anos, devido à guerra na Ucrânia, segundo dados provisórios publicados pelo Destatis.
https://eco.sapo.pt/2022/03/30/inflacao-na-alemanha-sobe-para-73-em-marco-um-maximo-em-40-anos/

Ainda bem que este tipo de info tem o apoio da moderação deste forúm.

E que nao percebo nada mesmo do contexto da sua mensagem  :conf: :conf: :conf:
Título: Re: Guerra Fria II
Enviado por: ricardonunes em Abril 27, 2022, 12:02:13 am
Fiquei com a ideia, de que o problema e que você não tem ideia da definição de inflação, mas eu sou amigo, e ajudo :mrgreen: :mrgreen:

Citar
Inflação é o aumento dos preços de bens e serviços. Ela implica diminuição do poder de compra da moeda. A inflação é medida pelos índices de preços.
Título: Re: Guerra Fria II
Enviado por: Viajante em Abril 27, 2022, 12:06:15 am
Atenção que a inflação não surgiu por causa da guerra! A inflação já era elevada meses antes da guerra, ainda em 2021.
O que a guerra está a fazer, naturalmente, ampliar a subida dos preços. Mas os jornalistas afirmarem que a inflação existe por causa da guerra não é verdade!
Título: Re: Guerra Fria II
Enviado por: ricardonunes em Abril 27, 2022, 12:15:37 am
Atenção que a inflação não surgiu por causa da guerra! A inflação já era elevada meses antes da guerra, ainda em 2021.
O que a guerra está a fazer, naturalmente, ampliar a subida dos preços. Mas os jornalistas afirmarem que a inflação existe por causa da guerra não é verdade!

Mas pior vai ficar tudo com o fecho da torneira do gaz russo.

Bem sei que e difícil de admitir para muitos, mas eu pessoalmente, preferia ver uma ucrania dividida em 3, do que uma europa a passar fome e a implodir a conta de devaneios politicos de ingleses que nem querem ser europeus e americanos que nem ..... sao americanos.
 
Título: Re: Guerra Fria II
Enviado por: ricardonunes em Abril 27, 2022, 12:34:41 am


Título: Re: Guerra Fria II
Enviado por: legionario em Abril 27, 2022, 12:36:33 am
In CAPITAL (França)  traduzido por Google

O grupo russo Gazprom suspenderá a partir de quarta-feira, 27 de abril, suas entregas de gás à Bulgária e à Polônia, anunciou terça-feira à noite esses dois países que dizem estar preparados para isso. "Em 26 de abril de 2022, a Gazprom informou (a empresa de gás polonesa) PGNiG de sua intenção de suspender completamente as entregas sob o contrato Yamal (...) em 27 de abril, disse a empresa polonesa em comunicado. "Hoje Hoje (terça-feira) , a Bulgargas EAD recebeu a notificação de que as entregas da Gazprom Export serão suspensas a partir de 27 de abril de 2022", disse o Ministério da Economia da Bulgária um pouco mais tarde, enquanto este país dos Balcãs é mais de 90% dependente do gás russo.

Esses dois membros da OTAN e da União Européia (UE), no entanto, dizem estar preparados para obter o gás que faltava de outras fontes. “Não haverá escassez de gás nas casas polonesas”, escreveu a ministra do Clima da Polônia, Anna Moskwa, no Twitter. “Desde o primeiro dia da guerra, declaramos que estamos prontos para a completa independência das matérias-primas russas”, acrescentou. “Ações para encontrar arranjos alternativos para o fornecimento de gás natural e para lidar com a situação” foram tomadas, sublinhou por sua parte o governo búlgaro em um comunicado de imprensa, garantindo que “no momento” nenhuma medida de restrição de consumo está prevista.
Título: Re: Guerra Fria II
Enviado por: ricardonunes em Abril 27, 2022, 09:34:57 am
Título: Re: Guerra Fria II
Enviado por: PTWolf em Abril 27, 2022, 11:06:59 am

Uma boa análise. O valorização do rublo para valores pré-guerra é apenas virtual e não reflete a realidade da economia russa
Título: Re: Guerra Fria II
Enviado por: asalves em Abril 27, 2022, 11:20:28 am

Uma boa análise. O valorização do rublo para valores pré-guerra é apenas virtual e não reflete a realidade da economia russa

Para além disso o mercado de venda/compra está controlado pelo estado, são precisas um tipo de autorizações para certas quantidades de vendas de moeda, isto cria uma situação de menos oferta e ao mesmo tempo a obrigação de pagar a energia fóssil em Rublos também faz aumentar a procura, aliado às sanções que reduziram em muito os volumes de transações potencia a subida do Rublo.
Título: Re: Guerra Fria II
Enviado por: nelson38899 em Abril 27, 2022, 01:59:54 pm

Foda-se, se o hammerhead era mau este nem se fala é só debitar mentiras e medos

Citar
A inflação homóloga na Alemanha subiu para 7,3% em março, o nível mais alto em mais de quarenta anos, devido à guerra na Ucrânia, segundo dados provisórios publicados pelo Destatis.
https://eco.sapo.pt/2022/03/30/inflacao-na-alemanha-sobe-para-73-em-marco-um-maximo-em-40-anos/

Ainda bem que este tipo de info tem o apoio da moderação deste forúm.

E que nao percebo nada mesmo do contexto da sua mensagem  :conf: :conf: :conf:

Se o Ricardo tivesse visto o vídeo, saberia o que eu estou a falar. Deixe lá  :-[ :-[ :-[
Título: Re: Guerra Fria II
Enviado por: nelson38899 em Abril 27, 2022, 02:01:42 pm
Atenção que a inflação não surgiu por causa da guerra! A inflação já era elevada meses antes da guerra, ainda em 2021.
O que a guerra está a fazer, naturalmente, ampliar a subida dos preços. Mas os jornalistas afirmarem que a inflação existe por causa da guerra não é verdade!

Mas pior vai ficar tudo com o fecho da torneira do gaz russo.

Bem sei que e difícil de admitir para muitos, mas eu pessoalmente, preferia ver uma ucrania dividida em 3, do que uma europa a passar fome e a implodir a conta de devaneios politicos de ingleses que nem querem ser europeus e americanos que nem ..... sao americanos.

O Ricardo, não precisa de sofrer com isto, basta emigrar para a Rússia e viver no paraíso na terra.
Título: Re: Guerra Fria II
Enviado por: ricardonunes em Abril 27, 2022, 02:13:01 pm


Se o Ricardo tivesse visto o vídeo, saberia o que eu estou a falar. Deixe lá  :-[ :-[ :-[

Vi e revi o vídeo mas não consigo acompanhar o seu raciocínio....
Título: Re: Guerra Fria II
Enviado por: ricardonunes em Abril 27, 2022, 02:16:07 pm
Atenção que a inflação não surgiu por causa da guerra! A inflação já era elevada meses antes da guerra, ainda em 2021.
O que a guerra está a fazer, naturalmente, ampliar a subida dos preços. Mas os jornalistas afirmarem que a inflação existe por causa da guerra não é verdade!

Mas pior vai ficar tudo com o fecho da torneira do gaz russo.

Bem sei que e difícil de admitir para muitos, mas eu pessoalmente, preferia ver uma ucrania dividida em 3, do que uma europa a passar fome e a implodir a conta de devaneios politicos de ingleses que nem querem ser europeus e americanos que nem ..... sao americanos.

O Ricardo, não precisa de sofrer com isto, basta emigrar para a Rússia e viver no paraíso na terra.

Acredite que não sofro, estou me bem a marimbar para russos e ucranianos, preocupa me sim as repercussões desta macacada....
Título: Re: Guerra Fria II
Enviado por: nelson38899 em Abril 27, 2022, 02:16:42 pm


Se o Ricardo tivesse visto o vídeo, saberia o que eu estou a falar. Deixe lá  :-[ :-[ :-[

Vi e revi o vídeo mas não consigo acompanhar o seu raciocínio....

Então na Alemanha a inflação aumentou 30%?
Título: Re: Guerra Fria II
Enviado por: Hammerhead em Abril 27, 2022, 03:06:45 pm


Se o Ricardo tivesse visto o vídeo, saberia o que eu estou a falar. Deixe lá  :-[ :-[ :-[

Vi e revi o vídeo mas não consigo acompanhar o seu raciocínio....

Então na Alemanha a inflação aumentou 30%?

Penso que foi um engano...

https://www.dw.com/en/germany-inflation-hits-30-year-high-at-73-growth-outlook-dims/a-61301850
Título: Re: Guerra Fria II
Enviado por: nelson38899 em Abril 27, 2022, 03:10:28 pm


Se o Ricardo tivesse visto o vídeo, saberia o que eu estou a falar. Deixe lá  :-[ :-[ :-[

Vi e revi o vídeo mas não consigo acompanhar o seu raciocínio....

Então na Alemanha a inflação aumentou 30%?

Penso que foi um engano...

https://www.dw.com/en/germany-inflation-hits-30-year-high-at-73-growth-outlook-dims/a-61301850

Eu acho que a única coisa que aumentou foi o vodca, que se o putin não lhe fornece vais morrer de sede.
Título: Re: Guerra Fria II
Enviado por: ricardonunes em Abril 27, 2022, 03:39:38 pm


Se o Ricardo tivesse visto o vídeo, saberia o que eu estou a falar. Deixe lá  :-[ :-[ :-[

Vi e revi o vídeo mas não consigo acompanhar o seu raciocínio....

Então na Alemanha a inflação aumentou 30%?

Penso que foi um engano...

https://www.dw.com/en/germany-inflation-hits-30-year-high-at-73-growth-outlook-dims/a-61301850

Eu acho que a única coisa que aumentou foi o vodca, que se o putin não lhe fornece vais morrer de sede.
~

Como nao se tem mais argumentos e os amigos nao veem em socorro, bota la a resposta tipo escola primaria. :mrgreen: :mrgreen: :mrgreen: :mrgreen:

Título: Re: Guerra Fria II
Enviado por: Hammerhead em Abril 27, 2022, 03:58:05 pm


Se o Ricardo tivesse visto o vídeo, saberia o que eu estou a falar. Deixe lá  :-[ :-[ :-[

Vi e revi o vídeo mas não consigo acompanhar o seu raciocínio....

Então na Alemanha a inflação aumentou 30%?

Penso que foi um engano...

https://www.dw.com/en/germany-inflation-hits-30-year-high-at-73-growth-outlook-dims/a-61301850

Eu acho que a única coisa que aumentou foi o vodca, que se o putin não lhe fornece vais morrer de sede.

E la esta ele com a vodka... ô rapaz cultiva-te por favor... a vodka nao é Russa!

https://blog.vodka-lab.com/d-ou-vient-la-vodka/
Título: Re: Guerra Fria II
Enviado por: CanivetePort em Abril 27, 2022, 04:12:48 pm
A inflação na Alemanha subiu de 5,1% (02/2022) para 7,3% (03/2022), logo subiu 2,2pp (que equivale a 43,14%).

Com dizia o outro: "É só fazer as contas".
Título: Re: Guerra Fria II
Enviado por: CanivetePort em Abril 27, 2022, 04:14:12 pm
Não se sabe bem a origem da vodca. Pode muito bem se russa.
Título: Re: Guerra Fria II
Enviado por: Lightning em Abril 27, 2022, 05:28:26 pm
E la esta ele com a vodka... ô rapaz cultiva-te por favor... a vodka nao é Russa!

https://blog.vodka-lab.com/d-ou-vient-la-vodka/

Cá em casa também já acabou a salada russa, a mim não me enganam. :mrgreen:
Título: Re: Guerra Fria II
Enviado por: Hammerhead em Abril 27, 2022, 09:06:52 pm
E la esta ele com a vodka... ô rapaz cultiva-te por favor... a vodka nao é Russa!

https://blog.vodka-lab.com/d-ou-vient-la-vodka/

Cá em casa também já acabou a salada russa, a mim não me enganam. :mrgreen:

Entao quer dizer que tambem vendeu o seu carro, nao? Porque ningem o engana... nem os fornecedores de gasolina  :mrgreen:
Título: Re: Guerra Fria II
Enviado por: Viajante em Abril 27, 2022, 10:24:08 pm
E la esta ele com a vodka... ô rapaz cultiva-te por favor... a vodka nao é Russa!

https://blog.vodka-lab.com/d-ou-vient-la-vodka/

Cá em casa também já acabou a salada russa, a mim não me enganam. :mrgreen:

Agora a moda não é salada russa, agora usamos salada ucraniana!!!!!
Tem mais tomates!!!!!    :mrgreen:

Meus caros, a inflação na UE é de 7,4% e a mais alta é na Lituãnia que chega a 15,6%.
Mesmo assim na Rússia já vai em cerca de 18%!!!!
Título: Re: Guerra Fria II
Enviado por: Lusitan em Abril 28, 2022, 10:20:49 am
E la esta ele com a vodka... ô rapaz cultiva-te por favor... a vodka nao é Russa!

https://blog.vodka-lab.com/d-ou-vient-la-vodka/

Cá em casa também já acabou a salada russa, a mim não me enganam. :mrgreen:
O termo correcto para a salada russa e que é usado em russo e ucraniano é Olivier!  ;)
Título: Re: Guerra Fria II
Enviado por: Daniel em Abril 28, 2022, 04:40:25 pm
Atenção que a inflação não surgiu por causa da guerra! A inflação já era elevada meses antes da guerra, ainda em 2021.
O que a guerra está a fazer, naturalmente, ampliar a subida dos preços. Mas os jornalistas afirmarem que a inflação existe por causa da guerra não é verdade!

Mas pior vai ficar tudo com o fecho da torneira do gaz russo.

Bem sei que e difícil de admitir para muitos, mas eu pessoalmente, preferia ver uma ucrania dividida em 3, do que uma europa a passar fome e a implodir a conta de devaneios politicos de ingleses que nem querem ser europeus e americanos que nem ..... sao americanos.

O Ricardo, não precisa de sofrer com isto, basta emigrar para a Rússia e viver no paraíso na terra.

Acredite que não sofro, estou me bem a marimbar para russos e ucranianos, preocupa me sim as repercussões desta macacada....

Não parece, se não, não publicavas nem escrevias tanta macacada.
Título: Re: Guerra Fria II
Enviado por: Lightning em Abril 28, 2022, 07:32:47 pm
E la esta ele com a vodka... ô rapaz cultiva-te por favor... a vodka nao é Russa!

https://blog.vodka-lab.com/d-ou-vient-la-vodka/

Cá em casa também já acabou a salada russa, a mim não me enganam. :mrgreen:

Entao quer dizer que tambem vendeu o seu carro, nao? Porque ningem o engana... nem os fornecedores de gasolina  :mrgreen:

Porque é que haveria de vender o carro? Não tenho nenhum lada.

E estou a ver que o Hammerhead não percebe piadas, se calhar não aprendem isso no curso.
Título: Re: Guerra Fria II
Enviado por: Malagueta em Abril 28, 2022, 09:19:41 pm
O respeito pela liberdade

https://observador.pt/2022/04/27/olhem-bem-para-o-que-aconteceu-na-ucrania-aliado-de-putin-ameaca-cazaquistao/

Tigran Keosayan, um dos aliados de Vladimir Putin e casado com uma das responsáveis do canal estatal Russia Today, lançou, esta quarta-feira, uma ameaça ao Cazaquistão, uma antiga república soviética. No programa televisivo que conduz numa estação privada, o apresentador avisou: “Irmãos cazaques, olhem bem para o que aconteceu na Ucrânia. Pensem duas vezes”.
Título: Re: Guerra Fria II
Enviado por: Hammerhead em Abril 29, 2022, 10:12:20 am
E la esta ele com a vodka... ô rapaz cultiva-te por favor... a vodka nao é Russa!

https://blog.vodka-lab.com/d-ou-vient-la-vodka/

Cá em casa também já acabou a salada russa, a mim não me enganam. :mrgreen:

Entao quer dizer que tambem vendeu o seu carro, nao? Porque ningem o engana... nem os fornecedores de gasolina  :mrgreen:

Porque é que haveria de vender o carro? Não tenho nenhum lada.

E estou a ver que o Hammerhead não percebe piadas, se calhar não aprendem isso no curso.

My bad, sry...

é que isto aqui esta muito mau...  anda tudo muito serio  :mrgreen:

Título: Re: Guerra Fria II
Enviado por: Lusitano89 em Abril 29, 2022, 06:06:04 pm
Título: Re: Guerra Fria II
Enviado por: papatango em Maio 01, 2022, 04:00:57 pm
É possivel que já tenha sido colocado algures ...

Movimentações finlandesas, como resultado do reposicionamento de tropas russas junto à fronteira...

Título: Re: Guerra Fria II
Enviado por: Lightning em Maio 01, 2022, 08:59:17 pm
Aeronaves russas violam espaço aéreo da Dinamarca e Suécia.

https://amp.rfi.fr/br/mundo/20220501-r%C3%BAssia-viola-novamente-espa%C3%A7o-a%C3%A9reo-da-dinamarca-e-pa%C3%ADs-convoca-embaixador-russo

https://veja.abril.com.br/mundo/apos-ameacas-aviao-espiao-russo-invade-espaco-aereo-da-suecia/amp/
Título: Re: Guerra Fria II
Enviado por: Srgdoido em Maio 05, 2022, 02:15:52 pm
https://twitter.com/hoje_no/status/1522190812204969989?s=19

https://twitter.com/hoje_no/status/1522296743370575875?s=19
Título: Re: Guerra Fria II
Enviado por: Lightning em Maio 13, 2022, 10:28:37 pm
A entrada da Finlândia e Suécia na NATO ainda não é um dado adquirido, falta convencer a Turquia.

https://www.dn.pt/internacional/presidente-da-turquia-opoe-se-a-entrada-de-finlandia-e-suecia-na-nato-14853498.html
Título: Re: Guerra Fria II
Enviado por: legionario em Maio 15, 2022, 01:04:28 pm
O desafio mais importante para o Ocidente continua esquecido, ninguém escreve nada sobre a China.
Em cada ano que passa, a frota chinesa é aumentada de 4 navios, mais do que todas as frotas ocidentais juntas. Lenta mas inexoravelmente, o poder chinês estende os seus tentáculos pelo planeta. As ilhas Spratley que são em teoria da soberania de diversos países limítrofes, estão de facto ocupadas por milhares de pescadores chineses, apoiados pela sua já  famosa milícia marítima. Outos exemplos como o Montenegro, a Guiné Equatorial, as Salomão (e até Portugal), já foram aqui falados.

Mais depressa do que os outros, os anglo-saxões perceberam de onde vem o verdadeiro perigo e preparam-se para o confronto no Pacifico ; um dos exemplos mais recentes decisão australiana de comprar submarinos aos EUA .

Um conflito contra a Rússia vem mesmo a calhar para os chineses, imagine-se uma China intacta num planeta onde os seus maiores rivais estão feitos em cacos.

Entretanto na Europa, a Ucrânia é utilizada sem vergonha pela oligarquia americana (não confundir com o povo americano), para enfraquecer a Rússia, um dos bastiões naturais da Europa face à China. 
Título: Re: Guerra Fria II
Enviado por: dc em Maio 15, 2022, 02:15:57 pm
Outra vez arroz.

Para travar a China, não é a deixar a Ucrânia ser enrabada pelos russos que se vai conseguir. Não existe correlação.
E até se pode argumentar que, ao manter os russos ocupados na Ucrânia, e idealmente saindo os invasores derrotados, o Ocidente ganha folgo no que diz respeito à China, pois não teve que se envolver directamente num conflito com a Rússia, e estancou parcialmente a ameaça russa.

E a própria Rússia já revelou que a ideia não era ficar-se pela Ucrânia. Caso invadissem a Moldávia, é porque este país também tinha sido usado pela pseudo-oligarquia americana? Pois, nessa altura inventavam um novo argumento, somente para manter a imagem de impunidade russa, Rússia esta que mente aos seus próprios soldados sobre o porquê de irem combater para a Ucrânia.

O povo ucraniano escolheu o seu presidente, incluindo muitos falantes de russo como primeira língua. Não foram "manipulados" a fazê-lo. Se fossem, certamente não se atiravam de cabeça para uma guerra que já vai longa, contra a "amigável" Rússia.
Na Bielorrússia é igual, o povo queria mudança, e não lhes foi dada essa possibilidade, devido à "mão" da Rússia. O mesmo com a Geórgia. Por alguma razão se viu militares destes dois países a combater na Ucrânia contra os "amigos" russos.

Mas até podemos fazer o paralelismo com Portugal. Vamos imaginar um cenário hipotético, em que um qualquer ditador no poder, era financiado pelo Putin, e um movimento pró-Democracia, estava a ser financiado pelo Ocidente: que juízo de valor se faz disto? É o Ocidente que está errado por apoiar a democratização de Portugal (que o próprio povo quer, mas é oprimido) ou é a Rússia que está errada por financiar o seu fantoche? Dá que pensar.

Voltando à China, volto a repetir: o Ocidente baixar as calças para os russos não ia impedir a China de tentar atingir os seus objectivos. A Europa não podia ficar à mercê da Rússia, porque bastava uma mudança nos interesses destes, para ficarmos com as calças na mão. Neste momento, o único "rival" da China que está em cacos, é precisamente a Rússia, estando os restantes relativamente intactos do ponto de vista militar (leia-se Japão, EUA e Índia), e com cada vez mais países a "abraçarem" a ideia de que o mundo mudou, e já não é tão pacífico como se julgava, e começam a investir nas suas Forças Armadas.

O que o Ocidente tem de fazer é:
-reduzir a dependência energética da Rússia
-reduzir a dependência económica da China
-reforçar laços com diversos países de outros continentes, para travar a expansão chinesa (bases militares por exemplo)*
-investir na sua Defesa**

*Portugal, com bons laços com países africanos e o Brasil, tem potencial para ser um facilitador nisto. Convém é que o papel de Portugal seja de facilitar ligações, e não de financiar os "amigos" como se sucede actualmente
**Portugal sendo um dos elos mais fracos na Europa, sendo mais um fardo que outra coisa, tem que pensar seriamente nisto
Título: Re: Guerra Fria II
Enviado por: legionario em Maio 15, 2022, 04:19:51 pm
DC
-reduzir a dependência económica da China
-reforçar laços com diversos países de outros continentes, para travar a expansão chinesa (bases militares por exemplo)*
-investir na sua Defesa**

*Portugal, com bons laços com países africanos e o Brasil, tem potencial para ser um facilitador nisto. Convém é que o papel de Portugal seja de facilitar ligações, e não de financiar os "amigos" como se sucede actualmente
**Portugal sendo um dos elos mais fracos na Europa, sendo mais um fardo que outra coisa, tem que pensar seriamente nisto


Concordo com estas linhas que escreveu.

Quanto à Russia, penso que as coisas foram mal feitas desde o principio, agora não sei no que vai dar, as coisas estão mesmo muito feias para todos... exceto para o pequeno grupo de oligarcas americanos (tipo filhos do Biden e da Pelosi) que se apropriaram das principais empresas ucranianas. O Zelenski não é um democrata, ilegalizou 11 partidos, só existe o partido dele e os ultra-nacionalistas ; esta criatura horrenda não é uma referencia.
Mantenho que a Rússia também faz parte da Europa e é uma vasta região que dispõe de recursos que fazem falta à Europa ; não sou eu que o digo, recordo as ideias de Adenauer e de Charles de Gaulle que, estes sim, são uma referencia.

Falemos de princípios.
 A "malta" é contra a invasão de países soberanos, este principio concerne não só a Ucrânia como todos os países soberanos que foram invadidos e ocupados, certo ?
Porque diabo havemos de arriscar uma guerra com a Russia por causa da Ucrania quando ninguem se mexeu quando o Iraque (entre outros) foi invadido com o pretexto de uma mentira ? Alguém se mexeu quando centenas de milhar de civis líbios ou iraquianos foram impiedosamente bombardeados e exterminados ? 
Se a Ucrania cessar os combates tal como aconteceu no Afeganistão ou no Iraque, a sua luta pode continuar de uma outra forma, evitando assim os horríveis massacres que estão a acontecer neste momento e sobretudo afastar a ameaça de uma guerra nuclear.

Ainda sobre a China, é sobre esta que quero escrever ; esta faz jogo duplo, se houver um conflito com a Russia, eles so se mexem no final, quando estiver tudo partido ; eles serão os unicos vencedores. Asseguram apoio à Russia para os confortar mas, se as coisas derem para o torto, eles ficarão a observar, esperando o momento certo para tratarem de Taiwan e, de certeza não se contentam com esta ilha.
Título: Re: Guerra Fria II
Enviado por: dc em Maio 16, 2022, 01:27:58 pm
Eu não nego que possa haver movimentos nos bastidores, mas esta guerra não se sucedeu por causa disso. Sucedeu-se porque os russos tiveram mais olhos que barriga, e acharam que podiam atropelar a Ucrânia, que a dependência da restante Europa da sua energia, lhes garantia impunidade. A guerra está a sair cara a todos, à excepção de algumas empresas de armas, de comida (nomeadamente a usada nas rações) e do petróleo (devido aos aumentos dos preços).

Quanto ao Zelensky, não o tomo como exemplo. Mas merece crédito por se ter mantido em Kiev mesmo após a invasão, outros líderes mundiais teriam fugido. Já os partidos que foram ou não "ilegalizados", ali é tudo muito turvo, e difícil formar opinião sobre o assunto, mas se apenas restaram os partidos do Zelensky e os ultranacionalistas (dois partidos completamente pró-Ucrânia), já podemos tirar ilações de que partidos foram "ilegalizados", muito provavelmente os pró-Rússia, minados de corruptos e vendidos. É uma situação complicada, quando há um vizinho a manipular qualquer tentativa de eleições democráticas, de forma a que ganhe sempre um partido que lhe convém.

A questão dos outros países invadidos, esses países eram governados por ditadores, que chacinavam a oposição. O povo gostava tanto deles, que de um derrubaram a estátua e o outro teve o seu corpo a ser usado como bola de futebol nas ruas. O problema é, quando sai um ditador do poder, existem outras forças, internas e/ou externas, com cobiça pelo lugar e os recursos do país.

Já as mentiras proferidas, as da Casa Branca sempre fizeram mais sentido, do que as da Rússia. Qual é mais credível: Zelensky ser um Judeu Nazi, ou o psicopata do Saddam usar armas químicas contra civis? Eu sei em qual votava.

As mortes de civis, são infelizes, mas convém analisar caso a caso. Às vezes fala-se num civil morto por um ataque de drone, como se o drone andasse à caça de civis. Mas não é assim. Isto não quer dizer que não haja casos aqui e ali, em que indivíduos ou grupos de indivíduos tenham cometido crimes de guerra, matando civis sem justificação. Mas a tendência, pelo menos no Ocidente, tem sido aumentar a precisão das armas, e reduzir danos colaterais, com armas a serem desenhadas para isso, e outras tantas a serem banidas de todo. Os russos, tanto mataram civis nesta guerra acidentalmente, como propositadamente, e pessoalmente, julgo estes últimos. Convém também definir "civil": um civil que se encontra a reparar um blindado numa garagem, corre o risco de ser morto caso esse tanque seja atacado, e um civil com uma AK ou um RPG, deixa de ser um civil.

Ninguém nega os recursos naturais valiosos da Rússia. Mas também não podemos negar que, mesmo que fingíssemos que o Putin era um gajo porreiro e pacífico, nada nos garantia que para o seu lugar não surgia um muito pior. Como vimos, depender de um só país, é um erro grave, que não nos podemos dar ao luxo de correr novamente. Uma Rússia democrata e menos hostil com a vizinhança, talvez seja uma Rússia que valha a pena criar laços, com as devidas reservas, mas actualmente, é impensável. Cometeu-se esse erro com a China "são porreiros e os serviços são baratos, depender economicamente deles não terá qualquer problema", e afinal...

A China é ameaça clara. Mas a ajuda dada à Ucrânia serve de aviso, para que a China perceba que, se tentar invadir algum vizinho (não só Taiwan), é bem provável que o Ocidente dê apoio semelhante a esses países.
E a "guerra fria II", não se fica por aqui. Temos a questão das Coreias, MO, possíveis disputas no Norte de África, possíveis conflitos no Leste da Europa...
Título: Re: Guerra Fria II
Enviado por: Viajante em Maio 16, 2022, 03:02:44 pm
Se há algo que julgo que a maioria já interiorizou, é de que as dependências externas devem ser muito bem ponderadas, sejam elas quais forem!
Nós próprios já tivemos essa triste experiência em 2011, com a crise de dívidas, que foi mais grave em Portugal, porque...... dependemos mais do que outros do capital externo!
Vimos o que essa dependência excessiva provoca quando as coisas correm mal!

Em 2020 vimos o disparate que foi desindustrializarmos a Europa, só porque a indústria pului! É verdade que polui, mas depois ficamos totalmente dependentes dos chineses em quase tudo, desde máscaras, luvas, testes covid19, máquinas ECMO....... vejam bem onde é tudo produzido! (excepto o nosso visionário PM que diz que devemos apostar no turismo..... gostamos de ser serviçais dos outros........ e o turismo até nem paga mal...... ao dono do Hotel e ao Director, o resto é corrido a salário mínimo!!!!

Agora em 2022, quem aprendeu a lição foram os países do leste, mas principalmente quem abriu os olhos foi a Alemanha. A dependência energética pode pagar-se muito caro, a todos os níveis!!!!!

Resumindo, só nestes 12 a 15 anos vimos os efeitos devastadores que criam estas 3 dependências:
- Financiamento da dívida pública (o Japão por exemplo tem uma dívida elevada, mas os donos desta são os próprios japoneses, logo não existe qualquer problema!!!!);
- Indústria;
- Energia;

E podíamos continuar por aí a fora, alimentar, etc.

Em relação ao perigo chinês para o mundo, eu já escrevo isso aqui desde o início que escrevo por aqui à 5 ou 6 anos!
Recordo-me de uma notícia que coloquei aqui, pelo facto da China estar a construir 10 navios de tonelagem igual a fragata ou superior, todos os anos!!!!!!
E de um modo geral já todos escrevemos por aqui do perigo da china, porque ao contrário da Rússia, a China tem uma economia quase 20 vezes maior que a da Rússia! E esta está a anos luz à frente da Rússia, tecnologicamente falando!

Em relação à Rússia, todos perceberam, sejam os aliados sejam os adversários, de que a suposta força militar caíu a pique e vai caír mais e fica apenas a dissuasão nuclear!!!!!
Esta desconfiança gerada pelos Russos em toda a gente vai demorar muito tempo a sarar e só vejo que seja possível reparar parte dos estragos feitos, se existir uma mudança de regime. Todos as lapas no poder na Rússia já têem uma idade muito avançada e ou saiem pelo pé, ou algum chá mais indigesto e caiem do trono!!!!! Não vejo futuro nenhum neste regime Russo!!!!
Título: Re: Guerra Fria II
Enviado por: Lusitan em Maio 16, 2022, 04:13:06 pm
Citar
O Zelenski não é um democrata, ilegalizou 11 partidos, só existe o partido dele e os ultra-nacionalistas ; esta criatura horrenda não é uma referencia.
Na Ucrânia existem centenas de partidos registados. Os 11 partidos ilegalizados apoiavam abertamente a agressão russa. Desses só dois tinham assento parlamentar. Num parlamento saído de eleições em 2019 com 450 lugares detinham 49 cadeiras. Gostaria de perceber se numa eventual invasão do território português, deveríamos manter um partido pró-invasão activo no enquanto decorria a guerra?

Citar
Mantenho que a Rússia também faz parte da Europa e é uma vasta região que dispõe de recursos que fazem falta à Europa ; não sou eu que o digo, recordo as ideias de Adenauer e de Charles de Gaulle que, estes sim, são uma referencia.
Adenauer nunca reconheceu o governo fantoche da RDA nem a fronteira no Oder-Neisse. Rejeitou a reunificação com a RDA em 1952 para contrariar a os esforços de Estaline de quebrar a aliança ocidental. Adenauer representa o contrário das suas ideias de apaziguamento da Rússia. Uma coisa é reconhecer o poderio russo e querer manter boas relações com a Rússia. Outra é ceder às pretensões de ditadores que têm o intuito de destruir as nossas instituições.

Citar
Falemos de princípios.
 A "malta" é contra a invasão de países soberanos, este principio concerne não só a Ucrânia como todos os países soberanos que foram invadidos e ocupados, certo ?
Porque diabo havemos de arriscar uma guerra com a Russia por causa da Ucrania quando ninguem se mexeu quando o Iraque (entre outros) foi invadido com o pretexto de uma mentira ? Alguém se mexeu quando centenas de milhar de civis líbios ou iraquianos foram impiedosamente bombardeados e exterminados ? 
Se a Ucrania cessar os combates tal como aconteceu no Afeganistão ou no Iraque, a sua luta pode continuar de uma outra forma, evitando assim os horríveis massacres que estão a acontecer neste momento e sobretudo afastar a ameaça de uma guerra nuclear.
Falemos então de príncipios.
O que não faltaram foram pessoas a protestar contra a guerra do Iraque um pouco por todos os países ocidentais. Ainda hoje Blair, Bush, Aznar são vistos por grande parte da comunidade internacional como criminosos. Além disso, uma boa parte dos que condenaram a invasão do Iraque também condenam a invasaõ da Ucrânia. Isso é mostrar principios. Fazer whataboutism reles não é ter principios, é simplesmente tentar atingir fins velados.
Citar
Se a Ucrania cessar os combates tal como aconteceu no Afeganistão ou no Iraque, a sua luta pode continuar de uma outra forma, evitando assim os horríveis massacres que estão a acontecer neste momento e sobretudo afastar a ameaça de uma guerra nuclear.
Depois da conquista desses países, a carnificina aumentou e nem sequer havia uma intenção dos EUA em erradicar os povos desses países. Depois da tomada de várias regiões na Ucrânia, os desaparecimentos e mortes de pessoas não pararam. A tortura não parou. E quando os russos falam abertamente nos principais canais da TV russa na erradicação não só do país ucraniano, mas também da identidade ucraniana num país com 44 milhões de habitantes cuja vasta maioria se revê como tal, podemos esperar uma matança ao nível dos tempos soviéticos.

Citar
Ainda sobre a China, é sobre esta que quero escrever ; esta faz jogo duplo, se houver um conflito com a Russia, eles so se mexem no final, quando estiver tudo partido ; eles serão os unicos vencedores. Asseguram apoio à Russia para os confortar mas, se as coisas derem para o torto, eles ficarão a observar, esperando o momento certo para tratarem de Taiwan e, de certeza não se contentam com esta ilha.
Caso não tenha reparado a China e a Rússia apesar de não terem uma aliança formal, têm no entanto ambos o objectivo de minar as instituições ocidentais e apoiam-se mutuamente nesse intuito. Por isso é que Putin foi à China antes da invasão da Ucrânia. Por isso é que a propaganda chinesa tem apoiado os russos e atacado a NATO.
Por isso, o enfraquecimento da Rússia é uma mais valia não só imediata para o Ocidente, mas também numa futura confrontação com a China. Além de que envia um sério aviso para a China.
Título: Re: Guerra Fria II
Enviado por: legionario em Maio 17, 2022, 01:51:16 am
Estive a ler com atenção as respostas que se seguiram ao meu comentário.

DC : eu vou escrever, como é meu habito de uma forma direta e resumida, se leres muito depressa como é teu habito, não me vais perceber.
Tu tal como eu,  sabemos fazer a diferença entre o bem e o mal. Estas questões que estamos aqui a falar não devem ser encaradas da mesma forma que um adepto encara o seu clube de futebol. Nem eu nem ninguém pode justificar as asneiras que foram cometidas no passado para justificar as asneiras que estão a ser feitas hoje. As invasões do Iraque e do Afeganistão, os bombardeamentos da Líbia e da Sérvia foram tão errados como o é a invasão da Ucrânia. O único critério verdadeiro é diabólico : o controlo dos recursos.
Nos casos do Iraque, da Líbia ou da Síria, o verdadeiro interesse é...sabes qual é, não é verdade ?
 
Não preciso de dizer que, para além de militar em vários TOE, também fui responsável de segurança numa empresa de petróleo na vida civil, num pais arabe. ...e não preciso de o dizer porque tu, DC, com o teu percurso, a tua capacidade de analise, o teu acesso à informação, não precisas de sair de casa para chegar à mesma conclusão que eu.  Os regimes e a liberdade das pessoas não contam para esta gente ; o que conta é o lucro, é o petróleo, é o controlo das vias de aprovisionamento, são os mercados.
Para o bem e para o mal, penso que tu e eu estamos do mesmo lado ; o que é que te impede de assumir que por vezes a nossa equipa também comete erros grosseiros ? 
Eu queria, acho que não consigo, falar sobre a China. A conversa derrapa sempre para a Ucrânia. Tentarei noutro dia :)

Viajante :  como quase sempre : exelente !!   :)

Lusitan : ainda estou chateado contigo por isso não te respondo  :)
Título: Re: Guerra Fria II
Enviado por: FoxTroop em Maio 17, 2022, 05:15:55 am
Infelizmente para nós, europeus, tal como já disse aí noutro tópico, toda e qualquer esperança de conter eficazmente a China foi-se em 19-02-2022. Nem me vou alongar, já percebi que não vale a pena, mas a linha base era, não se contem a China empurrando a Rússia para os seus braços. Quando antes da invasão, Putin e Xi aparecerem lado a lado para uma foto após a sua reunião, naquela foto estava tudo dito e era uma simples frase "Acabou". E acabou mesmo, agora é simplesmente fazer o controlo de danos pois os russos decidiram que a Europa (UE) vale zero, e é para ser tratada e reduzida a isso mesmo. Cegueira, cegueira completa dos politicos merdosos que despejamos em Bruxelas porque não os queriamos nos nossos países, Borrel's e Lda. palhaços completos!!!!
Título: Re: Guerra Fria II
Enviado por: Lusitan em Maio 17, 2022, 09:42:42 am
Estive a ler com atenção as respostas que se seguiram ao meu comentário.

DC : eu vou escrever, como é meu habito de uma forma direta e resumida, se leres muito depressa como é teu habito, não me vais perceber.
Tu tal como eu,  sabemos fazer a diferença entre o bem e o mal. Estas questões que estamos aqui a falar não devem ser encaradas da mesma forma que um adepto encara o seu clube de futebol. Nem eu nem ninguém pode justificar as asneiras que foram cometidas no passado para justificar as asneiras que estão a ser feitas hoje. As invasões do Iraque e do Afeganistão, os bombardeamentos da Líbia e da Sérvia foram tão errados como o é a invasão da Ucrânia. O único critério verdadeiro é diabólico : o controlo dos recursos.
Nos casos do Iraque, da Líbia ou da Síria, o verdadeiro interesse é...sabes qual é, não é verdade ?
 
Não preciso de dizer que, para além de militar em vários TOE, também fui responsável de segurança numa empresa de petróleo na vida civil, num pais arabe. ...e não preciso de o dizer porque tu, DC, com o teu percurso, a tua capacidade de analise, o teu acesso à informação, não precisas de sair de casa para chegar à mesma conclusão que eu.  Os regimes e a liberdade das pessoas não contam para esta gente ; o que conta é o lucro, é o petróleo, é o controlo das vias de aprovisionamento, são os mercados.
Para o bem e para o mal, penso que tu e eu estamos do mesmo lado ; o que é que te impede de assumir que por vezes a nossa equipa também comete erros grosseiros ? 
Eu queria, acho que não consigo, falar sobre a China. A conversa derrapa sempre para a Ucrânia. Tentarei noutro dia :)

Viajante :  como quase sempre : exelente !!   :)

Lusitan : ainda estou chateado contigo por isso não te respondo  :)
Legionário,

Peço desculpa pela minha reação no outro dia. Mas foi um transbordar de emoções resultante do facto de ter feito pouco de uma situação em que familiares e amigos meus estão sob ocupação ou a lutar na Ucrânia.
Tenho de momento duas pessoas em minha casa e mais 2 em casa de familiares cá em Portugal.
Para mim a guerra na Ucrânia não é uma situação hipotética. Mesmo a 4000km de distânica sinto as consequências dela directamente. Para mim o problema não é se pago mais 20centimos pela gasolina, para mim o problema é como fazer chegar medicamentos à zona ocupada. Para mim o problema não é pagar mais pela massa, é como é que pessoas que ficaram sem o dinheiro da pensão na zona ocupada têm dinheiro para comprar comida. Para mim o problema não é não haver bunkers num possível ataque nuclear, mas sim explicar a idosos como se proteger em caso de combates de artilharia na sua zona.
Para mim trata-se da sobrevivência dos meus perante uma agressão injustificada. E penso que você, tal como eu, não reagiria bem se alguém gozasse com uma situação em que a sua familia está em perigo de vida.
Título: Re: Guerra Fria II
Enviado por: dc em Maio 17, 2022, 01:36:27 pm
DC : eu vou escrever, como é meu habito de uma forma direta e resumida, se leres muito depressa como é teu habito, não me vais perceber.
Tu tal como eu,  sabemos fazer a diferença entre o bem e o mal. Estas questões que estamos aqui a falar não devem ser encaradas da mesma forma que um adepto encara o seu clube de futebol. Nem eu nem ninguém pode justificar as asneiras que foram cometidas no passado para justificar as asneiras que estão a ser feitas hoje. As invasões do Iraque e do Afeganistão, os bombardeamentos da Líbia e da Sérvia foram tão errados como o é a invasão da Ucrânia. O único critério verdadeiro é diabólico : o controlo dos recursos.
Nos casos do Iraque, da Líbia ou da Síria, o verdadeiro interesse é...sabes qual é, não é verdade ?
 
Não preciso de dizer que, para além de militar em vários TOE, também fui responsável de segurança numa empresa de petróleo na vida civil, num pais arabe. ...e não preciso de o dizer porque tu, DC, com o teu percurso, a tua capacidade de analise, o teu acesso à informação, não precisas de sair de casa para chegar à mesma conclusão que eu.  Os regimes e a liberdade das pessoas não contam para esta gente ; o que conta é o lucro, é o petróleo, é o controlo das vias de aprovisionamento, são os mercados.
Para o bem e para o mal, penso que tu e eu estamos do mesmo lado ; o que é que te impede de assumir que por vezes a nossa equipa também comete erros grosseiros ? 
Eu queria, acho que não consigo, falar sobre a China. A conversa derrapa sempre para a Ucrânia. Tentarei noutro dia :)

Curioso que acusa de ter lido à pressa, mas o senhor é que aparentemente leu à pressa o que eu disse.  :mrgreen:
As invasões do Iraque e Afeganistão foram consideravelmente diferentes. Se a do Iraque foi pelos recursos, usando o ditador psicopata do Saddam como pretexto (que apesar da acusação não representar a verdade, ele era de facto um ditador que chacinava a própria população), a do Afeganistão assentou acima de tudo na vingança contra os ataques do 11 de Setembro. Convém esclarecer esta diferença.
Quanto à ex-Jugoslávia, quem começou a armar barraca foram os sérvios, que não aceitavam a independência dos restantes países. A partir daí, não adianta tentar atirar as culpas para todos, menos os próprios. Nesta mesma Sérvia, ainda vão surgindo tensões com o Kosovo.
Na guerra da Síria, podemos descortinar desde logo um culpado, o Bashar al-Assad, mais do que qualquer outra influência externa. Isto não refuta que não haja interesses externos na matéria, mas já chega de desculpabilizar ditadores loucos.
Na Líbia idem.

Os EUA já sabemos que dia sim, dia não, invadem um país por causa do petróleo. No entanto, têm ali pertinho um país bem mais fácil de invadir, a Venezuela, com petróleo. Se fossem os malucos invasores, tal é a fama que têm, já tinha invadido, mas porque não o fizeram? Temem as forças armadas daquele país?  ::)

Existe claramente um problema na atribuição de culpas: parece que para alguns, os ditadores psicopatas assassinos, saem sempre impunes, assim que um país estrangeiro (do Ocidente) larga uma bomba que seja nas suas forças militares.

Mais uma vez, há sempre cobiça por recursos naturais, mas isto não se resume aos culpados do costume. Praticamente todos os países do mundo, com um mínimo de história, tiveram/têm cobiças desse género. A grande diferença, é que nos dias de hoje, poucos têm capacidade de andar a invadir outros países, outros regem-se pelas alianças de que fazem parte, ou das consequências internacionais de uma invasão. Andar a achar que, num cenário hipotético, sem NATO, sem ONU, e se Portugal tivesse recursos naturais valiosos ao longo da costa, Espanha, com uma liderança mais ou menos maluca, não nos iria invadir, ou no mínimo manipular referendos para independência das regiões com grandes reservas de petróleo... é uma ilusão mesmo.

Voltando ao tema China, a conversa derrapa para a Ucrânia, porque tentam sempre pegar neste conflito, como argumento.
A realidade é bem diferente do que os pró-Rússia vêm debitar. Não, a UE não empurrou a Rússia para a China, é a Rússia que gosta de jogar nas duas ligas, querendo aproveitar-se da boa vontade da Europa, e ao mesmo tempo ter a China como contra-peso. Invadiram a Ucrânia a achar que devido à dependência europeia da sua energia, e à narrativa de que "a Europa não pode empurrar a Rússia para a China", não se ia fazer nada, e os russos iam poder fazer o que queriam da Ucrânia, e restantes vizinhos. Afinal, o plano do Putin não correu como planeado, e agora teve de se virar para a China. De notar que o plano do Putin era ter a Europa dependente da sua energia, ao mesmo tempo que andava de mão dada com a China. Para eles não havia intenção de se tornarem exclusivos a um dos lados.
Título: Re: Guerra Fria II
Enviado por: papatango em Maio 18, 2022, 09:47:16 pm
Aliás, com grande parte dos líderes europeus a achar que a NATO estava em "morte cerebral" bastava os russos dizerem que iam retirar tropas de aqui ou dali, dar a mão à palmatória acolá, e a NATO acabaria por morrer de morte cerebral e morte natural.

Mas os russos não podem viver sem uma guerra, como qualquer império. Os russos tinham a faca e o queijo na mão para matar a NATO, mas sem um inimigo potencial, não há forma de arregimentar as massas para defender o grande líder.

Procuraram um inimigo para justificar a manutenção do grande líder no poder...

Encontraram-no
E saiu-lhes o tiro pela culatra... Ou melhor, a arma rebentou pelo cano.
Título: Re: Guerra Fria II
Enviado por: Cabeça de Martelo em Junho 22, 2022, 02:44:19 pm
Citação de: Salome Zourabichvili
My address to President Rebelo de Sousa of Portugal @presidencia

Portugal and Georgia are at the two ends of Europe, two small but old civilizations. For us to return to Europe will be what the Georgian people has wanted for centuries, the only perspective worth fighting for

https://twitter.com/Zourabichvili_S/status/1539321000009027584?s=20&t=dopNkRnImOYHWxAs3_PLuA
Título: Re: Guerra Fria II
Enviado por: Hammerhead em Julho 05, 2022, 10:36:26 am
World War 3...

Título: Re: Guerra Fria II
Enviado por: HumilityLord em Julho 08, 2022, 10:22:53 pm
Título: Re: Guerra Fria II
Enviado por: HumilityLord em Julho 09, 2022, 11:12:09 am
excelente análise
Título: Re: Guerra Fria II
Enviado por: HumilityLord em Julho 09, 2022, 07:42:09 pm
Título: Re: Guerra Fria II
Enviado por: HSMW em Julho 11, 2022, 01:30:25 am
Quanto ainda havia sanidade e uma réstia de esperança no futuro.


(https://pbs.twimg.com/media/FXQm2W4X0AARbba?format=jpg&name=900x900)

https://twitter.com/B0Gpa8/status/1545903291531509762/photo/1
Título: Re: Guerra Fria II
Enviado por: Observador em Julho 13, 2022, 02:09:33 pm
(https://i.imgur.com/WDSsX1f.png)