Novo Reabastecador da Marinha Portuguesa

  • 1477 Respostas
  • 236437 Visualizações
*

dc

  • Investigador
  • *****
  • 6166
  • Recebeu: 2396 vez(es)
  • Enviou: 543 vez(es)
  • +659/-475
Re: Novo Reabastecador da Marinha Portuguesa
« Responder #1410 em: Setembro 09, 2021, 06:36:47 pm »
Epá se é para esperar até 2025 para um AOR em segunda-mão, mais vale mandar construir um agora, que estará pronto nessa altura. Ou é urgente ou não é. E se é urgente, o Ruler ainda deve estar à espera de adopção.
 

*

Lightning

  • Moderador Global
  • *****
  • 9753
  • Recebeu: 1725 vez(es)
  • Enviou: 2112 vez(es)
  • +322/-284
Re: Novo Reabastecador da Marinha Portuguesa
« Responder #1411 em: Setembro 11, 2021, 12:00:20 am »
Agora com a zanga entre CEMA e o CEMGFA/MDN não vem nada para a Marinha, é castigo, quem tem a carteira é que manda e não quer birras.
« Última modificação: Setembro 11, 2021, 12:00:51 am por Lightning »
 
Os seguintes utilizadores agradeceram esta mensagem: typhonman, HSMW, dc, Stalker79, Pescador

*

Pescador

  • Investigador
  • *****
  • 1441
  • Recebeu: 1049 vez(es)
  • Enviou: 629 vez(es)
  • +1568/-1479
Re: Novo Reabastecador da Marinha Portuguesa
« Responder #1412 em: Setembro 11, 2021, 11:28:30 am »
Mais valia tentar sacar o MV Asterix aos canadianos....
 :-P

Mas esse entrou agora ao serviço  ???


Meh, mas vai ser sol de pouca dura que eles já estão á espera de reabastecedores novos em folha.
O primeiro já está em construção, pode ser que lá para 2025 já não precisem do Asterix
 :-P!

Com a pré instalação para 3 phalanx cumpre os requesitos de modelo na Marinha como as VGD e os 2ª série de NPO de coisas pré instaladas que nunca se instalam.
Isso e sendo em segunda mão sem estar nas lonas, era menino para dentro dos padrões da Marinha fazer 30 anos como está. 
 

*

P44

  • Investigador
  • *****
  • 13917
  • Recebeu: 3234 vez(es)
  • Enviou: 3733 vez(es)
  • +2321/-5902
Re: Novo Reabastecador da Marinha Portuguesa
« Responder #1413 em: Novembro 09, 2021, 10:55:54 am »
 :mrgreen: com tantos problemas pode ser que o vendam baratinho...

https://www.newsinenglish.no/2021/11/03/norwegian-navy-embarrassed-again/
"[Os portugueses são]um povo tão dócil e tão bem amestrado que até merecia estar no Jardim Zoológico"
-Dom Januário Torgal Ferreira, Bispo das Forças Armadas
 

*

tenente

  • Investigador
  • *****
  • 9482
  • Recebeu: 4702 vez(es)
  • Enviou: 3393 vez(es)
  • +4412/-1010
Re: Novo Reabastecador da Marinha Portuguesa
« Responder #1414 em: Novembro 09, 2021, 10:59:53 am »
O MAUD não passa no canal do Alfeite, tem que ser um AOR pequenino, para ficar bem numa Marinha pequenina. :mrgreen:

Abraços
Quando um Povo/Governo não Respeita as Suas FFAA, Não Respeita a Sua História nem se Respeita a Si Próprio  !!
 
Os seguintes utilizadores agradeceram esta mensagem: P44, Charlie Jaguar

*

Pescador

  • Investigador
  • *****
  • 1441
  • Recebeu: 1049 vez(es)
  • Enviou: 629 vez(es)
  • +1568/-1479
Re: Novo Reabastecador da Marinha Portuguesa
« Responder #1415 em: Novembro 09, 2021, 12:30:19 pm »
Com o estrondoso sucesso do NPO de elevada complexidade, podem modificar um colocando uma plataforma de helicópteros na proa(como alguns exemplos existentes), já que a Marlin 30 mm não usam e, alterar a ré para transportar mais carga e colocarem gruas maiores.
Assim fica um complexo navio de apoio na dimensão certa.

 
Os seguintes utilizadores agradeceram esta mensagem: P44

*

P44

  • Investigador
  • *****
  • 13917
  • Recebeu: 3234 vez(es)
  • Enviou: 3733 vez(es)
  • +2321/-5902
Re: Novo Reabastecador da Marinha Portuguesa
« Responder #1416 em: Novembro 09, 2021, 12:46:12 pm »
Já sugeri por várias vezes a montagem de uma cisterna de gasoil no sitio da plantaforma dos helis  :mrgreen: não percebo porque não aproveitam a ideia
"[Os portugueses são]um povo tão dócil e tão bem amestrado que até merecia estar no Jardim Zoológico"
-Dom Januário Torgal Ferreira, Bispo das Forças Armadas
 
Os seguintes utilizadores agradeceram esta mensagem: Pescador

*

Pescador

  • Investigador
  • *****
  • 1441
  • Recebeu: 1049 vez(es)
  • Enviou: 629 vez(es)
  • +1568/-1479
Re: Novo Reabastecador da Marinha Portuguesa
« Responder #1417 em: Novembro 09, 2021, 01:02:02 pm »
Já sugeri por várias vezes a montagem de uma cisterna de gasoil no sitio da plantaforma dos helis  :mrgreen: não percebo porque não aproveitam a ideia

Iiiisso

Seriam dois modelos, um com umas cisternas aproveitadas das usadas em camiões, outro porta contentores ou porta zebros para desembarque
 
Os seguintes utilizadores agradeceram esta mensagem: P44

*

mafets

  • Investigador
  • *****
  • 7392
  • Recebeu: 2331 vez(es)
  • Enviou: 906 vez(es)
  • +3977/-4666
Re: Novo Reabastecador da Marinha Portuguesa
« Responder #1418 em: Novembro 09, 2021, 01:59:23 pm »
Não podiam comprar uns rebocadores? Qualquer coisa reboca-se o Berrio que tirando o motor está praticamente novo.  :mrgreen:





Cumprimentos
"Nunca, no campo dos conflitos humanos, tantos deveram tanto a tão poucos." W.Churchil

http://mimilitary.blogspot.pt/
 

*

P44

  • Investigador
  • *****
  • 13917
  • Recebeu: 3234 vez(es)
  • Enviou: 3733 vez(es)
  • +2321/-5902
Re: Novo Reabastecador da Marinha Portuguesa
« Responder #1419 em: Novembro 09, 2021, 02:09:10 pm »
Já sugeri por várias vezes a montagem de uma cisterna de gasoil no sitio da plantaforma dos helis  :mrgreen: não percebo porque não aproveitam a ideia

Iiiisso

Seriam dois modelos, um com umas cisternas aproveitadas das usadas em camiões, outro porta contentores ou porta zebros para desembarque

Não esquecer o porta bilhas .... de gás  :mrgreen:
"[Os portugueses são]um povo tão dócil e tão bem amestrado que até merecia estar no Jardim Zoológico"
-Dom Januário Torgal Ferreira, Bispo das Forças Armadas
 

*

Pescador

  • Investigador
  • *****
  • 1441
  • Recebeu: 1049 vez(es)
  • Enviou: 629 vez(es)
  • +1568/-1479
Re: Novo Reabastecador da Marinha Portuguesa
« Responder #1420 em: Novembro 09, 2021, 04:23:47 pm »
Não podiam comprar uns rebocadores? Qualquer coisa reboca-se o Berrio que tirando o motor está praticamente novo.  :mrgreen:





Cumprimentos

No  caso desse da foto até tem a vantagem de já estár armado com o armamento preferido dos amigos da complexidade. A Cal .50. 
 

*

tenente

  • Investigador
  • *****
  • 9482
  • Recebeu: 4702 vez(es)
  • Enviou: 3393 vez(es)
  • +4412/-1010
Re: Novo Reabastecador da Marinha Portuguesa
« Responder #1421 em: Novembro 09, 2021, 04:35:26 pm »
Não podiam comprar uns rebocadores? Qualquer coisa reboca-se o Berrio que tirando o motor está praticamente novo.  :mrgreen:





Cumprimentos

No  caso desse da foto até tem a vantagem de já estár armado com o armamento preferido dos amigos da complexidade. A Cal .50.

Não é uma 12,7 é uma 20mm oerlikon, igual ás do Bérrio.
Quanto a motores porque não sacar um de uma das VdG, se estão como estão mais vale usar o motor noutro Navio... :mrgreen: :mrgreen: :mrgreen:
Quando um Povo/Governo não Respeita as Suas FFAA, Não Respeita a Sua História nem se Respeita a Si Próprio  !!
 
Os seguintes utilizadores agradeceram esta mensagem: Pescador

*

Pescador

  • Investigador
  • *****
  • 1441
  • Recebeu: 1049 vez(es)
  • Enviou: 629 vez(es)
  • +1568/-1479
Re: Novo Reabastecador da Marinha Portuguesa
« Responder #1422 em: Novembro 09, 2021, 06:54:24 pm »
Não podiam comprar uns rebocadores? Qualquer coisa reboca-se o Berrio que tirando o motor está praticamente novo.  :mrgreen:





Cumprimentos

No  caso desse da foto até tem a vantagem de já estár armado com o armamento preferido dos amigos da complexidade. A Cal .50.

Não é uma 12,7 é uma 20mm oerlikon, igual ás do Bérrio.
Quanto a motores porque não sacar um de uma das VdG, se estão como estão mais vale usar o motor noutro Navio... :mrgreen: :mrgreen: :mrgreen:

Pois é 20mm. Que cego que ando.

Mas esse também é um calibre de referencia usado em lanchas de fiscalização. Isso sim grandes "fragatas de litoral", com material bélico superior aos Tejo ;D ;D ;D
 

*

Luso

  • Investigador
  • *****
  • 7929
  • Recebeu: 1018 vez(es)
  • Enviou: 351 vez(es)
  • +500/-4235
Re: Novo Reabastecador da Marinha Portuguesa
« Responder #1423 em: Dezembro 30, 2021, 09:15:30 pm »
 :mrgreen: :mrgreen: :mrgreen:
Gouveia e Melo quer recuperar o Bérrio (que já devia ter sido abatido)
https://zap.aeiou.pt/gouveia-e-melo-quer-recuperar-o-reabastecedor-berrio-que-ja-devia-ter-sido-abatido-453654

Uma das primeiras ordens do novo Chefe da Armada foi mandar reavaliar as condições do único reabastecedor da Marinha.

O reabastecedor Bérrio tinha sido mandado abater em 2020 pelo antecessor de Gouveia e Melo, sendo que o dirigente atual pretende colmatar a falha até à aquisição de um novo, em 2027, na Lei de Programação Militar (LPM).

O Chefe do Estado-Maior da Armada (CEMA), Almirante Henrique Gouveia e Melo, deu esta quarta feira instruções para que seja reavaliada a condição material do reabastecedor de esquadra Bérrio, tendo em vista uma possível reativação do navio, até à aquisição de um novo.

De acordo com o Diário de Notícias, este estudo será realizado pela Marinha, através do setor da área do material.

O NRP Bérrio foi mandado abater em janeiro de 2020, devido a graves problemas estruturais, deixando o país sem o seu único navio reabastecedor, fundamental para a sustentação e apoio logístico de forças navais nacionais e internacionais.

Gouveia e Melo pretende, com esta medida, que seja reavaliada e analisada novamente a possibilidade de se encontrar uma solução viável para a recuperação do “Bérrio”, durante o período de transição até à aquisição de um meio definitivo.

A proposta de abate tinha sido feita pelo Almirante Mendes Calado, ex-CEMA, que realçou na altura que estava “a ser estudada uma alternativa”. Esta situação ocorreu depois de uma sucessão de erros de cálculo e défice de planeamento.

Em 2019, a Marinha investiu numa reparação profunda do Bérrio, que permitiria prolongar a sua “vida” por mais 10 anos, prevendo apenas a aquisição de um novo, no âmbito da LPM, em 2027.

“De facto, estava previsto que o NRP Bérrio iniciasse uma ação de manutenção profunda, para estender o seu já longo ciclo de vida por mais 10 anos, tendo em consideração que a LPM apenas prevê o início do processo de aquisição de um novo navio reabastecedor em 2027″, explicou o então porta-voz da Marinha.

No entanto, “nos preparativos para elaboração da lista de fabricos, foi realizada uma inspeção profunda ao navio, indicando que a necessidade de intervenção era muito superior ao inicialmente previsto, pelo que seria muito mais extensa e onerosa”.

A Marinha ponderou “a informação constante no relatório da inspeção, a estimativa da despesa na possível reparação e o ciclo de vida do navio (a atingir perto de 50 anos)” e chegou à conclusão que “a sua reparação não ” era “viável, quer do ponto de vista operacional, quer do ponto de vista económico”.

Segundo o porta-voz, “oportunamente, dar-se-á início ao processo de abate do navio ao efetivo dos navios de guerra da Marinha”.

Na altura, o ex-CEMA Almirante Melo Gomes alertou: “é catastrófico, um desastre repetidamente anunciado”, afirmou.

Melo Gomes, que liderou a Marinha portuguesa entre 2005 e 2010, sublinhou que o abate do Bérrio era “catastrófico para a nossa capacidade de intervenção” pois “inibe a Marinha de projetar poder para distâncias além das nossas águas e deixam de ser possíveis missões como aquela, em 1998, de resgate de 1200 pessoas da Guiné Bissau ou a operação de emergência na Ilha das Flores”.

Melo Gomes, também comandante da European Maritime Force, acrescentou ainda que, sem o Bérrio, a Marinha não ia “conseguir sequer manter os padrões de treino para reabastecimento no mar, que só vão ser possíveis com apoio de parceiros ou da NATO, embora seja muito difícil pois os reabastecedores são escassos“.

O NRP Bérrio é um reabastecedor de esquadra, construído no Reino Unido no final da década de 1960, que foi aumentado ao serviço da Royal Navy em 1970.


O navio foi adquirido por Portugal em 1993, já com 23 anos. Em 2020 atingiu os 50 anos de atividade, ultrapassando a idade média de vida útil destes navios.

Nessa altura, dos cinco navios da classe “Rover”, só o NRP Bérrio e o KRI Arun (903), da Marinha da Indonésia, se mantinham ativos.

A manutenção do navio foi-se tornando cada vez mais difícil, segundo o então porta-voz de Mendes Calado, porque “a obsolescência logística dos seus equipamentos e o fim de ciclo desta classe de navios na Royal Navy, causou a disrupção da cadeia de fornecimento de sobressalentes e de outros componentes, tornando a manutenção do Bérrio extremamente onerosa”.

Desde 2020 que a Marinha tem vindo a estudar opções de aquisição de um reabastecedor, no âmbito de um projeto cooperativo com países aliados ou parceiros, que permitam colmatar esta lacuna no sistema de forças nacional.

O Bérrio herdou o nome de uma das caravelas da frota de Vasco da Gama, quando este descobriu o caminho marítimo para a Índia.

Chamou-se “Bérrio”, por ter sido comprada a D. Manuel Bérrio, um piloto natural de Lagos, muito considerado no reinado de D. Manuel.

Segundo a Marinha, é um “navio fundamental para a sustentação de uma Força Naval no mar garantindo apoio logístico a diversas Forças Navais nacionais ou aliadas”.

“Por rotina, participa em exercícios nacionais e internacionais, sendo fundamental para o treino e aprontamento de outras unidades navais”, conclui.
Ai de ti Lusitânia, que dominarás em todas as nações...
 
Os seguintes utilizadores agradeceram esta mensagem: Subsea7

*

Subsea7

  • Analista
  • ***
  • 748
  • Recebeu: 546 vez(es)
  • Enviou: 907 vez(es)
  • +1286/-1410
Re: Novo Reabastecador da Marinha Portuguesa
« Responder #1424 em: Dezembro 30, 2021, 10:00:42 pm »
:mrgreen: :mrgreen: :mrgreen:
Gouveia e Melo quer recuperar o Bérrio (que já devia ter sido abatido)
https://zap.aeiou.pt/gouveia-e-melo-quer-recuperar-o-reabastecedor-berrio-que-ja-devia-ter-sido-abatido-453654

Uma das primeiras ordens do novo Chefe da Armada foi mandar reavaliar as condições do único reabastecedor da Marinha.

O reabastecedor Bérrio tinha sido mandado abater em 2020 pelo antecessor de Gouveia e Melo, sendo que o dirigente atual pretende colmatar a falha até à aquisição de um novo, em 2027, na Lei de Programação Militar (LPM).

O Chefe do Estado-Maior da Armada (CEMA), Almirante Henrique Gouveia e Melo, deu esta quarta feira instruções para que seja reavaliada a condição material do reabastecedor de esquadra Bérrio, tendo em vista uma possível reativação do navio, até à aquisição de um novo.

De acordo com o Diário de Notícias, este estudo será realizado pela Marinha, através do setor da área do material.

O NRP Bérrio foi mandado abater em janeiro de 2020, devido a graves problemas estruturais, deixando o país sem o seu único navio reabastecedor, fundamental para a sustentação e apoio logístico de forças navais nacionais e internacionais.

Gouveia e Melo pretende, com esta medida, que seja reavaliada e analisada novamente a possibilidade de se encontrar uma solução viável para a recuperação do “Bérrio”, durante o período de transição até à aquisição de um meio definitivo.

A proposta de abate tinha sido feita pelo Almirante Mendes Calado, ex-CEMA, que realçou na altura que estava “a ser estudada uma alternativa”. Esta situação ocorreu depois de uma sucessão de erros de cálculo e défice de planeamento.

Em 2019, a Marinha investiu numa reparação profunda do Bérrio, que permitiria prolongar a sua “vida” por mais 10 anos, prevendo apenas a aquisição de um novo, no âmbito da LPM, em 2027.

“De facto, estava previsto que o NRP Bérrio iniciasse uma ação de manutenção profunda, para estender o seu já longo ciclo de vida por mais 10 anos, tendo em consideração que a LPM apenas prevê o início do processo de aquisição de um novo navio reabastecedor em 2027″, explicou o então porta-voz da Marinha.

No entanto, “nos preparativos para elaboração da lista de fabricos, foi realizada uma inspeção profunda ao navio, indicando que a necessidade de intervenção era muito superior ao inicialmente previsto, pelo que seria muito mais extensa e onerosa”.

A Marinha ponderou “a informação constante no relatório da inspeção, a estimativa da despesa na possível reparação e o ciclo de vida do navio (a atingir perto de 50 anos)” e chegou à conclusão que “a sua reparação não ” era “viável, quer do ponto de vista operacional, quer do ponto de vista económico”.

Segundo o porta-voz, “oportunamente, dar-se-á início ao processo de abate do navio ao efetivo dos navios de guerra da Marinha”.

Na altura, o ex-CEMA Almirante Melo Gomes alertou: “é catastrófico, um desastre repetidamente anunciado”, afirmou.

Melo Gomes, que liderou a Marinha portuguesa entre 2005 e 2010, sublinhou que o abate do Bérrio era “catastrófico para a nossa capacidade de intervenção” pois “inibe a Marinha de projetar poder para distâncias além das nossas águas e deixam de ser possíveis missões como aquela, em 1998, de resgate de 1200 pessoas da Guiné Bissau ou a operação de emergência na Ilha das Flores”.

Melo Gomes, também comandante da European Maritime Force, acrescentou ainda que, sem o Bérrio, a Marinha não ia “conseguir sequer manter os padrões de treino para reabastecimento no mar, que só vão ser possíveis com apoio de parceiros ou da NATO, embora seja muito difícil pois os reabastecedores são escassos“.

O NRP Bérrio é um reabastecedor de esquadra, construído no Reino Unido no final da década de 1960, que foi aumentado ao serviço da Royal Navy em 1970.


O navio foi adquirido por Portugal em 1993, já com 23 anos. Em 2020 atingiu os 50 anos de atividade, ultrapassando a idade média de vida útil destes navios.

Nessa altura, dos cinco navios da classe “Rover”, só o NRP Bérrio e o KRI Arun (903), da Marinha da Indonésia, se mantinham ativos.

A manutenção do navio foi-se tornando cada vez mais difícil, segundo o então porta-voz de Mendes Calado, porque “a obsolescência logística dos seus equipamentos e o fim de ciclo desta classe de navios na Royal Navy, causou a disrupção da cadeia de fornecimento de sobressalentes e de outros componentes, tornando a manutenção do Bérrio extremamente onerosa”.

Desde 2020 que a Marinha tem vindo a estudar opções de aquisição de um reabastecedor, no âmbito de um projeto cooperativo com países aliados ou parceiros, que permitam colmatar esta lacuna no sistema de forças nacional.

O Bérrio herdou o nome de uma das caravelas da frota de Vasco da Gama, quando este descobriu o caminho marítimo para a Índia.

Chamou-se “Bérrio”, por ter sido comprada a D. Manuel Bérrio, um piloto natural de Lagos, muito considerado no reinado de D. Manuel.

Segundo a Marinha, é um “navio fundamental para a sustentação de uma Força Naval no mar garantindo apoio logístico a diversas Forças Navais nacionais ou aliadas”.

“Por rotina, participa em exercícios nacionais e internacionais, sendo fundamental para o treino e aprontamento de outras unidades navais”, conclui.


Como disse, vão arranjar maneira de não se ter AOR até 2035....No entanto tenho sérias dúvidas, que sirva para algo mais do que alvo para um Blackshark.
Cps,