Apetece-me gritar bem alto, FO...

  • 2550 Respostas
  • 274031 Visualizações
*

P44

  • Investigador
  • *****
  • 12183
  • Recebeu: 2136 vez(es)
  • Enviou: 2790 vez(es)
  • +1727/-3740
(sem assunto)
« Responder #45 em: Abril 17, 2009, 10:38:16 am »
Citar
Famílias de Entre-os-Rios chamadas a pagar custas

por C HELDER ROBALO Ontem




As famílias das vítimas da tragédia de Entre-os-Rios começaram a ser notificadas para pagar as custas judiciais do processo que absolveu seis técnicos - da ex-Junta Autónoma de Estradas e de uma empresa projectista -, acusados de terem violado regras técnicas e com isso terem contribuído para a queda da Ponte Hintze Ribeiro, a 4 de Março de 2001.

Ao todo são 350 a 400 mil euros de custas judiciais que os familiares, que se constituíram assistentes no processo, têm de pagar até final de Abril. Mas as cerca de 200 pessoas agora notificadas pedem para não pagar as custas, por considerarem que assim serão as únicas condenadas no processo.


http://dn.sapo.pt/inicio/portugal/inter ... id=1202701
"[Os portugueses são]um povo tão dócil e tão bem amestrado que até merecia estar no Jardim Zoológico"
-Dom Januário Torgal Ferreira, Bispo das Forças Armadas
 

*

TOMSK

  • Investigador
  • *****
  • 1445
  • Recebeu: 2 vez(es)
  • Enviou: 1 vez(es)
  • +1/-0
(sem assunto)
« Responder #46 em: Abril 17, 2009, 11:36:52 am »
Noticía perfeita para o título do tópico...
 :bang:
 

*

komet

  • Investigador
  • *****
  • 1662
  • Recebeu: 1 vez(es)
  • +0/-1
(sem assunto)
« Responder #47 em: Abril 17, 2009, 03:14:02 pm »
Citação de: "P44"
Citar
Famílias de Entre-os-Rios chamadas a pagar custas

por C HELDER ROBALO Ontem




As famílias das vítimas da tragédia de Entre-os-Rios começaram a ser notificadas para pagar as custas judiciais do processo que absolveu seis técnicos - da ex-Junta Autónoma de Estradas e de uma empresa projectista -, acusados de terem violado regras técnicas e com isso terem contribuído para a queda da Ponte Hintze Ribeiro, a 4 de Março de 2001.

Ao todo são 350 a 400 mil euros de custas judiciais que os familiares, que se constituíram assistentes no processo, têm de pagar até final de Abril. Mas as cerca de 200 pessoas agora notificadas pedem para não pagar as custas, por considerarem que assim serão as únicas condenadas no processo.

http://dn.sapo.pt/inicio/portugal/inter ... id=1202701



É fantástico não se acharem culpados, mas quando a tragédia aconteceu, não faltou quem se demitisse com vergonha na cara...
"History is always written by who wins the war..."
 

*

P44

  • Investigador
  • *****
  • 12183
  • Recebeu: 2136 vez(es)
  • Enviou: 2790 vez(es)
  • +1727/-3740
(sem assunto)
« Responder #48 em: Abril 17, 2009, 08:07:54 pm »
"[Os portugueses são]um povo tão dócil e tão bem amestrado que até merecia estar no Jardim Zoológico"
-Dom Januário Torgal Ferreira, Bispo das Forças Armadas
 

*

zeNice

  • Membro
  • *
  • 257
  • +0/-0
(sem assunto)
« Responder #49 em: Abril 18, 2009, 01:05:18 pm »
... isto anda tudo maluquinho, mas o pessoal parece que continua a não querer ver.
 

*

TOMSK

  • Investigador
  • *****
  • 1445
  • Recebeu: 2 vez(es)
  • Enviou: 1 vez(es)
  • +1/-0
(sem assunto)
« Responder #50 em: Abril 28, 2009, 12:01:06 pm »
Citar
O Vampiro do Século XXI:

A Caixa Geral de Depósitos (CGD) está a enviar aos seus clientes mais modestos uma circular que deveria fazer corar de vergonha os «administradores - principescamente pagos - daquela instituição bancária.
A carta da CGD começa, como mandam as boas regras de marketing, por reafirmar o empenho do Banco em oferecer ao seu cliente as melhores condições de preço qualidade em toda a gama de prestação de serviços, incluindo no que respeita a despesas de manutenção nas contas à ordem.
As palavras de circunstância não chegam sequer a suscitar qualquer tipo de ilusões, dado que após novo parágrafo sobre racionalização e eficiência da gestão de conta, o estimado/a cliente é confrontado com a informação de que, para continuar a usufruir da isenção da comissão de despesa de manutenção, terá de ter em cada trimestre um saldo médio superior a EUR1000, ter crédito de vencimento ou ter aplicações financeiras associadas à respectiva conta.
Ora sucede que muitas contas da CGD, designadamente de pensionistas e reformados, são abertas por imposição legal.
É o caso de um reformado por invalidez e quase septuagenário, que sobrevive com uma pensão de EUR243,45 - que para ter direito ao piedoso subsídio diário de EUR 7,57 (sete euros e cinquenta e sete cêntimos!) foi forçado a abrir conta na CGD por determinação expressa da Segurança Social para receber a reforma.
Como se compreende, casos como este - e muitos são os portugueses que vivem abaixo ou no limiar da pobreza - não podem, de todo, preencher o requisito imposto pela
CGD e tão pouco dar-se ao luxo de pagar despesas de manutenção de uma conta que foram constrangidos a abrir para acolher a sua miséria.
O mais escandaloso é que seja justamente uma instituição bancária que ano após ano apresenta lucros fabulosos e que aposenta os seus administradores, mesmo quando efémeros, com «obscenas» pensões (para citar Bagão Félix), a vir exigir a quem mal consegue sobreviver que contribua para engordar os seus lautos proventos.
É sem dúvida uma situação ridícula e vergonhosa, como lhe chama o nosso leitor, mas as palavras sabem a pouco quando se trata de denunciar tamanha indignidade.
Esta é a face brutal do capitalismo selvagem que nos servem sob a capa da democracia, em que até a esmola paga taxa.
Sem respeito pela dignidade humana e sem qualquer resquício de decência, com o único objectivo de acumular mais e mais lucros, eis os administradores de sucesso.
Medita e divulga... Mas divulga mesmo por favor...
Cidadania é fazê-lo, é demonstrar esta pouca vergonha que nos atira para a miserabilidade social.

Este tipo de comentário não aparece nos jornais, tv's e
rádios... Porque será?

Eu já fiz a minha parte. Faz a tua.
 

*

P44

  • Investigador
  • *****
  • 12183
  • Recebeu: 2136 vez(es)
  • Enviou: 2790 vez(es)
  • +1727/-3740
(sem assunto)
« Responder #51 em: Abril 28, 2009, 01:25:41 pm »
Citar
Governo não perdoa multas a pensionistas e reformados

Eudora Ribeiro  
22/04/09 17:30


Sócrates disse que "não é o momento para, por demagogia e eleitoralismo, sermos mais simpáticos".


Sócrates garantiu hoje que o Governo não vai perdoar as multas aos contribuintes que não entregaram as declarações de rendimentos, a maioria pensionistas e reformados.

"Este não é o momento para, por demagogia e eleitoralismo, sermos mais simpáticos", disse José Sócrates, durante o debate quinzenal.

O primeiro-ministro respondia ao líder do CDS-PP, Paulo Portas, sobre a recusa do Estado em perdoar a multa de 150 euros aos 120 mil contribuintes que não entregaram a declaração de rendimentos no ano passado.

"Não o faço [perdoar a multa] em nome da sensibilidade eleitoral, para dar votos. Não posso dar à administração fiscal nenhum sinal equívoco no que diz respeito ao cumprimento da lei", disse José Sócrates à saída do debate.

"É preciso declarar e pagar impostos", sublinhou o primeiro-ministro. "Não posso dizer aos portugueses que temos uma política fiscal de relaxe", acrescentou.


http://economico.sapo.pt/noticias/gover ... _8715.html

Canalhas! Ele e os Amigos não precisam de declarar impostos, mas os pobres não têm perdão!  :evil:
"[Os portugueses são]um povo tão dócil e tão bem amestrado que até merecia estar no Jardim Zoológico"
-Dom Januário Torgal Ferreira, Bispo das Forças Armadas
 

*

TOMSK

  • Investigador
  • *****
  • 1445
  • Recebeu: 2 vez(es)
  • Enviou: 1 vez(es)
  • +1/-0
(sem assunto)
« Responder #52 em: Abril 28, 2009, 01:38:25 pm »
Ó P44, neste caso eu acho que o Sócrates tem razão.

É uma questão de justiça e imparcialidade. Todos temos direitos, mas deveres também.
Ou seja, tu compras o bilhete para ir apanhar o autocarro.
E os que não compram porque não querem, não sabem, ou não tem dinheiro, também podem ir, sem lhes acontecer nada?

Não é justo tu teres o trabalho de estar a preencher e entregar aquilo, e ao mesmo tempo haver outros que se estiveram a marimbar, independentemente da razão!

Então se não lhes acontece nada, também eu não me estou para chatear na próxima vez e não entrego!
Entendes?
É que isto é uma círculo vicioso, e tem que ser parado.
 

*

FoxTroop

  • Investigador
  • *****
  • 1615
  • Recebeu: 438 vez(es)
  • Enviou: 316 vez(es)
  • +210/-1957
(sem assunto)
« Responder #53 em: Abril 28, 2009, 01:57:29 pm »
Caro Tomsk. Também sou a favor de que não se perdoem estas coisas, mas, neste caso, existem toda uma serie de atenuantes que convem ter em conta.

O Estado mudou os prazos de entrega e ninguém soube de nada. Não foi anunciado em lado nenhum. Nem na TV nem na radio nem por editais, nada.

O Estado é o primeiro a esgrimir-se a cumprir os seus próprios prazos e com conhecimento dos mesmos ao contrario deste caso.

O Estado perdoou aos bancos uns milhõezitos de euros por deixar passar o prazo e como estes são uns desgraçados que não se podem mover, pagam e não bufam.

Caro Tomsk. Neste caso penso que o governo deveria ter a sensibilidade de deixar cair as multas.
 

*

123go

  • 98
  • +0/-0
(sem assunto)
« Responder #54 em: Abril 28, 2009, 02:30:32 pm »
Citação de: "FoxTroop"

Caro Tomsk. Neste caso penso que o governo deveria ter a sensibilidade de deixar cair as multas.


Acho que o governo faz mal em não perdoar, é mal jogado, porque estamos em época de eleições e todos os votos contam.

*

P44

  • Investigador
  • *****
  • 12183
  • Recebeu: 2136 vez(es)
  • Enviou: 2790 vez(es)
  • +1727/-3740
(sem assunto)
« Responder #55 em: Abril 28, 2009, 04:42:03 pm »
Ó Tomsk,

não gosto muito de citar o Paulo Portas mas desta vez (até porque está lá a explicação)

Citar
«É uma questão de sensibilidade», frisou, recordando que o problema está relacionado com uma «mudança de regras» por parte do Estado, que criou a obrigação de entrega de declaração de rendimentos, mas não avisou da alteração.

Apenas «falharam um papel», «não falharam os impostos»

«Do ponto de vista da sensibilidade social isto não faz sentido nenhum», insistiu, considerando que teria sido possível encontrar uma «solução justa», tal como aconteceu com os trabalhadores independentes, porque não se trata de pessoas que «falharam impostos», mas apenas «falharam um papel», porque não sabiam da mudança de regras.

«Qualquer pessoa dotada de um sentido de solidariedade percebe que é muito injusto estar a pedir a mais de 100 mil pensionistas, que são pessoas que têm reformas de algumas magras centenas de euros, façam o favor de pagar uma multa de 150 euros não por terem falhado um impostos, mas por terem falhado um papel, e ainda por cima só falharam porque o Estado não avisou da mudança das regras»,


http://diario.iol.pt/economia/impostos- ... -4058.html
"[Os portugueses são]um povo tão dócil e tão bem amestrado que até merecia estar no Jardim Zoológico"
-Dom Januário Torgal Ferreira, Bispo das Forças Armadas
 

*

TOMSK

  • Investigador
  • *****
  • 1445
  • Recebeu: 2 vez(es)
  • Enviou: 1 vez(es)
  • +1/-0
(sem assunto)
« Responder #56 em: Abril 28, 2009, 04:44:32 pm »
Pronto, se alteraram as datas sem aviso prévio, então aí o caso muda de figura!
 

*

Gina

  • 690
  • +0/-0
(sem assunto)
« Responder #57 em: Abril 28, 2009, 04:55:40 pm »
"A democracia é uma forma de governo que prevê a livre discussão, mas que só é atingida se as pessoas pararem de falar"  Clement Attlee

Se aqueles badamecos todos que estão no parlamento diminuissem a conversa toda de ofensas verbais uns aos outros e a apregoação de promessas, mundos e fundos ao povo e tratassem mas é de pôr mãos à obra e de fazer mesmo com que as coisas boas acontecessem... menos blá blá blá e mais reflexão, pensamento e no fim acção! aí sim tinhamos uma democracia... porque só eles é que falam... o povo das duas uma: ou come e cala ou revolta-se mas sem resultados... democracia? aonde? Se nas maioria das vezes só a opinião dos "lá de cima" é que conta?!?  :evil:
Sorri :) Para que a vida te sorria de volta!
 

*

zeNice

  • Membro
  • *
  • 257
  • +0/-0
(sem assunto)
« Responder #58 em: Abril 30, 2009, 01:33:04 pm »
Citação de: "P44"
11 Março 2009 - 09h00
Cozido à portuguesa

A Galp chupa-chupa

Na passada quarta-feira, 4 de Março, a orgulhosa Galp anunciou os seus resultados de 2008. Ninguém se incomodou com o facto de a companhia petrolífera ter declarado um lucro de 478 milhões de euros, dos quais 105 milhões vieram direitinhos da lentidão de ajustamento à descida dos preços do petróleo internacional.


Ou seja, a Galp passou vários meses a demorar intencionalmente a descida dos preços da gasolina e do gasóleo ao público, ganhando com isso a módica quantia de... respire bem fundo, 105 milhões!


A administração e os accionistas da Galp sentiram certamente grande alegria pelo facto de a empresa ter tido um ano histórico de aumento de lucros. Em momento algum lhes passou pela cabeça que estavam a cometer um grave erro, faltando ao respeito aos seus conterrâneos! Claro que não: para eles era apenas uma forma esperta de ganhar mais dinheiro à custa do mexilhão. De cada vez que iam às bombas atestar, os portugueses pagavam sempre mais do que deviam. O preço do petróleo a descer a pique e nas bombas aquela teimosa resistência à descida, aquela sacanice tão típica de grande empresa que se está nas tintas para nós.

É por estas e por outras que eu, não sendo de esquerda, percebo perfeitamente a raiva que a esquerda destila contra as grandes empresas. O exemplo que a Galp deu ao País foi o de uma empresa insensível e predadora, que só se interessa em "maximizar o lucro", ou seja, encher os bolsos dos accionistas, e nem por um instante se incomoda com o facto de poder estar a cometer ilegalidades. E a responsabilidade social, para a Galp, não existe? Nas escolas de gestão mais avançadas, onde certamente estudaram muitos dos administradores da Galp e das empresas suas accionistas, ensina-se uma coisa chamada responsabilidade social, que no fundo é preocuparmo-nos com o mundo à nossa volta e não olhar para os consumidores apenas como malta a quem vamos chupar o dinheirinho o mais possível. Infelizmente, foi isso que fez a Galp. Chupou, chupou, chupou até mais não poder.

Infelizmente também, em Portugal não há no PSD ninguém capaz de tornar estas situações numa arma de arremesso política contra o Governo. Sobre o assunto, o PSD disse nada. Não vou aqui especular porquê, mas apenas dizer que o silêncio do PSD foi a medida da sua confrangedora incapacidade. Quem perde uma oportunidade política de ouro como esta para enfurecer a população contra o Governo e com isso se afirmar como alternativa não merece ganhar eleições.

Domingos Amaral, Director da ‘GQ

CM


em http://www.forumdefesa.com/forum/viewto ... 8&start=75


e pronto? fica assim? não lhes acontece nada ficam impunes?

Apetece-me gritar bem alto, FO... mer** de pais
 

*

TOMSK

  • Investigador
  • *****
  • 1445
  • Recebeu: 2 vez(es)
  • Enviou: 1 vez(es)
  • +1/-0
(sem assunto)
« Responder #59 em: Maio 03, 2009, 09:38:28 am »
Citar
Consulado de Portugal em Sevilha
por Carlos Duarte


PASSE A PALAVRA ...

Um Símbolo de Portugal em Espanha.
O Governo Português anunciou que irá encerrar o Consulado Geral de Portugal em Sevilha.
Esse encerramento implica a perda de um Edifício Histórico Português, que foi construído
para albergar o Pavilhão de Portugal na Exposição Universal de Sevilha de 1929
e cuja propriedade será devolvida ao Ayuntamiento de Sevilha.

Este Edifício Histórico está localizado no centro da cidade de Sevilha,
ao lado do Hotel Alfonso XIII, um dos melhores de Espanha e é cobiçado
por grandes interesses espanhóis e internacionais.
Nós que o temos na mão, por direito, decidimos abandoná-lo.
Será que o Governo entende que temos demasiadas referências culturais
portuguesas em Espanha?
Será que, decididamente, preferimos acabar com todos os símbolos nacionais?
Como este que a Espanha nos cedeu gratuitamente há quase um século, no centro
de uma das suas mais importantes e bonitas cidades?
Um Consulado não se mede só pelos serviços que presta.
Conta por ser uma presença de um País numa cidade amiga.
Uma cidade onde trabalham Portugueses, onde estudam Portugueses,
onde se ensina o Português a centenas de estudantes espanhóis.
Uma cidade Amiga.
Por isso e por estar num Edifício Histórico Português, pode ser também
uma Referência da Cultura Portuguesa, a melhor Marca de Portugal.
Em Espanha.
Todo o Português que vai a Sevilha se orgulha de ver o seu País, a sua Imagem,
o seu Símbolo no centro da Cidade-Monumento.
O Governo Português vai acabar com ele.
E sem ganhar nada com isso. Provavelmente veremos em breve no seu interior uma
delegação do "Gungenheim" ou do "Rainha Sofia".
É que os Espanhóis tratam bem o que têm.
Denuncie esta situação aos seus amigos.
E se conhecer o Presidente da República, ou o Primeiro-Ministro envie-lhes também.
Para que não digam que o Povo não os avisou.
Não envie é para Amigos Espanhóis.
Por vergonha.
Grupo Promotor do
Círculo de Portugal em Sevilha
* Carlos Duarte


 :evil: Filhos da ....