Russia invade Geórgia

  • 605 Respostas
  • 108647 Visualizações
*

typhonman

  • Investigador
  • *****
  • 5124
  • Recebeu: 718 vez(es)
  • Enviou: 1549 vez(es)
  • +3748/-3816
Russia invade Geórgia
« em: Agosto 08, 2008, 04:39:40 pm »
http://edition.cnn.com/2008/WORLD/europ ... index.html


Citar
   
TBLISI, Georgia (CNN) -- Georgia's president said Friday that his country is under attack by Russian tanks and warplanes, and he accused Russia of targeting civilians as tensions over the breakaway Georgian region of South Ossetia appeared to boil over into full-blown conflict.

 
Russia's Channel 1 shows heavy tanks purported to be on their way to South Ossetia.

 1 of 2  "All day today, they've been bombing Georgia from numerous warplanes and specifically targeting (the) civilian population, and we have scores of wounded and dead among (the) civilian population all around the country," President Mikhail Saakashvili told CNN in an exclusive interview.

"This is the worst nightmare one can encounter," he said.

Asked whether Georgia and Russia were now at war, he said, "My country is in self-defense against Russian aggression. Russian troops invaded Georgia."  Watch the interview with Saakashvili »

About 150 Russian armored vehicles have entered South Ossetia, Saakashvili said, and Georgian forces had shot down two Russian aircraft. Watch the Russian tanks moving into the area »

Russia's Foreign Minister Sergei Lavrov meanwhile said Moscow had received reports that villages in South Ossetia were being ethnically cleansed, according to Reuters.com.

"We are receiving reports that a police of ethnic cleansing was being conducted in villages in South Ossetia, the number of refugees is climbing, the panic is growing, people are trying to save their lives," he was reported saying.

Russian President Dmitry Medvedev, quoted by the Russian news agency Interfax, said Russians had died because of Georgia's operations.

Russia "will not allow the deaths of our compatriots to go unpunished" and "those guilty will receive due punishment," he said. "My duty as Russian president is to safeguard the lives and dignity of Russian citizens, wherever they are. This is what is behind the logic of the steps we are undertaking now."

South Ossetia declared independence from Georgia in the early 1990s, but it was not internationally recognized. Many ethnic Ossetians feel close to Russia and have Russian passports and use its currency. iReport.com: Are you there, share your photos, videos

Russia's Defense Ministry said it sent "reinforcements" to South Ossetia to help the Russian peacekeepers already stationed there.

Earlier Friday, Russian military aircraft dropped two bombs on Georgian territory, a Georgian official said, causing no casualties.

The U.S., NATO and European Union have all called for an end to the fighting. U.S. President George Bush and Russian Prime Minister Vladimir Putin on Friday discussed the conflict in Georgia, the White House confirmed.

In a letter addressed to his "fellow citizens" Friday, Saakashvili said he had mobilized tens of thousands of reserve officers and that the mobilization continued.

Don't Miss
Georgia's territorial turmoil
Georgia orders cease fire, offers talks
Reports: 6 die as Georgia shells South Ossetia
Shootings heighten Georgia tension
"We must unite," Saakashvili wrote. "All of us, hundreds of thousands of Georgians here and abroad, should come together, unite, and fight to save Georgia. We are a freedom-loving people, and if our nation is united, no aggressor will be able to harm it."

Georgia declared a unilateral three-hour cease fire at 3 p.m. to enable civilians to escape from the conflict zone, which so far was focused inside South Ossetia but included aerial targets inside Georgia, Saakashvili said.

"Clearly they don't really have boundaries in their activities," said Georgian Foreign Minister Eka Tkeshelashvili, in an interview with CNN. She said Russian aircraft had bombed "several villages" in Georgia outside of the South Ossetian territory.

Tkeshelashvili said Georgian authorities are still collecting information on casualties.

Georgia was appealing to the world for diplomatic intervention, she said, stressing that Georgia was not asking for military assistance.

The Organization for Security and Cooperation in Europe (OSCE) said it was sending an envoy to the region immediately.

NATO Secretary-General Jaap de Hoop Scheffer issued a statement Friday saying he was seriously concerned about the recent events in the region, and he called on all sides to end armed clashes and begin direct talks.  Watch more about NATO's attempts to help Georgia »

Carmen Romero, a NATO spokeswoman speaking to CNN from Brussels, reiterated Scheffer's statement. She said NATO was in regular contact with Georgia's president and was talking to the Russian side.

Britain and the United States also urged all sides to bring an immediate end to the violence. Acting U.S. State Department spokesman Gonzo Gallegos said: "We support Georgia's territorial integrity and call for an immediate cease-fire. We urge all parties ... to de-escalate and avoid conflict

An emergency session of the U.N. Security Council on Friday discussed the dramatic escalation of violence. The session ended Friday morning without a statement about the fighting.

Violence has been mounting in the region in recent days, with sporadic clashes between Georgian forces and South Ossetian separatists. Georgian troops launched new attacks in South Ossetia late Thursday after a top government official said a unilateral cease-fire offer was met with separatist artillery fire.

Alexander Lomaia, the secretary of Georgia's National Security Council, said Georgian troops were responding proportionately to separatist mortar and artillery attacks on two villages -- attacks he said followed the cease-fire and call for negotiations by Saakashvili.

Russia said a Georgian attack on a military barracks left a number of Russian peacekeepers dead.

"It's all very sad and alarming," Putin said earlier in the day. "And, of course, there will be a response."

"There are lots of volunteers being gathered in the region, and it's very hard to withhold them from taking part. A real war is going on," Putin said, according to his spokesman, Dmitry Peskov.

Russian peacekeepers are in South Ossetia under a 1992 agreement by Russian, Georgian, and South Ossetian authorities to maintain what has been a fragile peace. The mixed peacekeeping force also includes Georgian and South Ossetian troops.

Saakashvili said the Russian invasion of South Ossetia was pre-planned.


"These troops that are in Georgia now -- they didn't come unexpectedly," the president told CNN. "They had been amassing at the border for the last few months. They claimed they were staging exercises there and as soon as a suitable pretext was found, they moved in."

Georgia, located on the Black Sea coast between Russia and Turkey, has been split by Russian-backed separatist movements in South Ossetia and another region, Abkhazia.
 

*

André

  • Investigador
  • *****
  • 3555
  • Recebeu: 2 vez(es)
  • +82/-0
(sem assunto)
« Responder #1 em: Agosto 08, 2008, 06:55:31 pm »
"Guerra por procuração" entre Rússia e Ocidente - Marques Guedes

A Rússia e o Ocidente estão a travar uma "guerra por procuração" na Transcaucásia - onde se confrontam a Geórgia e a região rebelde da Ossétia do Sul - pelo domínio da franja geoestratégica que vai dos Balcãs ao Xinjang chinês.

Esta é a tese do académico e investigador português Armando Marques Guedes, hoje entrevistado telefonicamente na Escandinávia pela Agência Lusa para fazer o ponto ao conflito entre Tbilissi e Tskhinvali, que já terá causado centenas de mortos.

As hostilidades em curso "não são boas notícias" para o professor da Faculdade de Direito da Universidade Nova de Lisboa, que não escondeu "preocupação" face à "imprevisibilidade" do desenrolar dos acontecimentos no teatro bélico.

"Estamos perante uma guerra por procuração (neo proxy war) no corredor entre os mares Negro e Cáspio, que poderá ter um efeito dominó e degenerar num conflito global com consequências dificilmente antecipáveis", declarou.

Nesta "guerra por procuração" resta saber - na óptica do académico e investigador - se russos e ocidentais permanecerão na "sombra" e se haverá alguma alteração na "geometria das alianças nucleares", questionou.

Situando na rosa-dos-ventos as potências nucleares declaradas ou potenciais no tabuleiro do que foi chamado o "Grande Jogo" (Great Game) no século XIX - entre o Reino Unido e a Rússia -, Marques Guedes foi claro.

"A norte está a Rússia, a sul o Irão, a leste o Paquistão, a Índia e a China, e a oeste Israel, França, Grã-Bretanha e Estados Unidos", explicou, alertando para o perigo de, sendo dado um passo em falso, vir a ser accionado o artigo 5º do Tratado do Atlântico Norte, por ataque a um dos 26 países aliados, com o que entraria em cena a NATO.

"Na franja geoestratégica do 'Grande Jogo' há conflitos que foram mantidos a lume brando e são agora reacendidos na disputa pelos vitais recursos energéticos do petróleo e gás natural, com a participação directa, ou indirecta, da Rússia, dos Estados Unidos e da União Europeia (UE), e do Islão político (Síria, Iraque, Irão, Paquistão e Afeganistão)", indicou.

Marques Guedes precisou que Moscovo, Washington, Bruxelas e o Grande Médio Oriente são intervenientes a ter em conta no "arco de crise" que vai dos Balcãs ao Xinjang chinês (noroeste), até data recente com expoente na ex-província sérvia do Kosovo.

Na Transcaucásia, "tampão" entre Ocidente e Oriente, o confronto entre Tbilissi e Tskhinvali tanto se poderá arrastar, permanecendo localizado, como "ganhar o efeito de bola de neve" e alastrar para a outra região georgiana rebelde da Abkhazia (igualmente russófona, a noroeste) , para o enclave arménio do Nargorno Karabakh no Azerbaijão, a leste, ou para a secessionista Transdniestria, Moldova, a oeste, bem como para Ciscaucásia, varrendo a leste a Tchetchénia, Ingúchia e Daguestão, onde os wahabitas estão implantados e a organização terrorista Al-Qaida é o "joker", lembrou Marques Guedes.

O centro nevrálgico do problema é o desejado controlo russo das jazidas e rotas do petróleo e do gás natural, que "os ocidentais não podem aceitar" e, daí, serem "tentados a intervir", na opinião do académico e investigador.

"Estamos perante o espaço pós-soviético que Moscovo reivindica como direito histórico - desde a sua conquista aos turcos por Pedro, o Grande - e em relação ao qual a sua doutrina militar se mantém invariável, com o objectivo de conservar profundidade geográfica estratégica e manter acessos a portos de águas quentes", assinalou.

E frisou: "Putin - o ex-presidente russo - está a explorar o esvaziamento de poder do seu actual homólogo norte-americano, George W.Bush, em fim de mandato, mas o Comando Central (CENTCOM) dos Estados Unidos com quartel-general no Dubai e alçada sobre o Cáucaso permanece atento, até para - por arrastamento - aumentar a pressão sancionatória sobre o Irão".

Marques Guedes recordou que, até à data, não há memória de os persas se terem alguma vez imiscuído no Cáucaso.

Como corolário, sendo impossível antecipar o desfecho das hostilidades georgiano-ossetas, o académico e investigador não excluiu - como hipótese meramente teórica, vincou - "um cataclismo generalizado em redor das bacias dos mares Negro e Cáspio, com prolongamento pela esteira do Cáucaso até aos confins da Ásia Central".

Lusa

 

*

P44

  • Investigador
  • *****
  • 13906
  • Recebeu: 3229 vez(es)
  • Enviou: 3728 vez(es)
  • +2321/-5902
(sem assunto)
« Responder #2 em: Agosto 08, 2008, 07:39:22 pm »
segundo o precedente do Kosovo, têm todo o direito a serem Independentes :roll:
"[Os portugueses são]um povo tão dócil e tão bem amestrado que até merecia estar no Jardim Zoológico"
-Dom Januário Torgal Ferreira, Bispo das Forças Armadas
 

*

André

  • Investigador
  • *****
  • 3555
  • Recebeu: 2 vez(es)
  • +82/-0
(sem assunto)
« Responder #3 em: Agosto 08, 2008, 07:43:02 pm »
Geórgia vai enviar soldados que tem no Iraque para o conflito na Ossétia do Sul

A Geórgia vai deslocar mil soldados que estão no Iraque para reforçar as posições no conflito com os independentistas da Ossétia do Sul e os militares russos. À TSF, um jornalista no terreno disse que respira-se uma paz aparente na capital da Geórgia.

O governo da Geórgia fez saber, esta sexta-feira, que vai deslocar um milhar de soldados que tem no Iraque para reforçar as posições no conflito com os independentistas da Ossétia do Sul e os militares russos.

Com o aumentar de intensidade do conflito, Moscovo anunciou que os tanques enviados para a Geórgia já entraram em acção e falou em sinais de limpeza étnica nalgumas localidades desta região independentista.

Já as autoridades da república da Ossétia do Sul afirmaram que os bombardeamentos georgianos mataram mais de um milhar de pessoas.

Entretanto, ao início da tarde desta sexta-feira, em declarações à TSF, um jornalista português que se encontra na região a passar férias disse à TSF que a situação em Tskhinvali «é relativamente calma», respirando-se uma «paz aparente».

«O governo anunciou que ia recuperar todos os reservistas com menos de 40 anos para o exército», acrescentou Luís Rego, lembrando que as operações militares intensificaram-se na madrugada desta sexta-feira.

«Às três da manhã, o exército georgiano iniciou uma operação de ocupação da zona» e desde então «têm existido bastante confrontos na zona», frisou o correspondente do Diário Económico em Bruxelas.

Apesar das pessoas de Tiblissi serem «grandes nacionalistas», estão «com medo» do conflito «porque a Rússia é uma grande potência mundial», frisou.

TSF

 

*

André

  • Investigador
  • *****
  • 3555
  • Recebeu: 2 vez(es)
  • +82/-0
(sem assunto)
« Responder #4 em: Agosto 08, 2008, 07:49:32 pm »
«Rússia está a lutar connosco no nosso território», diz Saakashvili



O presidente georgiano, Mikhail Saakashvili, entende que a «Rússia está a lutar connosco no nosso território» e que esta luta tem a ver com o facto de os georgianos quererem ser livres. Por seu lado, o presidente russo, Dmitri Medvedev, avisou que a morte de cidadãos russos não ficará «impune».

O presidente georgiano considerou, esta sexta-feira, que a Rússia está em combate em território georgiano e que estão a existir «bombardeamentos contínuos russos desde ontem com o alvo a ser especificamente a população civil».

«A Rússia está a lutar connosco no nosso território. Esta é uma clara agressão russa. Estamos a sofrer porque queremos ser livres e porque queremos uma democracia multi-étnica», afirmou Mikhail Saakaschvili em entrevista à CNN.

Mikhail Saakashvili adiantou que a Géorgia está a lutar «com um vizinho grande e poderoso» e lembrou que a sua nação, de apenas cinco milhões de habitantes, não tem forças comparáveis às da Rússia.

Para o presidente da Geórgia, é agora do interesse dos EUA agir para parar esta situação. «Somos uma nação que ama a liberdade e que está agora sob ataque», acrescentou.

Saakashvili confirmou ainda que as forças georgianas abateram dois aviões russos e que um dos aviões russos que participou nos ataques à Geórgia «atingiu um hospital civil ferindo médicos e doentes sem objectivo».

O presidente georgiano disse ainda ter presenciado um ataque aéreo russo que teve como alvo um «mercado muito movimentado», tendo sido atingida a «multidão de pessoas».

Antes, o presidente russo tinha advertido que não deixaria «impune» a morte de seus «compatriotas» em território da Ossétia do Sul, onde a maior parte dos seus 70 mil habitantes têm passaporte russo.

«Conformemente à constituição russa e à legislação federal e como presidente russo sou obrigado a defender a vida e a dignidade dos cidadãos russos onde quer que eles se encontrem», afirmou Dmitri Medvedev.

Numa reunião do Conselho de Segurança russo, Medvedev acrescentou ainda que os «culpados» da morte de cidadãos russos «receberão o castigo merecido».

TSF

 

*

Torgut

  • 44
  • +0/-0
(sem assunto)
« Responder #5 em: Agosto 08, 2008, 07:58:34 pm »
Este Armando Marques Guedes passa-se. As coisas que ele consegue antever num conflicto local sem projecção nem futuro...........
 

*

P44

  • Investigador
  • *****
  • 13906
  • Recebeu: 3229 vez(es)
  • Enviou: 3728 vez(es)
  • +2321/-5902
(sem assunto)
« Responder #6 em: Agosto 08, 2008, 08:02:56 pm »
Guerra aberta entre forças dos dois países
Exército russo destruiu posições georgianas que atacavam capital da Ossétia

08.08.2008 - 19h01 Agências

Tanques e peças de artilharia russas estão a atacar posições do Exército georgiano nos arredores de Tskhinvali, a capital da região separatista da Ossétia do Sul, no primeiro combate declarado entre as forças dos dois países vizinhos.

“As posições das tropas georgianas que estavam a disparar sobre Tskhinvali e sobre os soldados russos da força de manutenção de paz foram destruídas pela artilharia e pelos tanques do 58º Exército, que está nos arredores da capital da Ossétia do Sul”, anunciou o coronel Igor Konashenkov, porta-voz das forças russas.

O Estado-Maior russo confirmou também que caças russos atacaram posições do Exército georgiano nos arredores de Tskhinvali, mas negou bombardeamentos em território da Geórgia.

Ao início da tarde, as autoridades georgianas anunciaram que as suas forças tinham assumido o controlo da capital, mas pouco depois admitiam ter perdido parte das posições conquistadas.

Cerca de uma centena de blindados, entre tanques e veículos de transporte russos, atravessaram ao início da tarde o túnel de Roki, na fronteira entre a Ossétia do Norte (república russa do Cáucaso) e a Ossétia do Sul (região que autoproclamou a sua independência da Geórgia em 1991). Ao final da tarde, as agências adiantavam que os militares russos estavam já na capital da Ossétia.

Moscovo justificou a invasão com a necessidade de auxiliar o contingente que mantém há vários anos naquela região separatista. A sua presença é enquadrada pelo acordo que pôr fim à guerra que se seguiu à proclamação da independência, mas os militares russos são frequentemente acusados pela Geórgia de apoiarem as forças separatistas.

A Rússia afirma que as posições desta força foram atacadas pela artilharia e aviação da Geórgia, que na última madrugada lançou uma ofensiva para reocupar a região. As tropas russas dizem que pelo menos dez soldados morreram e 30 ficaram feridos nos bombardeamentos. “No futuro, qualquer ataque contra as forças de paz russa será firmemente bloqueada”, afirmou o porta-voz militar.

Tbilissi já denunciou a invasão como um acto de agressão à soberania da Geórgia e acusa a aviação do país vizinho de ter bombardeado vários alvos no país – uma acusação que Moscovo desmente.


http://ultimahora.publico.clix.pt/notic ... idCanal=11
"[Os portugueses são]um povo tão dócil e tão bem amestrado que até merecia estar no Jardim Zoológico"
-Dom Januário Torgal Ferreira, Bispo das Forças Armadas
 

*

André

  • Investigador
  • *****
  • 3555
  • Recebeu: 2 vez(es)
  • +82/-0
(sem assunto)
« Responder #7 em: Agosto 08, 2008, 08:25:30 pm »
UE e EUA apelam ao cessar-fogo na região separatista

A União Europeia anunciou que está a trabalhar para um cessar-fogo na Ossétia do Sul, apelando ao fim imediato dos combates na região separatista georgiana, palco de um braço de ferro entre a Geórgia e a Rússia.

"A União Europeia (UE), em concordância com todos os seus protagonistas, está a trabalhar para um cessar-fogo, com o objectivo de prevenir a extensão do conflito", anunciou a presidência francesa da UE, num comunicado divulgado em Bruxelas.

A Geórgia dirigiu um apelo à comunidade internacional para acabar com a "agressão militar directa" da Rússia sobre o território separatista georgiano da Ossétia do Sul, onde hoje as tropas governamentais georgianas lançaram uma forte ofensiva para retomar o controlo da região.

"A UE apela a todas as partes para o fim das hostilidades e para o reinício das negociações, sem demora, a fim de permitir uma solução política para a crise, respeitando a soberania e a integridade territorial da Geórgia", acrescentou a mesma nota.

A presidência francesa não forneceu pormenores sobre as iniciativas previstas para conseguir o cessar-fogo.

O bloco europeu destacou ainda que tem apoiado os esforços da presidência em exercício da OSCE (Organização para a Segurança e Cooperação na Europa), incluindo na sua missão no terreno, pedindo ainda às partes envolvidas para "cooperaram de forma imediata" com a organização.

O chefe da diplomacia da UE, Javier Solana, tem mantido, ao longo do dia, diversos contactos e esteve reunido com o chefe da diplomacia russa, Sergei Lavrov, e com o ministro dos Negócios Estrangeiros georgiano, Ekaterine Tkechelachvili, anunciou um porta-voz do alto comissário.

Em Washington, o Governo norte-americano instou a Geórgia, a Rússia e a região separatista a cessarem "de imediato" os confrontos e a impedirem "uma escalada de violência".

O Executivo norte-americano vai ainda enviar um emissário especial para a região para mediar as negociações entre as duas partes e para contribuir, na medida possível, para o fim das hostilidades, de acordo com o porta-voz adjunto do Departamento de Estado, Gonzalo Gallegos.

"Apoiamos a integridade territorial da Geórgia e instamos as partes envolvidas a cessar-fogo de imediato. Exortamos todas as partes para parar (com a violência) e evitar conflitos", disse o porta-voz.

Também o Presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, interveio para uma possível tentativa de mediação e falou sobre o conflito com o primeiro-ministro russo, Vladimir Putin, com quem esteve na cerimónia de abertura dos Jogos Olímpicos, em Pequim.

"O Presidente e Putin falaram sobre a situação" de violência na região separatista da Ossétia do Sul, disse o porta-voz do Conselho de Segurança Nacional da Casa Branca, Gordon Johndroe.

Os dois candidatos à Presidência dos Estados Unidos, o democrata Barack Obama e o republicano John McCain, também reagiram à situação na Ossétia do Sul.

O senador republicano McCain apelou à Rússia para que "retire imediatamente" as suas tropas da Geórgia, defendendo que os Estados Unidos deviam solicitar uma reunião de emergência nas Nações Unidas, que, entretanto, já foi convocada.

"A Rússia devia cessar de imediato e sem condições as suas operações militares e retirar todas as suas tropas do território soberano da Geórgia", disse o candidato republicano à Casa Branca.

Por seu lado, o senador Barack Obama condenou a violência na região separatista e pediu "calma" às partes envolvidas no conflito.

"Condeno veementemente o aumento da violência na Geórgia e exorto as partes a cessar imediatamente o conflito armado", declarou o senador de Illinois.

"Agora é o momento da Geórgia e da Rússia manterem a postura e evitarem uma escalada até uma guerra. A integridade territorial da Geórgia deve ser respeitada", reforçou.

JN

 

*

André

  • Investigador
  • *****
  • 3555
  • Recebeu: 2 vez(es)
  • +82/-0
(sem assunto)
« Responder #8 em: Agosto 08, 2008, 10:06:16 pm »
Conselho de Segurança reunido

O Conselho de Segurança das Nações Unidas está hoje reunido em Nova Iorque para tentar encontrar uma solução para a escalada de violência na Ossétia do Sul, onde, o presidente do território separatista diz já terem morrido 1.400 pessoas.

As forças armadas ossetas «controlam» Tskhinvali, a capital da república separatista da Ossétia do Sul, na Geórgia, afirmou hoje ao fim da tarde a porta-voz do governo rebelde, Irina Gagloïeva.

Quinta-feira, a Geórgia desencadeou uma ofensiva contra a Ossétia do Sul que pretende a independência e juntar-se à Federação Russa, ao lado da Ossétia do Norte.

Fontes diplomáticas em Nova Iorque, disseram que os cinco membros do Conselho de Segurança - China, Estados Unidos da América, França, Grã-Bretanha e Rússia - reuniram-se antes do início formal da reunião e estão prestes a chegar um acordo.

A declaração em análise deverá pedir às duas partes envolvidas - Geórgia e Rússia - que renunciem a novos actos de violência, adiantou fonte diplomática.

A porta-voz do governo rebelde diz que «toda a cidade de Tskhinvali é controlada neste momento (às 19:45 de Lisboa) por unidades de defesa da Ossétia do Sul», enquanto a parte georgiana tenta retomar o controlo dos arredores a Sul daquela cidade, estando a decorrer combates.

Um pouco antes, o presidente da Geórgia, reclamava ter assegurado o controlo da quase totalidade da Ossétia do Sul, nomeadamente Tskhinvali, sendo Djava a única excepção a esse domínio.

O comando russo das forças de manutenção de paz confirma que as «unidades militares georgianas» travam «combates encarniçados» a Sul de Tskhinvali.

No total, 12 soldados daquelas forças de paz foram mortos e outros 150 foram feridos por tiros georgianos.

Segundo o presidente separatista, Eduard Kokoïty, «um pouco mais de 1.400 pessoas morreram» nos combates - informação que disse ter de ser reconfirmada, embora tal estatística se baseie em informações de familiares.

Lusa

 

*

André

  • Investigador
  • *****
  • 3555
  • Recebeu: 2 vez(es)
  • +82/-0
(sem assunto)
« Responder #9 em: Agosto 08, 2008, 10:53:36 pm »
Citação de: "P44"
segundo o precedente do Kosovo, têm todo o direito a serem Independentes :roll:  :roll:

 

*

André

  • Investigador
  • *****
  • 3555
  • Recebeu: 2 vez(es)
  • +82/-0
(sem assunto)
« Responder #10 em: Agosto 08, 2008, 11:09:15 pm »
Presidente georgiano decreta lei marcial e estado de emergência

O presidente georgiano declarou, esta sexta-feira, a lei marcial no país e vai declarar nas próximas horas o estado de emergência. Entretanto,a Rússia recusou abandonar o teatro de guerra na Ossétia do Sul, apesar do pedido dos Estados Unidos. Já em Tbilissi, várias pessoas manifestaram-se contra a Rússia.

O presidente da Geórgia, Mikheil Saakashvili, decretou, esta sexta-feira, a lei marcial no país, que deverá entrar em vigor dentro de poucas horas, depois do intensificar dos confrontos na Ossétia do Sul.

O secretário do conselho nacional de segurança georgiano, Alexandre Lomaia, disse que o chefe de Estado vai declarar o estado de emergência «nas próximas horas».

Entretanto, o chefe militar russo na região independentista, Marat Koulakhmetov, garantiu, em declarações à agência Interfax, que as forças russas não vão abandonar o teatro de guerra na Ossétia do Sul, região que integra o território da Geórgia, mas que há 17 anos não reconhece o domínio de Tbilissi.

A garantia russa foi dada depois da secretária de Estado norte-americana ter instado a Rússia a «respeitar a integridade territorial da Geórgia», retirando as suas tropas da Ossétia do Sul.

Numa nota divulgada pelo Departamento de Estado, Condoleezza Rice anunciou ainda que os Estados Unidos «estão a cooperar activamente com os seus parceiros europeus para lançar uma mediação internacional» do conflito na Ossétia do Sul.

No terreno, os combates estão a ficar cada vez mais sangrentos, com informações que dão conta de centenas de mortes na capital da região intependentista.

Entretanto, várias pessoas manifestaram-se em frente à embaixada russa na capital da Geórgia contra o apoio russo dado ao governo de Tskhinvali.

Em declarações à TSF, o jornalista Luís Rego, do Diário Económico, que se encontra em Tiblissi de férias, disse que a manifestação foi «bastante pacífica», com muitas pessoas a segurarem «velas, bandeiras» e cartazes «bastante ofensivos» contra a Rússia.

«Todas as pessoas manifestavam um «grande apoio» à frente militar da Geórgia que está em combate na Ossetia do Sul» e comparavam a participação russa com a «intervenção da União Soviética em 1956 em Budaposte e em 1969 em Praga».

Luís Rego adiantou que a situação na capital da Geórgia aparenta uma calma, que esconde «sinais de nervosismo».

TSF

 

*

Kawa

  • 238
  • +0/-0
(sem assunto)
« Responder #11 em: Agosto 09, 2008, 01:26:07 am »
Citação de: "André"
Citação de: "P44"
segundo o precedente do Kosovo, têm todo o direito a serem Independentes :roll:  :roll:


Aún que así sea André, tras el precedente de Kosovo estan en su derecho ¿por que los albaneses de Kosovo pueden declarar su independencia sin tener en cuenta al resto de Serbia y los rusos de Abjazia y Osetia del Sur no?

Georgia reconocío la independencia de Kosovo cuando ella misma tenía un problema igual en casa, ahora le toca pagar el precio, y que el presidente georgiano que es el que ha empezado esta guerra venga ahora a darselas de victima es de una hipocresía que raya el ridiculo.
 

*

André

  • Investigador
  • *****
  • 3555
  • Recebeu: 2 vez(es)
  • +82/-0
(sem assunto)
« Responder #12 em: Agosto 09, 2008, 02:33:23 am »
Reunião do Conselho de Segurança termina sem acordo ...

A reunião do Conselho de Segurança da ONU sobre os conflitos na Ossétia do Sul terminou, esta sexta-feira, sem acordo. À TSF, o general Lourenço dos Santos disse que o início do conflito na região independentista foi um «erro estratégico» da Geórgia e dos EUA.

A reunião do Conselho de Segurança das Nações Unidas sobre os intensos conflitos na região independentista da Ossétia do Sul terminou, esta sexta-feira, sem acordo.

«Após consultas bilaterais, preparámos um projecto de declaração», mas «certos membros necessitam de mais tempo», sublinhou o presidente rotativo do Conselho, o embaixador belga Jan Grauls, acrescentando que os líderes vão reunir-se novamente este sábado.

Entretanto, o governo georgiano começou a evacuar alguns edifícios oficiais da capital Tbilissi, porque teme os bombardeamentos iminentes por parte da aviação russa no local.

Em declarações à TSF, o general Lourenço dos Santos, especialista em estratégia militar, considerou esta operação, iniciada com o avanço militar das forças georgianas na Ossétia do Sul, um «erro estratégico» tanto do executivo da Geórgia como dos Estados Unidos.

Para o general Lourenço dos Santos, a Geórgia quis aproveitar a abertura dos Jogos Olímpicos, sexta-feira, para «fazer a recuperação do seu domínio» sobre a Ossétia do Sul.

Por seu lado, a Rússia aproveitou o facto de nenhuma grande potência poder arriscar agora uma guerra com as forças russas e retorquiu, acrescentou.

O especialista prognosticou ainda que a Rússia vai ter uma «vitória rápida» na região e que provavelmente vai continuar a avançar militarmente pela Geórgia.

TSF

 

*

P44

  • Investigador
  • *****
  • 13906
  • Recebeu: 3229 vez(es)
  • Enviou: 3728 vez(es)
  • +2321/-5902
(sem assunto)
« Responder #13 em: Agosto 09, 2008, 12:27:04 pm »
Citar
/08/2008 - 06h40
Geórgia volta a ter bombardeio; conflito pode ter matado 1.500

da Folha Online

A Geórgia registrou neste sábado um segundo ataque aéreo russo à capital Tbilisi no segundo dia de conflito armado entre o governo georgiano e os separatistas da Ossétia do Sul. O ataque da Geórgia, aliada dos Estados Unidos na região do Cáucaso, para retomar a província da Ossétia do Sul pode ter deixado ao menos 1.500 mortos, segundo declarações do ministro de Relações Exteriores russo, Sergei Lavrov.


O número de mortos ainda não foi confirmado, já que se baseia em estatísticas do Kremlin. Dados do governo da província da Ossétia do Sul apontam para 1.400 vítimas. As televisões locais noticiam que Tskhinvali, considerada a capital da província, está em ruínas e há cadáveres por todos os lados.

Desde o começo dos bombardeios, cerca de 140 ônibus com refugiados chegaram à Ossétia do Norte --província anexada à Rússia. De acordo com a agência de notícias russa Interfax, mais de 500 pessoas buscaram abrigo em outras partes da Geórgia e centenas de pessoas devem abandonar a Ossétia do Sul a partir de hoje.

Considerada uma importante rota de transporte de petróleo e gás natural na fronteira russa, a Ossétia do Sul autoproclamou independência da Geórgia em 1992, após a queda da União Soviética. O território conta com o apoio de Moscou para a separação --inclusive por abrigar muitos cidadãos russos--, mas a Geórgia não reconhece a independência.

Rússia

A Geórgia lançou um cerco à Ossétia do Sul na última quarta-feira, enviando tanques para a capital separatista. Em resposta, a Rússia lançou bombardeios e realiza sobrevôos na região. O governo de Tblisi pediu apoio à ONU (Organização das Nações Unidas) e acusou a Rússia de atacar a capital, portos e bases aéreas do país.

O presidente russo, Dmitri Medvedev, respondeu neste sábado que os soldados do Exército russo enviados para a província da Ossétia do Sul vão trabalhar para buscar a paz na região. Para ele, as forças do seu país têm a missão de proteger a população civil.

O Ministério da Defesa da Rússia declarou que 13 soldados das forças de manutenção da paz morreram em Tskhinvali. Além disso, a Força Aérea do país confirmou que perdeu dois caças abatidos pela Geórgia. Por sua vez, o Exército georgiano declarou que abateu dez aeronaves em ataques à região.

Os enviados da Rússia e da Geórgia trocaram acusações durante a reunião do Conselho de Segurança (CS) da ONU realizado nesta sexta-feira (8). O embaixador russo da ONU, Vitaly Churkin, disse que a Geórgia estava deliberadamente mirando nas forças de paz russas na Ossétia do Sul.

Musa Sadulayev/AP
 
Parte de míssil cai em região atacada pela Rússia na Geórgia; governo de Tblisi registra segundo bombardeio e pede ajuda à ONU
O embaixador da Geórgia, Irakli Alasania, rechaçou as acusações russas, dizendo que Tbilisi está apenas se defendendo da agressão russa. Ele afirmou que a Rússia estava bombardeando alvos civis e a infra-estrutura na Geórgia.

Exceção

O presidente da Geórgia, Mikheil Saakashvili, irá decretar estado de exceção em todo o país nas próximas horas, afirmou o secretário nacional do Conselho de Segurança, Kakha Lomaia. "O decreto já está sobre a mesa do presidente para ser assinado", declarou. "Nós achamos que a Rússia começou a bombardear locais de infra-estrutura civil e econômica."

O estado de exceção deve ser declarado pouco depois de Saakashvili ter dito em mensagem transmitida pela TV que o Estado havia retomado o controle sobre a Ossétia do Sul. Na TV, o presidente admitiu a morte de 30 cidadãos, "na maioria militares".

A escalada do conflito ocorre desde a semana passada, quando um tiroteio matou seis pessoas, todas elas da região separatista, e mais de 30 feridos na sexta-feira (1).

Na quarta-feira passada (6), o governo georgiano e a administração ossetiana trocaram acusações sobre dois episódios violentos. No domingo (3), autoridades da região separatista denunciaram que a Geórgia estaria aproximando suas tropas da região do conflito, mas o governo de Tbilisi negou.

Guerra

O presidente da Geórgia, Mikheil Saakashvilli, afirmou na quinta-feira --logo após os primeiros episódios de conflito-- que não quer uma guerra na região. Por sua vez, a Rússia acusou o governo de começar o incidente e se preparar para uma guerra. "O confronto não é do interesse da Geórgia e eu tenho certeza que também não é do interesse da Rússia", disse Saakashvilli em entrevista à TV do país.

Mesmo assim, o premiê russo e ex-presidente, Vladimir Putin, afirmou que Rússia e Geórgia já estão em guerra.

Musa Sadulayev/AP
 
Coluna de blindados russos se aproxima da província separatista Ossétia do Sul  
Os episódios causam temor na região graças às ameaças de reativar o conflito que deixou 2 mil mortos entre 1990 e 1992.

A Rússia pediu na semana passada à Geórgia e à Ossétia do Sul que reatem as conversas de paz, e acusou o governo de Tblisi pelo rompimento do cessar-fogo.

"Consideramos de suma importância a retomada do processo negociador no formato da Comissão Mista de Controle (formada por Rússia, Geórgia, Ossétia do Sul e Ossétia do Norte) e a realização de reuniões de trabalho urgentes de representantes das partes em conflito", afirmou o Ministério de Assuntos Exteriores russo.

As autoridades georgianas defendem a substituição das forças de paz russas por um contingente policial internacional, iniciativa que conta com apoio da União Européia (UE) e da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan).

Divisão

A origem do conflito entre Geórgia e Ossétia do Sul data de 1922, quando Josef Stalin transformou a região separatista em Região Autônoma da República Socialista Soviética da Geórgia e acrescentou à área a planície adjacente, incluindo a cidade de Tskhinvali, habitada principalmente por georgianos.

Em 10 de novembro de 1989, o Congresso de Deputados Populares da região proclamou sua conversão em República Autônoma (dentro da Geórgia), decisão que o Parlamento georgiano declarou inconstitucional.

No ano seguinte, em 20 de setembro, os deputados locais proclamaram a soberania e a criação da República da Ossétia do Sul. Em resposta, o Parlamento da Geórgia aboliu a autonomia da Ossétia do Sul, em 10 de dezembro de 1990.

Um dia depois, explodiram os enfrentamentos armados e morreram as três primeiras vítimas, e depois a Geórgia impôs o estado de exceção na região.

A tensão nessas regiões aumentou nos últimos meses. As Províncias separatistas têm a maioria da população de cidadania russa, e a Rússia dá apoio político e financeiro aos rebeldes.

Com Associated Press






-------------

Geórgia/Ossétia: Presidente georgiano decreta "estado de guerra" no país
09 de Agosto de 2008, 11:43

Tbilissi, 09 Ago (Lusa) - A Geórgia "está em estado de guerra" anunciou hoje o presidente georgiano Mikhaïl Saakachvili, acusando a Rússia de ter bombardeado várias cidades do país.

"Decretei o estado de guerra" no país, afirmou durante uma reunião do Conselho de segurança georgiano.

Segundo Mikhaïl Saakachvili o país encontra-se num estado de "agressão militar total pela marinha e aviação russas com grandes operações no terreno".

Entretanto, o secretário do Conselho de Segurança da Geórgia, Alexander Lomaia, revelou que foi decretada "a lei marcial", facto que, contudo "não afectará a vida quotidiana dos civis".

Porém, assegurou, "isto não pode ser interpretado como uma declaração de guerra à rússia".

"Seria ridículo", acrescentou.

A Geórgia lançou uma ofensiva militar sexta-feira de madrugada na Ossétia do Sul, república separatista pró-russa.

A NATO e a União Europeia (UE) já apelaram ao "fim imediato do conflito armado" na Ossétia do Sul, depois do Conselho de Segurança da ONU ter manifestado inquietação relativamente ao agravamento da situação na região separatista, mas ter falhado um acordo sobre uma declaração para apelar às partes que renunciem ao uso da força.

Em Washington, o Governo norte-americano instou a Geórgia, a Rússia e a região separatista a cessarem "de imediato" os confrontos e a impedirem "uma escalada de violência".

CC.

LUSA
"[Os portugueses são]um povo tão dócil e tão bem amestrado que até merecia estar no Jardim Zoológico"
-Dom Januário Torgal Ferreira, Bispo das Forças Armadas
 

*

P44

  • Investigador
  • *****
  • 13906
  • Recebeu: 3229 vez(es)
  • Enviou: 3728 vez(es)
  • +2321/-5902
(sem assunto)
« Responder #14 em: Agosto 09, 2008, 12:27:39 pm »
Citar
/08/2008 - 06h40
Geórgia volta a ter bombardeio; conflito pode ter matado 1.500

da Folha Online

A Geórgia registrou neste sábado um segundo ataque aéreo russo à capital Tbilisi no segundo dia de conflito armado entre o governo georgiano e os separatistas da Ossétia do Sul. O ataque da Geórgia, aliada dos Estados Unidos na região do Cáucaso, para retomar a província da Ossétia do Sul pode ter deixado ao menos 1.500 mortos, segundo declarações do ministro de Relações Exteriores russo, Sergei Lavrov.


O número de mortos ainda não foi confirmado, já que se baseia em estatísticas do Kremlin. Dados do governo da província da Ossétia do Sul apontam para 1.400 vítimas. As televisões locais noticiam que Tskhinvali, considerada a capital da província, está em ruínas e há cadáveres por todos os lados.

Desde o começo dos bombardeios, cerca de 140 ônibus com refugiados chegaram à Ossétia do Norte --província anexada à Rússia. De acordo com a agência de notícias russa Interfax, mais de 500 pessoas buscaram abrigo em outras partes da Geórgia e centenas de pessoas devem abandonar a Ossétia do Sul a partir de hoje.

Considerada uma importante rota de transporte de petróleo e gás natural na fronteira russa, a Ossétia do Sul autoproclamou independência da Geórgia em 1992, após a queda da União Soviética. O território conta com o apoio de Moscou para a separação --inclusive por abrigar muitos cidadãos russos--, mas a Geórgia não reconhece a independência.

Rússia

A Geórgia lançou um cerco à Ossétia do Sul na última quarta-feira, enviando tanques para a capital separatista. Em resposta, a Rússia lançou bombardeios e realiza sobrevôos na região. O governo de Tblisi pediu apoio à ONU (Organização das Nações Unidas) e acusou a Rússia de atacar a capital, portos e bases aéreas do país.

O presidente russo, Dmitri Medvedev, respondeu neste sábado que os soldados do Exército russo enviados para a província da Ossétia do Sul vão trabalhar para buscar a paz na região. Para ele, as forças do seu país têm a missão de proteger a população civil.

O Ministério da Defesa da Rússia declarou que 13 soldados das forças de manutenção da paz morreram em Tskhinvali. Além disso, a Força Aérea do país confirmou que perdeu dois caças abatidos pela Geórgia. Por sua vez, o Exército georgiano declarou que abateu dez aeronaves em ataques à região.

Os enviados da Rússia e da Geórgia trocaram acusações durante a reunião do Conselho de Segurança (CS) da ONU realizado nesta sexta-feira (8). O embaixador russo da ONU, Vitaly Churkin, disse que a Geórgia estava deliberadamente mirando nas forças de paz russas na Ossétia do Sul.

Musa Sadulayev/AP
 
Parte de míssil cai em região atacada pela Rússia na Geórgia; governo de Tblisi registra segundo bombardeio e pede ajuda à ONU
O embaixador da Geórgia, Irakli Alasania, rechaçou as acusações russas, dizendo que Tbilisi está apenas se defendendo da agressão russa. Ele afirmou que a Rússia estava bombardeando alvos civis e a infra-estrutura na Geórgia.

Exceção

O presidente da Geórgia, Mikheil Saakashvili, irá decretar estado de exceção em todo o país nas próximas horas, afirmou o secretário nacional do Conselho de Segurança, Kakha Lomaia. "O decreto já está sobre a mesa do presidente para ser assinado", declarou. "Nós achamos que a Rússia começou a bombardear locais de infra-estrutura civil e econômica."

O estado de exceção deve ser declarado pouco depois de Saakashvili ter dito em mensagem transmitida pela TV que o Estado havia retomado o controle sobre a Ossétia do Sul. Na TV, o presidente admitiu a morte de 30 cidadãos, "na maioria militares".

A escalada do conflito ocorre desde a semana passada, quando um tiroteio matou seis pessoas, todas elas da região separatista, e mais de 30 feridos na sexta-feira (1).

Na quarta-feira passada (6), o governo georgiano e a administração ossetiana trocaram acusações sobre dois episódios violentos. No domingo (3), autoridades da região separatista denunciaram que a Geórgia estaria aproximando suas tropas da região do conflito, mas o governo de Tbilisi negou.

Guerra

O presidente da Geórgia, Mikheil Saakashvilli, afirmou na quinta-feira --logo após os primeiros episódios de conflito-- que não quer uma guerra na região. Por sua vez, a Rússia acusou o governo de começar o incidente e se preparar para uma guerra. "O confronto não é do interesse da Geórgia e eu tenho certeza que também não é do interesse da Rússia", disse Saakashvilli em entrevista à TV do país.

Mesmo assim, o premiê russo e ex-presidente, Vladimir Putin, afirmou que Rússia e Geórgia já estão em guerra.

Musa Sadulayev/AP
 
Coluna de blindados russos se aproxima da província separatista Ossétia do Sul  
Os episódios causam temor na região graças às ameaças de reativar o conflito que deixou 2 mil mortos entre 1990 e 1992.

A Rússia pediu na semana passada à Geórgia e à Ossétia do Sul que reatem as conversas de paz, e acusou o governo de Tblisi pelo rompimento do cessar-fogo.

"Consideramos de suma importância a retomada do processo negociador no formato da Comissão Mista de Controle (formada por Rússia, Geórgia, Ossétia do Sul e Ossétia do Norte) e a realização de reuniões de trabalho urgentes de representantes das partes em conflito", afirmou o Ministério de Assuntos Exteriores russo.

As autoridades georgianas defendem a substituição das forças de paz russas por um contingente policial internacional, iniciativa que conta com apoio da União Européia (UE) e da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan).

Divisão

A origem do conflito entre Geórgia e Ossétia do Sul data de 1922, quando Josef Stalin transformou a região separatista em Região Autônoma da República Socialista Soviética da Geórgia e acrescentou à área a planície adjacente, incluindo a cidade de Tskhinvali, habitada principalmente por georgianos.

Em 10 de novembro de 1989, o Congresso de Deputados Populares da região proclamou sua conversão em República Autônoma (dentro da Geórgia), decisão que o Parlamento georgiano declarou inconstitucional.

No ano seguinte, em 20 de setembro, os deputados locais proclamaram a soberania e a criação da República da Ossétia do Sul. Em resposta, o Parlamento da Geórgia aboliu a autonomia da Ossétia do Sul, em 10 de dezembro de 1990.

Um dia depois, explodiram os enfrentamentos armados e morreram as três primeiras vítimas, e depois a Geórgia impôs o estado de exceção na região.

A tensão nessas regiões aumentou nos últimos meses. As Províncias separatistas têm a maioria da população de cidadania russa, e a Rússia dá apoio político e financeiro aos rebeldes.

Com Associated Press






-------------

Geórgia/Ossétia: Presidente georgiano decreta "estado de guerra" no país
09 de Agosto de 2008, 11:43

Tbilissi, 09 Ago (Lusa) - A Geórgia "está em estado de guerra" anunciou hoje o presidente georgiano Mikhaïl Saakachvili, acusando a Rússia de ter bombardeado várias cidades do país.

"Decretei o estado de guerra" no país, afirmou durante uma reunião do Conselho de segurança georgiano.

Segundo Mikhaïl Saakachvili o país encontra-se num estado de "agressão militar total pela marinha e aviação russas com grandes operações no terreno".

Entretanto, o secretário do Conselho de Segurança da Geórgia, Alexander Lomaia, revelou que foi decretada "a lei marcial", facto que, contudo "não afectará a vida quotidiana dos civis".

Porém, assegurou, "isto não pode ser interpretado como uma declaração de guerra à rússia".

"Seria ridículo", acrescentou.

A Geórgia lançou uma ofensiva militar sexta-feira de madrugada na Ossétia do Sul, república separatista pró-russa.

A NATO e a União Europeia (UE) já apelaram ao "fim imediato do conflito armado" na Ossétia do Sul, depois do Conselho de Segurança da ONU ter manifestado inquietação relativamente ao agravamento da situação na região separatista, mas ter falhado um acordo sobre uma declaração para apelar às partes que renunciem ao uso da força.

Em Washington, o Governo norte-americano instou a Geórgia, a Rússia e a região separatista a cessarem "de imediato" os confrontos e a impedirem "uma escalada de violência".

CC.

LUSA
"[Os portugueses são]um povo tão dócil e tão bem amestrado que até merecia estar no Jardim Zoológico"
-Dom Januário Torgal Ferreira, Bispo das Forças Armadas