Portugal e a 2ª GM

  • 48 Respostas
  • 27182 Visualizações
*

nelson38899

  • Investigador
  • *****
  • 4581
  • Recebeu: 442 vez(es)
  • Enviou: 356 vez(es)
  • +80/-1518
Re: Portugal e a 2ª GM
« Responder #30 em: Fevereiro 15, 2010, 11:35:52 am »
encontrei informação bastante interessante, espero que gostem:

Citar
AC3D in Portugal
September 7 2004 at 6:33 PM   Nuyt   (Premier Login nuyt)
Forum Owner
Three Alvis-Straussler AC3's were delivered to Portugal, after testing a vehicle in 1937. According to Wheels and Tracks Magazine no.39, the three cars were ordered by the Portuguese army. Enclosed is the vehicle that was demonstrated. It is similar to the KNIL type (and a right hand drive vehicle). We have not seen any picture of the final Portuguese version (we assume this was a left hand drive?).
There is another, different picture of the same vehicle in the same magazine (plus another in Armour on Wheels to 1942 by Bart Vanderveen, Olyslager Auto Library). In 1988 (!) one of these cars was offered for sale and sold to a private collector.
http://www.network54.com/Forum/330333/thread/1094574838/AC3D+in+Portugal

Citar
field artillery

Obus 15cm Schneider-Canet-Du Bocage (old)
Peca 7,5 cm T. R. m/904
Peca 7,5 cm T. R. m/904-906 Schneider-Canet (144 of these)
Peca 155 L m/917 Schneider) (heavy regiments)
Peca 7,5cm T.R. m/917 (the good old French 75)
Obus 11,4cm T.R. m/917(British 4.5" How)
Obus 15cm T.R. m/918 (British 6" How-I would guess 1 group x 2 btty of these and 1 group x 2 btty Peca 155 per heavy regiment)

during the war

Obus K 10,5 cm/28 m/941 (Krupp 105 How for export--ex Dutch?)
Obus R 10,5 cm m/941 (godd old leFH 18)
Obus K 15cm/30 m/941
Obus 8,8cm m/43 (25 pdr)
Obus 14 cm m/43 (5..5" Gun--54 of these, but some might be postwar delivery)

mountain artillery

Peca 7cm MTR m/906-911
Obus M 7,5 cm/18 m/940 (Ansaldo)

antiaircraft

Peca AA 7,5 SA m/931 (I'm guessing 36 of these to equip 3 grupos)

during the war

Peca AA 4 cm m/940 (36 Swedish production deliverd 1941?)
Peca AA 9,4 cm m/940
Peca AA 4cm m/942 (British production)
Peca AA 9,4 cm m/940 (Fixa) (position AA)

coast artillery

Peca 15cm CTR m/97
Peca 28cm m/97
Peca 15 cm CTR m/902
Peca 28 cm m/75-902
Peca 18 cm CTR m/918
Peca 7,5 cm CTR m/902-931
http://www.network54.com/Forum/330333/thread/1156338277/The+Portuguese+army+and+arms---
"Que todo o mundo seja «Portugal», isto é, que no mundo toda a gente se comporte como têm comportado os portugueses na história"
Agostinho da Silva
 

*

cromwell

  • Especialista
  • ****
  • 1100
  • +1/-0
Re: Portugal e a 2ª GM
« Responder #31 em: Fevereiro 17, 2010, 01:19:02 pm »
Gente, alguem tinha aquela foto que já por aqui mostraram, mas que não encontro, que é a foto de um funeral de um português feito por nazis na Alemanha?
"A Patria não caiu, a Pátria não cairá!"- Cromwell, membro do ForumDefesa
 

*

cromwell

  • Especialista
  • ****
  • 1100
  • +1/-0
Re: Portugal e a 2ª GM
« Responder #32 em: Fevereiro 18, 2010, 05:25:08 pm »
Obrigado, gente, por não me ter respondido ninguem! :roll:
"A Patria não caiu, a Pátria não cairá!"- Cromwell, membro do ForumDefesa
 

*

Cabeça de Martelo

  • Investigador
  • *****
  • 17094
  • Recebeu: 1772 vez(es)
  • Enviou: 1625 vez(es)
  • +296/-1242
Re: Portugal e a 2ª GM
« Responder #33 em: Fevereiro 18, 2010, 05:47:29 pm »
Epá se eu ou alguém soubesse de alguma coisa, de certeza que te tinham respondido.

Já agora, tu escreves muito à brasileira..."gente"?
7. Todos os animais são iguais mas alguns são mais iguais que os outros.

 

*

TOMSK

  • Investigador
  • *****
  • 1445
  • Recebeu: 2 vez(es)
  • Enviou: 1 vez(es)
  • +1/-0
Re: Portugal e a 2ª GM
« Responder #34 em: Fevereiro 19, 2010, 12:33:21 am »
Toma lá maluco:

 

*

cromwell

  • Especialista
  • ****
  • 1100
  • +1/-0
Re: Portugal e a 2ª GM
« Responder #35 em: Fevereiro 19, 2010, 01:56:32 pm »
Não sei qual é o problema de dizer "gente".

E caro TOMSK, obrigadão, sempre a suprender-me! :D

Pode-me dar o link dessa foto?
"A Patria não caiu, a Pátria não cairá!"- Cromwell, membro do ForumDefesa
 

*

VICTOR4810

  • Perito
  • **
  • 368
  • +0/-1
Re: Portugal e a 2ª GM
« Responder #36 em: Fevereiro 20, 2010, 10:17:17 pm »
Bueno, decirle al Sr. Papatango que esa batalla perdida por los italianos fue en Guadalajara, allí el C.T.V. (Corpe di Trope Voluntarie) italiano sufrió una grave derrota al haber quedado las tanquetas aprisionadas en el fango, haber cundido la desmoralización entre la tropa y haber efectuado una retirada que mas parecía una huida.
TERUEL fue la única capital de provincia conquistada por la República en toda la guerra, cuando fueron desalojados de la ciudad se llevaron prisioneros en su retirada a todos los que la habían defendido y al Obispo
todos ellos fueron fusilados en la retirada republicana.

Beato Anselmo Polanco Fontecha (1881-1939)

Obispo español nació en la localidad palentina de Buenavista de la Valdavia. Entró en los Agustinos, haciendo su profesión solemne en 1900. Después de especializarse en Alemania y en España, consiguió el máximo grado, el de Maestro en Sagrada Teología. Ocupó diversos cargos en la Orden agustiniana en España. Fue Provincial en Filipinas durante los años 1932-1934. En 1935 la Santa Sede le nombró obispo de Teruel-Albarracín. Se distinguió por su celo pastoral e inimitable naturalidad y sencillez. Durante los años de la guerra el obispo Polanco no paró de visitar a los heridos por todas partes. Cuando Teruel fue asediada, el prelado fue hecho prisionero para sufrir toda clase de vejaciones, humillaciones y desprecio, tanto en Valencia como en Barcelona a donde fue llevado. En 1939, esposado, fue obligado a caminar interminables horas por riscos montañosos, hasta Pont de Molins, en Gerona, donde fue sacrificado. Sendos monumentos honran su memoria en su villa natal y en Teruel.

En toda España se ha sentido mucho el terrible suceso de las inundaciones en Madeira, pena me da pensar como habrá quedado el "Mercado dos Lavradores" y villas tan pintorescas como Riveira Brava.
Nuestro mas sentido apoyo.
1.492, DESCUBRIMOS EL PARAISO.
"SIN MAS ENEMIGOS QUE LOS DE MI PÁTRIA"
 

*

Lancero

  • Investigador
  • *****
  • 4131
  • Recebeu: 31 vez(es)
  • +64/-1
Re: Portugal e a 2ª GM
« Responder #37 em: Fevereiro 22, 2010, 04:52:19 pm »
Alguém sabe as circunstâncias da foto acima colocada (funeral)?
"Portugal civilizou a Ásia, a África e a América. Falta civilizar a Europa"

Respeito
 

*

Vicente de Lisboa

  • Analista
  • ***
  • 814
  • Recebeu: 27 vez(es)
  • Enviou: 13 vez(es)
  • +8/-4
Re: Portugal e a 2ª GM
« Responder #38 em: Fevereiro 22, 2010, 05:01:58 pm »
Citação de: "Lancero"
Alguém sabe as circunstâncias da foto acima colocada (funeral)?
Também me deixou curioso. Repito o pedido.
 

*

Duarte

  • Investigador
  • *****
  • 2036
  • Recebeu: 13 vez(es)
  • Enviou: 17 vez(es)
  • +4/-0
Re: Portugal e a 2ª GM
« Responder #39 em: Fevereiro 22, 2010, 07:31:13 pm »
 

*

Vicente de Lisboa

  • Analista
  • ***
  • 814
  • Recebeu: 27 vez(es)
  • Enviou: 13 vez(es)
  • +8/-4
Re: Portugal e a 2ª GM
« Responder #40 em: Fevereiro 22, 2010, 08:01:11 pm »
Learning something new everyday. Obrigado!
 

*

PereiraMarques

  • Moderador Global
  • *****
  • 7398
  • Recebeu: 756 vez(es)
  • Enviou: 272 vez(es)
  • +849/-12
Re: Portugal e a 2ª GM
« Responder #41 em: Fevereiro 22, 2010, 08:41:44 pm »
Talvez seja esta situação:

Citar
E o acidente aconteceu. Num aeródromo militar em Kursk, a cerca de 400 km de Moscovo, terá havido uma troca de material e, em vez de uma bomba de aviação de fumos, deflagrou mesmo uma bomba explosiva, atingindo quatro dos oficiais portugueses: o chefe da missão Ferreira de Passos, Afonso Almeida Fernandes, Mariano Lopes Pires e Carlos Freire. Porque saltou instintivamente, defendendo‑se, este foi atingido por vários estilhaços, mas todos do lado direito do corpo, sem atingirem nenhum órgão importante. Pelo contrário o Mariano apanhou os estilhaços de frente, que o feriram muito mais gravemente. Após três dias em hospital de campanha e evacuação para Berlim, o Freire viu‑o morrer na maca a seu lado, esvaindo‑se com uma hemorragia interna, sem que os médicos o conseguissem salvar.
 
Foi um choque enorme, como se compreende, para ele e o resto da missão, para os familiares angustiados, em Lisboa, e um embaraço para o Exército. Os alemães reagiram, à prussiana, e fizeram‑lhe um funeral militar imponente, onde até o seu cavalo, coberto de negro, relinchava, parecendo sentir o cheiro do dono, segundo contavam os presentes. Os Lopes Pires – o Mariano e a “Aldinha” (não tinham filhos) – eram dos melhores amigos dos Freire, viviam no andar de baixo, no mesmo prédio, em Caxias, e ela quase enlouqueceu com a tragédia. Muitos anos mais tarde, estava ainda irremediavelmente afectada, apesar da sua grande doçura e beleza.

 :arrow: http://www.revistamilitar.pt/modules/ar ... php?id=184
 

*

Lusitano89

  • Investigador
  • *****
  • 12591
  • Recebeu: 629 vez(es)
  • Enviou: 237 vez(es)
  • +395/-272
Re: Portugal e a 2ª GM
« Responder #42 em: Outubro 02, 2010, 02:12:11 pm »
Portugal deu guarida a pilotos no Alentejo durante a II Guerra


Durante a II Guerra Mundial mais de 600 aviadores e 134 aviões militares aterraram ou caíram em território nacional, contou à agência Lusa Carlos Guerreiro com base num trabalho de investigação.

Como resultado da "utilização" de Portugal pelos pilotos e aviadores americanos, ingleses e alemães, muitos ficaram "internados" no Alentejo e dezenas de aviões reverteram para Portugal.

O escritor Carlos Guerreiro iniciou a investigação deste tema há 15 anos, publicou um livro e lançou agora uma página eletrónica http://www.landinportugal.org  com dados novos, outros atualizados, sobre os aviões, pilotos e tripulações militares que combateram na II Guerra Mundial e que, por vários motivos, ficaram em solo português.

De acordo com o autor do livro "Aterrem em Portugal", Carlos Guerreiro, durante o conflito mundial de 1939 e 1945, os "primeiros pilotos a cá chegar foram os franceses e os belgas", que fugiram da ocupação nazi na Europa, os "últimos foram os alemães que fugiam da investida dos aliados, contra os nazis".

Num só dia - 15 de janeiro de 1943 - aterraram em Lisboa "11 aviões Bell 'P-39/P-400 Aircobra' e um em Aveiro, devido a um erro de navegação do avião guia (B-25), quando seguiam para o norte de África". Os caças ficaram sem gasolina e tiveram de aterrar na Portela e em São Jacinto, refere o autor.

Estes caças, de origem norte americana, "acabaram por ficar em Portugal e o Governo de Salazar pagou posteriormente 20 mil dólares por cada um" para integrarem a força aérea, de acordo com os documentos recolhidos pelo investigador.

Com o número crescente de tripulações "internadas", designação técnica dada pelo Governo aos pilotos e tripulações estrangeiras, "Salazar teve que arranjar um local controlado, fechado e longe dos olhares dos adidos e espiões estrangeiros, tendo escolhido a cidade de Elvas, no Alentejo", na pensão Internacional, referiu o autor.

Na opinião de Carlos Guerreiro, Portugal podia ter sido esmagado pelas potências envolvidas na Guerra, mas neste caso, "Salazar geriu de forma muito hábil e inteligente a questão dos pilotos", já que estavam cá (em Portugal) todos e o Governo negociava com todas as potências envolvidas no conflito.

Cerca de meia centena de pilotos acabaram mesmo por morrer em Portugal, devido à "queda das aeronaves ou por combates aéreos, ficando ingleses e alemães sepultados no país", nos cemitérios de Aljezur e Beja (alemães) e em Sagres, Lisboa, Porto e Loriga, na Serra da Estrela (ingleses), com os americanos a levarem os restos mortais dos seus pilotos.

A passagem de aviões e comboios de navios ao largo de Portugal levou a estórias de espionagem "muito curiosas", como por exemplo a do faroleiro do Cabo de São Vicente, que comunicava via rádio para a embaixada alemã em Lisboa a "passagem de navios aliados ao largo da costa algarvia", referiu o autor.

Os alemães, com as informações do faroleiro, davam ordens aos seus bombardeiros estacionados no sul de França para afundar os cargueiros com mantimentos e armamento, à entrada do mar Mediterrâneo, tendo alguns acabado por cair ou aterrar no Alentejo.

Já no final do conflito, Portugal "acolheu um avião alemão, um protótipo Junker, quando a tripulação fazia testes de gelo" e aproveitou para fugir para território nacional, trazendo roupas civis e malas de viagem consigo.

Carlos Guerreiro continua a recolher documentos, estando agora a analisar os depoimentos do tribunal de Nuremberg, contendo actividades de roubo de componentes de aviões que caíram em território nacional, por pessoas de várias aldeias alentejanas.

Com a informação disponível na Internet, em língua inglesa e em português, o autor tem "recebido muito material novo, de familiares de pilotos que passaram ou estiveram em Portugal durante o período da II Grande Guerra".

Lusa
 

*

HSMW

  • Moderador Global
  • *****
  • 11014
  • Recebeu: 1820 vez(es)
  • Enviou: 4984 vez(es)
  • +298/-142
    • http://youtube.com/HSMW
Re: Portugal e a 2ª GM
« Responder #43 em: Outubro 02, 2010, 02:54:49 pm »
E ainda tivemos de pagar pelos P-39  :shock:
https://www.youtube.com/user/HSMW/videos

"Tudo pela Nação, nada contra a Nação."
 

*

Cabeça de Martelo

  • Investigador
  • *****
  • 17094
  • Recebeu: 1772 vez(es)
  • Enviou: 1625 vez(es)
  • +296/-1242
Re: Portugal e a 2ª GM
« Responder #44 em: Outubro 02, 2010, 06:09:45 pm »
7. Todos os animais são iguais mas alguns são mais iguais que os outros.