Exército Britânico

  • 163 Respostas
  • 52570 Visualizações
*

NVF

  • Investigador
  • *****
  • 4417
  • Recebeu: 2781 vez(es)
  • Enviou: 5038 vez(es)
  • +4226/-147
Re: Exército Britânico
« Responder #150 em: Março 24, 2021, 11:59:16 pm »
E não há menção aos Páras, que já desempenhavam um papel de suporte às forças especiais. Será que entre esses 04 batalhões se encontrarão batalhões do Para Regiment?
Talent de ne rien faire
 

*

Cabeça de Martelo

  • Investigador
  • *****
  • 17094
  • Recebeu: 1772 vez(es)
  • Enviou: 1625 vez(es)
  • +296/-1244
Re: Exército Britânico
« Responder #151 em: Março 25, 2021, 09:41:32 am »
Afinal:



Citar
In recognition of the growing demand for enhanced assistance and our commitment to delivering resilience to those partners we will establish an Army Special Operations Brigade built around the four battalions of the new Ranger Regiment. This new regiment will be seeded from 1 SCOTS, 2 PWRR, 2 LANCS, and 4 RIFLES.

 :arrow: https://www.gov.uk/government/speeches/defence-secretary-oral-statement-on-the-defence-command-paper

Mais informação em :

https://en.wikipedia.org/wiki/Specialised_Infantry_Group
« Última modificação: Março 25, 2021, 09:43:17 am por Cabeça de Martelo »
7. Todos os animais são iguais mas alguns são mais iguais que os outros.

 
Os seguintes utilizadores agradeceram esta mensagem: NVF

*

Cabeça de Martelo

  • Investigador
  • *****
  • 17094
  • Recebeu: 1772 vez(es)
  • Enviou: 1625 vez(es)
  • +296/-1244
Re: Exército Britânico
« Responder #152 em: Março 27, 2021, 12:57:12 pm »
British Army to create Ranger Regiment as part of Army Special Operations Brigade
Defense News March 2021 Global Security army industry

To meet the next challenges in warfare, through the Future Soldier transformation plan, a new highly-trained Army unit will be formed to conduct special operations. The new Ranger Regiment will be part of the Army Special Operations Brigade and will be made up of forces trained and ready for unconventional action. The Regiment will initially be based on four Infantry Battalions but will also select personnel from across the Army.


The new Ranger Regiment will be part of the Army Special Operations Brigade and will be made up of forces trained and ready for unconventional action (Picture source: British MoD)

Under Future Soldier, the Army is becoming lighter, more agile, more lethal and more expeditionary than ever before. While always ready to fight, the Army is evolving to more actively counter the broad security threats presented by state competitors and violent extremists in the digital age. Troops will need to be able to work in a number of different environments, not always in an overt warfighting role, but also below the so-called threshold of conflict, or in support of partner nations through training advising and enabling.

The Army’s Special Operations Brigade will complement the work of special operations troops across in the Armed Forces and those of our allies. The Ranger Regiment will be capable of operating discreetly in complex, high-threat environments, deterring adversaries and contributing to collective deterrence by training, advising and - if necessary - accompanying partners in support of our national interests.

The Rangers draw their name from an elite unit that fought in the British Army in the 18th Century in North America, using irregular tactics. The British Army shares this heritage with US Special Operations Forces, whose 75th Ranger Regiment traces its lineage back to the same grouping. In addition, our Ranger Regiment draws on the proud tradition of British Army units and formations honed for unconventional operations such as the Special Service Brigades, the Raiding Support Regiment, V-Force and the Chindits (of Gen. Orde Wingate) in Burma, and the British-U.S.T-Force during World War 2.

Ranger units emerged from North American colonial Scout companies. They first saw action during the French and Indian War (1754-63) with the most famous being Rogers’ Rangers. It was this unit’s founder, Robert Rogers, who wrote the original 28 Rules of Ranging. Ranger units were theatre-level assets that specialised in unconventional warfare (such as ranging the forests). They were able to operate independently and in terrain and environments that were inaccessible to regular forces. They could be used as skirmishers on the battlefield but were better employed in a deep reconnaissance role and to secure routes. Ranger units were used by both sides during the American War of Independence (1775-83) with Rogers’ Rangers evolving into the Queen’s Rangers, which then became a British Army regiment. After the loss of the North American colonies, the British Army lacked a forested frontier where it could usefully employ a ranger unit and the capability ceased to exist in its pure form.

Not long after, in 1800, the Experimental Rifle Corps was created at Shorncliffe Barracks to systemise into doctrine the light infantry experience gained in North America. This was not ranging in the pure sense, rather a narrower derivative of their battlefield role. One of the first rifle units was a battalion of the Royal American Regiment and it is quite possible that amongst its recruits were men who had previously served as a Ranger.

As time moved on there were four further British Army regiments that incorporated the term ‘ranger’ into their titles: Central London Rangers; The Connaught Rangers; The Royal Irish Rangers; and The Sherwood Rangers Yeomanry. ‘Ranger’ is still used to describe a soldier of the Royal Irish Regiment. The use of the term ranger did not mean they had a specialist ranger role, or that they used unconventional tactics.

In the United States ranger units continued to be employed by the military during the nineteenth century. By the early 20th-century ranger units no longer existed in the US Army. In 1942 ranger battalions were raised and specifically modelled upon the British Army’s Commando units. The current U.S. 75th Ranger Regiment is a direct descendent of these World War 2 units: Merrill's Marauders and Mars Task Force, independent from OSS Detachment 101 in Burma, predecessor of the CIA. It references Rogers’ original 28 Rules of Ranging.

While the new Rangers might not have to abide by the original 28 Rules of Ranging – including turning up to evening parade with a ‘firelock, sixty rounds of powder and ball, and a hatchet,’ they will be self-sufficient and highly resourceful, just like the Rangers of the past. While the Ranger Regiment has an impressive heritage, its focus will be on the challenges and threats of today and tomorrow.

https://www.armyrecognition.com/defense_news_march_2021_global_security_army_industry/british_army_to_create_ranger_regiment_as_part_of_army_special_operations_brigade.html
7. Todos os animais são iguais mas alguns são mais iguais que os outros.

 

*

HSMW

  • Moderador Global
  • *****
  • 11020
  • Recebeu: 1824 vez(es)
  • Enviou: 4988 vez(es)
  • +298/-142
    • http://youtube.com/HSMW
Re: Exército Britânico
« Responder #153 em: Maio 08, 2021, 12:25:56 am »

Apresentação do Challenger III  :o
https://www.youtube.com/user/HSMW/videos

"Tudo pela Nação, nada contra a Nação."
 

*

HSMW

  • Moderador Global
  • *****
  • 11020
  • Recebeu: 1824 vez(es)
  • Enviou: 4988 vez(es)
  • +298/-142
    • http://youtube.com/HSMW
Re: Exército Britânico
« Responder #154 em: Maio 09, 2021, 07:18:05 pm »
https://www.youtube.com/user/HSMW/videos

"Tudo pela Nação, nada contra a Nação."
 

*

Cabeça de Martelo

  • Investigador
  • *****
  • 17094
  • Recebeu: 1772 vez(es)
  • Enviou: 1625 vez(es)
  • +296/-1244
Re: Exército Britânico
« Responder #155 em: Maio 11, 2021, 12:55:04 pm »
7. Todos os animais são iguais mas alguns são mais iguais que os outros.

 

*

tenente

  • Investigador
  • *****
  • 8815
  • Recebeu: 4136 vez(es)
  • Enviou: 2938 vez(es)
  • +4226/-909
Re: Exército Britânico
« Responder #156 em: Maio 26, 2021, 01:50:07 pm »
British Army wants more punch in its Boxer vehicle fleet


A Boxer vehicle is pictured

LONDON – The British Army is looking at how it can increase the firepower of its new Boxer mechanized infantry vehicles to compensate for the decision to axe the more heavily armed Warrior armored vehicle from its lineup.

“The Army is conducting an analysis on potential lethality enhancements of Boxer vehicles. As outlined in the recent Integrated Review, modernizing our armored capabilities is not replacing ‘like for like’ but integrating our new technologies and ways of operating,” a Ministry of Defence spokesperson told Defense News.

The government brought the shutters down on a program to update hundreds of Warrior infantry fighting vehicles late March as part of its defense, security and foreign policy review, leaving the Boxer armored personnel carrier to help fill the gap left in the armored forces inventory.

“We will no longer upgrade Warrior but it will remain in service until replaced by Boxer, which we expect to happen by the middle of this decade,” the MoD said in a March 22 “Command Paper” announcing the changing shape, size and capability of the military as part of the Integrated Review.

That change in direction has left the British with some issues to resolve.

Leaving aside the debate over tracks versus wheels – Warrior has tracks, Boxer features 8x8 wheels – the biggest disparity between the two vehicles is probably lethality.

A key part of a wider Warrior update program secured by Lockheed Martin UK in 2011 involved installation of a harder-hitting CTAI 40 mm case telescoped cannon to replace the slow-firing, unstabilized 30 mm gun currently in operation.

The update program is years late and heavily over budget. In part that’s due to issues with the government-mandated use of the unconventional CTAI weapon.

The update, known as the Warrior Capability Sustainment Program, has been brought to a close with development and testing virtually complete, but before a manufacturing contract was signed.

Lockheed Martin UK also produces at its Ampthill, southern England, manufacturing site a turret fitted with the same CTAI cannon for the General Dynamics UK-built Ajax tracked reconnaissance vehicles, now being delivered to the Army.

Ampthill employs around 900 people of which some 30 percent work in the turret business.

The future of the turret operation, where Lockheed Martin says it has invested £23 million ($32 million) building a center of excellence is now under scrutiny by the company.

Company officials said one program that could potentially provide work is the British Army’s requirement to boost its 155 mm howitzer capability.

“We are tracking the Mobile Fires Platform program very closely despite the initial operating capability date slipping to the end of this decade. We believe there will be a requirement from the MoD to maximize UK workshare on the program,” said a spokesperson.

“Whilst Lockheed Martin does not have a 155 mm solution to offer into the program, we believe that our unique systems design, integration and manufacturing facilities at Ampthill will be critical in ensuring the successful delivery of the capability into service,” the spokesperson said.

The British Army is in the early stages of the Mobile Fires Platform procurement. Updating the current AS90 tracked howitzer is one option, mounting a 155 mm gun on Boxer is another.

But there is plenty of other interest too from foreign companies like South Korea’s Hanwha Defense with the self propelled K-9 vehicle already bought by Australia.

That’s for the future, though. A more immediate priority appears to be giving Boxer a heavier punch than it has at the moment.

The Boxer variants purchased by the British in a £2.3 billion ($3.2 billion) deal in 2019 to supply an initial 508 vehicles from Germany’s ARTEC joint venture between Rheinmetal Landsysteme and Krauss-Maffei Wegmann, have much less firepower but were designated for a different role to Warrior.

Rheinmetall BAE Systems Land (RBSL), the Rheinmetall-BAE Systems joint venture leading the Boxer building effort locally, announced in February it had awarded Thales UK a contract to supply 500 Kongsberg Defence and Aerospace developed Protector RS4 remote weapon station (RWS) with a heavy machine gun as its main armament.

Most of the vehicles being purchased by the British are in an infantry carrier configuration, with ambulance, command and specialist vehicles making up the remainder.

The number of vehicles purchased by the British is likely to change. The expectation has always been that Boxer numbers would increase substantially as it replaced other vehicles in the inventory and new requirements, possibly like the 155mm howitzer, are added.

Detailed analysis is now being undertaken by the Army to determine the future size, shape and structure of the Boxer fleet.

The Boxer’s rapidly swappable mission modules give the vehicle the flexibility to change roles without necessarily buying matching numbers of platforms.

Part of the solution to more hitting power might be to increase the number of Boxer reconnaissance variants fitted with anti-tank guided missiles.

For the moment the number of reconnaissance vehicles purchased by the British stands at 50, but the Army is conducting an analysis to determine if more Boxer vehicles within the force should also be fitted with ATGMs.

There are other lethality options open as well.

ARTEC managing director Stefan Lischka was reluctant to talk about possible British firepower solutions but pointed out that existing customers had helped the company develop plenty of options.

“The proven and certified solutions for the UK to choose from for the [mechanized infantry vehicle] in order to de-risk and keep pace are increasing as we have a growing basket of various configurations gained out of the cooperation with other nations operating Boxer,” said Lischka.

“Be it firepower or recovery capabilities already contracted, or be it a broad spectrum of mature prototypes for artillery or bridge-laying, Boxer [has an answer],” he said.

The German company have several cannon and missile options available in manned or unmanned turret configurations that could interest the British.

Australia, with whom the British have close defense ties, is nearing verification of the design of a manned turret with a 30 mm cannon installed on a Boxer combat reconnaissance vehicle variant as part of its Land 400 Phase 2 program.

A second export customer, Lithuania, has a combination of missile and 30mm cannon on its Boxer variant, known as the Vilkas.

The MoD has no current plans to do so but it might even be possible, albeit risky politically , to fit the CTAI cannon to Boxer.


Boxer-LM-40mm-CTA-turret.jpg

In written evidence late last year to the parliamentary Defence Committee enquiry into progress – or rather more accurately: lack of progress – in delivering the Army’s armored-vehicle program Lockheed showed a picture of a turret fitted with a CTAI cannon on a Boxer platform for a potential export customer.

Some analysts here think that even if the Warrior update program had gone ahead the British would eventually have had to come round to replacing the Boxer’s heavy machine gun with a 30 mm cannon to match potential adversaries.

The British MoD recently signed a deal with Thales UK to locally assemble and integrate 500 Kongsberg Protector RS4 remote weapon stations.

It’s not just lethality the British are taking a look at with Boxer.

The Army is also looking at accelerating the production rate of the vehicle, which currently is slated to involve roughly 50 Boxers a year for ten years – a rate the Defence Committee said was astonishingly slow.

Early vehicles will come off production lines in Germany, but sites in Telford and Stockport in England are set to take over the assembly work as local capabilities grow.

As things stand, the first production vehicles are forecast to enter trials and training in 2023 for an initial operating capability by 2025. There is though work underway to try and speed that up.

The British are now aiming for full operating capability by 2030, bringing this forward from 2032.

https://www.defensenews.com/global/europe/2021/04/06/british-army-wants-more-punch-in-its-boxer-vehicle-fleet/

Abraços
« Última modificação: Maio 26, 2021, 02:02:27 pm por tenente »


Quando um Povo não Respeita as Suas FFAA, Não Respeita a Sua História nem se Respeita a Si Próprio  !!
 

*

Cabeça de Martelo

  • Investigador
  • *****
  • 17094
  • Recebeu: 1772 vez(es)
  • Enviou: 1625 vez(es)
  • +296/-1244
Re: Exército Britânico
« Responder #157 em: Maio 26, 2021, 02:57:20 pm »
Ou seja, os Lituanos preferiram que os seus Boxer fossem armados com uma torre Samson Mk2.





7. Todos os animais são iguais mas alguns são mais iguais que os outros.

 

*

redkukulkane

  • Membro
  • *
  • 125
  • Recebeu: 45 vez(es)
  • Enviou: 6 vez(es)
  • +7/-12
Re: Exército Britânico
« Responder #158 em: Maio 30, 2021, 09:28:15 pm »
O Boxer 8x8 blindado pode ser configurado como um obuseiro de 155 mm ou um porta-morteiro de 120 mm
tecnologia militar da indústria de defesa de armas Reino Unido


Reconhecimento do Exército Notícias de Defesa e Segurança Global
Obuseiro automotor Boxer RCH 155. (Fonte da imagem da conta no Twitter, Nicholas Drummond)

O Boxerfoi desenvolvido com um design único que inclui duas partes principais que consistem no módulo de acionamento e no módulo de missão de combate que pode ser configurado de acordo com os requisitos da missão ou para alterar a função do veículo. Graças a este recurso, o Boxer pode ser usado como APC (Transportador de Pessoal Blindado), IFV (Veículo de Combate de Infantaria), posto de comando, ambulância, veículo de reconhecimento, reparo e recuperação, obuseiro autopropelido, porta-morteiros e muito mais.

O módulo de acionamento consiste na posição do motorista que está localizada na parte dianteira direita do casco com o pacote de força à sua esquerda e a suspensão 8x8 e linha de transmissão. O módulo de missão de combate pode ser equipado com uma ampla gama de estações de armas ou outro equipamento de combate de acordo com as necessidades dos clientes. O módulo de missão é conectado ao módulo de acionamento graças a quatro parafusos M32, com as mangueiras e conexões elétricas associadas. Isso permite que o módulo seja trocado em condições de campo de batalha em 30 minutos.

A empresa alemã KMW (Krauss-Maffei Wegmann) desenvolveu o Boxer RCH 155, um obuseiro autopropelido móvel equipado com uma torre de artilharia não tripulada armada com um canhão de calibre 155 / L52 que também é usado no obuseiro autopropelido de esteira PzH 2000 que está a serviço da Croácia, Alemanha, Grécia, Hungria, Itália, Lituânia, Holanda e Qatar.

O Boxer RCH 155 pode ser operado por uma tripulação de duas pessoas, graças ao seu sistema de carga total, que pode carregar projéteis e cargas. Ele também possui um sistema elétrico de lançamento de armas totalmente automático e computador de controle de fogo com cálculo balístico integrado e conexão de transmissão de dados por rádio a um sistema de controle de artilharia. O veículo também é equipado com um sistema de navegação de alta precisão, com ou sem suporte para GPS.

O canhão calibre 155 / L52 do Boxer RCH 155 tem uma cadência máxima de tiro de 9 tiros por minuto. Também é capaz de disparos de impacto simultâneo em múltiplas rodadas. Ele pode disparar todas as munições padrão da OTAN de 155 mm, incluindo projéteis assistidos por foguete. Um total de 30 cartuchos de munição e são transportados no sistema de carregamento automático. Um sistema de elevação é instalado na frente da torre permitindo que a tripulação recarregue o carregador de fora do veículo. A torre pode se mover em 360 ° com elevação de -2,5 ° a + 65 °.

Além de alta flexibilidade e mobilidade superior, o módulo de acionamento BOXER do RCH 155 oferece à sua tripulação uma capacidade de sobrevivência excepcional e proteção superior contra minas, IEDs e ameaças balísticas.

A segunda solução de artilharia para o Boxerconsiste em um NEMO, uma torre de morteiro de 120 mm controlada remotamente de cano único que está sendo desenvolvida pela Patria Land Oy na Finlândia. O sistema de morteiro com torres e controle remoto de 120 mm consiste em arma, dispositivo de carregamento, torre, sistema de controle de fogo e armazenamento de munição e está totalmente operacional com uma plataforma e munição.

Além de veículos com rodas e chassis blindados sobre esteiras, a torre NEMO pode ser integrada em plataformas mais leves, como veículos com rodas blindadas 6x6. Em aplicações navais, as plataformas ideais são patrulhas rápidas e embarcações costeiras.

A torre NEMO é equipada com um sistema de observação avançado, usado para identificar o alvo e obter uma visão completa da situação no campo de batalha. O sistema de controle de fogo fornece planos de apoio de fogo e missões de fogo, que são transmitidos por meio de uma rede de dados táticos para os sistemas de comando e controle. As decisões de suporte de fogo são feitas no centro de direção de fogo, e as unidades NEMO executam as missões de fogo - bem no alvo.

A torre do NEMO tem uma travessia de 360 ​​° com uma faixa de elevação de -3 ° a + 85 °. O veículo tem uma tripulação de três pessoas que estão localizadas no casco graças à torre não tripulada. O veículo pode transportar de 50 a 60 rodadas. A morteiro de 120 mm tem uma cadência máxima de tiro de 10 tiros por minuto com um alcance máximo de tiro de 10 km.



 

*

redkukulkane

  • Membro
  • *
  • 125
  • Recebeu: 45 vez(es)
  • Enviou: 6 vez(es)
  • +7/-12
Re: Exército Britânico
« Responder #159 em: Junho 04, 2021, 08:28:23 pm »
MAIS UMA GRANDE FIASCO  A INGLESA. c56x1

FIASCO NA AQUISIÇÃO DE VEÍCULOS BLINDADOS DE COMBATE AJAX POR HOWARD WHEELDON, FRAES, WHEELDON STRATEGIC ADVISORY LTD.
26 de maio de 2021 de






 

Tendo, em sua infinita sabedoria, tomado mais uma má decisão no abandono do Programa de Sustentação da Capacidade do Warrior Infantry Fighting Vehicle (WCSP), não surpreendentemente se voltou para o fiasco que é a aquisição do Ajax Infantry Fighting Vehicle da General Dynamics.

Assim como todo o plano original do FRES (Future Rapid Effect System) que no dia anterior foi efetivamente descartado no SDSR 2010 foi (FRES era o plano original do MoD projetado para substituir o APC do Exército, o FV432 rastreado e o CVR (T ) foi considerado impraticável e inacessível, de modo que apenas uma parte sobrevivente do plano FRES original - o do Ajax Scout acabou sendo outro desastre esperando para ocorrer.

Alguns podem discordar, mas essa seria a minha descrição para o que tinha sido em setembro de 2014 após anos de deliberação de design pelo Exército, um contrato de £ 3,5 bilhões concedido à General Dynamics para desenvolvimento, fabricante e entrega de 589 Scout (o nome foi posteriormente alterado para veículos Ajax).

Lembro-me bem de ter expressado dúvidas sobre onde a fabricação (em oposição à montagem final e teste) seria realizada, sendo informado pelo Ministério da Defesa que cerca de 1.300 empregos em todo o Reino Unido seriam assegurados. Lembro-me também de ter ouvido que o Scout 'Specialist Vehicle' seria os “olhos e ouvidos” do Exército Britânico nos campos de batalha do futuro.

Bem, o futuro do qual o MoD estava se gabando veio e se foi e aqui estamos nós na metade de 2021, menos de um mês antes que a capacidade operacional inicial deva ser estabelecida, e até onde eu sei, nenhuma versão em torre de Ajax foi entregue ou aceito pelo Quartel-General do Exército.

Em 18 th fev 2015 o Ministério da Defesa anunciou que o Ajax Escoteiro tinha passado a sua fase crítica de revisão do projeto dentro do prazo e do plano era que as entregas começariam em 2017, o estabelecimento de formação e primeiro esquadrão seria equipado em meados de 2019, a fim de permitir a conversão para começar com uma brigada pronta para desdobrar a partir do final de 2020. Falando antes da agora infame cimeira da OTAN de 2014 no País de Gales, o então Secretário de Estado disse de forma divertida:“O contrato multibilionário de hoje é uma notícia fantástica para nossos soldados, pois fornece os veículos blindados de combate mais avançados tecnologicamente e versáteis para superar as ameaças futuras. Este é o maior pedido individual feito pelo MoD para veículos blindados em cerca de 30 anos e é uma parte importante do investimento que estamos fazendo para manter a Grã-Bretanha segura. Também é uma excelente notícia para a cadeia de abastecimento deste veículo de última geração e sustentará 1.300 empregos de engenharia em todo o Reino Unido nas principais indústrias de defesa. ”

Com todos os £ 3,5 bilhões usados ​​e quase nenhum veículo para mostrar, tanto o Exército quanto a General Dynamics têm claramente muito a responder. Embora, como é típico, o MoD não tenha esclarecido quais são os problemas do Ajax, tem sido amplamente relatado que as questões relacionadas à segurança incluem ruído excessivo e vibrações que impedem que os canhões sejam disparados enquanto o veículo está em movimento. E em vez dos custos totais de projeto, desenvolvimento e produção originais de £ 3,5 bilhões para todos os 589 veículos Ajax a serem construídos, surpresa, surpresa, o custo total do programa a que vários artigos da imprensa especializada se referem saltou para £ 5,5 bilhões.

Que o Comitê Selecionado de Defesa foi severamente crítico dos custos e atrasos em torno do programa Ajax e de seu presidente, Tobias Ellwood, culpando uma "mistura de procrastinação burocrática, indecisão militar, má gestão financeira e inépcia geral" como sendo o cerne de "uma severa e erosão sustentada de nossas capacidades militares ”, o MOD optou por dizer pouco - exceto a observação um tanto ou quanto surpreendente do Secretário de Estado da Defesa, Ben Wallace, referindo-se a “ uma ligeira pausa na área ao redor da torre ”.

Tanto quanto eu sei, não há nada de errado com a torre - ao contrário, é um problema com o design do veículo em si e em que a torre se assenta.

Já ter pago à General Dynamics alegados 3 bilhões de libras e não ter nada para mostrar em troca é nada menos que vergonhoso. Sei que é tão fácil criticar, mas por que se esse fosse um problema que atingiu a General Dynamics nos EUA, teria sido resolvido com toda a energia disponível.

Pesando 32 toneladas em comparação com as 8,2 toneladas do CVR (T), o veículo foi projetado para substituir um que está fadado a se perguntar quando e, de fato, se o Exército algum dia conseguirá uma substituição adequada do Veículo de Combate de Infantaria. Tendo estupidamente, em minha opinião, abandonado a ideia de atualizar o guerreiro IFV com rastros de enorme sucesso, embora envelhecido, parece que o Exército pode precisar reter a frota Guerreira existente por mais tempo do que o previsto, enquanto aguarda a possibilidade do problema do Ajax ser resolvido e à frente próprio veículo de substituição planejado, o Boxer MIV não rastreado.

O ponto real, porém, é que Ajax destaca não apenas mais falhas nas aquisições relacionadas ao Exército e um empreiteiro que devo acrescentar, montou uma fábrica em Merthyr Tydfil no País de Gales que havia sido formalmente usada como uma fábrica para construir empilhadeiras, para montar e testar veículos Ajax.

Parece bastante prematuro que eu deva repetir as palavras do então chefe do General de Veículos Blindados, General Robert Talbot-Rice, que disse na abertura da operação de montagem do General Dynamics Ajax em Merthyr Tydfil que “O design do Ajax baseia-se nas lições aprendidas no campo de batalha . É o primeiro veículo blindado totalmente digitalizado do Exército, capaz de enfrentar os terrenos mais difíceis do mundo e altamente resiliente contra prováveis ​​ameaças. ”

Eu irei, porque ele continua como Chefe do Estado-Maior de Defesa, poupá-lo de palavras igualmente atraentes proferidas pelo então Chefe do Estado-Maior General, General Sir Nicholas Carter.

Claro, eles acabarão por resolver o problema, mas a que custo, às custas do Governo ou da General Dynamics, isso será alcançado reduzindo o número originalmente planejado de 589 veículos Ajax Scout? Será que os chefes vão atuar no exército, eu me pergunto? Duvido que sim, pela simples razão de que, no momento em que resolverem o problema, a maioria deles já terá ido embora. O Major General Talbot-Rice já se aposentou e, embora tenha se tornado CDS por mais seis meses até o final deste ano, o General Sir Nicholas Carter logo seguirá seu exemplo.

As lições serão aprendidas pelo MOD? Eu continuo a viver com esperança, mas talvez o pior elemento da aquisição do Ajax para mim não seja apenas sobre o Exército não conseguir a capacidade do equipamento de que precisa, mas o perigo de que a falha da General Dynamics em entregar deixe uma cicatriz infeliz e injusta na capacidade soberana do Reino Unido.

Não há dúvidas de que a General Dynamics, o MoD e o Exército compartilham a culpa em Ajax, mas devemos tomar muito cuidado para garantir que as milhares de outras empresas do Reino Unido envolvidas em todo o programa de compras de defesa do MoD também não sejam prejudicadas como resultado.

CHW (Londres - 26 de maio de 2021)


 

*

perdadetempo

  • Perito
  • **
  • 596
  • Recebeu: 218 vez(es)
  • Enviou: 431 vez(es)
  • +56/-2
Re: Exército Britânico
« Responder #160 em: Junho 14, 2021, 10:10:42 pm »
Ups, a continuação da saga do Ajax


Ou se preferirem texto

https://www.forces.net/news/ajax-whats-going-armys-new-armoured-vehicle

Cumprimentos,

Nota: Para uma tradução decente aconselho o DeepL
https://www.deepl.com/translator

 
Os seguintes utilizadores agradeceram esta mensagem: HSMW

*

tenente

  • Investigador
  • *****
  • 8815
  • Recebeu: 4136 vez(es)
  • Enviou: 2938 vez(es)
  • +4226/-909


Quando um Povo não Respeita as Suas FFAA, Não Respeita a Sua História nem se Respeita a Si Próprio  !!
 
Os seguintes utilizadores agradeceram esta mensagem: HSMW

*

Lightning

  • Moderador Global
  • *****
  • 9186
  • Recebeu: 1400 vez(es)
  • Enviou: 1570 vez(es)
  • +200/-64
Re: Exército Britânico
« Responder #162 em: Novembro 28, 2021, 01:32:07 pm »
Também já andei a passar os olhos pelo novo exército britânico e afinal algumas coisas não são como parecem à primeira vista, e reconheco-lhes o merito de não ficar sentados no sofá, estão sempre a tentar inovar, como diz neste link, não queremos um exercito para a ultima guerra que travamos, queremos para a próxima.
https://www.army.mod.uk/news-and-events/events/future-soldier/

Uma coisa diferente é a aposta em forças para treinar aliados, vão ter duas diferentes, a Security Force Assistance Brigade, parece ser mais "convencional" e às "claras", parecido com as EUTM em que Portugal participa para formar Forças Armadas em paises Africanos e outros assim frágeis.

A outra força é que me surpreendeu, o Ranger Regiment, que está subordinado ao Special Operations Brigade, supunha que fosse uma copia dos americanos, uma forca de acção directa de grande capacidade, mas afinal também é uma forca vocacionada para treinar outros, mas neste caso pode ser situações encobertas e treinar grupos irregulares, podendo até combaterem lado a lado, faz lembrar os Boinas Verdes americanos no Vietname.

Estas duas Brigadas vão ser criadas a partir de Batalhões "normais".

Por isso a acção directa deve continuar nos Paras e Royal Marines que estão no Special Forces Support Group, eles não estão sob comando do exército por isso não estão presentes nesta reorganização, mas tambem não há menção do 1° Batalhão de Paras desaparecer ou voltar ao exército, suponho que lá continue ao lado dos SAS e amigos.

Outra nova foi a criação de uma Deep Recce Strike Brigade, é o resultado de uma fusão de uma Brigada de Artilharia e uma Blindada, temos aqui forças blindadas pesadas e ligeiras para velocidade e poder de fogo, unidades de apoio de fogos mais ISTAR para detectar e destruir à distância.

E por fim dentro da 16a  Brigada de Assalto Aéreo, além dos 2 Batalhões de Paras e 1 Batalhão de Gurkhas, tambem vão ter um Batalhão do Royal Irish Regiment com função "light recce strike infantry" será uma especie de unidade de cavalaria aerotransportada?
« Última modificação: Novembro 28, 2021, 01:35:32 pm por Lightning »
 
Os seguintes utilizadores agradeceram esta mensagem: HSMW, CruzSilva

*

Lightning

  • Moderador Global
  • *****
  • 9186
  • Recebeu: 1400 vez(es)
  • Enviou: 1570 vez(es)
  • +200/-64
Re: Exército Britânico
« Responder #163 em: Novembro 28, 2021, 07:54:39 pm »
"The Army Special Operations Brigade is designed to operate alongside both regular and irregular partners and proxies in high-threat and hostile environments," he added.

"We're going to create a brand new Ranger Regiment, built around the nucleus of four specialised infantry battalions.

Alongside special operations, the Security Force Assistance Brigade will be established to provide guidance and training to allied nations, drawing on experience from across the Army.

Elements of each brigade will be routinely deployed across the globe to assist partner nations with defence and security.

"The best way to prevent conflict and deter our adversaries is to work alongside partners to strengthen their security and resilience," Defence Secretary Ben Wallace said.

"These Ranger battalions will be at the vanguard of a more active and engaged Armed Forces."

Afinal o CdM já tinha colocado um texto a explicar estas unidades  :G-beer2: