Marcelino da Mata, a morte de um herói.

  • 24 Respostas
  • 641 Visualizações
*

Lusitano89

  • Investigador
  • *****
  • 12593
  • Recebeu: 630 vez(es)
  • Enviou: 237 vez(es)
  • +395/-272
Marcelino da Mata, a morte de um herói. Novo
« em: Fevereiro 11, 2021, 03:56:41 pm »
Morreu o tenente-coronel Marcelino da Mata





O tenente-coronel na reforma Marcelino da Mata, um dos militares da guerra colonial mais condecorados, morreu esta qunta-feira vítima de covid-19 no Hospital Hospital Professor Doutor Fernando Fonseca (Amadora-Sintra), disse à Lusa fonte oficial do Exército.

Marcelino Mata, natural da Guiné-Bissau, tinha 80 anos e foi um dos fundadores da tropa de elite "Comandos".

Após a Revolução do 25 de Abril e do fim da Guerra Colonial foi proibido de voltar à sua terra-natal e viu-se obrigado ao exílio até ao contra-golpe do 25 de Novembro (que terminou com o Processo Revolucionário Em Curso).

Marcelino da Mata nasceu a 7 de maio de 1940. Foi acidentalmente incorporado no lugar do irmão no CIM-Bolama em 3 de janeiro de 1960, ofereceu-se como voluntário após cumprir a primeira incorporação.

Integrou e foi fundador da tropa de operações especiais COMANDOS na antiga Guiné Portuguesa tendo realizado operações no Senegal e na Guiné Conacri.

A 2 de julho de 1969 foi feito Cavaleiro da Antiga e Muito Nobre Ordem Militar da Torre e Espada, do Valor, Lealdade e Mérito.

Apesar de várias vezes ferido em combate apenas teve que ser evacuado da Guiné por ter sido alvejado, por acidente, por um camarada, assistindo ao 25 de Abril de 1974 em Lisboa.

Após a independência da Guiné foi proibido de entrar na sua terra natal.

Em 1975 foi detido no quartel do RALIS, Lisboa, e sujeito a tortura e flagelação praticada e ordenada por Manuel Augusto Seixas Quinhones de Magalhães (capitão), Leal de Almeida (Tenente Coronel), João Eduardo da Costa Xavier (capitão tenente) e outros elementos do MRPP.

No decurso das perseguições de que foi alvo no ano de 1975 conseguiu fugir para Espanha, de onde regressou após o 25 de Novembro, participando ativamente na reconstrução democrática e no restabelecimento da ordem militar interna, agindo sempre com elevada longanimidade para com os seus opressores.

Atualmente residia em Sintra.


 :arrow: https://www.dn.pt/sociedade/covid-19-morreu-o-tenente-coronel-marcelino-da-mata-13341814.html?fbclid=IwAR1BjR1v90pN-rfX5cu1jFhLeu_ZikStmIBmeL1BQQ98mSLJzdE_8LYXquQ


 :Soldado2: :Soldado2: :Soldado2:
« Última modificação: Março 03, 2021, 01:08:21 am por HSMW »
 
Os seguintes utilizadores agradeceram esta mensagem: Cabeça de Martelo, mayo

*

Cabeça de Martelo

  • Investigador
  • *****
  • 17094
  • Recebeu: 1772 vez(es)
  • Enviou: 1625 vez(es)
  • +296/-1244
Re: Re: Guerra Colonial: Experiências/Testemunhos Pessoais
« Responder #1 em: Fevereiro 11, 2021, 04:34:06 pm »
Estou sem palavras.

Que descanse em paz!
7. Todos os animais são iguais mas alguns são mais iguais que os outros.

 

*

HSMW

  • Moderador Global
  • *****
  • 11020
  • Recebeu: 1824 vez(es)
  • Enviou: 4988 vez(es)
  • +298/-142
    • http://youtube.com/HSMW
Re: Re: Guerra Colonial: Experiências/Testemunhos Pessoais
« Responder #2 em: Fevereiro 11, 2021, 10:44:52 pm »
Amanhã será dia de luto nacional?
E ainda não vi o telejornal mas devem ter dado destaque ao falecimento de um dos militares mais importantes da história de Portugal, certo?
https://www.youtube.com/user/HSMW/videos

"Tudo pela Nação, nada contra a Nação."
 
Os seguintes utilizadores agradeceram esta mensagem: FoxTroop

*

FoxTroop

  • Investigador
  • *****
  • 1617
  • Recebeu: 446 vez(es)
  • Enviou: 317 vez(es)
  • +216/-2219
Re: Re: Guerra Colonial: Experiências/Testemunhos Pessoais
« Responder #3 em: Fevereiro 11, 2021, 11:30:06 pm »
Amanhã será dia de luto nacional?
E ainda não vi o telejornal mas devem ter dado destaque ao falecimento de um dos militares mais importantes da história de Portugal, certo?

Não espero menos que isso. Também só fiquei a saber agora.
Que descanse em paz.
 

*

HSMW

  • Moderador Global
  • *****
  • 11020
  • Recebeu: 1824 vez(es)
  • Enviou: 4988 vez(es)
  • +298/-142
    • http://youtube.com/HSMW
Re: Os heróis esquecidos da nossa história
« Responder #4 em: Fevereiro 11, 2021, 11:46:03 pm »



O Ten. Cor. CMD Marcelino da Mata era o militar mais condecorado do Exército Português, combateu na antiga Guiné Portuguesa entre 1961 e 1974 tendo participado em milhares de operações especiais Comandos contra as forças do PAIGC.

Condecorações

Medalha Militar de 2.ª Classe da Cruz de Guerra (26 de Julho de 1966)
Medalha Militar de 1.ª Classe da Cruz de Guerra (9 de Maio de 1967)
Cavaleiro da Antiga e Muito Nobre Ordem Militar da Torre e Espada, do Valor, Lealdade e Mérito (2 de Julho de 1969)
Medalha Militar de 1.ª Classe da Cruz de Guerra (21 de Abril de 1971)
Medalha Militar de 3.ª Classe da Cruz de Guerra (9 de Junho de 1973)
Medalha Militar de 1.ª Classe da Cruz de Guerra (22 de Agosto de 1973)

BIOGRAFIA

Nasceu a 7 de maior de 1940.

Foi acidentalmente incorporado no lugar do irmão no CIM-Bolama em 3 de Janeiro de 1960, ofereceu-se como voluntário após cumprir a primeira incorporação.

Integrou e foi fundador da tropa de operações especiais COMANDOS na antiga Guiné Portuguesa tendo realizado operações no Senegal e na Guiné Conacri.

A 2 de Julho de 1969 foi feito Cavaleiro da Antiga e Muito Nobre Ordem Militar da Torre e Espada, do Valor, Lealdade e Mérito.

Apesar de várias vezes ferido em combate apenas teve que ser evacuado da Guiné por ter sido alvejado, por acidente, por um camarada, assistindo ao 25 de Abril de 1974 em Lisboa.

Após a independência da Guiné foi proibido de entrar na sua terra natal.

Em 1975 foi detido no quartel do RALIS, Lisboa, e sujeito a tortura e flagelação praticada e ordenada por Manuel Augusto Seixas Quinhones de Magalhães (capitão), Leal de Almeida (Tenente Coronel), João Eduardo da Costa Xavier (capitão tenente) e outros elementos do MRPP.

No decurso das perseguições de que foi alvo no ano de 1975 conseguiu fugir para Espanha, de onde regressou após o 25 de Novembro, participando ativamente na reconstrução democrática e no restabelecimento da ordem militar interna, agindo sempre com elevada longanimidade para com os seus opressores.

https://www.facebook.com/TWOTWarriors/posts/287032392984249

"Se serviste a Pátria e ela te foi ingrata, tu fizeste o que devias, ela o que costuma!”

Choca-nos profundamente notar que, tantas horas após o anúncio de que morrera o mais condecorado militar da História do Exército português, nem o Senhor Presidente da República - Grão-mestre da Ordem da Torre e Espada, de que Marcelino era cavaleiro - nem nenhum dos líderes partidários representados na Assembleia da República emitiu qualquer expressão pública de pesar ou nota de apreço pelos incontáveis e inigualados serviços de Marcelino da Mata a Portugal.

Para o soldado excepcional que torturaram asperamente no RALIS, em 1975, e que depois reduziram à vergonha de arrumar carros para ganhar a vida, vemos agora um silêncio indiferente, cobarde e ingrato. Nada disto é o que merece Marcelino. Nada disto é o que merece um herói de Portugal. Nada disto é remotamente compatível com o nosso carácter de povo antigo.


https://www.facebook.com/novaportugalidade/photos/a.1702907456634281/2871633916428290/

 :Soldado2: :Soldado2: :Soldado2: :Soldado2:
https://www.youtube.com/user/HSMW/videos

"Tudo pela Nação, nada contra a Nação."
 
Os seguintes utilizadores agradeceram esta mensagem: tenente, mayo, Viajante

*

HSMW

  • Moderador Global
  • *****
  • 11020
  • Recebeu: 1824 vez(es)
  • Enviou: 4988 vez(es)
  • +298/-142
    • http://youtube.com/HSMW
Re: Re: Guerra Colonial: Experiências/Testemunhos Pessoais
« Responder #5 em: Fevereiro 12, 2021, 12:04:01 am »
Acabei agora de ver o 360 da RTP 3.

Os temas foram:
54 minutos sobre o covid,
Trump,
Manuel Salgado constituído arguido;
Um tal de Rui Moreira que pensa em criar um partido,
Renovação do estado de emergência;
Mais meia hora de covid;
Bola;
Falecimento do Joel Pina que era guitarrista da Amália.
Falecimento de um Chick Coreia.


E foi isto...

Nojo de país! E nojo de RTP! 

« Última modificação: Fevereiro 12, 2021, 12:04:29 am por HSMW »
https://www.youtube.com/user/HSMW/videos

"Tudo pela Nação, nada contra a Nação."
 

*

Cabeça de Martelo

  • Investigador
  • *****
  • 17094
  • Recebeu: 1772 vez(es)
  • Enviou: 1625 vez(es)
  • +296/-1244
Re: Re: Guerra Colonial: Experiências/Testemunhos Pessoais
« Responder #6 em: Fevereiro 12, 2021, 09:46:33 am »
Eu vi a noticia na SIC e não sabia que o Tenente-Coronel Marcelino da Mata tinha sido um dos fundadores dos Comandos... ???

Sem comentários.

 :arrow: https://sicnoticias.pt/pais/2021-02-11-Morreu-o-tenente-coronel-Marcelino-da-Mata-aos-80-anos
« Última modificação: Fevereiro 12, 2021, 09:47:42 am por Cabeça de Martelo »
7. Todos os animais são iguais mas alguns são mais iguais que os outros.

 

*

tenente

  • Investigador
  • *****
  • 8815
  • Recebeu: 4136 vez(es)
  • Enviou: 2938 vez(es)
  • +4226/-909
Re: Re: Guerra Colonial: Experiências/Testemunhos Pessoais
« Responder #7 em: Fevereiro 12, 2021, 10:33:13 am »
Eu vi a noticia na SIC e não sabia que o Tenente-Coronel Marcelino da Mata tinha sido um dos fundadores dos Comandos... ???

Sem comentários.

 :arrow: https://sicnoticias.pt/pais/2021-02-11-Morreu-o-tenente-coronel-Marcelino-da-Mata-aos-80-anos

Fundador dos CMDs, na Guiné.

Abraços


Quando um Povo não Respeita as Suas FFAA, Não Respeita a Sua História nem se Respeita a Si Próprio  !!
 

*

Cabeça de Martelo

  • Investigador
  • *****
  • 17094
  • Recebeu: 1772 vez(es)
  • Enviou: 1625 vez(es)
  • +296/-1244
Re: Re: Guerra Colonial: Experiências/Testemunhos Pessoais
« Responder #8 em: Fevereiro 12, 2021, 11:53:55 am »
Para memória futura:

Morte aos traidores! Uma palavra de ordem levada muito a sério
...
Marcelino da Mata cai. Tem várias costelas partidas. Sangra. Foi espancado. Chicoteado. Bateram-lhe com uma cadeira de ferro. Os choques elétricos vão começar daí a pouco. Marcelino da Mata não é um preso qualquer. Ele é o militar mais medalhado das Forças Armadas Portuguesas. Recebeu a Torre e Espada, três Cruzes de Guerra de 1ª classe, uma de 2ª e outra de 3ª, esteve presente em 2414 operações no mato que lhe valeram meia centena de louvores por actos de bravura em combate.

Agora está a ser torturado. Na véspera estava em Queluz com a família. A dado momento percebe o seu nome nas notícias que passam na rádio: diziam-no preso. Ao ouvir isto Marcelino da Mata comete um erro que quase lhe iria a custar vida: resolve apresentar-se na sua unidade, o Regimento de Comandos nº 1. Afinal um comando é sempre um comando e os comandos não deixam os seus para trás. Assim fora no inferno da Guiné – quantas histórias não tinha ele para contar! –, assim havia de ser em Lisboa.

Quando chega ao Regimento de Comandos nº 1, Marcelino da Mata constata que a Lisboa de 1975 era um terreno muito mais movediço que as matas e os rios da Guiné: não vai ficar na Amadora. É levado para o Regimento de Artilharia Ligeira de Lisboa (RALIS).

Citar
Os dados que levaram Marcelino da Mata à armadilha do RALIS tinham começado a rolar dias antes, quando militantes do MRPP e militares do RALIS sequestraram, na Baixa de Lisboa, o ex-fuzileiro José Jaime Coelho da Silva.

Marcelino da Mata chega ao quartel símbolo do PREC durante a tarde do dia 17 de Maio. Começam por lhe dar um papel para que escrevesse tudo o que sabia sobre o Exército de Libertação de Portugal (ELP), uma organização terrorista criada em Espanha pelos afectos ao general Spínola. Entretanto cai a noite desse dia 17 de Maio. Pouco depois da meia-noite Marcelino da Mata começa a ser torturado. Nas sete horas seguintes vive um inferno.

Os dados que levaram Marcelino da Mata à armadilha do RALIS tinham começado a rolar dias antes, a 15, quando militantes do MRPP e militares do RALIS sequestraram, na Baixa de Lisboa, o ex-fuzileiro José Jaime Coelho da Silva.

De 15 a 17 de Maio de 1975, o MRPP manteve José Jaime Coelho da Silva em cárcere privado, numa casa do Restelo e noutra em Sintra. Torturaram-no. Mas não só a ele. Ao Hotel Duas Nações, onde o ex-fuzileiro estava alojado, vão também buscar a sua mulher, Natércia Coelho da Silva. Levam-na para a mesma casa do Restelo onde se encontrava o marido.

José Jaime Coelho da Silva fica 24 horas nesta casa do Restelo. Em seguida é levado para outra, esta em Sintra. Em ambas é torturado: “foi atado de pés e mãos”, “agredido por várias formas até ao ponto de desmaiar”, “sofreu tortura psíquica por saber que a sua mulher também estava presa, ouvir os seus gritos e assistir a actos indecorosos contra ela”, “fizeram-lhe suportar nos olhos a incidência de raios infra-vermelhos”, “enfiaram-lhe um balde na cabeça e bateram-lhe com redobrada violência”, “ameaçaram-no de morte, torturam-no em posição de estátua”.

Citar
De uma das vezes que vê o marido este “está deitado sobre uma mesa, sem dar acordo de si, com os olhos negros e a espumar, pela boca, um líquido negro”

Estas expressões são retiradas do Relatório das Sevícias Apresentado pela Comissão de Averiguação de Violências sobre Presos Sujeitos às Autoridades Militares. Sobre o sucedido a Maria Natércia Coelho da Silva esta comissão apurou que após ter sido sequestrada por seis ou sete indivíduos de camuflado foi levada para a casa do Restelo. Daí em diante sucedem-se os períodos em que ora é agredida e vexada ora lhe dão substâncias para dormir. De uma das vezes que vê o marido este “está deitado sobre uma mesa, sem dar acordo de si, com os olhos negros e a espumar, pela boca, um líquido negro”.

São vários os militantes do MRPP que interrogam e agridem José Jaime e Natércia Coelho da Silva. Entre eles contam-se pelo menos três mulheres. Entre os homens há civis e militares.

Mas a 17 de Maio o cenário da tortura muda: José Jaime e Natércia Coelho da Silva são levados pelo MRPP para o RALIS. Quase ao mesmo tempo que o MRPP entrega o ex-fuzileiro e a mulher aos militares, Saldanha Sanches e Carlos Santos, do Comité Central do MRPP, dão uma conferência de imprensa. Informam que José Jaime Coelho da Silva ou, melhor dizendo “o agente fascista”, foi entregue à assembleia de soldados do RAL1.

O sequestro do ex-fuzileiro sobre o qual até esse momento não houvera qualquer notícia é apresentado por Saldanha Sanches e Carlos Santos como o resultado da acção das massas. Segundo informam os dirigentes do MRPP, um grupo de populares, à uma da tarde do dia 15 de Maio de 1975, reconhece e detém o ex-fuzileiro que acusam de ser membro do ELP. Em seguida entregam-no ao MRPP.

Que populares seriam esses que por acaso coincidiam no Rossio à uma tarde do dia 15 de Maio e não só reconheciam José Jaime Coelho da Silva como para mais sabiam da sua ligação ao ELP? E porque teriam esses populares resolvido entregá-lo ao MRPP e não directamente aos militares, fossem eles do RALIS ou do COPCON que na época era literalmente chamado para resolver todos os assuntos? E porquê ao MRPP e não a outro partido?…

Todas estas e muitas outras dúvidas não se colocam aos autores das notícias que no dia 17 e 18 de Maio dão conta da detenção de José Jaime Coelho da Silva, agora reduzido à condição de “contra-revolucionário” e “agente fascista”. O golpe do 11 de Março acontecera há dois meses. O processo revolucionário acelerava. Tudo acontecia muito rapidamente. O que meses antes causaria perplexidade tornava-se banal. Esse enquadramento frenético e ribombante em que então se vivia explicará que nem sequer se cuidasse muito de tornar verosímeis os detalhes da suposta detenção por populares de José Jaime Coelho da Silva. Também sem qualquer eufemismo é referido não só que o MRPP mantivera detido José Jaime Coelho da Silva durante dois dias como também que o sujeitara a um “longo interrogatório” findo o qual o ex-fuzileiro “foi obrigado a revelar” a teia da rede de conspiradores chefiada pelo “testa de ferro da CIA em Portugal, Alpoim Galvão”.

Citar
Os jornalistas aludem à cassete com declarações feitas por Coelho da Silva durante os interrogatórios, cassete essa que teria sido entregue pelo MRPP no RALIS

O que se entendia por “foi obrigado a revelar”? Não se diz e na verdade essas e outras perguntas não fazem sentido quando vistas duma perspectiva revolucionária como bem se percebe ao ler o comunicado emitido pela 5ª Divisão do Estado-Maior General das Forças Armadas (EMGFA) sobre este assunto: “No dia 17 de Maio de 1975, foi voluntariamente entregue no RALIS (ex RAL1), por elementos do MRPP, José Jaime Coelho da Silva, ex-fuzileiro e membro de uma organização terrorista. Convocados em plenário para informação e discussão, foi unanimemente entendido que fosse imediatamente nomeada (por eleição) uma comissão de militares autorizada pelo delegado do Copcon, para proceder à exploração de informações e documentos na posse do elemento detido”.

O MRPP detalha com maior rigor quer a natureza de algumas das informações – os jornalistas aludem à cassete com declarações feitas por Coelho da Silva durante os interrogatórios, cassete essa que teria sido entregue pelo MRPP no RALIS – quer a constituição desta comissão de militares que iria “proceder à exploração de informações e documentos na posse do elemento detido”. Chamando-lhe “comissão revolucionária”, informa o MRPP que este movimento tinha aí um representante e que “cerca de 50 fascistas estão neste momento presos”.

Entre os “fascistas já presos” na sequência das declarações de Jaime Coelho da Silva, os dirigentes do MRPP identificam Marcelino da Mata. O que aconteceu a seguir já se sabe: o teor da conferência de imprensa de Saldanha Sanches e Carlos Santos a par dos comunicados do MRPP e da 5ª Divisão, são logo transformados em notícias. Os vespertinos, como o Diário de Lisboa, e as rádios dão a notícia nessa mesma tarde. E foi precisamente ao ouvir na rádio na tarde desse dia 17 de Maio de 1975 que se encontrava preso que Marcelino da Mata resolveu apresentar-se na sua unidade donde foi levado para o RALIS.

Quartel do RALIS em Lisboa, anoitecer do dia 18 de Maio de 1975.
O que acontece com Marcelino da Mata entre 17 e 19 de Maio de 1975 é um dos episódios mais perturbantes do PREC. Não apenas porque se recorre à tortura – está longe de ser caso raro nesse período – mas também e sobretudo por aquilo que o seu caso (e o dos outros elementos detidos no âmbito desta operação desencadeada pelo MRPP) revela sobre o que acontecia dentro dos quartéis. E como as Forças Armadas tinham entrado num processo quase suicida.


A detenção de Jaime Coelho da Silva e da sua mulher mostra não só que alguns agrupamentos políticos recorrem a cárceres privados e praticam tortura, como mostra também que militares que participam nessas operações efectuadas pelos partidos. Na verdade, e ao contrário do que declararam Saldanha Sanches e Carlos Santos, a detenção de Jaime Coelho da Silva não foi feita por populares mas tão só por vários militares do RALIS acompanhados por um civil. Foram também militares do RALIS que prenderam a sua mulher. E se no caso de Jaime Coelho da Silva ainda há o cuidado de o transportar num automóvel particular quando o levam para a casa que o MRPP tem do Restelo, em relação a Natércia o transporte é feito num jipe militar, o que dá bem conta do sentimento de impunidade de que sentiam investidos os protagonistas destes actos.

Mas é quando Marcelino da Mata, a que se juntam outros detidos, começa a ser interrogados no RALIS que tudo se adensa. A tortura arrasta-se durante mais de sete horas ao longo das quais os interrogadores-torturadores vão mudando. Por vezes chamam-se entre si o que permite a Marcelino da Mata dar nomes aos civis e militares que o interrogam: um furriel chamado Duarte, o capitão Quinhones e dois militantes do MRPP, um tratado por Ribeiro e outro por Jorge. É aliás a este último que Marcelino da Mata diz que o capitão Quinhones ordenou “que pegasse num fio eléctrico e me torturasse, tendo-me este dado choques nos ouvidos, sexo e no nariz.”

A estes nomes há ainda que juntar o de Leal de Almeida. Marcelino da Mata conhecia Leal de Almeida da Guiné. Ora em 1975, o tenente-coronel Leal de Almeida estava em Lisboa mais precisamente no RALIS. O que fazia nesse quartel o antigo instrutor de comandos na Guiné? Era comandante.

Marcelino da Mata tem repetido não só que Leal de Almeida esteve presente enquanto foi torturado, como que o então comandante do RALIS desempenhou um papel activo nessas sessões de tortura. No depoimento que Alpoim Galvão transcreve em De Conakry ao MDLP, Marcelino da Mata afirma que nessa madrugada de 18 de Maio de 1975 Leal de Almeida “disse que os pretos só falavam quando levavam porrada e eram torturados, e que não tinha outra solução senão ordenar que me fizessem isso.”

Leal de Almeida, tal como Quinhones, negam ter participado na tortura a Marcelino da Mata, Jaime Coelho da Silva e aos outros detidos no âmbito desta operação entre os quais se contavam também o juiz conselheiro do Supremo Tribunal Administrativo Francisco José de Abreu Fonseca Velos e o seu filho, o aspirante José António Veloso. Já a Comissão de Averiguação de Violências sobre Presos Sujeitos às Autoridades Militares confirmará a existência de tortura no RALIS tal como o papel nela desempenhado por militares do RALIS que diz “não identificados”. Quanto aos militantes do MRPP, é também confirmada a sua presença e o papel que desempenharam nos acontecimentos dessa madrugada no RALIS. Mas não só.

Quartel do RALIS em Lisboa, madrugada de 19 de Maio de 1975
No quartel do RALIS o dia 18 de Maio está a acabar. Um observador privilegiado, Dinis de Almeida, 2º Comandante do RALIS, que além da sua notória fotogenia e de um evidente gosto por se deslocar de chaimite tinha a acrescida vantagem de ser muito mais eloquente a falar e a escrever do que os seus colegas de armas, descreve nestes termos, em Ascensão, Apogeu e Queda do MFA, o que nesse fim de dia acontecia dentro e fora do quartel:

“Formava-se uma multidão de MRPP’s junto ao portão, aclamando os soldados do RALIS, lisonjeando-os por uma captura na qual, no fundo – com exclusão de 3 ou 4 casos pontuais e sem autorização superior – nem sequer haviam tomado parte (…) dá-se simultaneamente uma penetração inicialmente imperceptível, no interior do RALIS, de soldados (ou civis) afectos ao MRPP, trajando uniforme que, sem causar alarde de início, cedo lançariam em terreno fértil a ideia de que «os presos não poderiam sair dali; ali seriam interrogados e julgados…» (…) Ignorando o perigo interno que se avolumava, prosseguiam os interrogatórios. Contudo, a falta de condições de alojamento, a clarificação da forma como haviam sido capturados os detidos, e muito especialmente o princípio da percepção do logro em que se estava a cair, cedo generalizariam a nível de Comando a opinião de que o prosseguimento das investigações deveria ser em Caxias.”

As informações obtidas durante os interrogatórios capitaneados pelo MRPP estavam a revelar-se uma arma de dois gumes ou, para usar as palavras de Dinis de Almeida, são elas a razão do “logro em que se estava a cair”. Que logro era esse de que fala Dinis de Almeida? A tomarem-se como certas as declarações obtidas nos interrogatórios, as prisões iam continuar, só que agora entre destacadas figuras militares pois os nomes de Salgueiro Maia e Jaime Neves tinham sido apontados por alguns dos interrogados como fazendo parte da rede conspirativa reaccionária. Aliás muitas das perguntas feitas quer a Marcelino da Mata, quer ao juiz Francisco José de Abreu Fonseca Veloso e também ao seu filho, o aspirante José António Veloso, incidiam precisamente sobre as ligações que o comandante do Regimento de Comandos nº 1, Jaime Neves, teria ao ELP.

Da posse destes dois nomes, Jaime Neves e Salgueiro Maia, o MRPP não só os divulgou em comunicados e jornais de parede como convocou manifestações para a porta das unidades destes dois militares: o Regimento de Comandos na Amadora e a Escola Prática de Cavalaria, em Santarém. Também se manifestam junto da Embaixada dos EUA onde declaram haver um agente da CIA encarregado de “estabelecer as ligações com a organização terrorista-fascista” (na verdade devia ser mais que um!) Apela ainda o MRPP às massas populares para que estas desçam “à rua, impeçam que o COPCON continue a sabotar a prisão do coronel Jaime Neves, queira transferir os fascistas para Caxias, a fim de os defender da justiça popular”.

A proximidade do major Aventino ao MRPP e particularmente a Arnaldo de Matos era pública e notória. No RALIS, Aventino terá contactado os militantes do MRPP que, mesmo quando militares de baixa patente, o tratam por “camarada Aventino”.

A manifestação à porta do Regimento de Comandos na Amadora não teve grande ressonância e junto à Escola Prática de Cavalaria (EPC), em Santarém, não compareceu praticamente ninguém. Mas o mesmo não se pode dizer da concentração junto ao RALIS que visava impedir a transferência dos presos para Caxias: a tensão sobe, os militares disparam as metralhadoras para o ar e usam granadas de gás lacrimogéneo. Os manifestantes chegam a recorrer a uma escavadora para tentar obstruir a porta do quartel. Lá dentro, Otelo Saraiva de Carvalho, que chefiava o COPCON, Carlos Fabião, Chefe do Estado-Maior do Exército, e Leal de Almeida, comandante da unidade, confrontam-se com uma situação cujo controlo lhes começa a escapar. Terá sido então que, segundo Dinis de Almeida, “com o consentimento, senão a pedido, do próprio Cor. Leal de Almeida, Comandante do RALIS, Aventino Teixeira fora entretanto mandado chamar ao Regimento.”

A proximidade do major Aventino ao MRPP e particularmente a Arnaldo de Matos era pública e notória. No RALIS, Aventino terá contactado os militantes do MRPP que, mesmo quando militares de baixa patente, o tratam por “camarada Aventino”. Um deles ter-lhe-á mesmo dito: “Camarada Aventino, já contactei o nosso camarada Arnaldo Matos que está no Algarve. Ele manda dizer para aguardar pois vem já para cima…”

Dinis de Almeida, a quem neste dia coube a responsabilidade pela atribulada operação de transporte dos presos para Caxias e que nestes acontecimentos do RALIS vê uma manobra do MRPP para criar uma cisão no MFA através de um conflito armado entre o RALIS, a EPC e o regimento de Comandos, recorda a estupefacção de Carlos Fabião, Chefe do Estado-Maior do Exército, ao ouvir o major Aventino explicar-lhe que “tudo aquilo seria resultante de um contencioso ideológico entre uma pseudo “linha negra” chefiada por Saldanha Sanches – e uma “linha vermelha” – liderada por Arnaldo Matos.

Seja qual for a teoria que se adopte para enquadrar estes acontecimentos é inegável que a luta entre a “linha negra” de Saldanha Sanches e a “linha vermelha” de Arnaldo Matos estava a ocorrer: dentro de meses Saldanha Sanches sairá do MRPP (para o qual se torna “o renegado Sanches”) e escreve um livro demolidor, com capa vermelha como não podia deixar de ser, intitulado O MRPP instrumento da contra-revolução. Nele Saldanha Sanches alude ao sucedido a 18 de Maio no RALIS precisamente para criticar Arnaldo Matos que acusa de, após os acontecimentos do 11 de Março, ter tomado uma posição de “colaboração aberta e expressa com os fascistas” e provavelmente recear que essa colaboração ficassa exposta pelas declarações obtidas nos interrogatórios do RALIS a 18 de Maio:

“O que sucedeu é que o o secretário-geral do MRPP se recusou a voltar do Algarve (…) Dever-se-ia isto ao facto dos interrogatórios do RALIS, a fascistas presos, estarem a trazer à luz do dia, factos de grande importância sobre as actividades dos fascistas e do imperialismo americanos em Lisboa?”

Mas para já, nessa noite de 18 para 19 de Maio de 1975, a “linha vermelha” e a “linha negra” ainda não ajustam contas entre si pois outros ajustes e outras contas se impõem. Os presos, à excepção de Natércia Coelho da Silva, que entretanto fora colocada em liberdade e deixada pelos militares do RALIS na gare de Santa Apolónia, acabariam por ser levados para Caxias, sendo que no caso de José Jaime Coelho da Silva o seu estado de saúde degradara-se a tal ponto que ainda é levado ao Hospital de Santa Maria, onde entra com um nome falso e com a indicação de que sofrera um acidente de viação. Como o médico que o observa o quisesse internar, os militares levam-no para o Hospital Militar Principal e daí para Caxias. Entra a 19 de Maio. Tal como acontece com os outros transferidos do RALIS é colocado em rigoroso regime de incomunicabilidade durante meses.
 Mas mesmo no isolamento não lhes terá sido impossível perceber no fim de Maio que outras levas de presos estavam a chegar àquela prisão.
...

https://observador.pt/especiais/morte-aos-traidores/
7. Todos os animais são iguais mas alguns são mais iguais que os outros.

 
Os seguintes utilizadores agradeceram esta mensagem: tenente, HSMW

*

Cabeça de Martelo

  • Investigador
  • *****
  • 17094
  • Recebeu: 1772 vez(es)
  • Enviou: 1625 vez(es)
  • +296/-1244
Re: Re: Guerra Colonial: Experiências/Testemunhos Pessoais
« Responder #9 em: Fevereiro 12, 2021, 12:01:34 pm »
Eu vi a noticia na SIC e não sabia que o Tenente-Coronel Marcelino da Mata tinha sido um dos fundadores dos Comandos... ???

Sem comentários.

 :arrow: https://sicnoticias.pt/pais/2021-02-11-Morreu-o-tenente-coronel-Marcelino-da-Mata-aos-80-anos

Fundador dos CMDs, na Guiné.

Abraços


Guiné >Brá > 1966 >   Centro de instrução e sede dos comandos . Aqui, em  Brá, a nordeste de Bissau. nasceram os primeiros comandos da Guiné, primeiro organizados em grupos e depois em companhia. Estes comandos, de primeira geração (ou os "velhos comandos") antecederam a primeira companhia de comandos metropolitana, formada em Lamego, e aqui chegada em Junho de 1966 (3ª CCmds).


Guiné > Brá > 1966 >    O Alf Mil Briote,  à esquerda, ladeado de dois dos primeiros comandos africanos, o Jamanta e o Joaquim. Esta era a 1ª equipa do seu grupo de comandos. Em vésperas da Op Atraca.


Guiné > 1966 >  Comandos a caminho de Bafatá, junto ao Dakota para operações na região do Xitole. O famoso Marcelino da Mata, condecorado com a  Torre e Espada,  é o primeiro da esquerda, na segunda fila. O Alf Mil Briote é o segundo, a contar da esquerda, da primeira fila. O Capitão Rubim (hoje coronel na reserva) é o 6º da primeira fila, também a contar da esquerda.

Fonte: https://www.ensp.unl.pt/luis.graca/guine_guerracolonial12_comandos.html

« Última modificação: Fevereiro 12, 2021, 12:04:58 pm por Cabeça de Martelo »
7. Todos os animais são iguais mas alguns são mais iguais que os outros.

 
Os seguintes utilizadores agradeceram esta mensagem: tenente, mayo

*

HSMW

  • Moderador Global
  • *****
  • 11020
  • Recebeu: 1824 vez(es)
  • Enviou: 4988 vez(es)
  • +298/-142
    • http://youtube.com/HSMW
Re: Re: Guerra Colonial: Experiências/Testemunhos Pessoais
« Responder #10 em: Fevereiro 13, 2021, 02:26:34 am »
Amanhã será dia de luto nacional?
E ainda não vi o telejornal mas devem ter dado destaque ao falecimento de um dos militares mais importantes da história de Portugal, certo?

Não espero menos que isso. Também só fiquei a saber agora.
Que descanse em paz.

Aqui está o porquê...


« Última modificação: Fevereiro 13, 2021, 02:29:15 am por HSMW »
https://www.youtube.com/user/HSMW/videos

"Tudo pela Nação, nada contra a Nação."
 

*

P44

  • Investigador
  • *****
  • 12592
  • Recebeu: 2345 vez(es)
  • Enviou: 3032 vez(es)
  • +1893/-4199
Re: Re: Guerra Colonial: Experiências/Testemunhos Pessoais
« Responder #11 em: Fevereiro 13, 2021, 11:48:38 am »
Epá...

Ao menos põe isso em spoiler....abrir o tópico e dar logo de caras com a tromba desse porco até dá vómitos!!!!
"[Os portugueses são]um povo tão dócil e tão bem amestrado que até merecia estar no Jardim Zoológico"
-Dom Januário Torgal Ferreira, Bispo das Forças Armadas
 
Os seguintes utilizadores agradeceram esta mensagem: tenente, mayo

*

Daniel

  • Investigador
  • *****
  • 2278
  • Recebeu: 245 vez(es)
  • Enviou: 54 vez(es)
  • +299/-4724
Re: Re: Guerra Colonial: Experiências/Testemunhos Pessoais
« Responder #12 em: Fevereiro 13, 2021, 12:16:28 pm »
Amanhã será dia de luto nacional?
E ainda não vi o telejornal mas devem ter dado destaque ao falecimento de um dos militares mais importantes da história de Portugal, certo?

Não espero menos que isso. Também só fiquei a saber agora.
Que descanse em paz.

Aqui está o porquê...




Tenho medo de um dia me poder cruzar com esse FDP na rua, não sei não..
Quem é que deu o passaporte português a este FDP, ele que se meta fino, anda a brincar com o fogo ainda se vai queimar.
« Última modificação: Fevereiro 13, 2021, 12:18:14 pm por Daniel »
 
Os seguintes utilizadores agradeceram esta mensagem: mayo

*

P44

  • Investigador
  • *****
  • 12592
  • Recebeu: 2345 vez(es)
  • Enviou: 3032 vez(es)
  • +1893/-4199
Re: Re: Guerra Colonial: Experiências/Testemunhos Pessoais
« Responder #13 em: Fevereiro 13, 2021, 12:21:45 pm »
Obrigado Daniel por teres feito quote, agora levei outra vez com a tromba desse fdp  :new_argue: :new_argue: :Combate: s1x2x s1x2x s1x2x s1x2x

edit: pelo menos mudei de página heheehehehe  :mrgreen:
« Última modificação: Fevereiro 13, 2021, 12:22:20 pm por P44 »
"[Os portugueses são]um povo tão dócil e tão bem amestrado que até merecia estar no Jardim Zoológico"
-Dom Januário Torgal Ferreira, Bispo das Forças Armadas
 

*

HSMW

  • Moderador Global
  • *****
  • 11020
  • Recebeu: 1824 vez(es)
  • Enviou: 4988 vez(es)
  • +298/-142
    • http://youtube.com/HSMW
Re: Re: Guerra Colonial: Experiências/Testemunhos Pessoais
« Responder #14 em: Fevereiro 13, 2021, 04:45:00 pm »

Tenho medo de um dia me poder cruzar com esse FDP na rua, não sei não..
Quem é que deu o passaporte português a este FDP, ele que se meta fino, anda a brincar com o fogo ainda se vai queimar.

Isso é algo que não se deve fazer de modo algum.

Não se esqueçam que esta gente é especialista em se fazer de vitima!!
Era logo canonizado, sepultado no panteão e a esfera armilar da bandeira seria substituída pela cara dele...
https://www.youtube.com/user/HSMW/videos

"Tudo pela Nação, nada contra a Nação."