União Europeia

  • 83 Respostas
  • 9548 Visualizações
*

Cabeça de Martelo

  • Investigador
  • *****
  • 17102
  • Recebeu: 1791 vez(es)
  • Enviou: 1626 vez(es)
  • +300/-1389
Re: União Europeia
« Responder #60 em: Abril 13, 2021, 11:05:23 am »
Nós estamos a meio caminho da última imagem...
7. Todos os animais são iguais mas alguns são mais iguais que os outros.

 

*

P44

  • Investigador
  • *****
  • 13465
  • Recebeu: 2941 vez(es)
  • Enviou: 3469 vez(es)
  • +2211/-5412
Re: União Europeia
« Responder #61 em: Abril 13, 2021, 04:12:49 pm »
A UE é uma mrd
"[Os portugueses são]um povo tão dócil e tão bem amestrado que até merecia estar no Jardim Zoológico"
-Dom Januário Torgal Ferreira, Bispo das Forças Armadas
 
Os seguintes utilizadores agradeceram esta mensagem: mayo

*

LM

  • Investigador
  • *****
  • 2071
  • Recebeu: 666 vez(es)
  • Enviou: 2055 vez(es)
  • +366/-36
Re: União Europeia
« Responder #62 em: Abril 13, 2021, 04:46:09 pm »
É uma organização recente, de Estados soberanos... querer que queime etapas, contra o desejo de muitos dos seus cidadãos e os governos é perigoso. Não podemos querer que representantes da UE tenham o poder, a experiência e as equipas de países com séculos de história.

Agora posso querer que, pessoalmente, tenham formação suficiente para mandar à mrd quando são enxovalhados publicamente.     
Quidquid latine dictum sit, altum videtur
 
Os seguintes utilizadores agradeceram esta mensagem: P44, HSMW, Viajante, Subsea7

*

Cabeça de Martelo

  • Investigador
  • *****
  • 17102
  • Recebeu: 1791 vez(es)
  • Enviou: 1626 vez(es)
  • +300/-1389
Re: União Europeia
« Responder #63 em: Abril 13, 2021, 05:11:13 pm »
É uma organização recente, de Estados soberanos... querer que queime etapas, contra o desejo de muitos dos seus cidadãos e os governos é perigoso. Não podemos querer que representantes da UE tenham o poder, a experiência e as equipas de países com séculos de história.

Agora posso querer que, pessoalmente, tenham tomates suficiente para mandar à mrd quando são enxovalhados publicamente.   
7. Todos os animais são iguais mas alguns são mais iguais que os outros.

 
Os seguintes utilizadores agradeceram esta mensagem: LM, P44, Viajante

*

P44

  • Investigador
  • *****
  • 13465
  • Recebeu: 2941 vez(es)
  • Enviou: 3469 vez(es)
  • +2211/-5412
Re: União Europeia
« Responder #64 em: Abril 19, 2021, 02:44:03 pm »
A submissão ao sultão

"[Os portugueses são]um povo tão dócil e tão bem amestrado que até merecia estar no Jardim Zoológico"
-Dom Januário Torgal Ferreira, Bispo das Forças Armadas
 
Os seguintes utilizadores agradeceram esta mensagem: Daniel, HSMW, Viajante

*

Daniel

  • Investigador
  • *****
  • 2608
  • Recebeu: 324 vez(es)
  • Enviou: 94 vez(es)
  • +457/-6113
Re: União Europeia
« Responder #65 em: Abril 19, 2021, 07:59:26 pm »
A submissão ao sultão



Mais um político imbecil, como muitos que temos em Portugal e na EU.
« Última modificação: Abril 19, 2021, 08:00:28 pm por Daniel »
 
Os seguintes utilizadores agradeceram esta mensagem: typhonman, P44, mayo

*

P44

  • Investigador
  • *****
  • 13465
  • Recebeu: 2941 vez(es)
  • Enviou: 3469 vez(es)
  • +2211/-5412
Re: União Europeia
« Responder #66 em: Abril 20, 2021, 07:25:58 am »
A submissão ao sultão



Mais um político imbecil, como muitos que temos em Portugal e na EU.

Muitos?

São todos!

Diga um que se aproveite!  :mrgreen:

"[Os portugueses são]um povo tão dócil e tão bem amestrado que até merecia estar no Jardim Zoológico"
-Dom Januário Torgal Ferreira, Bispo das Forças Armadas
 
Os seguintes utilizadores agradeceram esta mensagem: mayo

*

Lightning

  • Moderador Global
  • *****
  • 9656
  • Recebeu: 1656 vez(es)
  • Enviou: 1982 vez(es)
  • +310/-263
Re: União Europeia
« Responder #67 em: Abril 29, 2021, 08:17:07 pm »
É por coisas destas que os países europeus ainda têm um longo caminho até se entenderem totalmente, foi dado mais um passo no caminho certo.

Então a França protegeu membros de grupos terroristas, que praticaram assassinatos, raptos, etc, em Itália, por prometerem deixarem os actos de violência???
 :crit: :amazing: :down:

https://www.dn.pt/internacional/ex-brigadas-vermelhas-que-viviam-ha-decadas-em-franca-foram-agora-presos-13622752.html
« Última modificação: Abril 29, 2021, 08:18:14 pm por Lightning »
 

*

Lusitano89

  • Investigador
  • *****
  • 12797
  • Recebeu: 667 vez(es)
  • Enviou: 237 vez(es)
  • +515/-354
Re: União Europeia
« Responder #68 em: Junho 20, 2021, 12:35:25 pm »
Robert Schuman declarado Venerável pelo Papa


 

*

Vicente de Lisboa

  • Analista
  • ***
  • 841
  • Recebeu: 58 vez(es)
  • Enviou: 21 vez(es)
  • +19/-8
Re: União Europeia
« Responder #69 em: Junho 21, 2021, 12:31:25 pm »
Robert Schuman declarado Venerável pelo Papa
Estou uns anos à frente do Francisco.  :mrgreen:
 

*

P44

  • Investigador
  • *****
  • 13465
  • Recebeu: 2941 vez(es)
  • Enviou: 3469 vez(es)
  • +2211/-5412
"[Os portugueses são]um povo tão dócil e tão bem amestrado que até merecia estar no Jardim Zoológico"
-Dom Januário Torgal Ferreira, Bispo das Forças Armadas
 

*

PTWolf

  • Membro
  • *
  • 151
  • Recebeu: 75 vez(es)
  • Enviou: 157 vez(es)
  • +91/-50
Re: União Europeia
« Responder #71 em: Fevereiro 27, 2022, 03:09:32 pm »
Não sei tiveram oportunidade de ouvir o Nuno Rogeiro às 14:30h na Sic Noticias, mas entre muitas coisas falou no facto de em Portugal o porto de Sines estar já equipado com capacidade para receber navios tanque realizam o transporte de gás natural liquefeito (GNL). Neste momento apenas a França impede que seja construída a ligação por gasodutos para outros países da Europa.

Segundo o Nuno Rogeiro em ano e meio isto poderia ser feito. Tornando a UE menos dependente de gás russo
 

*

typhonman

  • Investigador
  • *****
  • 5103
  • Recebeu: 699 vez(es)
  • Enviou: 1503 vez(es)
  • +3104/-3488
Re: União Europeia
« Responder #72 em: Fevereiro 27, 2022, 05:53:16 pm »
Não sei tiveram oportunidade de ouvir o Nuno Rogeiro às 14:30h na Sic Noticias, mas entre muitas coisas falou no facto de em Portugal o porto de Sines estar já equipado com capacidade para receber navios tanque realizam o transporte de gás natural liquefeito (GNL). Neste momento apenas a França impede que seja construída a ligação por gasodutos para outros países da Europa.

Segundo o Nuno Rogeiro em ano e meio isto poderia ser feito. Tornando a UE menos dependente de gás russo

O Nuno Rogeiro, as vezes droga-se....
Um ano e meio...
LOL
 

*

Lusitano89

  • Investigador
  • *****
  • 12797
  • Recebeu: 667 vez(es)
  • Enviou: 237 vez(es)
  • +515/-354
Re: União Europeia
« Responder #73 em: Março 02, 2022, 11:00:21 am »
 

*

Viajante

  • Investigador
  • *****
  • 2872
  • Recebeu: 1601 vez(es)
  • Enviou: 771 vez(es)
  • +2642/-2216
Re: União Europeia
« Responder #74 em: Março 02, 2022, 12:27:13 pm »
Como (em apenas uma semana) a União Europeia mudou para sempre



“A Europa será defraudada nas crises e será a soma das soluções adotadas para essas crises”, escreveu o diplomata francês Jean Monnet nas suas memórias, publicadas em 1976.

As palavras de Monnet provaram ser um aviso extraordinariamente presciente: do colapso da União Soviética à Grande Recessão, do Brexit à pandemia de coronavírus, a União Europeia (UE) parece ter desenvolvido uma capacidade única de se fortalecer perante circunstâncias adversas e imprevistas.

Mas foi na última semana de fevereiro de 2022 que a profecia de Monnet ganhou um novo significado, que teria sido impensável há um mês. A invasão da Ucrânia pela Rússia injetou na UE a determinação necessária para enfrentar verdadeiramente a geopolítica adversa, deixando de lado quaisquer tabus e preconceitos, escreve o ‘Euronews.

No espaço de sete dias, o bloco conseguiu ultrapassar as disputas internas prolongadas, a burocracia notoriamente complicada e a reputação internacional de cautela e moderação, e, em vez disso, demonstrou a autoconfiança e a ousadia que os seus críticos alegavam que não tinha.

Decisões de enormes consequências foram tomadas em velocidade recorde com unidade férrea, mesmo que algumas das sanções impostas à Rússia inevitavelmente façam ricochete e prejudiquem a própria economia do bloco, que ainda sofre com a turbulência da Covid-19.

Pela primeira vez na sua história, o bloco irá financiar a compra de armas letais para países que estão sob ataque, um salto quântico para uma união que foi criada originalmente para defender a paz. “A invasão russa da Ucrânia marca um ponto de viragem na história”, disse o Alto Representante da UE para a Política Externa e de Segurança, Josep Borrell.

Refugiados ucranianos que fogem da guerra estão a ser recebidos de braços abertos pelos mesmos Estados membros que passaram os últimos sete anos a discutir uma política de migração comum baseada na solidariedade partilhada.

As ferramentas de propaganda estão a ser fechadas, ativos financeiros congelados e os aviões proibidos de sobrevoar o território da UE, impedindo efetivamente a Rússia de entrar fisicamente no Ocidente.

Mesmo uma tentativa ucraniana de adesão à UE parece agora uma meta realista ao alcance. Negócios, como de costume, já não se aplicam em tempos de guerra.

“Momento crítico”

Tudo começou na segunda-feira, 21 de fevereiro, quando o ministro dos Negócios Estrangeiros da Ucrânia, Dmytro Kuleba, viajou até Bruxelas, numa tentativa de pedir aos seus colegas europeus que aplicassem sanções preventivas à Rússia, antes que Putin desse a ordem de invadir o país.

O pedido de ação de Kuleba caiu em ouvidos surdos. “Vamos continuar a apoiar a Ucrânia no momento mais crítico – se isso acontecer”, disse Josep Borrell.

Naquela mesma noite, aquele “momento crítico” aconteceu: quando os ministros da UE concluíram a sua reunião, Putin reconheceu a independência de duas regiões controladas pelos rebeldes no leste da Ucrânia, Donetsk e Luhansk, colocando um fim imediato dos acordos de Minsk.

A condenação internacional rapidamente se seguiu e os temores de uma invasão iminente aumentaram dramaticamente.

No dia seguinte, Borrell apresentou um conjunto de sanções contra 27 indivíduos e entidades do círculo íntimo de Putin, incluindo o ministro da Defesa e o chefe de gabinete, juntamente com os 351 membros da Duma que votaram reconhecer as autoproclamadas repúblicas populares. Sanções financeiras e comerciais também foram introduzidas.

Nesse mesmo dia, o chanceler alemão, Olaf Scholz, tomou a decisão de suspender indefinidamente a certificação do Nord Stream 2, o polémico gasoduto que liga a Rússia e a Alemanha e que se tornou um grande ponto de discórdia entre Berlim e os seus aliados.

Quando as tropas russas entraram no Donbas, os países ocidentais ameaçaram com novas medidas de retaliação, que foram alternativamente descritas como “maciças”, “sem precedentes”, “nunca vistas antes” e até “a mãe de todas as sanções”, deixando os jornalistas a questionar-se o que mais poderia estar por vir.

Na manhã de quinta-feira, a Europa acordou para o maior ataque militar desde a Segunda Guerra Mundial. A história mudou irreversivelmente e a UE também.

“Falar é fácil”

Aquele dia fatídico, 24 de fevereiro, foi um dia de choque, confusão, indignação e tristeza. Mas, entre o horror, surgiu uma resolução renovada.

Atentos à situação sem precedentes que se desenrolava bem próximo à fronteira da UE, os líderes evitaram as suas habituais declarações de “séria preocupação” e começaram a adotar uma retórica mais assertiva, quase beligerante .

“Não permitiremos que o presidente Putin substitua o estado de direito pelo governo da força e crueldade”, disse von der Leyen. “Isto não é apenas contra a Ucrânia, é uma guerra contra a Europa, contra a democracia”, declarou o presidente lituano Gitanas Nausėda. “Falar é fácil. Chega de falar”, disse o primeiro-ministro polaco, Mateusz Morawiecki.

Naquela mesma noite, os líderes voaram para Bruxelas para se reunirem numa cimeira de emergência, onde concordaram em impor outro conjunto de sanções, o segundo em apenas 48 horas.

As penalidades ampliadas atingiram diretamente os setores financeiro, de energia e de transporte da Rússia, aumentaram os controlos de exportação e limitaram a emissão de vistos. Juntas, as medidas visam paralisar 70% do sistema bancário da Rússia para cortar os fundos necessários para financiar a invasão.

O movimento drástico, no entanto, foi rapidamente eclipsado pelos graves desenvolvimentos no terreno. As tropas russas começaram a cercar Kiev, colocando o governo democraticamente eleito do presidente Volodymyr Zelenskyy em risco de ser derrubado da noite para o dia.

Na sexta-feira, poucas horas depois de os líderes terem evitado punir Putin pessoalmente ou expulsar os bancos russos do sistema de pagamentos SWIFT, os ministros fizeram exatamente isso.

Os ativos de Putin foram congelados e a opção SWIFT voltou à mesa , já que países como Itália, Hungria e Alemanha, que antes se opunham a uma medida tão extrema, expressaram uma súbita mudança de opinião.

“Um de nós”

O impulso consolidou-se na noite de sábado, quando a da UE, presidente von der Leyen se dirigiu à imprensa para anunciar um terceiro conjunto de sanções, em coordenação com os EUA, o Reino Unido e o Canadá.

As medidas passam por retirar alguns bancos russos da SWIFT, impedir o Banco Central da Rússia de usar a maior parte do dinheiro em reservas estrangeiras e encerrar a venda de passaportes dourados, um privilégio controverso que os oligarcas russos desfrutaram livremente para fazer negócios em todo o bloco.

“Vamos tornar o mais difícil possível para o Kremlin prosseguir com as suas políticas agressivas”, disse a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen.

No domingo, saiu uma nova série de medidas, a quarta em menos de uma semana: a UE enviará armas letais para a Ucrânia, proibirá aviões russos no seu espaço aéreo e removerá RT e Sputnik das suas ondas de rádio. A Bielorrússia, um país visto como um facilitador do ato de guerra de Putin, também será penalizado.

Independentemente da direção da guerra, a sucessão de mudanças e decisões tão abrangentes em sete dias deve deixar um impacto duradouro na UE como um todo e, particularmente, na sua política externa.

A indulgência e a complacência que caracterizavam os tempos prósperos e varriam os problemas para debaixo do tapete acabaram. A Rússia será simultaneamente um estado pária sob sanções incapacitantes e o maior exportador de energia do bloco, pelo menos no futuro próximo.

A UE que lida com esta realidade precária será mais intransigente e segura de si, atenta aos limites da diplomacia e ao fascínio do poder mais duro e rigoroso. Uma união construída sobre ideais destinados a viver num mundo cruel.

https://multinews.sapo.pt/noticias/como-em-apenas-uma-semana-a-uniao-europeia-mudou-para-sempre/
 
Os seguintes utilizadores agradeceram esta mensagem: HSMW