As instituições militares e o Fenómeno OVNI/UFO

  • 53 Respostas
  • 26332 Visualizações
*

André

  • Investigador
  • *****
  • 3555
  • Recebeu: 2 vez(es)
  • +82/-0
As instituições militares e o Fenómeno OVNI/UFO
« em: Julho 08, 2007, 05:09:14 pm »
Desde principios do séc XX vários exércitos, forças aéreas e marinhas das potências e superpotências e as suas agências de espionagem como a CIA, o KGB ou o MI6 terão escondido naves e supostos tripulantes em bases como Área 51 e os soviéticos numa base nos confins da Sibéria chamada Kapustinya, tendo inclusive Estaline ordenado a força aérea vemelha abater todos os OVNIs que entrassem no espaço aéreo soviete. Os nazis também tiveram metidos, em 1936 na região alemã de Floresta Negra, um OVNI, de origem não terrestre,  tripulado, que aparentemente apresentava uma avaria. À sua aterragem estiveram (estranhamente) presentes altas individualidades como Rudolf Hess, Goering e Henrich Himmler não se sabendo ao certo o que se passou.
No ano seguinte caíu na região alemã de Gdynia, (hoje território da Polónia) um OVNI, de configuração esférica. De imediato, deslocaram-se ao local do impacto forças especiais das SS, acompanhadas por vários cientistas alemães. Os destroços do OVNI foram recolhidos e transportados sob fortes medidas de segurança, para local desconhecido.

Em Portugal a PIDE/DGS tinha dados importantes sobre a queda de um OVNI na serra da Gardunha na década de 60, foram roubados em 1974 dos arquivos da PIDE/DGS e enviados para o KGB em Moscovo nesse mesmo ano, tendo posteriormente, na década de 90 do século XX, surgido à venda na feira da ladra daquela cidade.


Qual é a vossa opnião sob este controverso tema.
Será que são apenas teorias da conspiração ou os governos das potências mundiais escondem alguma coisa.


Batalha de Los Angeles em 1942. Primeiro embate entre humanos e aliens. Um OVNI gigantesco apresentou-se em Los Angeles mas foi bombardeado exaustivamente pela artilharia anti-aérea dos EUA.
Apesar da barragem de fogo intensa o objecto ficou intacto e silenciosamente deslocou-se em total silêncio até desaparecer.
« Última modificação: Novembro 12, 2007, 11:02:06 pm por André »

 

*

Get_It

  • Investigador
  • *****
  • 1975
  • Recebeu: 338 vez(es)
  • Enviou: 456 vez(es)
  • +31/-40
(sem assunto)
« Responder #1 em: Julho 08, 2007, 05:39:03 pm »
Meh. Devo confessar que costumo ficar surpreendido e até entusiasmado quando assisto a programas na televisão, ou quando leio na internet sobre essas teorias, ao ponto de acreditar em muitas delas. Mas depois quando acaba o programa, ou acabo de ler, perco o interesse, e de forma geral não acredito realmente nelas, mas há factos nessas teorias que são verdadeiros e muito interessantes, que merecem ser esclarecidos, e até costumam ser esses factos que dão credibilidade às teorias.

Mas realmente o que interessa? Os governos já mentem-nos o suficiente em coisas mais pequenas para fazerem o que querem. E já temos muito com que nos preocupar sem ser com extraterrestres.

Cumprimentos,
:snip: :snip: :Tanque:
 

*

tito

  • 4
  • +0/-0
Re: As instituições militares e o Fenómeno OVNI
« Responder #2 em: Julho 09, 2007, 02:26:02 pm »
Citar
Os nazis também tiveram metidos, em 1936 na região alemã de Floresta Negra, um OVNI, de origem não terrestre, tripulado, que aparentemente apresentava uma avaria. À sua aterragem estiveram (estranhamente) presentes altas individualidades como Rudolf Hess, Goering e Henrich Himmler não se sabendo ao certo o que se passou.
No ano seguinte caíu na região alemã de Gdynia, (hoje território da Polónia) um OVNI, de configuração esférica. De imediato, deslocaram-se ao local do impacto forças especiais das SS, acompanhadas por vários cientistas alemães. Os destroços do OVNI foram recolhidos e transportados sob fortes medidas de segurança, para local desconhecido.

Ou não...
Recomendo a leitura de http://gppovnis.tripod.com/Artigos/Especial_Antarctida/Antarctida.html.
É uma das minhas teorias preferidas da conspiração, é acerca de haver Nazis na Antartida.
Mentira ou não, é muito mais interessante do que o do balão meteorológico de Roswell :twisted:
 

*

Luso

  • Investigador
  • *****
  • 7908
  • Recebeu: 1001 vez(es)
  • Enviou: 341 vez(es)
  • +498/-3863
(sem assunto)
« Responder #3 em: Julho 09, 2007, 06:14:40 pm »
Ai de ti Lusitânia, que dominarás em todas as nações...
 

*

André

  • Investigador
  • *****
  • 3555
  • Recebeu: 2 vez(es)
  • +82/-0
(sem assunto)
« Responder #4 em: Agosto 05, 2007, 10:45:37 pm »
Foo-fighters

Citar


Durante a Segunda Guerra Mundial, houve vários relatos de pilotos dos aviões militares aliados e do eixo, envolvendo estranhas esferas luminosas que surgiam inesperadamente e costumavam voar em formação, acompanhando os aviões. Normalmente, enquanto esses objectos estavam próximos, os radares de bordo apresentavam falhas.

Esses objectos aéreos desconhecidos eram chamados de Foo-fighters, palavra composta da conjunção da palavra francesa "feu" (fogo) e da palavra inglesa "fighter" (avião caça); embora as fileiras militares também os chamavam de "Krauts fireballs" (bolas de fogo dos "Krauts" – este último termo fazia referência aos alemães), pois acreditava-se que os objectos eram algum dispositivo bélico de procedência nazi. E no transcurso da guerra, foram notificados inúmeros incidentes ao Comando Militar dos aliados.

Na noite de 23 de Novembro de 1944, pilotos da 415ª Esquadra de Caças Nocturnos dos Estados Unidos, baseado no território francês de Dijon, protagonizaram um avistamento envolvendo Foo-fighters. Esta esquadra efectuava missões de combate e reconhecimento sobre a zona do Rim, ao norte de Estrasburgo, e a sua tripulação era formada pelo piloto tenente Ed Schlueter, pelo radialista Donald J. Meirs e pelo tenente Fred Ringwald, oficial da inteligência militar que viajava como observador.

Num dado momento, o tenente Ringwald ficou surpreso ao ver que algumas estrelas distantes haviam se aproximado e converteram-se em esferas luminosas alaranjadas.

Eram em torno de oito a dez objectos pequenos que se movimentavam em altíssimas velocidades e mantinham-se próximas ao avião. O radar de bordo nada acusava tal qual o radar de terra. Subitamente, essas estranhas esferas luminosas desapareceram e, logo em seguida, reapareceram muito mais longe. Poucos minutos depois, elas desapareceram definitivamente.

No dia 27 de Novembro de 1944, dois pilotos americanos, Henry Giblin e Walter Cleary, encontravam-se com uma bola de luz laranja quando voavam nos arredores da cidade de Speyer, na Alemanha, às margens do rio Reno.

O objecto voava a cerca de 400 quilômetros por hora e a cerca de 500 metros sobre o seu avião. Decidiram iniciar uma perseguição ao inusitado objecto e notificaram a estação de radar de terra sobre o fenómeno, que respondeu-lhes não estar a captar absolutamente nada.

O radar de bordo do avião começou a apresentar falhas, levando-os a abortar a missão e a regressar à base.

Em Antuérpia, na Bélgica, em Setembro de 1944, por volta da 21:00 horas, um soldado canadiano observou uma esfera luminosa no céu indo em direcção á fronteira. Ele estimou que o objecto não deveria ter mais que um metro de diâmetro e, ainda, parecia ser feito de vidro fumado. A esfera emitia uma forte iluminação que não parecia vir da sua superfície, mas sim, do seu interior.

Nenhum som foi ouvido. Menos de um minuto após o avistamento da esfera, outras cinco, aparentemente iguais a primeira, também foram avistadas pelo soldado e seguindo a mesma rota.

Mas os Foo-fighters não foram avistados unicamente no cenário europeu da guerra. O fenómeno foi relatado também no Teatro do Pacífico, sobre o Japão e sobre a Lagoa de Truk. Há registros de avistamentos dos Foo-fighters pelas tripulações dos bombardeiros B-29 sobre o Arquipélago Nipon.

No dia 12 de Agosto de 1942, o sargento Stephen Brickner, da Primeira Divisão da Marinha, estava a voar em formação com a sua esquadrilha sobre a ilha de Tulagi, ao sul das Ilhas Salomão.

Por volta das 10:00 horas, uma formação de pelo menos 150 Foo-fighters voavam a uma altura incrível, bem acima das nuvens e sobre a esquadrilha. O sargento Stephen Brickner achou muito difícil serem máquinas japonesas ou alemãs.

Não houve confronto, mesmo porque seria impossível atingi-los pela enorme altitude em que se encontravam. O interessante é que esses veículos pareciam ser esféricos, de cor cinza metálico e giravam em torno de seu próprio eixo.

Terminada a Segunda Guerra Mundial, os Aliados perceberam que não havia o menor fundamento na hipótese de se tratar de alguma espécie de armamento nazi. Na verdade, os Foo-fighters também perseguiam os alemães. Havia bastantes relatos dos pilotos da Luftwaffe sobre essas misteriosas máquinas voadoras que, em 1944, foi criado o projecto secreto de investigação denominado "Sonder Büro nº 13" (Base Especial nº 13).

Este projecto, que se ocultava sob o nome de "Operação Uranus", era composto por oficiais de aviação, engenheiros aeronáuticos e conselheiros científicos. O "Sonder Büro nº 13" tinha o objectivo de recolher, avaliar e estudar os relatórios de observações dos pilotos sobre estranhos objectos voadores que apareciam perto dos aviões alemães e, ainda, voavam com eles em formação durante alguns minutos. Com efeito, parece que os alemães começaram a ver estes estranhos objectos desde 1943, onde os relatórios começaram a chegar ao Estado Maior Superior do Exército do Ar da Alemanha.

A criação deste projecto de pesquisa secreto pelo alto comando militar alemão prova que os Foo-fighters eram um mistério a ser desvendado também para os nazis.

Em 1943, um ano antes da criação do projecto "Sonder Büro nº 13" pelos alemães, os ingleses haviam criado uma pequena organização que tinha o mesmo objectivo. Dirigido pelo tenente general Massey, este projecto britânico foi chamado de "Projeto Massey" e apurou, após um inquérito preliminar, que as luzes que circulavam no meio dos bombardeiros eram flashes provocados com fins psicológicos para desorientar e assustar os pilotos – uma arma psicológica nazi.

O projecto Massey, neste inquérito preliminar, refletia a opinião dos aliados com relação aos objectos aéreos não identificados durante a guerra.

Explicação fornecida por um ex-oficial aviador da USAF, que quis ter sua identidade resguardada porque, na época, ainda trabalhava para uma repartição da USAF. declarada pelo próprio, textualmente para a revista "American Legion Magazine", de Nova Iorque:

"(...) provavelmente os Foo-fighters são o desenvolvimento de uma arma psicológica usada pelos nazis. Durante as missões nocturnas sobre a Alemanha ocidental, eu avistei por várias vezes discos ou globos luminosos que perseguiam as formações aéreas. Como se sabe, os caças nocturnos alemães tinham potentes faróis colocados na proa ou nos cubos das hélices... faróis que tinham a finalidade de apontar para o alvo, para enquadrá-lo melhor, e também para ofuscar as metralhadoras das torres de comando dos bombardeiros inimigos. E esses faróis resultavam em frequentes alarmes que provocavam uma continua tensão nervosa nas tripulações de nossos aviões, baixando o rendimento das suas acções. E no último ano de guerra, os alemães enviaram contra nós um certo número de corpos luminosos aéreos radio-comandados para perturbar o dispositivo de ascensão dos motores e o funcionamento do radar de bordo".

Esta é uma das raras fontes que indicava a certeza das fileiras militares de que os foo-fighters eram uma arma secreta alemã – ignorando que os próprios alemães também eram incomodados pelo mesmo fenómeno, a ponto de criar um projecto especial para lidar com o assunto.

Outros comentários de oficiais dos Serviços Secretos para a revista "American Legion Magazine" sugeriam que o fenómento dos Foo-fighters nada mais era que aparelhos radio-controlados que os alemães enviavam para interferir nos radares aliados durante os bombardeamentos nocturnos.

Porém, o "Projecto Massey" progrediu nas suas investigações e, através de um espião infiltrado na Alemanha, foi descoberto que os Foo-fighters não eram dispositivos alemães, pois os próprios nazis cogitavam a possibilidade de serem dispositivos bélicos aliados.

Um ano depois, em 1944, o "Projecto Massey" foi extinto pelos ingleses – coincidindo com o facto de que o agente duplo foi denunciado e executado pelos alemães na primavera daquele ano.

De qualquer forma, surgiram outras explicações para o fenómeno.

No dia 01 de Janeiro de 1945, o editor científico da "Associated Press", Howard W. Blakes, numa entrevista radiofônica, disse que os Foo-fighters eram apenas o fenómeno dos "Fogos de Santelmo". Ou seja: luzes naturais produzidas por indução eletrostáctica das asas e extremidades dos aviões. Segundo Howard W. Blakes, como não eram objectos materiais, eles não poderiam aparecer mesmo nos monitores dos radares, tal e qual os relatórios militares afirmavam.

Dentre aqueles que defendem que os Foo-fighters eram armas secretas alemãs, sobressai o nome de Renato Vesco, um engenheiro aeronáutico e escritor alemão. Segundo Vesco, os Foo-fighters eram veículos voadores não tripulados com o nome código de "Feuerball".

A principal finalidade desses engenhos era interferir nos radares aliados através da ionização da atmosfera obtido a partir de fortes campos electrostáticos e impulsos eletromagnéticos gerados por válvulas Klystron. Controlados a partir de terra via rádio, a propulsão era retirada de um motor de reacção – um tipo especial e secreto e que era a causa do halo luminoso que daria ao engenho o nome de "Feuerball" (bola de fogo).

Será que os Foo-fighters eram realmente uma arma secreta nazi, Fogos de Santelmo ou uma manifestação do fenómeno ovni na Segunda Guerra Mundial?

O facto é que, terminada a guerra, o fenómeno das "esferas luminosas" continuou e ainda continua a manifestar-se em diversas circunstâncias ao redor do mundo...

 

*

André

  • Investigador
  • *****
  • 3555
  • Recebeu: 2 vez(es)
  • +82/-0
(sem assunto)
« Responder #5 em: Agosto 14, 2007, 07:54:35 pm »
Área 51



Citar
A área que se localiza a 190 km ao noroeste de Las Vegas, no Deserto de Nevada, nos Estados Unidos, não consta nos mapas oficiais. Possui estradas pavimentadas, riachos, montanhas, edifícios e uma pista de 9,5 km que ocupam aproximadamente 10.000 km², mas oficialmente não existe.

O acesso a ela é completamente proibido e os cartazes advertem que aquele que ultrapassar os seus limites estará sujeito a uma multa de 6.000 dólares e uma pena de até um ano de prisão. O seu espaço aéreo é o mais inviolável dos EUA. Trata-se do Polígono de Tiro e de Testes Nucleares de Nellis, conhecido como Área 51. Fundada em 1954 para ser uma base secreta para desenvolvimento de aviões de espionagem, ainda hoje é a sede de alguns dos mais revolucionários projetos americanos. Foi lá que o bombardeiro "stealth" Northrop B-2 foi testado, entre outros aviões de tecnologia nada convencionais e a sua existência foi mantida em sigilo absoluto pela Força Aérea norte-americana até 1994, por envolver avançada tecnologia militar.

Alguns acreditam que nesta base estão guardados os segredos da tecnologia adquirida com o estudo de objetos voadores não identificados (OVNIS), capturados intactos e escondidos num complexo subterrâneo chamado S-4. Testemunhas dizem que ao cair da noite muitas luzes são vistas na região, em movimentos muito rápidos.

Especialistas em aviação sustentam que pelo menos oito "Black Programs", que são projetos secretos do Governo como o "Aurora", estão em testes na Área 51. Possuem impressionantes manobrabilidade e velocidade, além de serem super silenciosos, o que leva muitos a achar que estão vendo discos voadores. Ou será que não?

 

*

André

  • Investigador
  • *****
  • 3555
  • Recebeu: 2 vez(es)
  • +82/-0
(sem assunto)
« Responder #6 em: Setembro 02, 2007, 12:41:32 am »
Batalha entre OVNIs no Canadá

Citar
No dia 2 de Julho de 2007 na região de Kelowna na Columbia Britânica, numerosas testemunhas oculares em diferentes partes de Kelowa viram uma nave em forma de cilindro, com aquilo que se parecia com barbatanas e em fogo e que rasgou os céus e finalmente foi embater e mergulhar nas águas do Lago Okanagan da Columbia Britânica.

O som do seu embate foi incrivelmente alto como um profundo baixo e um som bum, bum, bum, ouviu-se assim que ele desceu.

O mesmo objecto veio depois a reaparecer onde tinha desaparecido no lago e depois elevou-se até ao céu onde ficou a pairar. Entretanto um outro objecto triangular ou em forma de cone ficou estacionado a curta distância do outro objecto cilíndrico.

O que ocorreu a seguir deixou estupefactas todas as testemunhas que tinham estado a observar o desenrolar do acontecimento. Os dois objectos começaram a reagir um contra o outro e a melhor descrição dada pelas testemunhas era como olhar para o traço de fogo das armas automáticas, dando a impressão que o dois Ovnis estavam a disparar um sobre o outro.

Após curto tempo desta batalha ouviu-se um grande estrondo e o artefacto em forma de cone desapareceu da vista das testemunhas em terra.

O objecto em forma de torpedo estava agora ainda a pairar no céu e começou a mover-se de um lado para o outro e depois ouvia-se um enorme som “boom” e desapareceu também.

Escusado será dizer, algumas testemunhas gritavam alto e outras caíam por terra, depois de verem um acontecimento tão pouco usual desenrolar-se na frente dos seus olhos.

Alguns outro acontecimentos deram-se não muito depois desta batalha de Ovnis. Um avião AWAC da Nato sobrevoou algumas vezes o aeroporto de Kelowna.

Quando o director de operações desse aeroporto, James Hall, foi contactado, confirmou que o avião da Nato que voou por cima do aeroporto, era realmente um Boeing modificado 707 AWAC. Também confirmou que não era do seu conhecimento as operações ou qualquer planos militares. Numerosos helicópteros desconhecidos foram vistos perto daquela área, mais do que o normal tráfego de helicópteros que se veria naquela área.

Também caças F-18 foram filmados deixando o aeroporto de Kelowa mas não há uma correlação com a batalha dos ovnis por cima do Lago Okanagan. Devemos manter a mente aberta sobre a cadeia de acontecimentos e esperar por mais explicações para este caso.
Uma das testemunhas fez um desenho em computador representativo daquela batalha entre os ovnis.


Mais informações:

http://www.americanchronicle.com/articl ... leID=36243

http://www.ufobc.ca/History/1990/kelowna.htm

http://www.unexplained-mysteries.com/fo ... id=1781328

http://www.newbranes.com/encounters/ali ... h-poachers

 

*

Benny

  • Perito
  • **
  • 365
  • Recebeu: 1 vez(es)
  • +0/-0
(sem assunto)
« Responder #7 em: Setembro 11, 2007, 11:09:05 am »
Batalhas de OVNIS? Nazis na Antártida? Ovnis na floresta negra? A PIDE foi buscar um Ovni caído na serra da Gardunha?  O Benfica vai ganhar o campeonato?

É evidente que 95% do que se ouve sobre este assunto são completos disparates, mitos sem fundamento que vão circulando, fraudes ou enganos razoáveis. O que interessa é distinguir os restantes 5%.

Um dos casos mais intrigantes, sólidos e credíveis (ao contrário do famoso caso de Roswell), que envolve militares, é o da base aérea de Rendlesham, no Reino Unido, no início da década de 80.

Qualquer busca no google permite obter informação sobre este caso. Até estão disponíveis os ficheiros de audio, em MP3, com a gravação das conversas da equipa de militares que saíu para investigar o fenómeno.

Benny
 

*

André

  • Investigador
  • *****
  • 3555
  • Recebeu: 2 vez(es)
  • +82/-0
(sem assunto)
« Responder #8 em: Setembro 11, 2007, 05:03:56 pm »
Citação de: "Benny"
Batalhas de OVNIS? Nazis na Antártida? Ovnis na floresta negra? A PIDE foi buscar um Ovni caído na serra da Gardunha?  O Benfica vai ganhar o campeonato?

É evidente que 95% do que se ouve sobre este assunto são completos disparates, mitos sem fundamento que vão circulando, fraudes ou enganos razoáveis. O que interessa é distinguir os restantes 5%.

Um dos casos mais intrigantes, sólidos e credíveis (ao contrário do famoso caso de Roswell), que envolve militares, é o da base aérea de Rendlesham, no Reino Unido, no início da década de 80.

Qualquer busca no google permite obter informação sobre este caso. Até estão disponíveis os ficheiros de audio, em MP3, com a gravação das conversas da equipa de militares que saíu para investigar o fenómeno.

Benny


E o que achas sobre a Batalha de Los Angeles, também foi um caso muito intrigante, sólido e credível em plena Segunda Guerra Mundial.  :?:

 

*

Benny

  • Perito
  • **
  • 365
  • Recebeu: 1 vez(es)
  • +0/-0
(sem assunto)
« Responder #9 em: Setembro 11, 2007, 05:24:56 pm »
Incompetência e pânico de guerra? Balões de defesa? Só trinta anos mais tarde é que surgiu a teoria do OVNI.

Benny
 

*

AÇOREANO

  • 2
  • +0/-0
(sem assunto)
« Responder #10 em: Setembro 11, 2007, 05:37:16 pm »
Não sou apologista das "teorias da conspiração", mas existem evidencias que me deixam curioso.
 Um dos sitios em Portugal onde existem mais relatos de "observações" de OVNIS são os Açores, principalmente a Terceira, onde vivo. Curiosamente é onde está instalada a base norte-americana, nas Lajes. E curiosamente, a maior parte dos relatos (tanto os que são publicos, como aqueles que só se dizem aos amigos), aconteceram "perto" das instalações militares norte-americanas que existiam no interior da ilha.
 

*

Benny

  • Perito
  • **
  • 365
  • Recebeu: 1 vez(es)
  • +0/-0
(sem assunto)
« Responder #11 em: Setembro 11, 2007, 05:52:28 pm »
Não me admira nada que haja muita confusão entre aviões e ovnis. Sendo uma base com algum movimento, não é de estranhar que corram histórias deste género.

Actualmente nenhum Governo tem a capacidade necessária para guardar segredos... E é evidente que nunca existiu nenhuma conspiração envolvendo dezenas de governos, com centenas de milhar de pessoas, ao longo de mais de meio século!

Mas é importante sermos curiosos. Estou certo de que há casos - mesmo antigos - bastante sólidos, com inúmeras testemunhas e sem explicação científica credível.

Benny
 

*

AÇOREANO

  • 2
  • +0/-0
(sem assunto)
« Responder #12 em: Setembro 11, 2007, 06:13:17 pm »
Os relatos não se referem à base das Lajes propriamente dita, mas sim de instalações militares (areas reservadas onde existiam alguns bunker, que a opinião publica dizia que encerravam armas nucleares) ???. Estas instalações estavam no interior da ilha, uma zona desabitada e  muito irregular que nao permite a aterragem de aviões, mas permitiria de um helicoptero. Acontece que quase todas as testemunhas referem aspecto circular e AUSENCIA DE RUIDO.
 Há uns 12 anos atras tive oportunidade, junto com uns amigos de ver um objecto estranho a sobrevoar um monte virado para a cidade, vindo do interior da ilha, e fazendo manobras muito perto desse monte, impossiveis para um avião e perigosas para um helicopero. Apesar de serem 23horas, estar uma noite mt calma e de estarmos a apenas 1,5 a 2km do sitio, não ouvimos qualquer ruido. O obejcto tinha 2 focus de luz (já não me lembro das cores), mas quando passou do monte ficou completamente branco e acelarou. Corremos até um sitio para melhor observar e vimos que o mesmo já se encontrava sobre um outro monte a uns 5 kms e q parecia estar parado no ar, apresentando novamente as 2 cores.
 

*

André

  • Investigador
  • *****
  • 3555
  • Recebeu: 2 vez(es)
  • +82/-0
(sem assunto)
« Responder #13 em: Setembro 20, 2007, 01:28:08 am »
Batalha entre Ovnis sobre base aérea na Rússia

Citar
Centenas de pessoas, incluindo jornalistas e militares, prsesenciaram uma impressionante batalha aérea entre vários objectos voadores não identificados sobre uma base militar situada nas imediações de Serov, na Russia. Segundo o jornalista polaco Igos Wwroclawski que estava entre as testemunhas este episódio ocorreu em 11 de Maio de 2001. Várias das naves desconhecidas parecem ter sido atingidas na batalha, que durou cerca de 10 minutos.

A informação só veio a público em Setembro de 2001.

Os radares detectaram dois grupos de ovnis invadindo o espaço aéreo russo. Um grupo vinha de nordeste e o outro de leste. Foi dado alerta geral e a Força Aérea Russa, ficou em estado de alerta.
Em dado momento dezenas de objectos com forma discóide erma vistos no céu. Eram grandes e estavam aproximadamente a dois quilómetros de uma base aérea.

O que mais impressionou e assustou foi que os supostos discos voadores estavam guerreando entre si. Disparavam raios uns contra os outros. O ruído desses raios lembrava trovões muito fortes. Á medida que a batalha acontecia, as naves iam-se distanciando em direcção a sul, até desaparecerem da vista e dos radares.

Wroclawski garante que fotografou parte desta batalha, mas o material foi confiscado pelos militares. O governo Russo nega o episódio e não se falou mais no assunto.

 

*

Benny

  • Perito
  • **
  • 365
  • Recebeu: 1 vez(es)
  • +0/-0
(sem assunto)
« Responder #14 em: Setembro 28, 2007, 10:29:49 pm »
Aí está o tipo de notícia que descredibiliza automáticamente quem quer que se queira aproximar de um estudo mínimamente sério de alguns (poucos) fenómenos que realmente merecem mais do que uma gargakhada ou um encolher de ombros.

Benny