Iraque a ferro e fogo

  • 1459 Respostas
  • 329434 Visualizações
*

europatriota

  • 118
  • +0/-0
(sem assunto)
« Responder #120 em: Junho 15, 2004, 05:26:26 pm »
Caros amigos:

Procurei a notícia da La Razón (é a segundo jornal da direita mais importante em Espanha, depois do El Mundo, e não um "pasquim falangista" :) ) do dia 11 de Junho.  Ainda que um ou outro detalhe possa não ser inteiramente exacto, parece-me impossível que algo não tenha acontecido...

Aqui está a notícia:

"
Citar
viernes 11 de junio de 2004
Tropas aliadas se mofaron de las españolas en su retirada con insultos, cacareos y huevos de gallina

Portugueses y polacos, con banderas blancas, se burlaban de la Legión camino de Kuwait La enseña nacional fue quitada de la puerta de Base España ocho días antes de empezar el repliegue El cuartel español sufrió constantes cortes de luz y agua cuando comenzó la retirada

Los militares españoles que se encargaron del repliegue se limitaban a cumplir órdenes, y de verdad que las cumplieron, con celeridad y profesionalidad. Pero su retirada de Iraq no fue entendida ni bien vista por los contingentes de otros países, que, mientras los españoles abandonaban Diwaniya camino a Kuwait, les insultaron y se burlaron de ellos. Según ha podido saber LA RAZÓN, efectivos de los contingentes polaco y portugués «despidieron» a las tropas españolas enseñándoles banderas blancas en señal de burla, cacareando a los legionarios y lanzándoles huevos. La tropa española se retiró «llorando», según algunos de sus miembros, y también tuvo que soportar ocasionales burlas de soldados sudamericanos.

Las tropas españolas no fueron despedidas por las polacas y portuguesas con tan buenas maneras como la mujer de la imagen

Diego Mazón
Madrid- El repliegue de las tropas españolas de Iraq ha estado siempre rodeado de un mutismo y un hermetismo que hacía difícil saber cómo y en qué condiciones se estaba produciendo, cuáles eran las sensaciones de los soldados, o cómo fue recibida la retirada por parte de los otros países presentes allí. Pues no todo fue un camino de rosas, según ha podido saber LA RAZÓN de militares que participaron en aquel repliegue, aunque por raciones obvias se mantiene en el anonimato su nombre y su graduación.
   Con la salida de los últimos efectivos del Contingente de Apoyo al Repliegue de Diwaniya se cerraba una retirada prometida una y mil veces durante la campaña electoral por el entonces candidato socialista. Pero el camino a Kuwait del último contingente iba a resultar, cuando menos, denigrante para algunos de los integrantes del contingente español. Muchos de los miembros de la coalición no entendieron la salida de las tropas españolas, y tampoco que éstas cumplían órdenes de su Gobierno, por lo que la tomaron con los soldados. Antes de que llegaran a la frontera kuwaití, las tropas españolas fueron insultadas y vilipendiadas por soldados portugueses, polacos, y algunos sudamericanos, que les mostraban banderas blancas, les cacareaban a su paso e incluso les llegaron a tirar huevos de gallina, según han confirmado a este periódico fuentes militares. Miembros del contingente de tropas sudamericanas también les mostraban el dedo medio y les insultaban, aunque sus burlas fueron menos frecuentes que las de polacos y portugueses.
   Llorando. Después de que el presidente del Gobierno, José Luis Rodríguez Zapatero, ordenase, nada más alcanzar la presidencia, la retirada de las tropas de Iraq, los militares españoles se pusieron manos a la obra para cumplir la orden. Y en menos tiempo de lo esperado, las tropas abandonaban el campamento de Diwaniya, «llorando, con la sensación de irnos con el rabo entre las piernas». Se limitaban a cumplir órdenes.
   Dada la orden, y ocho días antes de que comenzara el repliegue propiamente dicho, la bandera española desapareció de la puerta de Base España, para sorpresa de las tropas. Otro mástil fue instalado en las dependencias interiores del acuartelamiento, para poder cumplir con el arriado diario de la enseña nacional.
   Una vez comenzada la retirada, un grupo de americanos comenzó a tomar posiciones en la antigua base española, deparando una nueva sorpresa al contingente. En vez de una agrupación de marines, entraron en la base trescientos reservistas norteamericanos, que rondaban los cincuenta años, pertenecientes a una unidad de transmisiones, vestidos con camisetas deportivas y pantalones cortos. Días después de la entrada de los reservistas comenzaron a llegar miembros de una unidad del segundo regimiento acorazado de caballería americana, en su mayoría hispanos, para tomar posiciones dentro de la base.
   Aunque las citadas fuentes señalan que la despedida de los norteamericanos fue correcta, otras fuentes indican que algunos soldados del Ejército estadounidense reprodujeron las burlas a los españoles en el puerto de Kuwait, cuando el contingente encargado del repliegue se preparaba para partir hacia España.
   Cortes de luz. A partir del día dieciocho de mayo, ya en plena operación de repliegue, la base española comenzó a sufrir cortes de luz, de teléfono y de agua, aunque estos últimos no supusieron un problema, dado que el contingente español tenía almacenada suficiente agua. Estos cortes, cuya autoría se desconoce, se mantuvieron durante todo el tiempo que duró el repliegue.
   Las fuentes consultadas por este diario señalaron asimismo que la relación de los españoles con los iraquíes era buena, y que nunca hubo problemas con los oriundos, que incluso hacían servicios dentro de la base, aunque éstos fueran, en ocasiones, menos efectivos de lo esperado. Por ejemplo, un iraquí acudía cada cuatro o cinco días a limpiar las letrinas de Base España, intervalo demasiado amplio para mantener la higiene adecuada, y otro se hizo cargo del supermercado norteamericano cuando estos asumieron el mando de la base anteriormente ocupada por las tropas españolas"
 
 
A Grande Europa, respeitadora do direito internacional, da dignidade dos povos e da paz mundial deve unir-se, rearmar-se e liderar o mundo rumo à Paz Perpétua kantiana
 

*

europatriota

  • 118
  • +0/-0
(sem assunto)
« Responder #121 em: Junho 15, 2004, 05:34:43 pm »
Amigo Tiger, on se calme ! :lol:

Ainda hoje li que tinham pedido ao "governo" (fantoche) iraquiano que concedesse a imunidade judicial aos 20.000 mercenários (fazem de tudo, até torturas...) civis americanos que estão no país...

Decididamente, na "democracia" à americana, nem todos são iguais perante a lei, como na EUROPA !

De qualquer modo, penso que você deve estar a receber um aviso do nosso moderador... :)
A Grande Europa, respeitadora do direito internacional, da dignidade dos povos e da paz mundial deve unir-se, rearmar-se e liderar o mundo rumo à Paz Perpétua kantiana
 

*

Ricardo Nunes

  • Investigador
  • *****
  • 1256
  • Recebeu: 4 vez(es)
  • Enviou: 5 vez(es)
  • +3/-0
    • http://www.falcoes.net/9gs
(sem assunto)
« Responder #122 em: Junho 15, 2004, 05:40:03 pm »
Citar
Decididamente, na "democracia" à americana, nem todos são iguais perante a lei, como na EUROPA !


 :lol:  :lol:

Peço desculpa, não evitei o riso. Como é bom ser ingénuo. Tenho saudades do tempo em que eu o era.
Ricardo Nunes
www.forum9gs.net
 

*

papatango

  • Investigador
  • *****
  • 7639
  • Recebeu: 1041 vez(es)
  • +4770/-947
(sem assunto)
« Responder #123 em: Junho 15, 2004, 05:41:15 pm »
Citar
Primeiro: não está em causa a democracia no Iraque
Errado: É exactamente a Democracía que está em causa. Não há nenhuma Democracía árabe. Uma democracia num pais que é 80% árabe, será uma grande vitória. Por isso é que muito regime dictatorial da região está aflito.

Não há nenhuma relação entre a Palestina e o Saddam. A não ser o facto de o Saddam dar uns dolares ás familias dos terroristas fanáticos (grandes democratas) que se rebentavam contra autocarros de crianças que ía para a escola (crianças imperialistas, sionistas, claro).

Uma democracía na região, é um incomodo, porque o povo árabe, não sabe o que é esse bicho e é  conduzido pelas TVI’s lá do sitio a acreditar que todo o ocidente é decadente  e sexualmente depravado.

O Petroleo, é um argumento interessante (embora não passe de um bom argumento) para criar a ideia de que a democracia é uma coisa má, e que por trás dela estão as grandes empresas americanas. Alias, o interesse principal dos árabes também é o petroleo, e o interesse principal dos franceses (grande povo benemérito) é igualmente o petroleo. A oposição francesa á guerra no Iraque, é uma oposição “subsidiada” pelas petroliferas francesas. Os franceses são um povo de mercenários, tanto negoceiam com Hitler, como criam a capacidade nuclear de Israel, como vendem tecnologia nuclear ou armas ao Iraque.

Já havia petroleo no Iraque antes do Sharon, Já havia fundamentalismo wahabita no século XIX, ainda nem se pensava em criar um estado de Israel. Argumentos há-os como os chapéus, há muitos. O argumento do petróleo, é apenas mais um.


Citar
Mas vamos a um exemplo: durante a ditadura salazarista, nós que por hipótese tínhamos muito petróleo, eramos invadidos por americanos...

Uma comparação impossível, e é aqui que reside o cerne do seu erro de interpretação. Nós não tinhamos uma ditadura com as características da ditadura do Saddam. Ao contrário do Iraque, somos um estado unitário, por isso, grande parte dos dispositivos repressivos iraquianos que se destinaram a conter os Curdos e os Chiitas, não existiam em Portugal. Portanto, as razões para a invasão, não poderiam ocorrer, porque o problema não é o petroleo, é o regime despótico assassino. Lembre-se dos milhares que o Saddam matou. Era como se o Salazar tivesse mandado lançar gás de mostarda sobre a cidade da Guarda, por exemplo.
No Iraque, os Chiitas e os Sunitas, não consideraram isso um grande problema, mas em Portugal, os portugueses sentiriam isso de uma forma diferente.

Acha que se alguém entrasse em Portugal para depôr um homem capaz de assassinar 15.000 portugueses, ía ser  muito mal recebido? O senhor vive onde?
O periodo de transição para a democracía no Iraque é inferior ao periodo de transição entre 25 de  Abril de 1974 e 25 de Abril de 1976 quando ocorreram as primeiras eleições para a Assembleia da Republica. Quer ainda mais rapidez?

Citar
Sabe que as invasões francesas também nos queriam impôr "as luzes e o liberalismo" ?

Ó Sr. europatriota...
Sabe que nesse tempo o governo da nação estava no Rio de Janeiro?
Sabe que o país estava ocupado pelos ingleses?
Que eu saiba, não costumamos atacar aqueles que nos vêm ajudar, mesmo que para defender os seus proprios interesses. QUANTAS VEZES ATACÁMOS OS INGLESES?
Os Ingleses também eram um exercito de ocupação, ou não ?
O povo sempre soube entender e distinguir amigo de inimigo, mesmo que os “amigos” ás vezes não sejam perfeitos.

Um pedacinho de estudo de história não lhe faria mal nenhum.


Citar
Conclusão: a resistência iraquiana defende heróicamente a sua Pátria...

É a sua conclusão, que do meu ponto de vista se baseia em pressupostos errados, no entanto respeito-a

Eu concluo que um grupo de terroristas, gente sem futuro e que sabe que não vai ter “cabidela” no futuro Iraque, faz tudo para matar, desorganizar e levar o desespero a todas as casas, porque gente desesperada é mais facil de conduzir.

Nada é tão bom para os terroristas, como gente aterrorizada, assustada e facilmente impressionável. Contra isso há que manter o sangue frio, continuar em frente, com a certeza de que quem se bate por convicções, mesmo que com muitas pedras pelo caminho, acaba sempre por vencer quem se bate em nome de preconceitos religiosos. Acaba sempre por vencer quem em nome de um fanatismo suicida, é capaz de assassinar crianças em nome de um Deus, que os mandará para o inferno, se alguma vez chegarem á sua presença.

Citar
Acresce que 70% dos portugueses criticaram violentamente a invasão do Iraque


Há sondagens para todos os gostos e depende da pergunta, e da forma de colocação da pergunta, também já houve sondagens realizadas, em que 52% das pessoas achavam que a GNR se devería manter. A forma de colocar a pergunta é absolutamente condicionante numa sondagem, portanto essa sondagem que aponta serve apenas para justificar os seus pontos de vista, só isso e nada mais que isso.

Eu naturalmente não discuto qual é a sua pátria, mas a minha, garanto que não é a Europa, o que aliás nem sei o que é nem para que serve. Sei no entanto que normalmente, durante toda a nossa história  essa sua amada Europa só serviu para nos roubar, para nos explorar e para nos dar umas esmolas com a união europeia, como se séculos de roubos pagassem umas quantas migalhas. Essa sua Europa apoiava os chamados movimentos “de libertação” para mais facilmente poder explorar os territorios que eram portugueses. Essa sua Europa, que no caso da sua amada França continua descaradamente a ter colonias como por exemplo a Guiana - sem que agora ninguém se levante contra a tirania - que faz com que parte da população autoctone tenha um nivel de vida 90% inferior aos colonos franceses.

Essa sua querida Europa tem muito que se lhe diga, e tem muito, mas muito que andar para nos convencer que quem nos explorou durante séculos, de repente virou santo, e que tem a mais pequena legitimidade para me dizer que, porque sou europeu, tenho que obedecer ás instruções de algum Frances, ou Alemão. Em Nuremberga, recorde-se foram julgados os homens que também queriam uma Europa que duraría mil anos.

Chamavam-lhe III Reich.

Cumprimentos
É muito mais fácil enganar uma pessoa, que explicar-lhe que foi enganada ...
 

*

Tiger22

  • Perito
  • **
  • 566
  • +1/-0
(sem assunto)
« Responder #124 em: Junho 15, 2004, 05:50:14 pm »
A questão do TPI é muito simples.
 Os Europeus aceitam-no e os americanos não pelo simples facto de que na hora da verdade só eles é que avançam (como foi o caso da ex-Jugoslavia onde a atitude cobarde dos europatriotas permitiu a chacina de milhares de pessoas inocentes) enquanto os europatriotas (ou europeus) preferiam ver o conflito em directo através da CNN sentados no sofá, mas intervir... naaa ta queto… que vão eles. E é obvio que quem anda a chuva é quem precisa do guarda-chuva não é quem fica em casa no quentinho da lareira…
"you're either with us, or you're with the terrorists."
 
-George W. Bush-
 

*

papatango

  • Investigador
  • *****
  • 7639
  • Recebeu: 1041 vez(es)
  • +4770/-947
(sem assunto)
« Responder #125 em: Junho 15, 2004, 05:53:27 pm »
Citação de: "Europatriota"
Procurei a notícia da La Razón (é a segundo jornal da direita mais importante em Espanha, depois do El Mundo, e não um "pasquim falangista"  ) do dia 11 de Junho. Ainda que um ou outro detalhe possa não ser inteiramente exacto, parece-me impossível que algo não tenha acontecido...


Fico esclarecido com as suas certezas sobre o mau comportamento dos militares portugueses.

O senhor dá crédito a um pasquim que passa o tempo a dizer mentiras - e quando pode a insultar  Portugal. Quando tal publicação vomita uma mentira (e é mentira até que uma fonte independente o confirme) - que é objectivamente um insulto aos militares portugueses - o senhor imediatamente acredita e assume que quando uma folhe Castelhana diz quanquer coisa contra Portugal, está automaticamente certa.

Já entendi qual é o seu sentido patriotico.

Cumprimentos
É muito mais fácil enganar uma pessoa, que explicar-lhe que foi enganada ...
 

*

NVF

  • Investigador
  • *****
  • 5445
  • Recebeu: 4094 vez(es)
  • Enviou: 10690 vez(es)
  • +8486/-248
(sem assunto)
« Responder #126 em: Junho 15, 2004, 06:15:16 pm »
Até parece que voltámos ao tempo pré-guerra  :mrgreen:

Este maniqueísmo dos imperialistas/usurpadores vs terroristas/fundamentalistas fazem-me uma confusão!
« Última modificação: Junho 16, 2004, 05:20:35 pm por NVF »
Talent de ne rien faire
 

*

europatriota

  • 118
  • +0/-0
(sem assunto)
« Responder #127 em: Junho 15, 2004, 06:42:01 pm »
Caro Ricardo Nunes,

Sobre a questão da dívida iraquiana à França: primeiro, uma democracia não perdoa dívidas (pelo menos totalmente) a países riquíssimos como o Iraque. O problema deste é ser SOBERANO e não ocupado por inimigos da Nação árabe, como os nazis bushistas, protectores do carniceiro e ladrão de terras SSharon.  Não é dinheiro (a não ser os biliões roubados pelos americanos...). Os perdões de dívidas são para países africanos e outros verdadeiramente necessitados. Depois, um perdão de 50% poderia ser aceite, mas a um governo democrático e legítimo do Iraque não a um "governo" fantoche sem qualquer representatividade popular, composto de agentes da CIA e que sem proteção da soldadesca ocupante  seria justiçado na rua em 24 horas.

Aliás, o dinheiro que a França perdoaria só serviria para pagar os 1000 dólares diários que os 20.000 mercenários chulam no Iraque (6.000 contos por mês cada !!!), além do petróleo roubado e dos contratos milionários concedidos "livremente" apenas a companhias americanas. Se julgam que a Europa ia ajudar os ALI Babas neocons  a saquearem mais o Iraque, podem tirar o cavalinho da chuva...

Ora, a resistëncia iraquiana está farta de exigir eleições. Mas, os "democráticos" EEUU preferem "governos" fantoches porque receiam um governo democrático iraquiano, que segundo as últimas sondagens será inevitavelmente presidido por Al Sadr (graças aos americanos... que o transformaram num herói nacional !). Sobre democracia...estamos falados !

Sobre a Europa e Portugal. Temos há 12 anos duas nacionalidades que se sobrepõem: a europeia e a portuguesa. Não repararam nos vossos passaportes iguais aos de qualquer concidadão europeu (da União) ? Nem nas bandeiras europeias em todas as cerimónias oficiais e edifícios públicos ? E viram aí alguma americana ?  Sabem que um francês não é estrangeiro em Portugal e vice-versa ? Pois, basta-lhe ter um B.I. Já um americano precisa de passaporte...porque é estrangeiro. Não seria melhor conhecerem mais as leis da Nossa Pátria Europeia e Portuguesa ?
E é óbvio que o Todo precede a parte. Sou europeu, português e portuense. Ou deveria dizer na ordem inversa ? Não, L'Europe d'abord ! Europe first !
 

Israel uma democracia ? Bem, então também a Africa do Sul pré-Mandela também era uma "democracia dessas". Os brancos tinham partidos eleições e liberdade para eles. A Maioria negra via o "one man, one vote" pelo canudo... tal como na Palestina, os residentes actuais ou exilados de religião muçulmana e cristã (7 milhões) não têm direito de voto nem direito à nacionalidade (excepto uma minoria de 1,2 milhões, de cidadãos árabes israelitas de 2ª classe, que não podem viver onde querem nem integrar as forças armadas...), são remetidos para bantustões cada vez mais pequenos devido a constantes roubos de terras pela "raça eleita" (os judeus). Democracia ? Are you kidding ?

Democracia só haverá quando o estado fundamentalista e teocrático sionista for aniquilado pela Nação árabe em armas e substituido por uma Palestina democrática e laica para palestinianos muçulmanos, judeus (não nazi-sionistas) e cristãos de boa vontade, com base no princípio one man, one vote. Se a maioria for muçulmana, como é provável, o governo será de maioria muçulmana. tal como na A. do Sul o governo é de maioria negra. Democracia oblige...

Sobre o ocupação do Iraque: você diz que não é ocupação... Não será melhor ouvir a opinião dos iraquianos que exigem TODOS o fim da ocupação ? Até o colaboracionista Chalabi (Let my people go!) ! Qualquer governo saído de umas eleições ordenará a saída imediata dos terroristas--torcionários-ladrões de petróleo americanos do país... Essa é a verdade que todos os jornalistas estrangeiros testemunham no dia a dia no Iraque ! Logo, há ocupação assassina e rapina de riquezas, e por isso há RESISTÊNCIA ! Os EEUU regressarão do Iraque com uma lição, tal como do Vietname... pode escrever...

Saudações europatrióticas ! Rule Europe ! Bibauropa !
A Grande Europa, respeitadora do direito internacional, da dignidade dos povos e da paz mundial deve unir-se, rearmar-se e liderar o mundo rumo à Paz Perpétua kantiana
 

*

komet

  • Investigador
  • *****
  • 1662
  • Recebeu: 1 vez(es)
  • +0/-1
(sem assunto)
« Responder #128 em: Junho 15, 2004, 06:49:53 pm »
Citar
Sou europeu, português e portuense. Ou deveria dizer na ordem inversa ? Não, L'Europe d'abord ! Europe first !

Muito antes de haver o conceito de união europeia, já existamos como nação, e é nesses tempos que sinto orgulho, não sei onde está o orgulho lusitano desde que entramos na UE...

Citar
Decididamente, na "democracia" à americana, nem todos são iguais perante a lei, como na EUROPA !


Ou você vive num bunker ou então.. foi uma boa piada.
"History is always written by who wins the war..."
 

*

europatriota

  • 118
  • +0/-0
(sem assunto)
« Responder #129 em: Junho 15, 2004, 06:57:34 pm »
Caro Tiger 22:

Já percebemos todos que democracia e o Estado-de-direito não são o seu forte... :)

Porque, de facto, em democracia há princípios incontornáveis, e um deles é seguramente o da igualdade de todos perante a lei. Em muitos países está mesmo escrito nos tribunais... sem isso, não há democracia ! É tão simples como isso, e todas as cambalhotas jurídicas são inúteis...

Um estado que não assina o tratado que institui o TPI NÃO É DEMOCRÁTICO ! E o caso agrava-se se essse estado nega estar vinculado a todo o direito internacional e a todos os tratados ratificados (sobre o ambiente, as armas nucleares, as minas pessoais, a tortura, os prisioneiros de guerra, etc.). Foi assim que começou Hitler... também este queria um império mundial, desdenhava do direito internacional, torturava e chamava terroristas a todos os resistentes... Acabou mal...

No que diz respeito a Portugal, foi uma atitude miserável de traição aos valores democráticos e ocidentais que durão tenha aceitado vergar-se ao diktat americano de exigir a imunidade de cidãos americanos em território português em relação a crimes de guerra e contra a humanidade da alçada do TPI de Haia. Durão e a sua amigo da Defesa insultam os portugueses ao considerarem-nos inferiores em direitos aos americanos, mesmo em Portugal. Um militar português, se cometer um crime de guerra pode (e deve, em determinadas circunstâncias) ser julgado pelo TPI. Assumimos esse compromisso. Um americano...não ! E isto é o que diz e aceita Durão !!! Se isto não é traição à Pátria...


E as leis que punem os crimes de guerra fazem-se para aqueles que fazem a guerra, não para os que fazem a paz... como é óbvio. Senão, nunca seriam aplicadas... Dura lex sed lex...
A Grande Europa, respeitadora do direito internacional, da dignidade dos povos e da paz mundial deve unir-se, rearmar-se e liderar o mundo rumo à Paz Perpétua kantiana
 

*

Spectral

  • Investigador
  • *****
  • 1437
  • +4/-1
(sem assunto)
« Responder #130 em: Junho 15, 2004, 07:19:48 pm »
Sem querer meter-me na discussão que está a ficar feia ( e concordo na generalidade com o que diz o Ricardo Nunes e o Paaptango), não resisti a comentar o seguinte:

Citar
A questão do TPI é muito simples.
Os Europeus aceitam-no e os americanos não pelo simples facto de que na hora da verdade só eles é que avançam (como foi o caso da ex-Jugoslavia onde a atitude cobarde dos europatriotas permitiu a chacina de milhares de pessoas inocentes) enquanto os europatriotas (ou europeus) preferiam ver o conflito em directo através da CNN sentados no sofá, mas intervir... naaa ta queto… que vão eles. E é obvio que quem anda a chuva é quem precisa do guarda-chuva não é quem fica em casa no quentinho da lareira…


UI, estou a ver que percebe a questão do TPI a fundo! Então os americanos, por serem os "salvadores do mundo", a melhor nação à face da Terra ( excepto  Portugal é claro) podem torturar, matar e cometer os crimes que pretendem, em todas as suas guerras "libertadoras" ?
Isto claro, porque essa corja de bandidos que dá pelo nome de europeus ( e que só querem é saquear Portugal), tem sempre medo de fazer o que devia.

Já agora, proponho o abandono pelos EUA das convenções de Genebra e Haia. Como todas as guerras que eles empreendem são justas,  o resto do Mundo irá perceber todo e qualquer "excesso" que pelo caminho seja cometido...

@Europatriota : posso concordar com algumas das suas posições, mas nunca com o modo como as defende e exprime.
I hope that you accept Nature as It is - absurd.

R.P. Feynman
 

*

papatango

  • Investigador
  • *****
  • 7639
  • Recebeu: 1041 vez(es)
  • +4770/-947
(sem assunto)
« Responder #131 em: Junho 15, 2004, 07:38:00 pm »
Citar
essa corja de bandidos que dá pelo nome de europeus ( e que só querem é saquear Portugal), tem sempre medo de fazer o que devia.
:mrgreen: :mrgreen: :mrgreen:
É muito mais fácil enganar uma pessoa, que explicar-lhe que foi enganada ...
 

*

Tiger22

  • Perito
  • **
  • 566
  • +1/-0
(sem assunto)
« Responder #132 em: Junho 15, 2004, 08:12:34 pm »
europatriota e Spectral:

A questão não é de perceber ou não (podemos discutir a questão do TPI quando quiserem) a questão jurídica, a questão é perceber a questão pratica. Simples.  

Obviamente que quem mais arrisca (e de facto os europeus nesse aspecto somos uma nulidade e ora estamos contra o “Imperialismo” americano ora estamos a suplicar que venham ou vão a um ponto qualquer pôr ordem dado que não temos capacidade militar para isso, o que só significa que não queremos arriscar o pêlo) quer sempre maior protecção, dado que, se assim não for, qualquer comu… comum… ou europatriota pode apresentar uma queixa nesse mesmo TPI contra um qualquer General, Diplomata ou até Presidente norte-americano, por um soldado ter dado um par de estalos a um prisioneiro na sua posse. É ai que esta o cerne da questão. E como todos sabemos o amor que principalmente na Europa os comu… têm pelos EUA, está-se mesmo a ver o que aconteceria…
"you're either with us, or you're with the terrorists."
 
-George W. Bush-
 

*

typhonman

  • Investigador
  • *****
  • 5147
  • Recebeu: 743 vez(es)
  • Enviou: 1638 vez(es)
  • +8539/-4167
(sem assunto)
« Responder #133 em: Junho 15, 2004, 08:15:13 pm »
EuroPatriota, você é k sonha..
(Os cidadãos europeus estão rotulados de educados...)
lolollolllolol

Brasil Super Potência...

Caro Ricardo Nunes, tente ler o artigo do T CORONEL Brandão Ferreira da Mais Alto de 1988 ou 89 e veja o artigo sobre a UE...

A outro artigo interessante sobre as ameaças a Portugal no inicio dos anos 90..
 

*

Guilherme

  • Perito
  • **
  • 379
  • Recebeu: 1 vez(es)
  • +0/-0
(sem assunto)
« Responder #134 em: Junho 15, 2004, 08:22:12 pm »
O que o Brasil tem a ver com a conversa?