U. S. Navy

  • 850 Respostas
  • 276085 Visualizações
*

Lusitano89

  • Investigador
  • *****
  • 20078
  • Recebeu: 2243 vez(es)
  • Enviou: 254 vez(es)
  • +953/-1467
Re: U. S. Navy
« Responder #840 em: Outubro 07, 2023, 07:02:27 pm »
 

*

P44

  • Investigador
  • *****
  • 17838
  • Recebeu: 5309 vez(es)
  • Enviou: 5625 vez(es)
  • +6993/-9215
"[Os portugueses são]um povo tão dócil e tão bem amestrado que até merecia estar no Jardim Zoológico"
-Dom Januário Torgal Ferreira, Bispo das Forças Armadas
 
Os seguintes utilizadores agradeceram esta mensagem: LM

*

dc

  • Investigador
  • *****
  • 8187
  • Recebeu: 3690 vez(es)
  • Enviou: 701 vez(es)
  • +4918/-762
Re: U. S. Navy
« Responder #842 em: Novembro 04, 2023, 11:47:39 pm »
Aqui há dias, a ver um vídeo relativo aos Zumwalt, ocorreu-me. Não teria sido uma ideia interessante, e quiçá viável, implementar, no lugar dos famosos AGS, um par de lançadores modulares como os do HIMARS ou M270, desde que escondidos numa cobertura mais furtiva?

É que ao custo de cada munição dos AGS, que entretanto vão ser substituídos por VLS para mísseis hipersónicos, lançavam-se vários rockets de MLRS, com alcances idênticos à munição guiada originalmente planeada. E sendo um lançador modular, seria facilmente adaptado para lançar vários tipos de míssil, além dos rockets habituais, que passarão a ser capazes de atingir alvos móveis, como a GLSDB, ATACMS e o PrSM.
 

*

Cabeça de Martelo

  • Investigador
  • *****
  • 19903
  • Recebeu: 2853 vez(es)
  • Enviou: 2174 vez(es)
  • +1062/-3436
Re: U. S. Navy
« Responder #843 em: Novembro 08, 2023, 09:42:53 am »
Agora já percebem porque é que a Marinha Norte-Americana está à procura de um substituto para os Arleigh Burke?!





« Última modificação: Novembro 08, 2023, 12:02:49 pm por Cabeça de Martelo »
7. Todos os animais são iguais mas alguns são mais iguais que os outros.

 

*

P44

  • Investigador
  • *****
  • 17838
  • Recebeu: 5309 vez(es)
  • Enviou: 5625 vez(es)
  • +6993/-9215
"[Os portugueses são]um povo tão dócil e tão bem amestrado que até merecia estar no Jardim Zoológico"
-Dom Januário Torgal Ferreira, Bispo das Forças Armadas
 

*

P44

  • Investigador
  • *****
  • 17838
  • Recebeu: 5309 vez(es)
  • Enviou: 5625 vez(es)
  • +6993/-9215
"[Os portugueses são]um povo tão dócil e tão bem amestrado que até merecia estar no Jardim Zoológico"
-Dom Januário Torgal Ferreira, Bispo das Forças Armadas
 

*

Lusitano89

  • Investigador
  • *****
  • 20078
  • Recebeu: 2243 vez(es)
  • Enviou: 254 vez(es)
  • +953/-1467
Re: U. S. Navy
« Responder #846 em: Novembro 29, 2023, 06:11:40 pm »
 

*

Viajante

  • Investigador
  • *****
  • 4259
  • Recebeu: 2395 vez(es)
  • Enviou: 1386 vez(es)
  • +7234/-4348
Re: U. S. Navy
« Responder #847 em: Janeiro 11, 2024, 09:30:39 pm »
Trench 94: o cemitério de submarinos nucleares da Marinha dos EUA

Sabemos que no planeta existe um "cemitério" para naves espaciais que chegam ao fim de vida. Mas... sabia que existe também um cemitério para os submarinos nucleares?



O que acontece a um submarino nuclear quando é reformado?

Já alguma vez se perguntou para onde vão os submarinos nucleares quando morrem? Bem, existe um local nos EUA, chamado Trench 94 (trincheira 94), que é efetivamente um cemitério de submarinos nucleares, contendo dezenas de peças de submarinos defuntos que são armazenadas perpetuamente.

E embora o local seja seguro e tenha sido concebido para mitigar os impactos ambientais dos seus ocupantes radioativos, o número de cascos de submarinos reformados irá provavelmente aumentar nos próximos anos.



A ascensão dos submarinos nucleares

Os submarinos nucleares são um símbolo questionável de evolução tecnológica. Um dos seus trunfos é o seu combustível atómico que lhes permite um alcance ilimitado pelos oceanos do mundo. Além disso, estas máquinas de guerra podem operar durante cerca de 20 anos entre cada reabastecimento.

Durante a maior parte do seu tempo de vida, estas embarcações são apenas abrandadas pelos humanos que transportam - estes humanos incómodos e a sua necessidade de comer e descansar.

Esta capacidade de funcionar continuamente sem necessidade de reabastecimento é uma grande vantagem em tempo de guerra. Os submarinos nucleares, ao contrário dos seus congéneres a diesel, não precisam de vir à superfície para os seus motores respirarem, pelo que não correm o risco de serem detetados pelos seus inimigos.



O desenvolvimento destas embarcações eficazes começou no coração da era nuclear, na década de 40, e foram testadas pela primeira vez em 1953. O primeiro submarino com propulsão nuclear, o USS Nautilus, foi finalmente lançado ao mar em 1955.

A partir daí, a tecnologia avançou rapidamente e foi desenvolvida para vários outros navios, como porta-aviões (USS Enterprise) e cruzadores (USS Long Beach). No final de 1962, a Marinha dos EUA tinha 26 submarinos nucleares em funcionamento e outros 30 estavam em construção.

Simultaneamente, a tecnologia foi partilhada com a Grã-Bretanha, enquanto outros Estados com poder nuclear (que já tinham desenvolvido e testado armas nucleares), como a França, a Rússia e a China, desenvolveram as suas próprias versões.

No final da Guerra Fria, em 1989, havia mais de 400 submarinos de propulsão nuclear em funcionamento ou em construção em todo o mundo. Atualmente, o número é muito inferior - cerca de 150 - embora o número de países que desenvolvem embarcações tenha aumentado para incluir a Índia, enquanto países como o Brasil e a Austrália estão a investigar as suas próprias opções.

Para além dos submarinos nucleares, alguns países também desenvolveram navios movidos a energia nuclear que operam para fins civis, como os quebra-gelos russos que exploram as regiões árticas. O Japão também tentou criar as suas próprias opções de navios movidos a energia nuclear na década de 1970, mas estas não chegaram a arrancar.



O grande cemitério de reatores

Quando os reatores são desmantelados, é necessário todo um processo para remover os seus núcleos altamente perigosos. Em primeiro lugar, as embarcações são cortadas em segmentos para remover o núcleo do reator e o seu combustível; nos EUA, o combustível é enviado para o Laboratório Nacional de Idaho. A secção que é removida contém o casco circundante, a blindagem de chumbo do reator e uma liga resistente à temperatura e à radiação, denominada Inconel 600.

Uma vez removidos, os "barris secos", como são chamados, são transportados pelo rio Columbia acima e depois descarregados no porto de Benton, onde são transportados por camião para um local em Hanford, Washington. É aqui que se situa a trincheira 94.



Uma vez chegados, os barris são transferidos para a trincheira a céu aberto de 1000 pés de comprimento (304,8 metros). Atualmente, existem cerca de 136 barris no local, que são visíveis a partir do Google Maps.

Os barris, conhecidos como contentores de alta integridade (HIC), foram concebidos para manter o seu conteúdo radioativo durante 300 anos e para sobreviver a danos graves.

Isso é bom para o futuro imediato, mas, tal como acontece com a maior parte do combustível nuclear, representam um desafio para as gerações futuras. De acordo com a Marinha dos Estados Unidos, cada barril contém cerca de 25 000 curies de radiação - o que mataria um ser humano em caso de exposição - e continuará a conter cerca de 250 curies daqui a 1000 anos.

https://pplware.sapo.pt/motores/trench-94-o-cemiterio-de-submarinos-nucleares-da-marinha-dos-eua/

Daria um bom recheio para um míssil intercontinental  :mrgreen:

Seria um bom seguro de vida para um país pobre, meter um reactor destes numa ogiva, não?
 

*

CruzSilva

  • Especialista
  • ****
  • 1160
  • Recebeu: 445 vez(es)
  • Enviou: 2069 vez(es)
  • +635/-108
Re: U. S. Navy
« Responder #848 em: Janeiro 12, 2024, 02:28:11 pm »
Citação de: Janes
Surface Navy 2024: Navy secretary underscores need for rearming and refuelling surface fleet

As the US Navy (USN) continues to deploy its surface fleet to hot spots around the globe, the service must hone its ability to rearm and refuel those ships at sea, according to USN Secretary Carlos Del Toro.

“Every day, our ships respond to aggression and illegal activities with our allies and partners in the Indo-Pacific, the Arabian Gulf, the Caribbean, and across Europe,” Del Toro said on 10 January during a keynote speech at the Surface Navy Association (SNA) National Symposium 2024.

Noting in particular recent missile-defence operations by USN surface ships in the Red Sea, Del Toro said, “To maintain a global, sustainable maritime posture, we must continue to innovate and invest in capabilities that keep our ships at sea, especially as their weapons magazines run low.”

He cited the development of the USN's Transportable Rearming Mechanism (TRAM) at Port Hueneme in California.

“In this critical decade, the near-term deterrent effect of fielding TRAM in the fleet cannot be overstated,” he said. “We remain on track for the all-important at-sea demonstration I've directed to take place no later than [the second quarter].”

He added, “Over the past year, I have sought and approved funding required by our NAVSEA [Naval Sea Systems Command] team in Port Hueneme to achieve our goal. The team is finalising preparations for the shore-based demonstration and scheduling ships for the at-sea test.”

TRAM is designed to enable rapid reload of Vertical Launch System (VLS) cells in up to sea state 5 using the fleet's existing underway replenishment (UNREP) interfaces, Del Toro explained.

Fonte: Janes
 

*

Lusitano89

  • Investigador
  • *****
  • 20078
  • Recebeu: 2243 vez(es)
  • Enviou: 254 vez(es)
  • +953/-1467
Re: U. S. Navy
« Responder #849 em: Fevereiro 28, 2024, 01:48:31 pm »
John F. Kennedy (CVN 79) Dead-Load Testing


 

*

Lusitano89

  • Investigador
  • *****
  • 20078
  • Recebeu: 2243 vez(es)
  • Enviou: 254 vez(es)
  • +953/-1467
Re: U. S. Navy
« Responder #850 em: Fevereiro 28, 2024, 01:50:24 pm »
Massachusetts (SSN 798) Launch