Rússia

  • 720 Respostas
  • 160961 Visualizações
*

Duarte

  • Investigador
  • *****
  • 2258
  • Recebeu: 119 vez(es)
  • Enviou: 287 vez(es)
  • +235/-203
Re: Rússia
« Responder #705 em: Agosto 01, 2022, 12:40:48 am »
слава Україна!
смерть загарбникам та їхнім прибічникам тролів
 
Os seguintes utilizadores agradeceram esta mensagem: CruzSilva

*

Duarte

  • Investigador
  • *****
  • 2258
  • Recebeu: 119 vez(es)
  • Enviou: 287 vez(es)
  • +235/-203
Re: Rússia
« Responder #706 em: Agosto 02, 2022, 11:48:55 pm »
https://www.cnn.com/2022/08/02/politics/us-sanctions-alina-kabaeva/index.html

Mas todos os serviços de informações ocidentais sabem que o Putin é na verdade gay, como todos os homófobos miiltantes são... :mrgreen:



слава Україна!
смерть загарбникам та їхнім прибічникам тролів
 
Os seguintes utilizadores agradeceram esta mensagem: Icterio

*

ricardonunes

  • Investigador
  • *****
  • 3855
  • Recebeu: 219 vez(es)
  • Enviou: 27 vez(es)
  • +128/-2080
Re: Rússia
« Responder #707 em: Agosto 04, 2022, 04:54:20 pm »
E o fundamental da questão, as sanções não fizeram a Rússia mudar de rumo/estratégia quanto à Ucrânia, a operação militar especial prossegue.

Com a máquina de guerra russa completamente parada á semanas, a recuar em vários sectores da frente de batalha, com as linhas de abastecimento a serem atacadas com artilharia de precisão e com os orcs a morrerem assados aos magotes?  Está a correr lindamente essa...operação militar especial...  :G-beer2: :G-beer2: :G-beer2: :G-beer2:
Potius mori quam foedari
 
Os seguintes utilizadores agradeceram esta mensagem: FoxTroop

*

FoxTroop

  • Investigador
  • *****
  • 1696
  • Recebeu: 565 vez(es)
  • Enviou: 356 vez(es)
  • +280/-4310
Re: Rússia
« Responder #708 em: Agosto 04, 2022, 09:27:40 pm »
E o fundamental da questão, as sanções não fizeram a Rússia mudar de rumo/estratégia quanto à Ucrânia, a operação militar especial prossegue.

Com a máquina de guerra russa completamente parada á semanas, a recuar em vários sectores da frente de batalha, com as linhas de abastecimento a serem atacadas com artilharia de precisão e com os orcs a morrerem assados aos magotes?  Está a correr lindamente essa...operação militar especial...  :G-beer2: :G-beer2: :G-beer2: :G-beer2:

Meu caro não entende. O que acontece é que os ucranianos estão a "avançar" para ocidente de modo a apanhar os russos pelas costas, visto que a Terra é redonda. Porque a VSU não retira, dá meia volta e avança, assim como não se rende, evacua.  :G-sig: :grin:
 

*

ricardonunes

  • Investigador
  • *****
  • 3855
  • Recebeu: 219 vez(es)
  • Enviou: 27 vez(es)
  • +128/-2080
Re: Rússia
« Responder #709 em: Agosto 05, 2022, 04:57:50 pm »
Começo a dar alguma credibilidade a Amnistia Internacional, esta a fazer o seu trabalho, e preciso te los no sitio para publicar este relatório, pena que a dita imprensa ocidental tenha assobiado para o lado, como e norma...

Ukraine: Ukrainian fighting tactics endanger civilians August
August 4, 2022

https://www.amnesty.org/en/latest/news/2022/08/ukraine-ukrainian-fighting-tactics-endanger-civilians/

Mas mais vale assobiar para o lado do que escrever barbaridades, como este caso da RTP

Citar
Amnistia Internacional acusa Ucrânia de usar civis como escudos humanos

A organização acusou Kiev de recorrer a zonas e edifícios residenciais para ações militares. Entretanto, no mais recente ataque russo em Donetsk, houve cinco mortos e seis feridos graves.

A imprensa russa avança que foi a artilharia ucraniana que atacou o centro da cidade. O hotel Donbass Palace e o Teatro de Ópera e Ballet foram atingidos.

O chefe do Gabinete do Presidente da Ucrânia já negou o ataque.
Horas antes, também na região de Donetsk, na cidade de Torestsk, 8 pessoas morreram e 4 ficaram feridas num bombardeamento russo a uma paragem de autocarros. A informação foi confirmada pelo governador da cidade.

No sul do país, os combates regressaram com intensidade e a Rússia estará a preparar novas ofensivas nesta região





Potius mori quam foedari
 
Os seguintes utilizadores agradeceram esta mensagem: LuisPolis

*

Duarte

  • Investigador
  • *****
  • 2258
  • Recebeu: 119 vez(es)
  • Enviou: 287 vez(es)
  • +235/-203
Re: Rússia
« Responder #710 em: Agosto 07, 2022, 12:52:33 am »
Parece que os amigalhaços Chineses andam afazer batota com os amiguinhos "ruços"... :mrgreen:

https://www.cnn.com/2022/08/05/europe/russian-hypersonic-missile-scientist-arrest-treason-hnk-intl/index.html
слава Україна!
смерть загарбникам та їхнім прибічникам тролів
 

*

ricardonunes

  • Investigador
  • *****
  • 3855
  • Recebeu: 219 vez(es)
  • Enviou: 27 vez(es)
  • +128/-2080
Re: Rússia
« Responder #711 em: Agosto 07, 2022, 10:00:34 am »
Citar
Pink Floyd founder Roger Waters called Biden's actions in Ukraine a crime.

"He is fomenting a war in Ukraine... This is a serious crime. Why won't the United States call Zelensky to negotiations?" the legendary musician said in an interview with CNN.

Waters called what is happening in Ukraine a reaction to NATO's approach to the Russian borders, contrary to Gorbachev's promises not to do this.
Potius mori quam foedari
 

*

LuisPolis

  • Perito
  • **
  • 542
  • Recebeu: 250 vez(es)
  • Enviou: 284 vez(es)
  • +81/-118
Re: Rússia
« Responder #712 em: Agosto 07, 2022, 12:01:25 pm »
Parece que os amigalhaços Chineses andam afazer batota com os amiguinhos "ruços"... :mrgreen:

https://www.cnn.com/2022/08/05/europe/russian-hypersonic-missile-scientist-arrest-treason-hnk-intl/index.html
Essa malta deve estar a ser assediada por todos os lados. E se for questão de dinheiro então o que ganham na Russia pode ser facilmente coberto em qualquer lado. Agora o porquê de ser a Russia pioneira nesse tipo de tecnologia é que me faz confusão.
 

*

FoxTroop

  • Investigador
  • *****
  • 1696
  • Recebeu: 565 vez(es)
  • Enviou: 356 vez(es)
  • +280/-4310
Re: Rússia
« Responder #713 em: Agosto 07, 2022, 01:24:18 pm »
Parece que os amigalhaços Chineses andam afazer batota com os amiguinhos "ruços"... :mrgreen:

https://www.cnn.com/2022/08/05/europe/russian-hypersonic-missile-scientist-arrest-treason-hnk-intl/index.html
Essa malta deve estar a ser assediada por todos os lados. E se for questão de dinheiro então o que ganham na Russia pode ser facilmente coberto em qualquer lado. Agora o porquê de ser a Russia pioneira nesse tipo de tecnologia é que me faz confusão.

A mim não me faz nenhuma confusão. Sistema de ensino deles está quilómetros à frente dos nossos licenciados "Bolonha". Se colocar aqui os exames do equivalente aos nossos exames de 9º ano, a maior parte dos licenciados nem os enunciados das perguntas conseguem entender. Atenção, temos ilhas de excelência e continuamos a lideram em muitos campos, mas a média é atroz. Havia também projectos revolucionários em curso aquando o fim da URSS e colapsaram juntamente com ela. Pouco a pouco os russos tem recuperado alguns deles e como já existe base os avanços têm sido relativamente rápidos em alguns campos.

Quanto à espionagem, também não entendo a surpresa. Toda a gente espia toda a gente, ouvir o Duarte a falar em batota é para rir certamente.
 
Os seguintes utilizadores agradeceram esta mensagem: ricardonunes, Subsea7

*

Icterio

  • Membro
  • *
  • 217
  • Recebeu: 169 vez(es)
  • Enviou: 35 vez(es)
  • +493/-207
  • Mais vale ser sortudo do que ser bom
Re: Rússia
« Responder #714 em: Agosto 07, 2022, 01:28:05 pm »
Tecnologicamente, do que temos visto na Ucrania, o Ocidente continua a liderar com uma margem muito confortável em quase todas as áreas.  Pensar o contrário é que mesmo wishful thinking.
 
Os seguintes utilizadores agradeceram esta mensagem: Duarte

*

Duarte

  • Investigador
  • *****
  • 2258
  • Recebeu: 119 vez(es)
  • Enviou: 287 vez(es)
  • +235/-203
Re: Rússia
« Responder #715 em: Agosto 08, 2022, 01:20:47 am »
Tecnologicamente, do que temos visto na Ucrania, o Ocidente continua a liderar com uma margem muito confortável em quase todas as áreas.  Pensar o contrário é que mesmo wishful thinking.

Eles estão muito `a frente, mas os seus cientistas têm que fazer o "moonlighting" a espiar para os chineses para ganhar uns trocos..  ::)
слава Україна!
смерть загарбникам та їхнім прибічникам тролів
 

*

FoxTroop

  • Investigador
  • *****
  • 1696
  • Recebeu: 565 vez(es)
  • Enviou: 356 vez(es)
  • +280/-4310
Re: Rússia
« Responder #716 em: Agosto 08, 2022, 06:34:23 am »
Tecnologicamente, do que temos visto na Ucrania, o Ocidente continua a liderar com uma margem muito confortável em quase todas as áreas.  Pensar o contrário é que mesmo wishful thinking.

Pois.... Dá para ver..... Só posso estar feliz e esperançoso que quem está a fazer o "leassons learned" disto conta com o meu caro.  ;)
 

*

Icterio

  • Membro
  • *
  • 217
  • Recebeu: 169 vez(es)
  • Enviou: 35 vez(es)
  • +493/-207
  • Mais vale ser sortudo do que ser bom
Re: Rússia
« Responder #717 em: Agosto 08, 2022, 01:38:07 pm »
Podem começar por aprender a melhorar a blindagem, e todo o design, dos tanques.  Está mais que visto que colocar a munição num carousel mesmo por debaixo da tripulação é um desastre em potencial. 
Já tiveram tempo (50 anos) para corrigir desde que o T-64 entrou em serviço.

 

*

Daniel

  • Investigador
  • *****
  • 2692
  • Recebeu: 336 vez(es)
  • Enviou: 115 vez(es)
  • +536/-6538
Re: Rússia
« Responder #718 em: Agosto 08, 2022, 04:05:08 pm »
Dos mísseis cruzeiro aos sistemas de defesa aérea: armas russas são dependentes de centenas de componentes ocidentais, denuncia relatório
https://multinews.sapo.pt/noticias/dos-misseis-cruzeiro-aos-sistemas-de-defesa-aerea-armas-russas-sao-dependentes-de-centenas-de-componentes-ocidentais-denuncia-relatorio/
Citar
Foram encontrados mais de 450 componentes fabricados no exterior em armas russas recuperadas na Ucrânia, uma sólida evidência de que a Rússia adquiriu tecnologia críitica de empresas nos Estados Unidos, Europa e Ásia nos anos anteriores à invasão, relatou esta 2ª feira um relatório do Royal United Services Institute (RUSI), um think tank relacionado com defesa.

Desde o início da guerra, há cinco meses, os militares ucranianos capturaram ou recuperaram do campo de batalha armas russas intactas ou parcialmente danificadas. Quando desmontadas, 27 dessas armas e sistemas militares, desde mísseis de cruzeiro a sistemas de defesa aérea, foram encontrados predominantemente componentes ocidentais, naquela que é a avaliação mais detalhada publicada até hoje sobre o papel desempenhado por componentes ocidentais na guerra da Rússia contra a Ucrânia.

Cerca de dois terços dos componentes foram fabricados por empresas sediadas nos EUA, descobriu a RUSI, com base nas armas recuperadas da Ucrânia. Os produtos fabricados pela Analog Devices e pela Texas Instruments, com sede nos EUA, foram responsáveis ​​por quase um quarto de todos os componentes ocidentais nas armas. Outros componentes vieram de empresas de países como Japão, Coreia do Sul, Grã-Bretanha, Alemanha, Suíça e Holanda.

“As armas russas, que são criticamente dependentes da eletrónica ocidental, resultaram na morte de milhares de ucranianos”, explicou Jack Watling, especialista em guerra terrestre da RUSI, à agência ‘Reuters’.

Embora muitos dos componentes estrangeiros sejam encontrados em utensílios domésticos do dia a dia, como micro-ondas, que não estão sujeitos a controlos de exportação, a RUSI garantiu que um robustecimento das restrições de exportação e fiscalização pode tornar mais difícil para a Rússia reabastecer o seu arsenal de armas, como mísseis de cruzeiro.

Num caso, um míssil de cruzeiro russo 9M727, uma das armas mais avançadas do país que pode manobrar a baixa altitude para escapar ao radar e atingir alvos a centenas de quilómetros de distância, continha 31 componentes estrangeiros. As peças foram feitas por empresas que incluíam a norte-americana Texas Instruments e Advanced Micro Devices (AMD), além da Cypress Semiconductor, que agora é de propriedade da Infineon AG, uma empresa alemã.

Noutro caso, um míssil de cruzeiro russo Kh-101, que foi usado para atacar cidades ucranianas, incluindo a capital Kiev, também tinha 31 componentes estrangeiros com peças fabricadas por empresas como a norte-americana Intel Corporation e a Xilinx, da AMD.

Questionadas sobre como os seus chips foram parar às armas russas, as empresas garantiram que cumprem as sanções comerciais e pararam de vender componentes para a Rússia. A Analog Devices frisou que a empresa fechou os seus negócios na Rússia e instruiu os distribuidores a interromper as remessas para o país. A Texas Instruments disse que segue todas as leis dos países onde opera e que as peças encontradas nas armas russas foram projetadas para produtos comerciais. A Intel apontou que “não suporta ou tolera que os nossos produtos sejam usados ​​para violar os direitos humanos”. A Infineon mostrou-se “profundamente preocupada” se os seus produtos estão a ser usados ​​para fins para os quais não foram projetados. A AMD disse que segue rigorosamente todas as leis globais de controlo de exportação.

Muitos dos componentes estrangeiros custam apenas alguns euros e as empresas russas poderiam tê-los comprado antes da invasão da Ucrânia online, através de distribuidores nacionais ou internacionais, porque poderiam ser usados ​​em aplicações não militares.

No entanto, mais de 80 microchips fabricados no Ocidente estavam sujeitos a controlos de exportação dos EUA desde pelo menos 2014, o que significa que eles exigiriam uma licença para serem enviados para a Rússia, denunciou a RUSI – as empresas que exportam as peças tinham a responsabilidade de realizar a devida diligência para garantir que não fossem enviadas para os militares russos ou para uso final militar, de acordo com a RUSI.

A investigação apontou como os militares da Rússia continuam dependentes de microchips estrangeiros para tudo, desde rádios táticos a drones e munições de precisão de longo alcance, e que os Governos ocidentais demoraram a limitar o acesso da Rússia a essas tecnologias, especialmente após a invasão da Crimeia pelo presidente Vladimir Putin em 2014.

As tropas russas dispararam mais de 3.650 mísseis nos primeiros cinco meses da guerra, segundo a equipa do Conselho de Segurança e Defesa Nacional. Estes incluem os mísseis 9M727 e Kh-101. A Rússia procura atualmente novas rotas para garantir o acesso aos microchips ocidentais, denunciou a RUSI. Muitos componentes estão a ser vendidos através de distribuidores que operam na Ásia, como Hong Kong, que atua como uma porta de entrada para componentes eletrónicos que chegam às forças armadas russas ou empresas que atuam em seu nome, descobriu a RUSI, que garantiu que as forças armadas da Rússia podem ser permanentemente enfraquecidas se os Governos ocidentais fortalecerem os controlos de exportação, conseguirem fechar as redes de compras clandestinas do país e impedir que componentes sensíveis sejam fabricados em estados que apoiam a Rússia
 

*

Daniel

  • Investigador
  • *****
  • 2692
  • Recebeu: 336 vez(es)
  • Enviou: 115 vez(es)
  • +536/-6538
Re: Rússia
« Responder #719 em: Agosto 08, 2022, 06:56:55 pm »
Saída de empresas e sanções estão a estagnar economia russa
https://eco.sapo.pt/2022/08/08/saida-de-empresas-e-sancoes-estao-a-estagnar-economia-russa/
Citar
A economia interna russa estagnou desde a invasão da Ucrânia a 24 de fevereiro, revela um estudo da Universidade de Yale. Apesar de Moscovo continuar a encaixar milhares de milhões de dólares com as exportações de energia a preços elevados isso não compensa o impacto das sanções e a saída das empresas internacionais.

“Os resultados da nossa análise económica abrangente da Rússia são poderosos e indiscutíveis: não só as sanções e o recuo empresarial funcionaram, como paralisaram completamente a economia russa a todos os níveis“, afirmam os investigadores no relatório de 118 páginas, publicado pela Escola de Gestão de Yale no final de julho.


O documento, que se baseia em dados em grande parte não publicados, argumenta que a produção interna russa chegou a um impasse total sem capacidade para substituir os negócios, produtos e talentos perdidos. Mesmo que a Rússia seja capaz de ganhar mais dinheiro nas exportações de gás e petróleo, isso não compensou o impacto das sanções implementadas pelos EUA, União Europeia (UE) e aliados.

Segundo as conclusões dos investigadores, a dependência de Moscovo em relação à Europa, responsável pela compra de 83% das exportações de energia russas, deixa o país sob uma maior ameaça a médio prazo. “A Rússia está muito mais dependente da Europa do que a Europa está da Rússia“, afirmam.