Notícias da Marinha

  • 2619 Respostas
  • 658001 Visualizações
*

P44

  • Investigador
  • *****
  • 13933
  • Recebeu: 3245 vez(es)
  • Enviou: 3747 vez(es)
  • +2323/-5902
Re: Notícias da Marinha
« Responder #2610 em: Junho 25, 2022, 10:46:26 pm »
Palhaçada
"[Os portugueses são]um povo tão dócil e tão bem amestrado que até merecia estar no Jardim Zoológico"
-Dom Januário Torgal Ferreira, Bispo das Forças Armadas
 

*

dc

  • Investigador
  • *****
  • 6171
  • Recebeu: 2401 vez(es)
  • Enviou: 544 vez(es)
  • +660/-475
Re: Notícias da Marinha
« Responder #2611 em: Junho 28, 2022, 02:12:16 pm »
“Se o Estado português definir estratégias muito ambiciosas e depois não atribuir os recursos, claro que isso terá impacto nas próprias estratégias. Se definir estratégias adequadas aos recursos que tem, nós conseguimos cumprir”, disse.

...

“Temos que nos preocupar com o Atlântico. Ligando-nos à principal potência marítima neste momento que é os Estados Unidos da América, mas também ao Brasil, países de expressão portuguesa em África, mas essencialmente ligando a uma economia baseada no mar”, disse.

...

Interrogado sobre se a Armada tem meios para conseguir cumprir os seus compromissos internacionais com a Aliança no contexto atual, Gouveia e Melo respondeu que a Marinha nunca falhou “o cardápio de necessidades da NATO” e está “a fazer tudo para nao falhar eventuais necessidades mais urgentes ou mais prementes no futuro”.

Estes pareceram-me os pontos mais importantes. O primeiro diz basicamente que, se o Estado mantiver as ambições em baixo, também não precisa de gastar muito dinheiro, e a Marinha não se queixará disso. Definir estratégias com base no dinheiro que o governo quer ou não dar, é um risco enorme, principalmente quando neste momento, nem há estratégia definida, é andar atrás do prejuízo para atingir os requisitos mínimos.

O segundo ponto é interessante, e não foge muito ao que já disse noutro tópico, de nos tentarmos aproximar, e criar alianças, nomeadamente com países da CPLP. É benéfico para nós pois poderá, no futuro, arrastar outros países da região (América Latina e África) para mais próximo do Ocidente, e menos próximos da China e Rússia.

O terceiro ponto, é a típica conversa "cumprimos as missões com os meios que nos são dados". Felizmente, até agora, as missões são "soft". O problema vai ser quando "os meios que são disponibilizados" começam a afundar em situação de combate, por terem capacidade de sobrevivência quase nula.
 

*

Pescador

  • Investigador
  • *****
  • 1454
  • Recebeu: 1053 vez(es)
  • Enviou: 640 vez(es)
  • +1568/-1481
Re: Notícias da Marinha
« Responder #2612 em: Junho 28, 2022, 05:37:29 pm »
“Se o Estado português definir estratégias muito ambiciosas e depois não atribuir os recursos, claro que isso terá impacto nas próprias estratégias. Se definir estratégias adequadas aos recursos que tem, nós conseguimos cumprir”, disse.

...

“Temos que nos preocupar com o Atlântico. Ligando-nos à principal potência marítima neste momento que é os Estados Unidos da América, mas também ao Brasil, países de expressão portuguesa em África, mas essencialmente ligando a uma economia baseada no mar”, disse.

...

Interrogado sobre se a Armada tem meios para conseguir cumprir os seus compromissos internacionais com a Aliança no contexto atual, Gouveia e Melo respondeu que a Marinha nunca falhou “o cardápio de necessidades da NATO” e está “a fazer tudo para nao falhar eventuais necessidades mais urgentes ou mais prementes no futuro”.

Estes pareceram-me os pontos mais importantes. O primeiro diz basicamente que, se o Estado mantiver as ambições em baixo, também não precisa de gastar muito dinheiro, e a Marinha não se queixará disso. Definir estratégias com base no dinheiro que o governo quer ou não dar, é um risco enorme, principalmente quando neste momento, nem há estratégia definida, é andar atrás do prejuízo para atingir os requisitos mínimos.

O segundo ponto é interessante, e não foge muito ao que já disse noutro tópico, de nos tentarmos aproximar, e criar alianças, nomeadamente com países da CPLP. É benéfico para nós pois poderá, no futuro, arrastar outros países da região (América Latina e África) para mais próximo do Ocidente, e menos próximos da China e Rússia.

O terceiro ponto, é a típica conversa "cumprimos as missões com os meios que nos são dados". Felizmente, até agora, as missões são "soft". O problema vai ser quando "os meios que são disponibilizados" começam a afundar em situação de combate, por terem capacidade de sobrevivência quase nula.

"O segundo ponto é interessante, e não foge muito ao que já disse noutro tópico, de nos tentarmos aproximar, e criar alianças, nomeadamente com países da CPLP. É benéfico para nós pois poderá, no futuro, arrastar outros países da região (América Latina e África) para mais próximo do Ocidente, e menos próximos da China e Rússia."

Aqui tendo em conta os regimes prorussos dos palop e Brasil, não vejo que se faça muito senão alimentar aquilo que tem sido alimentado até aqui   
 
Os seguintes utilizadores agradeceram esta mensagem: P44

*

dc

  • Investigador
  • *****
  • 6171
  • Recebeu: 2401 vez(es)
  • Enviou: 544 vez(es)
  • +660/-475
Re: Notícias da Marinha
« Responder #2613 em: Junho 29, 2022, 01:53:54 pm »
É esse o desafio. Para isso era preciso ter mais poder económico/político/militar. Certamente ter maior influência, seria um processo gradual.
 

*

Pescador

  • Investigador
  • *****
  • 1454
  • Recebeu: 1053 vez(es)
  • Enviou: 640 vez(es)
  • +1568/-1481
Re: Notícias da Marinha
« Responder #2614 em: Junho 29, 2022, 04:16:47 pm »
É esse o desafio. Para isso era preciso ter mais poder económico/político/militar. Certamente ter maior influência, seria um processo gradual.

Olhando o discurso e expressão de satisfação do toino mór do reino, sobre a vinda de hordas de brasileiros e outros falantes de língua semelhante a português para Portugal. O interesse é mais empresarial, nomeadamente turístico, onde tem interesses, do que interesse Nacional.
Não é deslocado observar o movimento de interesse de uma classe de mão de obra barata, ao invés consolidar futuro as gerações nacionais com trabalho remunerado de modo a criarem filhos e o País desenvolver com os cérebros e qualificações nacionais, que cada vez mais acabam por sair.
Por isso toda essa ligação, é também cheia de perversidades, conhecendo bem os meandros obscuros dessa gente e daquilo que pretendem.
Dizer que esses Países têm potencial é bonito, mas outros aproveitam. Para pagar é que são sempre os mesmos. Veja-se como a China se introduziu tão facilmente e não irá sair seguramente.
Por cá continuamos a ser paus mandados, até com empresas e decidir cotas de trabalhadores originários dos seus investidores cá e, com acordos politico empresariais habituais que tem levado é a encher alguns bolsos em troca de caos na economia nacional.
Acordos que por vezes já tem acarretado subserviência em alguns aspectos legais soberanos como aconteceu com Angola e Brasil ao nível de cartas de condução e vistos e, pontualmente até outros casos ainda mais graves de total ingerência externa e vassalagem de órgãos de soberania nacional.
Portugal nem da própria casa consegue tomar conta, pois esta cheio de bananas servis

Saloios com altos cargos a fazer figuras patéticas. A ter intervenções e discursos patéticos e a ficar calados e quietos quanto deviam agir.
Depois "vendem" ao povinho fantasias de como estamos em cima dos acontecimentos, vindo para a comunicação social com tretas.

Isto é como plantar no deserto
« Última modificação: Junho 29, 2022, 04:20:27 pm por Pescador »
 

*

P44

  • Investigador
  • *****
  • 13933
  • Recebeu: 3245 vez(es)
  • Enviou: 3747 vez(es)
  • +2323/-5902
Re: Notícias da Marinha
« Responder #2615 em: Julho 06, 2022, 06:59:13 pm »
Citar

Marinha disponibiliza velhas fragatas e submarinos para servirem de Museus
.
Gostaria de ver uma velha fragata ou submarino servir de Museu em pleno centro da sua cidade ou na zona ribeirinha? Se esse desejo partir de uma entidade pública reconhecida, bastará entrar em contacto com a Marinha.

Segundo um artigo publicado na última edição da "Revista da Armada", a Marinha de Guerra portuguesa está disposta a ceder à sociedade civil os navios das suas frotas que brevemente vão ser abatidos ao serviço.

Como "a Marinha não possui nem recursos financeiros, nem humanos e nem sequer espaços disponíveis para manter unidades navais que tenham deixado o serviço, poderá quanto muito o Museu expor fracções de navios, como por exemplo: a ponte, o centro de comunicações, o centro de operações, a botica ou alojamentos, põe-se a hipótese de ser a Sociedade Civil dinamizadora da iniciativa de preservar parte do património da construção naval", diz o artigo, assinado pelo almirante Leiria Pinto.

Aquele oficial incentiva as câmaras municipais, fundações, empresas e associações "a seguir o exemplo de algumas autarquias de cidades ribeirinhas que formalmente já solicitaram, para fins museológicos, a aquisição de navios que a curto prazo serão abatidos".

O projecto insere-se numa "nova concepção" da preservação do património histórico.

"Constata-se que, tradicionalmente, o património histórico é apresentado de um modo estático, situação que está ultrapassada", sustenta o almirante Leiria Pinto, defendendo que "actualmente o material museológico deve ser exposto de uma forma dinâmica de modo a permitir que o visitante seja integrado no espaço em que esse material estava instalado e assim poder conhecer, no caso em questão, o que era a vida a bordo".

Segundo Leiria Pinto, "é imprescindível pois que se proceda à musealização do espaço em que se localiza a exposição do património, facto que o tornará mais apelativo e didáctico".

"Cada ser humano deverá assim transmitir, aos que lhe sucedem, quer a História que recebeu, quer a relativa aos acontecimentos da sua época, com risco de, se não o fizer, a memória do passado poder ser deturpada e incorrectamente reescrita", acrescenta Leiria Pinto.

E isto porque, refere, "todo o verdadeiro conhecimento histórico é principalmente baseado nas denominadas fontes, documentais ou materiais, que são concebidas por aqueles que participam nos acontecimentos ou deles tiveram conhecimento directo".

Os navios que "marcaram uma época" - sustenta o almirante - devem continuar a ser memória histórica, evitando a sua transformação em "simples sucata" e que se percam "irremediavelmente" como património histórico visível, apreciado e estudado.

Fonte
https://www.facebook.com/638795606146217/posts/pfbid0CNpgMGtEeALFaCjcs79tFA6yhJ3jBgimJ7x5tf337PikWjx7dmHZ1A1xb4iyqfMyl/
"[Os portugueses são]um povo tão dócil e tão bem amestrado que até merecia estar no Jardim Zoológico"
-Dom Januário Torgal Ferreira, Bispo das Forças Armadas
 

*

HSMW

  • Moderador Global
  • *****
  • 11676
  • Recebeu: 2359 vez(es)
  • Enviou: 6375 vez(es)
  • +400/-244
    • http://youtube.com/HSMW
Re: Notícias da Marinha
« Responder #2616 em: Julho 06, 2022, 07:09:19 pm »
Haja Município com dinheiro para manter a VdG como museu...  ;D
https://www.youtube.com/user/HSMW/videos

"Tudo pela Nação, nada contra a Nação."
 

*

Visitante123

  • Membro
  • *
  • 274
  • Recebeu: 94 vez(es)
  • Enviou: 75 vez(es)
  • +2/-20
Re: Notícias da Marinha
« Responder #2617 em: Julho 06, 2022, 08:26:05 pm »
Haja Município com dinheiro para manter a VdG como museu...  ;D

Podiam pô-la na área ribeirinha de Viseu...ou Castelo Branco.
 

*

sivispacem

  • Perito
  • **
  • 426
  • Recebeu: 51 vez(es)
  • Enviou: 23 vez(es)
  • +17/-4
Re: Notícias da Marinha
« Responder #2618 em: Julho 06, 2022, 08:53:24 pm »
E enviar assim uma dúzia de Almirantes e Comodoros para musealização junto de várias Câmaras Municipais do país e assim desampararem um pouco a loja??????  c56x1 8) :mrgreen: :mrgreen:
 
Os seguintes utilizadores agradeceram esta mensagem: P44

*

nelson38899

  • Investigador
  • *****
  • 4866
  • Recebeu: 560 vez(es)
  • Enviou: 441 vez(es)
  • +324/-1769
Re: Notícias da Marinha
« Responder #2619 em: Julho 07, 2022, 12:02:50 am »
Façam com San Diego, nos USA

Aqui tem uma peça de museu, que não faz qualquer barulho



Aqui está outro museu a céu aberto

"Que todo o mundo seja «Portugal», isto é, que no mundo toda a gente se comporte como têm comportado os portugueses na história"
Agostinho da Silva