Tibete

  • 53 Respostas
  • 19369 Visualizações
*

routechecker

  • Membro
  • *
  • 93
  • +0/-0
Tibete
« em: Março 25, 2008, 08:50:30 pm »
TWO weeks of protests against China's rule of Tibet have left about 130 people dead, an exiled Tibetan leader says as the unrest threatened to overshadow the lighting of the Olympic torch.

Amid the controversy, China called for the world to unite in opposition to any campaigns linking the Games to Tibet or any other political issue, as it maintained a lockdown of the areas where protests have taken place.

Tibet's prime minister-in-exile, Samdhong Rinpoche, said today from his base in Dharamshala, India, that about 130 people had been confirmed killed in a Chinese crackdown on the protests, up from a figure of 99 given last week.

The protests began in the Tibetan capital of Lhasa on March 10 to mark the anniversary of a failed 1959 uprising against China's rule of Tibet.

The protests turned violent four days later in Lhasa, with Tibetan rioters killing 19 innocent civilians and one policeman in Lhasa, according to the Chinese government.

Protests then spread to other areas of China with ethnic Tibetan populations.

Criticism

The ensuing crackdown has come under criticism because foreign reporters and other independent monitors have been barred from the hotspot areas, amid reports of a massive military build-up.

Beijing has repeatedly accused exiled Tibetan spiritual leader the Dalai Lama of masterminding the protests, and that the unrest was a deliberate campaign to sabotage the Games.

The Olympics are set to be drawn more closely into the controversy with the torch for this August's Games being lit tonight in Olympia in southwestern Greece, where the ancient Olympics were born in 776 BC.

The Olympic flame is to pass over Mount Everest in Tibet in early May, and through the region's capital of Lhasa, the scene of the most violent protests, the following month.

The lighting of the flame will trigger a wave of global protests against Chinese authorities over Tibet and a range of other issues, such as China's record on human rights and religious freedoms, activists groups said.

China's official Xinhua news agency published a commentary today calling for global opposition to such campaigns.

"In the run-up to the Games, the international community, true sports lovers and opponents of violence should be prepared for a further farce,'' Xinhua said.

"They must stand fast against any attempt to undermine the Olympics, as the event not only belongs to Beijing and China but is a solemn international event that should never be disturbed by politics.''

International Olympic Committee chief Jacques Rogge said he saw no sign of international support for a boycott of the Beijing Games.

Crackdown continues

Meanwhile, China showed no signs of buckling to calls for independent monitoring of the crackdown.

Foreign reporters remained banned from entering Lhasa, while China has also kept a tight lid across a huge swathe of land bordering Tibet and nearby.

In Nepal, at least 245 Tibetans were detained today after police baton-charged a pro-Tibet rally near a United Nations office in Kathmandu, police and a witness said.

Police used bamboo batons to break up a crowd of about 500 Tibetan protesters carrying placards calling for a "Free Tibet,'' an AFP reporter at the scene said.

Death toll 130 as Olympic torch lit

In Beijing, a former factory worker who organised a petition linking human rights improvements to the Olympics was sentenced to five years in jail for subversion today, his sister said.

Yang Chunlin, 52, had gone on trial in Jiamusi city in the northern province of Heilongjiang after collecting more than 10,000 signatures for a petition entitled: "We want human rights, not the Olympics''.

Yang's case is one of two dissident trials being closely watched overseas ahead of the Olympics.

The other involves prominent dissident and human rights campaigner Hu Jia, who went on trial in Beijing last week also for subversion, according to his laywers.
When people speak to you about a preventive war, you tell them to go and fight it. After my experience, I have come to hate war. War settles nothing: Dwight David Eisenhower : 34th president of the United States, 1890-1969
 

*

routechecker

  • Membro
  • *
  • 93
  • +0/-0
(sem assunto)
« Responder #1 em: Março 25, 2008, 08:51:23 pm »
China accuses Dalai Lama of terrorism
Exiled leader portrayed as mastermind behind destabilizing violence
Aileen McCabe in Shanghai and Jane Macartney in Beijing, Canwest News Service and The Times, London
Published: Monday, March 24, 2008
China stepped into the news vacuum it created in Tibet to launch a barrage of criticism over the weekend aimed at the Dalai Lama, accusing him of colluding with Muslim terrorists to destabilize the country before the Olympics.

State-run newspapers have printed prominent editorials that are part of a campaign to portray the Dalai Lama as the mastermind of the deadly riots that have rippled through Tibet and ethnic Tibetan communities.

"The Dalai clique is scheming to take the Beijing Olympics hostage to force the Chinese government to make concessions to Tibet independence," the Communist Party's People's Daily said yesterday.

China's Communist rulers have presented the violence as a plot supported by only a minority of Tibetans.

The People's Daily said the Dalai Lama had never abandoned violence after fleeing China in 1959 following a failed revolt against Beijing.

It also accused Tibet's spiritual leader of planning attacks with the aid of violent Uighur separatist groups seeking an independent East Turkestan for their largely Muslim people in the northwestern Xinjiang region of China. It said: "The Dalai clique has also strengthened collusion with East Turkestan terror organizations and planned terror activities in Tibet."

The Dalai Lama described the accusations by China as baseless. He said yesterday: "I always supported the Olympics."

The official Xinhua News Agency also reported that on the severely censored Internet, "tens of thousands" of Chinese are voicing their rage at the foreign media.

"The netizens say that CNN and some western media organizations have intentionally neglected cruelties of the mobsters, revealing the hypocrisy of 'objective fairness' they had flaunted," it said.

In Lhasa, the Tibetan capital, a TV station issued another list yesterday of those most wanted in connection with the riots in which Chinese officials say 22 people were killed, including a baby boy burned to death in a garage and one paramilitary police officer. The latest list included six women and one monk and brought to 45 the total number of people the security forces were seeking.

The Dalai Lama's government-in-exile in the Indian town of Dharamsala has put the death toll at 99 -- 80 in Lhasa and 19 shot dead as the violence spilled over into neighbouring provinces with a large Tibetan population.

Meanwhile, the Beijing Olympic Torch will be lit today in an elaborate ceremony at Ancient Olympia in southern Greece. However, anti-China demonstrations are expected to mar the festivities.
When people speak to you about a preventive war, you tell them to go and fight it. After my experience, I have come to hate war. War settles nothing: Dwight David Eisenhower : 34th president of the United States, 1890-1969
 

*

routechecker

  • Membro
  • *
  • 93
  • +0/-0
(sem assunto)
« Responder #2 em: Março 25, 2008, 08:52:50 pm »
Protesters disrupt Olympic flame ceremony


Pro-Tibetan demonstrators disturb high security ceremony to light Olympic flame in Greece

Allegra Strattton and agencies
Monday March 24, 2008
guardian.co.uk


Pro-Tibetan protesters today disturbed a high security ceremony to light the Olympic flame in Greece.
International dignitaries were gathered at Olympia, the site of the ancient Olympics, when three members of the Paris-based Reporters Without Borders ran onto the field to disrupt a speech by Liu Qi, president of the Beijing organising committee and Beijing Communist party secretary.

The demonstrator who got nearest to Liu Qi was carrying a banner showing the Olympic Rings as handcuffs but failed to unfurl it before being arrested.

Police detained the men along with a Tibetan campaigner and a Greek photographer travelling with him in the nearby village of Olympia, just outside the site of the ancient Games.

Lhadon Tethong, director of Students for a Free Tibet, said the men were taken to the local police station. "One of our colleagues saw them being dragged by about 20 police through town," he said.

"If the Olympic flame is sacred, human rights are even more so," Reporters Without Borders said in a statement. "We cannot let the Chinese government seize the Olympic flame, a symbol of peace, without denouncing the dramatic situation of human rights in the country."

When the incident took place, Chinese state TV cut away to a pre-recorded scene, preventing Chinese viewers from seeing the protest. TV commentators on Chinese TV did not mention the incident.

After the arrest of the men the ceremony went ahead smoothly. Actor Maria Nafpliotou, dressed as a high priestess, used a convex mirror to catch the sun's rays and light the Olympic flame.

International Olympic committee president Jacques Rogge attended the ceremony and said afterwards: "It's always sad when there are protests. But they were not violent and I think that's the important thing."

Once lit, Nafpliotou handed the torch to Alexandros Nikolaidis, who won a silver medal in taekwondo at the 2004 Athens Games but the progress of the flame was hindered by protestors along its route.

Several pro-Tibet demonstrators, including a Tibetan woman whose body had been painted red, lay down on the road in the athelete's path.

A total 645 torchbearers will carry the flame for a week over 950 miles through Greece. It will make a stopover at the Acropolis before being handed over to Chinese officials at the Athens stadium where the first modern Olympics were held in 1896.

The flame will travel 85,000 miles across five continents to reach the Olympic stadium in Beijing on August 8.

Demonstrations continued today in countries neighbouring Tibet. In northeast India, police stopped nearly 500 Tibetan exiles from marching to the Chinese border to demand a halt to China's crackdown on protesters in Tibet.

Police blocked their entry into the state of Sikkim that borders China, said an officer, Sonam Bhutia. The protesters carried Tibetan flags and chanted slogans demanding they be allowed to go to Tibet.

"We have barricaded the road and we shall not allow the Tibetans to continue the march," Bhutia told the Associated Press.

The Tibetans living in India's northeast began their march on Thursday from the state of West Bengal and planned to enter China using the Nathu La pass in Sikkim.

"The goal of the marchers is to fight shoulder to shoulder with Tibetans inside Tibet," said Ugyen Tsewang, general secretary of the Northeast Tibetan Youth Congress, which organized the march.

"We haven't given up our effort yet. We are persuading the state authorities to allow us continue our march," Tsewang said by phone from Rongpo, a town in West Bengal state.

"We will start a hunger strike if the state authorities don't accept our demand," he said.

"We want to confront the Chinese police and not the Indian police." Protests started on March 10 in the Tibetan capital of Lhasa on the 49th anniversary of a failed uprising against Chinese rule.

They turned violent four days later, touching off demonstrations among Tibetans in three neighbouring Chinese provinces.

Beijing's official death toll from the protests is 22, but the Tibetan government-in-exile in India has said 99 Tibetans have been killed.

India has generally allowed the Tibetan exiles to protest peacefully, but earlier this month detained several dozen protesters who had planned a separate march from northern India to Tibet to coincide with the opening of the Beijing Olympics, saying India would not tolerate actions that embarrassed China.
When people speak to you about a preventive war, you tell them to go and fight it. After my experience, I have come to hate war. War settles nothing: Dwight David Eisenhower : 34th president of the United States, 1890-1969
 

*

André

  • Investigador
  • *****
  • 3555
  • Recebeu: 2 vez(es)
  • +110/-1
(sem assunto)
« Responder #3 em: Março 25, 2008, 10:28:02 pm »
O Tibete e o "Crescimento Harmonioso" da China
Alexandre Reis Rodrigues


 
Citar
A China não quer chegar aos Jogos Olímpicos com problemas internos; muito menos no Tibete, cuja causa tem grandes simpatias na opinião pública ocidental e cujo líder goza de todo o respeito e muita popularidade a nível mundial. No entanto, já deixou escapar a situação ao seu controlo. Vai ser-lhe difícil acalmar tudo de novo, agora que está apenas a cinco meses dos Jogos e não faltam movimentações a incentivar mais resistência e até o boicote aos Jogos.

É fácil à China acusar o Dalai Lama de estar por detrás de tudo, a orquestrar os acontecimentos, mas não vai alterar nada a seu favor com essa táctica. Em alternativa, devia ter sido previsto que, nas actuais circunstâncias, eram necessários mais cautelas para não dar azo a incidentes. Não foi o que fez; continuou a aumentar a pressão, a gerir o relacionamento com a região usando mão de ferro e os resultados estão à vista.

O agravamento da situação não começou no início de Março, como era habitual, sob o propósito de lembrar os acontecimentos desse mês em 1959 - a declaração de independência como reacção da população de Lhasa a uma tentativa de prisão do Dalai Lama, tendo este sido obrigado a fugir para a Índia, na sequência dos ataques do Exército chinês ao seu palácio e da feroz repressão geral que se seguiu. Iniciou-se no Verão passado quando as conversações então em curso entre representantes do Dalai Lama e o Partido Comunista Chinês (PCC) foram interrompidas.

O que se está a passar é um revés importante na estratégia chinesa de assimilação do Tibete, por diluição da sua cultura, das suas tradições e hábitos religiosos; comprova que os esforços feitos por Pequim para «trazer a teocracia medieval em que o Tibete tem querido viver para o nosso século» (em que se destaca a dispendiosa linha férrea que passou a ligar a região ao resto da China) não foram suficientes para suprimir as sementes da resistência tibetana à ocupação e às tentativas de destruição da identidade tibetana. Note-se que em 1952, menos de dois anos depois da invasão chinesa, já estava em curso um movimento migratório maciço de chineses para a região; num breve espaço de tempo o número de tibetanos (então cerca de três milhões) era ultrapassado pelo de chineses.

Tudo indica que os chineses vão precisar bastante mais do que a sua proverbial paciência para terem o assunto do Tibete resolvido a seu contento e sem protestos de maior da comunidade internacional. Em qualquer caso, entre manter a boa imagem de que precisam e preservar um interesse geo-estratégico que consideram vital vão com certeza privilegiar sempre a segunda hipótese. Ninguém imagina sequer que venham algum dia a ceder a independência a uma região que constitui um oitavo do seu território (quatro vezes o tamanho da França) e, mais importante do que isso, funciona como buffer da fronteira (problemática na sua perspectiva) com a vizinha Índia.

O Dalai Lama, sempre pragmático, vai empenhar-se numa acalmia da situação mas tem aqui uma oportunidade única de forçar algumas concessões para o seu povo; não no sentido da independência que deixou de lado mas certamente para uma maior autonomia. A pressão da comunidade internacional é, para já, a melhor opção para tentar obrigar Pequim a respeitar os compromissos que assumiu no Acordo assinado em 1951, que garantia ao Tibete liberdade religiosa, respeito pela figura do Dalai Lama e larga autonomia regional.

Jornal de Defesa
« Última modificação: Março 28, 2008, 01:21:05 am por André »

 

*

oultimoespiao

  • Perito
  • **
  • 468
  • Recebeu: 1 vez(es)
  • +8/-0
(sem assunto)
« Responder #4 em: Março 25, 2008, 11:48:04 pm »
Nenhum dos membros do forum de conhecida tendencia de esquerda tem opiniao sobre este probema?
 

*

André

  • Investigador
  • *****
  • 3555
  • Recebeu: 2 vez(es)
  • +110/-1
(sem assunto)
« Responder #5 em: Março 26, 2008, 12:00:48 am »
Citação de: "oultimoespiao"
Nenhum dos membros do forum de conhecida tendencia de esquerda tem opiniao sobre este probema?


Pois não, o camarada Jerónimo falou por eles ...  :wink:

 

*

NVF

  • Investigador
  • *****
  • 5364
  • Recebeu: 3998 vez(es)
  • Enviou: 9904 vez(es)
  • +8451/-245
(sem assunto)
« Responder #6 em: Março 26, 2008, 01:47:09 am »
Estarao os partidos de direita do mundo ocidental dispostos a ser consequentes nesta questao?  Nao me parece que ninguem esteja disposto a afrontar a poderosa China, comecando no senhor Bush e acabando no senhor Pacheco Pereira.

So' por curiosidade, os websites dos cinco principais partidos com assento parlamentar nao contem qualquer referencia a este assunto, donde se presume serem todos de esquerda.

E nem de proposito, aqui fica a opiniao de um tipo de 'direita':

Citar

UMA PERSONALIDADE SINGULAR

Mário Soares

Os jornais e as televisões internacionais, dos últimos dias, têm posto em relevo - uma vez mais - a figura ímpar, um tanto enigmática e, contudo, muito respeitada, do Dalai Lama. Veio já várias vezes a Portugal, como líder espiritual da comunidade budista tibetana, Prémio Nobel da Paz e, ao mesmo tempo, chefe de Estado, no exílio, na Índia, desde 1959, salvo erro, desse longínquo país nos Himalaias - o tecto do mundo -, onde jesuítas portugueses chegaram, em missão evangelizadora, no século XVI, e encontraram uma antiquíssima e requintada comunidade espiritual.

Os portugueses conhecem bem Dalai Lama, com o seu permanente e acolhedor sorriso, a sua excepcional afabilidade. Eu próprio tive ocasião de o encontrar, várias vezes, em Portugal e no estrangeiro e um dia - há já vários anos - tive o privilégio de o entrevistar para a RTP1, durante uma hora, para um programa que então tinha. Desde então, fiquei com imensa admiração e respeito por essa singular personalidade - que muitos tibetanos acreditam ser o próprio Deus -, que tem corrido o mundo, em defesa da identidade do seu povo e, por detrás das suas genuínas simplicidade e modéstia, próprias dos grandes homens, esconde uma vontade férrea e uma inteligência tranquila, construída ao longo dos anos de luta pelo domínio de si próprio, inteiramente ao serviço da sua terra e da sua gente. Em termos bíblicos, dir-se-ia a luta de David contra Golias...

Dalai Lama veio de novo para o pico da actualidade em virtude da revolta desarmada dos tibetanos e da brutal repressão que se lhe seguiu pela parte dos chineses. Um erro grave - senão mais do que isso -, quando a China se prepara para acolher, em Pequim, os Jogos Olímpicos de 2008!

Dalai Lama respondeu - do seu exílio, na Índia - com a sua firme subtileza habitual, acusando a China de "genocídio cultural", expressão que teve o condão de mobilizar a consciência do mundo, de Nancy Pelosi, a dinâmica presidente da Câmara dos Representantes dos Estados Unidos, que se deslocou expressamente a Dharamsala, a Sua Santidade o Papa e ao presidente do Parlamento Europeu.

A China, então, recorreu à retórica: acusa Dalai Lama de ter provocado os motins, com a intenção de criar problemas à realização dos Jogos Olímpicos. Dalai Lama respondeu tranquilamente que, como pacifista, não pensa que o problema do Tibete se resolva pela força. Mas sim pelo diálogo - no que está em oposição ao grupo extremista tibetano -, insinuando, com argúcia e ironia, que até deseja que os Jogos Olímpicos se realizam em Pequim, como previsto, com sucesso e normalidade, por "respeito pelo povo chinês e pelo que isso representa para o seu desejo de liberdade".

Ao ouvir na televisão estas palavras proferidas pelo Dalai Lama lembrei-me da experiência que tive quando quis visitar Sakharov numa viagem oficial que fiz à então ainda URSS, no tempo de Gorbachev e da perestroika. O protocolo soviético criou-me os maiores obstáculos, para me fazer desistir da visita. Mas eu persisti, ameaçando interromper a viagem. Finalmente, autorizaram que um carro da embaixada portuguesa o fosse buscar, cedo, numa manhã gélida de Moscovo, para vir tomar um café comigo à embaixada. Quando lá cheguei, eu próprio, a embaixada estava cercada, pela polícia soviética, com um tão grande e despropositado aparato de segurança que punha nervosíssimo o pessoal da embaixada, em grande parte empregados domésticos e secretários, quase todos russos, que não disfarçavam o medo... O próprio bairro e as ruas de acesso estavam fortemente vigiadas.

De repente surge o carro que trazia Sakharov e sua mulher, Yelena Bonner. Sakharov era um homem alto, tranquilo, com uns olhos azuis, claríssimos. Vi-o como um raio de sol que trespassasse o nevoeiro da frigidíssima manhã russa. Fiz-lhe sinais para o advertir de que na sala de jantar, onde o recebi, haveria seguramente microfones escondidos. Ele respondeu-me tranquilamente: "Não tem importância, eles sabem tudo o que eu penso! Estão habituados!" Depois falámos de tudo, longamente, em plena liberdade. A força bruta da intimidação nada podia contra a consciência cívica de Sakharov!...


Fonte
Talent de ne rien faire
 

*

André

  • Investigador
  • *****
  • 3555
  • Recebeu: 2 vez(es)
  • +110/-1
(sem assunto)
« Responder #7 em: Março 26, 2008, 02:12:32 pm »
Hillary pede reacção enérgica dos EUA em relação à violência no Tibete

Citar
A senadora por Nova Iorque Hillary Clinton, pré-candidata democrata à Presidência dos Estados Unidos, instou hoje o governo norte-americano a adoptar uma posição mais enérgica em relação ao uso da violência que a China está a utilizar no Tibete.

«Acho que deveríamos falar de maneira muito mais enérgica e manifestar o nosso apoio ao povo de Tibete, que tenta preservar a sua cultura e a sua religião perante as enormes pressões chinesas», afirmou Hillary durante um discurso de campanha na Pensilvânia.

Ao mesmo tempo, porém, a ex-primeira-dama dos EUA descartou a possibilidade de um boicote americano aos Jogos Olímpicos de Pequim, que se realizam este ano.

«Acho que o que ocorre no Tibete é extremamente preocupante e uma rotina no tratamento que o governo chinês dispensa ao Tibete», acrescentou a senadora.

Hillary, que disputa a candidatura democrata à Casa Branca com o senador por Illinois Barack Obama, salientou que os EUA deveriam dar sua opinião a respeito da situação e não esperar até aos Jogos Olímpicos.

No entanto, declarou que ainda não tem uma opinião a respeito da participação ou não dos Estados Unidos na Olimpíada de Pequim.

Diário Digital / Lusa

 

*

P44

  • Investigador
  • *****
  • 18148
  • Recebeu: 5470 vez(es)
  • Enviou: 5812 vez(es)
  • +7109/-9494
(sem assunto)
« Responder #8 em: Março 26, 2008, 03:56:34 pm »
Os EUA podiam apoiar a "Independencia Unilateral " do Tibete...ah espera, esses só se metem com os fracos....
"[Os portugueses são]um povo tão dócil e tão bem amestrado que até merecia estar no Jardim Zoológico"
-Dom Januário Torgal Ferreira, Bispo das Forças Armadas
 

*

papatango

  • Investigador
  • *****
  • 7479
  • Recebeu: 961 vez(es)
  • +4568/-871
(sem assunto)
« Responder #9 em: Março 26, 2008, 04:12:18 pm »
Os Estados Unidos apoiaram a Europa e lutaram contra o Império Alemão na I guerra mundial

Os Estados Unidos libertaram a Europa lutando contra a Alemanha hitleriana na II guerra.

Os Estados Unidos venceram a União Soviética, na guerra fria.

Os Estados Unidos venceram uma guerra contra o Iraque que era considerado o quarto maior exército do mundo.

Realmente os americanos só escolhem os fracos. Os fortes devem ser outros  :roll:
É muito mais fácil enganar uma pessoa, que explicar-lhe que foi enganada ...
 

*

P44

  • Investigador
  • *****
  • 18148
  • Recebeu: 5470 vez(es)
  • Enviou: 5812 vez(es)
  • +7109/-9494
(sem assunto)
« Responder #10 em: Março 26, 2008, 04:14:11 pm »
Os Estados Unidos venceram o Iraque???? não sabia  :lol:  :lol:
"[Os portugueses são]um povo tão dócil e tão bem amestrado que até merecia estar no Jardim Zoológico"
-Dom Januário Torgal Ferreira, Bispo das Forças Armadas
 

*

André

  • Investigador
  • *****
  • 3555
  • Recebeu: 2 vez(es)
  • +110/-1
(sem assunto)
« Responder #11 em: Março 26, 2008, 04:17:37 pm »
Citação de: "P44"
Os Estados Unidos venceram o Iraque???? não sabia  :lol:  :lol:


DAH na Primeira Guerra do Golfo .... !!!!!

 

*

P44

  • Investigador
  • *****
  • 18148
  • Recebeu: 5470 vez(es)
  • Enviou: 5812 vez(es)
  • +7109/-9494
(sem assunto)
« Responder #12 em: Março 26, 2008, 04:24:15 pm »
Citação de: "André"
Citação de: "P44"
Os Estados Unidos venceram o Iraque???? não sabia  :lol:  :wink:
"[Os portugueses são]um povo tão dócil e tão bem amestrado que até merecia estar no Jardim Zoológico"
-Dom Januário Torgal Ferreira, Bispo das Forças Armadas
 

*

Cabeça de Martelo

  • Investigador
  • *****
  • 20173
  • Recebeu: 2962 vez(es)
  • Enviou: 2224 vez(es)
  • +1304/-3458
(sem assunto)
« Responder #13 em: Março 26, 2008, 04:31:58 pm »
Pzito que eu saiba as Forças Armadas Iraquianas foram derrotadas e o governo deposto. A insurreição já é um processo secundário da divisão sectária e religiosa do Iraque.
7. Todos os animais são iguais mas alguns são mais iguais que os outros.

 

*

ricardonunes

  • Investigador
  • *****
  • 4872
  • Recebeu: 407 vez(es)
  • Enviou: 81 vez(es)
  • +265/-5949
(sem assunto)
« Responder #14 em: Março 26, 2008, 06:08:55 pm »
Potius mori quam foedari