Votação

Que aeronave de Apoio Aéreo Próximo para a FAP? Para missões em ambiente não contestado.

AH-1Z
7 (14.9%)
A-29N
13 (27.7%)
UH-60 DAP
20 (42.6%)
AC-295
2 (4.3%)
A-10C ex-USAF
2 (4.3%)
MH-6 Little Bird
1 (2.1%)
OH58D ex-US Army
0 (0%)
H-145 H-Force
2 (4.3%)

Votos totais: 47

Votação encerrada: Junho 02, 2023, 10:29:01 pm

CAS

  • 882 Respostas
  • 61559 Visualizações
*

Luso

  • Investigador
  • *****
  • 8527
  • Recebeu: 1621 vez(es)
  • Enviou: 682 vez(es)
  • +935/-7265
Re: CAS
« Responder #30 em: Abril 20, 2023, 09:14:47 am »
É possível utilizar hellfire (11km nas versões em produção) no Tucas?
Os canhões de 30mm do Pantsir tem 4 km de alcance (mas com os mísseis o Tucas é um pato) e o Shilka cerca de 2,5km. Suponho que os sistemas "manuais" de 23mm como o ZU-23-2 tenham alcance eficaz na ordem dos 1500m.
A questão parece estar mesmo no equipamento de guerra electrónica para autodefesa e alerta (rwr, etc.). A menos que ainda vagueie o "Espírito do T6".
Ai de ti Lusitânia, que dominarás em todas as nações...
 
Os seguintes utilizadores agradeceram esta mensagem: Subsea7

*

Subsea7

  • Investigador
  • *****
  • 1784
  • Recebeu: 1653 vez(es)
  • Enviou: 2502 vez(es)
  • +5498/-2912
Re: CAS
« Responder #31 em: Abril 20, 2023, 09:15:57 am »
É esse que reina... T-6 em Angola...
 

*

Cabeça de Martelo

  • Investigador
  • *****
  • 20234
  • Recebeu: 2985 vez(es)
  • Enviou: 2234 vez(es)
  • +1329/-3462
Re: CAS
« Responder #32 em: Abril 20, 2023, 12:01:56 pm »
Excertos de uma entrevista dada pelo Ministro da Defesa Brasileiro José Múcio.

Citar
Segundo Múcio, a Embraer deve anunciar na próxima semana a produção de aeronaves A-29 Super Tucano versão OTAN em Portugal, em uma parceria com a Indústrias de Defesa de Portugal. O anúncio será feito durante a viagem de Lula ao país europeu. Sobre as declarações do presidente em relação à guerra na Ucrânia, o ministro foi econômico, mas deixou clara a sua visão: “Quem invadiu foi a Rússia”.

A seguir os principais pontos da entrevista ao Valor:

Valor: Ministro, o senhor acabou de participar de uma importante feira de equipamentos de defesa. Nesse evento, os comandantes das Forças ressaltaram a importância do fortalecimento da base industrial de defesa do país. Saiu algo de promissor desse evento?

José Múcio: Os investimentos em defesa respondem por 1,17% do nosso Orçamento, algo entre R$ 19 bilhões e R$ 20 bilhões. A Otan diz que o ponto ideal é em torno de 2%. Portugal, que é um país pacífico, está em 1,6%. Estive com a ministra da Defesa de Portugal, que me disse que o objetivo final é chegar a 2% em 2026. Isso é o investimento que você faz para o Estado. Outra coisa é estimular e apoiar a indústria de defesa para que tenha acesso a financiamento. A área de Defesa é muito próxima à área de diplomacia, você tem que fazer acordos com embaixadores, ministros, comandantes das forças de outros países, para apresentar os produtos que fazemos aqui. Então, estamos demandando esforços para que os nossos empresários tenham acesso a quem não tem e funcionemos com um divulgador da nossa base industrial de defesa.

Fonte - https://www.defesanet.com.br/defesa/noticia/1050356/ministro-da-defesa-jose-mucio-interessa-aos-comandos-militares-que-tudo-seja-absolutamente-esclarecido-sobre-8-de-janeiro/

7. Todos os animais são iguais mas alguns são mais iguais que os outros.

 
Os seguintes utilizadores agradeceram esta mensagem: Malagueta

*

dc

  • Investigador
  • *****
  • 8476
  • Recebeu: 3855 vez(es)
  • Enviou: 715 vez(es)
  • +4985/-787
Re: CAS
« Responder #33 em: Abril 20, 2023, 12:46:40 pm »
Ia ser usados da mesma forma dos helicopteros de ataque.

Ufa, fico mais descansado. Nada como voar aeronaves de asa fixa a 10/20 metros do chão (há quem fale em menos que isso até), a velocidades superiores, e com possíveis obstáculos pelo caminho. Easy.

Mas calma! A "vantagem" do ST é poder largar bombas guiadas, e os helicópteros não. E como sabemos, é com voos rasantes ao chão que se largam bombas de queda livre guiadas com laser. Todo o tipo de armamento que pode ser empregue por ambas as aeronaves, tem mais vantagem a ser usado num helicóptero do que num turboprop de asa fixa. Um helicóptero pode pairar, rodar sobre o seu próprio eixo, pode atacar alvos com o canhão mantendo a altitude, e ainda, como vemos de forma recorrente, disparar rockets numa trajectória balística. O ST para fazer isto tudo, tem de subir a altitudes perigosas, pondo em risco a aeronave.

E por acaso, o emprego do ST seria mais parecido ao que é feito dos Su-25, do que dos helicópteros.

É possível utilizar hellfire (11km nas versões em produção) no Tucas?
Os canhões de 30mm do Pantsir tem 4 km de alcance (mas com os mísseis o Tucas é um pato) e o Shilka cerca de 2,5km. Suponho que os sistemas "manuais" de 23mm como o ZU-23-2 tenham alcance eficaz na ordem dos 1500m.
A questão parece estar mesmo no equipamento de guerra electrónica para autodefesa e alerta (rwr, etc.). A menos que ainda vagueie o "Espírito do T6".

O ST pode usar os UMTAS. Mas como estes também podem ser usados pelos Bayraktar, faz muito mais sentido usar nestes últimos, até pela questão (secundária para alguns, claro) de não expor um piloto.

E mais importante do que esses sistemas, também são os de médio e longo alcance, guiados por radar. É que o ST não é propriamente furtivo.
 
Os seguintes utilizadores agradeceram esta mensagem: Pescador

*

Pescador

  • Investigador
  • *****
  • 4016
  • Recebeu: 2608 vez(es)
  • Enviou: 2149 vez(es)
  • +5703/-2802
Re: CAS
« Responder #34 em: Abril 20, 2023, 01:01:54 pm »
Ia ser usados da mesma forma dos helicopteros de ataque.

Ufa, fico mais descansado. Nada como voar aeronaves de asa fixa a 10/20 metros do chão (há quem fale em menos que isso até), a velocidades superiores, e com possíveis obstáculos pelo caminho. Easy.

Mas calma! A "vantagem" do ST é poder largar bombas guiadas, e os helicópteros não. E como sabemos, é com voos rasantes ao chão que se largam bombas de queda livre guiadas com laser. Todo o tipo de armamento que pode ser empregue por ambas as aeronaves, tem mais vantagem a ser usado num helicóptero do que num turboprop de asa fixa. Um helicóptero pode pairar, rodar sobre o seu próprio eixo, pode atacar alvos com o canhão mantendo a altitude, e ainda, como vemos de forma recorrente, disparar rockets numa trajectória balística. O ST para fazer isto tudo, tem de subir a altitudes perigosas, pondo em risco a aeronave.

E por acaso, o emprego do ST seria mais parecido ao que é feito dos Su-25, do que dos helicópteros.

É possível utilizar hellfire (11km nas versões em produção) no Tucas?
Os canhões de 30mm do Pantsir tem 4 km de alcance (mas com os mísseis o Tucas é um pato) e o Shilka cerca de 2,5km. Suponho que os sistemas "manuais" de 23mm como o ZU-23-2 tenham alcance eficaz na ordem dos 1500m.
A questão parece estar mesmo no equipamento de guerra electrónica para autodefesa e alerta (rwr, etc.). A menos que ainda vagueie o "Espírito do T6".

O ST pode usar os UMTAS. Mas como estes também podem ser usados pelos Bayraktar, faz muito mais sentido usar nestes últimos, até pela questão (secundária para alguns, claro) de não expor um piloto.

E mais importante do que esses sistemas, também são os de médio e longo alcance, guiados por radar. É que o ST não é propriamente furtivo.

Ora bem

Mas escreva-se o que se escrever, com conteúdo e nos contextos de teatros, tudo bem explicado, é inútil para quem quer fazer negócios.
Os helicópteros com tanta capacidade e muitíssimo mais versatilidade é que não pode tapar o "sol tucano", "a luz do senhor". "o esplendor" , e  claro cadeira mais larga para rabos redondinhos. fodsssssssssss
havemos de ter um frota de avionetas para piruetas e os F16 sem MLU e destoar de todas os outras frotas. E claro o resto MLU Merlin, heli médios, nada.
Fixe
 
Os seguintes utilizadores agradeceram esta mensagem: Luso

*

dc

  • Investigador
  • *****
  • 8476
  • Recebeu: 3855 vez(es)
  • Enviou: 715 vez(es)
  • +4985/-787
Re: CAS
« Responder #35 em: Abril 20, 2023, 01:07:04 pm »
Pior é que agora já não se limitam a falar da aeronave para COIN em TOs de baixa e muito baixa intensidade. Agora até para guerra convencional. Só falta mesmo inventarem a capacidade de transportar bombas nucleares ou ser operado de porta-aviões.
 
Os seguintes utilizadores agradeceram esta mensagem: Luso, Pescador

*

Pescador

  • Investigador
  • *****
  • 4016
  • Recebeu: 2608 vez(es)
  • Enviou: 2149 vez(es)
  • +5703/-2802
Re: CAS
« Responder #36 em: Abril 20, 2023, 01:09:52 pm »
Pior é que agora já não se limitam a falar da aeronave para COIN em TOs de baixa e muito baixa intensidade. Agora até para guerra convencional. Só falta mesmo inventarem a capacidade de transportar bombas nucleares ou ser operado de porta-aviões.

Vai levar um missil harpoom ou quicá hipersônico de fabrico zuca
 
Os seguintes utilizadores agradeceram esta mensagem: Luso

*

Visitante123

  • Especialista
  • ****
  • 964
  • Recebeu: 333 vez(es)
  • Enviou: 188 vez(es)
  • +47/-139
Re: CAS
« Responder #37 em: Abril 20, 2023, 02:48:32 pm »
É possível utilizar hellfire (11km nas versões em produção) no Tucas?
Os canhões de 30mm do Pantsir tem 4 km de alcance (mas com os mísseis o Tucas é um pato) e o Shilka cerca de 2,5km. Suponho que os sistemas "manuais" de 23mm como o ZU-23-2 tenham alcance eficaz na ordem dos 1500m.
A questão parece estar mesmo no equipamento de guerra electrónica para autodefesa e alerta (rwr, etc.). A menos que ainda vagueie o "Espírito do T6".

Há info que o ST estava a ser preparado para usar os Agm -114. Mas não vi em lado nenhum que já os consiga operar.

O que o ST pode fazer na Ucrânia pode ser feito por artilharia a um preço muito mais baixo.

Quanto aos equipamentos defensivos o KC parece que usa os sistemas da Elbit. Não sei se o ST usará os mesmos ou outros
« Última modificação: Abril 20, 2023, 02:50:28 pm por Visitante123 »
 

*

Pescador

  • Investigador
  • *****
  • 4016
  • Recebeu: 2608 vez(es)
  • Enviou: 2149 vez(es)
  • +5703/-2802
Re: CAS
« Responder #38 em: Abril 20, 2023, 04:45:47 pm »
Não equipem os F16 como deve ser e Helis modernizados, que vai ser lindo o futuro da FAP.
Vai competir com a Marinha numa ilusão de fantasia. Mas em vez do Picas Marinha Virtual , vai ter na frente uma Maria Joaquina de rabo largo a falar de cadeiras
« Última modificação: Abril 20, 2023, 04:49:11 pm por Pescador »
 

*

mafets

  • Investigador
  • *****
  • 8656
  • Recebeu: 3246 vez(es)
  • Enviou: 1002 vez(es)
  • +4061/-6483
Re: CAS
« Responder #39 em: Abril 20, 2023, 04:58:05 pm »
Já votei no A10.  :mrgreen: Já estou a ver os nossos "Javalis" nos céus da RCA...  :mrgreen:



Saudações  :mrgreen:

"Nunca, no campo dos conflitos humanos, tantos deveram tanto a tão poucos." W.Churchil

http://mimilitary.blogspot.pt/
 

*

Pescador

  • Investigador
  • *****
  • 4016
  • Recebeu: 2608 vez(es)
  • Enviou: 2149 vez(es)
  • +5703/-2802
Re: CAS
« Responder #40 em: Abril 20, 2023, 06:02:25 pm »
Já votei no A10.  :mrgreen: Já estou a ver os nossos "Javalis" nos céus da RCA...  :mrgreen:



Saudações  :mrgreen:

Voto nisso.

O meu tema preferido aqui do Fórum agora é o CAS. Ou Caso, o caso bandeirante

Podíamos ter também uns daqueles da 2 guerra com montes de canhões na frente, Mitchel acho eu
Era um cenário mesmo vintage e exótico, Faz lembrar uma cena África Minha
 

*

PTWolf

  • Analista
  • ***
  • 764
  • Recebeu: 341 vez(es)
  • Enviou: 1629 vez(es)
  • +986/-189
Re: CAS
« Responder #41 em: Abril 20, 2023, 06:18:30 pm »
Começando por comparar os helicopteros:
UH-60 Black Hawk and Bell AH-1 Cobra

https://armedforces.eu/compare/helicopters_UH-60_Black_Hawk_vs_Bell_AH-1_Cobra

Vantagem para o UH-60 em: Velocidade; Capacidade Carga; Velocidade; Tripulaçao (2 pilotos + 2 tripulantes/gunners); Capacidade passageiros (11 sentados)
Vantagem do AH-1Z em: Distancia max;

Armamento do UH-60:
Citar
Guns:
2 × 7.62 mm (0.30 in) M240 machine guns[216]
2 × 7.62 mm (0.30 in) M134 minigun[212] or
2 × 12.7 mm (0.50 in) GAU-19 gatling guns[212]
Hardpoints: 4, 2 per ESSS stub wings , with provisions to carry combinations of:
Rockets: 70 mm (2.75 in) Hydra 70 unguided rockets in either a 7 tube (M260) or 19 tube (M261) pod.[212]
Missiles: Up to 4x AGM-114 Hellfire laser guided air-to-ground missiles or 2x AIM-92 Stinger heat seeking air-to-air missiles per hardpoint. The Hellfire launcher rails can also be equipped with M260 (7 tube) Hydra pods.[143][212]
Other: 7.62 mm (0.30 in), 12.7 mm (0.50 in), 20 mm (0.787 in), or 30 mm (1.18 in) M230 gun pods[212]
Bombs: Can be equipped with VOLCANO minefield dispersal system
https://en.wikipedia.org/wiki/Sikorsky_UH-60_Black_Hawk#Specifications_(UH-60M)

Armamento do AH-1Z:
Citar
Guns:
1 × 20 mm (0.787 in) M197 three-barreled rotary cannon in the A/A49E-7 turret (750 round ammo capacity)
Hardpoints: 6 total pylon stations on stub wings with a capacity of 5,764 lb (2,615 kg) maximum, with provisions to carry combinations of:
Rockets:
2.75 in (70 mm) Hydra 70 (unguided) or APKWS II (guided)[74] rockets (Mounted in LAU-68C/A (7 shot) or LAU-61D/A (19 shot) launchers; up to 76 unguided or 38 guided rockets total)[75][76]
Missiles:
AIM-9 Sidewinder air-to-air missiles – one mounted on each wing tip station (two total)
AGM-114 Hellfire air-to-surface missiles – Up to 16 missiles mounted in four 4-round M299 missile launchers, two on each wing
https://en.wikipedia.org/wiki/Bell_AH-1Z_Viper

Assim, parece-me que o UH-60 tem uma larga vantagem. É mais multifacetado e em termos logísticos vamos ter também alguns para o combate a incêndios.

Comparando o UH-60 com o outro da lista, o Bell OH-58 Kiowa:
https://www.militaryfactory.com/aircraft/compare-aircraft-results.php?aircraft1=1&aircraft2=44

Vantagem para o UH-60 em: Tripulaçao (2 pilotos + 2 tripulantes/gunners); Capacidade max de carga; Velocidade; Distancia max; Velocidade de subida;
Vantagem para o Bell OH-58 em: -

O armamento do OH-58 é:
Citar
Armament
Hardpoints: Two pylons , with provisions to carry combinations of:
Rockets: 1x LAU-68 rocket launcher with seven 70 mm (2.75") Hydra 70 rockets
Missiles: 2x AGM-114 Hellfire missiles
Other: 1x .50 cal (12.7 mm) M3P (or M296) heavy machine gun[121]
https://en.wikipedia.org/wiki/Bell_OH-58_Kiowa#Specifications_(OH-58D)

Mais uma vez o UH-60 é virtualmente superior.
Comparando este com o Little Bird:
https://www.militaryfactory.com/aircraft/compare-aircraft-results.php?aircraft1=321&aircraft2=44

Vantagem do UH-60 em: Tripulaçao (2 pilotos + 2 tripulantes/gunners); Capacidade max de carga; Distancia max; Capacidade passageiros max (11 contra 6 do LB).
Vantagem do Little Bird em: Velocidade de subida.
Armamento do Little Bird:
Citar
Armament
Guns:
2× 12.7×99mm (.50 BMG) GAU-19; or
2× 7.62×51mm NATO M134 Minigun
Rockets:
2× LAU-68D/A 7-tubes rocket pods firing 2.75 in (70 mm) Hydra 70 rocket projectiles
Missiles:
4× AGM-114 Hellfire or
4× FIM-92 Stinger

Sobra por isso comparar com o ultimo Helicoptero das opções, o Eurocopter EC145.
Comparativo (https://www.militaryfactory.com/aircraft/compare-aircraft-results.php?aircraft1=1192&aircraft2=44):

Vantagem do UH-60 em: Capacidade max de carga; Velocidade max (embora não muito superior); Capacidade passageiros (11 contra os 9 do EC145)
Vantagem do EC145 em: Distancia max; Velocidade de subida (embora não muito superior).

Atendendo a todos os fatores a minha escolha vai para o UH-60. Até pela questão logística.
Não considerei os aviões porque considero os Helicopteros mais versáteis. 
 

*

Icterio

  • Especialista
  • ****
  • 1131
  • Recebeu: 492 vez(es)
  • Enviou: 115 vez(es)
  • +2247/-1253
  • Mais vale ser sortudo do que ser bom
Re: CAS
« Responder #42 em: Abril 20, 2023, 06:46:01 pm »
Acho que estão a cometer um erro básico em comparar "pesos máximos" e "armamento máximo" entre helicópteros com funções totalmente diferentes.

Por essa lógica o UH-60 (como leva mais carga/armamento) seria superior ao AH-64 Apache em missões CAS.  Ou o Mi-8 Hip seria superior ao Mi-24 Hind, etc, etc.

Mais importante que as supostas cargas máximas são os sensores, integração dos mesmos, agilidade/manobralidade e robustez frente a fogo inimigo.

Não foi por acaso que os americanos desenvolveram (de urgência) o primeiro AH-1G Cobra no Vietnam - as versões gunship UH-1C Huey não estavam a dar conta do recado.
 
Os seguintes utilizadores agradeceram esta mensagem: Cabeça de Martelo

*

dc

  • Investigador
  • *****
  • 8476
  • Recebeu: 3855 vez(es)
  • Enviou: 715 vez(es)
  • +4985/-787
Re: CAS
« Responder #43 em: Abril 20, 2023, 07:47:16 pm »
Um helicóptero de ataque, sobretudo os das gamas mais elevadas (como o Apache), são mais competentes na função de ataque do que um helicóptero convencional "adaptado".

Mas para os pobres, ter algo como um UH-60 minimamente bem armado, já é melhor do que não ter nada. Peca pela blindagem e poder de fogo face a um AH puro, mas já preenche o vácuo do poder de fogo helitransportado nas FA portuguesas.

Se nos pudéssemos dar ao luxo de ter de tudo o que há de melhor, a conversa seria outra.
 
Os seguintes utilizadores agradeceram esta mensagem: LM

*

Icterio

  • Especialista
  • ****
  • 1131
  • Recebeu: 492 vez(es)
  • Enviou: 115 vez(es)
  • +2247/-1253
  • Mais vale ser sortudo do que ser bom
Re: CAS
« Responder #44 em: Abril 20, 2023, 08:40:34 pm »
Não estou por dentro dos requisitos e doutrina CAS que a FAP tem em mente, por isso é difícil opinar com substância, mas a discussão entre um turboprop ligeiro, gunship dedicado ou transporte de tropas "musculado" é interessante e tem mesmo muitos aspectos divergentes.

Uma grande vantagem de um transporte armado (como uma versão do Black Hawk), a meu ver, é a capacidade de inserir equipas de soldados de imediato no terreno - são as "boots on the gound" que causam o verdadeiro impacto (e duradouro), especialmente frente a terroristas/insurgentes/bandos armados.  Com um orçamento limitado, uma força de Black Hawk daria muitas soluções e opções aos comandantes no terreno, até porque alguns helicópteros podem ser configurados como transportes de tropas mais simples e outros com armamento mais pesado.