O colapso da união Europeia...

  • 92 Respostas
  • 13627 Visualizações
*

Daniel

  • Investigador
  • *****
  • 2114
  • Recebeu: 188 vez(es)
  • Enviou: 49 vez(es)
  • +258/-3326
Re: O colapso da união Europeia...
« Responder #90 em: Maio 29, 2020, 09:53:54 am »
Mais vinho sobre a mesa. "Nem mais um euro para o sul da Europa", pede revista holandesa
https://www.jn.pt/mundo/revista-holandesa-contra-apoios-nem-mais-um-euro-para-o-sul-da-europa-12251475.html


Citar
Quando já poucos se lembravam das anteriores acusações aos países do sul da Europa, chega da Holanda uma caricatura incendiária. Mais uma acha para uma fogueira que se agiganta.

A proposta de 750 mil milhões de euros para o fundo de recuperação económica que a Comissão Europeia apresentou na quarta-feira - e que visa ajudar o bloco europeu a ultrapassar a recessão desencadeada pela pandemia, sobretudo os países economicamente mais afetados - caiu mal na Holanda. A posição do governo, que, tal como o austríaco, é a favor da emissão de créditos apenas para não compartilhar dívidas, está em linha com a da revista conservadora "Elsevier Weekblad".

Esta quinta-feira, a publicação aponta o dedo, sem meias palavras, a Merkel e Macron, que, na semana passada, propuseram 500 mil milhões em apoios para responder aos danos económicos da covid-19. Proposta que, atira a revista mais lida do país, "significa uma transferência de dinheiro do norte para o sul da Europa". "Isso é perverso. Os factos mostram que os países do sul não são de modo algum pobres e têm dinheiro ou acesso a dinheiro que chegue. Também podem melhorar facilmente o poder aquisitivo das suas economias, com reformas como as já implementadas no norte", pode ler-se num artigo online da revista, que desvenda a primeira página, um quanto provocatória, da edição impressa de sábado.

As formigas do norte e as cigarras do sul

"Por que é que o plano de Merkel e Macron de doar 500 milhões de euros não é bom" - é a primeira frase da capa, que acompanha a imagem de uma mulher em correria, atarefada, com o telemóvel numa mão e a pasta de trabalho na outra, e ainda a de um operário, trabalhador em sacrifício. Em baixo, "nem mais um euro para o sul da Europa". E um homem, latino, de bigode e mangas da camisa arregaçadas, joias pelo corpo, com café e vinho sobre a mesa. A figura feminina transforma-se e expõe agora a vida boa de uma mulher - a flor no cabelo lembra uma sevilhana - que está de biquíni na piscina a fazer scroll nas redes sociais.

Será uma versão, agora ilustrada, da antiga acusação de que o sul da Europa gastou dinheiro em "copos e mulheres", durante a crise que conduziu ao resgate financeiro de países como Portugal, Grécia e Espanha. Uma pérola do então (2017) presidente do Eurogrupo e ministro das finanças holandês, Jeroen Dijsselbloem, que não caiu bem às nações-alvo. Como não caíram também as declarações de Wopke Hoekstra, atual responsável pela pasta financeira da Holanda, que recentemente instou a Comissão Europeia a investigar países, como Espanha, que dizem não ter margem orçamental para lidar com os efeitos da crise provocada pelo vírus, indignando António Costa.
A Vida é um teste e uma incumbência de  confiança.
 

*

Viajante

  • Investigador
  • *****
  • 2418
  • Recebeu: 1151 vez(es)
  • Enviou: 529 vez(es)
  • +1209/-102
Re: O colapso da união Europeia...
« Responder #91 em: Maio 29, 2020, 11:11:30 am »
Mais vinho sobre a mesa. "Nem mais um euro para o sul da Europa", pede revista holandesa
https://www.jn.pt/mundo/revista-holandesa-contra-apoios-nem-mais-um-euro-para-o-sul-da-europa-12251475.html


Citar
Quando já poucos se lembravam das anteriores acusações aos países do sul da Europa, chega da Holanda uma caricatura incendiária. Mais uma acha para uma fogueira que se agiganta.

A proposta de 750 mil milhões de euros para o fundo de recuperação económica que a Comissão Europeia apresentou na quarta-feira - e que visa ajudar o bloco europeu a ultrapassar a recessão desencadeada pela pandemia, sobretudo os países economicamente mais afetados - caiu mal na Holanda. A posição do governo, que, tal como o austríaco, é a favor da emissão de créditos apenas para não compartilhar dívidas, está em linha com a da revista conservadora "Elsevier Weekblad".

Esta quinta-feira, a publicação aponta o dedo, sem meias palavras, a Merkel e Macron, que, na semana passada, propuseram 500 mil milhões em apoios para responder aos danos económicos da covid-19. Proposta que, atira a revista mais lida do país, "significa uma transferência de dinheiro do norte para o sul da Europa". "Isso é perverso. Os factos mostram que os países do sul não são de modo algum pobres e têm dinheiro ou acesso a dinheiro que chegue. Também podem melhorar facilmente o poder aquisitivo das suas economias, com reformas como as já implementadas no norte", pode ler-se num artigo online da revista, que desvenda a primeira página, um quanto provocatória, da edição impressa de sábado.

As formigas do norte e as cigarras do sul

"Por que é que o plano de Merkel e Macron de doar 500 milhões de euros não é bom" - é a primeira frase da capa, que acompanha a imagem de uma mulher em correria, atarefada, com o telemóvel numa mão e a pasta de trabalho na outra, e ainda a de um operário, trabalhador em sacrifício. Em baixo, "nem mais um euro para o sul da Europa". E um homem, latino, de bigode e mangas da camisa arregaçadas, joias pelo corpo, com café e vinho sobre a mesa. A figura feminina transforma-se e expõe agora a vida boa de uma mulher - a flor no cabelo lembra uma sevilhana - que está de biquíni na piscina a fazer scroll nas redes sociais.

Será uma versão, agora ilustrada, da antiga acusação de que o sul da Europa gastou dinheiro em "copos e mulheres", durante a crise que conduziu ao resgate financeiro de países como Portugal, Grécia e Espanha. Uma pérola do então (2017) presidente do Eurogrupo e ministro das finanças holandês, Jeroen Dijsselbloem, que não caiu bem às nações-alvo. Como não caíram também as declarações de Wopke Hoekstra, atual responsável pela pasta financeira da Holanda, que recentemente instou a Comissão Europeia a investigar países, como Espanha, que dizem não ter margem orçamental para lidar com os efeitos da crise provocada pelo vírus, indignando António Costa.

Os Holandeses matam-se tanto a trabalhar que até têem quase todas as SGPS portuguesas com a sua sede na Holanda, recebendo dessa forma impostos das empresas que se "espreguiçam" em Portugal, quando estas decidem distribuir dividendos aos accionistas!!!!! Realmente os milhares de milhões de euros que ganham à nossa custa, faz suar os Holandeses muito!!!!!!!

Por esse motivo defendo que a dupla tributação deve acabar (bem sei que para os juristas ela não existe), mas uma empresa pagar 21% de IRC sobre o lucro declarado (esquecendo a taxa mais baixa para os primeiros 15 000€ que é de 17%). Se o lucro ficar na empresa, paga só o máximo de 21%, mas se distribuir como manda a lei, pelo menos 50% do lucro aos sócios, essa distribuição paga 28% de IRS (sócios particulares). E é aqui que a Holanda ganha rios de dinheiro a suar as estopinhas, as suas taxas de imposto são negociadas mas andam em torno dos 5%!!!!!!

Mas a nossa esquerda nunca vai permitir esse sacrilégio, os capitalistas só pagarem 5% a somar aos 21%, isso nunca!!!! É preferível termos as sedes das nossas próprias empresas a pagar os seus impostos na Holanda!!!!!!! :o
« Última modificação: Maio 29, 2020, 11:13:48 am por Viajante »
 
Os seguintes utilizadores agradeceram esta mensagem: LM, Cabeça de Martelo

*

P44

  • Investigador
  • *****
  • 11584
  • Recebeu: 1901 vez(es)
  • Enviou: 2589 vez(es)
  • +1554/-3107
Re: O colapso da união Europeia...
« Responder #92 em: Maio 29, 2020, 11:36:19 am »
"[Os portugueses são]um povo tão dócil e tão bem amestrado que até merecia estar no Jardim Zoológico"
-Dom Januário Torgal Ferreira, Bispo das Forças Armadas
 
Os seguintes utilizadores agradeceram esta mensagem: Cabeça de Martelo