ZLT Infante D. Henrique

  • 1 Respostas
  • 414 Visualizações
*

Red Baron

  • Investigador
  • *****
  • 2239
  • Recebeu: 398 vez(es)
  • Enviou: 283 vez(es)
  • +124/-271
ZLT Infante D. Henrique
« em: Julho 31, 2022, 05:08:10 pm »
Numa cerimónia presidida pela Ministra da Defesa Nacional e pelo Secretário de Estado da Economia, a Marinha Portuguesa e a Agência Nacional de Inovação (ANI) apresentaram hoje, 19 de julho, no Centro de Experimentação Operacional da Marinha, em Troia, a primeira Zona Livre Tecnológica (ZLT) reconhecida pelo Governo português. A ZLT INFANTE D. HENRIQUE vai testar, em mar aberto e circunstâncias reais, sistemas de segurança e de defesa não tripulados e outras tecnologias em ambientes de subsuperfície, superfície (terrestre e molhado) e aéreo.

​​​​A ZLT INFANTE D. HENRIQUE ocupará uma área superior a mil milhas quadradas, abrangerá parte dos concelhos de Sesimbra, Setúbal e Grândola e será monitorizada a partir do Centro de Experimentação Operacional da Marinha (CEOM), em Troia. Toda a área será sensorizada, reunindo as condições ideais para, em segurança, testar e validar novas tecnologias de comunicações, sensores, inteligência artificial e materiais. Pelas características geofísicas do local, esta ZLT permitirá ainda acesso e o estudo do mar profundo, que será alavancado com a instalação de uma plataforma multipropósito, vulgo ilha artificial.

A ZLT INFANTE D. HENRIQUE pretende promover a colaboração com a indústria, a academia e os utilizadores finais, bem como atrair projetos de experimentação inovadores com tecnologias emergentes e disruptivas no meio marítimo, tornando a região como um polo de inovação de reconhecido valor a nível mundial.

​“A ZLT INFANTE D. HENRIQUE é a plataforma para a construção de uma Marinha tecnologicamente avançada que queremos significativa para os portugueses e para os nossos aliados e é, simultaneamente, a alavanca para a mudança, constituindo-se como fator multiplicador do conhecimento, útil para a Academia e para a economia ligada ao mar, rumo a um Portugal Marítimo.” Henrique Gouveia e Melo, Almirante CEMA.

“Para a ANI, o mais importante é o estímulo à inovação e a aceleração da entrada de novas tecnologias no mercado que as ZLT podem representar, bem como potenciar a atração de talento, investimento e projetos inovadores para o país. Já existem instrumentos semelhantes noutros países, mas Portugal tem um enorme potencial, já que a medida poderá abranger todos os setores.” Joana Mendonça, Presidente da ANI.

Sobre as ZLT

As ZLT são espaços (físicos e/ou virtuais) para realização de testes e experimentação em ambiente real ou quase-real, permitindo reduzir assim o tempo de chegada de novas tecnologias ao mercado. São particularmente relevantes quando fator regulatório é crítico para a entrada de uma tecnologia no mercado.​


12 manifestações de interesse


A ANI é a entidade responsável por coordenar e gerir as ZLT em Portugal e trabalha em articulação com as entidades regulatórias. Até ao momento, já recebeu 12 manifestações de interesse (candidaturas), oito das quais favoráveis. As potenciais ZLT pretendem experimentar e testar projetos de Mobilidade, Fintech, Comunicações e Ambiente.

 
Os seguintes utilizadores agradeceram esta mensagem: HSMW

*

Pescador

  • Investigador
  • *****
  • 1437
  • Recebeu: 1048 vez(es)
  • Enviou: 627 vez(es)
  • +1568/-1479
Re: ZLT Infante D. Henrique
« Responder #1 em: Julho 31, 2022, 08:28:36 pm »
um discurso muito bonito até algo vago deixando antever os resultados habituais, de montanhas que parem ratos. Mas mesmo sendo á letra, se não houver meios de real dissuasão numa conjuntura de aliança e capacidade de mostrar Soberania, isso é mais um jardim lindo nos Bairros, onde os jardins duram pouco ou acabam por servir outros.
 
Os seguintes utilizadores agradeceram esta mensagem: NVF, Subsea7