Crise de refugiados e imigrantes na UE e em Portugal

  • 314 Respostas
  • 54347 Visualizações
*

Lusitano89

  • Investigador
  • *****
  • 12902
  • Recebeu: 692 vez(es)
  • Enviou: 238 vez(es)
  • +556/-402
Re: Crise de refugiados e imigrantes na UE e em Portugal
« Responder #240 em: Julho 21, 2021, 01:11:14 pm »
Suécia endurece lei da imigração


 
Os seguintes utilizadores agradeceram esta mensagem: P44, Daniel

*

Daniel

  • Investigador
  • *****
  • 2692
  • Recebeu: 336 vez(es)
  • Enviou: 115 vez(es)
  • +536/-6538
Re: Crise de refugiados e imigrantes na UE e em Portugal
« Responder #241 em: Julho 23, 2021, 02:24:49 pm »
Polícia desmantela rede que transportava migrantes a 250km/h para escapar à polícia
https://www.cmjornal.pt/multimedia/videos/detalhe/policia-desmantela-rede-que-transportava-migrantes-a-250kmh-para-escapar-a-policia
Citar
Cada pessoa rendia entre 2000 a 2500 euros. Era frequente o transporte de 15 migrantes num só veículo.

Isto sim é polícia e trabalho bem feito :snipersmile: ver o video, não consegui identificar o país.
 

*

Lusitaniae

  • Perito
  • **
  • 383
  • Recebeu: 109 vez(es)
  • Enviou: 6 vez(es)
  • +46/-292
Re: Crise de refugiados e imigrantes na UE e em Portugal
« Responder #242 em: Julho 23, 2021, 08:01:15 pm »
Polícia desmantela rede que transportava migrantes a 250km/h para escapar à polícia
https://www.cmjornal.pt/multimedia/videos/detalhe/policia-desmantela-rede-que-transportava-migrantes-a-250kmh-para-escapar-a-policia
Citar
Cada pessoa rendia entre 2000 a 2500 euros. Era frequente o transporte de 15 migrantes num só veículo.

Isto sim é polícia e trabalho bem feito :snipersmile: ver o video, não consegui identificar o país.

É na Hungria!
Abbati, medico, potronoque intima pande
 

*

Daniel

  • Investigador
  • *****
  • 2692
  • Recebeu: 336 vez(es)
  • Enviou: 115 vez(es)
  • +536/-6538
Re: Crise de refugiados e imigrantes na UE e em Portugal
« Responder #243 em: Agosto 18, 2021, 07:51:20 pm »
2.000 migrantes irregulares entraram em Espanha nos últimos 15 dias
https://eco.sapo.pt/2021/08/18/2-000-migrantes-irregulares-entraram-em-espanha-nos-ultimos-15-dias/
Citar
Quase 2.000 migrantes chegaram de forma irregular a Espanha nos últimos 15 dias, elevando o número de entradas irregulares registadas desde o início do ano para mais de 18.443, divulgou esta quarta-feira o Ministério do Interior espanhol.

Este valor total representa um aumento de 54,1% em comparação com o período homólogo de 2020.

Os valores atualizados pelo Governo espanhol, que contabilizam as entradas irregulares entre 1 de janeiro e o passado domingo (15 de agosto), continuam a não incluir o fluxo migratório registado em maio passado em Ceuta.

Entre 17 e 18 de maio, Ceuta, território espanhol no norte de Marrocos, testemunhou um fluxo migratório sem precedentes, quando viu chegar cerca de 10 mil migrantes procedentes de Marrocos, na maioria cidadãos marroquinos, mas também outros oriundos da África subsaariana.

Segundo os mesmos dados, a maioria dos migrantes que chegaram até meados de agosto ao território espanhol fê-lo por mar: 17.060 pessoas, a bordo de 1.101 embarcações. Em termos homólogos, este número representa um aumento de 61,5% em relação ao ano passado.
Entre as várias zonas do território espanhol, as ilhas Canárias e Baleares apresentam os números de chegadas irregulares por mar mais elevados, 8.222 (um aumento de 144% face ao mesmo período de 2020) e 8.246 (mais 16% em comparação ao ano passado), respetivamente.

Outros 588 migrantes também chegaram por mar a Ceuta, um número expressivo quando comparado com os 93 migrantes que foram contabilizados em 2020.

Já em Melilla, outro enclave espanhol situado junto à costa marroquina, os dados atualizados do Ministério do Interior espanhol apontam para um decréscimo das chegadas irregulares por via marítima, de sete em 2020 para quatro até meados do mês corrente.

Sem contabilizar os números associados ao fluxo migratório registado em maio em Ceuta, o executivo espanhol informou que, até 15 de agosto, foram registadas 1.383 entradas irregulares por via terrestre nestes dois enclaves, o que representa menos 18 pessoas do que no mesmo período de 2020.

Espanha, a par da Grécia, Itália ou Malta, é um dos países da “linha da frente” ao nível das chegadas de migrantes irregulares à Europa.
 

*

Get_It

  • Investigador
  • *****
  • 1983
  • Recebeu: 346 vez(es)
  • Enviou: 456 vez(es)
  • +33/-44
Re: Crise de refugiados e imigrantes na UE e em Portugal
« Responder #244 em: Agosto 19, 2021, 10:02:17 am »
Um novo tipo de guerra. A seguir a Marrocos e Turquia agora é a vez da Bielorrússia utilizar imigrantes como arma:

Polónia acusa Bielorrússia de chantagem e proíbe entrada de migrantes retidos na fronteira
(19 de Agosto de 2021)
Citação de: Multinews
O primeiro-ministro polaco acusou a Bielorrússia de “chantagem” sobre um grupo de migrantes retido na fronteira entre os dois países e garantiu que não vai permitir a entrada destes na Polónia.

Mateusz Morawiecki defendeu que os migrantes foram “explorados” pelo presidente da Bielorrússia, Alexander Lukashenko.

«A chantagem feita por Lukashenko não nos pode forçar a receber ninguém», sublinhou o governante polaco, em declarações aos jornalistas, citado pela agência AFP.

Nos últimos meses, milhares de migrantes, sobretudo do Médio Oriente, entraram ou tentaram entrar nos três países que fazem fronteira com a Bielorrússia – Lituânia, Letónia e Polónia.

Estes três países não permitem que os migrantes solicitem asilo e as autoridades da Bielorrússia na fronteira não permitem que estes regressem àquele país.

A União Europeia também já acusou Minsk de encorajar os migrantes a cruzarem a sua fronteira rumo a outras nações, como retaliação pelas sanções aplicadas por Bruxelas contra o regime de Alexander Lukashenko.

A Lituânia já classificou este acto como «uma guerra híbrida» e começou a negar a entrada a migrantes desde o início de Agosto, registando-se mais travessias ilegais na Polónia e Letónia.

[continua]
Fonte: https://multinews.sapo.pt/vendas-mundo/polonia-acusa-bielorrussia-de-chantagem-e-proibe-entrada-de-migrantes-retidos-na-fronteira/

Cumprimentos,
:snip: :snip: :Tanque:
 

*

Daniel

  • Investigador
  • *****
  • 2692
  • Recebeu: 336 vez(es)
  • Enviou: 115 vez(es)
  • +536/-6538
Re: Crise de refugiados e imigrantes na UE e em Portugal
« Responder #245 em: Agosto 19, 2021, 01:44:31 pm »
Um novo tipo de guerra. A seguir a Marrocos e Turquia agora é a vez da Bielorrússia utilizar imigrantes como arma:

Polónia acusa Bielorrússia de chantagem e proíbe entrada de migrantes retidos na fronteira
(19 de Agosto de 2021)
Citação de: Multinews
O primeiro-ministro polaco acusou a Bielorrússia de “chantagem” sobre um grupo de migrantes retido na fronteira entre os dois países e garantiu que não vai permitir a entrada destes na Polónia.

Mateusz Morawiecki defendeu que os migrantes foram “explorados” pelo presidente da Bielorrússia, Alexander Lukashenko.

«A chantagem feita por Lukashenko não nos pode forçar a receber ninguém», sublinhou o governante polaco, em declarações aos jornalistas, citado pela agência AFP.

Nos últimos meses, milhares de migrantes, sobretudo do Médio Oriente, entraram ou tentaram entrar nos três países que fazem fronteira com a Bielorrússia – Lituânia, Letónia e Polónia.

Estes três países não permitem que os migrantes solicitem asilo e as autoridades da Bielorrússia na fronteira não permitem que estes regressem àquele país.

A União Europeia também já acusou Minsk de encorajar os migrantes a cruzarem a sua fronteira rumo a outras nações, como retaliação pelas sanções aplicadas por Bruxelas contra o regime de Alexander Lukashenko.

A Lituânia já classificou este acto como «uma guerra híbrida» e começou a negar a entrada a migrantes desde o início de Agosto, registando-se mais travessias ilegais na Polónia e Letónia.

[continua]
Fonte: https://multinews.sapo.pt/vendas-mundo/polonia-acusa-bielorrussia-de-chantagem-e-proibe-entrada-de-migrantes-retidos-na-fronteira/

Cumprimentos,

Não vai demorar muito e a EU como a conhecemos vai acabar, vai haver revolta e guerra, esperar para ver.
 
Os seguintes utilizadores agradeceram esta mensagem: HSMW

*

P44

  • Investigador
  • *****
  • 13939
  • Recebeu: 3249 vez(es)
  • Enviou: 3753 vez(es)
  • +2324/-5902
Re: Crise de refugiados e imigrantes na UE e em Portugal
« Responder #246 em: Agosto 19, 2021, 04:48:18 pm »
A Ana Gomes já ofereceu a mansão dela para acolher os refugiados afegãos?
"[Os portugueses são]um povo tão dócil e tão bem amestrado que até merecia estar no Jardim Zoológico"
-Dom Januário Torgal Ferreira, Bispo das Forças Armadas
 

*

Daniel

  • Investigador
  • *****
  • 2692
  • Recebeu: 336 vez(es)
  • Enviou: 115 vez(es)
  • +536/-6538
Re: Crise de refugiados e imigrantes na UE e em Portugal
« Responder #247 em: Agosto 20, 2021, 10:20:41 am »
A Ana Gomes já ofereceu a mansão dela para acolher os refugiados afegãos?

Essa apenas tem a lingua grande..
 
Os seguintes utilizadores agradeceram esta mensagem: P44

*

Daniel

  • Investigador
  • *****
  • 2692
  • Recebeu: 336 vez(es)
  • Enviou: 115 vez(es)
  • +536/-6538
Re: Crise de refugiados e imigrantes na UE e em Portugal
« Responder #248 em: Agosto 20, 2021, 10:24:57 am »
Erdogan adverte que Turquia não será “armazém de refugiados da Europa”
https://eco.sapo.pt/2021/08/19/erdogan-adverte-de-que-turquia-nao-sera-armazem-de-refugiados-da-europa/
Citar
A Turquia acolhe 3,6 milhões de refugiados sírios e cerca de meio milhão de afegãos.

O Presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, advertiu esta quinta-feira, perante a possibilidade de um forte afluxo de refugiados do Afeganistão, de que a Turquia não está disposta a ser o “armazém de refugiados da Europa”.

“A Europa transformou-se no centro de atração de milhões de pessoas, está a fechar as suas fronteiras e não pode ficar à margem deste problema”, disse Erdogan num discurso transmitido pela televisão.

“A Turquia não tem a responsabilidade nem a obrigação de se tornar o armazém de migrantes e refugiados da Europa”, sublinhou.

Neste momento, a Turquia acolhe 3,6 milhões de refugiados sírios e cerca de meio milhão de afegãos, números que poderão ser superiores dado que há um número desconhecido de migrantes indocumentados.

O chefe de Estado turco indicou que cerca de 450.000 sírios regressaram ao seu país por decisão própria, enquanto 235.000 afegãos “foram enviados” de volta, sem especificar o período em que ocorreram essas repatriações.

O Alto Representante da União Europeia (UE) para a Política Externa, Josep Borrell, assegurou na quarta-feira à agência noticiosa espanhola Efe que a situação no Afeganistão vai ser diferente da guerra na Síria e da onda migratória de 2015.

A esse respeito, Borrell propôs formas de “cooperação regional” com países da Ásia Central e a Turquia.

Das duas uma, ho a EU dá mais dinheiro ao Erdogan, ò vai ficar com os dedos entalados.
 

*

Daniel

  • Investigador
  • *****
  • 2692
  • Recebeu: 336 vez(es)
  • Enviou: 115 vez(es)
  • +536/-6538
Re: Crise de refugiados e imigrantes na UE e em Portugal
« Responder #249 em: Agosto 22, 2021, 02:28:20 pm »
Grécia ergue muro na fronteira com Turquia
https://eco.sapo.pt/2021/08/21/grecia-ergue-muro-na-fronteira-com-turquia/
Citar
O governo grego terminou a última parcela da construção de um ‘muro’ de 40 quilómetros ao longo da fronteira com a Turquia, com receio de uma vaga de migrantes. “Não podemos esperar, passivamente, por um possível impacto”, disse, numa visita à região de Evros, o ministro grego Michalis Chrisochoidis, numa referência à possível vaga de migrantes afegãos.

O ‘muro’, no entanto, começou a ser construído há cerca de oito anos e a sua ampliação foi decidida no final do ano passado, muitos antes da entrada dos talibãs em Cabul. Os últimos km da vedação grega — termo preferido a muro — foram concluídos esta sexta-feira e incluem um sistema de monitorização high-tech. O custo estimado é de 63 milhões de euros.

Os sinais de nervosismo na Grécia voltaram a aumentar esta semana quando o presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, advertiu que a Turquia não será um “armazém de refugiados da Europa”. Em conversa telefónica com o primeiro-ministro Kyriakos Mitsotakis, Erdogan avisou que a situação no Afeganistão pode “ser um desafio sério para todos”.

A Turquia acolhe cerca de 3,6 milhões de refugiados sírios e cerca de meio milhão de afegãos, segundo a Lusa. “A Europa transformou-se no centro de atração de milhões de pessoas, está a fechar as suas fronteiras e não pode ficar à margem deste problema”, acrescentou Erdogan.

A Grécia esteve na linha da frente da crise de migrantes em 2015, quando um milhão de pessoas fugiu da Síria e outros países Médio Oriente. O fluxo só foi travado, em 2016, quando a União Europeia fechou um acordo financeiro com Ancara. “As nossas fronteiras vão permanecer invioláveis”, garantiu o ministro grego Chrisochoidis.

No espaço de poucas semanas, a Grécia é o segundo país da União Europeia a defender a construção de uma barreira na fronteira externa do bloco comunitário, para travar a entrada de migrantes. Também a Lituânia está a erguer uma vedação de quatro metros de altura, ao longo de 508 quilómetros, na fronteira com a Bielorússia.

Em ambos os projetos, a Comissão Europeia recusou financiamento e manteve a a posição de recusar apoiar a construção de muros ou vedações. Mas já fez saber que, pelo menos para o caso lituano, irá enviar uma ajuda de emergência de 36,7 milhões de euros para ajudar a capacidade de acolhimento face ao “número excecional” de migrantes ilegais que estão a chegar ao país báltico.

 
Os seguintes utilizadores agradeceram esta mensagem: P44

*

Daniel

  • Investigador
  • *****
  • 2692
  • Recebeu: 336 vez(es)
  • Enviou: 115 vez(es)
  • +536/-6538
Re: Crise de refugiados e imigrantes na UE e em Portugal
« Responder #250 em: Agosto 23, 2021, 01:41:09 pm »
Afeganistão: Governo da Áustria mantém recusa em receber refugiados
https://multinews.sapo.pt/noticias/afeganistao-governo-da-austria-mantem-recusa-em-receber-refugiados/
Citar
O Governo da Áustria insistiu hoje que não vai acolher refugiados do Afeganistão e rejeitou propostas da Comissão Europeia para a criação de rotas e canais legais para cidadãos afegãos receberem proteção na União Europeia (UE).

“Sou claramente contra o facto de acolhermos mais pessoas voluntariamente”, disse o chanceler austríaco, Sebastian Kurz, numa entrevista ao canal televisivo PULS 24, no domingo à noite, citada hoje pela agência EFE.

Já hoje de manhã, o ministro do Interior, Karl Nehammer, reiterou a posição de Viena de que a UE deve envidar esforços para que os refugiados afegãos permaneçam na região do seu país.

Kurz e Nehammer são ambos membros do Partido Popular Conservador (ÖVP), o parceiro maioritário da coligação governamental com os Verdes.

O ministro do Interior defendeu que os afegãos que cooperam com missões europeias e da Organização do Tratado do Atlântico Norte (NATO, na sigla em inglês) deveriam poder continuar a trabalhar para a UE no Afeganistão ou em países limítrofes, em vez de serem transferidos para a Europa, como está a acontecer.

“Também aqui, a prioridade deveria ser mantê-los na região”, insistiu Nehammer numa entrevista à rádio pública ORF, segundo a EFE.

Nehammer defendeu que os afegãos em causa, muitos dos quais são tradutores e intérpretes, devem ficar a trabalhar em projetos da UE no terreno para melhorar a situação humanitária.

O ministro austríaco já tinha criticado anteriormente a Comissão Europeia por apelar à criação de rotas seguras e legais para aqueles que tentam fugir do conflito e da repressão talibã no Afeganistão.

O ministro austríaco manifestou o seu espanto perante esta proposta e acusou Bruxelas de enviar o “sinal errado”, por considerar que poderia ser visto como um convite para os migrantes escolherem a Europa como destino.

Em qualquer caso, a posição da Áustria, como o chefe do Governo reiterou na entrevista à PULS 24, é a de que já tem uma comunidade de refugiados afegã proporcionalmente grande e não aceitará mais.

A ajuda no terreno é atualmente “a única coisa certa e sensata em que a Comissão Europeia se deve concentrar agora”, insistiu Sebastian Kurz.

Kurz mantém, assim, a política de imigração dura e restritiva, uma das pedras angulares da sua gestão governamental, ao impor-se ao parceiro minoritário da coligação, o partido Verde, que é a favor de que a Áustria receba um grupo de afegãos que necessitam de proteção.

Milhares de afegãos têm-se dirigido para o aeroporto de Cabul na esperança de serem retirados do país por terem medo dos talibãs, que retomaram o poder depois de terem governo entre 1996 e 2011.

Muitos desses afegãos trabalharam para missões diplomáticas ou de organizações internacionais no Afeganistão.

Os talibãs assumiram o poder em Cabul em 15 de agosto, no final de uma ofensiva que intensificaram em maio, quando começou a retirada das forças internacionais no Afeganistão.

A intervenção internacional, liderada pelos Estados Unidos, ocorreu em 2001, após os atentados de 11 de setembro, e pôs termo ao regime dos talibãs, marcado pela repressão e pela negação de direitos em nome da lei islâmica.

A invasão do Afeganistão foi suscitada pela recusa dos talibãs em entregarem o principal responsável pelos atentados terroristas de 11 de setembro, o então líder da Al Qaida, Osama Bin Laden, que se encontrava no país.

Ainda bem que este tem os olhos abertos, os USA e UK fizeram a merda, agora que os recebam todos, imbecis.
 
Os seguintes utilizadores agradeceram esta mensagem: P44

*

Daniel

  • Investigador
  • *****
  • 2692
  • Recebeu: 336 vez(es)
  • Enviou: 115 vez(es)
  • +536/-6538
Re: Crise de refugiados e imigrantes na UE e em Portugal
« Responder #251 em: Agosto 26, 2021, 09:13:10 am »
EUA e aliados europeus numa corrida contra o tempo para salvar afegãos
https://www.cmjornal.pt/mais-cm/especiais/crise-no-afeganistao/detalhe/eua-e-aliados-europeus-numa-corrida-contra-o-tempo-para-salvar-afegaos?ref=HP_OutrasNoticias2

Citar
Enquanto o desespero cresce entre os milhares de afegãos que esperam uma via de fuga junto ao aeroporto de Cabul, os EUA e aliados europeus estão numa corrida contra o tempo para retirar do Afeganistão o maior número de pessoas até final do mês.

O presidente Joe Biden recusou, na terça-feira, as pressões dos parceiros do G7 para prolongar o prazo das operações para lá de dia 31, pelo que alguns países, como a França, ponderam suspender os voos esta quinta-feira mesmo.


É um dever cívico e moral da EU, USA, Canada, UK salvar o mundo, há que ir buscar os milhares de Haitianos que estão a passar fome, Venezuelanos, Cubanos, Síria etc etc.
Cambada de imbecis idiotas FDP, que estão a acabar com a vida de milhares de pessoas, estão a destruir a EU que futuramente será os USA. ::)
« Última modificação: Agosto 26, 2021, 09:44:31 am por Daniel »
 

*

Daniel

  • Investigador
  • *****
  • 2692
  • Recebeu: 336 vez(es)
  • Enviou: 115 vez(es)
  • +536/-6538
Re: Crise de refugiados e imigrantes na UE e em Portugal
« Responder #252 em: Agosto 28, 2021, 01:51:16 pm »
539 migrantes chegam a Lampedusa
https://www.sapo.pt/noticias/atualidade/539-migrantes-chegam-a-lampedusa_612a2e7d7e1ee129e1cda158

Citar
Um total de 539 pessoas chegou hoje ao porto de Lampedusa numa embarcação pesqueira sobrelotada, que foi localizada pelas autoridades italianas, sendo este um dos maiores desembarques registados na ilha.

E vão mais 539 coitados dos italianos, às ruas de algumas cidades italianas é uma miséria.
 

*

Lusitano89

  • Investigador
  • *****
  • 12902
  • Recebeu: 692 vez(es)
  • Enviou: 238 vez(es)
  • +556/-402
Re: Crise de refugiados e imigrantes na UE e em Portugal
« Responder #253 em: Agosto 30, 2021, 05:35:39 pm »
De ministro no Afeganistão a estafeta na Alemanha


 

*

Lusitano89

  • Investigador
  • *****
  • 12902
  • Recebeu: 692 vez(es)
  • Enviou: 238 vez(es)
  • +556/-402
Re: Crise de refugiados e imigrantes na UE e em Portugal
« Responder #254 em: Agosto 31, 2021, 09:10:11 pm »
UE conta com países vizinhos para gerir refugiados no Afeganistão