Brasil e o etanol

  • 2 Respostas
  • 3542 Visualizações
*

Lancero

  • Investigador
  • *****
  • 4050
  • Recebeu: 1 vez(es)
  • +0/-0
Brasil e o etanol
« em: Março 07, 2007, 02:38:46 pm »
Citar
Brasil/Bush: Visita fortalece etanol como futuro substituto do petróleo - FIESP

São Paulo, Brasil, 07 Mar (Lusa) - A visita a partir de quinta- feira do presidente norte-americano, George W. Bush, ao Brasil vai fortalecer a utilização do etanol como substituto do petróleo, disse hoje o director da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (FIESP).

      Em declarações à Agência Lusa, José Ricardo Roriz Coelho considerou que será "muito positivo" um acordo entre os dois maiores produtores de etanol, responsáveis por 75 por cento da produção mundial.

      "O Brasil poderá transformar-se no principal agente mundial de consolidação do etanol e assumir a liderança do futuro processo de substituição do petróleo", afirmou o executivo.

      Especialistas acreditam que um acordo entre o Brasil e os Estados Unidos vai abrir caminhos para a transformação do álcool numa 'commodity' que movimentará mil milhões de dólares, nos próximos 30 anos.

      O director da FIESP, entidade que representa as indústrias do estado mais rico e populoso do Brasil, não acredita, entretanto, na formação de uma espécie de "OPEC do etanol", a exemplo dos produtores de petróleo.

      "A produção de etanol ainda é relativamente pequena, por isso não seria possível exportar largamente o produto, como acontece actualmente com os países produtores de petróleo", comparou.

      No ano passado, o Brasil exportou apenas 10 por cento da produção total de álcool, cerca de 1,7 mil milhões de litros, segundo a União da Indústria da Cana-de-Açúcar (UNICA), entidade que representa os empresários do sector.

      Actualmente, o Brasil produz 17 mil milhões de litros de álcool por ano, com uma área plantada de três milhões de hectares de cana de açúcar.

      O Proalcool, programa brasileiro de utilização do álcool como combustível, foi criado em 1975 após o aumento do preço internacional do petróleo, resultado de crises políticas no Médio Oriente.

      Na época, o Brasil importava grande parte do petróleo que consumia e o Proalcool foi uma forma de diminuir os gastos do país com as suas importações.

      Recentemente, as produtoras de automóveis desenvolveram, no Brasil, uma tecnologia que permite a utilização de álcool ou de gasolina no mesmo veículo.

      O resultado é que 80 por cento dos automóveis novos actualmente vendidos nas concessionárias já utilizam a nova tecnologia, chamada de "flex-fuel".

      Um quarto do total da frota brasileira de 20 milhões de veículos utiliza o etanol, que responde por 45 por cento do consumo total de combustíveis.

      O etanol está disponível aos consumidores brasileiros em todas as 35.000 bombas espalhadas pelas diversas regiões do país.

      O etanol brasileiro à base de cana-de-açucar é um dos mais baratos do mundo, 0,22 dólares por litro, enquanto que o preço nos EUA, produzido a partir do milho, é 0,30 dólares.

      A tarifa de importação aplicada pelos EUA sobre o álcool brasileiro é de 0,15 dólares por litro, o que reduz a competitividade do produto no mercado norte-americano.

      A redução dessa tarifa é uma das principais reivindicações dos produtores brasileiros de etanol, o que possibilitaria a abertura do mercado norte-americano ao produto brasileiro.

      A parceria com o Brasil também oferecerá vantagens políticas para George Bush porque diminuiria a influência do presidente da Venezuela, Hugo Chávez, na América do Sul, salientou o director da FIESP.

      "A aproximação com o Brasil, de certa forma, neutraliza o avanço de Chávez na região, actualmente uma das principais vozes de oposição a Bush", afirmou Roriz Coelho.

      Roberto Rodrigues, antigo ministro do primeiro Governo de Lula da Silva, membro do Conselho de Agricultura da FIESP, salienta que a parceria entre os dois países vai abrir um novo mercado para o Brasil.

      "Essa aproximação com os EUA permitirá ao Brasil exportar não apenas o etanol, mas sobretudo a tecnologia, a capacidade técnica envolvida no processo de produção", disse, ao classificar de "histórica" a visita de Bush ao Brasil.

      O ex-ministro realçou que, nos próximos seis anos, o Brasil deverá construir em média uma fábrica de álcool por mês, o que representará investimentos de 14,6 mil milhões de dólares.

      O Brasil tem actualmente 336 fábricas de álcool e de açúcar, número que deverá ascender a 409 até ao final de 2013, com a produção anual de 130 mil milhões de litros e mais de um milhão de empregos.

      O biocombustível é usado em cerca de 40 países, mas ainda está longe de conquistar a Europa, que planeia uma presença de apenas 10 por cento de etanol nos combustíveis até 2020.
"Portugal civilizou a Ásia, a África e a América. Falta civilizar a Europa"

Respeito
 

*

lurker

  • Perito
  • **
  • 427
  • +0/-0
(sem assunto)
« Responder #1 em: Março 07, 2007, 08:16:51 pm »
A UE estava a apostar principalmente no biodiesel, não no etanol.
Isto deve-se ao simples facto de os veiculos diesel vendidos de há uma década para cá funciona perfeitamente com B100 (100% biodiesel) e de esses veiculos hoje em dia representarem 50% das vendas, enquando os veiculos "flex-fuel" (gasolina ou etanol) são quase inexistentes.

Mas os alvos da UE, 5.75% até 2010 e 10% até 2020, não vão ser atingidos. Os biocombustiveis têm um problema: as culturas não são suficientemente produtivas e são precisas àreas enormes mesmo para satisfazer estes parcos objectivos.
Na verdade, já chegámos ao paradoxo de ter paises fora da UE a arrasar habitats  naturais para cultivar matéria prima para as fábricas de biodiesel europeias.

A meu ver, a melhor esperaça para os biocombustíveis (seja etanol, biodiesel ou SVO) é a cultura de algas de crescimento rápido.
 

*

marianah

  • 9
  • +0/-0
    • http://5coisas.org/
Re: Brasil e o etanol
« Responder #2 em: Agosto 28, 2014, 11:04:31 am »
Etanol brasileiro é prejudicado e estrangeiro privilegiado. Pra que serve a teimosia? Prejuízos!

O governo de Dilma tenta esconder tudo o que seja negativo à sua imagem, principalmente quando o que se registra não se trata apenas de uma suspeita. Por isso a presidente bate cabeça para dissimular simpatia aos produtores sucroalcooleiros, mas suas palavras à imprensa ou discursos não se encaixam à realidade. Ora, nenhum governo pode se dar ao “luxo” de pensar e viver de imagem, muito menos de imagem pessoal, pois isto é narcisismo condenável a qualquer título.
Dilma aparece sorridente para dizer que seu governo está atento para os problemas de abastecimento de combustíveis para o Brasil, mas suas atitudes conflitam com o seu verbo. Várias provas colocam em xeque o governo federal diante de falências de usinas que não conseguem manter o nível de empregos nem equilibrar financeiramente seus empreendimentos. O governo Dilma não tem uma política confiável, segura, sobre o que o País deve produzir.
A política econômica do governo petista é atabalhoada, confusa, inconsistente, sem segurança e inspira desconfiança. Por isso tantos desempregos estão aumentando em toda área de produção, serviço e comércio. Veja que Dilma tirou a prioridade do etanol, e esta era uma das esperanças dos produtores como também dos proprietários de veículos flex. Com o desprestígio de fato do etanol, embora o governo tente disfarçar isso, como fica a situação dessa produção que deveria ser uma das grandes riquezas brasileiras? Diante dessa absurda decisão como fica a indústria de veículos?
Fora essa desastrada atitude o governo de Dilma ainda importa etanol mais caro do que o que produzimos no Brasil. O etanol importado dos EUA é extraído de milho e é mais caro que o nosso que é produzido da cana, e além do preço mais caro ainda tem que se considerar que o governo desprestigia a produção nacional e fica dependente da exportação.
Quer verdade, certo? Então, o governo Dilma está trazendo 12 milhões de etanol dos Estados Unidos, em plena safra do Nordeste e esse combustível tem por objetivo os distribuidores de combustível nordestino. A gritaria pelo prejuízo e desprestígio governamental ao produto brasileiro foi grande e com total razão, principalmente porque entre os compromissos está o de a cada 45 dias, neste ano de 2014, deve chegar um navio com etanol, segundo projeção da Alphamar, agência responsável pela contratação. A presidente Dilma não gosta da FAO E OCDE porque a Organização das Nações Unidas (ONU), que aglomera tais instituições, distribuiu para o mundo documento com a afirmação de que “a descoberta do pré-sal fez o etanol perder a importância” no Brasil.
Essa decisão esdrúxula vinha se alastrando na medida em que o governo acelerou o investimento no pré-sal. Dilma e seus seguidores não sabem decidir por prioridades que alcancem às aspirações populares e verdadeiras necessidades econômicas. Desde Lula, o governo do PT cria suas necessidades e tenta alcançá-las, assim sai atropelando todo mundo: se der, depois o governo tenta justificar seus vai ou não vai, e upa lê, lê... E o povo? Pra eles, o povo e o empreendedor, indústria, serviço e comércio, são apenas e tão somente detalhes.Quem disse que o governo tirou prioridade do etanol foi um relatório da FAO, que tem essa sigla traduzida para Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agriculturas. Tal documento foi reforçado por outra instituição, a OCDE que significa Organização de Cooperação e de Desenvolvimento Econômico. Tratam-se instituições insuspeitas que analisam as políticas econômicas internacionais.
Faz parte de seus compromissos com os países integrantes à OCDE o combate à corrupção e á evasão fiscal. E o Brasil não integra essa organização, a não ser quando tem eventual interesse.
A presidente está enredada em viagens e compromissos eleitorais e o problema do etanol está atrapalhando decisões que, na observação palaciana, não deve dar dividendo eleitoral para a candidata Dilma. Só que os áulicos cortesãos esquecem que Dilma não usa apenas um cargo de exposição, mas tem responsabilidades funcionais que têm de ser resolvidos, ganhe ou perca a eleição. O País não pode parar. Assim, sem aleivosias sibilinas, dou às amigas e amigos o meu bom dia, o meu bom dia pra vocês.
 

 

Economia do Brasil

Iniciado por Luso-Efe

Respostas: 86
Visualizações: 17319
Última mensagem Outubro 30, 2018, 12:17:28 pm
por Lusitano89