Expansão portuguesa

  • 39 Respostas
  • 11024 Visualizações
*

Lusitano89

  • Investigador
  • *****
  • 10657
  • Recebeu: 360 vez(es)
  • Enviou: 224 vez(es)
  • +58/-37
Re: Expansão portuguesa
« Responder #30 em: Janeiro 08, 2018, 01:18:00 pm »
7 de Janeiro - T.1 Ep.61 - A centralização do poder no Brasil colonial


 

*

Lightning

  • Moderador Global
  • *****
  • 7197
  • Recebeu: 554 vez(es)
  • Enviou: 696 vez(es)
  • +54/-20
Re: Expansão portuguesa
« Responder #31 em: Janeiro 08, 2018, 03:25:38 pm »
Acho o cerco de Diu espectacular só pelo discurso do comandante português. ;D

https://www.indiaportuguesa.com/primeiro-cerco-de-diu-ndash-1538.html
 

*

jpthiran

  • Membro
  • *
  • 261
  • Recebeu: 63 vez(es)
  • Enviou: 86 vez(es)
  • +9/-9
Re: Expansão portuguesa
« Responder #32 em: Janeiro 08, 2018, 10:38:18 pm »
um livro extraordinário sobre a expansão Portuguesa:
Conquistadores - Como Portugal Criou o Primeiro Império Global
por Roger Crowley
 

*

Lusitano89

  • Investigador
  • *****
  • 10657
  • Recebeu: 360 vez(es)
  • Enviou: 224 vez(es)
  • +58/-37
Re: Expansão portuguesa
« Responder #33 em: Janeiro 14, 2018, 08:40:28 pm »
 

*

HSMW

  • Moderador Global
  • *****
  • 8436
  • Recebeu: 733 vez(es)
  • Enviou: 1164 vez(es)
  • +58/-16
    • http://youtube.com/HSMW
Re: Expansão portuguesa
« Responder #34 em: Março 30, 2018, 01:44:25 pm »


"Colonizability of Africa" (1899)

http://www.youtube.com/profile_videos?user=HSMW

"Tudo pela Nação, nada contra a Nação."
 

*

Cabeça de Martelo

  • Investigador
  • *****
  • 14720
  • Recebeu: 893 vez(es)
  • Enviou: 862 vez(es)
  • +118/-111
Re: Expansão portuguesa
« Responder #35 em: Agosto 18, 2018, 05:10:17 pm »
Al Jazeera corta papel dos muçulmanos na escravatura e culpa portugueses

Canal do Qatar elimina primeiro episódio de série documental, coproduzida pela RTP e LX Filmes, onde se falava do papel dos muçulmanos no tráfico de escravos. E diz que foram os portugueses a "estabelecer" este comércio


Imagem retirada do cartaz do documentário: Rotas da Escravatura

ara expandirem a sua riqueza, os portugueses estabeleceram o comércio de escravos, em que África era o centro". É desta forma que o canal de notícias Al Jazeera, do Qatar, anuncia na sua página de Internet o "primeiro episódio" das Rotas da Escravatura, uma série europeia, apoiada por fundos comunitários, de cuja lista de produtores, encabeçada pelo canal francês Arte, fazem parte a RTP e a LX Filmes.

O problema, como confirmou Luís Correia, diretor da LX Filmes, depois de ter sido confrontado pelo DN com esta versão, é que o alinhamento apresentado pelo canal "está alterado, não corresponde ao original". Desde logo por apresentar como primeiro episódio aquele que, na realidade, "é o episódio dois", de uma série de quatro, em que se "conta toda a história da escravatura, desde a antiguidade, passando pelos séculos XIV e XV, em que Portugal esteve mais envolvido", até à abolição. "O que fizeram foi não exibir o episódio um e exibir o episódio dois como se fosse o primeiro", disse.

De facto, confirmou também Luís Correia, a Al Jazeera não só suprimiu o primeiro episódio como alterou "o lettering do segundo, que também não é o original", para que o episódio exibido passasse a ser identificado como o primeiro.

E sobre o que versava o episódio desaparecido na versão exibida pela televisão do Qatar? De acordo com a apresentação original do documentário, enviada ao DN pelo diretor da LX Filmes, o referido capítulo inaugural, intitulado: "641-1375 - Para Além do Deserto", examina "o processo que levou o Império Muçulmano a tecer de forma duradoura uma imensa rede de tráfico de escravos pela África, Médio Oriente e Ásia".

Citar
É muito desagradável e triste. Põe problemas para quem vê isto fora do contexto"

"É esse alinhamento de quatro episódios, que foi já exibido em França e que a RTP tem previsto agendar em breve para emissão, que corresponde ao documentário", acrescenta ao DN Luís Correia, lamentando a opção do canal árabe: "É muito desagradável e triste. Põe problemas para quem vê isto fora de contexto. No documentário, é explícito que há uma lógica de rigor histórico, de compreender a escravatura como um todo", diz.

O DN tentou, sem sucesso, contactar a assessoria de imprensa da RTP.

Infante D. Henrique, o "salteador"

No episódio transmitido no passado dia 16 pela Al Jazeera - canal seguido por largos milhões de espetadores em todo o mundo, sobretudo nos países islâmicos -, a escravatura em África é assim apresentada como uma prática fundada pelos portugueses: "O pequeno Reino foi o primeiro a assaltar a costa de África", é assegurado na narração, acompanhada de imagens de Lisboa, da Costa de Lagos e Sagres e de São Tomé - todas captadas pelas produtoras nacionais que produziram o documentário.

Entre os historiadores ouvidos neste capítulo consta António de Almeida Mendes, da Universidade de Nantes, que descreve Henrique, O Navegador, como tendo sido inicialmente "o líder de um bando de salteadores, de piratas que fazem cativos".

O DN perguntou a Almeida Mendes, através do seu endereço de e-mail na universidade francesa, se se revê nas conclusões gerais sobre o papel de Portugal apresentadas pelo documentário, em particular considerando o enquadramento feito pela Al Jazeera. Até ao momento, não obteve resposta.

Citar
Um ato de censura com um objetivo ideológico

Quem não tem dúvidas de que a opção da Al Jazeera "não é inocente" é João Pedro Marques, historiador e romancista especializado na história da escravatura. "É evidente que tem razões ideológicas e políticas. Querem, no fundo, arranjar um bode expiatório: dar a ideia de que os muçulmanos não tiveram intervenção nenhuma neste assunto e colocarem o odioso da questão todo do lado dos europeus", critica. "Isto é um ato de censura e um ato de censura com um objetivo ideológico", acrescenta. "É na altura da expansão muçulmana e da conquista pelos árabes [de novos territórios em África] que o tráfico cresce imenso", conta. "No somatório total deverá ter sido até maior do que o transatlântico".

Sobre o episódio relativo a Portugal e ao tráfico transatlântico, envolvendo o envio para as Américas, ao longo dos séculos, de mais de 10 milhões de escravos africanos, além dos cerca de 1,5 milhões que se estima terem morrido na travessia do Atlântico, o historiador não minimiza o "papel fundador" que os portugueses efetivamente neste tiveram. Mas defende que esse não pode ser dissociado do contexto geopolítico da época, sobretudo a partir da assinatura do Tratado de Tordesilhas, em 1494: "É a divisão do mundo entre os países ibéricos, com o beneplácito da Santa Sé, que faz com que Portugal tenha durante 200 anos, até ao século XVII, o usufruto exclusivo do negócio africano, no qual se inclui o tráfico de escravos".

João Pedro Marques tem também dificuldades em aceitar a descrição do papel do Infante D. Henrique feita por Almeida Mendes. "É uma transposição das nossas categorias de avaliação para o século XV, o que não é correto", diz. "Ele é historiador e há termos próprios do século XV para dizer o que as pessoas faziam. Os escudeiros do Infante D. Henrique iam em busca de honra, de façanhas, de cativos, de pessoas que pudessem encontrar. Piratas e salteadores não eram".

A pirataria, recorda, "tinha uma classificação própria". Os homens do Infante D. Henrique, defende, "tinham carta de corso [corsários], o que lhes dava autorização para atacar e capturar. Mas não eram só as pessoas do Infante D. Henrique", acrescenta. "Por toda a Europa e no mundo muçulmano havia coisas equivalentes. Havia uma tradição de corso que os muçulmanos continuaram a praticar até ao século XVIII, XIX. Assaltaram, por exemplo, as costas do Algarve e de outras partes da Europa para capturar escravos até muito tarde".

No entanto, acrescenta ainda, entre os portugueses, "o número de viagens de captura e a prática de desembarque foi limitadíssima. Usou-se nos primeiros contactos mas foi abandonado medida que se foi avançando para o Sul. O desembarque tinha enormes riscos, até do ponto de vista sanitário, devido às doenças", explica, acrescentando que os portugueses encontraram uma alternativa para o tráfico de escravos entre residentes dispostos a fazer negócio. "Acredita-se que os primeiros negros foram provavelmente comprados a uma caravana árabe que seguia para Norte, para o mediterrânico, para a zona de Marrocos".

Tráfico transatlântico começou há 500 anos

De acordo com os relatos históricos, os primeiros cativos africanos chegaram a Portugal em 1441, trazidos ao Infante D. Henrique por Antão Gonçalves e Nuno Tristão. A primeira venda decorreu em Lagos, em 1444, envolvendo 235 homens, mulheres e crianças. A chegada é descrita por Gomes Eanes de Zurara na Crónica da descoberta e conquista da Guiné. O relato, que não esconde o sofrimento evidenciado pelos escravos, é reproduzido no episódio dois da série Rotas da Escravatura.

Mais tarde, Portugal, Espanha e outros países começaram a enviar escravos da metrópole para vários destinos, como as Caraíbas.Já o primeiro transporte de escravos diretamente de África para as Américas - como recordou o jornal britânico The Independent foi aprovado há exatamente 500 anos, no dia 18 de Agosto de 1518, pelo rei Carlos I de Espanha. Os primeiros escravos a fazerem esse percurso terão sido obtidos através de um dos entrepostos que os portugueses, já na altura possuíam na costa africana.

https://www.dn.pt/mundo/interior/al-jazeera-corta-papel-dos-muculmanos-na-escravatura-e-culpa-portugueses--9731916.html
7. Todos os animais são iguais mas alguns são mais iguais que os outros.

 
Os seguintes utilizadores agradeceram esta mensagem: LM, MATRA

*

HSMW

  • Moderador Global
  • *****
  • 8436
  • Recebeu: 733 vez(es)
  • Enviou: 1164 vez(es)
  • +58/-16
    • http://youtube.com/HSMW
Re: Expansão portuguesa
« Responder #36 em: Janeiro 22, 2019, 02:51:57 am »
O que aconteceu aos índios do Brasil?
Tornaram-se aristocratas portugueses.


A moderna historiografia, frequentemente imaginativa e quase sempre comprometida com as ideologias da moda, traça aos indígenas brasileiros sorte pavorosa. Para folia dos mais informados, há mesmo quem imagine "genocídios" e mortes aos milhões. Trata-se, consabidamente, de delírio politicamente motivado; denigre, deturpa, apaga e ridiculariza a História luso-brasileira quem pretende divorciar o brasileiro da sua herança portuguesa, herança essa que é, e não pode deixar de ser, o essencial da sua identidade.
Para onde foi, então, o índio pré-cabraliano? Exterminou-o o português recém-chegado? Evidentemente, não: integrou-o na sociedade, tirou-o da selva e dos horrores do canibalismo, ergueu-o à civilização, à casa de pedra e aos confortos da cidade, ensinou-lhe a língua e a religião, libertou-o das arbitrariedades da vida nómada e fê-lo português de pleno direito e primeira grandeza. Grandeza é o termo que se impõe, sim, pois não foram poucos os indígenas que se tornaram nobres portugueses.

Tratemos o caso de Arariboia. Originalmente cacique dos temiminós, uma tribo tupi, este chefe intrépido aliou-se aos portugueses contra os franceses e tupinambás que então ocupavam a área do Rio de Janeiro. Triunfantes os nossos e desmanchada a França Antártica, a malograda tentativa gálica de submeter o Brasil, Arariboia e seus índios aportuguesaram-se, tomaram a fé cristã e fizeram-se parte pensante e actuante da nova sociedade euro-americana. Pelos serviços prestados ao Rei, o guerreiro recebeu a dotação de Vila Real da Praia Grande, localidade que fundou e que se tornaria, em 1834, na moderna Niterói.
Foi nomeado Capitão-mor da Vila e armado Cavaleiro da Ordem de Cristo, ascendendo desse modo à estação de fidalgo português. Outras demonstrações de generosidade e gratidão régias se seguiriam.
O Rei Dom Sebastião dar-lhe-ia avultado salário de 12 000 reis como recompensa pelos esforços despendidos no povoamento do Brasil e na civilização dos homens índios.
E, em muito caricata prova de afecto, o mesmo monarca faria ainda chegar a Araribóia uma peça de roupa que lhe pertencera.

Baptizado cristão, tornado soldado, capitão e administrador português, feito nobre e transformado em importante magnata brasileiro, Arariboia acabaria por adoptar o nome de Martim Afonso de Sousa. Fê-lo, claro, em tributo ao Martim Afonso de Sousa que foi capitão donatário de São Vicente e um dos fundadores do Brasil. Já o Martim Afonso de Sousa de que aqui nos ocupamos, Arariboia, daria início a uma das mais importantes dinastias brasileiras.
Os Sousas de Vila Real de Praia Grande/Niterói reforçariam em séculos posteriores a posição cimeira que desde o início ocuparam na sociedade brasileira.
Em 1644, Brás de Sousa, neto de Arariboia, reinvicaria a Conselho Ultramarino a capitania-mor de São Lourenço. Lisboa deferiu o pedido, esclarecendo que Brás era "descendente dos Sousas, que sempre exercitaram o cargo", pelo que tinha "direito a todas as honras e proeminências que têm e gozaram os mais capitães e seus antecessores nesta cidade de São Sebastião do Rio de Janeiro".

Em 1796, trezentos anos após o descobrimento do Brasil, assim era ainda. Era então Capitão-mor Manuel Jesus e Sousa, justificando-se-lhe o posto com a sua "ascendência nobre". Para onde foram, pois, os índios brasileros? Para a cidade portuguesa, fazendo-se portugueses, integrando a elite portuguesa e construindo durante séculos o Brasil português.

https://www.facebook.com/novaportugalidade/posts/2260905560834465?__xts__%5B0%5D=68.ARBKlTsaLk6XfYslcdfP7ZbspY2QwMUi4Wji0_cXBWgOoIYHhZei0SHjzgmVp9tPs1hn5tGEr0JQJX9NguS_oxDSgl9Qa9YARVPp0EKoQG1XFTRI8SQx2U21kggh3GP3vu0Hf6pHl3Qc8SOtkpG2gAOPm2-A9dwaSRr7cSHcEAwWpU54nToTWDPteRt8z0HfvDV7AvX0S1NADRNEJMYUSsP8j7mtBqBtkRyEzqFDacwq4r8a5G205Gf1Gab4wCNhiKzJZJTZS6f7cyhsUxHbF2NzDY371wxKeqpj5vgLsbiFwKuUoCyWBqLTKS5VBExc2D7zrFgz2tZBKAeZ8FrsRS8bO_VD&__tn__=K-R
http://www.youtube.com/profile_videos?user=HSMW

"Tudo pela Nação, nada contra a Nação."
 

*

goldfinger

  • Membro
  • *
  • 220
  • Recebeu: 63 vez(es)
  • Enviou: 12 vez(es)
  • +16/-0
DESCUBRIMIENTOS
« Responder #37 em: Maio 09, 2019, 09:56:45 am »
Buenos días, lamento abrir un nuevo tópico, pero no sabía muy bien donde poner esto.

Frente a la "historia" inventada por los británicos y por Hollywood, que parece que fueron los ingleses los que descubrieron medio mundo, esta es la realidad, España y Portugal, fueron los artífices de la mayoría de descubrimientos:

https://www.google.com/maps/d/viewer?mid=1KU3AR_u1HMmlqRP3cA3fpVZSZ5s&ll=-30.968884050983856%2C64.58173614569296&z=2

 :G-beer2:
« Última modificação: Maio 09, 2019, 09:59:46 am por goldfinger »
A España servir hasta morir
 

*

tenente

  • Investigador
  • *****
  • 3259
  • Recebeu: 1448 vez(es)
  • Enviou: 558 vez(es)
  • +211/-9
Re: DESCUBRIMIENTOS
« Responder #38 em: Maio 09, 2019, 10:14:36 am »
Buenos días, lamento abrir un nuevo tópico, pero no sabía muy bien donde poner esto.

Frente a la "historia" inventada por los británicos y por Hollywood, que parece que fueron los ingleses los que descubrieron medio mundo, esta es la realidad, España y Portugal, fueron los artífices de la mayoría de descubrimientos:

https://www.google.com/maps/d/viewer?mid=1KU3AR_u1HMmlqRP3cA3fpVZSZ5s&ll=-30.968884050983856%2C64.58173614569296&z=2

 :G-beer2:

É verdade, mas os Portugueses já estão habituados a esse tipo de maniobras dos britãnicos e não só ............. vai na volta é mais uma das manias dos Tugas, quererem ficar com os Louros dos descobrimentos, será que contrataram Navegadores e Marinheiros a outras Nações ???

Cumprimentos
« Última modificação: Maio 09, 2019, 01:44:47 pm por tenente »
 

*

Luso

  • Investigador
  • *****
  • 7486
  • Recebeu: 359 vez(es)
  • Enviou: 116 vez(es)
  • +87/-190
Re: DESCUBRIMIENTOS
« Responder #39 em: Maio 09, 2019, 02:18:07 pm »
Buenos días, lamento abrir un nuevo tópico, pero no sabía muy bien donde poner esto.

Frente a la "historia" inventada por los británicos y por Hollywood, que parece que fueron los ingleses los que descubrieron medio mundo, esta es la realidad, España y Portugal, fueron los artífices de la mayoría de descubrimientos:

https://www.google.com/maps/d/viewer?mid=1KU3AR_u1HMmlqRP3cA3fpVZSZ5s&ll=-30.968884050983856%2C64.58173614569296&z=2

 :G-beer2:

É verdade, mas os Portugueses já estão habituados a esse tipo de maniobras dos britãnicos e não só ............. vai na volta é mais uma das manias dos Tugas, quererem ficar com os Louros dos descobrimentos, será que contrataram Navegadores e Marinheiros a outras Nações ???

Cumprimentos

Por curiosidade, quando vou a alguma livraria (coisa rara, pois só lá encontro fancaria a preços milionários) ou a alguma grande superfície e vejo algum livro de história que obrigatoriamente deveria versar sobre os Descobrimentos, Portugal, nem em nota de roda-pé aparece. Pode-se compreender - até um ponto que isso aconteça em obras estrangeiras, mas acho absolutamente inaceitável que tal ocorra que tais obras sejam escolhida por opção dos livreiros nacionais e publicadas traduzidas para português. Isso significa que há uma opção deliberada em sabotar o ensino da história nacional.
Pudera: as academias de história estão nas mãos ou de marxistas ou de mercenários.
No mínimo vergonhoso que o Ministério da Cultura nada faça. Ou não, face às actividades dessa gente considerando o Navio da Namíbia e outras questões associadas.
Esta é apenas mais uma demonstração da podridão em que está o Edifício do Estado.
Nem imaginam quanto.
Ai de ti Lusitânia, que dominarás em todas as nações...
 

 

Portugal (Estado Novo - Mocidade Portuguesa - Blue Division)

Iniciado por João Ratão

Respostas: 9
Visualizações: 4680
Última mensagem Janeiro 30, 2014, 09:37:04 pm
por mafets
A administração Lecor e a Montevidéu portuguesa: 1817-1822

Iniciado por Doctor Z

Respostas: 7
Visualizações: 3539
Última mensagem Junho 26, 2008, 06:31:46 pm
por quintanova
Guerras Liberais · Guerra Civil Portuguesa

Iniciado por JACARÉ

Respostas: 1
Visualizações: 3086
Última mensagem Março 13, 2008, 02:16:06 pm
por quintanova
As fontes da historia militar hispano portuguesa

Iniciado por carlos duran

Respostas: 1
Visualizações: 1437
Última mensagem Dezembro 25, 2007, 11:50:09 am
por Jose M.
Foto de Tropa Portuguesa em manobras 1902

Iniciado por SmokeOn

Respostas: 4
Visualizações: 3114
Última mensagem Fevereiro 01, 2009, 06:06:38 pm
por Heraklion