Votação

Deve-se encontrar novas formas de melhorar a forma fisica dos militares?

Sim
14 (70%)
Não
3 (15%)
Sim, mas de forma diferente
3 (15%)

Votos totais: 14

Votação encerrada: Setembro 19, 2010, 05:36:31 pm

Fazer soldados estarem aptos para lutar sem flexões

  • 30 Respostas
  • 9705 Visualizações
*

Cabeça de Martelo

  • Investigador
  • *****
  • 14423
  • Recebeu: 782 vez(es)
  • Enviou: 762 vez(es)
  • +62/-55
Fazer soldados estarem aptos para lutar sem flexões
« em: Setembro 04, 2010, 05:30:41 pm »
Este é uma possível tradução de um artigo muito interessante do New York Times.

Citar
FORT JACKSON, S.C. — Dawn breaks at this, the Army’s largest training post, with the reliable sound of fresh recruits marching to their morning exercise. But these days, something looks different.

That familiar standby, the situp, is gone, or almost gone. Exercises that look like pilates or yoga routines are in. And the traditional bane of the new private, the long run, has been downgraded.

This is the Army’s new physical-training program, which has been rolled out this year at its five basic training posts that handle 145,000 recruits a year. Nearly a decade in the making, its official goal is to reduce injuries and better prepare soldiers for the rigors of combat in rough terrain like Afghanistan.

But as much as anything, the program was created to help address one of the most pressing issues facing the military today: overweight and unfit recruits.

“What we were finding was that the soldiers we’re getting in today’s Army are not in as good shape as they used to be,” said Lt. Gen. Mark Hertling, who oversees basic training for the Army. “This is not just an Army issue. This is a national issue.”

Excess weight is the leading reason the Army rejects potential recruits. And while that has been true for years, the problem has worsened as the waistlines of America’s youth have expanded. This year, a group of retired generals and admirals released a report titled “Too Fat to Fight.”

“Between 1995 and 2008, the proportion of potential recruits who failed their physicals each year because they were overweight rose nearly 70 percent,” the report concluded.

Though the Army screens out the seriously obese and completely unfit, it is still finding that many of the recruits who reach basic training have less strength and endurance than privates past. It is the legacy of junk food and video games, compounded by a reduction in gym classes in many high schools, Army officials assert.

As a result, it is harder for recruits to reach Army fitness standards, and more are getting injured along the way. General Hertling said that the percentage of male recruits who failed the most basic fitness test at one training center rose to more than one in five in 2006, up from just 4 percent in 2000. The percentages were higher for women.

Another study found that at one training center in 2002, 3 recruits suffered stress fractures of the pubic bone, but last year the number rose to 39. The reason, General Hertling said: not enough weight-bearing exercise and a diet heavy on sugared sodas and energy drinks but light in calcium and iron.

The new fitness regime tries to deal with all these problems by incorporating more stretching, more exercises for the abdomen and lower back, instead of the traditional situps, and more agility and balance training. It increases in difficulty more gradually. And it sets up a multiweek course of linked exercises, rather than offering discrete drills.

There are fewer situps, different kinds of push-ups and fewer long runs, which Army officials say are good for building strength and endurance but often lead to injuries. They also do not necessarily prepare soldiers for carrying heavy packs or sprinting short distances.

“We haven’t eliminated running,” General Hertling said. “But it’s trying to get away from that being the only thing we do.” (The new system does include plenty of sprinting.)

Some of the new routines would look familiar to a devotee of pilates, yoga or even the latest home workout regimens on DVD, with a variety of side twists, back bridges and rowinglike exercises. “It’s more whole body,” said First Lt. Tameeka Hayes, a platoon leader for a class of new privates at Fort Jackson. “No one who has done this routine says we’ve made it easier.”

The program was largely the brainchild of two former gym teachers who now run the Army Physical Fitness School based here. They are a military version of Click and Clack, finishing each other’s sentences and wisecracking with the alternating beat of gas-fired pistons.

One, Stephen Van Camp, is a former professional kick-boxer who unwittingly ran a marathon with a fractured ankle. “That’s not tough. That’s stupid,” he now says. The other, Frank Palkoska, is a former Army officer and West Point fitness instructor who adorns his office here with black-and-white photographs of 19th-century exercise classes and an assortment of retrograde equipment like medicine balls and wooden dumbbells.

“It’s back to the future,” Mr. Palkoska says before starting into a lament about the Xbox generation. “Technology is great, but it’s killing us.”

As he and Mr. Van Camp started developing what became a 434-page manual, they began by considering what combat soldiers do and came up with a checklist of things like throwing grenades and dodging gunfire.

The old style of physical training, he said, was less relevant to soldiers’ tasks, which entail lots of jumping, crouching and climbing. “What we did in the morning had nothing to do with what we did the rest of the day,” Mr. Palkoska said.

Under General Hertling, the new regimen will also include a makeover of the mess halls at its training bases. At Fort Jackson, there are more green leafy vegetables, less fried food, and milk instead of soda. The food line includes color-coded messages to encourage privates to eat low-fat entrees (marked in green). And there are other changes: no more assaulting tires with bayonets, but more time spent on rifle marksmanship and fighting with padded pugil sticks.

The trick now will be to push the program into the rest of the Army, where evidence suggests many soldiers are becoming overweight, particularly during or soon after deployments. The Army Training and Doctrine Command recently distributed the new fitness policy to the entire Army, officially replacing a physical fitness field manual that was first published in 1992.

While the training posts will have to follow the new program, since they are under General Hertling’s command, it is not mandatory for officers in the field. Every unit’s exercise routine is determined by its commander, and the current generation of officers has been indoctrinated under the old system.

The key, Mr. Palkoska says, will be to revamp the Army’s fitness test, which is taken twice a year. It measures a soldier’s ability to do situps, push-ups and a two-mile run. Since soldiers often train to the test, those are the exercises most of them do.

Mr. Palkoska and Mr. Van Camp hope the Army will revise that test by including new kinds of exercises and perhaps eliminating the situp.

“We know kids today are less fit,” Mr. Palkoska said. “We have to adjust.”

Soldier Held in Slaying

FORT McPHERSON, Ga. (AP) — Sgt. Rashad Valmont of the Army Reserve was fasting to meet strict military weight guidelines and nearly catatonic when he shot and killed a supervisor, the soldier’s lawyer said.

Details of the shooting were revealed for the first time Monday at a military hearing to determine if there was enough evidence to go to trial.

The lawyer, William Cassara, said that Sergeant Valmont, who faces a premeditated murder charge, was dehydrated, exhausted and delirious when he burst into Master Sgt. Pedro Mercado’s office in Fort Gillem in June. Mr. Cassara said Sergeant Valmont had spent weeks trying body wraps and sauna treatments and starving himself.

 :arrow: http://www.nytimes.com/2010/08/31/us/31 ... ss&emc=rss

O que é que acham? Eu só tenhoa experiência da minha tropa e na ETAT era completas de manhã até à noite (especialmente pulos de galo). Será que é preferivel mudar o treino fisico? Se acham que o problema da obesidade e falta de forma fisica só afecta os EUA, é porque não sabem da realidade que graça na geração que está a ingressar neste momento nas Forças Armadas...
7. Todos os animais são iguais mas alguns são mais iguais que os outros.

 

*

Get_It

  • Investigador
  • *****
  • 1691
  • Recebeu: 182 vez(es)
  • Enviou: 422 vez(es)
  • +7/-1
Re: Fazer soldados estarem aptos para lutar sem flexões
« Responder #1 em: Setembro 04, 2010, 09:32:58 pm »
Citação de: "Cabeça de Martelo"
O que é que acham? Eu só tenhoa experiência da minha tropa e na ETAT era completas de manhã até à noite (especialmente pulos de galo). Será que é preferivel mudar o treino fisico? Se acham que o problema da obesidade e falta de forma fisica só afecta os EUA, é porque não sabem da realidade que graça na geração que está a ingressar neste momento nas Forças Armadas...
Os canadianos, alemães, dinamarqueses e franceses também já se queixam há um bom tempo do pessoal novo que entra. De facto não é algo que apenas afecta os norte-americanos.

Já há uns bons anos que em Gaia (e no resto do país) começava-se a ver alguns casos nos novos recrutas. Mas nada que umas semanas e um bom exercício não resolvam.
À medida que as coisas mudam é claro que tem de se ir adaptando o treino físico, especialmente quando ainda hoje não sabemos totalmente como o corpo humano funciona. Agora, qual é preferível? Continuar com um regime que já tem uns bons trinta, cinco anos ou pegar em algo que só está a ser utilizado à uns 2 ou 5 anos? Claro que não devemos ter medo de experimentar mas se formos a ver aqui o principal problema não é o treino físico (e já estou a falar em geral e não apenas no caso português) mas sim a sociedade que tem vindo a mudar. Talvez o melhor fosse não mudar apenas o treino físico na recruta mas toda a recruta.

Cumprimentos,
:snip: :snip: :Tanque:
 

*

foxtrotvictor

  • Perito
  • **
  • 478
  • Recebeu: 1 vez(es)
  • +0/-0
Re: Fazer soldados estarem aptos para lutar sem flexões
« Responder #2 em: Setembro 04, 2010, 10:17:36 pm »
Na minha antiga casa chegaram à conclusão que não era nada aconselhável andar todo o santo dia com a mochila carregada com não sei quantos quilos e, de quando em onde, ainda com o extra da “consciência”. Os joelhos agradecem.
 

*

Camuflage

  • Investigador
  • *****
  • 1211
  • Recebeu: 63 vez(es)
  • Enviou: 29 vez(es)
  • +4/-20
Re: Fazer soldados estarem aptos para lutar sem flexões
« Responder #3 em: Setembro 05, 2010, 02:13:12 pm »
O problema dos EUA no que toca à obesidade é grave, já que 60% dos seus cidadãos têm excesso de peso. Enquanto que em Portugal umas semanas de exercício podem ajudar, o mesmo não ocorre com quem tem um peso muito elevado e precisa de muito mais do que exercício (novo regime alimentar, aconselhamento psicológico e talvez utilização de terapêuticas).
A solução a meu entender cabe cada vez mais a fazerem-se pressões sob o Estado e à industria alimentar, para que regulem o que é vendido ao público e no caso do Estado para que eduque a população com programas sobre alimentação e desporto (em vez de financiar o futebol que é só de alguns e os restantes são todos treinadores de bancada).
O papel da Defesa neste ponto passa por fazer pressões sobre o Estado e indirectamente sobre a industria alimentar, pois é do seu interesse conseguir jovens recrutáveis. Os países ocidentais vão cada vez mais enfrentar problemas no que toca a recrutamento e se querem dar a volta, tem que ser agora ou no futuro será muito mais difícil.
Não é eliminando exercícios básicos que vão dar a volta à coisa, isso é o que se faz agora ao baixarem os requisitos de selecção, qualquer dia nem se faz provas de selecção...
 

*

Cabeça de Martelo

  • Investigador
  • *****
  • 14423
  • Recebeu: 782 vez(es)
  • Enviou: 762 vez(es)
  • +62/-55
Re: Fazer soldados estarem aptos para lutar sem flexões
« Responder #4 em: Setembro 05, 2010, 08:43:11 pm »
Citar
Obesidade Infantil: Portugal - um dos países que revelam maior excesso de peso

Crianças dos EUA, Malta e Portugal são as que revelam maior excesso de peso.
Estados Unidos, Malta e Portugal são os três países de um conjunto de 41 analisados por um estudo da Organização Mundial de Saúde (OMS) onde as crianças com onze anos revelam maior excesso de peso.

Estes dados inserem-se num relatório sobre as desigualdades na saúde dos jovens, que inquriu mais de 200 mil crianças e jovens com 11, 13 e 15 anos.

De acordo com o documento, 25% das raparigas e 33% dos rapazes norte-americanos com 11 anos têm excesso de peso ou são obesos, valores que colocam os Estados Unidos no topo da tabela, seguidos de Malta.

Os Estados Unidos ocupam também o topo da tabela nos jovens com 13 anos e o segundo lugar nos jovens com 15 anos. Portugal surge em terceiro lugar quando a análise incide nas crianças com 11 anos. O estudo revela que 22% das raparigas e 25% dos rapazes têm excesso de peso.

Já no grupo etário dos 13 anos Portugal desce para a 10ª posição com 13% de raparigas e 18% dos rapazes a revelarem excesso de peso.

No entanto, quando a análise incide nos jovens com 15 anos Portugal volta a subir para o sexto lugar: 13% das raparigas e 22% dos rapazes revelam peso a mais.

Os adolescentes inquiridos indicaram a sua altura e peso (sem sapatos), tendo depois sido calculado o índice de massa corporal.

Segundo o relatório, os rapazes de onze anos têm mais tendência a ter excesso de peso do que as raparigas em metade dos países analisados e na maioria dos países nas idades dos 13 e 15 anos. A crescente obesidade infantil levou já a Europa a lançar estratégias de combate.

Segundo dados de Bruxelas, há 22 milhões de crianças com excesso de peso ou obesidade na União Europeia, sendo que a progressão é estimada em mais 400mil de ano para ano.

Estas crianças têm maior risco de vir a sofrer de doenças como a diabetes, problemas de fígado e cardíacos, hipertensão e acidentes vasculares cerebrais.

Contudo, apesar deste dado negativo, as crianças portuguesas são as que dizem consumir mais fruta por dia, um dos alimentos considerados importantes para uma alimentação saudável.

Uma dieta sem fruta ou com baixo consumo de fruta e vegetais e elevado consumo de gorduras também aumenta o risco dos adolescentes virem a sofrer de diversas doenças.

Já no que se refere ao pequeno-almoço, Portugal Também ocupa o primeiro lugar, com 80% das raparigas e 86% dos rapazes de 13 anos a afirmar que nunca falham esta refeição.

O objectivo do relatório é revelar onde estão as desigualdades para informar e melhorar a saúde para todos os jovens

Para quem pensa que a obesidade não nos afecta...

Não sei como é nas outras tropas, mas na minha acho que não havia um grande cuidado com hidratos...
7. Todos os animais são iguais mas alguns são mais iguais que os outros.

 

*

Cabeça de Martelo

  • Investigador
  • *****
  • 14423
  • Recebeu: 782 vez(es)
  • Enviou: 762 vez(es)
  • +62/-55
Re: Fazer soldados estarem aptos para lutar sem flexões
« Responder #5 em: Setembro 06, 2010, 09:42:25 pm »
Algumas coisas que se deviam proibir desde já:

Pulos de Galo (só fazem lesões e pioram as que já existem);

A Pista de Obstáculos (a Pista Vermelha é que é uma pista com cabeça tronco e membros);

Formação sem o material que se vai realmente usar nas unidades operacionais (eu ainda sou do tempo das M-62 e dos penicos, isto apesar de na sub-especialidade já se usar as Alice Pack). Que se dê à rapaziada os mesmos coletes, mochilas, tendas, etc, que se usa nos BIParas, FOE, etc.
7. Todos os animais são iguais mas alguns são mais iguais que os outros.

 

*

HSMW

  • Moderador Global
  • *****
  • 8272
  • Recebeu: 688 vez(es)
  • Enviou: 1019 vez(es)
  • +40/-8
    • http://youtube.com/HSMW
Re: Fazer soldados estarem aptos para lutar sem flexões
« Responder #6 em: Setembro 06, 2010, 10:09:50 pm »
Citação de: "Cabeça de Martelo"
Algumas coisas que se deviam proibir desde já:

Pulos de Galo (só fazem lesões e pioram as que já existem);
Tal como foram banidos os "Elefantes Pensantes". Ainda há um ou outro crómo que se lembra de mandar fazer isso...

Citar
A Pista de Obstáculos (a Pista Vermelha é que é uma pista com cabeça tronco e membros);
Então e não é boa? E com a G-3 ainda é melhor! Só não devia era existir obstáculos com alturas diferentes. Aqueles lado a lado...

Citar
Formação sem o material que se vai realmente usar nas unidades operacionais (eu ainda sou do tempo das M-62 e dos penicos, isto apesar de na sub-especialidade já se usar as Alice Pack). Que se dê à rapaziada os mesmos coletes, mochilas, tendas, etc, que se usa nos BIParas, FOE, etc.

M-62? Só me lembro do M-64 com bornal ou lá o que era, uma bolsa pequena à frente e uma pouco maior atrás... E capacete de ferro modelo colonial.... Parecia a guerra de 14 a 18... Tristeza de tropa...
http://www.youtube.com/profile_videos?user=HSMW

"Tudo pela Nação, nada contra a Nação."
 

*

Cabeça de Martelo

  • Investigador
  • *****
  • 14423
  • Recebeu: 782 vez(es)
  • Enviou: 762 vez(es)
  • +62/-55
Re: Fazer soldados estarem aptos para lutar sem flexões
« Responder #7 em: Setembro 07, 2010, 10:04:08 am »
Citação de: "HSMW"
Citação de: "Cabeça de Martelo"
Algumas coisas que se deviam proibir desde já:

Pulos de Galo (só fazem lesões e pioram as que já existem);
Tal como foram banidos os "Elefantes Pensantes". Ainda há um ou outro crómo que se lembra de mandar fazer isso...

Tu não me faças falar...elefantes pensantes no meio de Santa Guida às tantas da madrigada...

Citar
Citar
A Pista de Obstáculos (a Pista Vermelha é que é uma pista com cabeça tronco e membros);
Então e não é boa? E com a G-3 ainda é melhor! Só não devia era existir obstáculos com alturas diferentes. Aqueles lado a lado...

Acho-a muito básica, a pista Vermelha é muito mais complexa técnicamente e bastante mais dificil fisicamente.

Citar
Citar
Formação sem o material que se vai realmente usar nas unidades operacionais (eu ainda sou do tempo das M-62 e dos penicos, isto apesar de na sub-especialidade já se usar as Alice Pack). Que se dê à rapaziada os mesmos coletes, mochilas, tendas, etc, que se usa nos BIParas, FOE, etc.

M-62? Só me lembro do M-64 com bornal ou lá o que era, uma bolsa pequena à frente e uma pouco maior atrás... E capacete de ferro modelo colonial.... Parecia a guerra de 14 a 18... Tristeza de tropa...

Completa de 100 para mim próprio! M-62, mas de onde é que eu tirei isto da minha cabeça?! É claro que é a M-64. :oops:
7. Todos os animais são iguais mas alguns são mais iguais que os outros.

 

*

Cabeça de Martelo

  • Investigador
  • *****
  • 14423
  • Recebeu: 782 vez(es)
  • Enviou: 762 vez(es)
  • +62/-55
Re: Fazer soldados estarem aptos para lutar sem flexões
« Responder #8 em: Setembro 07, 2010, 06:16:26 pm »
Mais umas idéias:

Defesa pessoal/artes marciais como parte integrante da formação dada a TODOS os militares. A razão é muito simples, quem não tem a agressividade necessária para estar nas Forças Armadas (especialmente no Exército), não deve continuar. Também serve para melhorar a forma fisica.

7. Todos os animais são iguais mas alguns são mais iguais que os outros.

 

*

sergio21699

  • Especialista
  • ****
  • 933
  • Recebeu: 1 vez(es)
  • +1/-0
Re: Fazer soldados estarem aptos para lutar sem flexões
« Responder #9 em: Setembro 07, 2010, 08:06:15 pm »
Citação de: "Cabeça de Martelo"
Mais umas idéias:

Defesa pessoal/artes marciais como parte integrante da formação dada a TODOS os militares. A razão é muito simples, quem não tem a agressividade necessária para estar nas Forças Armadas (especialmente no Exército), não deve continuar. Também serve para melhorar a forma fisica.


Isso eu concordo, até porque num conflito pode ocorrer casos de ser necessaria luta corpo-a-corpo
-Meu General, estamos cercados...
-Óptimo! Isso quer dizer que podemos atacar em qualquer direcção!
 

*

Camuflage

  • Investigador
  • *****
  • 1211
  • Recebeu: 63 vez(es)
  • Enviou: 29 vez(es)
  • +4/-20
Re: Fazer soldados estarem aptos para lutar sem flexões
« Responder #10 em: Setembro 07, 2010, 09:01:18 pm »
Seria nesta área que a Saúde Militar devia intervir, desenhando exercícios e nutrição militar adequada, em vez de simplesmente fazerem o papel que qualquer outro técnico de saúde faz na vida civil.
 

*

typhonman

  • Investigador
  • *****
  • 2818
  • Recebeu: 53 vez(es)
  • Enviou: 4 vez(es)
  • +11/-16
Re: Fazer soldados estarem aptos para lutar sem flexões
« Responder #11 em: Setembro 07, 2010, 09:23:42 pm »
Citação de: "sergio21699"
Citação de: "Cabeça de Martelo"
Mais umas idéias:

Defesa pessoal/artes marciais como parte integrante da formação dada a TODOS os militares. A razão é muito simples, quem não tem a agressividade necessária para estar nas Forças Armadas (especialmente no Exército), não deve continuar. Também serve para melhorar a forma fisica.


Isso eu concordo, até porque num conflito pode ocorrer casos de ser necessaria luta corpo-a-corpo

Eu estou-me a inicar no Krav.  c34x
Artigo 308º

Traição à Pátria

Quem, por meio de violência, ameaça de violência, usurpação ou abuso de funções de soberania:

a) Tentar separar da Mãe-Pátria, ou entregar a país estrangeiro ou submeter à soberania estrangeira, todo o território português ou parte dele
 

*

Cabeça de Martelo

  • Investigador
  • *****
  • 14423
  • Recebeu: 782 vez(es)
  • Enviou: 762 vez(es)
  • +62/-55
Re: Fazer soldados estarem aptos para lutar sem flexões
« Responder #12 em: Setembro 07, 2010, 09:29:10 pm »
Citação de: "sergio21699"
Citação de: "Cabeça de Martelo"
Mais umas idéias:

Defesa pessoal/artes marciais como parte integrante da formação dada a TODOS os militares. A razão é muito simples, quem não tem a agressividade necessária para estar nas Forças Armadas (especialmente no Exército), não deve continuar. Também serve para melhorar a forma fisica.


Isso eu concordo, até porque num conflito pode ocorrer casos de ser necessaria luta corpo-a-corpo

Cada vez menos.
7. Todos os animais são iguais mas alguns são mais iguais que os outros.

 

*

Camuflage

  • Investigador
  • *****
  • 1211
  • Recebeu: 63 vez(es)
  • Enviou: 29 vez(es)
  • +4/-20
Re: Fazer soldados estarem aptos para lutar sem flexões
« Responder #13 em: Setembro 07, 2010, 10:39:04 pm »
Krav maga é sem dúvida útil para as ameaças de hoje em dia na vida civil. Tenho pena é que ainda hajam poucos pontos no país para o praticar e tenham surgido os wannabe's de "mestre" do krav maga...
 

*

typhonman

  • Investigador
  • *****
  • 2818
  • Recebeu: 53 vez(es)
  • Enviou: 4 vez(es)
  • +11/-16
Re: Fazer soldados estarem aptos para lutar sem flexões
« Responder #14 em: Setembro 08, 2010, 03:28:20 am »
Citação de: "Camuflage"
Krav maga é sem dúvida útil para as ameaças de hoje em dia na vida civil. Tenho pena é que ainda hajam poucos pontos no país para o praticar e tenham surgido os wannabe's de "mestre" do krav maga...

Considero fundamental o treino de defesa contra ataque com faca.
Artigo 308º

Traição à Pátria

Quem, por meio de violência, ameaça de violência, usurpação ou abuso de funções de soberania:

a) Tentar separar da Mãe-Pátria, ou entregar a país estrangeiro ou submeter à soberania estrangeira, todo o território português ou parte dele
 

 

Novo "bicho" para os "Nighstalkers"

Iniciado por Ricardo Nunes

Respostas: 3
Visualizações: 3362
Última mensagem Maio 14, 2004, 07:44:34 pm
por Spectral
Os M113 vão "marchar" para o Iraque

Iniciado por JNSA

Respostas: 8
Visualizações: 3137
Última mensagem Janeiro 05, 2005, 07:48:08 pm
por Miguel
High Tech "Battlelab" para o Exército Britânico

Iniciado por JLRC

Respostas: 0
Visualizações: 2098
Última mensagem Outubro 28, 2004, 11:04:28 pm
por JLRC
Para que serve o Grupo de Aviação Ligeira (Exército)

Iniciado por papatango

Respostas: 19
Visualizações: 6727
Última mensagem Maio 14, 2008, 01:00:06 am
por tyr
ETP 2º lugar no 27º CHALLENGE INTER ESCOLAS DE PÁRA-QUEDISMO

Iniciado por Cabeça de Martelo

Respostas: 7
Visualizações: 3028
Última mensagem Julho 12, 2008, 04:22:40 pm
por Cabeça de Martelo