Fogos Florestais

  • 775 Respostas
  • 102785 Visualizações
*

mafets

  • Investigador
  • *****
  • 4788
  • Recebeu: 786 vez(es)
  • Enviou: 538 vez(es)
  • +37/-16
Re: Fogos Florestais
« Responder #765 em: Setembro 28, 2018, 02:23:50 pm »
Mais um interessante artigo.

https://www.tracplus.com/blog/nvg-bringing-wildfires-into-focus-1/

Citar
Night Vision Goggles Bringing Wildfires Into Focus - Part I

Many fire agencies dream about being able to fight wildfires effectively from the air at night when humidity levels rise and wildfire activity subsides. Since the 1970’s, when the U.S. Forest Service first started experimenting with using night-vision goggles (NVG) with a small Type-3 helicopter in Southern California’s Angeles National Forest, a number of agencies and departments have explored the advantages that NVG has in aerial firefighting.

From those fitful early steps, NVG has expanded into something which is in regular use by many Southern California fire agencies, including Los Angeles County, Los Angeles City, Ventura County, Orange County Fire Authority, and San Diego Fire-Rescue Department.

NVG Down Under
These advantages have not gone unnoticed internationally, with night-flying experiments conducted in Victoria, Australia, a few months ago culminating in a series of trials to determine whether NVG would be safe in the pitch-black Outback and rural areas devoid of any manmade light sources.

Wayne Coulson, CEO of Coulson Aviation, was involved in the trials, working with Victorian agencies by providing helicopters outfitted for use with NVG to Country Fire Service.

Innovation is nothing new for Coulson Aviation. In addition to their NVG work, they also have a number of C-130Q air-tankers deployed to various fires across the U.S., including their latest, Tanker 134, which was going through the final stages of approval by U.S. Forest Service at Reno, Nevada, the day I interviewed Wayne. Their new 737 conversion, the Fireliner, which in addition to carrying retardant, can also transport up to 69 firefighters to airports near a wildfire, was in the last stages of getting its final approval from CAL FIRE to begin fighting wildfires.

Coulson discussed how things went in Australia and what may lay ahead in the future for NVG Down Under.

“It was a two-year process with Emergency Management Victoria, which was the sponsor,” Coulson explained. “CASA [Civil Aviation Safety Authority] agreed to bring in experts who had trained with NVG to do the [firefighting] work as long as they could do it safely.”

Using the nose-mounted infrared camera on Coulson’s S-76, the firebombing trials could be carefully documented for examination afterwards by CASA and other participants. By shadowing the Coulson S-61, the S-76 also took much of the risk out of the firebombing runs. When the S-76 illuminated the target with a laser mounted on the aircraft, the S-61 knew exactly where to deposit its 4,000 liter load.

Coulson discussed the fundamental difference between daytime firefighting and battling fires at night.

“In the daytime, you get an emergency call and your firefighters go fight the fire, it’s very reactive,” he explained. “But at night, you’re more proactive, with a level of accountability. We included a [S-76] air intelligence helicopter that has a variety of tools in it.”

The laser designator is used to illuminate the target for now, but in the future, the process will be even more automated. “On our tanking systems on the C-130s, the Fireliners, and the helicopters we have GPS locators which, in the evolution of firefighting, will allow the tank on the aircraft to automatically drop between two GPS points,” said Coulson.

“We are using technology to assist us on the ground,” Coulson continued.

“The firebombing helicopter doesn’t go into an area without a pre-determined target. At night, every drop is a precision drop because it’s so expensive, so we don’t send a firebombing helicopter into a fire area without a pre-determined strategy, unlike the daytime.”

As mentioned earlier, there are advantages to fighting wildfires at night. Water drops are a lot more effective at night when it’s cooler than in the daytime when it’s 100 degrees. Gel can also make drops more effective by getting more water onto the fire. A water drop into a wildfire can lose upwards of 70% of its mass before it reaches the heart of the fire due to evaporation. Gelled water can decrease the evaporation substantially, sometimes to less than 30%, further boosting the effectiveness of water drops into wildfires.

“We have a gel injection system in the helicopter and it really does an amazing job when it’s injected at .5%.”

Dipping into water sources to refill a helicopter’s tanks can also be somewhat daunting at night, but NVG takes much of the danger out of the process. “One of the advantages we have dipping at night is the rotor diameter of the S-61. Other helicopters can have problems from the mist coming off the surface of the water clouding the windscreen so that the pilot can’t see.”

NVG also provides a time advantage by allowing a helicopter to dip into a water source instead of having to land to reload the tanks. “It wouldn’t be economically viable for us to land, so being able to dip at night in the Outback using NVG is critical to our operation.”

NVG aren't without risk
Even though there are tremendous advantages to fighting wildfires at night, there are risks. One Orange County Fire Authority pilot recalled heading into a wildfire at night, only to find that he had trouble picking his way back out, due to the abundance of light from the fire reflecting off smoke, obscuring their view. Other considerations include:

A radically reduced field of vision from 240 degrees to as little as 40 degrees. This forces pilots to keep their heads on a slow swivel, constantly scanning. The pilot also has to peek under the goggles to glimpse gauges in the cockpit.
Fatigue goes up dramatically at night. Local, state and federal rules calculate night flying increases pilot fatigue by 1.6 times that of day flying, which translates to 37.5 minutes for every hour of daytime flying.
Night vision doesn't allow pilots the depth perception to judge altitude, so radar altimeters are needed to keep the aircraft at the correct altitude. 
Power lines and other hazards that are seen plainly during the day are virtually invisible at night, even with night vision goggles.
Spray kicked up while refilling tanks or Bambi buckets over a water source can blind a pilot by coating the windshield, something which is not recognized as quickly at night as it would be during the day. If the windshield was dirty when the aircraft arrived over the water source, spray deposited on the windshield can turn to blinding mud.
NVG program costs can be high, running $100,000 or more for equipment and training.  GEN III+ NVGs, such as the military-grade AN/AVS 9 Aviator goggles, cost upwards of  $12,000.00 apiece. And retrofitting cockpits to work with NVG can also be costly, as CAL FIRE, the California state firefighting agency, found out years ago when then-Governor Schwarzenegger balked at the cost of buying and retrofitting nearly a dozen NVG-capable S-70 helicopters to fight wildfires at night.
Although there are risks for NVG, aerial firefighters also see tremdenous advantage to this, especially in the face of climate change. It's about future proofing the industry, and ensuring communities can stay safe as wildfire seasons continue to grow.

Looking to the Future
Following months of preparation and trials, Coulson Aviation is ready to go to work on bushfires in the coming season. “Because we’ve trained to fight bushfires at night in the wildland, we hope to be permitted to do that this coming season,” said Coulson. “Our aim is to secure contracts for 3 S-61 helicopters, one of which will be 24-hour on-call, with two 12-hour pilot shifts.”

But Australia is not the only potential client for Coulson’s NVG-equipped aircraft.

“We’ve also been talking to Portugal, Chile, Argentina, and the European Union about contracts.”

So there may be many more helicopters pounding wildfires from the air by night in the near future. It’s merely a question of who will be the next agency to throw their hat into the NVG arena.



Cumprimentos
"Nunca, no campo dos conflitos humanos, tantos deveram tanto a tão poucos." W.Churchil

http://mimilitary.blogspot.pt/
 

*

Lightning

  • Moderador Global
  • *****
  • 7004
  • Recebeu: 474 vez(es)
  • Enviou: 596 vez(es)
  • +24/-3

*

Igor

  • Membro
  • *
  • 29
  • Recebeu: 5 vez(es)
  • +1/-1
Re: Fogos Florestais
« Responder #767 em: Outubro 08, 2018, 04:06:55 pm »
Quais meios próprios do estado?, os 3 ecureil e os kamov que já não voam à não sei quantos anos, e que duvido que cheguem a voar nos próximos tempos. Nos cá preferimos alugar aeronaves por ajuste directo ao invés de reparar os kamov, estes ficam melhor a repousar num hangar.
 

*

Lightning

  • Moderador Global
  • *****
  • 7004
  • Recebeu: 474 vez(es)
  • Enviou: 596 vez(es)
  • +24/-3
Re: Fogos Florestais
« Responder #768 em: Outubro 23, 2018, 12:27:45 pm »
Governo prepara-se para acabar com comandos distritais da Protecção Civil

Num ante-projecto de alteração da Lei Orgânica da Protecção Civil, o Governo cria comandos regionais.

https://www.publico.pt/2018/10/16/politica/noticia/governo-preparase-para-acabar-com-comandos-distritais-da-proteccao-civil-1847605
 


*

Lightning

  • Moderador Global
  • *****
  • 7004
  • Recebeu: 474 vez(es)
  • Enviou: 596 vez(es)
  • +24/-3
Re: Fogos Florestais
« Responder #770 em: Novembro 01, 2018, 10:42:49 am »
No JN do dia 31 tinha um artigo "Governo esconde planos para a Proteção Civil", que dá umas luzes sobre algumas alterações de siglas para o próximo ano.

A ANPC passa a ANEPC
(não sei o que será a letra E)

GIPS passa a UEPS
(talvez Unidade Especial de Protecção e Socorro?, já me tinha ocorrido que realmente a dimensão do GIPS, com 7 companhias, e várias especialidades como resgate em montanha, resgate urbano, mergulhadores, etc, já seria algo demasiado grande e especifico para estar subordinado à UI, deveria ser uma Unidade por si própria, parece que vai passar a ser)

FEB integra-se na FEPC
(Talvez Força Especial de Protecção Civil?)
« Última modificação: Novembro 01, 2018, 10:45:03 am por Lightning »
 
Os seguintes utilizadores agradeceram esta mensagem: NVF

*

PereiraMarques

  • Moderador Global
  • *****
  • 6547
  • Recebeu: 185 vez(es)
  • Enviou: 142 vez(es)
  • +10/-0
Re: Fogos Florestais
« Responder #771 em: Novembro 01, 2018, 01:03:39 pm »
2018-10-25 às 19h24
Comunicado do Conselho de Ministros de 25 de outubro de 2018 - Florestas e Proteção Civil

O Conselho de Ministros aprovou hoje um conjunto de diplomas que vêm complementar e consolidar a estratégia de defesa da floresta e prevenção e combate a incêndios, tendo em vista reforçar o nível de proteção de pessoas e bens e a resiliência do território face à ocorrência de fogos rurais.

No seguimento das medidas decididas nas reuniões de Conselho de Ministros de 27 de outubro de 2016, dedicada à reforma da floresta, e de 21 de outubro de 2017, sobre a restruturação do modelo de prevenção e combate aos incêndios florestais, são assim asseguradas importantes mudanças e concretizações no que respeita à eficiência da proteção civil, à defesa da floresta e resiliência do território e à capacitação dos organismos e agentes com funções no terreno.

Uma das mais importantes concretizações diz respeito ao Sistema de Gestão Integrada de Fogos Rurais (SGIFR), cuja visão e objetivos foram hoje aprovados, procurando uma mudança de paradigma que potencia o compromisso, a colaboração e o envolvimento de todas as entidades cujas missões contribuem para prevenir e combater fogos rurais, assim como de todos os agentes privados e dos próprios cidadãos. A presente resolução assume como objetivos estratégicos do SGIFR a valorização dos espaços rurais, a mudança de comportamentos e a gestão do risco.


No domínio da capacitação dos organismos e agentes com responsabilidades ao nível da prevenção e combate a incêndios, assim como da proteção e socorro às populações, foram hoje aprovados os seguintes diplomas:

Decreto-lei que estabelece a orgânica da Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil, reforçando-se a estrutura da Proteção Civil nas seguintes dimensões:

- maior territorialização da estrutura operacional, ajustando-a à escala intermunicipal;

- criação da Força Especial de Proteção Civil, através da integração dos operacionais que atualmente desempenham funções na Força Especial de Bombeiros em carreira própria;

- reforço da estrutura e capacitação do Comando Nacional de Operações de Socorro;

- consolidação e reforço da estrutura dirigente e da estrutura operacional, sendo os lugares providos mediante concurso;

- reforço das atribuições no âmbito da componente preventiva do sistema de proteção civil e maior capacitação técnica da nova Autoridade.

Decreto-lei que altera a orgânica do Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF), visando a prossecução coordenada das prioridades nacionais na gestão integrada de fogos rurais, bem como a aproximação aos diferentes territórios e seus agentes, assente num organismo devidamente capacitado para esta nova etapa da sua missão, e dotado dos meios necessários para o efeito. É, assim, criada uma estrutura mais desconcentrada e orientada para os diferentes territórios, assente num profundo reforço do papel e competências dos serviços regionais, sem perda da necessária uniformidade na atuação, garantindo simultaneamente um aumento da proximidade territorial e capacidade de intervenção do organismo. Garante-se uma maior eficácia e agilidade para efeito do cumprimento das suas atribuições e articulação institucional, nomeadamente aquelas que resultam do novo SGIFR;

Decreto-lei que cria a Unidade de Emergência de Proteção e Socorro da Guarda Nacional Republicana, unidade especializada, de competência nacional, que sucede ao atual Grupo de Intervenção de Proteção e Socorro (GIPS), tendo como missão fundamental a de proteger, socorrer e auxiliar os cidadãos e defender e preservar os bens que se encontrem em situações de perigo. Esta Unidade terá responsabilidades no âmbito da execução de ações de prevenção e de intervenção em situações de acidente grave e catástrofe, designadamente nas ocorrências de incêndios rurais, de matérias perigosas, de cheias, de sismos, de busca, resgate e salvamento em diferentes ambientes, bem como em outras situações de emergência de proteção e socorro, incluindo a inspeção judiciária em meio aquático e subaquático;

Decreto-lei que altera o estatuto e carreira de guarda-florestal. O diploma prevê a continuidade da carreira, permitindo concretizar a decisão do Governo de recrutamento externo de 200 efetivos para reforço das equipas de guardas florestais do Serviço de Proteção da Natureza e Ambiente da GNR, tendo em vista o aumento da capacidade de vigilância e fiscalização no território florestal nacional;

Decreto-lei que procede ao reforço do quadro de benefícios a atribuir aos bombeiros voluntários portugueses. O Governo amplia, assim, os incentivos ao voluntariado, dignificando e valorizando a função social dos bombeiros, reconhecendo a importância da sua missão no sistema de proteção e socorro em Portugal. A presente alteração consubstancia-se na atribuição de benefícios na utilização de bens e serviços públicos, bem como de outras regalias sociais. Destaca-se o acesso gratuito a museus e monumentos públicos, apoios nas despesas com creches e infantários e acesso a serviços com custos reduzidos;

Decreto-lei que cria as carreiras especiais de sapador bombeiro e de oficial sapador bombeiro da administração central, regional e local, e estabelece o respetivo regime jurídico. O diploma faz convergir as carreiras de bombeiros municipais e de bombeiros sapadores para uma carreira unificada, permitindo ainda integrar os operacionais da Força Especial de Bombeiros e os trabalhadores do ICNF que desempenham funções de sapador florestal. Além disso, cria novas tabelas remuneratórias e estabelece normas especiais de transição para estas carreiras

Decreto-lei que regula as condições e as regras de atribuição e de cálculo das pensões de aposentação do regime de proteção social convergente e das pensões de invalidez e velhice do regime geral de segurança social dos subscritores do regime convergente e contribuintes do regime geral integrados na carreira especial de sapador bombeiro e de oficial sapador bombeiro da administração central, regional e local. O diploma corrige uma situação de injustiça social relativa à aposentação dos bombeiros profissionais da Administração Pública e estabelece um regime específico para estes bombeiros, cuja idade de reforma passa a ser igual à idade legal de reforma, reduzida em seis anos, beneficiando ainda de um regime transitório. Trata-se da manutenção do regime de exceção já consagrado na reforma da segurança social de 2005.

 
No domínio da promoção da eficiência na proteção civil, foram adotadas ainda outras medidas que contribuem para uma melhor articulação entre os mecanismos de prevenção e combate a incêndios e para a qualificação do sistema, nomeadamente:

A reforma do atual modelo de formação na área da proteção civil. Preconiza-se o reforço do papel da formação, enquanto instrumento estratégico de modernização e transformação da proteção civil, através do estabelecimento e organização de áreas estratégicas de intervenção e da criação de parcerias institucionais, envolvendo estabelecimentos de ensino superior, centros de investigação e outras entidades com estruturas formativas certificadas. Por outro lado, é criada uma rede nacional de formação e investigação em proteção civil, na qual participam a Escola Nacional de Bombeiros, um consórcio de instituições de ensino superior e laboratórios colaborativos com atividade na área da proteção civil;

Criação, por decreto-lei, do Sistema Nacional de Monitorização e Comunicação de Risco, de Alerta Especial e de Aviso à População no âmbito da proteção civil, previsto na Estratégia Nacional para uma Proteção Civil Preventiva. A Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil recebe as informações no âmbito da monitorização do risco e, sempre que se justifique, emite avisos à população e alertas especiais aos agentes de proteção civil, de modo a reforçar as medidas preventivas para a segurança de pessoas e bens, face à iminência ou ocorrência de acidente grave ou catástrofe. Os avisos e os alertas especiais de proteção civil podem abranger diferentes âmbitos territoriais em função do nível de risco.


No quadro da defesa da floresta e valorização do território, o Conselho de Ministros aprovou um conjunto de diplomas que vêm complementar as medidas já em vigor no domínio do ordenamento florestal:

Decreto-lei que clarifica os condicionalismos à edificação no âmbito do Sistema Nacional de Defesa da Floresta contra Incêndios, criado em 2006 para promover uma estratégia nacional de proteção de pessoas e bens sem descurar a defesa dos recursos florestais. Pretende-se clarificar o regime de edificação em função dos critérios de avaliação do índice de perigosidade de incêndio rural em Portugal continental, de modo a possibilitar o exercício de certas atividades económicas essenciais para o desenvolvimento local, mediante o cumprimento de exigentes requisitos de segurança e após parecer favorável da comissão municipal de defesa da floresta;

Decreto-lei que altera o regime jurídico dos planos de ordenamento, de gestão e de intervenção de âmbito florestal, procurando clarificar o regime de vinculação dos programas regionais de ordenamento florestal, em conformidade com o disposto na Lei de Bases Gerais da Política Pública de Solos, de Ordenamento do Território e de Urbanismo;

Decreto-lei que altera as normas gerais aplicáveis à produção e comercialização de materiais florestais de reprodução utilizados para fins florestais. Com a presente alteração pretende-se igualmente contribuir para a redução das rearborizações e arborizações ilegais, aumentando o nível de exigência para a comercialização de plantas ao utilizador final através da necessidade de ser verificado o cumprimento da regulamentação nacional relativa ao regime jurídico das ações de arborização e rearborização;

Decreto-lei que altera o regime jurídico a que estão sujeitas, no território continental, as ações de arborização e rearborização com recurso a espécies florestais. Considerando a experiência existente, verifica-se a necessidade de reforçar o seu caráter dissuasor no que respeita à realização de ações ilegais de arborização ou rearborização, clarificando igualmente as responsabilidades do agente executante da ação, independentemente do seu título;

Resolução que aprova os projetos de prevenção estrutural contra incêndios, de restauro, de conservação e de valorização de habitats naturais e de educação ambiental em várias áreas protegidas. Esta terceira geração de projetos abrange as oito áreas da Rede Nacional de Áreas Protegidas – os parques naturais da Serra de São Mamede, das Serras de Aire e de Candeeiros, da Arrábida, do Sudoeste Alentejano e da Costa Vicentina e da Ria Formosa, a Reserva Natural das Lagoas de Sancha e Santo André e as paisagens protegidas da Serra do Açor e da Arriba Fóssil da Costa da Caparica;

Foram igualmente aprovados dois diplomas que promovem o conhecimento sobre a titularidade da propriedade florestal: a proposta de lei que mantém em vigor e generaliza a aplicação do sistema de informação cadastral simplificada para os prédios rústicos e mistos, instituído pela Lei n.º 78/2017, de 17 de agosto; e o decreto-lei que cria o procedimento de identificação e reconhecimento de prédio rústico ou misto sem dono conhecido, cuja titularidade se encontra, nos termos do artigo 1345.º do Código Civil, atribuída ao Estado.

As medidas a adotar tomam por base as conclusões e recomendações dos relatórios produzidos pela Comissão Técnica Independente (CTI), mandatada para a análise e apuramento dos factos ocorridos nos incêndios de 2017.
 
Os seguintes utilizadores agradeceram esta mensagem: NVF, Lightning

*

NVF

  • Investigador
  • *****
  • 1989
  • Recebeu: 550 vez(es)
  • Enviou: 1459 vez(es)
  • +29/-0
Re: Fogos Florestais
« Responder #772 em: Novembro 01, 2018, 05:17:29 pm »
No JN do dia 31 tinha um artigo "Governo esconde planos para a Proteção Civil", que dá umas luzes sobre algumas alterações de siglas para o próximo ano.

A ANPC passa a ANEPC
(não sei o que será a letra E)


Emergência?
 

*

Lightning

  • Moderador Global
  • *****
  • 7004
  • Recebeu: 474 vez(es)
  • Enviou: 596 vez(es)
  • +24/-3
Re: Fogos Florestais
« Responder #773 em: Novembro 02, 2018, 12:44:15 am »
No JN do dia 31 tinha um artigo "Governo esconde planos para a Proteção Civil", que dá umas luzes sobre algumas alterações de siglas para o próximo ano.

A ANPC passa a ANEPC
(não sei o que será a letra E)


Emergência?

Sim, está no artigo que o PereiraMarques colocou.
 
Os seguintes utilizadores agradeceram esta mensagem: NVF

*

Lusitano89

  • Investigador
  • *****
  • 9448
  • Recebeu: 308 vez(es)
  • Enviou: 213 vez(es)
  • +17/-7
Re: Fogos Florestais
« Responder #774 em: Novembro 06, 2018, 04:20:04 pm »
Governo reforça combate aos incêndios em 2019




O ministro da Administração Interna anunciou, esta terça-feira, um reforço de 300 elementos no Grupo de Intervenção de Proteção e Socorro (GIPS) da GNR e a criação de 40 Equipas de Intervenção Permanente nos bombeiros em 2019.

Eduardo Cabrita avançou também que no próximo ano vai ser "relançado o corpo da guarda florestal com mais 200 elementos".

Os reforços foram anunciados aos jornalistas após o ministro ter presidido ao 'briefing' técnico-operacional do Centro de Coordenação Operacional Nacional (CCON), na Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC), em Carnaxide, concelho de Oeiras.

No 'briefing' estiveram presentes todas as instituições do sistema de proteção civil e foi feita uma avaliação sobre o combate aos incêndios durante este ano.

Depois do GIPS ter sido reforçados este ano com 500 elementos, Eduardo Cabrita adiantou que este grupo especializado da GNR vai ter mais 300 em 2019.

O ministro disse também que vão ser criadas, em 2019, mais 40 Equipas de Intervenção Permanente nos corpos de bombeiros voluntários, após terem sido constituídas 120, num total de 600 bombeiros, este ano.

Aos jornalistas, Eduardo Cabrita destacou que este ano "foram dados passos muito sólidos no sentido da criação de uma grande coesão entre todas as instituições públicas" e foi feito um "trabalho muito próximo com as estruturas de bombeiros voluntários e profissionais".

O governante frisou que foi também "reforçada a ação preventiva, a profissionalização do sistema e incorporado conhecimento, que foi decisivo sobretudo no sistema de apoio à decisão".

O ministro referiu que este ano foi "particularmente difícil entre o início de agosto e 15 de outubro", com temperaturas altas que bateram recordes e um mês de setembro considerado como o "mais quente do último século".

Segundo dados divulgados pelo Ministério da Administração Interna (MAI), este ano registaram-se menos 42% de incêndios rurais e menos 69% de área ardida relativamente à média dos últimos dez anos.

O MAI indica que este ano representa o segundo valor mais reduzido em número de incêndios e o terceiro valor mais reduzido de área ardida.

Para Eduardo Cabrita, "estes resultados são extremamente positivos", mas é necessário fazer no próximo ano "mais e melhor", nomeadamente na ligação entre todas as instituições e bombeiros, na qualificação do sistema através da revisão do sistema de formação e reforçar a prioridade dada à limpeza da floresta.

O ministro considerou que é igualmente necessário continuar a apostar nos programas "Aldeias Seguras" e "Pessoas Seguras".

De acordo com Eduardo Cabrita, este ano foram detidas 102 pessoas pelo crime de incêndio florestal, o dobro de 2017, e as contraordenações quase que triplicaram em relação ao ano passado.

"A partir de hoje vamos fazer o balanço técnico operacional e identificar as áreas onde se pode fazer ainda melhor", disse ainda.


:arrow: https://www.jn.pt/nacional/interior/governo-reforca-combate-aos-incendios-em-2019-10137126.html?fbclid=IwAR2WM-FxzIbB5tekRjJhF8GLkP72PjVgd073MCyBNTf5OAdcPQPEPHlE4Uo
 

*

ICE 1A+

  • Analista
  • ***
  • 608
  • Recebeu: 404 vez(es)
  • Enviou: 37 vez(es)
  • +28/-0
Re: Fogos Florestais
« Responder #775 em: Novembro 08, 2018, 10:32:53 pm »
Governo reforça combate aos incêndios em 2019




O ministro da Administração Interna anunciou, esta terça-feira, um reforço de 300 elementos no Grupo de Intervenção de Proteção e Socorro (GIPS) da GNR e a criação de 40 Equipas de Intervenção Permanente nos bombeiros em 2019.

Eduardo Cabrita avançou também que no próximo ano vai ser "relançado o corpo da guarda florestal com mais 200 elementos".

Os reforços foram anunciados aos jornalistas após o ministro ter presidido ao 'briefing' técnico-operacional do Centro de Coordenação Operacional Nacional (CCON), na Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC), em Carnaxide, concelho de Oeiras.

No 'briefing' estiveram presentes todas as instituições do sistema de proteção civil e foi feita uma avaliação sobre o combate aos incêndios durante este ano.

Depois do GIPS ter sido reforçados este ano com 500 elementos, Eduardo Cabrita adiantou que este grupo especializado da GNR vai ter mais 300 em 2019.

O ministro disse também que vão ser criadas, em 2019, mais 40 Equipas de Intervenção Permanente nos corpos de bombeiros voluntários, após terem sido constituídas 120, num total de 600 bombeiros, este ano.

Aos jornalistas, Eduardo Cabrita destacou que este ano "foram dados passos muito sólidos no sentido da criação de uma grande coesão entre todas as instituições públicas" e foi feito um "trabalho muito próximo com as estruturas de bombeiros voluntários e profissionais".

O governante frisou que foi também "reforçada a ação preventiva, a profissionalização do sistema e incorporado conhecimento, que foi decisivo sobretudo no sistema de apoio à decisão".

O ministro referiu que este ano foi "particularmente difícil entre o início de agosto e 15 de outubro", com temperaturas altas que bateram recordes e um mês de setembro considerado como o "mais quente do último século".

Segundo dados divulgados pelo Ministério da Administração Interna (MAI), este ano registaram-se menos 42% de incêndios rurais e menos 69% de área ardida relativamente à média dos últimos dez anos.

O MAI indica que este ano representa o segundo valor mais reduzido em número de incêndios e o terceiro valor mais reduzido de área ardida.

Para Eduardo Cabrita, "estes resultados são extremamente positivos", mas é necessário fazer no próximo ano "mais e melhor", nomeadamente na ligação entre todas as instituições e bombeiros, na qualificação do sistema através da revisão do sistema de formação e reforçar a prioridade dada à limpeza da floresta.

O ministro considerou que é igualmente necessário continuar a apostar nos programas "Aldeias Seguras" e "Pessoas Seguras".

De acordo com Eduardo Cabrita, este ano foram detidas 102 pessoas pelo crime de incêndio florestal, o dobro de 2017, e as contraordenações quase que triplicaram em relação ao ano passado.

"A partir de hoje vamos fazer o balanço técnico operacional e identificar as áreas onde se pode fazer ainda melhor", disse ainda.


:arrow: https://www.jn.pt/nacional/interior/governo-reforca-combate-aos-incendios-em-2019-10137126.html?fbclid=IwAR2WM-FxzIbB5tekRjJhF8GLkP72PjVgd073MCyBNTf5OAdcPQPEPHlE4Uo

É sempre assim:
O ano passado foi culpa do S.Pedro.
Este ano é mérito do Governo.