Unir os Pontos

  • 772 Respostas
  • 54338 Visualizações
*

Luso

  • Investigador
  • *****
  • 7502
  • Recebeu: 283 vez(es)
  • Enviou: 100 vez(es)
  • +38/-36
Unir os Pontos
« em: Junho 04, 2010, 11:27:40 pm »
http://www.prisonplanet.com/brzezinski- ... peech.html

At a recent Council on Foreign Relations speech in Montreal, co-founder with David Rockefeller of the Trilateral Commission and regular Bilderberg attendee Zbigniew Brzezinski warned that a “global political awakening,” in combination with infighting amongst the elite, was threatening to derail the move towards a one world government.
Brzezinski explained that global political leadership had become “much more diversified unlike what it was until relatively recently,” noting the rise of China as a geopolitical power, and that global leadership in the context of the G20 was “lacking internal unity with many of its members in bilateral antagonisms.”
In other words, the global elite is infighting amongst itself and this is hampering efforts to rescue the agenda for global government, which seems to be failing on almost every front.
Brzezinski then explained another significant factor in that, “For the first time in all of human history mankind is politically awakened – that’s a total new reality – it has not been so for most of human history.”
Watch the clip.


Brzezinski continued, “The whole world has become politically awakened,” adding that all over the world people were aware of what was happening politically and were “consciously aware of global inequities, inequalities, lack of respect, exploitation.”
“Mankind is now politically awakened and stirring,” said Brzezinski, adding that this in combination with a fractured elite “makes it a much more difficult context for any major power, including currently the leading world power, the United States.”
During a subsequent question and answer session, Brzezinski was asked if he thought another organization should replace the United Nations as the de facto “one world government,” to which Brzezinski responded, “There should be such an organization,” before pointing out that the UN was not it in its current role.



Mas dizer indústria farmacêutica é dizer Rockefeller, e dizer Rockefeller é dizer Council of Foreign Relations, Bilderberg Club e, no fim das contas, Nova Ordem Mundial – as mesmas organizações e entidades que estão por trás do climategate, das campanhas mundiais abortista e gayzista, da nova religião global biônica, da proposta do governo Obama para o controle universal da circulação de capitais, etc. etc. – a lista das maravilhas não tem mais fim. Quem vai dar um basta em tudo isso? Ninguém. A imposição da bestialidade organizada vem precedida de programas educativos calculados para desarmar a inteligência humana, desde a mais tenra infância, contra a força hipnótica das mais tolas mentiras de polichinelo. Henrique VIII mandou cortar a cabeça de Thomas More quando este se recusou a continuar fazendo vista grossa. A Nova Ordem Mundial não corta cabeças: zela para que elas não cresçam até um ponto em que precisem ser cortadas.

http://www.olavodecarvalho.org/semana/100506dc.html


sexta-feira, 4 de Junho de 2010
O "estudo"

A ministra da Educação, Isabel Alçada, está na Sic-Notícias a explicar a medida fantástica que é a de permitir a passagem, administrativa ( mas com exames que isto não é só facilidades no M.E...), de alunos que tenham mais de 15 anos e ainda repitam o 8º ano, recalcitrando na cabulice ou na incapacidade.
Disse agora mesmo que "o esforço é essencial. O estudo."
Esta ideia de "estudo" já foi apresentada pelo próprio primeiro-ministro, um estudioso de Domingo e é uma ideia que se contrapõe a "saber". Saber não é preciso. O que importa é o "estudo".
E Isabel Alçada uma improvável ministra da Educação acabou por dizer, depois disto que " Isto não é qualquer facilitismo". E comprova-o: haverá exames. Difíceis, pela certa e nada para cábulas ou incapazes.
Facilitismo no M.E.? Olha que coisa! Quem se lembraria de tal ...


http://portadaloja.blogspot.com/
Ai de ti Lusitânia, que dominarás em todas as nações...
 

*

FoxTroop

  • Investigador
  • *****
  • 1363
  • Recebeu: 193 vez(es)
  • Enviou: 140 vez(es)
  • +14/-6
Re: Unir os Pontos
« Responder #1 em: Junho 05, 2010, 11:21:20 am »
Citar
At a recent Council on Foreign Relations speech in Montreal, co-founder with David Rockefeller of the Trilateral Commission and regular Bilderberg attendee Zbigniew Brzezinski warned that a “global political awakening,” in combination with infighting amongst the elite, was threatening to derail the move towards a one world government.
Brzezinski explained that global political leadership had become “much more diversified unlike what it was until relatively recently,” noting the rise of China as a geopolitical power, and that global leadership in the context of the G20 was “lacking internal unity with many of its members in bilateral antagonisms.”
In other words, the global elite is infighting amongst itself and this is hampering efforts to rescue the agenda for global government, which seems to be failing on almost every front.
Brzezinski then explained another significant factor in that, “For the first time in all of human history mankind is politically awakened – that’s a total new reality – it has not been so for most of human history.

Então meu caro. À que ter fé na Humanidade. A este bando de eugenistas-assassinos-pedófilos, bastava ler a História da Humanidade para compreenderem que isto não ía lá assim, nem tem maneira de ir. A parábola da Bíblia sobre Babel é o aviso a quem tentar algo do género, mas pelos vistos passou ao lado.

Agora que já viram que assim não vai lá, pensam que a culpa é da população ter uma educação que lhes dá mais do que o deveriam saber. Próximo alvo, a Educação (nos USA vai passar a ser apenas 4 dias por semana, para reduzir custos dizem)
 

*

FoxTroop

  • Investigador
  • *****
  • 1363
  • Recebeu: 193 vez(es)
  • Enviou: 140 vez(es)
  • +14/-6
Re: Unir os Pontos
« Responder #2 em: Junho 10, 2010, 07:30:03 pm »
http://news.yahoo.com/s/space/20100609/ ... tormsahead

Vá de começar a preparar o pessoal, devagarinho, com bastante vaselina para não doer...
 

*

FoxTroop

  • Investigador
  • *****
  • 1363
  • Recebeu: 193 vez(es)
  • Enviou: 140 vez(es)
  • +14/-6
Re: Unir os Pontos
« Responder #3 em: Setembro 06, 2010, 10:07:42 am »
Para quem não acredita....

Citar
In addition to the recent PrisonPlanet-exclusive Rockefeller Foundation Developed Vaccines For “Mass-Scale” Fertility Reduction — which outlines the Rockefeller Foundation’s efforts in the 1960s funding research into so-called “anti-fertility vaccines”– another series of documents has surfaced, proving beyond any doubt that the UN Population Fund, World Bank and World Health Organization picked up on it, further developing it under responsibility of a “Task Force on Vaccines for Fertility Regulation”.

Just four years after the Rockefeller Foundation launched massive funding-operations into anti-fertility vaccines, the Task Force was created under auspices of the World Health Organization, World Bank and UN Population Fund. Its mission, according to one of its members, to support:

“basic and clinical research on the development of birth control vaccines directed against the gametes or the preimplantation embryo. These studies have involved the use of advanced procedures in peptide chemistry, hybridoma technology and molecular genetics as well as the evaluation of a number of novel approaches in general vaccinology. As a result of this international, collaborative effort, a prototype anti-HCG vaccine is now undergoing clinical testing, raising the prospect that a totally new family planning method may be available before the end of the current decade.”

In regards to the scope of the Task Force’s jurisdiction, the Biotechnology and Development Monitor reported:

“The Task Force acts as a global coordinating body for anti-fertility vaccine R&D in the various working groups and supports research on different approaches, such as anti-sperm and anti-ovum vaccines and vaccines designed to neutralize the biological functions of hCG. The Task Force has succeeded in developing a prototype of an anti-hCG-vaccine.”

One of the Task Force members, P.D. Griffin, outlined the purpose and trajectory of these Fertility Regulating Vaccines. Griffin:

“The Task Force has continued to coordinate its research activities with other vaccine development programmes within WHO and with other international and national programmes engaged in the development of fertility regulating vaccines.”

Griffin also admitted to the fact that one of the purposes of the vaccines is the implementation in developing countries. Griffin:

“If vaccines could be developed which could safely and effectively inhibit fertility, without producing unacceptable side effects, they would be an attractive addition to the present armamentarium of fertility regulating methods and would be likely to have a significant impact on family planning programmes.”

Also, one of the advantages of the FRVs over “currently available methods of fertility regulation” the Task Force states, is the following (179):

“low manufacturing cost and ease of delivery within existing health services.”

Already in 1978, the WHO’s Task Force (then called Task Force on Immunological Methods for Fertility Regulation) underlined the usefulness of these vaccines in regards to the possibility of “large scale synthesis and manufacture” of the vaccine:

“The potential advantages of an immunological approach to fertility regulation can be summarized as follows: (a) the possibility of infrequent administration, possibly by paramedical personnel; (b) the use of antigens or antigen fragments, which are not pharmacologically active; and (c) in the case of antigens of known chemical structure, there is the possibility of large-scale synthesis and manufacture of vaccine at relatively low cost.”

In 1976, the WHO Expanded Programme of Research, Development and Research Training in Human Reproduction published a report, stating:

“In 1972 the Organization (…) expanded its programme of research in human reproduction to provide an international focus for an intensified effort to improve existing methods of fertility regulation, to develop new methods and to assist national authorities in devising the best ways of providing them on a continuing basis. The programme is closely integrated with other WHO research on the delivery of family planning care by health services, which in turn feeds into WHO’s technical assistance programme to governments at the service level.”

Although the term “Anti-Fertility Vaccine”, coined by the Rockefeller Foundation, was replaced by the more bureaucratic sounding “Fertility Regulating Vaccine (FRV), the programme was obviously the same. Besides, The time line shows conclusively that the WHO, UN Population Fund and World Bank continued on a path outlined by the Rockefellers in the late 1960s. By extensions, it proves that all these organization are perfectly interlocked, best captured under the header “Scientific Dictatorship”. The relationshipbetween the WHO and the Rockefeller Foundation is intense. In the 1986 bulletin of the World Health Organization, this relationship is being described in some detail. While researching the effectiveness of “gossypol” as an “antifertility agent”, the bulletin states:

“The Rockefeller Foundation has supported limited clinical trials in China and smallscale clinical studies in Brazil and Austria. The dose administered in the current Chinese trial has been reduced from 20 mg to 10-15 mg/day during the loading phase in order to see if severe oligospermia rather than consistent azoospermia would be adequate for an acceptable, non-toxic and reversible effect. Meanwhile, both the WHO human reproduction programme and the Rockefeller Foundation are supporting animal studies to better define the mechanism of action of gossypol.”

In August of 1992, a series of meetings was held in Geneva, Switzerland, regarding “fertility regulating vaccines”. According to the document Fertility Regulating Vaccines (classified by the WHO with a limited distribution) present at those meetings were scientists and clinicians from all over the globe, including then biomedical researcher of the American Agency for International development, and current research-chief of USAID, Mr. Jeff Spieler.

In 1986 Mr. Spieler declared:

“A new approach to fertility regulation is the development of vaccines directed against human substances required for reproduction. Potential candidates for immunological interference include reproductive hormones, ovum and sperm antigens, and antigens derived from embryonic or fetal tissue.(…). An antifertility vaccine must be capable of safely and effectively inhibiting a human substance, which would need somehow to be rendered antigenic. A fertility-regulating vaccine, moreover, would have to produce and sustain effective immunity in at least 95% of the vaccinated population, a level of protection rarely achieved even with the most successful viral and bacterial vaccines. But while these challenges looked insuperable just a few years ago, recent advances in biotechnology- particularly in the fields of molecular biology, genetic engineering and monoclonal antibody production- are bringing antifertility vaccines into the realm of the feasible.”

“Vaccines interfering with sperm function and fertilization could be available for human testing by the early 1990s”, Spieler wrote.

In order for widespread use of these vaccines, Spieler writes, the vaccine must conquer “variations in individual responses to immunization with fertility-regulating vaccines”.

“Research”, he goes on to say,”is also needed in the field of “basic vaccinology”, to find the best carrier proteins, adjuvants, vehicles and delivery systems.”

In the 1992 document, the problem of “variations in individual responses” is also discussed:

“Because of the genetic diversity of human populations”, states the document, “immune responses to vaccines often show marked differences from one individual to another in terms of magnitude and duration. These differences may be partly or even completely overcome with appropriately engineered FRVs (Fertility Regulating Vaccines) and by improvements in our understanding of what is required to develop and control the immune response elicited by different vaccines.”

The picture emerging from these facts is clear. The WHO, as a global coordinating body, has since the early 70s continued the development of the Rockefeller-funded “anti-fertility vaccine”. What also is becoming clear, is that extensive research has been done to the delivery systems in which these anti-fertility components can be buried, such as regular anti-viral vaccines. It’s a mass-scale anti-fertilization programme with the aim of reducing the world’s population: a dream long cherished by the global elite.
 

*

linergy

  • 204
  • +0/-0
Re: Unir os Pontos
« Responder #4 em: Setembro 06, 2010, 05:06:37 pm »
Pode-se dizer que são muitos pontos para Unir.. muitos mais do que podemos imaginar, é como me vem à cabeça às vezes "está mesmo algo aqui ao contrário", como dizia o autor da 25º hora  - "O primeiro edifício desta sociedade é a prisão", resta saber se os bons prisioneiros ou os maus tomaram controlo.

Talvez o conhecimento seja doloroso.
http://whale.to
Mas para quem cresce, resta ganhar uma orientação para deixar este mundo melhor.

Talvez o verdadeiro propósito da história seja mesmo apagar a história, tentar fazer o homem esquecer o seu perturbador passado, e construir algo que não o traga de volta.

Somos todos geridos por números, temos mais ou menos, e matamos-nos por eles... É um desastre, é preciso tentar ter percepção de algo mais, porque é essa percepção que nos vai deixar viver melhor.
 

*

linergy

  • 204
  • +0/-0
Re: Unir os Pontos
« Responder #5 em: Setembro 09, 2010, 11:52:19 am »
De que é que nos interessa ter todo o tipo de armas, se nem sequer conseguimos pensar, só vemos uma camada..http://www.youtube.com/watch?v=svUXgyHzZqY

É que precisamos de comer, e nem isso deixam que seja natural..
http://www.documentary-film.net/search/watch.php?&ref=271
 

*

Cabeça de Martelo

  • Investigador
  • *****
  • 13765
  • Recebeu: 581 vez(es)
  • Enviou: 623 vez(es)
  • +41/-11
Re: Unir os Pontos
« Responder #6 em: Setembro 10, 2010, 02:41:07 pm »
Estou a gostar, continuem!
7. Todos os animais são iguais mas alguns são mais iguais que os outros.

 

*

Luso

  • Investigador
  • *****
  • 7502
  • Recebeu: 283 vez(es)
  • Enviou: 100 vez(es)
  • +38/-36
Re: Unir os Pontos
« Responder #7 em: Setembro 11, 2010, 03:11:23 pm »
http://aeiou.visao.pt/ministros-das-fin ... is=f571452

"União Europeia
Ministros das Finanças dos 27 aprovam análise prévia europeia dos orçamentos nacionais
O Ecofin aprovou o novo "semestre europeu", exercício através do qual os projetos de orçamento dos Estados-membros serão discutidos no seio da União antes de serem apresentados aos parlamentos nacionais
11:44 Terça feira, 7 de Set de 2010  

Os ministros das Finanças da União Europeia (UE), reunidos hoje em Bruxelas, aprovaram o novo "semestre europeu", exercício através do qual os projetos de orçamento dos Estados-membros serão discutidos no seio da União antes de serem apresentados aos parlamentos nacionais.

Os ministros das Finanças dos 27 avalizaram hoje o "código de conduta" do chamado "semestre europeu" -- cujo conceito geral havia sido já acordada entre os Estados-membros na primavera passada --, aprovando assim formalmente a entrada em vigor do novo mecanismo já no próximo ano.

A ideia da iniciativa é assegurar que uma maior coordenação no seio da UE providencie orientações para a preparação das políticas orçamentais a nível nacional, com os projetos a serem apresentados aos parlamentos nacionais a resultarem de directrizes acordadas a nível da UE
."
 
Mais uma vez se torna mais óbvio o facto que a discussão sobre Defesa Nacional não pode abranger as Forças Armadas.
Cada um que tire as suas conclusões, mas não me venham com conversa de crianças.
Ai de ti Lusitânia, que dominarás em todas as nações...
 

*

Cabeça de Martelo

  • Investigador
  • *****
  • 13765
  • Recebeu: 581 vez(es)
  • Enviou: 623 vez(es)
  • +41/-11
Re: Unir os Pontos
« Responder #8 em: Setembro 11, 2010, 03:36:29 pm »
Eu já tinha lido este artigo e pensei que ficava muito bem neste tópico...

UE, UE, baixem as calças que agora é sem vaselina..., UE...
7. Todos os animais são iguais mas alguns são mais iguais que os outros.

 

*

Luso

  • Investigador
  • *****
  • 7502
  • Recebeu: 283 vez(es)
  • Enviou: 100 vez(es)
  • +38/-36
Re: Unir os Pontos
« Responder #9 em: Setembro 12, 2010, 06:27:42 pm »
Ai de ti Lusitânia, que dominarás em todas as nações...
 

*

P44

  • Investigador
  • *****
  • 7207
  • Recebeu: 162 vez(es)
  • Enviou: 272 vez(es)
  • +12/-1
Re: Unir os Pontos
« Responder #10 em: Setembro 13, 2010, 09:09:20 am »
porreiro pá!

Citar
União
Bruxelas pode vetar orçamentos

por HUGO FILIPE COELHO08 Setembro 2010
Bruxelas pode vetar orçamentos

Bloco e PCP denunciam ataque à democracia e à Constituição. Barroso chama-lhe "coordenação" europeia.

Não está a ser fácil ver PS e PSD dançar o tango sobre a mesa de negociação do Orçamento neste ano. Em 2011, será tudo um pouco mais complicado. Os ministros das Finanças da UE concordaram em dar a Bruxelas o poder de veto aos orçamentos nacionais. Daqui para a frente, a Europa também entra na dança do Orçamento.

A aprovação do novo sistema de coordenação orçamental representa um passo à frente no reforço do controlo que a UE tem sobre as contas dos Estados membros. Com a criação da moeda única, Bruxelas passou a exigir, de quatro em quatro anos, um Programa de Estabilidade e Crescimento (PEC), e impôs um tecto máximo aos défices de três por cento. Agora, a UE ganha o poder de fiscalizar as propostas de Orçamento antes mesmo de serem entregues aos parlamentos nacionais.

Durão Barroso saudou a decisão, que, espera, contribuirá para uma "verdadeira política económica europeia". O presidente da Comissão explicou que não se tratar de uniformizar, apenas coordenar, e frisou que Bruxelas "não quer reduzir as competências dos orçamentos nacionais".

"Os Estados membros, antes de apresentarem os seus orçamentos, comprometem-se a um exercício colectivo de análise", disse Barroso. "Para que haja, na medida do possível, uma verdadeira política económica europeia, para que haja uma coordenação das políticas europeias."

A decisão da UE motivou reacções diferentes em Portugal. PS e PSD saudaram o reforço dessa coordenação europeia enquanto os partidos mais à esquerda denunciaram o ataque à democracia e à Constituição.

Em nome do Governo, Pedro Silva Pereira defendeu a importância do reforço dos instrumentos de coordenação europeus. O ministro da Presidência aproveitou a oportunidade para pressionar os partidos da oposição a negociarem o Orçamento para 2011.

Miguel Macedo, líder parlamentar do PSD, negou que a fiscalização preventiva da UE constitua uma perda de soberania. "Todos vigiam todos ao mesmo tempo. Isso é bom porque permite que o crescimento na Europa seja mais harmonioso."

O CDS foi mais ambíguo. Os centristas aceitam o visto prévio de Bruxelas, mas avisam que não deixará que Portugal perca a soberania fiscal. Contra a corrente falaram os partidos de esquerda. Os bloquistas comparam o veto da UE a "um atentado à democracia". O PCP considera-o "uma afronta à soberania nacional" que "subverte a Constituição".

http://dn.sapo.pt/inicio/globo/interior ... cao=Europa
"[Os portugueses são]um povo tão dócil e tão bem amestrado que até merecia estar no Jardim Zoológico"
-Dom Januário Torgal Ferreira, Bispo das Forças Armadas
 

*

Luso

  • Investigador
  • *****
  • 7502
  • Recebeu: 283 vez(es)
  • Enviou: 100 vez(es)
  • +38/-36
Re: Unir os Pontos
« Responder #11 em: Setembro 13, 2010, 06:30:26 pm »
Citação de: "P44"
porreiro pá!

Citar
Miguel Macedo, líder parlamentar do PSD, negou que a fiscalização preventiva da UE constitua uma perda de soberania. "Todos vigiam todos ao mesmo tempo. Isso é bom porque permite que o crescimento na Europa seja mais harmonioso."

http://dn.sapo.pt/inicio/globo/interior ... cao=Europa


“O principal problema do “Sistema” da Costa Leste, foi, durante muito tempo, como fazer com que os dois partidos do Congresso fossem mais nacionais e internacionais. O argumento que os dois partidos representariam ideais e políticas opostas, um, talvez, da Direita e o outro da Esquerda, é, para o “Sistema” uma ideia absurda, aceitável apenas por doutrinários e pensadores académicos. Em vez disso, o “Sistema” acredita que os dois partidos deveriam ser quase idênticos, de modo a não conduzir a mudanças profundas nas políticas. O “Sistema” acredita que as políticas que são vitais e necessárias para a América já não são objecto de desacordo significativo, mas apenas discutíveis nos detalhes de procedimento, prioridade ou método (…) Mas qualquer partido no governo torna-se com o tempo corrupto, cansado, desmotivado e sem vigor. Portanto, deveria ser possível substitui-lo, todos os quatro anos se necessário, pelo outro partido, que não será nenhuma destas coisas e mas que ainda assim continuará com novo vigor, basicamente as mesmas políticas.”

Carrol Quigley, Tragedy and Hope - 1966 (tradução minha)
Ai de ti Lusitânia, que dominarás em todas as nações...
 

*

papatango

  • Investigador
  • *****
  • 5580
  • Recebeu: 9 vez(es)
  • +1/-0
    • http://www.areamilitar.net
Re: Unir os Pontos
« Responder #12 em: Setembro 13, 2010, 10:27:26 pm »
Aquela musiquinha de fundo quando fala o Barroso é que está um bocado deslocada.
É que ele era comuna mas era do lado chinês, ou seja, daquele que rouba mobílias ... :mrgreen:
 

*

P44

  • Investigador
  • *****
  • 7207
  • Recebeu: 162 vez(es)
  • Enviou: 272 vez(es)
  • +12/-1
Re: Unir os Pontos
« Responder #13 em: Setembro 15, 2010, 08:47:00 am »
Citar

Aviso
Político alemão avisa que Portugal arrisca seguir o caminho da Grécia

15.09.2010 - 08:05 Por José Manuel Rocha


Michael Meister, dirigente de topo do partido de Angela Merkel, acusa o Governo Sócrates de não fazer o suficiente para impulsionar a economia.

Portugal não está a fazer o que é necessário para evitar cair na mesma situação em que caiu a Grécia. O aviso foi feito ontem por Michael Meister, dirigente de topo do partido da chanceler alemã Angela Merkel.

O recado crítico a Portugal foi passado durante uma entrevista que Meister, porta-voz para as questões financeiras do partido dos democratas-cristãos, concedeu ontem à agência de notícias Bloomberg, em Berlim.

O político germânico teme que Portugal caia numa recessão profunda porque não está a fazer o suficiente para dinamizar a economia e o Governo não avança medidas para tornar as empresas mais competitivas. Meister aconselha Portugal a investir mais na área da educação e da formação, e nas novas tecnologias, como a Alemanha fez, no passado não muito distante, e com bons resultados, conforme sublinhou Meister.

"Cada país tem que fazer a sua parte para impulsionar a sua economia na zona euro, e não apenas cortando nos gastos, como Portugal fez", criticou Michael Meister. O porta-voz da CDU para as questões financeiras acrescentou: "Necessitamos de assinalar aos mercados - não se preocupem, porque estamos a resolver os nossos problemas estruturais e seria desejável mais participação de Portugal."

Apesar de surpreendentes, as declarações de Meister não surgem fora de contexto, porque a Alemanha tem dado sinais de preocupação com a timidez da retoma económica europeia e com os ritmos divergentes a que se está a processar entre os diversos países - particularmente os do Sul.

E, quando a Grécia corria risco de incumprimento, o Governo germânico esticou tanto quanto pôde a corda dos apoios, até que o executivo grego se comprometesse com um rigoroso plano de estabilidade. "Seguramente, não é nosso objectivo ver outro Estado-membro a ter que recorrer aos fundos europeus de emergência", assegurou Meister.

As críticas do dirigente democrata-cristão alemão surgem também em linha com as mais recentes posições do comissário europeu responsável pelos assuntos financeiros. Anteontem, Olli Rehn manifestou preocupação pelo facto de a recuperação económica europeia estar a acontecer "a duas velocidades" e acrescentou que a situação actual poderá pôr em causa a coesão comunitária.

Numa mensagem para o Governo Sócrates, Rehn referiu que é necessário aprofundar a consolidação orçamental e realizar reformas estruturais para que o país regresse a um cenário de crescimento sustentável e de criação de emprego.

Anteontem, a Comissão Europeia reviu em alta as previsões de crescimento para a zona euro (1,8 por cento em 2010). Neste quadro, Portugal acentuará divergências com os seus principais parceiros, uma vez que não é expectável que a economia cresça acima de 1 por cento no corrente ano.

http://economia.publico.pt/Noticia/poli ... ia_1455900


Citar
Contas: Alemanha critica
Merkel avisa Portugal

Portugal não está a fazer o suficiente para evitar o destino da Grécia e precisa de se esforçar mais para conseguir recuperar a economia, afirmou o vice-presidente do partido da chanceler alemã Angela Merkel.


Em entrevista à Bloomberg, o também porta-voz para a área das Finanças do Partido Democrata Cristão, Mechael Meister, considera que "cada país tem de fazer a sua parte para impulsionar a sua economia na Zona Euro, não apenas cortando drasticamente nos gastos, como Portugal fez". Meister acrescentou que "precisamos de dar este sinal aos mercados: ‘não se preocupem, estamos a resolver os nossos problemas', e seria desejável uma maior participação de Portugal".

Para Mechael Meister, o crescimento económico no nosso país está a estagnado, enquanto o Governo enfrenta o desafio de como tornar as empresas e os salários mais competitivos. E sugere que o Governo de Sócrates aposte na Educação e Novas Tecnologias.

Depois da comparação com a Grécia, Mechael Meister garantiu ainda que "certamente não pode ser o nosso objectivo que outro Estado-membro tenha de usar o fundo de ajuda", referindo-se ao pacote de 110 mil milhões de euros que a União Europeia disponibilizou para salvar as contas helénicas.

http://www.cmjornal.xl.pt/detalhe/notic ... a-portugal

ou seja, nós vamos ficar na M...... completa porque a ajuda que deram á Grécia NUNCA a darão a Portugal...mas também, conhecendo o "curriculo" do sócas...
"[Os portugueses são]um povo tão dócil e tão bem amestrado que até merecia estar no Jardim Zoológico"
-Dom Januário Torgal Ferreira, Bispo das Forças Armadas
 

*

typhonman

  • Investigador
  • *****
  • 2721
  • Recebeu: 26 vez(es)
  • Enviou: 2 vez(es)
  • +7/-11
Re: Unir os Pontos
« Responder #14 em: Setembro 15, 2010, 04:19:02 pm »
Se isso acontecer podemos sair da UE..
Artigo 308º

Traição à Pátria

Quem, por meio de violência, ameaça de violência, usurpação ou abuso de funções de soberania:

a) Tentar separar da Mãe-Pátria, ou entregar a país estrangeiro ou submeter à soberania estrangeira, todo o território português ou parte dele
 

 

Alemanha recusa proposta francesa de unir construção naval

Iniciado por JLRCQuadro Indústrias de Defesa

Respostas: 1
Visualizações: 1178
Última mensagem Outubro 15, 2004, 06:30:22 pm
por dremanu
Defesa de Pontos e Areas Sensiveis

Iniciado por HCardosoQuadro Portugal

Respostas: 12
Visualizações: 5351
Última mensagem Maio 15, 2008, 01:38:24 pm
por Jorge Pereira