"GUERRA é GUERRA - Um Oficial da GNR no Iraque"

  • 5 Respostas
  • 2776 Visualizações
*

nelson38899

  • Investigador
  • *****
  • 4174
  • Recebeu: 264 vez(es)
  • Enviou: 267 vez(es)
  • +54/-14
"Que todo o mundo seja «Portugal», isto é, que no mundo toda a gente se comporte como têm comportado os portugueses na história"
Agostinho da Silva
 

*

Lusitano89

  • Investigador
  • *****
  • 11100
  • Recebeu: 385 vez(es)
  • Enviou: 227 vez(es)
  • +62/-47
Re: "GUERRA é GUERRA - Um Oficial da GNR no Iraque"
« Responder #1 em: Abril 26, 2010, 12:05:34 am »
O comandante escritor


É major da GNR, onde comandou  o batalhão de operações especiais. Esteve em Angola, Bósnia e Iraque. Este último deixou-lhe marcas.

O major da GNR Miguel Barreto não foi feito para estar vestido à civil. Todo ele respira acção. É comandante. Comandante de homens que ensinam a paz a países que estão a sair da guerra. Iraque, Bósnia, Angola, Timor estão no mapa das suas missões internacionais. Em Portugal, comandou o batalhão operacional, a tropa de elite da GNR. Operações especiais, tiro, ordem pública, fuzileiros fazem parte da sua vida.

Mas, agora, quis despir a farda e escrever sobre essas missões de paz, principalmente a do Iraque, que lhe deixou "marcas profundas". E o que pode não funcionar, literalmente, com os músculos treinados do seu corpo na roupa "civil" o mesmo não acontece quando escreve. Este "tirar a farda" funciona, nas palavras emocionadas de quem foi um actor directo naquela que foi a mais arriscada missão da GNR no estrangeiro, como um inédito momento de revelação.

Revelação sobre o medo, sobre as saudade da família, sobre a gestão dos sentimentos dos homens que se comanda, sobre o suor que corre quando se tem uma Kala-shnikov inimiga tão perto de nós que se sente o cheiro, sobre encarar a morte de frente, sobre regressar vivo para os braços dos filhos.

Guerra É Guerra é um livro que honra o soldado desconhecido, desvenda uma GNR tão pouco conhecida e mostra que os 128 homens que estavam debaixo daquelas fardas que embarcaram, em 2003, para o Iraque, são mesmo heróis de coragem. "O melhor que há na GNR e no nosso país", como salienta o major.

Miguel Barreto, 41 anos, foi o 2.º comandante do 1.º subagrupamento Alfa e entendeu que, passados sete anos, era o momento de expurgar as suas memórias desses 120 dias. "Porque ainda hoje há ruídos, cheiros, vozes que, num segundo, são capazes de me transportar de novo para as áreas de Nassíria", confessa este oficial.

Quando o Governo de Durão Barroso decidiu que a GNR iria ajudar a levar a paz ao Iraque, enquadrada numa força da ONU, poucos acreditaram que estes militares - que o País, em geral, apenas conhecia como os "barrigudos de bigode" - estavam preparados para o desafio.

O que conta agora o major Barreto vai certamente responder aos mais cépticos. Pela primeira vez, sabemos que os militares da GNR perseguiram e enfrentaram "inimigos" com firmeza e violência. Ajudaram a população com generosidade e solidariedade.

No Iraque, os militares da GNR nunca tiraram a farda. "Até ironizávamos que era sempre segunda- -feira. Foram quatro meses, 24 horas por dia, sempre de serviço. Mesmo se morresse algum familiar ninguém podia sair dali. Houve um militar meu que ouviu o primeiro choro do filho através de um telefone satélite. Só o viu um mês depois. A tensão era enorme e tínhamos de funcionar como um único corpo, sem falhas", conta o major. Um comandante é uma espécie de corrente sanguínea que percorre este corpo, que o faz funcionar e que tem de o motivar.

Com humor, emoção, firmeza e um enorme sentido de responsabilidade, foi o que Miguel Barreto fez. "Não há heróis em lado nenhum", assegura, "senti apenas que tinha nas mãos a vida dos militares e a minha preocupação era que regressassem todos vivos." Conseguiu. Portugal foi o único país da coligação sem baixas.

"Este é um livro de missão", escreve Paulo Portas, na altura ministro da Defesa, no prefácio, "o sr. major Costa Barreto não nos traz uma narrativa épica, não escreveu uma aventura, não toma a fria posição de um historiador nem, sequer, a confortável distância da testemunha. É um livro escrito na primeira pessoa, uma história em primeira mão, a vivência humana de um oficial da Guarda".

Ainda bem que despiu a farda. As palavras deste livro ficam-lhe à medida.

DN
 

*

Rui_L

  • 122
  • +0/-0
Re: "GUERRA é GUERRA - Um Oficial da GNR no Iraque"
« Responder #2 em: Abril 26, 2010, 03:18:55 pm »
Parece-me muitíssimo interessante! Será sem dúvida mais um livro a ler sem falta!

Abraço
 

*

Lusitano89

  • Investigador
  • *****
  • 11100
  • Recebeu: 385 vez(es)
  • Enviou: 227 vez(es)
  • +62/-47
Re: "GUERRA é GUERRA - Um Oficial da GNR no Iraque"
« Responder #3 em: Abril 30, 2010, 02:05:23 pm »
«Guerra é Guerra» apresentado a 6 de Maio na Universidade Lusíada


A Universidade Lusíada recebe dia 6 de Maio, às 18:30, a apresentação do livro «Guerra é Guerra», do major Miguel Costa Barreto, que será publicado pela Esfera dos Livros.
O major Miguel Costa Barreto que teve a seu cargo a vida de 128 militares do sub-agrupamento Alfa da GNR, relata «o dia-a-dia daquele que foi o mais violento cenário de guerra da actualidade», segundo a editora.

o autor descreve «as condições em que viviam, os momentos de tensão quando saíam em patrulha, o receio perante um presumível carro bomba, a ansiedade sentida segundos antes da ordem de disparar e as saudades da família».

Os leitores poderão ainda contar com «episódios caricatos», como «o do médico português que dormiu com o colete à prova de bala vestido ou uma refeição no Burger King montado em pleno deserto pelos norte-americanos»; e «momentos dramáticos», como «o de um militar que recebeu a notícia de ter sido traído a milhares de quilómetros pela mulher ou os vividos aquando do ataque a jornalistas portugueses, durante o qual a repórter Maria João Ruela foi baleada».

Lusa
 

*

Rui_L

  • 122
  • +0/-0
Re: "GUERRA é GUERRA - Um Oficial da GNR no Iraque"
« Responder #4 em: Maio 04, 2010, 12:06:46 pm »
Já agora uma questão:

- O livro estará disponível nas livrarias como a FNAC ou Bertrand?

Cumprimentos
 

*

sergio21699

  • Especialista
  • ****
  • 933
  • Recebeu: 1 vez(es)
  • +1/-0
-Meu General, estamos cercados...
-Óptimo! Isso quer dizer que podemos atacar em qualquer direcção!
 

 

A GNR NO IRAQUE, 2003-2005

Iniciado por Miguel Silva Machado

Respostas: 0
Visualizações: 1483
Última mensagem Junho 27, 2011, 02:14:28 pm
por Miguel Silva Machado
Iraque

Iniciado por Lightning

Respostas: 2
Visualizações: 1693
Última mensagem Junho 17, 2006, 11:11:06 am
por superbuzzmetal
Terramar lança livro sobre PIDE na guerra colonial

Iniciado por Fábio G.

Respostas: 16
Visualizações: 6462
Última mensagem Junho 08, 2004, 11:19:18 pm
por papatango
Guerra, Paz e Fuzilamentos dos Guerreiros – Guiné 1970-1980

Iniciado por Lancero

Respostas: 1
Visualizações: 2738
Última mensagem Fevereiro 16, 2008, 09:39:32 pm
por Nitrox13
Revista Visão História - Portugal na II Guerra Mundial

Iniciado por jopeg

Respostas: 2
Visualizações: 1112
Última mensagem Abril 17, 2010, 11:34:55 pm
por Lusitano89