Sismo no Haiti

  • 42 Respostas
  • 6775 Visualizações
*

Luso

  • Investigador
  • *****
  • 7490
  • Recebeu: 368 vez(es)
  • Enviou: 117 vez(es)
  • +95/-191
Re: Sismo no Haiti
« Responder #15 em: Janeiro 15, 2010, 11:27:37 pm »
15 Janeiro 2010
Tal como a Guiné dita Bissau
 
Um sismo de grau 7 tudo desfez, esmagando no pó ou na lama, as periclitantes construções onde o cimento apenas servia de junta à muita areia que fazia a vez do betão. Montões de corpos inchados pela decomposição, correrias sem rumo carregando preciosos nadas, a falta absoluta da água potável num país de grandes chuvadas. O Haiti deixou de existir e a comunidade internacional não pode simplesmente reconhecer esta clara evidência, sob pena de quebrar um dos misericordiosos tabus que regem as relações internacionais estabelecidas pela Carta da ONU. Conhecem-se muitos outros casas semelhantes, apetitosos engodos de intervenção para centos de ONG's, umas mais sérias que outras e que justificam plenamente a correcção política a que o mundo se habituou.

Mude-se o Papa Doc para Bernardo Vieira ou Kumba Yalá e o Haiti vira Guiné-Bissau, a tal república cuja independência foi saudada pelas suécias como vanguarda da "Nova África" e é hoje uma espécie de Tortuga para todos os piratas do narcotráfico.


http://combustoes.blogspot.com/2010/01/ ... issau.html


(...)No extremo de tudo isto, as imagens dos últimos dias, foco de horror em Port-au-Prince, capital de um Estado Pária, a República dos Escravos, sustentada e tolerada naquele mosaico de equívocos pós coloniais, que são as Índias Ocidentais, suportada pela Comunidade Internacional, pelo mero pretexto e pelas meras convenções de que uma linha marcada num mapa é suficiente para definir um "Estado", com todas as suas sequências e consequências, território de guerra, de miséria absoluta, de tráfico e prostituição das almas, de leilão permanente do ser humano, superpovoada, desflorestada, economica, cultural e turisticamente inviável, a terra dos Negros das Caraíbas tinha, para mim, apesar de tudo, um supremo valor estético, o do fonema do seu nome clássico, "Hispaniola", o mais belo nome das velhas designações das Antilhas. (...)

http://sol.sapo.pt/blogs/arrebenta/default.aspx
Ai de ti Lusitânia, que dominarás em todas as nações...
 

*

Jorge Pereira

  • Administrador
  • *****
  • 2195
  • Recebeu: 57 vez(es)
  • Enviou: 116 vez(es)
  • +12/-0
    • http://forumdefesa.com
Re: Sismo no Haiti
« Responder #16 em: Janeiro 15, 2010, 11:47:41 pm »
Será o "caso M-60 fumarento" da Força Aérea?

Citar
Avaria no avião obriga missão portuguesa ao Haiti a regressar a Lisboa

15.01.2010 - 22:46 Por Lusa

Uma avaria num motor obrigou hoje o avião da missão humanitária portuguesa para o Haiti a regressar a Lisboa, onde deverá aterrar pelas 23:00 no Aeroporto de Figo Maduro, informou fonte da Força Aérea.

A "avaria mecânica não muito grave num dos motores" do C-130 Hércules levou a que o piloto, "por precaução", optasse por fazer regressar a aeronave a Lisboa, de onde tinha descolado às 17h20, referiu o tenente-coronel Paulo Gonçalves, das Relações Públicas da Força Aérea Portuguesa.

"Trata-se de um simples problema, um dos motores não estava a ter o rendimento desejável para um voo de muito longo curso", disse, acrescentando que a avaria não podia ser reparada em Cabo Verde ou em Barbados, onde o avião iria fazer escala antes de aterrar no aeroporto da capital haitiana, Port-au-Prince.

A fonte não esclareceu quando é que a aeronave estará novamente em condições de voar. No C-130 seguiam técnicos da Protecção Civil, bombeiros, médicos da AMI e do INEM e alguns jornalistas.

O Haiti foi atingido na terça-feira por um violento sismo, que provocou milhares de mortos e desaparecidos.
Um dos primeiros erros do mundo moderno é presumir, profunda e tacitamente, que as coisas passadas se tornaram impossíveis.

Gilbert Chesterton, in 'O Que Há de Errado com o Mundo'






Cumprimentos
 

*

ShadIntel

  • Investigador
  • *****
  • 1510
  • +0/-0
Re: Sismo no Haiti
« Responder #17 em: Janeiro 16, 2010, 12:01:09 am »
Citação de: "Jorge Pereira"
Será o "caso M-60 fumarento" da Força Aérea?

Citar
Avaria no avião obriga missão portuguesa ao Haiti a regressar a Lisboa
Foi o que pensei quando li a notícia há minutos, mas dadas as circunstâncias e a natureza da missão, acredito que foi por acaso e que voltaram mesmo por mera precaução.
 

*

Lusitano89

  • Investigador
  • *****
  • 10863
  • Recebeu: 368 vez(es)
  • Enviou: 226 vez(es)
  • +59/-45
Re: Sismo no Haiti
« Responder #18 em: Janeiro 16, 2010, 12:20:29 am »
Brasileiros denunciam: ONU no Haiti está a ajudar os ricos


Segundo investigadores brasileiros no Haiti, a capital Port-au-Prince está devastada e os haitianos foram abandonados pela missão da ONU naquele país, a Minustah, que terá dado prioridade ao resgate de "ricos hóspedes estrangeiros" que estavam nos "hotéis de luxo" da cidade.

O blogue dos investigadores da Unicamp no Haiti (Universidade Estadual de Campinas, Brasil) denunciou na terça-feira o abandono da população daquele país depois do sismo de grande intensidade que assolou a capital, Port-au-Prince, no passado dia 12, terça-feira.

De acordo com o relato de Otávio Calegari Jorge, um dos autores do blogue, "o povo haitiano está se perguntando mais do que nunca: onde está a Minustah [Missão da ONU no Haiti]  quando precisamos dela?" Otávio é categórico: "Posso responder a essa pergunta: a Minustah está removendo os escombros dos hotéis de luxo onde se hospedavam ricos hóspedes estrangeiros."

O autor do blogue diz ainda que não é "contra qualquer medida nesse sentido" até porque é "estrangeiro e branco" e também poderia necessitar de apoio da ONU. Otávio prevê um desfecho trágico e acredita que "o povo haitiano será o último a ser atendido, se possível. O que vimos pela cidade hoje e o que ouvimos dos haitianos é: estamos abandonados."

Otávio Jorge sustenta ainda que a situação no Haiti "foi muito mais do que um forte terramoto. Foi a destruição do centro de um país sempre renegado pelo mundo." Além de denunciar o resgate privilegiado dos turistas nos hotéis de luxo, o autor do blogue faz denúncias graves sobre o papel da ONU no Haiti, mesmo antes do terramoto.

"A ONU gasta meio milhão de dólares por ano a fazer do Haiti um teste de guerra. Ontem pela manhã [dia 12], estivemos no (...) principal Batalhão Brasileiro da Minustah. Quando questionado sobre o interesse militar brasileiro na ocupação haitiana, Coronel Bernardes não titubeou: o Haiti, sem dúvida, serve de laboratório (exactamente, laboratório) para os militares brasileiros conterem as rebeliões nas favelas cariocas.", acusa Otávio Jorge.

O autor do blogue sente-se incomodado com a "ânsia por tragédias dos media brasileiros e internacionais" e elogia ainda, no post, a atitude da fotógrafa da Unicamp que se recusa a fotografar a morte e a destruição na capital haitiana.

DN
 

*

Luso

  • Investigador
  • *****
  • 7490
  • Recebeu: 368 vez(es)
  • Enviou: 117 vez(es)
  • +95/-191
Re: Sismo no Haiti
« Responder #19 em: Janeiro 16, 2010, 12:47:57 am »
Excelente artigo, Lusitano. Sem papas na língua e sem políticamente correctos.
Ai de ti Lusitânia, que dominarás em todas as nações...
 

*

ShadIntel

  • Investigador
  • *****
  • 1510
  • +0/-0
Re: Sismo no Haiti
« Responder #20 em: Janeiro 16, 2010, 11:16:51 am »
A ver se é desta...

Citar
Avião português para o Haiti volta a tentar descolar sábado

O avião com a missão humanitária portuguesa para o Haiti, que teve de regressar na sexta-feira a Portugal devido a uma avaria, vai descolar novamente às 12h deste sábado, informou o comandante de bordo, Paulo Peres

O C-130 Hércules tinha descolado do Aeroporto Militar de Figo Maduro, em Lisboa, às 17h20 de sexta-feira, mas teve de regressar a Portugal, onde aterrou na Base Aérea do Montijo às 23h08.

Segundo o comandante de bordo da aeronave, major Paulo Peres, houve um problema na bomba de combustível que «iria afectar a performance do motor».

«Não havia perigo imediato, mas poderia haver», esclareceu à agência Lusa, acrescentando que, por precaução, o avião teve de regressar.

A avaria na bomba de combustível foi detectada «à vertical das Canárias», a um terço da viagem de Lisboa para Cabo Verde, país onde a aeronave iria fazer a primeira escala antes de chegar ao aeroporto da capital haitiana, Port-au-Prince.
O major Paulo Peres adiantou que a avaria vai ser reparada durante a noite na Base Aérea do Montijo, de onde o avião descolará pelas 12h.

Técnicos da Protecção Civil, bombeiros, médicos da AMI e do INEM e jornalistas que seguiam a bordo, vão pernoitar num hotel do Montijo.

O Haiti foi atingido na terça-feira por um violento sismo, que causou milhares de mortos e de desaparecidos.

Lusa / SOL
http://sol.sapo.pt/PaginaInicial/Intern ... _id=159907
 

*

Lusitano89

  • Investigador
  • *****
  • 10863
  • Recebeu: 368 vez(es)
  • Enviou: 226 vez(es)
  • +59/-45
Re: Sismo no Haiti
« Responder #21 em: Janeiro 17, 2010, 12:38:45 am »
Haiti e a região devem preparar-se para terramotos piores


O forte terramoto que atingiu o Haiti na terça-feira pode ser o prenúncio de outros, advertem cientistas que insistem na necessidade de reconstruir com materiais reforçados a capital Port-au-Prince, situada sobre uma grande falha geológica.

"Não se pode reconstruir partindo do princípio de que o perigo já passou para o Haiti", advertiu Paúl Mann, investigador do Instituto de Geofísica da Universidade de Austin, no Texas. "Essa liberação de energia numa região próxima de Port-au-Prince pode ter aumentado a pressão nos segmentos adjacentes da mesma falha" telúrica, explicou.

Os investigadores estão a desenvolver sistemas de simulação para tentar prever de que maneira as mudanças de pressão causadas pelo terramoto de magnitude 7.0 registado na terça-feira no Haiti afectaram esses segmentos.

"Essa falha é de várias centenas de quilómetros de comprimento, e o segmento que se rompeu, causando o terramoto, mede apenas 80 km", ressaltou Man. Então, "muitos dos outros segmentos, que não registam um terramato há muitos anos, acumulam pressão, e "qualquer um desses segmentos poderá provocar um terramoto semelhante ao que ocorreu no Haiti", acrescentou.

Região das Caraíbas sob risco

Inclusive, há duas grandes cidades ao longo dessa falha -Port-au-Prince e Kingston, na Jamaica-, que podem temer uma nova desgraça. Ainda mais, porque o segmento que causou o terramoto não foi o mais próximo da capital haitiana.

Na segunda falha, que atravessa o norte do Haiti e se estende para a vizinha República Dominicana, não há uma ruptura há 800 anos, e a pressão acumulada é suficiente para causar um tremor superior, de magnitude 7.5.

"A questão é saber quando serão registadas essas rupturas", frisou Mann, acrescentando que é muito difícil saber "se será em um ou dentro de 100 anos".

Haiti tinha sido avisado

Eric Calais, um geofísico francês que trabalha na Universidade Purdue, em Indiana (norte dos Estados Unidos), começou a estudar em 2003 a falha responsável pelo movimento telúrico de terça-feira. Ele alertou as autoridades haitianas sobre a perigosa acumulação de pressão, mas poucas coisas foram feitas para reforçar as construções do país.

"Não há como censurar o governo haitiano", disse Calais à AFP. "Nos ouviram atentamente e sabiam do perigo. Estavam muito preocupados e tinham começado a tomar medidas. Mas tudo aconteceu cedo demais".

"É um país pobre", ressalta Calais. "Reforçar um edifício para que resista a um tremor pode ser tão custoso como reconstruí-lo". Por isso, defende que agora "é muito importante que a capital seja reconstruída corretamente", já que outros segmentos dessa falha poderão romper-se no futuro.

SAPO/AFP
 

*

Lusitano89

  • Investigador
  • *****
  • 10863
  • Recebeu: 368 vez(es)
  • Enviou: 226 vez(es)
  • +59/-45
Re: Sismo no Haiti
« Responder #22 em: Janeiro 17, 2010, 07:43:25 pm »
Missão humanitária portuguesa deve aterrar no Haiti à meia-noite


A missão humanitária portuguesa que aterrou, às 05h00 deste domingo nos Barbados, deverá chegar ao Haiti por volta da meia-noite (hora de Lisboa).

A informação foi avançada por Elísio Oliveira, coordenador da missão, que explicou, em declarações reproduzidas pela edição online do Público, que, uma vez no Haiti, o objectivo «é estabelecer contactos com o centro de coordenação das Nações Unidas para receber informações».

Por agora, a maior preocupação dos elementos portugueses é com a segurança:

«Independentemente da presença dos Estados Unidos, a situação é ainda complexa», sublinhou, durante a reunião realizada com toda a equipa portuguesa, a quem pediu «humildade» e «muita atenção na forma como lidar com todo o processo».

A primeira tarefa do grupo de ajuda português passa por montar um campo de alojamento de emergência na capital haitiana e Elísio Oliveira lembrou que ainda «existe no terreno grande necessidade de tendas para alojar pessoas».

Esta segunda-feira deverá partir de Lisboa um outro avião com mais equipamento de ajuda humanitária com destino ao Haiti.

A Bola
 

*

Lusitano89

  • Investigador
  • *****
  • 10863
  • Recebeu: 368 vez(es)
  • Enviou: 226 vez(es)
  • +59/-45
Re: Sismo no Haiti
« Responder #23 em: Janeiro 17, 2010, 09:39:55 pm »
Equipa portuguesa deixa Barbados com ansiedade e pouca informação


A equipa de ajuda humanitária portuguesa está neste momento a partir dos Barbados em direcção ao Haiti, onde deverá chegar daqui a cerca de 3 horas, com a ansiedade sobre o que vai enfrentar a dominar o ambiente.

Os ânimos começaram a esmorecer a seguir às 16:00, quando se reuniram num 'briefing' para partilhar as poucas informações que a equipa - com cerca de 30 elementos - consegue obter.

A pouca segurança e as condições dramáticas que estão a ser vividas na capital do Haiti deixaram a equipa que viaja no Hércules C-130 da Força Aérea Portuguesa tensa e cheia de ansiedade.

"A situação é dramática e vai exigir de nós, em termos profissionais mas também pessoais, uma grande presença de espírito para fazermos o máximo", disse à Lusa a coordenadora do Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM), Fátima Rato.

"Tentar abstrair e rentabilizar tudo o que vamos fazer" é a estratégia adoptada por Fátima Rato. "Se vai funcionar ou não, ainda não sei, mas é natural que a situação possa fragilizar as pessoas", acrescentou.

A responsável lembrou que a equipa do INEM "veio preparada para dar apoio a refugiados e para tratar vítimas de pequenos traumas e pequenas lesões", mas admitiu que "poderá vir a trabalhar em colaboração com outras equipas internacionais" já no local.

"Temos disponibilidade total" para colaborar", sublinhou.

A equipa portuguesa esteve hoje algumas horas em Barbados, esperando chegar ao Haiti por volta da meia-noite (hora de Lisboa), segundo o coordenador da missão, Elísio Oliveira.

A missão da equipa portuguesa consiste em montar, em Port-au-Prince, um campo para alojamento de emergência/temporário e com equipamento para intervenção médica e ajuda aos afectados pelo terramoto de terça-feira.

Segunda-feira deverá sair de Lisboa mais um avião com mais equipamento de ajuda humanitária, nomeadamente com mais tendas e equipamentos necessários para a intervenção médica do INEM.

Estimativas da Organização Mundial de Saúde (OMS), hoje divulgadas, revelam que o sismo causou entre 40 mil a 50 mil mortos.

Ionline
 

*

Lusitano89

  • Investigador
  • *****
  • 10863
  • Recebeu: 368 vez(es)
  • Enviou: 226 vez(es)
  • +59/-45
Re: Sismo no Haiti
« Responder #24 em: Janeiro 18, 2010, 02:24:57 pm »
Equipa portuguesa em acampamento provisório no aeroporto de Port-au-Prince


A equipa portuguesa que chegou hoje ao Haiti terminou a montagem do seu acampamento provisório num terreno do aeroporto de Port-au-Prince cerca das 3h30 locais (8h30 em Lisboa), atrasando o início do trabalho humanitário

A equipa portuguesa lembra que em cenários de catástrofe a ajuda é precisa durante um longo período de tempo e o Haiti não é excepção.

As equipas médicas estão prontas para entrar no terreno, onde ainda há muito para fazer depois da tragédia que na passada terça-feira fez dezenas de milhares de mortos.

«Já estamos habituados a estes compassos de espera. É normal e não há qualquer problema, porque vai continuar a haver muito trabalho para fazer durante muito tempo», contou à Lusa Fernando Nobre, da AMI.

No aeroporto, o barulho constante da chegada e partida dos aviões e dos camiões que transportam ajuda e equipamento parecem não afectar os portugueses, que estão instalados em onze tendas, mesmo ao lado dos israelitas e perto da equipa de Porto Rico.

Passavam poucos minutos das 19h locais (meia-noite em Lisboa), quando Port-au-Prince surgiu nas pequenas janelas do C-130 da Força Aérea que transportou a equipa portuguesa.

Numa cidade "apagada" pela falta de electricidade, eram visíveis pequenos focos de luz conseguidos graças aos geradores e a fogueiras.

Depois de uma hora a voar em redor do aeroporto à espera de autorização para estacionar, o C-130 aterrou finalmente no aeroporto internacional Toussant Louverture, onde se encontram muitas outras equipas humanitárias.

Durante quatro horas, a equipa portuguesa pôde presenciar o frenesim no aeroporto: "colunas" de cidadãos norte-americanos e desalojados a serem retirados da capital haitiana, soldados dos Estados Unidos a garantir a segurança do aeroporto em moto-quatro, capacetes azuis que circulavam em camiões pelas pistas do aeroporto e a chegada de um avião com cerca de 300 homens da 82º Divisão Páraquedista norte-americana.

Durante algumas horas, elementos da equipa portuguesa aproveitaram para descansar na entrada das Chegadas do aeroporto, um edifício que também apresenta muitas marcas do sismo na parede amarela.

No chão da sala, dormiu-se improvisando almofadas com sacos de viagem e usando casacos como mantas.

Nos últimos dias, dentro do avião, a equipa partilhou comida, cobertores, água e experiências de vida.

Hoje, voltam a reunir-se em torno de pequenas fogueiras onde aquecem latas de feijoada e almôndegas com ervilhas.

Depois, as tendas voltam a ser partilhadas, tal como foram os espaços exíguos do C-130, onde a equipa passou quase 30 horas.

O local definitivo onde será montado o acampamento só será conhecido durante o dia de hoje, depois de uma reunião com o centro de coordenação.

Nessa altura, as tendas acabadas de montar serão desmontadas para o serem de novo.

Lusa
« Última modificação: Janeiro 18, 2010, 06:58:11 pm por Lusitano89 »
 

*

Miguel

  • Investigador
  • *****
  • 2437
  • Recebeu: 24 vez(es)
  • Enviou: 6 vez(es)
  • +12/-15
Re: Sismo no Haiti
« Responder #25 em: Janeiro 18, 2010, 05:26:39 pm »
Impressionante a força dos EUA, mesmo que estando em guerra total no Iraque, Afganistao, conseguir deslocar assim em menos de uma semana, esta força com toda a logistica é simplesmente incrivel.

Alem disso penso que esta intervençao vai dar um novo folego a imagem dos EUA no mundo. Penso eu de que...
 

*

Crypter

  • Especialista
  • ****
  • 1094
  • Recebeu: 174 vez(es)
  • Enviou: 186 vez(es)
  • +22/-5
Re: Sismo no Haiti
« Responder #26 em: Janeiro 18, 2010, 07:33:54 pm »
Citação de: "Miguel"
Impressionante a força dos EUA, mesmo que estando em guerra total no Iraque, Afganistao, conseguir deslocar assim em menos de uma semana, esta força com toda a logistica é simplesmente incrivel.

Alem disso penso que esta intervençao vai dar um novo folego a imagem dos EUA no mundo. Penso eu de que...

Pois, de facto a força impressionou tanto, que alguns países já começaram a questionar para quê tanto militar a caminho do Haiti..

O Chaves(já no seu tom habitual..) fala inclusive em invasão. O que digamos, na minha opinião pessoal, o Haiti só ficava a ganhar a ser o 51º estado dos EUA.  :mrgreen:
 

*

P44

  • Investigador
  • *****
  • 7543
  • Recebeu: 292 vez(es)
  • Enviou: 495 vez(es)
  • +100/-199
Re: Sismo no Haiti
« Responder #27 em: Janeiro 18, 2010, 09:17:33 pm »
hoje já ocorreram sismos ao largo da Guatemala e ao largo da Argentina...
"[Os portugueses são]um povo tão dócil e tão bem amestrado que até merecia estar no Jardim Zoológico"
-Dom Januário Torgal Ferreira, Bispo das Forças Armadas
 

*

P44

  • Investigador
  • *****
  • 7543
  • Recebeu: 292 vez(es)
  • Enviou: 495 vez(es)
  • +100/-199
Re: Sismo no Haiti
« Responder #28 em: Janeiro 18, 2010, 09:18:25 pm »
Citação de: "Crypter"
Citação de: "Miguel"
Impressionante a força dos EUA, mesmo que estando em guerra total no Iraque, Afganistao, conseguir deslocar assim em menos de uma semana, esta força com toda a logistica é simplesmente incrivel.

Alem disso penso que esta intervençao vai dar um novo folego a imagem dos EUA no mundo. Penso eu de que...

Pois, de facto a força impressionou tanto, que alguns países já começaram a questionar para quê tanto militar a caminho do Haiti..

O Chaves(já no seu tom habitual..) fala inclusive em invasão. O que digamos, na minha opinião pessoal, o Haiti só ficava a ganhar a ser o 51º estado dos EUA.   :twisted:  , não há pitrol no Haiti nem recursos naturais para "libertar"  c34x
"[Os portugueses são]um povo tão dócil e tão bem amestrado que até merecia estar no Jardim Zoológico"
-Dom Januário Torgal Ferreira, Bispo das Forças Armadas
 

*

papatango

  • Investigador
  • *****
  • 5512
  • Recebeu: 9 vez(es)
  • +17/-0
    • http://www.areamilitar.net
Re: Sismo no Haiti
« Responder #29 em: Janeiro 18, 2010, 10:50:00 pm »
Claro, como no Afeganistão...

A operação no Haiti permitiu aos Estados Unidos aproveitar muito do material e da capacidade logística que têm. O que acontece é que as pessoas começam a ter sonhos molhados sobre a queda e decadência da América e depois, de repente, caem na real.

O problema é que há quem não tenha a noção do poder efectivo dos americanos.
Mas de qualquer das formas, se a América não fizesse nada no Haiti, que fica ali nas barbas da Florida, quem é que ía fazer alguma coisa ?

Talvez também não fosse má ideia perguntar porque razão é que o primeiro governo de maioria negra foi capaz de produzir uma porcaria de país como o Haiti.
O terramoto foi um desastre, mas muito aumentado por causa de o país não ter estruturas.
O Chavez fica maluco da vida quando vê americanos a entrar num país do Caribe, mas perguntem aos militares brasileiros que têm que fazer patrulhas no Haiti, se eles acham a ideia de mandar tropas para lá assim tão estapafurdia...

Se não forem enviadas forças de segurança, muitos dos haitianos vão começar a roubar-se uns aos outros e se necessário for, começam a matar as pessoas das ONG para as roubar.

É triste, mas é a realidade.
E não foram os Estados Unidos que deram a independência ao Haiti...  :roll:  :roll: