Indústria Automóvel

  • 135 Respostas
  • 29030 Visualizações
*

Chicken_Bone

  • 488
  • +0/-0
Indústria Automóvel
« em: Abril 20, 2009, 11:49:09 pm »
Citar
Toyota de Ovar suspende produção de ligeiros comerciais mas reforça a dos mini-autocarros
22h21m

Ovar, 20 Abr (Lusa) - A Toyota Caetano de Ovar suspendeu hoje a produção dos seus ligeiros comerciais mas os trabalhadores afectados pelos quatro dias de aplicação dessa medida estão a ser destacados para o fabrico dos mini-autocarros da marca.

A informação é avançada por José Carlos Reis, do Sindicato dos Trabalhadores das Indústrias Metalúrgicas e Metalomecânicas, que, em termos genéricos, atribui à Fábrica 1 da Toyota de Ovar a produção das carrinhas comerciais da marca e, à Fábrica 2, a produção dos seus mini-autocarros.

"Alguns dos funcionários da Fábrica 1 que estão sem trabalhar nestes quatro dias", afirma o sindicalista, "estão a ser chamados para ajudar na Fábrica 2, onde é preciso dar resposta às encomendas".


http://jn.sapo.pt/PaginaInicial/Interio ... id=1207243
"Ask DNA"
 

*

Chicken_Bone

  • 488
  • +0/-0
(sem assunto)
« Responder #1 em: Abril 21, 2009, 11:25:21 pm »
"vamos nessa, Vanessa?"

Desenho amador
Portugal entre os cinco países seleccionados pela Dunlop para desenhar carro para Le Mans
A fabricante de pneus Dunlop, que patrocina um Ferrari F430 GT no Campeonato Le Mans Series GT2, lançou o concurso "Dunlop Art Car Competition" para dar oportunidade a um desenhador amador de conceber este ano o seu carro de corridas.

Citar
A fabricante de pneus Dunlop, que patrocina um Ferrari F430 GT no Campeonato Le Mans Series GT2, lançou o concurso "Dunlop Art Car Competition" para dar oportunidade a um desenhador amador de conceber este ano o seu carro de corridas.

A primeira fase deste concurso teve início a 14 de Abril e prolonga-se até 7 de Maio. Podem participar os desenhadores amadores de cinco países: Portugal, Alemanha, França, Espanha e Reino Unido.

“A inconfundível cor amarela da Dunlop fez com que muitos apelidassem o Ferrari F430 GT de ‘carro Dunlop’. Este ano, com o objectivo de dar continuidade ao estatuto icónico deste carro, a Dunlop e a equipa JMW Motorsport convidam os aspirantes a desenhadores a aproveitarem esta oportunidade para se tornarem numa estrela internacional do desenho de automóveis de corrida, participando no Dunlop Art Car Competition”, explica o “site” espanhol “Autoprofesional.com”.

O desenho vencedor será colado no Ferrari F430 GT que participará nas próximas 24 horas de Le Mans e nas Le Mans Series durante o resto da temporada, refere a mesma fonte.

O concurso está dividido em três etapas. O primeiro nível, que é nacional, começou a 14 de Abril e decorrerá até 7 de Maio. Desta primeira fase sairão os quatro desenhos finalistas de cada país - um júri de especialistas escolherá três desses desenhos e o quarto resultará da votação dos internautas. Os quatro desenhos irão à semifinal paneuropeia, que constituirá a segunda etapa, refere o “Autoprofesional.com”.

Na terceira e última etapa, os quatro finalistas assistirão como convidados VIP da Dunlop Motorsport às 24 horas de Le Mans. Será aí que se revelará o desenho vencedor.

Para participarem nas competições nacionais, os participantes devem visitar a página e descarregar as maquetes, logotipos e o ‘briefing’ criativo do Dunlop Art Car Competition. Só os residentes dos cinco países participantes é que podem participar com o seu desenho no concurso). Uma vez feito o desenho, o participante deve colocá-lo na página web antes de 7 de Maio, juntamente com uma descrição dos fundamentos do mesmo.

Os 20 desenhos dos finalistas europeus poderão ser vistos e votados a partir de princípios de Maio no mesmo “link”. No seu “site”,. A Dunlop diz que quem votar habilita-se ao sorteio de um de cinco “sets” de pneus Dunlop SP SPORT MAXX.


http://www.jornaldenegocios.pt/index.ph ... &id=364324

Vamos ver se há pessoal Português a ganhar para serem recrutados pelo CEIIA e tentarem desenhar um carro mais.....menos feio do que o Vinci GT.
"Ask DNA"
 

*

Chicken_Bone

  • 488
  • +0/-0
(sem assunto)
« Responder #2 em: Abril 21, 2009, 11:28:37 pm »
Produção automóvel em Portugal caiu 36,5% no primeiro trimestre
A produção automóvel em Portugal terminou o primeiro trimestre com uma queda de 36,5% face ao mesmo período do ano passado, somando, entre Janeiro e Março, um total de 30.234 veículos fabricados nas unidades portuguesas.

Citar

Publicado 20 Abril 2009  13:20
Empresas
Produção automóvel em Portugal caiu 36,5% no primeiro trimestre
A produção automóvel em Portugal terminou o primeiro trimestre com uma queda de 36,5% face ao mesmo período do ano passado, somando, entre Janeiro e Março, um total de 30.234 veículos fabricados nas unidades portuguesas.
Miguel  Prado
http://www.jornaldenegocios.pt/index.ph ... &id=364036
"Ask DNA"
 

*

Chicken_Bone

  • 488
  • +0/-0
(sem assunto)
« Responder #3 em: Abril 21, 2009, 11:32:28 pm »
E um terceiro "post".

Faurecia: mais de 400 trabalhadores em «lay-off»

Citar
Medida termina em SetembroA redução temporária da produção (lay-off) da Faurecia de São João da Madeira, empresa de componentes do sector automóvel, está a afectar 422 trabalhadores do sector químico da unidade, disse esta segunda-feira à Lusa fonte sindical.

O lay-off da empresa de São João da Madeira, apontada como líder europeia no fabrico de componentes para a indústria automóvel, teve início a 1 de Abril e afecta apenas o sector químico da empresa, onde se procede ao fabrico de moldes por injecção de plásticos.

A medida, que termina em Setembro, abrange 422 operários, 17 dos quais em regime de lay-off total.

«No dia 13 de Abril, por exemplo, 380 funcionários da fábrica estiveram sem produzir», disse à Lusa Justino Pereira, do Sindicato dos Trabalhadores da Química, Farmacêutica, Petróleo e Gás do Norte (SINORQUIFA).
"Ask DNA"
 

*

Chicken_Bone

  • 488
  • +0/-0
(sem assunto)
« Responder #4 em: Maio 24, 2009, 12:14:16 pm »
Indústria de componentes defende novo plano de apoio
A AFIA Associação de Fabricantes para a Indústria Automóvel pretende que o Governo trabalhe num segundo plano de apoio ao sector automóvel (PASA), por considerar que o actual está a ter um interesse muito reduzido das empresas portuguesas desta área.

Citar
A AFIA – Associação de Fabricantes para a Indústria Automóvel pretende que o Governo trabalhe num segundo plano de apoio ao sector automóvel (PASA), por considerar que o actual está a ter “um interesse muito reduzido” das empresas portuguesas desta área.

A associação diz em comunicado que “um inquérito recente da AFIA mostra que mais de 70% das empresas do sector não têm interesse em aderir ao PASA, por o mesmo não se adequar às regras oligopolistas de que o sector se rege”.

A AFIA reconhece que “a vontade em se encontrarem novas formas de aproximação às empresas foi notória”, mas diz também ser “evidente que as empresas não estão satisfeitas, de forma alguma, com a actual situação”.

“Temos preparadas propostas que, com base na vontade dos empresários e no “benchmarking” feito junto dos nossos congéneres europeus, podem contribuir para a ultrapassagem harmónica desta situação. É assim urgente negociar um PASA 2 – Programa Apoio Sector Automóvel 2 que, sendo mais flexível e rápido, nos ajude a ultrapassar, este momento delicado”, apela a associação dos fornecedores da indústria automóvel no comunicado.

A mesma entidade refere que “o sector tem disponibilidade para dialogar com o Governo e encontrar modelos de desenvolvimento integrados”.

Os dados disponibilizados pelo Governo indicam que em Março o primeiro eixo do PASA, voltado para a qualificação e formação de trabalhadores da indústria automóvel, contava com mais de 3.300 trabalhadores envolvidos (no sector de componentes para automóveis trabalham em Portugal cerca de 40 mil pessoas).

Quanto à concessão de crédito a empresas do sector, a última informação disponível aponta para a concessão de 70 milhões de euros desde Julho do ano passado (ainda antes de o plano como um todo ser apresentado), para mais de uma centena de empresas. Aos concursos ligados ao QREN foram apresentados 30 projectos de investimento, no valor conjunto de 52 milhões de euros.


http://www.jornaldenegocios.pt/index.ph ... &id=369396
"Ask DNA"
 

*

Chicken_Bone

  • 488
  • +0/-0
(sem assunto)
« Responder #5 em: Junho 29, 2009, 11:12:01 pm »
o Cromwell colocou um video relacionado no tópico "Tecnologia Portuguesa".

Citar
O Governo lançou hoje a rede de abastecimento dos carros eléctricos em Portugal. Veja aqui em vídeo como funciona o carregamento dos carros eléctricos e os testes de um novo veículo da Renault.
http://www.jornaldenegocios.pt/index.ph ... &id=375254

Vídeo incluído.

Já agora, é importante referir que o CEIIA está envolvido.
http://www.ceiia.com/
"Ask DNA"
 

*

Chicken_Bone

  • 488
  • +0/-0
(sem assunto)
« Responder #6 em: Junho 29, 2009, 11:14:29 pm »
Citar
Nissan irá trazer veículo eléctrico para Portugal na Primavera de 2011
"Os veículos eléctricos da Nissan chegarão a Portugal na Primavera de 2011". A garantia foi deixada hoje por Carlos Tavares, vice-presidente executivo da Nissan, que participou em Lisboa na cerimónia de apresentação do projecto Mobi E, que suportará a promoção da mobilidade baseada em carros eléctricos.

“Os veículos eléctricos da Nissan chegarão a Portugal na Primavera de 2011”. A garantia foi deixada hoje por Carlos Tavares, vice-presidente executivo da Nissan, que participou em Lisboa na cerimónia de apresentação do projecto Mobi E, que suportará a promoção da mobilidade baseada em carros eléctricos.

O executivo português do grupo automóvel nipónico revelou entusiasmo na apresentação das perspectivas que a Nissan tem para a aposta nos veículos eléctricos. Carlos Tavares sublinhou os esforços que Portugal tem feito a este respeito, afirmando que “Portugal tem sido um parceiro com uma visão coincidente com a da Nissan”.

Esta visão coincidente poderá dar a Portugal boas condições para assegurar uma fábrica que a Nissan irá instalar na Europa para a produção de baterias de iões de lítio. Esse processo ainda aguarda uma decisão. “Portugal está a competir com outras localizações europeias para a decisão final, que deverá ser anunciada muito em breve pela Nissan”, referiu hoje Carlos Tavares.

Segundo soube o Negócios junto de fonte da empresa, a Nissan deverá revelar a localização da fábrica de baterias ainda antes de Agosto, havendo duas ou três localizações que concorrem com Portugal, mas que a Nissan prefere não identificar.

Carlos Tavares admitiu que no arranque os carros eléctricos podem ser mais caros que os convencionais, por uma questão de escala, de menor volume de produção no início. “O custo no lançamento será maior, é a razão pela qual os incentivos dos governos aos consumidores numa primeira fase serão necessários”, explicou o vice-presidente executivo da Nissan.

O mesmo responsável apelou ainda à necessidade de criação de um balcão único que permita aos consumidores obterem esclarecimentos e resolverem todos os problemas relacionados com o carro eléctrico, para que este se revele de facto como uma solução vantajosa.

O vice-presidente da Nissan disse que o grupo espera nos próximos anos “melhorias importantes” na próxima geração de baterias. “Não ficaria surpreso de ver 250 quilómetros de autonomia das baterias dentro de alguns anos”, admitiu Carlos Tavares.


http://www.jornaldenegocios.pt/index.ph ... &id=375184
"Ask DNA"
 

*

Chicken_Bone

  • 488
  • +0/-0
(sem assunto)
« Responder #7 em: Junho 29, 2009, 11:15:39 pm »
Mais tecnologia Portuguesa.

Citar
Proprietários de carros eléctricos vão ter cartão de carregamento
O projecto Mobi E, com o qual o Governo e um conjunto de empresas vão desenvolver a rede de abastecimento de veículos eléctricos em Portugal, prevê que os proprietários de carros eléctricos venham a ter um cartão pós-pago associado ao carregamento dos seus automóveis. Veja aqui quais os municípios que participam.

O projecto Mobi E, com o qual o Governo e um conjunto de empresas vão desenvolver a rede de abastecimento de veículos eléctricos em Portugal, prevê que os proprietários de carros eléctricos venham a ter um cartão pós-pago associado ao carregamento dos seus automóveis.

Ainda em fase de estudo, o cartão, desenvolvido pela Efacec, será responsável por registar os consumos de electricidade feitos por cada proprietário de um carro eléctrico e debitá-los na sua conta bancária. Luís Filipe Pereira, presidente da Efacec, explicou ao Negócios que este cartão permitirá ao seu portador escolher o operador (fornecedor de energia) que deseja, consoante as tarifas praticadas.

A iniciativa Mobi E será coordenada a partir de agora por uma sociedade gestora onde a EDP terá a maioria do capital, onde também estará presente a Inteli. Esta segunda-feira foram assinados no Pavilhão de Portugal, no Parque das Nações, em Lisboa, os acordos para a promoção de uma estratégia virada para o incentivo do uso dos carros eléctricos.

Assim, representantes de 18 municípios assinaram documentos em que se comprometem a assegurar a instalação de pontos de recarga de baterias, criar zonas de estacionamento privilegiado para veículos eléctricos, incentivar o uso de energia renovável e incorporar carros eléctricos nas frotas municipais. Lisboa, Loures, Cascais, Almada, Braga, Leiria, Viana do Castelo, Guimarães, Torres Vedras, Santarém, Setúbal, Porto, Vila Nova de Gaia, Castelo Branco, Guarda, Évora, Beja e Faro foram os municípios que participaram.

Além da cooperação das autarquias, o Governo chamou para o projecto Mobi E uma série de empresas, como a Galp, Jerónimo Martins, Sonae Sierra Chamartín, Emparques, ANA e Estradas de Portugal. Desta forma, ficará facilitado o carregamento de carros eléctricos em estações de serviço, junto a hipermercados e centros comerciais e em parques de estacionamento.

“Temos um projecto que é complexo, porque tudo aquilo que é um novo modelo de negócio implica capacidade de cooperar”, reconheceu o presidente da EDP, António Mexia, durante a cerimónia.

O primeiro-ministro, José Sócrates, mostrou-se satisfeito com os acordos assinados esta manhã, na expectativa de uma adopção alargada do veículo eléctrico pelos portugueses. “O veículo eléctrico, quando for utilizado nas nossas cidades, provocará uma redução do barulho e uma melhoria da qualidade do ar”, enfatizou José Sócrates. “Zero de emissões, pouco barulho! As cidades portuguesas serão melhores assim”, afirmou o primeiro-ministro.

Além do cartão de carregamento e de uma rede que deverá alcançar 300 pontos de carregamento durante o próximo ano, os portugueses poderão contar com incentivos fiscais para a compra de carros eléctricos. Os primeiros modelos com este sistema de propulsão da Renault e da Nissan devem chegar a Portugal no início de 2011. Porém, a rede estará acessível a veículos de outras marcas.


http://www.jornaldenegocios.pt/index.ph ... &id=375180
"Ask DNA"
 

*

cromwell

  • Especialista
  • ****
  • 1105
  • +1/-0
(sem assunto)
« Responder #8 em: Junho 30, 2009, 01:14:45 pm »
Alguém pode dar uma ideia de que estes carros eletricos poderam custar?
"A Patria não caiu, a Pátria não cairá!"- Cromwell, membro do ForumDefesa
 

*

Chicken_Bone

  • 488
  • +0/-0
(sem assunto)
« Responder #9 em: Julho 13, 2009, 09:10:57 pm »
Citar
A Mecânica da FEUP e os juniores do volante
Projecto pedagógico da Faculdade de Engenharia "kitou" Unos e Puntos para a alternativa de jovens pilotos nas pistas de competição
00h30m
ALMIRO FERREIRA

Quando ao Departamento de Mecânica da Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto (FEUP) lhe ocorreu envolver os estudantes na criação de "um carro de baixo custo" para participação em corridas, juntando a atracção do lúdico à prática pedagógica da engenharia dos motores, talvez não contasse com tamanho sucesso.

No primeiro ano, em 2007, aí uma dezena de carros "kitados" foram para a pista do Circuito da Boavista. Este ano, eram... 75! Tantos que a organização do Grande Prémio Histórico do Porto resolveu abrir corridas próprias para estes jovens cavaleiros do asfalto, montados em Fiat, Unos e Puntos, adaptados à alta velocidade.

O projecto da FEUP arrancou com a adaptação do modelo Uno e estendeu-se, já este ano, aos Punto. Todos "kitados" em parâmetros comuns: as máquinas têm 1200 centímetros cúbicos, 16 válvulas e 85 cavalos de potência. O ideal para os júniores das corridas.

Para muitos destes jovens pilotos, na maioria estudantes, o Prémio FEUP do Grande Prémio Histórico do Porto foi mesmo a alternativa nas competições. Foi o caso de Miguel Fontes, de 22 anos, filho do "histórico" Rufino Fontes, a quem a herança genética acabou, fatalmente, por lhe abrir as portas das pistas. "Foi a minha estreia absoluta em corridas a sério", diz Miguel, que acabou no terceiro lugar dos Punto, num carro que conduziu, a meias, com Mário Pedro Borges (25 minutos cada um).

Miguel era estudante de Mecânica na FEUP, em 2007, quando assistiu ao parto do projecto. Mudou-se, entretanto, para a Universidade Católica e para Gestão, mas nunca mais abandonou a ideia. Concretizou-a este ano, ao volante do Punto "kitado" pela "Mister Speedy MotorSport".

"Ser piloto de automóveis é o meu sonho. Tentarei encontrar condições para isso. Que condições? Apoios, dinheiro, que sem isso nada feito", afirma Miguel Fontes, que estuda e trabalha com o pai na venda de... automóveis. Pois, claro.

Lá em casa dos Fontes, Miguel não é o único com a paixão pelos motores. Ontem, no pódio do Grande Prémio, quase houve um encontro de gerações, porque o pai, Rufino, foi terceiro na final da corrida da Taça de Portugal para Clássicos até 1300 cc, ao volante de um Alfa Romeo Alfasud, de 1970. Tudo assistido pelo filho mais velho de Rufino, José Pedro Fontes. Aos 33 anos, este piloto, recente vencedor da Race of Champions, realizada no Estádio do Dragão, é já um dos mais conceituados.

É nesta intimidade que Miguel respira e suspira por carros e corridas. Mas é o próprio a dizer que nunca o ambiente familiar o pressionou para o que quer que seja. "Lá em casa fala-se todos os dias de carros e de corridas, mas não foi isso que me despertou a paixão pelas corridas. O meu e pai e o meu irmão nunca me pressionaram. Se quero ser piloto, é por livre e espontânea vontade", afirma Miguel Fontes.


http://jn.sapo.pt/paginainicial/pais/co ... id=1306394
"Ask DNA"
 

*

Chicken_Bone

  • 488
  • +0/-0
(sem assunto)
« Responder #10 em: Julho 20, 2009, 06:20:45 pm »
oléé

Citar
Nissan quer fábrica de baterias em Sines ou Estarreja
13h13m
 
foto MIGUEL A. LOPES/LUSA
Nissan quer fábrica de baterias em Sines ou Estarreja
Basílio Horta e o vice-presidente da Nissan Europa
 

Sines e Estarreja são duas localizações escolhidas pela Renault-Nissan para a instalação da fábrica de baterias em Portugal, disse o presidente da Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal.

"Estarreja e Sines são duas localizações escolhidas pelo investidor [Renault-Nissan]. Mas se o investidor quiser escolher qualquer outra, ainda vai a tempo de o fazer", disse à Agência Lusa Basílio Horta, salientando que estas são apenas duas de muitas outras possibilidades para a instalação da fábrica de baterias em Portugal.

Questionado pelos jornalistas após o anúncio da instalação da fábrica em Portugal, o vice-presidente da Nissan Europa, Eric Nicolas, frisou que as localizações possíveis serão divulgadas pela empresa brevemente, adiantando apenas que a nova fábrica tem de ser instalação numa zona servida por um porto, tendo em conta que este será um produto para exportar.

Basílio Horta disse ainda que além de dever estar próxima de um porto, a fábrica deverá ainda ser servida por boas acessibilidades rodoviárias e estar próxima de uma universidade.

Quanto ao arranque da fábrica, os dois responsáveis escusaram-se a adiantar datas, tendo o presidente da Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal (AICEP) apenas afirmado "que o importante é fazer o contrato de investimento, para que a fábrica avance o mais depressa possível".

"Era bom que esta fábrica fosse classificada como Projecto de Interesse Nacional (PIN), assim que a localização esteja definida", frisou Basílio Horta.

Portugal e Inglaterra foram os dois países escolhidos para a instalação de fábricas de baterias de iões de lítio para carros eléctricos.

Em Portugal, a fábrica, que representa um investimento de 250 milhões de euros, vai criar 200 postos de trabalho e terá uma capacidade anual de produção de 60 mil unidades.


http://jn.sapo.pt/PaginaInicial/Economi ... id=1312710
"Ask DNA"
 

*

Chicken_Bone

  • 488
  • +0/-0
(sem assunto)
« Responder #11 em: Julho 20, 2009, 07:27:03 pm »
ainda  sobre o mm assunto

Citar
Nissan cria parcerias com Europcar, ALD Automotive e Arval

A Nissan criou parcerias com a Europcar para o aluguer de veículos eléctricos a partir de 2010 e com a ALD Automotive e Arval na área de gestão de frotas para liderar a mobilidade de emissões-zero.

A «joint-venture» entre o fabricante automóvel e a Europcar é a primeira parceria para a promoção dos carros eléctricos na indústria de aluguer e mostra, diz a empresa, o compromisso da Europcar em alertar os seus clientes para esta alternativa ao veículo tradicional.

A parceria entre a Nissan e a Europcar surge num momento em que o governo português e o fabricante japonês anunciaram a construção de uma fábrica de baterias de iões de lítio em Portugal.


http://diario.iol.pt/economia/nissan-ba ... -4058.html
"Ask DNA"
 

*

Chicken_Bone

  • 488
  • +0/-0
(sem assunto)
« Responder #12 em: Julho 20, 2009, 07:29:00 pm »
ó cromobikuelo, a notícia seguinte n responde a tua pergunta, mas dá uma ideia de que o carro custará mais de 10 mil euros.

5 mil euros para quem comprar carro eléctrico
Também há incentivos para empresas, que terão redução de 50% em IRC
Citar

O primeiro-ministro anunciou esta segunda-feira que quem adquirir carro eléctrico receberá cinco mil euros de incentivo, que chegará a 6500 se entregar um veículo para abate, e que as empresas terão redução de 50 por cento em IRC.

As medidas foram apresentadas por José Sócrates em São Bento, momento depois de o Estado Português e a Renault Nissan terem assinado um memorando para a instalação em Portugal de uma fábrica de baterias para carros eléctricos.

Carro eléctrico: os modelos (fotos)
Nissan quer fábrica em Sines ou Estarreja

Na sua intervenção, depois de lembrar que já não há impostos para os carros eléctricos, José Sócrates disse que o executivo vai em breve legislar no sentido de atribuir cinco mil euros a cada cidadão que opte por um carro eléctrico.

Subsídio de cinco mil euros até 2012

Os cinco mil euros serão concedidos a quem decidir comprar um carro eléctrico novo, subsídio que se prolongará até 2012. Por outro lado, o Estado Português comparticipará com 6500 euros «no caso de essa aquisição resultar do abate um veículo usado».

Já em relação às empresas que optem por ter a sua frota constituída por veículos eléctricos, o primeiro-ministro afirmou que terão uma redução de 50 por cento em IRC.

Fábrica da Nissan será «excelente» oportunidade para Sines

Ainda de acordo com o primeiro-ministro, o Governo vai também legislar em breve para que os novos edifícios tenham «obrigatoriamente pré-instalação de postos de abastecimento para carregamento dos carros eléctricos nas garagens. É absolutamente essencial que Portugal tenha uma infra-estrutura que garanta que nos novos edifícios os utilizadores de carros eléctricos tenham condições para acesso a uma rede de carregamento».

Para Sócrates, a instalação em Portugal da fábrica de baterias da Renault Nissan para carros eléctricos representa o primeiro passo para a instalação novos investimentos no país neste sector tecnológico.


http://diario.iol.pt/economia/nissan-ba ... -4058.html
"Ask DNA"
 

*

Chicken_Bone

  • 488
  • +0/-0
(sem assunto)
« Responder #13 em: Julho 20, 2009, 11:42:52 pm »
mais 1:

Citar
Eco-parque empresarial de Estarreja é "uma mais-valia" para a Nissan
16h02m

O presidente da Câmara Municipal de Estarreja, José Eduardo Matos, mostrou-se hoje, segunda-feira, "satisfeito" com a possibilidade da fábrica de baterias da Renault-Nissan ser instalada no concelho.

A escolha de Estarreja "é o resultado de um longo trabalho, que envolveu um conjunto de visitas [ao concelho] e estamos profundamente satisfeitos", disse à agência Lusa o autarca.

"Internamente, esforçámo-nos para que fosse possível termos um candidatura de nível internacional", acrescentou o presidente da Câmara de Estarreja, avançando que foi desenvolvido um trabalho "em articulação com a Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal (AICEP) e a Presidência do Conselho de Ministros".  

Sines e Estarreja são duas localizações escolhidas pela aliança Renault-Nissan para a instalação da fábrica de baterias em Portugal.  

A unidade, que representa um investimento de 250 milhões de euros, vai criar 200 postos de trabalho e terá uma capacidade anual de produção de 60 mil unidades.  

O autarca disse ter apenas dois desejos: "que a decisão final [sobre a localização para a instalação da fábrica] fosse anunciada amanhã e que a escolha fosse Estarreja".  

José Eduardo Matos destacou as boas acessibilidades rodoviárias ao concelho (A1 e A29), a nova ligação ferroviária ao Porto de Aveiro e o trabalho desenvolvido com a Universidade de Aveiro.  

O autarca salientou ainda o facto de o parque empresarial de Estarreja ser um eco-parque, o que considerou como "uma mais-valia".  


http://jn.sapo.pt/PaginaInicial/Economi ... id=1312814
"Ask DNA"
 

*

nelson38899

  • Investigador
  • *****
  • 4163
  • Recebeu: 263 vez(es)
  • Enviou: 260 vez(es)
  • +54/-13
(sem assunto)
« Responder #14 em: Julho 31, 2009, 04:03:54 pm »
Citar
http://ecobelo.com/futi.html

"Chama-se FUTI e é o primeiro veículo eléctrico a ser fabricado em Portugal, pela empresa FUTI de António Febra.

Promete ser uma presença assídua nas pequenas cidades e centros históricos, sendo também um veículo de fácil movimentação no interior das grandes empresas, em alguns serviços públicos, campos de Golf e até mesmo nos giros policiais.



Amigo do ambiente e totalmente reciclável, os seus 2,20m por 1,30m fazem com que o estacionamento deixe de ser um problema.
O veículo é apresentado em três modelos: Futi F5 de quatro rodas,
Futi F6 com 4 rodas e dois lugares, Futi F7 com 4 rodas e dois lugares, pesa cerca de 200 Kg e tem um motor equivalente a 49 cm3, uma velocidade máxima de 45Km/h. Podemos ainda construir por desenho do cliente.

Ao aspecto ecológico junta-se a sua economia, gasta apenas meio euro em cada 100Km, as suas baterias depois de carregadas têm uma autonomia de quatro a dez horas. Estes veículos estarão em pré-produção a partir de Junho de 2005 com preços bastante competitivos. Este é um dos projectos arrojados de António Febra."
http://www.futi.pt/pt_default.asp
"Que todo o mundo seja «Portugal», isto é, que no mundo toda a gente se comporte como têm comportado os portugueses na história"
Agostinho da Silva
 

 

Grupo Vangest investe 3,2 milhões em fábrica para indústria

Iniciado por Cabeça de Martelo

Respostas: 0
Visualizações: 2381
Última mensagem Dezembro 05, 2006, 02:45:47 pm
por Cabeça de Martelo
Sonae Indústria: Notícias

Iniciado por Marauder

Respostas: 4
Visualizações: 1417
Última mensagem Julho 29, 2006, 09:33:44 am
por Marauder
Indústria Embalagem e Consumo

Iniciado por Chicken_Bone

Respostas: 9
Visualizações: 2841
Última mensagem Novembro 22, 2012, 11:12:47 am
por Malagueta
Indústria Têxtil

Iniciado por Chicken_Bone

Respostas: 15
Visualizações: 5702
Última mensagem Outubro 08, 2010, 12:07:37 pm
por pedrojoao
Indústria Aeroespacial

Iniciado por Chicken_Bone

Respostas: 38
Visualizações: 9059
Última mensagem Julho 03, 2019, 04:52:33 pm
por Lusitano89