Qimonda - vai, não vai ou já foi.

  • 26 Respostas
  • 3340 Visualizações
*

oultimoespiao

  • Perito
  • **
  • 468
  • Recebeu: 1 vez(es)
  • +0/-0
(sem assunto)
« Responder #15 em: Abril 25, 2009, 04:48:21 am »
Custa-me dizer isto,  mas com as leis laborais portuguesas, com a carga tributaria, com a justica que nao funciona e com toda a borocracia em portugal... so um doido pensaria investir em portugal!
 

*

Jorge Pereira

  • Administrador
  • *****
  • 2198
  • Recebeu: 58 vez(es)
  • Enviou: 116 vez(es)
  • +16/-0
    • http://forumdefesa.com
(sem assunto)
« Responder #16 em: Abril 25, 2009, 05:23:34 am »
O verdadeiro "tesouro" da Qimonda são as patentes que possuem.
Um dos primeiros erros do mundo moderno é presumir, profunda e tacitamente, que as coisas passadas se tornaram impossíveis.

Gilbert Chesterton, in 'O Que Há de Errado com o Mundo'






Cumprimentos
 

*

cartervc

  • 3
  • +0/-0
(sem assunto)
« Responder #17 em: Abril 25, 2009, 08:17:43 am »
É verdade.
Já ouvi dizer que os russos tao interessados muito por causa disso.

São 20 000 patentes acho eu.
 

*

AC

  • Perito
  • **
  • 398
  • Recebeu: 1 vez(es)
  • +0/-0
(sem assunto)
« Responder #18 em: Abril 25, 2009, 02:57:53 pm »
Citação de: "P44"
Importante é que se mantivessem os postos de trabalho, deixem lá a xenofobia  c34x


E a receita..

As pessoas em questão que me perdoem a frieza, mas o país pode melhor com mais 1500 desempregados do que perder um dos 2 maiores exportadores nacionais.
 

*

Chicken_Bone

  • 488
  • +0/-0
(sem assunto)
« Responder #19 em: Maio 04, 2009, 11:08:10 pm »
Alguém sabe como continua a narrativa?
Não tenho visto algo na comunicação social.
"Ask DNA"
 

*

oultimoespiao

  • Perito
  • **
  • 468
  • Recebeu: 1 vez(es)
  • +0/-0
(sem assunto)
« Responder #20 em: Maio 05, 2009, 12:48:47 am »
E bom as pessoas acordarem para a realidade! A realidade e que a empresa esta em falencia! (como portugal) A empresa pode ser restruturada e abrir outra vez. Mas garanto que nao sera em Portugal.
Alem do mais as patentes nao pertencem a (portugal) nem a sucursal portuguesa. E tambem podem ser vendidas ou cedidos direitos a outros! Bem negociados estes ditos direitos podem valer mais sem laborar do que manter todos os encargos de uma fabrica!
 

*

Chicken_Bone

  • 488
  • +0/-0
(sem assunto)
« Responder #21 em: Maio 05, 2009, 06:30:16 pm »
oultimoespiao: se a tua participação foi a resposta à minha pergunta, teria sido mais simples dizer "não". :D
"Ask DNA"
 

*

oultimoespiao

  • Perito
  • **
  • 468
  • Recebeu: 1 vez(es)
  • +0/-0
(sem assunto)
« Responder #22 em: Maio 05, 2009, 08:56:36 pm »
Citação de: "Chicken_Bone"
oultimoespiao: se a tua participação foi a resposta à minha pergunta, teria sido mais simples dizer "não". :D


sinceramente nao sei, mas quando uma empresa entra em falencia... quem manda e o juiz!
 

*

Chicken_Bone

  • 488
  • +0/-0
(sem assunto)
« Responder #23 em: Maio 28, 2009, 09:29:46 pm »
Citar
Activos da Qimonda só cobrem dois terços da dívida
A quatro dias do final do prazo para a apresentação, no Tribunal de Comércio de Gaia, do relatório do administrador judicial e do plano de insolvência pela administração da Qimonda Portugal, o Negócios conseguiu confirmar os valores totais dos créditos reclamados sobre a empresa e os activos afectos à fábrica instalada em Vila do Conde.
Rui  Neves
http://www.jornaldenegocios.pt/index.ph ... &id=370158
"Ask DNA"
 

*

P44

  • Investigador
  • *****
  • 7688
  • Recebeu: 334 vez(es)
  • Enviou: 588 vez(es)
  • +227/-205
(sem assunto)
« Responder #24 em: Junho 05, 2009, 10:08:03 am »
Empresa

Banco angolano junta-se à EDP para comprar Qimonda
Ana Maria Gonçalves

05/06/09 00:05



O BPA, braço financeiro da Sonangol, aliou-se à EDP, à Visabeira e à DST para comprar a fábrica de células solares. O negócio deverá ser fechado hoje.
As negociações promovidas pelo Governo para salvar a Quimonda Solar entraram na recta final. Ao que o Diário Económico apurou, um consórcio formado pela EDP, pelo banco angolano BPA (detido pela Sonangol), pela Visabeira e pela DST deverá fechar hoje a compra de 51% da fábrica de células solares para painéis fotovoltaicos.

Enquanto se ultimam os traços gerais do acordo, começa a ser levantada a ponta do véu que cobre o nome dos parceiros envolvidos na compra da participação dos 51% que a Qimonda AG detém na Qimonda Solar.

É o caso, segundo o Diário Económico apurou junto de fonte ligada ao projecto, dos angolanos do Banco Privado do Atlântico (BPA), um dos braços financeiros da petrolífera Sonangol, com vastos interesses económicos e sociais neste país africano.

Dada como certa é também a presença da Visabeira, o grupo empresarial de Viseu que começou a actividade no sector das telecomunicações. Outra das suas apostas estratégicas acabaria por ser energia, fazendo parte da holding que pretendem cotar em bolsa.

A Visabeira esteve recentemente sob os holofotes medáticos ao comprar duas empresas nacionais emblemáticas, a Vista Alegre a e a Bordalo Pinheiro, ambas com sérias dificuldades financeiras.


http://economico.sapo.pt/noticias/banco ... 12218.html
"[Os portugueses são]um povo tão dócil e tão bem amestrado que até merecia estar no Jardim Zoológico"
-Dom Januário Torgal Ferreira, Bispo das Forças Armadas
 

*

Chicken_Bone

  • 488
  • +0/-0
(sem assunto)
« Responder #25 em: Junho 09, 2009, 08:12:24 pm »
Citar
Manutenção da actividade da Qimonda foi aprovada por 99,94% dos credores
A maioria dos credores da Qimonda aprovou a manutenção da actividade da empresa em Portugal. A votação dá assim mais três meses à empresa para ser encontrada uma solução de salvação.
Rui  Neves
http://www.jornaldenegocios.pt/index.ph ... &id=372306
"Ask DNA"
 

*

Chicken_Bone

  • 488
  • +0/-0
(sem assunto)
« Responder #26 em: Julho 31, 2009, 07:42:27 pm »
Citar
Qimonda: Consórcio português rompe negociações com alemães
19h29m

O consórcio português constituído para adquirir a Qimonda Solar rompeu as negociações com os alemães da Centrosolar, tendo decidido avançar sozinho para o projecto.

"O consórcio português constituído pelas empresas DST, Visabeira e EDP, pela Sociedade de Capital de Risco Inovcapital e pelos Bancos BPA, BES e BCP, que estabeleceu no passado dia 5 de Junho um princípio de acordo para a aquisição dos activos solares da Qimonda AG (projecto Itarion) e para o financiamento do respectivo projecto, vem comunicar que não foi possível concluir com sucesso as negociações que vinham a ser mantidas com o parceiro alemão Centrosolar", indica um comunicado conjunto.

Face à falta de acordo para a entrada do consórcio no projecto Itarion, que as partes esperavam poder ser obtido nesta semana, "as empresas EDP, DST e Visabeira entenderam manter a decisão de investimento na fileira da energia solar, modificando apenas a sequência das fases de realização do investimento".  

"Este grupo de empresas prevê iniciar ainda em 2009 a promoção de um projecto industrial para montagem e comercialização de painéis solares, preferencialmente na mesma região, em face, nomeadamente, da existência nesta área de recursos humanos qualificados", acrescenta a mesma nota enviada à agência Lusa.  

As primeiras projecções do investimento apontam para a possível criação inicial de cerca de 150 a 200 postos de trabalho já em 2010, indicam as empresas.  

O mesmo grupo de empresas manifesta ainda a intenção de "promover em Portugal um cluster industrial no sector da energia solar", estando neste momento "em consideração" alternativas complementares "que poderão passar por desenvolvimentos na área do 'thin film'".  

Os contratos de compra da Qimonda Solar assinados a 05 de Junho - que implicavam um investimento de 150 milhões de euros - previam que o grupo alemão CentroSolar manteria a sua posição de 49 por cento do capital total da Qimonda.  

Os 51 por cento restantes (que pertenciam à casa mãe Qimonda) passariam a estar distribuídos pela sociedade InovCapital (35 por cento), EDP, Visabeira, DST e Banco Privado Atlântico (cada um com 13 por cento) e BES/BCP, que no seu conjunto também ficaria com 13 por cento.  

O investimento anunciado permitiria, indicou o então ministro da Economia Manuel Pinho, numa primeira fase, criar 400 postos de trabalho directos e 600, numa segunda fase.  


http://jn.sapo.pt/PaginaInicial/Economi ... id=1322710
"Ask DNA"