Actividade Operacional/Exercícios

  • 658 Respostas
  • 124521 Visualizações
*

Jorge Pereira

  • Administrador
  • *****
  • 2195
  • Recebeu: 57 vez(es)
  • Enviou: 116 vez(es)
  • +14/-0
    • http://forumdefesa.com
Re: Actividade Operacional/Exercícios
« Responder #15 em: Novembro 24, 2009, 11:09:48 pm »
Citação de: "Expresso"


 Perseguição nos céus

O Expresso passou um dia em missão com a Força Aérea, a bordo de um C-295. A aeronave não respondeu ao controlo aéreo e alterou a rota prevista, sendo escoltada por caças espanhóis, marroquinos e portugueses durante o voo. Tudo não passava de um exercício para testar os meios de prevenção de um possível cenário de pirataria aérea.

Uma aeronave suspeita sobrevoou espaço aéreo português, espanhol e marroquino sem responder ao controlo de tráfego aéreo, desviando-se da rota prevista. O C-295 da Força Aérea Portuguesa (FAP) foi, por isso, escoltado por caças dos três países até à sua aterragem no Montijo.

O cenário não passava de um exercício coordenado pela FAP, que tinha como objectivo testar os meios de prevenção e resposta em caso de um avião civil ser utilizado como arma num ataque aéreo - exercícios que se passaram a realizar com maior frequência após o 11 de Setembro de 2001, explica o Tenente-Coronel Paulo Gonçalves.

O Expresso acompanhou a equipa da FAP que participou no exercício e observou os acontecimentos a bordo do C-295 que simulou uma aeronave civil. O aparelho descolou de Porto Santo, na ilha da Madeira, às 8 horas; 40 minutos depois abandonou a rota prevista - em vez de se dirigir a Tenerife, sobrevoou as Canárias em direcção à costa de Marrocos.
Avião 'renegade'

Por esta altura, a aeronave portuguesa era considerada de tipo 'renegade' - classificação que é atribuída a um aparelho civil que constitua uma potencial ameaça aérea terrorista. A resposta espanhola demorou cerca de dez minutos, quando um caça F-18 seguiu o avião português, na sua cauda, à distância.

Assim que entrámos em espaço aéreo marroquino, o C-295 passou de imediato a ser escoltado por dois caças F-5, pois os africanos já tinham sido avisados pelo controlo aéreo espanhol, procedimento aliás considerado normal numa situação como esta.

Continuámos a subir a costa marroquina em direcção a Gibraltar e os dois F-5 foram rendidos por dois Mirage F-1, que adoptaram sempre uma escolta de proximidade até a aeronave portuguesa abandonar o espaço aéreo marroquino.

Durante a viagem, que durou cerca de cinco horas e meia, tivemos sempre 'companhia'. À chegada a Gibraltar foi possível avistar, à distância, um caça Eurofighter espanhol. Assim que o C-295 começou a sobrevooar a zona de Faro, dois caças F-16 da FAP seguiram-nos até junto de Sines, onde o exercício foi dado por terminado.
Telefone 'vermelho'

Caso estes acontecimentos não tivessem sido parte de um exercício, a aeronave portuguesa teria sido, certamente, forçada a aterrar pelos caças que a escoltaram. No entanto, se continuasse o comportamento suspeito, seriam feitos os avisos estabelecidos um protocolo escrito entre as entidades aéreas que gerem o espaço aéreo nacional.

Se, mesmo assim, o comportamento suspeito se mantivesse, existe um 'telefone vermelho' na posse do primeiro-ministro de Portugal, e este seria contactado pelo Comando Aéreo da FAP e questionado sobre qual o destino a dar uma aeronave que tenha um comportamento hostil. Só ele, no nosso país, pode dar ordem de abate a uma aeronave civil, explica o Tenente-Coronel Paulo Gonçalves.

Iniciativa 5+5

O exercício foi realizado no dia 11 de Novembro, no âmbito da Iniciativa 5+5, que engloba os países da margem norte e sul do Mediterrâneo: Portugal, Espanha, Marrocos, França, Itália, Mauritânia, Tunísia, Argélia, Malta e Líbia.

A Força Aérea Portuguesa coordenou o cenário "Este" do exercício, sobre o Oceano Atlântico, enquanto ao mesmo tempo se realizava, sobre o Mar Mediterrâneo, o cenário "Oeste" da missão, com outros países envolvidos.

 :arrow: Vídeo
Um dos primeiros erros do mundo moderno é presumir, profunda e tacitamente, que as coisas passadas se tornaram impossíveis.

Gilbert Chesterton, in 'O Que Há de Errado com o Mundo'






Cumprimentos
 

*

nelson38899

  • Investigador
  • *****
  • 4144
  • Recebeu: 253 vez(es)
  • Enviou: 258 vez(es)
  • +53/-7
Re: Actividade Operacional/Exercícios
« Responder #16 em: Janeiro 20, 2010, 01:09:36 pm »
Citar
EXERCÍCIO «REAL THAW 2010»
Força Aérea executa exercício Real Thaw 2010



A Força Aérea Portuguesa irá realizar entre os dias 25 de Janeiro e 04 de Fevereiro um exercício intitulado Real Thaw 10.



Este exercício, que conta com a presença de outras forças aéreas aliadas, procura verificar a mestria dos participantes no tocante a missões de “Apoio Aéreo Próximo” a forças, ou populações, no terreno.



A actividade aérea será variada e, na sua maioria, executada a partir da Base Aérea de Monte Real. Contudo, será também instalada uma “Base Aérea Táctica”, no Aeródromo da Covilhã, para operar helicópteros Alouette III, local onde também estarão instalados os militares do Exército Português que participam neste exercício



Participam no Real Thaw 10 cerca de 1000 militares e 50 aeronaves das Forças Aéreas de Portugal, Bélgica, Espanha, Dinamarca e Estados Unidos, assim como um avião de vigilância radar (E3A) da Aliança Atlântica (NATO) e um pequeno destacamento de Paraquedistas e Operações Especiais, do Exército Português.



Para além das Base Aérea de Monte Real e o Aeródromo da Covilhã, estarão envolvidos o Comando Aéreo e as Bases Aéreas de Beja e do Montijo.


http://aviacaoportugal.net/showthread.php?p=13890

Citar
Mais uma vez, a FA e a Esquadra 301 estarão envolvidas num exercício militar em grande escala, gerando a oportunidade para testar as novas valências operacionais da Esquadra 301, bem como a gestão do espaço aéreo, cenários de operação e intervenção - missões aéreas all weather, nocturnas, convivência "real" com ameaças decorrentes de cenários onde eventualmente a NRF (Nato Response Force) venha a ser chamada a intervir.
Do ponto de vista do planeamento de missões dos Jaguares, a sua complexidade leva a que as tripulações estejam várias horas na sua preparação, seja prévia (briefing), seja posterior à missão (debriefing).
Deste modo, toda a missão, desde o plano à execução/cumprimento, é escrupulosamente analisada. Um exercício deste teor não só testa as operações aéreas em si, como os conceitos e procedimentos de planeamento destas missões, que se revestem sempre de grande complexidade.
Estarão em acção diversos tipos de aviões e helicópteros, meios navais e terrestres, testando procedimentos, homens, tripulações e todo o suporte logístico inerente.

Participarão as FA's da Dinamarca, com F-16AM a operar desde a BA5 - Monte Real, bem como F-16AM Belgas que operarão a partir da BA 11 - Beja e F-18 oriundos de Espanha.
Tendo em conta o exercício do ano passado, estamos na presença de mais uma importante organização do Comando Operacional da Força Aérea, consolidando assim toda a capacidade da FA, dos seus homens e meios.
Relativamente ao Real Thaw deste ano, na página "Facebook" da Esq. 301 pode ler-se:
"O Real Thaw 10 vai ter início no dia 17 de Janeiro. Durante três semanas a Base Aérea Nº 5, em Monte Real vai ser palco de um exercício de elevada complexidade da responsabilidade do Comando Aéreo da Força Aérea, planeado e executado na Esquadra 301 Jaguares. O exercício vai contar com a participação de Militares Dinamarqueses, Espanhóis e Belgas. O exercício vai contar com aeronaves de vários tipos. No plano nacional além da participação alargada das Esquadras de voo da Força Aérea o Exercício vai contar com a participação de militares do Exército Português, nas vertentes de Operações Especiais e de Pára-quedistas, assim como vários meios navais e Fuzileiros."

Para finalizar, fica todo o "peso" dos lemas: "Ex mero motu" (por mérito próprio), "de nada a forte gente se temia!"

http://passarodeferro.blogspot.com/
"Que todo o mundo seja «Portugal», isto é, que no mundo toda a gente se comporte como têm comportado os portugueses na história"
Agostinho da Silva
 

*

helderafonso

  • 25
  • +0/-0
Re: Actividade Operacional/Exercícios
« Responder #17 em: Janeiro 21, 2010, 08:59:13 am »
Aqui ficam algumas fotos dos preparativos para o "Real thaw 2010".
Abraço













 

*

ShadIntel

  • Investigador
  • *****
  • 1510
  • +0/-0
Re: Actividade Operacional/Exercícios
« Responder #18 em: Janeiro 26, 2010, 06:30:31 pm »
Já se encontra a funcionar o site da Força Aérea dedicado ao exercício Real Thaw 2010



 :arrow:  http://www.emfa.pt/realthaw/index.php?lang=pt&pag=1
 

*

Lancero

  • Investigador
  • *****
  • 4140
  • Recebeu: 28 vez(es)
  • +56/-0
Re: Actividade Operacional/Exercícios
« Responder #19 em: Janeiro 27, 2010, 05:09:50 pm »
Citar
Defesa: "Olhos da NATO no céu" vigiaram espaço aéreo português à procura de ameaças
 

    *** Luís Miguel Lourenço (texto) e Nuno Veiga (fotos) ***  

 

    Beja, 27 Jan (Lusa) -- Sob comando de um piloto-aviador português, um avião de vigilância radar E-3A AWACS, "os olhos da NATO no céu", com tripulação militar multinacional, vigiou um espaço aéreo ao largo da costa portuguesa à procura de aeronaves hostis.  

 

    Durante cinco horas, o avião da Nato, que operou a partir da Base Aérea n.º 11 de Beja, orbitou terça-feira a oeste de Monte Real (Leiria), numa missão fictícia incluída no exercício "Real Thaw 2010", a decorrer até 04 de Fevereiro para treinar capacidades da Força Aérea Portuguesa (FAP).  

 

    Entre os 16 militares da tripulação, de seis países e todos integrados na Força de Vigilância Aérea da NATO (Airborne Early Warning & Control Force - NAEW&CF), sediada na Base Aérea alemã de Geilenkirchen, além do tenente-coronel Luís Mateus, que comandou o voo, seguiam outros dois portugueses.  

 

    "É sempre um grande desafio trabalhar num ambiente internacional" porque "as mentalidades e as maneiras de trabalhar são outras", disse à Lusa Luís Mateus, na FAP desde 1986 e há quase um ano na NAEW&CF em Geilenkirchen.

 

    "É uma mais-valia para nós [militares portugueses] esta nova experiência de vida", frisou, enquanto comandava o E-3A, uma versão militarizada do Boeing 707 para o Sistema Aéreo de Alerta e Controle (AWACS).  

 

    O E-3A, que já protegeu os espaços aéreos de Portugal, durante o Euro2004, e norte-americano, após os ataques terroristas de 11 de Setembro de 2001, é usado para vigilância e funções de comando, controlo e comunicações em missões tácticas e de defesa aérea.  

 

    O avião, que opera acima dos 30 mil pés e tem capacidade para voar mais de 10 horas sem necessidade de ser reabastecido, inclui sistemas móveis de radar que permitem vigiar espaço aéreo num raio de mais de 400 quilómetros e detectar alvos a altas e a baixas altitudes.  

 

    A meio do voo, de olhos postos num ecrã de computador, o sargento-ajudante Paulo Calca, outro dos portugueses a bordo e também destacado na NAEW&CF, disse à Lusa que a tripulação estava a detectar caças F-16 e F-18 das Forças Aéreas de Portugal, Bélgica, Espanha e Dinamarca.  

 

     Os aviões, que voavam numa área a norte da Serra da Estrela, participavam na simulação de um combate aéreo entre dois países em guerra integrada no "Real Thaw 2010".  

 

    "Uns fazem papel de inimigo e outros de amigo e nós tentamos levar os amigos ao encontro dos inimigos dando-lhes a melhor posição de ataque", explicou, enquanto a tripulação transmitia dados para o Centro de Relato e Controlo em Monsanto (Lisboa).  

 

    O E-3A "ajuda o controlo de terra, transmitindo informações das aeronaves que detecta", explicou, frisando que, em situações reais, "às vezes aparecem emergências em sítios que os radares de terra não conseguem detectar".  

 

    "Contactamos o controlo de terra e damos informação sobre as aeronaves para eles verem o que se passa. Poderá ser falha de comunicações, pirataria", entre outros casos, disse, referindo que o E-3A persegue e intercepta aeronaves suspeitas se for necessário e pedido pelo comando de terra.  

 

      O exercício "Real Thaw 2010", a decorrer sobretudo no centro do país, envolve quase mil militares e 50 aeronaves da FAP e das congéneres da Bélgica, Espanha, Dinamarca e Estados Unidos da América.  
















 


 
"Portugal civilizou a Ásia, a África e a América. Falta civilizar a Europa"

Respeito
 

*

nelson38899

  • Investigador
  • *****
  • 4144
  • Recebeu: 253 vez(es)
  • Enviou: 258 vez(es)
  • +53/-7
Re: Actividade Operacional/Exercícios
« Responder #20 em: Janeiro 28, 2010, 02:31:36 pm »
Citar
Força Aérea 'combate' talibãs na Serra da Estrela (COM VÍDEOS)
Mil militares e 50 aeronaves da Força Aérea Portuguesa (FAP) e das suas congéneres da Bélgica, Espanha, Dinamarca e EUA participam durante duas semanas no Real Thaw 10, um exercicio que tem como objectivo facultar treino ao nível táctico às tropas envolvidas.


Coordenado a partir da Base Aérea de Monte Real (Leiria), é na Serra da Estrela que se desenvolvem os principais ‘combates’ no terreno. Por estes dias a tranquilidade da região tem sido alterada pelo som dos tiros de metralhadora e dos aviões F16, C130 e C295, e dos helicópteros Alouette III.

Também tem patrulhado os céus de Portugal o avião de vigilância radar E3A AWACS, da Aliança Atlântica (NATO), mas ninguém o vê, ou ouve, porque voa a grande altitude.

É intenção da FAP é obter um ambiente operacional multinacional e de conjunto semelhante ao das actuais operações militares internacionais na Bósnia e no Afeganistão. Para isso, foram criados cenários fictícios onde os militares têm de ajudar populações atacadas por forças de terroristas, resgatar diplomatas sequestrados e abater as forças inimigas. O exercicio, que começou dia 25, termina a 4 de Fevereiro

http://videos.sapo.pt/gC5EsDsj3TezN8nLVc50

http://www.cmjornal.xl.pt/Noticia.aspx?channelid=00000010-0000-0000-0000-000000000010&contentid=C387498C-3D6B-41F3-944B-DAB94C03CE00&h=1
"Que todo o mundo seja «Portugal», isto é, que no mundo toda a gente se comporte como têm comportado os portugueses na história"
Agostinho da Silva
 

*

Lightning

  • Moderador Global
  • *****
  • 7301
  • Recebeu: 594 vez(es)
  • Enviou: 730 vez(es)
  • +78/-23
Re: Actividade Operacional/Exercícios
« Responder #21 em: Fevereiro 02, 2010, 06:04:55 pm »
Citar
Base Aérea de Beja recebe avião radar da NATO

No âmbito do exercício da Força Aérea Portuguesa "Real Thaw 2010" a Aliança Atlântica irá operar a aeronave AWACS E3A, a partir da Base Aérea Nº11, em Beja, entre os dias 25 e 28 de Janeiro.

O E-3A é uma plataforma aerotransportada com capacidade de detecção de alvos aéreos e terrestres e funções de C3 (comando, controlo e comunicações). Este avião é uma versão militarizada do Boeing 707 é operado por uma tripulação de 17 pessoas.

Enquanto ícone mundial nos sistemas de aviso prévio de ameaças, é notória a sua participação em missões de manutenção da paz a nível internacional.

http://www.emfa.pt/realthaw/detalhe.php ... 03&lang=pt
 

*

Lightning

  • Moderador Global
  • *****
  • 7301
  • Recebeu: 594 vez(es)
  • Enviou: 730 vez(es)
  • +78/-23
Re: Actividade Operacional/Exercícios
« Responder #22 em: Fevereiro 02, 2010, 06:07:53 pm »
Citar
Missão de resgate de Diplomata

No dia 25 de Janeiro, primeiro dia do Exercício Real Thaw 10 (RT10), à semelhança do que acontecerá todos os dias, até 4 de Fevereiro, foi criado e apresentado o cenário que permitiu às forças envolvidas treinar várias operações militares, que se constituem como objectivos do RT10.

O Centro Coordenador de Operações do Exercício Real Thaw 10, estabelecido na Base Aérea Nº5, em Monte Real, informou os intervenientes da necessidade de resgatar um diplomata das Nações Unidas de um campo de refugiados, situado na fronteira do País A (zona hostil) com o País B (zona "perseguida" pelo País A).

Nesta operação foram envolvidos F-16 MLU portugueses, dinamarqueses, belgas e os ALOUETTE III nacionais, os últimos, a descolar do Aeródromo da Covilhã. Ao longo do dia foram efectuadas trinta e três descolagens.

A cobertura em terra foi assegurada por equipas FAC (Controladores Aéreos Avançados) portuguesas, americanas e dinamarquesas (incluindo observadores da Lituânia), a UPF (Unidade de Protecção da Força) portuguesa, uma equipa de SOGA (Saltadores Operacionais de Grande Altitude) e uma equipa SOF (Unidade de Operações Especiais de Lamego), ambas portuguesas.

Depois de cumprida com sucesso a missão de extracção de um elemento não-militar a partir de um território de ameaça potencial, as forças aéreas e terrestres regressaram pelas 16H30 à Base Aérea de Monte Real.

http://www.emfa.pt/realthaw/detalhe.php ... 02&lang=pt
 

*

Lightning

  • Moderador Global
  • *****
  • 7301
  • Recebeu: 594 vez(es)
  • Enviou: 730 vez(es)
  • +78/-23
Re: Actividade Operacional/Exercícios
« Responder #23 em: Fevereiro 02, 2010, 06:09:16 pm »
Citar
Segundo dia: Missão Ajuda Humanitária

O segundo dia do exercício foi dedicado à ajuda humanitária ao "Campo de Refugiados" situado em Meimoa, na Serra da Malcata, na zona de Penamacor.

No "Campo de Refugiados" as condições de sobrevivência deterioram-se, sendo por isso necessário o emprego das forças aéreas e terrestres de forma rápida e eficaz.

Da Base Aérea nº 5 descolaram F-16 MLU (portugueses, dinamarqueses e belgas) para missões CAS (Apoio Aéreo Próximo), AI (Interdição Aérea), e de defesa aérea que prepararam a área de operações para que o C-295 português cumprisse a missão de transporte aéreo táctico, lançando em Meimoa, a carga que ajudaria a tão necessitada população do "Campo de Refugiados" do País B.

Também os ALOUETTE III descolaram do Aeródromo da Covilhã completando os meios aéreos envolvidos nesta missão, contribuindo para mais um dia de missões cumpridas.

http://www.emfa.pt/realthaw/detalhe.php ... 04&lang=pt
 

*

Lightning

  • Moderador Global
  • *****
  • 7301
  • Recebeu: 594 vez(es)
  • Enviou: 730 vez(es)
  • +78/-23
Re: Actividade Operacional/Exercícios
« Responder #24 em: Fevereiro 02, 2010, 06:11:27 pm »
Citar
Real Thaw 10 - O Exercício

O Exercício Real Thaw 10 (RT10), que decorre entre os dias 25 de Janeiro e 4 de Fevereiro de 2010 entre Monte Real e Covilhã, é um exercício planeado e conduzido pela Força Aérea Portuguesa que tem como objectivo facultar treino ao nível táctico às forças participantes.

No sentido de se obter um ambiente operacional multinacional e conjunto (forças aéreas e terrestres) semelhante ao das actuais operações militares internacionais, foram convidados a participar no RT10 forças terrestres e aéreas de diversos Países. Assim, além das forças nacionais, quer da Força Aérea quer do Exército, participam também forças dos Estados Unidos, da Dinamarca, da Lituânia, da Bélgica e da Espanha.

Para a correcta execução deste exercício foi desenvolvido um cenário que pretende criar um conflito geo-político desafiando as forças participantes a executar as acções aéreas adequadas. Para esse efeito, foram criados três países fictícios que ocupam unicamente o espaço geográfico de Portugal continental.

A norte, o País A que possui um sistema político-militar autoritário, potenciando situações de crise e conflito com minorias étnicas. Estas, vendo os seus direitos renegados e as suas condições de segurança ameaçadas, migram para o País B, geograficamente a Sul do País A. Esta situação vai provocar o aparecimento de campos de refugiados junto da fronteira sem as condições mínimas de sobrevivência. Finalmente, o País C, também a sul do País B, caracterizado por políticas progressistas e abertas, recebem uma força militar da NATO (representada pelos participantes do exercício) para garantir a segurança aos refugiados e encontrar uma solução para o conflito.

Toda a coordenação do RT10 é feita na Esquadra 301 "Jaguares", da Base Aérea Nº5, em Monte Real. A partir daqui são planeados e executados diariamente vários tipos de missões, como extracção de não combatentes e apoio sanitário e logístico, com recurso a largada de tropas aerotransportadas e Militares da Unidade de Protecção da Força, transporte táctico por helicópteros e protecção armada facultada pelos aviões de combate F-16.

Até 4 de Fevereiro a Força Aérea Portuguesa desenvolverá, assim, várias e diferentes missões que lhe permitirão verificar o seu nível de aprontamento para situações reais.

http://www.emfa.pt/realthaw/detalhe.php ... 01&lang=pt
 

*

Lightning

  • Moderador Global
  • *****
  • 7301
  • Recebeu: 594 vez(es)
  • Enviou: 730 vez(es)
  • +78/-23
Re: Actividade Operacional/Exercícios
« Responder #25 em: Fevereiro 02, 2010, 06:13:00 pm »
Citar
O Aeródromo da Covilhã no Real Thaw 10

O Aeródromo Municipal da Covilhã, integrado no exercício Real Thaw 10 como “Base Aérea Táctica”, ao servir de apoio às operações aéreas e terrestres que se realizam na zona da Covilhã, Penamacor e Meimoa constitui-se como um local estratégico para o cumprimento das missões planeadas.

Permanentemente estacionados nesta “Base Aérea Táctica” encontram-se os helicópteros ALOUETTE III que no exercício são empregues em missões de assalto; busca e salvamento; evacuação sanitária; transporte e asseguram também protecção próxima a zonas de evacuação de elementos militares e não-militares.

Além de se constituir um local de operações militares, no âmbito do RT10, o Aeródromo Municipal da Covilhã tem aberta ao público, até ao dia 4 de Fevereiro, uma Exposição Fotográfica da Força Aérea Portuguesa, estando também presente no local uma viatura de divulgação do Centro de Recrutamento da Força Aérea.

Em constante contacto com a população civil a Força Aérea, presente neste Aeródromo, proporcionou já a 30 jovens baptismos de voo na aeronave C295.

http://www.emfa.pt/realthaw/detalhe.php ... 05&lang=pt
 

*

Lightning

  • Moderador Global
  • *****
  • 7301
  • Recebeu: 594 vez(es)
  • Enviou: 730 vez(es)
  • +78/-23
Re: Actividade Operacional/Exercícios
« Responder #26 em: Fevereiro 02, 2010, 06:14:37 pm »
Citar
Apoio logístico ao Campo de Refugiados

A zona de Seia recebeu no dia 27 de Janeiro actividade operacional enquadrada no Exercício Real Thaw 10.

O dia foi dedicado a apoiar logisticamente o "campo de refugiados" localizado em Seia, que segundo o cenário criado para o terceiro dia de missões, necessitava de receber, com urgência, carga com mantimentos essenciais à sobrevivência da população local.

Aquando o lançamento da ajuda humanitária sob forma de carga fictícia, efectuado pelo C-295, no terreno preparavam-se já as equipas conjuntas terrestres (Controladores Aéreos Avançados e Operações Especiais) para a progressão nocturna de 15 quilómetros, que viria a ter lugar durante a madrugada.

Os F-16M descolaram antes da principal missão, para "preparem o cenário" em que a mesma decorreria, garantindo que todas as outras aeronaves, o C-295 e os ALOUETTE III, cumpririam as suas missões em segurança.

http://www.emfa.pt/realthaw/detalhe.php ... 06&lang=pt
 

*

Lightning

  • Moderador Global
  • *****
  • 7301
  • Recebeu: 594 vez(es)
  • Enviou: 730 vez(es)
  • +78/-23
Re: Actividade Operacional/Exercícios
« Responder #27 em: Fevereiro 02, 2010, 06:16:15 pm »
Citar
Missão de resgate na zona de Seia

No dia 28 de Janeiro o cenário criado para o Real Thaw 10, baseou-se no resgate de um Representante das Nações Unidas que se encontrava em Seia a manter conversações, com o objectivo de restabelecer a paz na região.

Na operação de resgate estiveram envolvidos F-16M que garantiram a protecção do espaço aéreo, onde iriam decorrer as operações. Aos ALOUETTE III foram atribuídas missões de escolta próxima e recuperação do Representante das Nações Unidas, acompanhado pela equipa de Operações Especiais.

A fim de coordenar a vigilância aérea das operações, o E-3A AWACS, da NATO conduziu a “batalha” táctica de suporte e controlo. Do cenário fizeram ainda parte 4 F-18A espanhóis. O resgate do Representante foi realizado em segurança, e assegurado por equipas da Unidade de Protecção da Força, de Controladores Aéreos Avançados e da Unidade de Operações Especiais.

Foi também simulada a emboscada a uma equipa de jornalistas, integrada numa coluna militar. Um dos jornalistas, tornado refém, foi levado durante a noite para um local de detenção, controlado por rebeldes, na zona de Penamacor.

Os raptores divulgaram imagens do jornalista, reivindicando o acto de captura e exigindo a retirada, em 24 horas, dos militares que se encontram na região.

http://www.emfa.pt/realthaw/detalhe.php ... 08&lang=pt
 

*

Lightning

  • Moderador Global
  • *****
  • 7301
  • Recebeu: 594 vez(es)
  • Enviou: 730 vez(es)
  • +78/-23
Re: Actividade Operacional/Exercícios
« Responder #28 em: Fevereiro 02, 2010, 06:18:00 pm »
Citar
A Unidade de Protecção da Força no Real Thaw 10

Enquanto força treinada e equipada para executar missões de Protecção Próxima a meios da Força Aérea, de Progressão, Observação e Reconhecimento no Terreno, assim como Personal Recovery, a Unidade de Protecção da Força (UPF) tem como missão primária garantir a protecção activa dos destacamentos da Força Aérea Portuguesa nos diversos Teatros de Operações.

A participação da UPF no exercício Real Thaw 2010 está relacionada com a vertente operacional do Apoio Aéreo Próximo (CAS), em que se destaca a ligação e cooperação entre forças terrestres e aéreas, com o auxílio no treino das equipas de FAC´S (Controladores Aéreos Avançados) e contribuição para um maior realismo a todo o cenário, ao levar a cabo diferentes acções quer como inimigo (RED FORCE) ou como força amiga (BLUE FORCE).

No âmbito da sua colaboração no exercício Real Thaw 2010, os 16 efectivos, desta unidade, têm sido empenhados em missões tão diferentes como as de Resgate de Elementos Não-Combatentes (NEO), Escoltas a Colunas e Protecção Próxima às equipas TACP, Acções Ofensivas enquanto RED FORCES no terreno e Missões de Personal Recovery.

http://www.emfa.pt/realthaw/detalhe.php ... 07&lang=pt
 

*

Lightning

  • Moderador Global
  • *****
  • 7301
  • Recebeu: 594 vez(es)
  • Enviou: 730 vez(es)
  • +78/-23
Re: Actividade Operacional/Exercícios
« Responder #29 em: Fevereiro 02, 2010, 06:19:42 pm »
Citar
Quinto dia de missões no Real Thaw 10

Ao quinto dia de Exercício Real Thaw 10, continuava retido no campo de detenção, em Penamacor, o jornalista capturado na noite anterior.

Perante este cenário, a missão do dia 29 de Janeiro teve como principal objectivo o assalto ao campo de detenção e a retirada do jornalista.

Esta operação contou com o apoio aéreo dos F-16M, o C-295 e os ALOUETTE III, tendo sido realizadas cerca de 32 descolagens. Mais uma vez participaram, no teatro de operações, elementos da Unidade de Protecção da Força, da Unidade de Operações Especiais e da Equipa de Controladores Aéreos Avançados.

Resgatado em segurança, o jornalista foi colocado a bordo do ALOUETTE III que se dirigiu para a Base Aérea Avançada, localizada na Covilhã.

http://www.emfa.pt/realthaw/detalhe.php ... 09&lang=pt
 

 

F-18 Espanhois fazem exercicios em Portugal

Iniciado por Rui Conceicao

Respostas: 41
Visualizações: 12479
Última mensagem Setembro 07, 2006, 06:07:02 pm
por Hollywood