Notícias da FAP

  • 627 Respostas
  • 140521 Visualizações
*

Lightning

  • Moderador Global
  • *****
  • 7301
  • Recebeu: 594 vez(es)
  • Enviou: 730 vez(es)
  • +78/-23
Re: Notícias da FAP
« Responder #75 em: Março 15, 2010, 05:47:06 pm »
Citação de: "zeNice"
Vai estrear uma novela aseguir do telejornal, parece que também não é hoje.  :( , acho que vou parar de falar que é dia x ou y pois só fico mal visto, raio da TVI :lol: .
 

*

sergio21699

  • Especialista
  • ****
  • 933
  • Recebeu: 1 vez(es)
  • +1/-0
Re: Notícias da FAP
« Responder #76 em: Março 15, 2010, 06:07:11 pm »
Citação de: "Lightning"
acho que vou parar de falar que é dia x ou y pois só fico mal visto, raio da TVI :lol: .
nao é só a TVI a RTP tambem tinha uma reportagem para exibir sobre o afeganistao e tem vindo a adiar
-Meu General, estamos cercados...
-Óptimo! Isso quer dizer que podemos atacar em qualquer direcção!
 

*

ShadIntel

  • Investigador
  • *****
  • 1510
  • +0/-0
Re: Notícias da FAP
« Responder #77 em: Março 25, 2010, 03:33:49 pm »
Citar
Operacionalidade da Força Aérea em risco

Fim dos vínculos de vários pilotos-comandantes dos helicópteros e dos aviões de transporte, cujas qualificações são demoradas, ameaçam actividade do ramo a curto prazo.

A operacionalidade da Força Aérea será afectada se o Parlamento não aprovar, até ao Verão, um regime de contratos de longa duração nas Forças Armadas mais longo do que os actuais seis anos, admitiu ontem o chefe do ramo, general Luís Araújo.

Em causa está o fim do contrato de "vários pilotos-comandantes" nas frotas dos helicópteros EH101 e dos aviões de transporte C-295 e Aviocar, os quais serão obrigados a deixar as fileiras se o novo regime (previsto na lei mas ainda por regulamentar) não for aprovado antes.

"É desejável que [isso] seja aprovado até Junho ou Julho", observou o chefe do Estado-Maior da Força Aérea (CEMFA), permitindo aos militares contratados manter-se nas fileiras até ao máximo de 20 anos - necessidade que também é sentida em particular pelo Exército, ramo que vê essa medida como a solução para acabar com a falta de efectivos a nível de praças que existe há anos.

O CEMFA falava ao DN à margem da cerimónia do dia da unidade no Campo de Tiro de Alcochete, onde inaugurou um monumento - uma bomba MK52 a "explodir" num bloco de cimento - com o título "A Força da Razão", alusivo à actividade de treino ali executada pelas Forças Armadas.

Segundo os dados da Força Aérea, em causa está o contrato de sete pilotos-comandantes naquelas três frotas de aparelhos, cujas qualificações e experiência para atingir esse patamar profissional são demoradas (e dispendiosas).

Em rigor, de acordo com uma fonte da Força Aérea, os contratos desses sete oficiais só terminam no início do próximo ano - pelo que o alerta do CEMFA pode ser interpretado como tendo, subjacente, o receio de uma crise política nos próximos meses que, no limite, conduza à realização de novas eleições legislativas.

Mesmo sem novas eleições, uma mudança de Governo tornaria muito secundária a regulamentação atempada dos contratos militares de longa duração. Por outro lado, sem qualquer crise, vão ter lugar as férias de Verão e, pouco tempo depois do início da nova sessão legislativa, iniciam-se os trabalhos em torno do Orçamento do Estado para 2011.

Recorde-se que a hipótese dos contratos com maior tempo de duração já são legalmente admitidos desde 1999. A Lei do Serviço Militar então aprovada, que define os dois e os seis anos como limites mínimo e máximo dos contratos de longa duração, diz, no seu artigo 28.º: "Podem ser criados, por decreto-lei, regimes de contrato com a duração máxima de 20 anos para situações funcionais cujo grau de formação e treino, tipo de habilitações académicas e exigências técnicas tornem desejável uma garantia de prestação de serviço mais prolongada."

Só que essa possibilidade continua por regulamentar. Mas, politicamente e no actual contexto de crise, a aprovação do novo regime de longa duração também permitiria "evitar", a curto e médio prazo, a ida de um número significativo de militares qualificados (a maioria ainda na casa dos 20 anos) para o desemprego.
http://dn.sapo.pt/inicio/portugal/inter ... id=1527654
 

*

Cabeça de Martelo

  • Investigador
  • *****
  • 14880
  • Recebeu: 939 vez(es)
  • Enviou: 905 vez(es)
  • +137/-147
Re: Notícias da FAP
« Responder #78 em: Abril 06, 2010, 02:14:06 pm »
Força Aérea – Os Militares dos Aviões de Combate

Pilotos a Caminho do caça ‘Top Gun’

São a elite da Força Aérea. Só os melhores pilotos chegam ao caça F-16, após um difícil processo de formação. Entre os candidatos há uma mulher.


Sentada no cockpit do Alphajet, a alferes Joana Marques deixa escapar um desabafo. "É a primeira vez que me sento no lugar da frente", diz com um sorriso a piloto da Força Aérea Portuguesa, que ainda só voou no aparelho usado pelos Asas de Portugal à ‘boleia' do instrutor. Em breve, terá de conhecer ao pormenor todas as características do avião. É o primeiro dia do curso que ela e outros seis pilotos iniciaram na Base Aérea de Beja.  

O objectivo final só está ao alcance dos melhores: Fazer parte de uma das duas esquadras de F-16, os caças de combate supersónicos que asseguram a defesa do espaço aéreo português.

O caminho para chegar ao avião de topo é longo e difícil. O de Joana, de 23 anos, começou ainda na escola secundária, em Évora, quando escolheu o queria ser no futuro: Piloto da Força Aérea. "Decidi que queira pilotar aviões, e nunca pus a hipótese de entrar na aviação civil. Agrada-me a parte militar da disciplina e do rigor, aliadas ao exercício físico". Em 2004 entrou na Academia da Força Aérea, onde completou o curso de piloto-aviador em 2008. Depois rumou ao Brasil, onde completou o tirocínio - a primeira qualificação num avião, neste caso o Tucano T27, de fabrico brasileiro - entre Julho e Dezembro de 2009. "Fiz o curso onde participavam mais quatro mulheres, mas eu era a única portuguesa. Lá como cá, nunca senti qualquer diferença de tratamento por ser mulher", conta. Joana pensava em prosseguir a carreira militar em aviões de transporte, mas a avaliação que fizeram das suas aptidões conduziu-a para os jactos de combate. "Não é o que tinha planeado, mas sabemos que a escolha não passa só por nós. Mas prometo dar tudo o que tenho para ser bem sucedida". Se conseguir ficar entre os melhores do curso, a alferes poderá mesmo tornar-se na primeira portuguesa a pilotar um caça F-16.

Também foi no Brasil que os alferes David Quina e Filipe Oliveira - ambos colegas de curso de Joana na Academia - completaram o tirocínio. Os três voltam a encontrar-se em Beja, onde começam a aprender como se pilota um avião de combate.

O capitão Ricardo Ribeiro - que, com mais de duas mil horas de voo,  é o militar com mais experiência no Alphajet - é um dos instrutores do curso que decorre na base de Beja, na Esquadra 103, conhecida pela alcunha de ‘Caracóis'. Explica as etapas que os alunos ainda terão de ultrapassar: "Primeiro, terão de completar o curso de qualificação para o Alphajet, que dura até meados de Junho. De seguida, têm pela frente o curso de conversão de pilotagem em aviões de combate, que lhes permitirá aprender todas as manobras em ataques contra outros aviões ou contra alvos em terra. A formação dos sete pilotos  - aos quais ainda se poderão juntar mais militares que completaram recentemente  o tirocínio - deverá estar completa no Verão. Só depois os pilotos poderão aspirar a passar para o F-16, para o qual também têm de fazer um curso de qualificação".

Filipe Oliveira, de 25 anos, é de Bragança. Sempre quis ser piloto, até por influência familiar: "O meu pai e um dos meus tios foram pilotos militares e sempre tive um fascínio por aviões", conta. Ainda chegou a estudar Engenharia de Comunicações, mas trocou tudo pelo sonho de voar. "Sempre quis chegar ao F-16", confessa. O colega de curso David Quina também escolheu ser piloto "ainda quando era pequeno", mas contava comandar aviões de transporte quando completasse a formação, tal como Joana. Mas todos se dizem agora empenhados em chegar ao caça supersónico, capaz de voar duas vezes mais rápido do que o som.

ESQUADRAS DE ELITE

A Base Aérea de Monte Real é o destino mais ambicionado pelos pilotos a jacto. É aí que funcionam as duas esquadras de F-16 - cerca de 20 aviões - que asseguram a defesa aérea do País.

Os tenentes Diogo Bento, 25 anos, e João Matos, de 24, garantiram um lugar entre os ‘Falcões', o nome com que são conhecidos os elementos da Esquadra 201, mas ainda têm pela frente um exigente programa de formação até estarem habilitados a cumprir missões de combate. Ambos fizeram o tirocínio nos Estados Unidos, onde voaram aviões a jacto, mas o F-16 é uma experiência aparte: "A nível fisiológico, é completamente diferente. Até aos 7 G's [as forças gravitacionais sentidas dentro do cockpit, o que equivale a que o corpo passe a pesar sete vezes mais em determinadas manobras] ainda aguentamos com alguma facilidade, mas o F-16 chega a proporcionar forças de 9 G's", explica o piloto Diogo Bento, que já nos tempos em que estudava no secundário, em Santiago do Cacém, tinha como objectivo ingressar na Força Aérea.

João Matos é de Braga e partilha a mesma vontade de acrescentar o seu nome ao dos 32 pilotos portugueses que estão neste momento qualificados para voar com o F-16. "O curso tem três fases, a primeira é de qualificação para a aeronave, em que aprendemos todas as manobras do F-16, depois temos uma fase de formação para o combate e, finalmente, a qualificação para o tipo de missões que estão atribuídas ao avião. É muito exigente, voamos praticamente todos os dias e temos de estudar muitos manuais", explica o tenente João Matos.

A conversa é temperada pelo som ensurdecedor dos motores dos aviões que aterram na pista de Monte Real, perto de Leiria. "Para nós isto é música", diz com ar sorridente Diogo Bento. Os dois pilotos cumpriram já cerca de 30 horas de voo no F-16 e estão na segunda fase da formação, a qualificação inicial para missões de combate. Se tudo correr como previsto, acabarão a terceira fase no final deste ano. Nessa altura, ganharão a alcunha de voo, que fica para sempre. "São os colegas e os instrutores que escolhem o ‘nick', que pode resultar de algum episódio que tenha acontecido ou de uma característica da personalidade", explica Diogo Bento.

‘Maverick' e ‘Iceman' são ‘nicks' que ninguém esquece. São os nomes dos heróis de ‘Top Gun - Ases Indomáveis', o filme com Tom Cruise e Val Kilmer que o tenente João Matos já viu "não sei quantas vezes". Para ele, a realidade está cada vez mais perto da ficção.

MISSÃO A TEMPO INTEIRO

Para chegar ao topo é preciso espírito de sacrifício. Um avião de combate exige que pilotos conheçam todos os equipamentos e capacidades da máquina, o que obriga a longas horas de estudo. "Há muitos manuais para ler, quase todos em inglês, temos de estudar permanentemente", diz João Matos.

A preparação física é outro factor imprescindível num avião onde as forças G testam os limites do organismo. "Sente-se uma grande diferença em relação a qualquer outro avião. O F-16 é muito mais exigente em termos físicos", diz Diogo Bento.

Os dois tiveram de passar um teste numa máquina de centrifugação, na Holanda, para garantir que cumprem os requisitos. Sobra-lhes pouco tempo para a vida social – sinal disso mesmo é que todos os pilotos com quem falámos são solteiros.

NOTAS

ALERTA

A todo o momento, dois F-16 estão prontos para descolar de Monte Real em caso de ameaça. Entre o aviso de alerta e a descolagem dos aviões não passam mais de 15 minutos.

DOZE ANOS

A saída de pilotos para a aviação civil é um problema antigo. Neste momento, os militares são obrigados a permanecer nos quadros durante doze anos. Se saírem antes, têm de pagar a formação.

 :arrow: http://www.cmjornal.xl.pt/noticia.aspx? ... 0000000019
7. Todos os animais são iguais mas alguns são mais iguais que os outros.

 

*

militar03

  • Membro
  • *
  • 181
  • +0/-0
Re: Notícias da FAP
« Responder #79 em: Abril 08, 2010, 02:38:35 pm »
ainda me lembro da 1ª vez que vi a srª:joana ainda manceba a entrar na minha secçaõ na ba1 para levantar o seu fato de voo e capacete ainda com a pronuncia bem patente de alentejana. para as provas de aptidão de voo.ainda lhe fiz o nome para o fato de voo meia asa.sai da ba1 ainda ela era cadete 1ªano... só mais tarde  06( caso não me falhe a memoria fez capa da revista "mais alto" juntamente com outro camarada de curso).

desconhecia por completo que ela esteve no brazil em tirocínio ainda mais o espanto que estava neste momento no caça bombardeiro a-jet.. talvez futura piloto de f-16
talvez seja a 1ª mulher em f-16 ( e acredito que sim) tal como acredito que seja a 1ª general em portugal.


as maiores felicidades......

cadj/marme

equipamentos de voo e sobreviencia ba1
 

*

Lightning

  • Moderador Global
  • *****
  • 7301
  • Recebeu: 594 vez(es)
  • Enviou: 730 vez(es)
  • +78/-23
Re: Notícias da FAP
« Responder #80 em: Abril 08, 2010, 07:36:53 pm »
Citação de: "militar03"
talvez seja a 1ª mulher em f-16 ( e acredito que sim) tal como acredito que seja a 1ª general em portugal.

Que seja a primeira mulher piloto de F-16 também penso que sim, o caso mais próximo que houve foi uma mulher piloto de Alpha Jet na esquadra 301 na altura em que estava sediada na Base Aérea nº11 em Beja.

Que seja a primeira mulher General já acho pouco provável (mas não impossivel) visto que já há outras mulheres PILAV na Força Aérea bem mais antigas, como por exemplo a Major Dina Azevedo da Esquadra 502 e várias outras que tem posto de Capitão e Tenente.



Tal como disse é possivel, se todas as outras mulheres PILAV sairem da Força Aérea antes.
 

*

militar03

  • Membro
  • *
  • 181
  • +0/-0
Re: Notícias da FAP
« Responder #81 em: Abril 09, 2010, 02:26:40 pm »
a 1ªmulher colocada em aviões a jato foi foi a srª paula rocha ainda com a patente de tenente/capitão. já como major foi para ba1 esquadra 401 os cientistas . aviocar 100 e aviocar 300. saiu penso eu como tenente coronel para a tap.
 

*

ShadIntel

  • Investigador
  • *****
  • 1510
  • +0/-0
Re: Notícias da FAP
« Responder #82 em: Abril 09, 2010, 03:09:25 pm »
Citar
Força Aérea 'invade' terreno à entrada de Faro

Engenheiros de Aeródromos tomaram conta de terreno frente ao Teatro das Figuras. Objectivo: aprontar o espaço para receber as comemorações oficiais do Dia de Portugal.

As obras estão a ser efectuadas por máquinas e militares da Direcção Geral de Engenheiros de Aeródromos da Força Aérea Portuguesa (DGEAFA), apurou o Observatório do Algarve no local.

Os trabalhos destinam-se a nivelar os terrenos para que possam receber a parada militar do Dia de Portugal, que este ano será realizada em Faro, segundo indicação do Presidente da República, Aníbal Cavaco Silva, que designou a capital algarvia como sede das Comemorações do Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas”.

O chefe de Estado nomeou António Barreto como presidente da “Comissão Organizadora das Comemorações”.

Não é invulgar que seja a Força Aérea a realizar operações de nivelamento de terras, uma vez que os oficiais Engenheiros de Aeródromos da Força Aérea "realizam estudos técnicos, projectos e suas componentes, construção e manutenção na área de engenharia civil, das infra-estruturas aeroportuárias militares, incluindo a documentação inerente à realização de concursos e consultas para empreitadas e a sua fiscalização", pode ler-se no site da Força Aérea.

Segundo a Força Aérea, os mesmos militares "podem colaborar e desenvolver projectos de investigação autónomos ou em cooperação com entidades nacionais ou estrangeiras".

Operação Limpeza vem a seguir

Recorde-se que a propósito da Comemoração do Dia de Portugal em Faro, o presidente da Câmara Municipal de Faro, Macário Correia, afirmou que "quer ter a cidade limpa e conta com o envolvimento da população e das entidades locais" nas comemorações oficiais, que contarão com dois banquetes envolvendo mais de 200 elementos do Corpo Diplomático (residente e não-residente), entre muitos outros convidados.

Sublinhando que a cidade vai funcionar como "montra" durante os dias 9 e 10 de junho, o líder da autarquia lembrou que a realização daquele evento em Faro "impõe muito trabalho a todos".

"Quero lançar um desafio ao orgulho dos farenses e pedir-lhes para ter a cidade limpa, pintada e caiada", referiu, lembrando que as imagens da cidade vão ser altamente difundidas através da imprensa.

O presidente da Câmara de Faro disse querer envolver escolas, artistas e associações culturais no espírito das comemorações, adiantando que nos dias anteriores às comemorações terão lugar várias festas e eventos na cidade.
http://www.observatoriodoalgarve.com/cn ... icia=35961

 

*

Lightning

  • Moderador Global
  • *****
  • 7301
  • Recebeu: 594 vez(es)
  • Enviou: 730 vez(es)
  • +78/-23
Re: Notícias da FAP
« Responder #83 em: Abril 09, 2010, 08:01:32 pm »
Citação de: "militar03"
a 1ªmulher colocada em aviões a jato foi foi a srª paula rocha ainda com a patente de tenente/capitão. já como major foi para ba1 esquadra 401 os cientistas . aviocar 100 e aviocar 300. saiu penso eu como tenente coronel para a tap.

Mas isso não desmente o que eu referi, existem várias outras mulheres PILAV mais antigas na Força Aérea do que a Alferes referida no artigo, e todas elas tem essa possibilidade, mas cada um tem a sua opinião :lol: .
http://www.emfa.pt/www/includes/mostraV ... ile=joanas
 

*

militar03

  • Membro
  • *
  • 181
  • +0/-0
Re: Notícias da FAP
« Responder #84 em: Abril 12, 2010, 01:44:42 pm »
:D
 

*

Jorge Pereira

  • Administrador
  • *****
  • 2195
  • Recebeu: 57 vez(es)
  • Enviou: 116 vez(es)
  • +14/-0
    • http://forumdefesa.com
Re: Notícias da FAP
« Responder #85 em: Abril 15, 2010, 07:50:06 pm »
Citar
Ministro da Defesa Nacional na implementação Destacamento do C-295 nos Açores

O Ministro da Defesa Nacional visitará, no dia 17 de Abril, a Base Aérea Nº4 (BA4), nas Lajes, Ilha Terceira, para assistir à implementação do destacamento da nova aeronave CASA C-295M na Região Autónoma dos Açores.

O novo sistema de armas substituirá assim o C-212 AVIOCAR, que durante 32 anos operou nos Açores servindo a população deste Arquipélago.  

O C-295 é um avião bimotor, turbo-hélice de transporte e integra a mais recente tecnologia existente no mundo aeronáutico.  

O seu compartimento de carga pode transportar, montadas, até 24 macas para a evacuação de feridos ou doentes, tendo ainda capacidade para o transporte de até 70 pessoas, ou 45 pára-quedistas completamente equipados, ou 9250 kg de carga diversa, incluindo veículos ligeiros.

A nova aeronave mais do que triplica as capacidades de carga, alcance e autonomia do seu antecessor.

O programa para a visita do Ministro da Defesa Nacional à BA4 é o seguinte:

10H00- Hora limite de chegada dos Órgãos de Comunicação Social à BA4.

10H30- Chegada do MDN à BA4.  

12H15 - Ponto de Imprensa.

Um dos primeiros erros do mundo moderno é presumir, profunda e tacitamente, que as coisas passadas se tornaram impossíveis.

Gilbert Chesterton, in 'O Que Há de Errado com o Mundo'






Cumprimentos
 

*

LuisC

  • Perito
  • **
  • 311
  • +0/-0
Re: Notícias da FAP
« Responder #86 em: Abril 16, 2010, 12:20:06 am »
Impõe-se uma pergunta…alguém sabe quantas aeronaves vão compor o destacamento de C-295 nos Açores?

Cumps.
 

*

militar03

  • Membro
  • *
  • 181
  • +0/-0
Re: Notícias da FAP
« Responder #87 em: Abril 16, 2010, 10:08:23 am »
se seguirem as pisadas dos aviocares serão entre 1 a 2 aeronaves...  com rotavidade de tripulação e manutenção de 2 em 2 semanas.(pelo menos no EH-101 É ASSIM)
 

*

nelson38899

  • Investigador
  • *****
  • 4144
  • Recebeu: 253 vez(es)
  • Enviou: 258 vez(es)
  • +53/-7
Re: Notícias da FAP
« Responder #88 em: Abril 16, 2010, 11:06:19 am »
Citar
A Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro (UTAD) e a Força Aérea Portuguesa assinaram recentemente um protocolo de cooperação com vista à investigação tecnológica e desenvolvimento sobre o uso de mundos virtuais para formação profissional.

Fonte da academia disse que a instituição transmontana realiza investigação há quatro anos no Second Life, dispondo de uma equipa de dez investigadores que trabalha sobre este mundo em três dimensões.

Neste momento, a UTAD tem em curso projectos de investigação em colaboração com mais de 20 instituições nacionais e internacionais, entre as quais a Força Aérea Portuguesa, a Portugal Telecom Inovação ou a Federação Portuguesa de Andebol.

Em Março, a universidade começou a investigação para a Força Aérea, estando a preparar dois projectos que envolvem cinco alunos das licenciaturas em Informática e em Tecnologias de Informação e Comunicação, dois alunos do Mestrado em Informática e três docentes, investigadores do Grupo de Investigação em Engenharia do Conhecimento e Apoio à Decisão (GECAD).

Segundo da UTAD, um dos projectos diz respeito à formação em controlo de tráfego aéreo em aeródromos, para utilização pelo Centro de Formação Técnica e Militar da Força Aérea, na Base Aérea da Ota.

O objectivo é promover metodologias e ferramentas de ensino à distância.

Outro foco de investigação está relacionado com o desenvolvimento de simuladores multi-utilizador para intervenções técnicas com motores de aviões F-16, para apoio à formação contínua na Base Aérea N.º 5 de Monte Real.

“A ideia é que antes dos formandos irem ter a formação na OTA ou Monte Real possam ter trabalho ou tarefas simuladas nestas duas situações”, explicou o investigador da UTAD Leonel Morgado.

Em colaboração com dos treinadores da Federação Portuguesa de Andebol, a UTAD está também a trabalhar na formação de treinadores de andebol com equipas de avatares automatizados.

O objectivo, segundo Leonel Morgado, é permitir a um formador de treinadores definir jogadas e depois, durante uma aula virtual, solicitar a reprodução das mesmas a equipas de avatares andebolistas.

Na universidade estão ainda a ser concluídos trabalhos de investigação doutoral para melhorar o ensino da programação de computadores por recurso ao Second Life e identificar requisitos e propor soluções que permitam que crianças e professores do 1º ciclo do ensino básico possam utilizar mundos virtuais para desenvolverem conceitos de empreendedorismo.

O GECAD, que possui um pólo na UTAD, é uma das principais unidades de investigação portuguesas em inteligência artificial, sistemas baseados em conhecimento e sistemas de apoio à decisão e a maior unidade de Investigação e Desenvolvimento (I&D) do Instituto Superior de Engenharia do Porto (ISEP)
http://www.publico.pt/Tecnologia/forca-aerea-usa-o-second-life-para-formar-controladores-aereos_1432416
"Que todo o mundo seja «Portugal», isto é, que no mundo toda a gente se comporte como têm comportado os portugueses na história"
Agostinho da Silva
 

*

Lightning

  • Moderador Global
  • *****
  • 7301
  • Recebeu: 594 vez(es)
  • Enviou: 730 vez(es)
  • +78/-23
Re: Notícias da FAP
« Responder #89 em: Abril 16, 2010, 06:03:52 pm »
Citação de: "militar03"
se seguirem as pisadas dos aviocares serão entre 1 a 2 aeronaves...  com rotavidade de tripulação e manutenção de 2 em 2 semanas.(pelo menos no EH-101 É ASSIM)

Uma é pouco, devem ser duas no minimo.

Na Madeira é que é só um C-295M, e na esquadra 751 tem sido assim porque nos Açores tem estados os Pumas, mas com o fim dos Pumas os EH101 vão ter que aumentar o seu numero nos Açores, também para os 2 ou 3.

Nos Açores é necessário uma muito maior capacidade do que na Madeira, o tráfego maritimo é muito superior e 7 das 9 ilhas que compoe os Açores poucas instalações médicas tem, por isso é que há uns anos na Madeira havia 1 Puma e 1 Aviocar e o pessoal passava os dias na praia do Porto Santo :mrgreen: ).