Programa de substituição do C-130

  • 1908 Respostas
  • 284608 Visualizações
*

tenente

  • Investigador
  • *****
  • 3933
  • Recebeu: 1819 vez(es)
  • Enviou: 696 vez(es)
  • +520/-70
Re: Programa de substituição do C-130
« Responder #1905 em: Setembro 26, 2019, 06:39:19 pm »
Se leres bem o que escrevi acima. Ninguém falou em eliminar os meios de combate mais leves.
 Falei de eficácia e eficiência em termos relativos e em relação aos meios mais pesados. Os "borrifos" são em relação aos canadair e aos helis pesados. Os ecureuils e os Fireboss continuam a ser de extrema utilidade na minha óptica no combate a incêndios de pequena dimensão. E são uma componente útil.

 Quantas vezes é que já viste a utilização quase maciça de ecureuils e fireboss com 2 ou 3 canadairs (vá) ali no meio e passam os dias e dias e os incêndios não são extintos? Até chegar a "cavalaria" pesada dos canadairs de Espanha, Italia, Marrocos etc. E o fogo é controlado num instante. Tiveste isso amiúde nos grandes incêndios de 2005 e nos anos mais recentes.

Ó MA eu li muito bem o que escreveste, que até coloquei os óculos,  8)
Mas onde é que eu referi algo sobre tú defenderes que os helis ligeiros/fire boss deveriam ser excluídos do dispositivo aéreo ????
Parece-me que não leste bem o que eu escrevi !
Esta lengalenga parece conversa de gente doida.  ;)

Mas continuando para bingo, como sabes os helis ligeiros estão dispersos pelo território Nacional, pelos CMA's, com um raio de acção de intervenção até aos 40 kms ( consultar o anexo 8, 16, 17 e 18 do PDF abaixo ) para uma melhor eficácia no ataque inicial aos FF, como tal nunca, são utilizados em massa pois a sua missão é transportar as equipas de combate inicial, combater inicialmente os FF, permanecer nesse TO, caso se justifique a sua presença, caso contrário extrair a equipa, e regressar á sua base.

MEIOS AÉREOS NOS DIFERENTES NÍVEIS DE EMPENHAMENTO OPERACIONAL

http://www.prociv.pt/bk/PROTECAOCIVIL/LEGISLACAONORMATIVOS/OUTROSNORMATIVOSDIRETIVAS/Documents/ANEPC_DON_2_DECIR_2019_www.pdf

Poderá acontecer que no TO/distrito onde deflagar um FF, na sua fase inicial, se empenhem mais que uma equipa/heli e possamos ter em simultâneo dois ou até três helis a combater o mesmo FF, mas mais que isso é muitíssimo pouco provável que aconteça, pois quando o FF ganha mais intensidade, lá avançam os meios para o ataque ampliado, os AT802, os 215/415, e caso esteja perto e disponível mais algum kamov.

IMHO o que o nosso dispositivo devia incluir era um numero bem superior de 215/415, apostaria em três parelhas e nos fireboss cinco/seis parelhas, ficando o dispositivo com uma capacidade máxima de largada de 36 tons nos 215 e de 36 Tons nos FB.

Abraços
« Última modificação: Setembro 26, 2019, 06:41:20 pm por tenente »
 
Os seguintes utilizadores agradeceram esta mensagem: Major Alvega, NVF, HSMW, Stalker79

*

tenente

  • Investigador
  • *****
  • 3933
  • Recebeu: 1819 vez(es)
  • Enviou: 696 vez(es)
  • +520/-70
Re: Programa de substituição do C-130 Novo
« Responder #1906 em: Outubro 03, 2019, 04:58:23 pm »
Este sim era um excelente, ou mesmo, o melhor substituto, para os nossos C's.



Abraços
« Última modificação: Outubro 04, 2019, 05:52:40 am por tenente »
 

*

LM

  • Analista
  • ***
  • 754
  • Recebeu: 110 vez(es)
  • Enviou: 717 vez(es)
  • +101/-0
Re: Programa de substituição do C-130
« Responder #1907 em: Outubro 03, 2019, 05:03:33 pm »
Sendo de "segmentos" diferentes (e custos), julgam que haveria necessidade de um "mix" A400M + KC390 (ou C130J) ou bastava o A400M? E compensava um menor numero de unidades, para manter a "neutralidade orçamental"...   
Quidquid latine dictum sit, altum videtur
 

*

tenente

  • Investigador
  • *****
  • 3933
  • Recebeu: 1819 vez(es)
  • Enviou: 696 vez(es)
  • +520/-70
Re: Programa de substituição do C-130
« Responder #1908 em: Outubro 03, 2019, 06:33:01 pm »
Sendo de "segmentos" diferentes (e custos), julgam que haveria necessidade de um "mix" A400M + KC390 (ou C130J) ou bastava o A400M? E compensava um menor numero de unidades, para manter a "neutralidade orçamental"...

Na minha opinião, acho que com apenas o A400, como aeronave de transporte táctico, ficávamos muito bem servidos.
As capacidades de payload/raio de acção do A400 trariam á FAP capacidades de transporte como nunca teve, se adquiríssemos quatro unidades, acho que seriam suficientes para as nossas necessidades operacionais.



O 390 ou o J seriam benvindos, se tivéssemos dinheiro para complementar a frota de A400, mas para os requisitos operacionais que  diariamente enfrentamos, eu diria que, se com os A400 viessem mais dois 295, seria a melhor escolha para uma Nação como a nossa evitando deste modo mantermos mais uma linha de aprovisionamento de sobressalentes para os 390 ou os J's.
 




Abraços
« Última modificação: Outubro 03, 2019, 06:58:00 pm por tenente »
 
Os seguintes utilizadores agradeceram esta mensagem: LM

 

Governo entrega substituição do Aviocar à espanhola CASA

Iniciado por Maginot

Respostas: 10
Visualizações: 5222
Última mensagem Maio 06, 2005, 10:10:47 pm
por Luso
Aberto concurso para a substituição dos Aviocar

Iniciado por Ricardo Nunes

Respostas: 37
Visualizações: 13903
Última mensagem Dezembro 28, 2004, 09:13:27 pm
por JNSA
Substituição dos AlphaJet por um novo avião de treino?

Iniciado por Marauder

Respostas: 27
Visualizações: 11395
Última mensagem Setembro 21, 2006, 03:30:41 am
por p_shadow
Substituição dos Allouette III

Iniciado por JNSA

Respostas: 800
Visualizações: 155348
Última mensagem Abril 28, 2019, 05:37:08 pm
por dc
Substituição dos Alpha-jet

Iniciado por pchunter

Respostas: 413
Visualizações: 95655
Última mensagem Outubro 04, 2019, 04:25:39 pm
por PereiraMarques