Notícias da Marinha do Brasil

  • 1201 Respostas
  • 255166 Visualizações
*

Cabeça de Martelo

  • Investigador
  • *****
  • 14356
  • Recebeu: 762 vez(es)
  • Enviou: 742 vez(es)
  • +59/-50
Re: Marinha do Brasil
« Responder #1155 em: Maio 04, 2018, 11:08:03 am »
Aspirações do Estaleiro Goa Shipyard Limited em relação ao Projeto das Corvetas classe Tamandaré

http://www.naval.com.br/blog/2018/05/03/aspiracoes-do-estaleiro-goa-shipyard-limited-em-relacao-ao-projeto-das-corvetas-classe-tamandare/
7. Todos os animais são iguais mas alguns são mais iguais que os outros.

 

*

Vitor Santos

  • Moderador Global
  • *****
  • 3404
  • Recebeu: 252 vez(es)
  • Enviou: 198 vez(es)
  • +112/-33
Re: Marinha do Brasil
« Responder #1156 em: Maio 04, 2018, 03:24:50 pm »
Esquadrão HS-1 alcança a marca de 5.000 horas voadas nas aeronaves SH-16 Seahawk


No dia 20 de abril de 2018, o 1º Esquadrão de Helicópteros Anti-Submarinos (HS-1), alcançou a marca de 5.000 horas voadas nas aeronaves SH-16 (S-70B Seahawk).

O feito ocorreu durante um voo IFR entre São Pedro da Aldeia e o aeródromo de Campos, em proveito do adestramento de pilotos e operadores de sensores do Esquadrão.

As primeiras aeronaves SH-16 foram recebidas em agosto de 2012, tendo o início da qualificação com tripulantes brasileiros, a partir de setembro daquele ano. Desde então, e mesmo com as limitações logísticas e financeiras ditadas pela atual conjuntura de restrições econômicas, o HS-1 vem crescendo operacionalmente com foco na segurança e fatos memoráveis devem ser destacados nestas 5.000 horas de voo, como:


Lançamento do míssil Penguin no casco da ex-corveta FRONTIN,
Lançamento de torpedos de exercício,
Reaquisição da capacidade de realização de voos ASW noturno tático,
Reaquisição da capacidade de operação a bordo noturna,
Realização de diversos voos em proveito da Avaliação Operacional dos SH-16 para melhor utilização de seus sensores MAGE, FLIR, RADAR e SONAR,
Voos para homologação da metralhadora MAG-58 e
Resgate noturno de três náufragos do navio Beira Mar XXV em agosto de 2016, que culminou com o recebimento inédito pela MB do prêmio internacional Captain William J. Kossler.


Ressalta-se o significativo avanço das qualificações operacionais e de manutenção dos militares do Esquadrão HS-1, o que resulta em um emprego cada vez mais eficiente do braço armado mais longo da Esquadra.

Sobre terra e mar, diuturnamente – detectar, localizar, acompanhar e atacar! “AD ASTRA PER ASPERA”

FONTE: http://www.defesaaereanaval.com.br/esquadrao-hs-1-alcanca-a-marca-de-5-000-horas-voadas-nas-aeronaves-sh-16-seahawk/
 

*

Lusitano89

  • Investigador
  • *****
  • 9448
  • Recebeu: 308 vez(es)
  • Enviou: 213 vez(es)
  • +17/-7
Re: Marinha do Brasil
« Responder #1157 em: Maio 07, 2018, 03:33:13 pm »
 

*

Vitor Santos

  • Moderador Global
  • *****
  • 3404
  • Recebeu: 252 vez(es)
  • Enviou: 198 vez(es)
  • +112/-33
Re: Marinha do Brasil
« Responder #1158 em: Maio 10, 2018, 03:40:01 pm »
Vídeo – Voando no Super Lynx modernizado da Marinha


Citar
Por Guilherme Wiltgen

Acompanhe a decolagem do AH-11B Super Lynx N-4001 do patio de aeronaves da Leonardo Helicopters em Yeovil, no Reino Unido, a bordo da versão modernizada do Super Lynx da Marinha do Brasil.

A aeronave modernizada, designada Super Lynx Mk21B, também recebeu um Full Glass Cockpit, que pode ser visto no vídeo, sendo nítido a similaridade com o painel do AW159. O novo painel é totalmente compatível com o uso de OVN (Óculos de Visão Noturna) e complementado por um conjunto de avançados aviônicos, que compreende um processador tático, sistema de navegação baseado em satélite, TCAS, sistema de pouso por instrumento, RWR/ESM integrados e dispensers de contramedidas (Chaff/Flare).


Outro ponto a se observar no vídeo são os novos motores LHTEC CTS800-4N, os mesmo utilizados no AW159. A introdução deste motor alterou a tomada de ar e a saída dos gases quentes, em comparação com o R&R GEM 42-1 Mk1017, que equipa a versão Mk21A. As diferenças podem ser observadas comparando as fotos abaixo.


O CTS800-4N fornecerá ao Super Lynx brasileiro grandes melhorias de desempenho em ambientes quentes e altos, permitindo aumento da carga útil e uma extensa área de operação. O Programa de Modernização das aeronaves Super Lynx prevê a entrega, ainda este ano, de três das oito aeronaves a serem modernizadas, com as demais sendo recebidas pela Marinha do Brasil até 2020.

FONTE: http://www.defesaaereanaval.com.br/video-voando-no-super-lynx-modernizado-da-marinha/
 
Os seguintes utilizadores agradeceram esta mensagem: NVF

*

Vitor Santos

  • Moderador Global
  • *****
  • 3404
  • Recebeu: 252 vez(es)
  • Enviou: 198 vez(es)
  • +112/-33
Re: Marinha do Brasil
« Responder #1159 em: Maio 10, 2018, 03:47:49 pm »
Jane’s: MB prepara helicópteros Seahawk para o PHM Atlântico

SH-16 Seahawk da MB lançando míssil antinavio Penguin

Citar
Segundo o jornalista português Victor Barreira do Jane’s, a Marinha do Brasil tomará medidas para permitir que seu helicóptero multifuncional Sikorsky SH-16 Seahawk (designação do S-70B) opere no Porta-Helicópteros Atlântico (A140), ex-HMS Ocean, programado para ser incorporado em 29 de junho.

A aeronave foi previamente liberada para operações no Navio Doca Multipropósito NDM Bahia (G40) adquirido da Marinha Francesa em 2015, aumentando assim a capacidade da Esquadra Brasileira para realizar missões de longo alcance, incluindo busca e salvamento, antissubmarino e guerra anti-superfície, interdição marítima e patrulha e vigilância.

Seis aeronaves são operadas pelo Esquadrão HS-1 “Guerreiro” da Base Aérea Naval de São Pedro da Aldeia, que já ultrapassou as 5.000 horas de voo no tipo.

Seis montagens de armas modulares para a metralhadora FN Herstal MAG58M 7,62 mm foram adquiridas para complementar outros armamentos como o míssil antinavio Kongsberg Penguin Mk 2 Mod 7 e o torpedo Raytheon Mk 46 Mod 5A.

Convés de voo do HMS Ocean

FONTE:  http://www.naval.com.br/blog/2018/05/09/janes-mb-prepara-helicopteros-seahawk-para-o-phm-atlantico/
 
Os seguintes utilizadores agradeceram esta mensagem: NVF

*

Vitor Santos

  • Moderador Global
  • *****
  • 3404
  • Recebeu: 252 vez(es)
  • Enviou: 198 vez(es)
  • +112/-33
Re: Marinha do Brasil
« Responder #1160 em: Maio 17, 2018, 02:16:27 pm »
Esquadrão HU-4 completa 23 anos


Citar
A presença da Marinha na região Centro-Oeste remonta ao ano de 1873, quando teve início a construção do Arsenal de Marinha de Ladário, tendo a história da Aviação Naval no Pantanal iniciado nos idos de 1932, quando foi inaugurada a Base de Aviação Naval de Ladário.

Até 1936, operavam na área cinco hidroaviões “Farey-Gordon” pertencentes à Primeira Divisão de Esclarecimento e Bombardeio, cabendo ressaltar que, daquela época, permanece até hoje, a antiga torre de controle, marco histórico localizado nas instalações do atual Grupamento de Fuzileiros Navais de Ladário.

Em 1984 se iniciou a construção do atual hangar do Esquadrão e, cinco anos mais tarde, foram retomadas as operações aéreas na região, quando o então Destacamento Aéreo operava 02 helicópteros UH-12 Esquilo.

Em 16 de Maio de 1995, de acordo com a Portaria nº 0292 do então Ministro da Marinha, Almirante-de-Esquadra Mauro Cesar Rodrigues Pereira, foi criado o 4º Esquadrão de Helicópteros de Emprego Geral (HU-4).


Sua ativação deu-se em 06 de Junho de 1995, tornando-se assim uma Unidade Aérea Operativa da Marinha do Brasil, subordinada ao Comando do 6º Distrito Naval, cuja área de jurisdição compreende os estados de Mato Grosso e Mato Grosso do Sul.

A partir de 29 de maio de 2004, o Esquadrão passou a operar 03 helicópteros IH-6B Bell Jet Ranger III.

Seus meios aéreos são empregados nas tarefas de busca e salvamento (SAR), evacuação aeromédica (EVAM), esclarecimento, transporte de tropa, ligação e observação, apoio aéreo aproximado, apoio logístico móvel, reconhecimento armado, cobertura aérea, escolta e ataque aéreo.


O HU-4 é conhecido como Esquadrão Gavião, assim como as aeronaves que opera, alusivo a espécie falconiforme, da família dos aciptrídeos e falconídeos, ave dotada de visão privilegiada, soberana na região do Pantanal. Frequenta terrenos abertos, descampados, margens dos rios, lagoas e cerrados, onde a qualquer momento pode capturar sua presa.


Em 23 de janeiro de 2012, o 1° Esquadrão de Helicópetros de Emprego Geral (HU-1) iniciou o deslocamento de duas aeronaves UH-12 Esquilo, a N-7052 e a N-7053, a fim de apoiar o 6º DN e qualificar oficiais e praças do 4° Esquadrão de Helicópteros de Emprego Geral (HU-4) no novo modelo de aeronave.

Em 13 de julho de 2012 o HU-4 recebeu por transferência do Esquadrão HU-1, duas aeronaves UH-12 Esquilo de prefixos N-7052 e N-7053.

Símbolo deste Esquadrão, tradução de vivacidade, audácia e astúcia, este predador por natureza é a representação fiel dos sentimentos do Esquadrão HU-4 no cumprimento de suas missões.

Seu atual Comandante é o Capitão de Corveta Jorge Henrique da Mota Gomes de Souza.


FONTE: http://www.defesaaereanaval.com.br/esquadrao-hu-4-completa-23-anos/
 

*

Lusitano89

  • Investigador
  • *****
  • 9448
  • Recebeu: 308 vez(es)
  • Enviou: 213 vez(es)
  • +17/-7
Re: Marinha do Brasil
« Responder #1161 em: Maio 17, 2018, 07:42:34 pm »
 

*

Lusitano89

  • Investigador
  • *****
  • 9448
  • Recebeu: 308 vez(es)
  • Enviou: 213 vez(es)
  • +17/-7
Re: Marinha do Brasil
« Responder #1162 em: Maio 19, 2018, 03:58:27 pm »
 

*

Vitor Santos

  • Moderador Global
  • *****
  • 3404
  • Recebeu: 252 vez(es)
  • Enviou: 198 vez(es)
  • +112/-33
Re: Marinha do Brasil
« Responder #1163 em: Julho 07, 2018, 02:33:00 am »
DGS Defense entrega embarcação multimissão blindada à Marinha do Brasil


Citar
A DGS Defense, Empresa Estratégica de Defesa, vai apresentar a DGS 888RAPTOR, sua nova embarcação multimissão totalmente blindada, na feira Rio
International Defense Exhibition (RIDEX), que acontece nos próximos dias 27, 28 e 29 de junho, no Píer Mauá, no Rio de Janeiro. Após a RIDEX 2018, que reúne empresas das áreas de Defesa, Segurança e Offshore, a nova DGS 888 RAPTOR será entregue à Marinha do Brasil.

A família de embarcações táticas multimissão DGS RAPTOR, composta por três modelos – DGS 650 RAPTOR, DGS 888 RAPTOR e DGS 1200 RAPTOR –, é uma avançada plataforma projetada para fornecer mobilidade tática e suporte de fogo em ambientes ribeirinhos e litorâneos. O design patenteado da família RAPTOR é resultado de mais de 11 anos de experiência no projeto e fabricação de embarcações exclusivamente militares.

Principais características técnicas

Alta velocidade
Alta estabilidade
Insubmergível
Material retardante a chamas
Grande facilidade de customização
Grande autonomia
Alta capacidade de manobra em lugares restritos
Baixo calado operacional
Capacidade de carga superior a 2.000 kg
Radar de alta definição
Cabines de comando blindadas abertas e fechadas, nível de proteção NIJ III –
STANAG 01
Grande volume de fogo (2 pedestais compatíveis com metralhadoras calibre 0.50” /
7,62 mm na proa e popa e 2 pedestais para 7,62 mm em ambos os bordos)
Pacote eletro-óptico (FLIR) para imageamento diurno e Infravermelho (Termal)
Elevada estabilidade lateral, o que facilita e otimiza o emprego do armamento
instalado nos pedestais, bem como do armamento portátil
Baixo custo de operação e manutenção
Longo ciclo de vida

FONTE http://www.defesaaereanaval.com.br/ridex-dgs-defense-entrega-embarcacao-multimissao-blindada-a-marinha-do-brasil/
 

*

Vitor Santos

  • Moderador Global
  • *****
  • 3404
  • Recebeu: 252 vez(es)
  • Enviou: 198 vez(es)
  • +112/-33
Re: Marinha do Brasil
« Responder #1164 em: Julho 07, 2018, 03:26:32 am »
H225M (UH-15 B) da Marinha do Brasil, no convoo do NDM Bahia - Foto: Eny Miranda
 

*

Vitor Santos

  • Moderador Global
  • *****
  • 3404
  • Recebeu: 252 vez(es)
  • Enviou: 198 vez(es)
  • +112/-33
Re: Marinha do Brasil
« Responder #1165 em: Julho 13, 2018, 06:23:15 pm »
Corveta Barroso atenderá a duas operações navais em 55 dias


Citar
Por Roberto Lopes
Especial para o Poder Naval


O Ministério da Defesa da África do Sul liberou alguns dados sobre as duas operações navais multinacionais que terão lugar defronte ao seu litoral, no período de 31 de agosto a 14 de outubro, envolvendo, entre outras unidades, a corveta Barroso (V34).

Ambas as manobras – Atlasur XI e Ibsamar 2018 – são de responsabilidade dos chefes navais sul-africanos, que organizam os exercícios, disponibilizam provisões na Base Naval de Simon’s Town (QG da Força Naval anfitriã), e têm montado um esquema de atendimento a emergências no mar durante a fase operacional.

A primeira dessas manobras será a Atlasur XI que irá se prolongar de 31 de agosto a 21 de setembro e, este ano, reunirá navios das marinhas sul-africana, brasileira e uruguaia (veja texto Armada Argentina está fora da Operação Atlasur na África do Sul, publicado a 4 de julho último).

O tema do exercício – “Combinados estamos combatendo o comércio ilegal (de humanos, drogas e armas)” – gerou a montagem de uma série de ações hipotéticas que vão focar as buscas por embarcações suspeitas de atos ilícitos e o monitoramento desses alvos, além de incursões de abordagem e de ataque apoiadas por navios e aeronaves.

A corveta Barroso levará ao litoral africano um destacamento do GRUMEC, Grupamento de Mergulhadores de Combate da Marinha do Brasil.

O navio sul-africano de pesquisas hidrográficas Protea servirá ao treinamento de forças de elite, que irão simular a invasão do barco para o seu resgaste das mãos de piratas.

A fase marítima da Atlasur terá lugar entre a quinta-feira 6 e o domingo 9 de setembro. Em seguida as operações vão se mover para o litoral oeste sul-africano, de onde retornarão a Simon’s Town, onde acontecerá a cerimônia de encerramento do exercício.


Ibsamar – A Operação Ibsamar VI terá início no dia 1º de outubro, com forças navais da África do Sul, da Índia e do Brasil, e escopo bem diferente da Atlasur: as manobras de alto-mar que vão envolver técnicas de guerra de superfície, de detecção submarina, vigilância aérea, procedimentos para o engajamento de ameaças que se aproximem pelo ar e guerra eletrônica.

A Ibsamar V foi realizada em 2016, ao largo da cidade indiana de Goa.

Durante a travessia para a África do Sul, a corveta Barroso completará o seu 10º aniversário de incorporação à Marinha do Brasil.

Seu primeiro comandante foi o então capitão de fragata Luiz Roberto Cavalcanti Valicente, atual diretor do Centro de Comunicação Social da Marinha.

O Poder Naval deseja um bom trabalho e mares tranquilos à tripulação da brava corveta Barroso.

FONTE: https://www.naval.com.br/blog/2018/07/12/corveta-barroso-atendera-a-duas-operacoes-navais-em-55-dias/
 

*

Vitor Santos

  • Moderador Global
  • *****
  • 3404
  • Recebeu: 252 vez(es)
  • Enviou: 198 vez(es)
  • +112/-33
Re: Marinha do Brasil
« Responder #1166 em: Julho 13, 2018, 06:32:37 pm »
Navios de Apoio Oceânico Classe “MEARIM” são incorporados à Marinha do Brasil


Citar
Os Navios de Apoio Oceânico (NApOc) “Mearim”, “Iguatemi” e “Purus” foram batizados e participaram de Mostra de Armamento e Transferência para o Setor Operativo, no último dia 9 de julho, no Arsenal de Marinha do Rio de Janeiro.

A cerimônia foi presidida pelo Chefe do Estado-Maior da Armada, Almirante de Esquadra Ilques Barbosa Junior. O evento representou a incorporação do navio à Armada da Marinha do Brasil (MB) e, de acordo com a tradição naval, o batismo por uma madrinha traz sorte à embarcação.

O “Mearim”

O “Iguatemi”

O “Iguatemi”

O “Mearim”

O processo de aquisição dos Navios de Apoio Oceânico classe “Mearim” teve início no final de 2016, por meio de reuniões entre o Comando de Operações Navais (ComOpNav), a Diretoria de Gestão de Programas (DGePM) e a Empresa Gerencial de Projetos Navais (EMGEPRON).

Após uma averiguação minuciosa no mercado, realizada pela EMGEPRON, para verificar quais navios do tipo Anchor Handling Tug Supply (AHTS) estariam disponíveis, verificou-se a existência de 147 embarcações, porém nenhuma delas atendia aos requisitos apresentados pelo Setor Operativo.

Em novo estudo realizado, foram alterados os requisitos de maneira a permitir a continuidade do processo.

Foi realizado um pregão eletrônico internacional para aquisição de três navios, sob a responsabilidade da EMGEPRON. A vencedora do certame foi a empresa norueguesa Deep Sea Shipowing, com os AHTS “Sea Stoat”, “Sea Vixen” e “Sea Fox”.

Cabe destacar que a obtenção dos Navios de Apoio Oceânico (NApOc) “Mearim”, “Iguatemi” e “Purus” foi decorrente de um inédito processo de compra por oportunidade para a Marinha do Brasil, realizada pela EMGEPRON.

Os NApOc “Mearim”, “Iguatemi” e “Purus” estão aptos a desempenhar as seguintes tarefas: apoio logístico móvel, patrulha e inspeção naval, busca e salvamento – “Search and Rescue” (SAR) e minagem, nas áreas do Comando do 5º Distrito Naval (NApOc “Mearim”), Comando do 4º Distrito Naval (NApOc “Iguatemi”) e Comando do 1º Distrito Naval (NapOc “Purus”).

Os Navios possuem as seguintes características:

– Características:

. Comprimento Total: 63,40 m
. Comprimento Entre Perpendiculares: 56,53 m
. Boca Moldada: 15,80 m
. Pontal: 6,80 m
. Deslocamento Carregado: 1.943 t
. Calado de Navegação: 5,5 m
. Velocidade Máxima:13,5 nós
– Principais Equipamentos para Realização das Tarefas:

. 02 metralhadoras 12,7 mm (0,50 pol)
. 02 metralhadoras 7,62 mm
. Máquina de Reboque com Bollard Pull de aproximadamente 90 t

O Navio de Apoio Oceânico (NApOc) “Mearim” – G 150 é o primeiro navio da classe e o sexto a ostentar esse nome na Marinha do Brasil, em homenagem ao Rio Mearim que banha o estado do Maranhão.

O Navio de Apoio Oceânico (NApOc) “Iguatemi” – G 151 é o segundo navio da classe e o quarto a ostentar esse nome na Marinha do Brasil, em homenagem ao Rio Iguatemi que banha o estado do Mato Grosso do Sul.

O Navio de Apoio Oceânico (NApOc) “Purus” – G 152 é o terceiro navio da classe e o terceiro a ostentar esse nome na Marinha do Brasil, em homenagem ao Rio Purus que banha os estados do Acre e Amazonas.

A escolha do indicativo visual de costado (G 150, G 151, G 152), é uma homenagem ao sesquicentenário das diversas ações ocorridas na Guerra da Tríplice Aliança (1864-1870).

Observação do autor: Com a entrega destes novos meios, e de acordo com o texto divulgado, a capacidade de guerra de minas ofensiva/defensiva no 5º, 4º e 1º Distritos Navais receberá um significativo reforço, pois passarão a contar com um meio capaz de lançar uma expressiva quantidade de minas de contato e/ou de fundeio.

FONTE:  http://tecnodefesa.com.br/navios-de-apoio-oceanico-classe-mearim-sao-incorporados-a-marinha-do-brasil/
 

*

Lusitano89

  • Investigador
  • *****
  • 9448
  • Recebeu: 308 vez(es)
  • Enviou: 213 vez(es)
  • +17/-7
Re: Marinha do Brasil
« Responder #1167 em: Julho 14, 2018, 02:45:17 pm »
 

*

Lusitan

  • Membro
  • *
  • 129
  • Recebeu: 37 vez(es)
  • Enviou: 29 vez(es)
  • +45/-3
  • Hic et Ubique
Re: Marinha do Brasil
« Responder #1168 em: Julho 21, 2018, 04:10:47 pm »
http://www.janes.com/article/81897/ukrainian-state-firm-ukrinmash-details-design-bid-for-brazilian-corvette-competition

Ukrainian state firm Ukrinmash details design bid for Brazilian corvette competition

Ukrainian state-owned company Ukrinmash, part of the Ukroboronprom conglomerate, is proposing a version of its Project 58250 corvette for the Brazilian Navy’s Tamandaré-class corvette acquisition programme.

The Brazilian bid, known as the Project 58300 ‘Amazonas’ corvette, is a version of the baseline Ukrainian Project 58280 design by the Nikolayev (Mykolaiv)-based State Research Design Shipbuilding Centre, tailored to meet Brazilian requirements.

Ukrinmash has teamed with Brazilian state-owned shipyard Arsenal de Marinha do Rio de Janeiro (AMRJ) in its attempt to win the four-ship Tamandaré-class project, which has a current budget of BRL2 billion (USD518.5 million).

Ukrinmash told Jane’s that, if selected, it is ready to deliver the ship as Brazilian Navy intellectual property.

Other companies participating in the Ukrainian proposal include Atlas Elektronik, Rohde & Schwarz, Thales, Leonardo, Zeppelin, Caterpillar, Chernomorsky Shipbuilding Yard, Transas, State Research & Design Shipbuilding Centre, China Precision Machinery Import and Export Corporation, Mykolayiv Shipyard, Zorya-Mashproekt Gas Turbine Research and Development Complex, and Yuzhnoye State Design Office.

Ukrinmash is proposing the Thales Nederland TACTICOS series combat management system (CMS) for the corvette.

Key characteristics of the design include a full displacement of 2,650 tonnes, a length of 112 m, a beam of 13.5 m, a range of up to 4,000 n miles at 14 kt, a maximum speed of 30 kt, as well as a hangar and flight deck to support operations by a medium-size helicopter up to 11 tonnes. Accommodation will provide for a complement of 110. Endurance is up to 30 days.

The weapon and sensor fit includes two quad surface-to-surface missile launchers, a vertical launcher for surface-to-air missiles, a 76 mm gun system, two 35 mm guns, two triple 324 mm torpedo launchers; two 12.7 mm machine gun mounts; chaff and decoy launchers; 3D medium-range and long-range surveillance radars; hull-mounted and towed sonars; an integrated bridge system; a fire control director; communications, navigation and electronic warfare equipment; a long-range targeting radar; and electro-optical surveillance payloads.
 

*

Lusitano89

  • Investigador
  • *****
  • 9448
  • Recebeu: 308 vez(es)
  • Enviou: 213 vez(es)
  • +17/-7
Re: Marinha do Brasil
« Responder #1169 em: Julho 22, 2018, 03:05:23 pm »
 

 

Acidente durante exercício de tiro entre Brasil e Argentina

Iniciado por Paisano

Respostas: 14
Visualizações: 6322
Última mensagem Dezembro 07, 2004, 11:52:51 pm
por papatango
Brasil Comprará Torpedo MK 48 Mod 6 Adv Tech

Iniciado por J.Ricardo

Respostas: 4
Visualizações: 4303
Última mensagem Maio 04, 2009, 11:41:33 pm
por 2dmaio
Marinha do Brasil incorpora navio-auxiliar "Pará"

Iniciado por J.Ricardo

Respostas: 3
Visualizações: 2466
Última mensagem Janeiro 24, 2005, 09:01:15 pm
por Paisano
Corpo de Fuzileiros Navais (CFN) da Marinha do Brasil

Iniciado por Paisano

Respostas: 172
Visualizações: 58882
Última mensagem Dezembro 12, 2018, 12:48:24 pm
por Vitor Santos
Piranha-III para a Marinha do Brasil

Iniciado por papatango

Respostas: 29
Visualizações: 8276
Última mensagem Novembro 22, 2008, 01:27:31 pm
por fealcap