França, reduçoes drasticas no orçamento da defesa

  • 8 Respostas
  • 4094 Visualizações
*

legionario

  • Especialista
  • ****
  • 944
  • Recebeu: 11 vez(es)
  • Enviou: 6 vez(es)
  • +1/-16
França, reduçoes drasticas no orçamento da defesa
« em: Junho 17, 2008, 04:40:39 pm »
O presidente francês anunciou reduçoes drasticas nos efectivos e no orçamento da defesa.
A força de projeçao francesa passa de 50 000 para 30 000 homens.
Ja nao fazem um segundo porta-avioes.
Os Leclerc operacionais passam a menos de duas centenas.
A armée de l'air, fica reduzida a 300 avioes de combate.
So o sector das pesquisas vê o seu orçamento aumentado  : satélites e drones nao so escapam às restriçoes, como beneficiam de investimentos acrescidos.
IN HOC SIGNO VINCES
DEUS VULT
 

*

AMRAAM

  • Perito
  • **
  • 469
  • Recebeu: 1 vez(es)
  • +0/-0
(sem assunto)
« Responder #1 em: Junho 17, 2008, 04:59:19 pm »
Aqui la noticia(en español),algo mas ampliada y con mas informacion al respecto. :wink:
Citar
PARIS.- El presidente Nicolas Sarkozy anunciará hoy una nueva doctrina de defensa que prepara a Francia para enfrentar los conflictos del futuro, como ciberataques, operaciones terroristas masivas, pandemias o ataques bacteriológicos, y la dota de una mayor capacidad de "información e inteligencia", pero conservando una fuerza de 30.000 hombres capaz de intervenir rápidamente en un escenario bélico exterior.

Contenida en un Libro Blanco de 300 páginas, esa nueva doctrina aplaza la construcción de un nuevo porta-aviones, reduce la cantidad de fragatas multimisiones y demora el programa destinado a reemplazar los siete tipos de aviones caza en servicio por los modernos Rafale. El resultado de ese proyecto, preparado durante 11 meses por iniciativa del jefe del Estado, debería ser una herramienta militar más reducida, veloz y mejor adaptada a los peligros del mundo actual.

La novedad conceptual de este programa es la creación de una nueva función estratégica, "conocimiento y anticipación" (espionaje), que se agregará a las cuatro existentes: disuasión, prevención, intervención y protección.

La oposición socialista criticó las conclusiones de ese documento, que califica de "operación únicamente destinada a justificar la voluntad presidencial".

Las fuerzas armadas francesas sufrirán una drástica reducción global de 54.000 efectivos. En seis o siete años, el número de hombres pasará de 271.000 a 224.000. El ejército contará con 130.600 efectivos (-17%), la fuerza aérea con 50.000 (-24%) y la marina con 44.100 (-11%). La parte esencial de esa reducción debería afectar, sin embargo, a los sectores de apoyo y de logística.

El Libro Blanco también modifica sensiblemente los objetivos operacionales de las fuerzas armadas. En el nuevo esquema, el ejército deberá ser capaz de enviar durante un año 30.000 hombres (contra los 50.000 de ahora) a 8000 kilómetros de distancia. A esa cifra se agrega un dispositivo de alerta de 5000 hombres y otros 10.000 destinados a situaciones de crisis interna.

La marina tendrá que poder alinear una fuerza aeronaval con un grupo aéreo completo, 18 fragatas de primer rango y 6 submarinos nucleares de ataque.

La fuerza aérea contará con un parque único de 300 aviones de combate (Rafale y Mirage 2000 modernizados) y deberá poder enviar 70 aviones (contra 100 en la actualidad) "a un teatro de operaciones distante entre 7000 y 8000 kilómetros". Ese esquema se completa con un sistema de alerta de unos 10 aviones.

Por su parte, el dispositivo de disuasión nuclear conserva sus dos componentes (misiles balísticos y bombarderos). El primero está compuesto de cuatro submarinos nucleares lanzamisiles.

Una de las grandes novedades del Libro Blanco es el nombramiento de un responsable encargado de centralizar los servicios de inteligencia civiles y militares en el Palacio del Elíseo. Los servicios secretos se acercan así aún más al corazón del Poder Ejecutivo, que suele ser su cliente principal. Ese puesto será ocupado por el actual embajador en Argelia, Bernard Barjolet.

También en materia de inteligencia, el nuevo esquema defensivo francés pregona una mayor utilización de satélites de observación. Para subrayar esa nueva orientación, Sarkozy debe visitar hoy la base aérea de Creil (al norte de París), asiento de la muy secreta Dirección de Inteligencia Militar (DRM, por sus siglas en francés).

La prioridad acordada a la inteligencia se traducirá en la duplicación de los créditos acordados a los sistemas espaciales militares (588 millones de dólares actualmente) y en la creación de un comando espacial conjunto.

La nueva ley de programación militar prevé que las fuerzas armadas francesas contarán con un presupuesto de 583.000 millones de dólares para los próximos 12 años (48.500 millones anuales, contra 73.700 millones en la actualidad). Hasta 2012, el volumen del presupuesto 2008 será simplemente reajustado según la tasa de inflación. A partir de 2012, aumentará el 1% anual. A partir de ahora, el presupuesto francés de defensa representará el 2% del PBI, contra el 2,3% en la actualidad.

El ahorro en materia de efectivos será utilizado, sobre todo, en gastos de equipamiento. Ese rubro pasará de 23.900 millones de dólares anuales en 2008 a 28.000 millones anuales entre 2009 y 2020.

Uno de los grandes objetivos de Sarkozy en materia de defensa es el retorno de Francia al comando militar integrado de la OTAN. El presidente debería lanzar ese debate en abril de 2009 durante la cumbre del 60° aniversario de la alianza atlántica en Estrasburgo (Francia) y Kehl (Alemania).

A juicio de Sarkozy, ese retorno sólo se realizará en ciertas condiciones. La más importante de ellas será que el país "conserve su total independencia nuclear, tanto en términos de capacidad como de estrategia". Sarkozy también exigirá que "en tiempos de paz, ninguna fuerza francesa sea colocada en forma permanente bajo comando de la OTAN".

Francia, fundadora de la alianza, se retiró de la estructura militar integrada y de su dirección en 1966 por decisión del general Charles de Gaulle, que consideraba el atlantismo como una forma de dominación de Estados Unidos.
"Con la sangre de un guerrero y el primer rayo de sol, hizo Dios una bandera, y se la dio al pueblo español"
 

*

Instrutor

  • Investigador
  • *****
  • 1310
  • Recebeu: 3 vez(es)
  • Enviou: 1 vez(es)
  • +0/-0
(sem assunto)
« Responder #2 em: Junho 19, 2008, 02:22:02 pm »
A Europa de uma forma generalista esta a descurar a sua propria defesa, não tem em atenção a crescente modernização militar dos seus vizinhos do Magreb e médio oriente. O verniz estala quando num noticiário qualquer sair a publico que o Irão, Argélia e Líbia possuem umas armas nucleares. As Forças Armadas nunca fazem falta de tempo de paz, mas a ausência delas cria situações de guerra àqueles menos preparados e distraídos.
Fazer a paz...pelas armas!
"Aqui na Lusitanea existe um povo que não se governa nem se deixa governar" voz corrente entre os Romanos do Séc. I a.C
 

*

AMRAAM

  • Perito
  • **
  • 469
  • Recebeu: 1 vez(es)
  • +0/-0
(sem assunto)
« Responder #3 em: Junho 19, 2008, 02:26:40 pm »
Citar
As Forças Armadas nunca fazem falta de tempo de paz, mas a ausência delas cria situações de guerra àqueles menos preparados e distraídos.
Fazer a paz...pelas armas!

Toda la razon instrutor.. :wink:
"SI VIS PACEM PARA BELLUM"
"Con la sangre de un guerrero y el primer rayo de sol, hizo Dios una bandera, y se la dio al pueblo español"
 

*

old

  • Especialista
  • ****
  • 913
  • +1/-0
(sem assunto)
« Responder #4 em: Junho 19, 2008, 04:41:03 pm »
Europa se des-arma.
 

*

Lancero

  • Investigador
  • *****
  • 4144
  • Recebeu: 28 vez(es)
  • +60/-0
(sem assunto)
« Responder #5 em: Junho 19, 2008, 06:20:30 pm »
Citar
Defesa: Generais franceses contestam reforma das Forças Armadas

Paris, 19 Jun (Lusa) -- " semelhança do que inicialmente aconteceu em  Portugal, um grupo de generais franceses veio hoje a público, anonimamente,  para contestar a reforma das Forças Armadas prevista no livro branco proposto  pelo Presidente Nicolas Sarkozy.  

 

   Afirmando não terem sido ouvidos para a concepção do livro branco destinado  a formular uma nova política de Defesa, o grupo de oficiais generais refuta,  ponto por ponto, cada uma das medidas apresentadas na referida reforma.  

 

   Segundo o grupo de generais, a reforma prevista limita-se a propor uma  redução dos efectivos nos três ramos, em vez de empreender uma reflexão  mais completa sobre as definições das ambições globais da França, das suas  prioridades geoestratégicas e da formulação de um modelo de Forças Armadas  e dos seus equipamentos.  

 

   Numa longa carta à imprensa, intitulada "Livro branco sobre a Defesa:  uma esperança desperdiçada", o grupo de Generais considera que nos últimos  dez anos as despesas mundiais com a defesa aumentaram 45 por cento, enquanto  que na Europa e em França estas foram reduzidas.  

 

   Incoerência geral do documento é a definição mais frequentemente utilizada  pelo grupo de militares que afirma pretender fazer da Política Europeia  de Segurança e de Defesa (PESD) um dos principais dossiers da Presidência  francesa da União europeia que começa em Julho.  

 

   O Presidente francês, Nicolas Sarkozy, apresentou a nova doutrina de  segurança nacional francesa, com uma nova reorganização das forças armadas  para os próximos 15 anos e que prevê a redução de 54 mil dos seus 320 mil  efectivos.  

 

   A redução será partilhada pelos três ramos das Forças Armadas, embora  a Força Aérea sofra uma redução de um quarto dos seus efectivos, ao passo  que o Exército e a Marinha sofrerão cortes nas fileiras da ordem dos 17  e 11 por cento.  

 

   O objectivo do Livro Branco para a Defesa indica que o Estado deve caminhar  em direcção à criação de umas Forças Armadas mais pequenas e melhor equipadas.  

 

   " semelhança da intenção anunciada pelo governo português, no âmbito  da reestruturação das Forças Armadas portuguesas, o executivo francês também  vai adoptar um Comando Conjunto para os três ramos das Forças Armadas e  financiar a aquisição de equipamento militar através da redução de efectivos  e da venda de instalações militares.    

 

   Os fortes constrangimentos orçamentais, principalmente no Exército de  Terra, levaram o diário La Tribune a publicar um cartoon onde aparecem três  generais com um deles a dizer "Meus senhores, a situação é grave, os cofres  estão vazios!", ao que um outro general propõe: "Façamos então uma Defesa  "low-cost"...  
"Portugal civilizou a Ásia, a África e a América. Falta civilizar a Europa"

Respeito
 

*

migbar2

  • Perito
  • **
  • 334
  • Enviou: 1 vez(es)
  • +0/-0
(sem assunto)
« Responder #6 em: Junho 19, 2008, 11:32:10 pm »
" Si vis pacem, para bellum " - se queres a paz, prepara-te para a guerra.
Como vêm o ditado já é milenar...tanto quanto a sua lingua original !!!
Mas parece que a Europa está governada por uma resma de cretinos e ignorantes...e Portugal então !.....Quais as excepções nesta triste Europa ?
 

*

Lancero

  • Investigador
  • *****
  • 4144
  • Recebeu: 28 vez(es)
  • +60/-0
(sem assunto)
« Responder #7 em: Julho 24, 2008, 08:05:30 pm »
Citar
França: Reestruturação das Forças Armadas fechará 83 quartéis a partir de 2009

Paris, 24 Jul (Lusa) - A ampla reestruturação das Forças Armadas francesas passará pela supressão de 20 regimentos e batalhões do exército terrestre, de 11 bases aéreas e outra aeronaval, da Marinha, anunciou, hoje, o primeiro-ministro francês, François Fillon.  

 

    O governo revelou hoje o novo "mapa militar" da França, que prevê a eliminação de 83 quartéis ou unidades militares a partir de 2009, na sequência da "ampla reforma" anunciada o mês passado pelo presidente, Nicolas Sarkozy, para adaptar as Forças Armadas às novas ameaças do mundo globalizado.  

 

    Em conferência de imprensa, o primeiro-ministro francês afirmou que no final da reforma, o Exército terá 131 mil efectivos, a Força Aérea 50 mil e a Marinha 40 mil, em virtude do plano que determina a redução de 54 mil postos de trabalho no sector da Defesa.  

 

    O chefe do executivo sublinhou que o futuro "mapa militar" será articulado em torno do conceito "extremamente inovador de bases de defesa" de agrupar diferentes meios num mesmo dispositivo logístico.  

 

    De acordo com François Fillon, a lógica desta medida, que prevê entre 85 e 90 "bases de defesa", é reduzir a parte dos gastos administrativos em benefício da capacidade operativa das Forças Armadas.  

 

    O primeiro-ministro afirmou que, enquanto está posto de lado o risco de invasão da França e a Europa se converteu na região "mais estável e segura do Mundo", apareceram "novas ameaças", como o desenvolvimento "considerável" do terrorismo alimentado pelas crises, o auge do fundamentalismo e a proliferação de armas de destruição massiva.  

 

    Segundo a reestruturação anunciada, 11 bases militares serão eliminadas no próximo ano, 16 a partir de 2010 e 56 após 2011.  

 

    O presidente francês justificou a amplitude da reforma considerando que é o resultado de um "trabalho muito profundo, muito justo, que tinha de ser feito".  

 

       Confrontado com eventuais acções de protesto nas zonas afectadas pelo encerramento dos quartéis, como aconteceu quando foi feito o anúncio da reforma, Nicolas Sarkozy, disse que não hesitará.  

 

    O chefe de Estado, ao apresentar quinta-feira às prioridades estratégicas de defesa para os próximos anos, já tinha avançado com uma "redução substancial" dos efectivos das Forças Armadas, que deve atingir as 225 mil pessoas em seis ou sete anos.  

 

    O projecto provocou não só uma reacção imediata dos autarcas dos municípios onde vão desaparecer as unidades militares, como criou um forte mal-estar no Exército, que foi agravado quando Sarkozy classificou de "amadores" alguns militares, após um acidente, a 30 de Junho, num quartel de Carcassone, em que 17 pessoas foram feridas a tiro durante uma exibição militar.      

 

    Perante a inquietação económica dos autarcas das zonas afectadas pelos encerramentos, o primeiro-ministro francês afirmou que o governo destinará 320 milhões de euros "para os territórios mais afectados".    

 

    Além disso, a França pedirá á comissão europeia que amplie as zonas em que podem aplicar-se "certas ajudas" estatais e de organismos municipais a empresas.  

 

    Também para aligeirar o impacto destas medidas, a partir de 2009, será feita a transferência de administrações da capital para os municípios afectados, o que significa cerca de 5.000 postos de trabalho até 2010, e criado um fundo de solidariedade para que as autarquias possam fazer frente aos "choques fiscais" da reforma.  
"Portugal civilizou a Ásia, a África e a América. Falta civilizar a Europa"

Respeito
 

*

SSK

  • Moderador Global
  • *****
  • 1523
  • Recebeu: 13 vez(es)
  • +1/-0
(sem assunto)
« Responder #8 em: Julho 24, 2008, 08:20:35 pm »
Foi num clima de desinvestimento na defesa dos países da Europa que a WWII se deu... :?
"Ele é invisível, livre de movimentos, de construção simples e barato. poderoso elemento de defesa, perigosíssimo para o adversário e seguro para quem dele se servir"
1º Ten Fontes Pereira de Melo
 

 

Alemanha vai criar sistema de defesa anti-aéreo

Iniciado por JLRC

Respostas: 0
Visualizações: 1399
Última mensagem Outubro 22, 2004, 11:52:58 pm
por JLRC
Mudança na estrutura da defesa do Japão

Iniciado por JLRC

Respostas: 0
Visualizações: 1094
Última mensagem Outubro 05, 2004, 10:48:03 pm
por JLRC
Defesa: Prioridades da presidência portuguesa da UE

Iniciado por Lancero

Respostas: 0
Visualizações: 1858
Última mensagem Março 23, 2007, 04:47:24 pm
por Lancero
Notícias de Defesa - 12 a 18 Fevereiro

Iniciado por Marauder

Respostas: 3
Visualizações: 1543
Última mensagem Fevereiro 19, 2006, 01:42:28 pm
por Marauder
Singapura - Defesa Total

Iniciado por Lightning

Respostas: 10
Visualizações: 4539
Última mensagem Outubro 16, 2007, 12:14:08 am
por Lightning